Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia"

Transcrição

1 Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1

2 ÍNDICE 1 Enqudrmento Modelo de Execução d Estrtégi Definir estrtégi Missão Visão Atribuições d ACSS Objectivos geris Objectivos Estrtégicos Linhs Estrtégics Perspectivs do modelo Opecionlizr estrtégi Aspectos relevntes do Mp d Estrtégi Mp d estrtégi Opercionlizr estrtégi implic pssr d descrição mp d estrtégi - às operções Alinhr Orgnizção Plner s operções Plno de Actividdes Alinhmento com o SIADAP Monitorizr Processo gerdor de informção Processo de monitorizção dos objectivos Processo de monitorizção dos projectos/ctividdes Sistem de informção Testr e dptr Anexos Mps d Estrtégi ds Áres de Intervenção Estrtégic Estrutur Orgânic d ACSS... 1 Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 2

3 1 Enqudrmento A ACSS é um instituto público integrdo n dministrção indirect do Estdo, resultnte d fusão/ trnsformção de outrs Entiddes existentes, orgnicmente dependentes do Ministério d Súde. É um orgnismo dotdo de utonomi dministrtiv, finnceir e ptrimónio próprio. A ACSS tem jurisdição sobre todo o território continentl, sem prejuízo ds competêncis tribuíds por diploms próprios de âmbito ncionl, tem su sede n cidde de Lisbo. De A Administrção Centrl do Sistem de Súde Funções d Secretri Gerl em mtéri de Recursos Humnos do SNS A instituição crid tem pel frente desfios importntes Unificr estruturs e crir um nov orgnizção, linhndo processos, funções e pessos; Crir sinergis trvés d unificção de estruturs e processos e à eliminção de recursos duplicdos; Gerir mudnç e o seu impcto ns pessos; Definir um estrtégi pr nov orgnizção e gerir s inicitivs chve promotors de melhores resultdos; Uniformizr os diferentes grus de mturidde estrtégic ds diverss uniddes opercionis Sistemtizr, formlizr e comunicr s funções d ACSS dentro do Ministério d Súde. A consciênci destes desfios levou o Conselho Directivo d ACSS implementr um novo modelo de gestão bsedo em metodologis devidmente comprovds. Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 3

4 A metodologi doptd permite à ACSS crir um mrco de gestão que fcilit o vínculo entre estrtégi e s operções. Missão Porque existimos,... Desfio Estrtégico...o que queremos ser,... Visão Linhs estrtégics Linhs estrtégics que guirão noss cção no futuro, Que objectivos específicos temos que tingir! Objectivos estrtégicos Opercionlizção Acção... Que mets temos que tingir,(que esforço temos que fzer( Mets estrtégics Avlição e Acompnhmento Indicdores estrtégicos Projectos estrtégicos Mecnismos de coordenção cpzes de ssegurr que todo o progrm é seguido! Como medimos os objectivos... e o que temos de fzer! Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 4

5 3.A lin h r O r g n iz ç ã o 2.O p e r c io n liz r e str té gi 4.P l n e r s o p e r çõ e s 5.Mo n ito r iz r 1. D e f i n i r e s t r t é g i 6.T e s t r e d p t r Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi O novo modelo de gestão, está enqudrdo no ciclo de gestão d AP, é constituído por seis etps, fcilitdors d pssgem dos spectos estrtégicos os spectos opercionis Estrtégico 2. Opercionlizr estrtégi 1. Definir estrtégi 3. Alinhr Orgnizção 6. Testr e dptr Opercionl 4. Plner s operções 5. Monitorizr 2.1 Definir estrtégi A estrtégi definid ssent em três princípios básicos: Eficáci Eficiênci Qulidde Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 5

6 2.1.1 Missão A ACSS tem por missão dministrr os recursos humnos, finnceiros, instlções e equipmentos, sistems e tecnologis d informção do Serviço Ncionl de Súde e promover qulidde orgnizcionl ds entiddes prestdors de cuiddos de súde, bem como proceder à definição e implementção de polítics, normlizção, regulmentção e plnemento em súde, ns áres d su intervenção, em rticulção com s dministrções regionis de súde Visão A ACSS pretende ser um orgnismo de excelênci cpz de ssegurr gestão integrd dos recursos do SNS, com bse num sistem de informção em tempo rel, com elevdo nível de fibilidde, contndo pr tl, com um grupo de colbordores com elevdo nível de empenhmento, competênci, sentido de serviço público e fortemente motivdo Atribuições d ACSS Compete à ACSS: ) Coordenr s ctividdes no Ministério d Súde no plnemento de recursos humnos do Serviço Ncionl de Súde, suportdo num dequdo sistem integrdo de informção; b) Coordenr s ctividdes no Ministério d Súde nos domínios d regulção profissionl, de regimes de trblho, de registo de profissionis e de processos de negocição colectiv, no âmbito do Serviço Ncionl de Súde, rticulndo com outros serviços e orgnismos d dministrção centrl do Estdo nestes domínios; c) Regulr e dinmizr formção profissionl no âmbito do sistem ncionl de súde, podendo subsidirimente desenvolver progrms de formção, em domínios relevntes pr o Serviço Ncionl de Súde, rticulndo com outros serviços ou orgnismos d Administrção Públic em mtéri de ensino e formção ds profissões de súde; Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 6

7 d) Plner e coordenr gestão dos recursos finnceiros fectos o Serviço Ncionl de Súde, estudr e propor modelos de finncimento do sistem de súde, definindo s norms e s orientções sobre modliddes pr obtenção dos recursos finnceiros necessários, su distribuição e su plicção, bem como os sistems de preços e de contrtção ds prestções de súde; e) Acompnhr, vlir e controlr o desempenho económico-finnceiro dos serviços e estbelecimentos do Serviço Ncionl de Súde, em rticulção com s dministrções Regionis de Súde, I. P., bem como desenvolver e implementr cordos com outrs entiddes responsáveis pelo pgmento de prestções de cuiddos de súde; f) Assegurr o desenvolvimento dos sistems de vlição de serviços no âmbito do Serviço Ncionl de Súde, coordenr e controlr su plicção e exercer s demis competêncis que lhe sejm tribuíds n lei sobre est mtéri; g) Exercer s tribuições do Ministério d Súde em mtéri de superintendênci finnceirs e s decorrentes d su função de ccionist no sector empresril do Estdo; h) Definir norms, recomendções, requisitos e metodologis plicáveis à concepção, projecto e construção de instlções e equipmentos d súde, verificndo su plicção; i) Coordenr s ctividdes no Ministério d Súde pr normlizção do processo de licencimento de entiddes privds prestdors de cuiddos ou serviços de súde, com ou sem fins lucrtivos, em rticulção com os serviços e orgnismos centris com competêncis n definição de requisitos específicos, incluindo proposts de inicitivs legisltivs e regulmentres, bem como promover cções de verificção d plicção do qudro normtivo em vigor, sem prejuízo d competênci snciontóri d Entidde Reguldor d Súde; j) Coordenr s ctividdes no Ministério d Súde pr definição d rede de instlções e equipmentos do Serviço Ncionl de Súde, estbelecendo prioriddes e propondo plnos de investimentos públicos relizr no seu desenvolvimento, modernizção e renovção; Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 7

8 k) Preprr e lnçr projectos de uniddes de súde complexos, com elevd diferencição ou inovdores, compnhndo e vlindo su execução; l) Desenvolver modelos de contrtção de serviços, projectos e obrs reltivos instlções e equipmentos, bem como os plicáveis os processos de quisições e de provisionmento pr s instituições do Serviço Ncionl de Súde, vlindo plicção dos procedimentos serem seguidos pels entiddes tutelds pelo Ministério d Súde; m) Assegurr s funções de unidde ministeril de comprs reltivmente os bens e serviços ds instituições do Serviço Ncionl de Súde; n) Coordenr s ctividdes do Ministério d Súde pr definição de polítics sobre sistems e tecnologis de informção e de comunicção, o seu desenvolvimento e vlição, bem como gestão de sistems, promovendo definição e utilizção de norms, metodologis e requisitos que grntm interoperbilidde e interconexão dos sistems de informção d súde; o) Grntir opercionlidde e segurnç ds infr-estruturs tecnológics e dos sistems de informção do Ministério d Súde; p) Definir e coordenr s ctividdes e progrms pr o desenvolvimento e melhori contínu dos sistems de gestão d qulidde ds uniddes de súde, designdmente promovendo e monitorizndo o desenvolvimento de métodos, de ferrments e progrms de melhori contínu d qulidde e d segurnç do doente, de promoção e vlição d cessibilidde os serviços prestdos e d stisfção de utilizdores e pessol, bem como fzendo vlição continud dos indicdores do desempenho e d prátic ds instituições e serviços do sistem de súde, sem prejuízo ds tribuições de outrs entiddes designdmente Entidde Reguldor d Súde; q) Coordenr, preprr e poir projectos inovdores de contrtção, inseridos em progrms sectoriis, em especil com recurso finncimento privdo, designdmente os previstos nos Decretos-Lei nº 185/2002, Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 8

9 de 20 de Agosto e 86/2003, de 26 de Abril, n redcção dd pelo Decreto-Lei nº 141/2006, de 27 de Julho; r) Gerir o sistem integrdo de gestão de inscritos pr cirurgi; s) Desenvolver cções de cooperção ncionl e interncionl, de nturez bilterl ou multilterl; t) Relizr uditoris no âmbito ds sus tribuições Objectivos geris Objectivos Geris que decorrem ds tribuições fixds pel Lei Orgânic, d missão e visão definids: Contribuir pr sustentbilidde do SNS trvés d implementção de um sistem integrdo de plnemento e controlo de gestão, grntindo qulidde e consolidção d informção de gestão. Melhori d qulidde e d efectividde d gestão centrl dos recursos humnos, num perspectiv previsionl. Melhorr e rcionlizr rede ncionl de instlções e equipmentos do sistem de súde. Implementr o progrm de trnsformção estrtégic dos sistems e tecnologis d informção. Concluir o processo de crição, fusão, estruturção e orgnizção d ACSS, crindo um identidde própri e ssegurndo um funcionmento integrdo e eficiente Objectivos Estrtégicos No âmbito d etp de plnemento estrtégico ACSS definiu os seus Objectivos Estrtégicos pr o Triénio Recordndo: Optimizr utilizção dos recursos finnceiros subordindos à execução do serviço público Promover sustentbilidde do SNS Promover e grntir qulidde dos meios do Sistem de Súde Promover Gestão Previsionl Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 9

10 Assegurr gestão d qulidde intrínsec dos meios Disponibilizr informção fiável e tempd Optimizr o processo de gestão e de plnemento com visão previsionl Grntir regulmentção de todos os processos de súde (desde concepção té Contrtulizção) Promover mecnismos de gestão e compnhmento de modo grntir o umento d eficiênci e eficáci no Sistem de Súde Melhorr rticulção entre s Áres e os processos internos Aumentr eficáci dos modelos de controlo de modo grntir sustentbilidde e melhori continu Linhs Estrtégics Eficáci A ACSS, como entidde públic, deve ssegurr optimizção d utilizção dos fundos públicos recebidos. Assim, gerr mis ctividde com os recursos disponíveis trvés d melhor plicção e uso dos meios existentes. Eficiênci Promover melhori contínu dentro d ACSS o nível d quntidde e qulidde dos serviços prestdos umentndo progressivmente produtividde. Qulidde Grntir os níveis de excelênci dequdos nos serviços prestdos pel ACSS e dos meios do SS é um dos eixos fundmentis d su estrtégi. A excelênci tem de ser medid em termos tngíveis (dequção ds instlções, diminuição ds lists de esper, ). Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 10

11 2.1.7 Perspectivs do modelo Perspectiv de Vlor Optimizr utilizção dos recursos finnceiros subordindos à execução do serviço público A ACSS como entidde públic gestor dos recursos finnceiros existentes. Promover sustentbilidde do SNS Promover sustentbilidde finnceir ds entiddes que fzem prte do Serviço Ncionl de Súde de form que tods els sejm, no futuro, uto-suficientes. Promover e propor tods s cções necessáris encminhds este objectivo. Promover e grntir qulidde dos meios do SS Ser impulsiondor e grntir qulidde nos meios físicos disponíveis no Sistem de Súde de form estrem todos dentro dos requisitos técnicos e de qulidde necessários e exigíveis. Perspectiv de Clientes / Utentes Gestão previsionl Gerir os recursos humnos, finnceiros e físicos do Sistem de Súde com um óptic previsionl (com visão de futuro) de mneir grntir s necessiddes futurs do próprio sistem e dos seus utentes Gestão d Qulidde intrínsec dos meios Grntir qulidde ds instlções e equipmentos trvés d su dequção os requisitos técnicos especificdos Informção fiável e tempd Fornecer os stkeholders d ACSS melhor e mis ctulizd informção finnceir, de recursos humnos e de infr-estruturs disponíveis de form fcilitr um gestão óptim. Relizr s melhors necessáris de form grntir o fornecimento à Tutel de informção fiável no momento certo, e sem investir muitos recursos Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 11

12 Perspectiv de Clientes / Utentes Optimizr o processo de gestão e de plnemento com visão previsionl Grntir regulmentção de todos os processos de súde (desde concepção té contrctulizção) relciondos com o ciclo de vid humno Promover mecnismos de gestão e compnhmento de modo grntir o umento d eficiênci e eficáci no SS Melhorr rticulção entre s Áres e os processos internos Aumentr eficáci do modelos de controlo de form grntir sustentbilidde e melhori continu Desenvolver s cções de melhors dequds de form conseguir optimizr o processo de gestão e plnemento pr o SS grntindo sempre um visão previsionl futuro ds necessiddes Implementr os processos e medids dequds de form grntir que todos os processos relciondos com o ciclo de vid humno estão regulmentdos e formlizdos (requisitos técnicos, clendários, ) de form proceder su certificção Desenvolver os processos reltivos às uditoris dos processos e mtéris regulmentds que grntm implementção dequd Desenvolver os processos e mecnismos necessários pr gestão e compnhmento dos mecnismos e processos relciondos com Contrtulizção de form melhorr eficáci e eficiênci no SS Desenvolver e implementr s medids necessáris que judem melhorr os processos internos e fcilitem rticulção entre s Áres Assegurr implementção dequd dos modelos de controlo ns entiddes d súde com o objectivo de ter melhor controlo sobre os recursos e poder contribuir à grntir su sustentbilidde Aproveitr os modelos de controlo pr identificr medids de melhor continu que fcilitem e fvoreçm sustentbilidde Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 12

13 Perspectiv de Recursos Desenvolver s competêncis necessáris à implementção d estrtégi Grntir gestão por objectivos e o seu compnhmento Optimizr implementção d nov estrutur orgniztiv Melhorr comunicção intern e promover cultur ACSS Consolidr mrc ACSS Grntir sistems de informção linhdos com s necessiddes estrtégics Definir o gp existente ns competêncis identificds como crítics pr implementção d estrtégi n ACSS e desenvolver s cções e formções necessáris pr o diminuir Grntir implementção do novo sistem de vlição e gestão por objectivos ds entiddes públics de form fcilitr implementção dos objectivos estrtégicos definidos Finlizr o processo de implementção d estrutur orgniztiv derivd d integrção e crição d ACSS Trnsformr comunicção num processo continuo dentro d ACSS de form umentr o compromisso dos colbordores e promover crição de um cultur únic cultur ACSS Comunicr intern e externmente os vlores d mrc ACSS como entidde de excelênci e referenci n gestão integrd dos recursos do SS Grntir que os sistems de informção internos ACSS dão suporte às necessiddes ctuis e futurs ds diferentes uniddes de form poder implementr os objectivos e projectos estrtégicos definidos Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 13

14 3.A lin h r O r g n iz ç ã o 2. O p e r c i o n li z r e s t r t é g i 1.D e fin ir e s tr té g i 4.P l n e r s o p e r çõ e s 5.M o n ito r iz r 6.T e s t r e d p t r Plno Estrtégico Opecionlizr estrtégi A trdução d estrtégi no mp d estrtégi permite rticulr su gestão com os objectivos opercionis melhorndo o comportmento e desempenho em todos os níveis d orgnizção. O mp d estrtégi descreve como os ctivos intngíveis se podem trnsformr em resultdos tngíveis. Estrtégi Perspectiv Vlor Se formos bem sucedidos n implementção d estrtégi qul será o vlor crido pel ACSS? Perspectiv de Clientes / Utentes De form tingirmos noss visão, qul é noss propost de vlor os clientes / utentes? Perspectiv de Processos Internos Pr podermos desenvolver noss propost de vlor: Em que processos internos devemos ter um desempenho excelente? Perspectiv de recursos Quis são os recursos necessários pr desenvolver os processos internos? Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 14

15 2.2.1 Aspectos relevntes do Mp d Estrtégi Estrtégi d ACSS O mp d estrtégi reflecte os objectivos globis d ACSS como orgnizção integrd (e não som dos objectivos ds diferentes uniddes orgânics). Foclizção em objectivos prioritários Os objectivos definidos reflectem os principis spectos estrtégicos d ACSS (o que não retir importânci os objectivos opercionis, geridos outros níveis dentro d orgnizção). Reflecte de form visul s principis mensgens estrtégics A estrutur do mp foi desenhd de form fcilitr trnsmissão e comunicção ds principis mensgens estrtégics d ACSS. Estrtégi 2010 O exercício de trduzir estrtégi d ACSS em objectivos concretos e mensuráveis está previst pr um espço temporl de três nos ( ) Mp d estrtégi O mp d estrtégi, bixo representdo, evidenci s linhs geris d estrtégi definid pel ACSS pr o triénio Constitui um elemento centrl do modelo de execução d estrtégi, é um instrumento fcilitdor d su opercionlizção. Encontr-se orgnizdo em função de distints perspectivs/dimensões e evidenci s relções cus-efeito entre os objectivos. Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 15

16 Com recurso o Mp d estrtégi estbelece-se ponte com s operções, giliz-se pssgem dos conceitos mis intngíveis (missão e visão) pr spectos mis opercionis, mensuráveis, relciondos com ctividde diári. Ser um orgnismo de excelênci que ssegur gestão integrd dos recursos do SS Eficáci Eficiênci Qulidde Vlor 1. Optimizr utilizção dos recursos finnceiros subordindos à execução do serviço público 2. Promover sustentbilidde do SNS 3. Promover e grntir qulidde dos meios do SS Gestão profissionlizd ds entiddes do SS de modo grntir su sustentbilidde e qulidde dos meios Clientes 1. Gestão previsionl 2. Gestão d Qulidde intrínsec dos meios 3. Informção fiável e tempd Plner Normlizr/Regulr,Certificr Contrtulizr Processos 1. Optimizr o processo de gestão e de plnemento com visão previsionl 2. Grntir regulmentção dos processos de súde (desde concepção té contrctulizção) 3. Promover mecnismos de gestão e compnhmento de modo grntir o umento d eficiênci e eficáci no SS Gerir 4. Melhorr rticulção entre s Áres e os processos internos 5. Aumentr eficáci do modelo de controlo de form grntir sustentbilidde e melhori continu Monitorizr Recursos 1. Desenvolver s competêncis necessáris à implementção d estrtégi Pessos Orgnizção Sistems 2. Grntir gestão por objectivos e o seu compnhmento 3. Melhorr comunicção intern e promover cultur ACSS 4. Consolidr mrc ACSS 5. Grntir sistems de informção linhdos com s necessiddes estrtégics Opercionlizr estrtégi implic pssr d descrição mp d estrtégi - às operções. Missão Visão Objectivos Estrtégicos Indicdores e Mets Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 16

17 A opercionlizção d estrtégi de cordo com metodologi presentd permite à ACSS o linhmento com os requisitos legis plicáveis à Administrção Públic Mp d Estrtégi Blnced Scorecrd Alinhmento d Estrtégi com o SIADAP 1 (QUAR) Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 17

18 Conhecer cpcidde instld Optimizr gestão previsionl ds I&E do SS Melhorr o conhecimento ds necessiddes de cuiddos de súde Incrementr recursos e melhorr s competêncis pr desenvolver ctividde e o controlo Melhorr rticulção com s áres de estudo e plnemento Melhorr e rcionlizr rede ncionl de instlções e equipmentos do sistem de súde Grntir o cumprimento dos requisitos técnicos ds Uniddes de Súde Incrementr e diversificr os recursos de ssistênci técnic Melhorr qulidde ds I&E trvés d ctulizção continu ds especificções e documentos técnicos Melhorr os processos de contrtção grntindo uniformizção ds I&E desenvolvids Alinhr os SI com s necessiddes Melhorr relção e eficiênci (qulidde e tempo) com os prceiros internos e externos Grntir ctulizção d informção sobre I&E Normlizr Promover certificção e normlizção dos sistems de informção do SS Desenvolver competêncis em Gestão, Normlizção e Avlição de Conformiddes de sistems de informção Ter SI que permitm mximizr gestão e monitorizção dos processos de súde do ciclo de Gerir vid humno Grntir qulidde no serviço de suporte Alinhr informção com s necessiddes estrtégics Desenvolver sistems de informção fiáveis e tempdmente Promover cultur de serviço 3. A li n h r O r g n i z ç ã o 2.O p e r c io n liz r e str té gi Mximizr Gestão do Serviço Antecipr soluções de tecnologi que respondm às necessiddes dos utilizdores dos sistems de informção Ter os recursos e s infr-estruturs de suporte necessáris pr gestão do modelo 1.D e fin ir e s tr té g i 4.P l n e r s o p e r çõ e s 5.M o n ito r iz r 6.T e s t r e d p t r Plnemento Estrtégico Grntir o processo integrdo de Plnemento Estrtégico e Sustentbilidde d Rede Auditori Desenvolver competêncis de Contrtulizção/ Negocição Orçmento económico e Contrtulizção Melhorr o processo de Contrtulizção com os prestdores (públicos, privdos, PPPs, e sociis) Promover prtilh de melhores prátics Ter os recursos necessários pr implementr estrtégi (Estudos e Plnemento e Contrtulizção) Contribuir pr sustentbilidde do SNS grntindo qulidde e consolidção d informção de gestão Execução e Monitorizção Grntir o controlo de gestão efectiv ds uniddes e gestão orçmentl do SNS Fibilidde e cesso tempdo à informção de gestão Grnti d qulidde de informção n fonte e nos processos Ter informção de gestão com qulidde e dptd às necessiddes de cd prticipnte no processo Melhorr o processo de consolidção Avlição Grntir nível de cumprimento dos objectivos ds Instituições e dos Conselhos de Administrção Dispor de sistems dequdos pr grntir execução, monitorizção e o processo de contrctulizção Desenvolvimento de instrumentos que permitm dequção de RH às necessiddes do SNS. Disponibilizção de informção de gestão sobre RH que possibilite decisões esclrecids. Melhori ds cpciddes e competêncis técnics Melhori d qulidde e d efectividde d gestão centrl dos recursos humnos, num perspectiv previsionl Optimizção d gestão dos RH do SNS Concepção de instrumentos jurídicos que permitm um fectção de RH com bse ns necessiddes. Contribuição pr um efectiv gestão por objectivos. Minimizção dos efeitos decorrentes d coexistênci de regimes jurídicos de pessol diversos, no sentido d su possível hrmonizção. Emissão de orientções, compnhmento e monitorizção ds medids doptds Crição de mecnismos de qulificção dos profissionis de súde. Optimizção dos sistems de informção de modo suportr gestão previsionl e integrd dos RH Simplificção e gilizção de procedimentos Promoção d dequção contínu dos instrumentos de regulção d formção profissionl. Plno Estrtégico Alinhr Orgnizção O linhmento entre s Uniddes Orgânics é feito reflectindo em cd um ds Áres de Intervenção Estrtégic (AIE) o desfio estrtégico globl d ACSS. Opercionl Estrtégico Vlor Recursos Processos Instlções e Equipmentos Áres Opercionis Vlor Recursos Processos Tecnologis de Informção Áres Opercionis Conselho Directivo ACSS Vlor Recursos Processos Finnceir Áres Opercionis Vlor Recursos Processos Recursos Humnos Áres Opercionis Mp d Estrtégi d ACSS Mp d Estrtégi ds AIE Objectivos ds Uniddes N definição dos objectivos fic grntido o linhmento e intercção, tnto verticl como horizontl entre tods s uniddes que fzem prte d ACSS. Cd Unidde Orgânic contribui pr tingir os objectivos d su respectiv AIE e consequentemente os objectivos d ACSS. Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 18

19 3.A lin h r O r g n iz ç ã o 2.O p e r c io n liz r e str té gi 4. P l n e r s o p e r ç õ e s 1.D e fin ir e s tr té g i 5.M o n ito r iz r 6.T e s t r e d p t r Plno Estrtégico Plner s operções Plno de Actividdes O modelo de gestão vincul estrtégi de longo przo d ACSS com s operções, trvés do Plno de Actividdes. Do Plno de Actividdes constm os seguintes elementos: Objectivos nuis ds Uniddes Opercionis e de Apoio, linhdos com estrtégi ds respectivs AIE e d ACSS Projectos e ctividdes que contribuem pr concretizção dos objectivos definidos Necessiddes de formção, de cordo com os requisitos estrtégicos Alinhmento com o SIADAP O cumprimento do Mp d estrtégi tem em considerção su representtividde no âmbito dos 3 níveis do SIADAP. Estrtégico Opercionl ACSS Mp d Estrtégi AIE + Mp d Estrtégi d AIE Unidde Orgânic BSC/ QUAR + BSC Objectivos + Colbordores Projectos Objectivos SIADAP 1 SIADAP 2 SIADAP 3 Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 19

20 3.A lin h r O r g n iz ç ã o 2.O p e r c io n liz r e str té gi 4.P l n e r s o p e r çõ e s 1.D e fin ir e s tr té g i 5. M o n i t o r i z r 6.T e s t r e d p t r Plno Estrtégico Monitorizr Pretende-se com o processo de monitorizção um gestão ctiv e dinâmic d estrtégi que permit um ctução tempd. Neste processo os elementos monitorizr são: Mp d Estrtégi trvés do QUAR (SIADAP 1) Mps d Estrtégi ds Áres de Intervenção Estrtégic Objectivos ds Uniddes Opercionis e de Apoio Projectos ds Uniddes Opercionis e de Apoio Objectivos dos Dirigentes (SIADAP 2) Objectivos dos trblhdores (SIADAP 3) Processo gerdor de informção Nest fse de execução do Mp d estrtégi é importnte existente de um processo gerdor de informção que ssegure recolh e distribuição de tod informção estrtégic e comunicção dos resultdos. Definiu-se o período semestrl pr monitorizção o nível dos objectivos e o reporte nul pr monitorizção ds ctividdes e projectos que contribuem pr concretizção dos objectivos definidos. 1 Recolh e nlise de informção 2 Reltório Semestrl Conselho Directivo (Monitorizr) Semestrl Lnçmento recolh de ddos Construção d primeir versão do reltório Anlise dos resultdos Revisão e vlidção dos Vogis SEMESTRE 1 Objectivos Indicdores Projectos Reunião de Coordenção Estrtégic (Comunicr resultdos) Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 20

21 2.5.1 Processo de monitorizção dos objectivos Plno GGV AIE CD Unidde Vogl n-4/5 semns Lnçmento d monitorizção Mil Recolh de informção n-2 semns Anlise d informção Vlidção de informção Mteriis de monitorizção n-1 semn Elborção de reltório Refinmento Reltório Reltório Reltório Anlise do reltório n n= dt d reunião de monitorizção Reunião de monitorizção Comunicção de resultdos Os mteriis pr monitorizção são preprdos e distribuídos pelo Gbinete de Gestão de Vlor - GGV (responsável pelo poio o processo de plnemento) os Vogis ds AIE Os Directores Coordendores de cd AIE grntem recolh e qulidde d informção fornecid (função de suporte o GGV, ssegurndo entreg d informção de form tempd) È elbordo um presentção preliminr pr efeitos de reunião de Coordenção submetid o Vogl e Director Coordendor Após monitorizção são comunicdos os resultdos os Dirigentes (resumo executivo) Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 21

22 2.5.2 Processo de monitorizção dos projectos/ctividdes Plno GGV AIE CD Unidde Vogl n- 3/4 semns Lnçmento d monitorizção Recolh de informção n-2 semns Anlise d informção Vlidção de informção Mteriis de monitorizção n-1 semn Elborção de reltório Reltório n n= dt d reunião de coordenço operc Reunião de monitorizção Reunião CD (monitorizção) Os mteriis pr monitorizção são preprdos e distribuídos pelo GGV Os Directores Coordendores grntem recolh e qulidde d informção fornecid (função de suporte o GGV, ssegurndo entreg d informção de form tempd) Será preprdo um reltório de sttus dos projectos pr presentção n reunião de monitorizção opercionl Após reunião serão comunicdos os resultdos o CD Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 22

23 2.5.3 Sistem de informção Fce à necessidde de dr respost o Plno de Acção, Reltório de Actividdes, Objectivos Estrtégicos e Opercionis, e fornecer à Direcção informção que poie s sus decisões, form cridos sistems de recolh e trtmento d informção. O processo de monitorizção é suportdo por um ferrment de excell que grnte recolh e trtmento d informção que fic em rquivo. A informção disponibilizd n reunião de monitorizção e presentção dos resultdos no finl do processo é efectudo com recurso à ferrment de Power Point. Os reltórios preliminres e finis de monitorizção são produzidos em formto Word. Ests ferrments pesr de drem lgum respost, não conseguem colmtr tods s necessiddes, um vez que se perde muito tempo pr efectur o trtmento d informção, não são flexíveis, logo não permitem recolh tempd de informção de cordo com s solicitções e exigêncis d gestão, nem fornecem segurnç qunto o rmzenmento d informção, que pode ser fcilmente perdid. Pretende-se evoluir pr um ferrment ágil e segur, que permit prtilh d informção, entre os diversos utilizdores, recolh tempd de qulquer informção constnte no sistem e o rmzenmento seguro d informção que possibilit mnutenção de um histórico que permite elborção de nálises esttístics e monitorizção d evolução. Fce às necessiddes de Plnemento, deverá existir um sistem de informção pr recolh d informção, referente os objectivos definidos pr s diverss uniddes, bem como ds ctividdes e projectos que se desenvolvem pr cumprir os objectivos. Permitirá ind produção de reltórios de monitorizção utomáticos e um ligção direct os objectivos estrtégicos. O sistem terá um processo de vlidção que envolve desde o superior d unidde té o Conselho Directivo, crindo um sistem de responsbilizção integrd. Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 23

24 3.A lin h r O r g n iz ç ã o 2.O p e r c io n liz r e str té gi 1.D e fin ir e s tr té g i 4.P l n e r s o p e r çõ e s 5.M o n ito r iz r 6. T e s t r e d p t r Plno Estrtégico Testr e dptr O modelo de gestão torn estrtégi num elemento dinâmico cpz de se dptr às mudnçs e condicionlismos internos e externos. Elementos internos que tem impcto n estrtégi Monitorizção de objectivos Mudnç de projectos/ ctividdes Nível insuficiente de cumprimento de objectivos o projectos Crênci de recursos necessários Estrtégi Alterções nos: Objectivos Indicdores Mets Projectos Prioriddes Mudnç de Governo Alterções ns orientções polítics Restrições orçmentis Elementos externos que condicionm estrtégi O Modelo de Execução d Estrtégi fcilit e poi Gestão d Mudnç Modelo de Execução d Estrtégi Plne: Permite trduzir Estrtégi em objectivos opercionis (Mp d Estrtégi) Compromete: Determin responsbiliddes sobre objectivos estrtégicos Monitoriz: Fvorece medição sistemátic de indicdores e vlição do progresso dos objectivos estrtégicos RESULTADOS Alinhmento do desempenho dos colbordores Gestão d Mudnç Antecip: Permite gerir o impcto orgniztivo e humno d implementção estrtégic Alinh: Fvorece mudnç dos comportmentos e permite o linhmento estrtégico Comunic: Fvorece extensão do conceito estrtégico e d estrtégi todos Mudnç n Gestão Gestão d Mudnç Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 24

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade 17 LEADERSHIP AGENDA gnhr o futuro trvés d lidernç, gestão e inovção O sector ferroviário definiu um modelo estruturdo e inovdor pr umentr su competitividde O sector ferroviário português definiu um progrm

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP Progrm de Trblho Opercionlizção d Declrção de Mlbo sobre Agricultur Africn e Estrtégi e Roteiro do CAADP Visão e Objectivos sobre Agricultur Africn no horizonte de (2015-2025) Africn Union Commission Progrm

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP Progrm de Trblho Opercionlizção d Declrção de Mlbo sobre Agricultur Africn e Estrtégi e Roteiro do CAADP Visão e Objectivos sobre Agricultur Africn no horizonte de(2015-2025) Africn Union Commission Going

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho, provd pel Conferênci Interncionl do Trblho em su Nongésim Non Sessão, Genebr, 17 de junho de 2010

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Indicadores de desempenho: Balanced Scorecard (BSC)

Indicadores de desempenho: Balanced Scorecard (BSC) lândi ersidde Federl de Uberlâ Indicdores de desempenho: Blnced Scorecrd (BSC) Prof. Vinícius Silv Pereir vinicius@fgen.ufu.br 1 Progrm lândi ersidde Federl de Uberlâ Estrtégi e Avlição de Desempenho Análise

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI)

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) 1) Servo de Cristo e legislção vigente O Servo de Cristo respeitndo legislção vigente, ns orientções do MEC em seu Precer nº

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio Curso de Especilizção Tecnológic Desenvolvimento de Produtos de Multimédi Reltório de Estágio Muro L. Afonso Sentido Comum Gurd Portugl 2010 Curso de Especilizção Tecnológic Muro Afonso 1 Desenvolvimento

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS

PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS MINISTÉRIO PÚBLICO do Estdo do Prná ANO: 2015 PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS ÓRGÃO OU UNIDADE ADMINISTRATIVA: DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL SUBPLAN PROJETO/ATIVIDADE

Leia mais

GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DA REDE DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: INTEGRAÇÃO A UM SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Heitor Cesr Riogi Hg Escol de Engenhri de São Crlos - U.S.P. - Áre de Engenhri de Produção Av. Dr.

Leia mais

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável.

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável. Governnce, Rik nd Complince Mngement [GRC] Gerencimento Efetivo e Sutentável. O SoftExpert GRC Suite oferece um etrutur de governnç que poibilit um tomd de decião eficz e poio à mudnç comportmenti. O SoftExpert

Leia mais

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO Pró-Reitori de Recursos Humnos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO A Pró-Reitori de Recursos Humnos d Universidde Federl de Juiz de For, no uso de sus tribuições e, em cumprimento

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE LOGÍSTICA E OPERAÇÕES

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE LOGÍSTICA E OPERAÇÕES IDENTIFICAÇAO DO CURSO: Nome do curso: MBA Executivo em Gestão de Logístic e Operções Modlidde: distânci Áre do conhecimento Ciêncis Sociis Aplicds totl/tempo de integrlizção: 460 h/ 18 meses ou 12 meses

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 08 2014 SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA Avlição d situção tul e sugestões de encminhmento bseds ns discussões relizds em Reunião d Câmr Técnic de Informção e Informátic do

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Ano CXLVII N o - 10 Brasília - DF, sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Ano CXLVII N o - 10 Brasília - DF, sexta-feira, 15 de janeiro de 2010 ISSN 677-7042. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legisltivo... Atos do Poder Executivo... 4 Presidênci d Repúblic... 6 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 8 Ministério d Ciênci e Tecnologi...

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS. PEDRO RUI BRANCO Presidente do Conselho Fiscal AAIPS

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS. PEDRO RUI BRANCO Presidente do Conselho Fiscal AAIPS INIU PLIÉCNIC ÚBL CL UPI CIÊNCI MPII P UI BNC Presidente do Conselho Fiscl IP NQUMN C/IP está inserid n ede Públic de nsino uperior. No ubsistem do nsino Politécnico: É um ensino com um missão diferente

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO. Exercício 2012 1 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi SEPN 508, Bloco A, Ed. Confe, Brsíli-DF CEP 70740-541 Conselho Federl de Engenhri e Agronomi Superintendênci de Estrtégi e Gestão Gerênci de Plnejmento e Gestão

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS

ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS Resposts o Questionário Pergunt n. 1: Existe um serviço de Pstorl d Súde (ou socil) (equip, conselho, cpelni, voluntrido )?. nível provincil. SIM NÃO. nível locl.... SIM NÃO PROVÍNCIAS SIM NÃO Romn ; Lomrdo-Vénet

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1 Ctálogo de Cursos de Grdução d FAP 1 SUMÁRIO 1 DADOS CADASTRAIS 03 1.1 ENTIDADE MANTENEDORA 03 1.2 INSTITUIÇÃO 03 2 DIRIGENTES 04 2.1 DIRETORA GERAL 04 2.2 DIRETOR ACADËMICO 04 2.3 DIRETORA ADMINISTRATICA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano Lectivo 2010/2011

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano Lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escol Básic e Secundári À Beir Douro - Meds Ano Lectivo 2010/2011 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 10º ANO Conteúdos Vocbulário Especifico Competêncis

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SERVIÇOS: UMA APLICAÇÃO NO FRONT OFFICE

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SERVIÇOS: UMA APLICAÇÃO NO FRONT OFFICE 2 e 3 de gosto de 20 ISSN 984-9354 A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SERVIÇOS: UMA APLICAÇÃO NO FRONT OFFICE Smuel Ribeiro Tvres (UNINOVE) Milton Vieir Júnior (UNINOVE) Resumo Este trblho teve por objetivo desenvolver

Leia mais

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015 Desfio INOVA Pul Souz IDEIAS NEGÓCIOS Edição 2015 É um competição de Modelo de Negócios, presentdos vi tel do Modelo de Negócios CANVAS, entre equipes formds por estudntes do ensino médio, técnico, tecnológico

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA:

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: POLÍTICAS E NORMAS DE OPERACIONALIZAÇÃO MARINGÁ 2005 CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REITOR Professor Wilson de Mtos Silv VICE-REITOR

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais