Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde)"

Transcrição

1 Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde). DESPESAS COM PESSOAL. Diretor Técnico. Diretor Médico. Nefrologista Plantonista. Nefrologista pediátrico. Enfermeiro chefe. Enfermeiro Assistencial. Técnicos de enfermagem. Auxiliar de enfermagem. Nutricionista. Assistente Social. Psicólogo. Administrador. Auxiliar administrativo (escritório). Secretária. Recepcionistas. Menor aprendiz. Arquivista. Auxiliar de almoxarife (estoquista). Mensageiro (boy). Funcionário de limpeza. Copeira. Auxiliar de Serviços Gerais. Manutenção geral. Técnico Tratamento de água. Porteiro / Vigia. Serviço de Remoção de paciente. Contador. Assessoria Jurídica. ENCARGOS SOCIAIS. FGTS. INSS. Assistência médica. Cesta básica. Vale transporte. Vale refeição. 13o. Salário. Férias (1/3). Insalubridade. Auxilio creche. Auxilio educação. Medicina do trabalho

2 . MATERIAL DE USO MÉDICO. Dialisadores / Capilares. Diasafe plus. Linhas Arteriais. Linhas Venosas. Isoladores condutores de pressão. Agulha de fistula 15G. Agulha de fístula 16G. Agulha de fístula 17G. Seringa 1ml. Seringas 3ml. Seringas 10ml. Seringas 20ml. Compressa de gaze estéril. Pinça (não descartável). Equipo de soro. Equipo microgotas. Agulha 30 x 7. Agulha 13 x 4,5. Agulha 40 x 12. Fita adesiva (rolo 50 mts). Micropore (rolo). Luva de procedimento. Luva estéril. Máscaras / gorros. Material de EPI. TEGO Aparelho de dextro Fitas de dextro. Termômetro. Curativo transparente de cateter. Caixa para dialisadores. Campo cirurgico descartável. Catéter de oxigênio. Fio cirúrgico. Lâmina de bisturi. Scalp. Portovac (Cirurgia vascular). Tampa catéter. Tensiômetros. Pilhas regarregáveis. Algodão

3 . PRODUTOS QUÍMICOS E OUTROS. Solução de H.D.(ácida de polieletrólitos). Solução de H.D.( básica de bicarbonato de sódio). Solução de H.D.( com variação de cálcio ). Solução de H.D.( com variação de potássio). Bibag 700. Bibag 950. Soro fisiológico 1 litro. Soro fisiológico 500 ml. Soro fisiológico 250 ml. Soro fisiológico 100 ml Soro glicosado a 5% 500 ml. Soro Glicosado a 5% 100 ml. Ampolas de glicose a 25% Ampola de glicose a 50%. Liquemine (unid. 5ml). Proxitane (litro). Hipoclorito (litro). Clorexidina. Teste de proxitane. Gluconato de cálcio -ampola. Cloreto de sódio - ampola Cloreto de potássio -ampola. Ácido Peracético 3,5%. Ácido Peracético 5%. Óleo Diesel. Sal grosso. Alcool. EXAMES DE QUALIDADE DA ÁGUA. EXAMES CLÍNICOS OBRIGATÓRIOS. De acordo com RDC 154. EXAMES DE URGÊNCIA (EXTRAORDINÁRIOS ) hemocultura, K, Ht MATERIAL DE CONSUMO. Material de limpeza. Material de escritório. Despesas com alimentos - lanches p/ pacientes. Despesas com alimentos - lanches p/ funcionários Copos, pratos e talheres descartáveis / guardanapos / papel toalha / papel higiênico Lençol para cama e maca de exame. Lençois para proteção de poltronas Cartuchos e papel para impressoras

4 . MEDICAMENTOS. Analgésico / Antitérmicos Antieméticos. Antihipertensivos. Antidistônicos. Antibióticos. Protamina. Corticosteróide. Vitaminas. Anticolinérgicos. Outros. DESPESAS ADMINISTRATIVAS. Luz. Telefone (conta). Internet. Água. Seguros do imóvel. Seguros dos equipamentos. Dedetização. Manutenção de ar condicionado. Manutenção de computadores. Manutanção de PABX. Manutenção de máquinas. Manutenção do Reuso automático Manutenção do relógio de ponto Manutenção de poltronas Manutenção de cadeiras de roda Manutenção de TV a cabo. Manutenção do Sistema de alarmes. Empresas de esterilização bandejas cirúrgicas. Despesas bancárias. Despesas financeiras (juros e amortizações). Correios. Rescisões contratuais. IMPOSTOS E TAXAS. ISS. COFINS. PIS. Contribuição Social. I.R P J. IPTU. Taxa de fiscalização. Taxa de vigilância sanitária. Taxa de coleta de lixo infectante. Taxa de anúncio. Bombeiro. COREN. CRM

5 . Contribuição sindical patronal. PPRA (programa de prevenção de riscos ambientais do MT). Licença para uso de Hipoclorito da Polícia Federal. CUSTOS DE CAPITAL. Aluguel de imóvel. Aluguel e recargas de cilindros. Aluguel de máquinas de hemodiálise. Aluguel de máquinas de reuso automático. Remuneração do Capital. Manutenção Predial. EQUIPAMENTOS (REF. 5 ANOS DE VIDA ÚTIL). Máquina de Hemodiálise. Cadeira de rodas. Balança para pesar pacientes. Cadeira (poltrona leito). Maca. Geladeira para vacinas capilares. Ar condicionado. Bancada de reuso manual. Reuso automatizado. Estetoscópio Aparelho de aferir PA. Negatoscópio. Oftalmoscópio. Sistema de tratamento de água. Gerador. Poltrona de recepção. Cartão de ponto EQUIPAMENTOS DE URGÊNCIA (REF. 5 ANOS DE VIDA ÚTIL). Aparelho de eletrocardiograma. Desfibrilador. Oxímetro. Monitor cardíaco Máscaras e extensores para nebulização. Ambu - (Ventilador Pulmonar Manual ). Material para entubação (cânulas). Laringoscópio com conjunto de lâminas Cateter de oxigênio. Carro completo para parada cardiorespiratória. Respirador. Cilindro de óxigênio (locação do cilindro + consumo de oxigênio ). Aspirador portátil Eletrodos

6 . MÓVEIS E UTENSÍLIOS ADMINISTRATIVOS (REF. 5 ANOS DE VIDA ÚTIL). Armário. Mesa. Cadeira. Banco para recepção. Máquina de calcular. Geladeira para copa/refeitório. Depósito para lixo hospitalar. Microondas. Televisão. Arquivos. Computadores. Impressoras. Aparelhos telefonicos Data Show. Fax DESPESAS COM ACESSO VASCULAR. Exames radiológicos - Doppler de FAV e / ou membros. Cirurgião Vascular. Anestesista. Cateter de duplo lúmen Cateter de triplo lúmen. Permcath. Split Cath Prótese de PTFE DESPESAS COM CONDUÇÃO SUPLEMENTAR. Compra de vales transporte extra. Ambulância. Táxi

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE ALTA COMPLEXIDADE

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE ALTA COMPLEXIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE ALTA COMPLEXIDADE Fabiano Junqueira Loureido floureido@gmail.com La Salle Resumo:A grande maioria da população vem sofrendo com doenças cada vez

Leia mais

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento

Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA. Pronto Atendimento Área de recepção e espera para público / pacientes Mobiliário, materiais e equipamentos mínimos para UPA Pronto Atendimento PORTE I Quant. PORTE II Quant. PORTE III Quant. Bebedouro 1 1 2 Balcão de atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996. Estabelece as "Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro".

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996. Estabelece as Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO CREMERJ N. 100/1996 Estabelece as "Normas Mínimas para o Atendimento de Urgências e Emergências no Estado do Rio de Janeiro". O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009 00001-00001 00001 00003166 SERINGA DESCARTÁVEL 10ML SEM AGULHA UN 20000 00002-00002 00002 00003167 SERINGA DESCARTÁVEL 20ML SEM AGULHA COM BICO LISO UN 6000 00003-00003 00003 00010641 SOLUÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO AO QUAL PERTENCE O VEÍCULO Razão social do estabelecimento. Nome fantasia do estabelecimento. CGC. Nome

Leia mais

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos

Anexo 9 Especificações Mínimas de Equipamentos Anexo 9 Especificações Mínimas de s i CONTEXTUALIZAÇÃO... 1 AGRUPAMENTO... 1 LISTA DE EQUIPAMENTOS... 1 1.1 3º SUBSOLO... 1 1.2 1º SUBSOLO... 1 1.3 TÉRREO... 3 1.4 1º PAVIMENTO... 9 1.5 2º PAVIMENTO...

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 0 Médico Pediatra 1 Médico de Estratégia PSF 3 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 2 Auxiliar de Saúde Bucal 2 Fonoaudiólogo

Leia mais

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE:

ANEXO III CHECK LIST NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: ANEXO III CHECK LIST DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DATA DA AVALIAÇÃO: / / NOME DA UNIDADE/CNES: MUNICÍPIO TELEFONE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA UNIDADE: RESPONSÁVEL TÉCNICO PELA AVALIAÇÃO: POSSUI ALVARÁ DA VIGILÂNCIA

Leia mais

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS

ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS ANEXO 5 DO CONTRATO PLANO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIOS Centro de Diagnóstico Sul Centro de Diagnóstico Norte Centro de Diagnóstico Leste Centro de Diagnóstico Centro - Oeste SUMÁRIO CENTRO DE DIAGNÓSTICO

Leia mais

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIVISÃO DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR Instrutora: Enf. Thaís S Guerra Stacciarini Finalidades Regulamentar as responsabilidade

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO CAS/HU-UFJF MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO JUIZ DE FORA MG 2010

Leia mais

Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014

Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014 Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014 RECEITAS RECEITAS NOVEMBRO DEZEMBRO JANEIRO FEVEREIRO TRANSF. MUNICIPIOS 192.899,80 437.833,00 912.447,20 1.168.551,70 VENDA EDITAIS - - - 180,00 RENDIMENTOS

Leia mais

PROTOCOLOS E PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AOS PROMOTORES DE EVENTOS DO CONVÊNIO CABMMA/CANAL COMBATE (ANO 2015)

PROTOCOLOS E PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AOS PROMOTORES DE EVENTOS DO CONVÊNIO CABMMA/CANAL COMBATE (ANO 2015) PROTOCOLOS E PROCEDIMENTOS RELACIONADOS AOS PROMOTORES DE EVENTOS DO CONVÊNIO CABMMA/CANAL COMBATE (ANO 2015) Afiliação de Promotor de Evento Prazo para Requerimento: Até 45 dias antes do evento. Documentação

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS

TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM Para que o transporte hospitalar da gestante

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Emergência e Primeiros Socorros em Saúde Ocupacional DATA: 12.07.2010 Contacto: Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional O serviço de Saúde

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL

DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 65/06 DIRETRIZES PARA HABILITAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO, PEDIÁTRICA E NEONATAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e

Leia mais

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO

DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO DATA DA VISITA: 26/11/2013 DATA DA VISITA: 28/04/2015 UNIDADE DE SAÚDE DR MANOEL DA ROCHA COUTINHO Responsável: Adriana dos Santos Leandro Endereço: Rua Fenelon Gomes, 112 Bairro: Ilha do Principe CEP:

Leia mais

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS 1 - NORMAS GERAIS As presentes Normas Gerais são válidas para cadastramento de Centros de Referência em Assistência a Queimados

Leia mais

Necessidades de Equipamentos Médico-Hospitalares para o ano de 2011 CENTRO DE CUSTO ITEM EQUIPAMENTO CLASSE QTD VL UNIT VL TOTAL Hemodinâmica 1

Necessidades de Equipamentos Médico-Hospitalares para o ano de 2011 CENTRO DE CUSTO ITEM EQUIPAMENTO CLASSE QTD VL UNIT VL TOTAL Hemodinâmica 1 Hemodinâmica 1 Ampola de RX Hemodinâmica Toshiba KXO 100G B 1 250.000,00 250.000,00 Imagenologia 2 Ampola de RX para tomógrafo Siemens Emotion B 1 270.000,00 270.000,00 Engenharia Clínica 3 Analisador

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM AMBULATÓRIO ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013 Dr. João de Lucena Gonçalves CNS ANS - DIDES COPISS GRUPOS DE TRABALHO CONTEÚDO E ESTRUTURA COMUNICAÇÃO

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária guiada com uso de dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida e unidade estereotáxica adaptada

Leia mais

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste 1 Despesas 1.01 - Contratos e Manutenção PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ % R$ 1.01.01 Elevadores 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR DESCRIÇÃO Abaixador de lingua em madeira Absorvente Granulado p/ CO2 ( cal sodada) Ácido Peracético 0,2% Agua Oxigenada 10V Agulha Descartável 13 x 4,5 Agulha Descartável

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

Plano Básico Ambiental Componente Indígena. 6. Anexos 6.1. Ofício n.º 264/2013/DPDS-FUNA-MJ - Complementação PBAIs

Plano Básico Ambiental Componente Indígena. 6. Anexos 6.1. Ofício n.º 264/2013/DPDS-FUNA-MJ - Complementação PBAIs 6. Anexos 6.1. Ofício n.º 264/2013/DPDS-FUNA-MJ - Complementação PBAIs 6.2. Carta CHTP 168/2013 - Envio do PBAI Apiaká para aprovação 6.3. Carta CHTP 191/2013 - Envio do PBAI Kayabi para aprovação 6.4.

Leia mais

ANEXO I. Área física mínima para UPA

ANEXO I. Área física mínima para UPA ANEXO I ÁREA FÍSICA DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Para o planejamento e a definição da área física mínima e dos ambientes necessários na Unidade de Pronto Atendimento - UPA, foram levados em consideração

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 355, DE 10 DE MARÇO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 355, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Art. 1º Aprovar as "Boas Práticas para Organização e Funcionamento dos Serviços de Terapia Intensiva Adulto, ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde

Leia mais

- 1 - CARTILHA PARA COMPREENDIMENTO CONTABIL SINDICATO DOS ESTIVADORES DE PARANAGUÁ E PONTAL DO PR-2009

- 1 - CARTILHA PARA COMPREENDIMENTO CONTABIL SINDICATO DOS ESTIVADORES DE PARANAGUÁ E PONTAL DO PR-2009 - 1 - ATIVO = Nossos bens e Direitos No Ativo do Sindicato temos as seguintes contas: - Caixa: É o que está disponível na Tesouraria para pagamento de pequenas despesas. - Banco Conta Movimento: O Sindicato

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO

IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1. Título do Projeto IMPLANTAÇÃO DO CENTRO CIRÚRGICO E AMPLIAÇÃO 1.2. Instituição Proponente Nome da instituição: Fundação SOBECCan- Pesq. Prev. Assist. Câncer Endereço: Rua Octávio

Leia mais

Médicos e Enfermeiros

Médicos e Enfermeiros Médicos e Enfermeiros 1. Objetivos Gerais Conhecer mais esses profissionais da saúde, seus hábitos de higiene, o lixo hospitalar por eles produzido e a sua destinação correta. Outro fato importante a ser

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.012/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.012/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.012/2013 (Publicada no D.O.U., 19 março 2013, Seção I, p. 113-4) Atenção ao apostilamento nos artigos 1º e 6º e no anexo Dispõe sobre a organização médica em eventos, disciplinando a

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

Página 1 UNIDADE DE SAÚDE DR. GILSON SANTOS. Diretora: Maria Angélica Lemos Mello. E-mail: dusbpenha@correio1.vitoria.com.br. Fundação: 18/06/1993

Página 1 UNIDADE DE SAÚDE DR. GILSON SANTOS. Diretora: Maria Angélica Lemos Mello. E-mail: dusbpenha@correio1.vitoria.com.br. Fundação: 18/06/1993 UNIDADE DE SAÚDE DR. GILSON SANTOS Diretora: Maria Angélica Lemos Mello E-mail: dusbpenha@correio1.vitoria.com.br Fundação: 18/06/1993 Criação: Lei nº 3.938 Endereço: Rua Padre Luiz Koester, s/n, 29047-290

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ FUNDACAO MUNICIPAL DE SAUDE DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 1/2015. Página: 1/11

ESTADO DO PARANÁ FUNDACAO MUNICIPAL DE SAUDE DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 1/2015. Página: 1/11 Página: 1/11 20 ATADURA GESSADA ENROLADA SOBRE UM CILINDRO DE PLASTICO VIRGEM(TUBETE),EMBALADA INDIVIDUALMENTE COM FILME PLASTICO LAMINADO DE BOPP E PEBD, IDENTIFICADA COM OS DADOS DE PROCEDENCIA, DATA

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

MATERIAL ODONTOLÓGICO ESCOLAS 2015 DISA

MATERIAL ODONTOLÓGICO ESCOLAS 2015 DISA PADRÃO UNIDADE PADRÃO TOTAL SALDO ANTERIOR ENTRADA SAÍDA SALDO ATUAL QTD SOLICITADA QTD ENTREGUE DEMANDA NÃO ATENTIDA ANALISE ESCOLA: MATERIAL ODONTOLÓGICO ESCOLAS 2015 DISA Responsável : Data: / / Recebido

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicos veterinários de atendimento a pequenos

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

HOSPITAL SOBRAPAR É BENEFICIADO COM EMENDAS PARLAMENTARES

HOSPITAL SOBRAPAR É BENEFICIADO COM EMENDAS PARLAMENTARES HOSPITAL SOBRAPAR É BENEFICIADO COM EMENDAS PARLAMENTARES As emendas parlamentares têm sido importantes para a aquisição de equipamentos médico-hospitalares e o melhor atendimento aos pacientes do Hospital

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 26232 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 150247 - COMPLEXO HOSPITALAR E DE SAUDE DA UFBA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO EXTENSOR

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Resultado da Distribuição de Recursos pela Banca Examinadora 12/05/2011

Resultado da Distribuição de Recursos pela Banca Examinadora 12/05/2011 HC - Planejamento Financeiro de Contratos de fornecimento de locação, manutenção e prestação de serviços com uso de recursos orçamentários. FCM - Desenvolver Metodologias de Planejamento de Compras Junto

Leia mais

ROTEIRO DE VISTORIA HANSENOLOGIA TIPO I

ROTEIRO DE VISTORIA HANSENOLOGIA TIPO I DATA DA FISCALIZAÇÃO HORARIO DE INÍCIO HORARIO DE TÉRMINO / / : : Equipe de Fiscalização Nome*: Cargo*: Nome do responsável pelas informações: Cargo: *O sistema permite o acréscimo de mais linhas. 1 Classificação

Leia mais

Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente

Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA MEVA33 Técnica Cirúrgica Veterinária Centro e Equipamentos Cirúrgicos; Equipe Cirúrgica e Paciente Centro Cirúrgico Objetivo Instalações Piso

Leia mais

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS

1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS UNIDADE DE SAÚDE - SANTO ANDRÉ Diretora: Juliana da Conceição Fagundes E-mail: dussandre@correio1.vitoria.es.gov.br Endereço: Rua da Coragem, 200 Telefone: (27) 3323-7222 / 3332-7825 Funcionamento: 7h

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

MANUAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR PLANSERV/2013

MANUAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR PLANSERV/2013 MANUAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR PLANSERV/2013 PRESTADOR 01/07/2013 1 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA LEMOS DE

Leia mais

Avenida Agamenon Magalhães, 617 Maurício de Nassau Caruaru

Avenida Agamenon Magalhães, 617 Maurício de Nassau Caruaru Relatório de Fiscalização Clínica Nefrológica de Caruaru SOS Rim Caruaru Avenida Agamenon Magalhães, 617 Maurício de Nassau Caruaru CNPJ: 04.066.778/0001-54 Diretor técnico: LÚCIA DE FÁTIMA VILA NOVA CRM:

Leia mais

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS

ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS ANEXO 2 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE HOSPITAIS Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR Relatório de atividades na prática hospitalar: Estágio

Leia mais

DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Publicação dos atos oficiais da Prefeitura Municipal de Ji-Paraná, de acordo com a Lei Municipal n.º 1070, de 02/07/2001

DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Publicação dos atos oficiais da Prefeitura Municipal de Ji-Paraná, de acordo com a Lei Municipal n.º 1070, de 02/07/2001 DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Publicação dos atos oficiais da Prefeitura Municipal de Ji-Paraná, de acordo com a Lei Municipal n.º 1070, de 02/07/2001 ANO VI - DIÁRIO OFICIAL NÚMERO 1057 Ji-Paraná (RO), 11

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA

ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA ANEXO V ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE INTERNAÇÃO E HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DIA 1. IDENTIFIICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Razão Social: 1.2 Nome Fantasia: 1.3 Endereço: (Rua/Av.) Nº: Compl:

Leia mais

caixas e armários primeiros socorros

caixas e armários primeiros socorros A Necessidade de Caixas de 1º Socorros caixas e armários primeiros socorros Todos estabelecimentos deverão estar equipados com material necessário à prestação dos primeiros socorros, considerando as características

Leia mais

5. Programa contendo requisitos mínimos para os veículos utilizados no transporte de viajantes enfermos ou suspeitos:

5. Programa contendo requisitos mínimos para os veículos utilizados no transporte de viajantes enfermos ou suspeitos: PROTOCOLO DE REFERÊNCIA Nº: 07 ASSUNTO: ADEQUAÇÃO DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE DE VIAJANTES ENFERMOS OU SUSPEITOS. Data: 15 de junho de 2011 Desenvolvimento: GCOVI Alterado: 03 de novembro de

Leia mais

Comissão Regional do Doente Critico. Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA

Comissão Regional do Doente Critico. Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA Comissão Regional do Doente Critico Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA CONTEÚDO INTRODUÇÃO COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO CARRO DE EMERGÊNCIA NORMAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

1680 Marquesa eléctrica com elevação dimensões : 1930x675x470-955mm

1680 Marquesa eléctrica com elevação dimensões : 1930x675x470-955mm 1000.* marquesa ginecológica com gavetas dimensões: 1830x650x690mm 1020.* marquesa ginecológica dimensões: 1800x500x850mm 1680 Marquesa eléctrica com elevação dimensões : 1930x675x470-955mm 1070.* divã

Leia mais

Rio Grande do Norte Pag.: 1 015048 LUVAS DE PROCEDIMENTOS M C/100 UNIDADES 3.000,0000 CAIXA 015049 LUVAS DE PROCEDIMENTOS P C/100 UNIDADES 2.000,0000 CAIXA 015050 LUVAS DE PROCEDIMENTOS G C/100 UNIDADES

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997. Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico.

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997. Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico. RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997 Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico. O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE RESOLUÇÃO SESA Nº 437/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9019, de 12/08/13) Dispõe sobre as condições para realização de terapia renal substitutiva à beira do leito, em unidades intra-hospitalares

Leia mais

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10 ANEXO 1 Nº Item Especificação UND QUANT P. Unit P. Total 1 Abocath n º 22 2 Abocath nº 20 3 Agulha descartável Cateter periférico de uso único, descartavel, confeccionado com terflon, radiopaco, indicado

Leia mais

CONTRATOS REALIZADOS

CONTRATOS REALIZADOS CONTRATOS REALIZADOS O MUNICÍPIO DE GUAPORÉ, Pessoa Jurídica de Direito Público Interno, sita a Av. Silvio Sanson, 1135, CEP 99.200-000, inscrita no CNPJ sob nº 87.862.397/0001-09, neste ato representado

Leia mais

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé Pró-Reitoria Acadêmica

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé Pró-Reitoria Acadêmica Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé Pró-Reitoria Acadêmica REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Docente Responsável pelo Laboratório: Profª.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

Abrangência. >400.000 conceitos definidos. >1.400.000 relações semânticas

Abrangência. >400.000 conceitos definidos. >1.400.000 relações semânticas Dr. João de Lucena Gonçalves Consultor Técnico da CNS consultoria@ahcrj.com.br () 53-0540 Fonação-audição TROCA Linguagem Palavras SINTAXE Frases Conceitos SEMÂNTICA ANS UMLS SNOMED CT ICD TROCA SINTAXE

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO

UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA MEMORIAL DESCRITIVO Nome do estabelecimento: UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA Tipo do estabelecimento: UPA PORTE 02 Proprietária: Fundo Municipal de Saúde de Caicó/RN

Leia mais

Rotinas Assistenciais de Enfermagem

Rotinas Assistenciais de Enfermagem 1 de 6 1304 21 RESULTADO ESPERADO: Uma assistência quailificada e humanizada ao paciente. 1304 PROCESSOS RELACIONADOS: Tratamento Intensivo Assistência Farmacêutica Enfermagem - Auditoria de Prontuário

Leia mais

BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302

BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Biossegurança: Conjunto de medidas voltadas para prevenção,

Leia mais

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE PLANO DE CONTAS Associações, Sindicatos e Outras Entidades. 1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. Disponibilidades 1.1.1.1. Caixa 1.1.1.2. Bancos c/ Movimento 1.1.1.3. Aplicações Financeiras 1.1.2. Créditos

Leia mais

RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS

RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI ÁRIDO SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS EMITIDO EM 04/03/2015 10:04 RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS Grupo de Material: 3022 Somente Materiais

Leia mais

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná.

Parágrafo Único - A execução da N.T.E de que trata esse artigo será de competência do Instituto de Saúde do Paraná. Resolução Estadual n 18, 21 de março de 1994. O Secretário de Estado de Saúde do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XVI da Lei Estadual n 8485 de 03 de junho de 1987

Leia mais

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A

Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A Modificado conforme PT SAS/MS nº 123 de 28/02/05 ANEXO II A A - FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário não deve ser modificado e/ou substituído)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

3. DOS ATIVOS 3.1 A CONTRATADA executará o serviço de FISIOTERAPIA DOMICILIAR utilizando todos os materiais e equipamentos próprios.

3. DOS ATIVOS 3.1 A CONTRATADA executará o serviço de FISIOTERAPIA DOMICILIAR utilizando todos os materiais e equipamentos próprios. Memorial Nº 001/2012 destinado a selecionar propostas para a contratação de empresa especializada na prestação de serviços de FISIOTERAPIA DOMICILIAR para beneficiários da Unimed Piraqueaçu, inscritos

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Balancete Contábil Julho de 2014

Balancete Contábil Julho de 2014 Balancete Contábil Julho de 2014 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de Julho de 2014 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 78 EXIGÍVEL OPERACIONAL 701 Caixa - Gestão Previdencial 442 Bancos c/movimento

Leia mais