MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO"

Transcrição

1 SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO CAS/HU-UFJF MANUAL DE ORIENTAÇÃO, ROTINAS ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FLUXO DE MATERIAIS DE CONSUMO NO SETOR DE TERAPIA RENAL DE SUBSTITUIÇÃO JUIZ DE FORA MG 2010

2 SUMÁRIO 1. Conceito Objetivos Ferramentas para acompanhamento Descrever importância da qualidade do material de consumo Promover ciclo de orientações para os funcionários Padronizar a utilização do material de consumo Avaliar e adequar horários de solicitação e entrega de materiais Registrar a elaboração do fluxo do material de consumo Quantificar o uso do material de consumo Elaborar manual organizacional Sugerir indicadores para avaliação da qualidade X gastos Normas para requisição, recebimento e acondicionamento dos materiais de consumo Recebimento do material na sala Requisição do material Resultados Esperados...17

3 1. Conceito: Determinar o fluxo de materiais de consumo no setor de terapia substitutiva e prestar cooperação técnica. 2. Objetivos: Permitir a integração do planejamento ao controle, propiciando correção de distorções, prevenindo gastos com investimentos ou custeios desnecessários. 3. Ferramentas para acompanhamento: 3.1 Descrever importância da qualidade do material de consumo Alyne Schreider Filomena Maria Kirchmaier Márcia Queiroz Coelho A qualidade dos materiais de consumo no setor de saúde tem grande influência na qualidade do atendimento à população, materiais descartáveis como agulhas, seringas, soros, compressa de gaze além de ter grande importância no melhor atendimento ao paciente pode tornar o tratamento mais dispendioso para a instituição, caso a qualidade do mesmo não seja adequada. Com a modernização e avanço nos setores de saúde o consumo de material descartável se tornou cada vez maior, alguns itens que antes eram reaproveitados se tornaram descartáveis e isso muitas vezes influencia na perda da qualidade desses materiais. O uso desses materiais descartáveis em Nefrologia, principalmente no setor de terapia renal de substituição é muito grande, todos os dias são gastos quantidades grandes de gaze, soros, seringas, agulhas, equipos e vários materiais específicos dessas áreas como filtros (capilares) e linhas venosas e arteriais, que são materiais descartáveis apesar de não serem desprezados todos os dias. A qualidade não adequada desses materiais pode ter grande influência no resultado final do tratamento desses pacientes, pode ocasionar além de maior sofrimento ao paciente, no caso de agulhas não bem calibradas, até contaminação pelo fato de não se poder usar os materiais dentro das técnicas assépticas corretas. Em consequência da meta escolhida pela equipe do setor de terapia renal de substituição (Elaborar o fluxo de material de consumo no setor de Terapia Renal de Substituição do HU/CAS-UFJF) se tornou necessário a avaliação da qualidade desses materiais pois essa qualidade tem grande influência nesse fluxo de material, onde muitas

4 vezes o gasto se torna maior pela má qualidade do produto e nem sempre por mero desperdício do funcionário. Avaliar a qualidade desses materiais, principalmente pelo fato de serem materiais descartáveis e o seu uso ser excessivo nesse setor é de grande importância para que a instituição tenha uma visão do resultado final do atendimento além de uma visão do quanto a instituição gasta a mais por não utilizar um produto de boa qualidade, fato esse muito importante nos dias de hoje na área de saúde onde os recursos muitas vezes são escassos, isso sem analisar também o desgaste do profissional que muitas vezes necessita de esforço extra por problemas nos materiais. Nesse período de desenvolvimento da meta de elaboração de fluxo de material de consumo do setor, foi observado pelos funcionários a qualidade dos principais itens usados para atendimento ao paciente, alguns deles foram trocados de marcas durante esse período, isso se deve principalmente à maneira como os itens são adquiridos por se tratar de um serviço público onde existem normas e legislações específicas para compra desses materiais; foi possível observar que alguns itens apresentaram qualidade ruim ou não atendiam bem a necessidade do serviço, na avaliação dos funcionários que manuseiam esses itens. Alguns dos materiais citados pelos funcionários durante esse período foram: gaze, capilares, linhas venosas, frascos de heparina, equipos de soros, entre outros, que ora apresentaram marcas que satisfaziam a qualidade do serviço ora tinham qualidade ruim, necessitando muitas vezes serem trocados ainda novos, ocasionando assim, maior gasto financeiro para instituição e também esforço excessivo do funcionários em alguns procedimentos. 3.2 Promover ciclo de orientações para os funcionários: Anderson Sodré de Oliveira Cláudia Magali V. Malfetano Luciana Cruz Domingos da Silva Luciane Senra de Souza Braga ORIENTAÇÕES FORNECIDAS AOS FUNCIONÁRIOS QUANTO AO USO DE MATERIAIS: Supervisionar os clientes na lavagem do braço da FAV (para evitar infecções e uso de antibióticos). Cortar fita crepe em quantidade o suficiente para o uso no momento. Evitar o uso desnecessário de esparadrapos (ex. porta dos armários, aparelhos de PA, remendos desnecessários).

5 Usar seringas graduadas de acordo com a quantidade de medicação a ser administrada (ex. Hemax 1,0ml, usar seringa de 1ml ou de 3ml.) Evitar uso desnecessário de álcool e gaze IV. Evitar o uso desnecessário de copos descartáveis. Evitar o uso desnecessário de luvas de procedimentos. Ex. Primeiro observar se tem alguma coisa para ser executado e se necessita o uso da mesma, caso afirmativo, calçar as luvas. Ao fazer o curativo da FAV, avaliar se realmente necessita de duas ou três compressas de gazes para fazer a buchinha, (ex. Dobrar a gaze mais firme evita o uso de maior quantidade). Quando o capilar for lavado na máquina, colocar para recircular com heparina; e utilizar a seringa de heparina do paciente, mas cuidado para não pegar frascos de heparina novo, para não contaminá-lo. Atentar para diluição de hipoclorito, utilizá-lo na concentração correta conforme rotina. Usar hipoclorito para ajudar na limpeza das linhas, evitando assim, batidas e descartes desnecessários. Enxaguar bem depois. Recircular o sistema com heparina quando prescrito (evita o descarte antes do reuso estabelecido). Quando a solução básica acabar, abrir somente a quantidade necessária para dividir nas máquinas evitando contaminá-lo. (Não abrir um galão para cada máquina, e sim dividir um galão para as máquinas que estão acabando). Deixar Solução Fisiológica à 0,9% de 100 ml nos armários para eventual utilização na máquina, (ex. Quando o soro de 1000ml acaba e só falta um pouco de sangue para devolver abrir o de 100ml e não outro de 1000ml). Pingar 5 gotas de proxiteste para cada 10 ml de solução do capilar é o suficiente para reagir caso tenha resíduo de ácido peracético. Enxaguar bem o capilar e colocar na pressão antes de colocar na processadora quando estiver muito sujo. Dar sempre um jato de água no capilar antes de colocar na processadora, ou de preencher manual, isto hidrata as fibras e as descolaba fazendo com que o priming seja o real do capilar. Abaixar o nível da câmara de gotejamento venoso (catabolha) para evitar sujar o isolador.

6 O turno da tarde foi orientado dia 27/10/2010 às 14:00. Estavam presentes os seguintes funcionários: Anderson S. de Oliveira, Adriano R. O. Silva, Cristiane B. Assis, Cláudia M. V. Malfetano, Denizete M. S. Santos, Irene V. Lins, Juliano R. Souza, Lidiane S. Silveira, Luciana S. de S. Sodré, Luciana C. D. da Silva, Luciane S. de S. Braga, Michelle N. Fogaça. OBS: Os funcionários José Afonso de P. Geraldo e Gisele A. de O. Silva não estavam presentes por estar escalado para o HU, e licença de gala respectivamente, mas serão orientados posteriormente. O turno da manhã foi orientado no dia 28/10/2010 às 9:00. Estavam presentes os seguintes funcionários: Waltecir E. Da Silva, Jislene P. Fávero, Telma I. Pereira, Ariene das G. Alves, Fernanda C. Da Silva, Priscila G. Da Silva, Alyne Schreider, Carina de A. Almeida, Rosângela M. Rosa, Viviane G. Santos. OBS: As funcionárias Vanessa S. T. Oliveira e Simone A. da Silveira estão de licença médica, por isso não estavam presentes, mas serão orientadas posteriormente. 3.3 Padronizar a utilização do material de consumo: Érika de Cássia Rodrigues Ferreira Úrsula Andres de Moraes Viviane Góes Santos Padronizar material de consumo por procedimento: Ligar paciente com FAV: 1 galão + ¼ de solução básica 1 galão de ácida 1 capilar 1 linha venosa 1 linha arterial 1 isolador de pressão 1 plastequipo 1 solução fisiológica à 0,9% de 1000ml 1 frasco de heparina sódica 5000UI/ml 1 seringa de 10ml 1 agulha 25x7 1 máscara 1 par de luvas de procedimentos 1 pacote de gaze IV 120 cm de fita crepe ou esparadrapo anti alérgico

7 10 ml de álcool 2 agulhas de FAV Desligar paciente com FAV: 2 pacotes de gaze IV 2 pares de luvas de procedimento 120 cm de fita crepe ou esparadrapo anti alérgico 100 ml de solução fisiológica à 0,9% (S/N) Ligar paciente com cateter de duplo lúmen ou permcath: 1 bandeja de hemodiálise (03 compressas, 1 campo, 1 pinça, 1 cuba) 2 mascaras 1 seringa de 3ml (duplo lúmen), 1 de 5ml ou 10ml (permcath), depende do tamanho do cateter 1 par de luvas estéril 3 pacotes de gaze IV 1 galão + ¼ de solução básica 1 galão de ácida 1 capilar 1 linha venosa 1 linha arterial 1 isolador de pressão 1 plastequipo 1 solução fisiológica à 0,9% de 1000ml 1 frasco de heparina sódica 5000UI/ml 1 seringa de 10ml 1 agulha 25x7 1 par de luvas de procedimentos 60 cm de esparadrapo anti alérgico ou atadura (depende do local de implante) 20 ml de álcool Desligar paciente com cateter de duplo lúmen ou permcath: 1 bandeja de hemodiálise (03 compressas, 1 campo, 1 pinça, 1 cuba) 2 mascaras 1 seringa de 3ml (duplo lúmen), 1 de 5ml ou 10ml (permcath), depende do tamanho do cateter 1 seringa de 20 ml

8 1 par de luvas estéril 2 pacotes de gaze IV 10 ml de álcool 1 soro fisiológico de 100ml 1 agulha 25x7 1 frasco de heparina 20 cm de esparadrapo (atadura) ou 60 cm de esparadrapo ( sacolinha ) Medicações: Administrar Hemax: 1 seringa de 1ml ou 3ml 1 agulha 25x7 1 agulha 13x4.5 1 pacote de gaze IV 10ml de álcool 1 par de luvas de procedimento Administrar Noripurum 1 seringa de 5ml 1 agulha 25x7 1 pacote de gaze IV 10ml de álcool OBS: Se for a primeira vez que o cliente estiver tomando Noripurum usa-se mais: 1 soro fisiológico 100ml 1 plastequipo 1 par de luvas de procedimento Administrar Calcijex: 1 seringa de 3ml 1 agulha 25x7 1 pacote de gaze IV 10ml de álcool 1 par de luvas de procedimento Rocaltrol e Renal-Vit: 1 copinho de 50ml Almotolias: 15 de álcool à 70%

9 3 de povidine 2 clorexidina 3 éter 10 de sabão Descartex: 07 unidades Implante de cateter de duplo lúmen: 1 kit cateter de duplo lumén 1 bandeja com porta agulha 2 pares de luvas estéril 2 pares de luvas de procedimentos 1 seringa de 3ml 1 seringa de 10ml 1 seringa de 20ml 1 agulha 25x7 1 agulha 13x4.5 3 máscaras 1 soro fisiológico de 100ml 1 frasco de xilocaína 2% sem vaso constritor 1 fio de sutura 1 lâmina de bisturi 1 frasco de heparina 1 capote estéril 30ml de álcool à 70% 30ml de povidine 30ml de clorexidina 5 pacotes de gaze IV Material usado na central de reuso: EPIs (bota, capote, óculos, respirador, protetor facial, touca) 04 luvas cirúrgica não estéril 24 recirculadores 100 tampas para as linhas 48 tampas para capilares 24 contêiner para capilares

10 2 litros de hipoclorito 5 litros de ácido peracético Material para Biopsia Renal: 01 Bandeja de biopsia renal (campo, compressas, pinça, cuba, agulhas para biopsia) 40 cm de esparadrapo 01 disparador de agulha de biopsia 01 agulha de biopsia renal 02 Luvas estéril 02 pacotes de gaze IV 03 máscaras 20 ml de álcool à 70% 01 touca 01 coxim 01 frasco com solução de Buan para fixar o fragmento 01 frasco com formol para o fragmento 01 frasco com meio de transporte para o fragmento 02 seringas de 10ml 03 agulhas 25x7 01 agulha 13x4,5 01 frasco de xilocaína 04 pares de luvas de procedimento Material para Diálise Peritoneal Automatizada (DPA) 01 máquina de Home Choice 03 bolsas de solução de diálise peritoneal de acordo com prescrição 01 equipo de cassete 02 equipos de drenagem 01 prep-kit 04 máscaras 02 Luvas estéril 03 compressas (01 estéril) 01 pacote de gaze IV 40 cm de fita crepe 20 ml de álcool à 70%

11 03 clamps Material para Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua (CAPD): 01 bolsa para CAPD na concentração prescrita 02 máscaras 01 prep-kit 02 clamps 02 Luvas estéril 40 cm de fita crepe 20 ml álcool à 70% 02 pacotes de gaze IV 03 compressas (01 estéril) Oxigenoterapia: 01 cateter tipo óculos 01 fluxômetro 01 umidificador 01 soro fisiológico de 100ml 01 intermediário Nebulização: 01 kit para nebulização (máscara, copinho, intermediário) 01 seringa de 03 ml soro fisiológico medicações (atrovent e berotec) Administração de medicações em geral (insulina, antibióticos e outros) seringas de 1, 3, 5, 10 e 20ml. Álcool à 70% equipo soro fisiológico gaze IV scalp ou jelco luvas de procedimentos esparadrapos 3.4 Avaliar e adequar horários de solicitação e entrega de materiais: Heleni Terezinha Batista

12 Irene Vieira Lins Tereza Cristina Rodrigues Werneck Depois de análise, chegamos à conclusão que o pedido de material para o setor de hemodiálise deverá continuar sendo feito e entregue ao funcionário responsável pelo almoxarifado no período da manhã, para que o mesmo separe o referido material no período da tarde e o entregue ao setor no período da manhã do dia seguinte. Dispomos a seguir os motivos que nos levaram a chegar a esta conclusão: O funcionário do almoxarifado possui diversas atribuições no período da manhã, atribuições estas que inviabilizam a separação do material específico da hemodiálise: - fornecer material para os demais setores do HU/CAS; - receber materiais que estão sendo entregues por empresas fornecedoras de material; - receber materiais que estão sendo entregues pelo almoxarifado do HU/Santa Catarina; - alimentar o computador com entrada e saída de materiais; - organização e estocagem de materiais; O período da tarde é mais viável para a separação do material pelo funcionário do almoxarifado pelos motivos a seguir: - neste período já foram entregues os materiais dos outros setores; -caso falte o material solicitado no almoxarifado do HU/CAS, o tempo é hábil para a solicitação ao almoxarifado do HU/Santa Catarina; - há mais facilidade de se conseguir transporte para trazer materiais do HU/Santa Catarina para o HU/CAS, visto que a maior demanda de transporte é no período da manhã; - a disponibilidade do almoxarifado do HU/Santa Catarina é maior neste período, pois eles seguem mais ou menos a mesma rotina de trabalho que o almoxarifado do HU/CAS, no período da manhã; Apesar dos armários estarem completos no período da manhã (já que o material foi entregue pelo funcionário do almoxarifado), o funcionário sabe o gasto previsto para o turno da tarde e início do turno da manhã do outro dia. Portanto ele tem uma previsão da quantidade que será necessário para assim fazer o pedido para o almoxarifado; O pedido do material ser feito pelo funcionário do turno da tarde, acarreta os seguintes problemas: - o horário em que este referido funcionário estiver livre para realizar o pedido será tarde para entregar o pedido ao funcionário do almoxarifado; - não tendo tempo hábil para o funcionário do almoxarifado separar o material e

13 providenciar o que estiver faltando, isto ficará para o dia seguinte, acarretando falta de material no setor de hemodiálise; 3.5 Registrar a elaboração do fluxo do material de consumo: Luciana Senra de Souza Sodré Digitar e organizar o manual com todas as partes entregue pelas equipes. 3.6 Quantificar o uso do material de consumo: Fernanda Coimbra da Silva Michelle Lacerda Alves de Carvalho Priscila Gomes da Silva Materiais utilizados por turno de Hemodiálise Ácido acético 5oo ml/dia Ácido peracético 3,5 litros/dia Álcool a 70% 2 litros/dia Agulha 16G 48 unidades Agulha 17G 10 unidades (reserva) Agulha 25x7 63 unidades Agulha 13x4,5 24 unidades Atadura de crepom 12 unidades Capilar 10 unidades (reserva) Cateter de O2 5 unidades Caixa coletora 7 unidades/dia Copo descartável 50ml 100 unidades Copo descartável 200 ml 100 unidades Esparadrapo impermeável 1 unidade/2dias Esparadrapo hipoalérgico 1 unidade/dia Esparadrapo micropore 1 unidade/dia Fita crepe 1 rolo/dia Fita de glicemia 10 unidades Fio de sutura 5 unidades Gaze IV 68 pacotes Hipoclorito 10% 4 litros Isolador 24 Lâmina de bisturi n 23 5 unidades Lâmina de bisturi n 11 5 unidades Linha venosa 10 unidades

14 Linha arterial Luva de procedimento P Luva de procedimento M Luva estéril 7,0 Luva estéril 7,5 Luva estéril 8,0 Máscara Papel toalha Plastequipo Puresteril Sabão Seringa 1 ml Seringa 3ml Seringa 5 ml Seringa 10ml Seringa 20 ml Scalp n 19 Scalp n 21 Scalp n 23 SF 0,9% 1000 ml SF 0,9% 500ml SF 0,9% 125 ml Touca cirúrgica Tubo para coleta de sg 10 unidades 3 cx 3cx 10 unidades 10 unidades 10 unidades 30 unidades 3 pctes 24 unidades 10 l/dia 2 l/dia 10 unidades 35 unidades 24 unidades 48 unidades 20 unidades 5 unidades 5 unidades 5 unidades 24 frs 24 frs 24 frs 30 unidades Os materiais acima quantificados, correspondem a um turno de Hemodiálise. Ressaltando que este gasto pode variar de acordo com intercorrências, preparo e administração de medicações ou procedimentos não realizados diariamente. Portanto, é necessário que haja materiais reserva. A quantidade de material reserva encontra-se especificada nos armários que se destinam a esse fim. Segue abaixo, a quantidade de material reserva, que deve ser acondicionado em cada um dos armários, 1, 2 e 3: Material Reserva Luva estéril 7,0 20

15 Luva estéril 7,5 20 Luva estéril 8,0 20 Luva de procedimento P 3cx Luva de procedimento M 3cx Seringa de 1 ml 15 Seringa de 3ml 30 Seringa de 5 ml 25 Seringa de 10ml 20 Seringa de 20 ml 15 Agulha 25x7 50 Agulha 13x4,5 50 Agulha 16G 40 Agulha 17G 30 Scalp n19 2 Scap n21 2 Scalp n23 2 Cateter de O2 2 Lâmina de bisturi 3 Fio de sutura 3 Tampa para cateter de hemodiálise 10 Isolador 50 Esparadrapo impermeável 1 Esparadrapo hipoalérgico 2 Esparadrapo micropore 2 Fita adesiva 2 Máscara cirúrgica 20 Atadura de crepom 20 SF 0,9% 100ml 20 SF 0,9% 500ml 20 SF 0,9% 1000ml 20 Plastequipo 25 Gaze IV Elaborar manual organizacional: Jislene da Paixão Fávero Telma Inah Pereira

16 Waltecir Eduardo da Silva Elaborar o manual, sequencia e disposição dos assuntos abordados. 3.8 Sugerir indicadores para avaliação da qualidade X gastos: Natália Maria da Silva Fernandes Paulo Giovane Albuquerque Suassuna Rodrigo Reis Abrita Com o intuito de monitorar os Processos, Qualidade dos materiais e Resultados obtidos, sugerimos a implantação dos seguintes indicadores: 1- Indicadores de Gestão: importantes para a manutenção de leitos de reserva, uma vez que o serviço de diálise é obrigado por portaria a dar retaguarda a seus pacientes Taxa de hospitalização dos pacientes em hemodiálise : Desfecho de morbidade. Depende não só dos processos como também da gravidade dos pacientes acompanhados na Hemo. ( nº de internações/nº pcts em HD) 1.2- Taxa de hospitalização dos pacientes em Diálise peritoneal : Desfecho de morbidade. Depende não só dos processos como também da gravidade dos pacientes acompanhados na DP(nº de internações/nº pcts em DP) 1.3- Taxa de incremento do nº de pacientes: Importante para planejamento do aumento do número de vagas/demanda. 2- Indicadores de Processo e Qualidade dos materiais: São importantes para avaliar o custo/benefício de novos materiais ou técnicas Proporção de pacientes com cateter temporário por mais de 3 meses: Sendo o acesso vascular de suma importância para a qualidade da diálise, este índice refere-se ao processo de confecção do mesmo em pacientes incidentes e manutenção(tempo de funcionamento) do acesso nos pacientes prevalentes no serviço. (nº pcts com cat 3m/ nº pcts em HD) 2.2- Tempo livre de infecção para cateter: Refere-se ao cuidado que se tem com o acesso temporário, estando relacionado com sua manipulação no serviço(técnica de curativo), mas também com a higiene do paciente. ( média do tempo de sobrevida do cateter antes de sua substituição por infecção) 2.3- Motivo de troca de cateter: Exceto a causa infecciosa, relaciona-se diretamente com a qualidade do cateter. As principais causas são: baixo fluxo por obstrução, acotovelamento, perfuração ou rachadura e quebre de pinça. ( nº absoluto da causa)

17 2.4- Número médio de reusos: Tem como condicionante a qualidade do capilar, a técnica de reuso, a técnica de anti coagulação. ( média dos números de reuso por tipo de capilar) 2.5- Motivo de troca de capilar: Tem os mesmos condicionantes da anterior, porém consegue mostrar com mais clareza a qualidade do capilar, quando o motivo principal é a ruptura de fibras do mesmo. ( nº absoluto da causa). 3- Indicadores de Resultados: Monitoram os principais desfechos possíveis, refletindo a relação dos diversos processos 3.1- Incidência de Peritonites em DP: Esta relacionada diretamente à técnica dos pacientes, que é um reflexo do treinamento oferecido e aderência dos mesmos às orientações feitas. Sofre grande influência de fatores sócio-econômicos. ( nº de peritonites/ nº de pacientes em DP) 3.2- Taxa de seroconversão para Hepatite B e C e HIV: Reflete os cuidados com monitorização das sorologias e status de imunização dos pacientes em tratamento, técnica de desinfecção do ambiente e isolamento. (nº de soroconversão/nº de pacientes em risco) Taxa de Mortalidade: Principal desfecho monitorado, refletindo de forma ampla, porém inespecífica, toda a cadeia de atendimento do paciente. (nº de óbitos/ nº pcts em tratamento) Taxa de Transplante renal: O principal desfecho desejado para o paciente em diálise. No entanto, depende sobretudo de fatores externos ao serviço. (nº de tx renal/ nº de pcts em programa) 4. Normas para requisição, recebimento e acondicionamento dos materiais de consumo: 4.1 Recebimento do material na sala Receber o material que foi requisitado no dia anterior. Este material deve ser entregue no período da manhã pelo funcionário do almoxarifado. Deve ser usado o pedido para conferir a quantidade do material. Acondicionar o material nos armários destinados para este fim. O funcionário responsável pelo acondicionamento do material segue a escala de atribuição, sendo que; Quem está na máquina , acondiciona o material no armário nº-1, central

18 de reprocessamento de capilares, armário próximo as máquinas nº-23 e nº-24 e armário para preparar medicações. Quem está na máquina nº-1, nº-2, n -3, n -4, acondiciona o material no armário nº-2 e armário que fica no centro da sala próximo as máquinas nº-1, nº-2, n -3, n -4. Quem está na máquina nº-5, nº-6, n -7, n -8, acondiciona o material no armário nº-3. O mesmo procedimento deve acontecer na sala de diálise peritoneal sendo o funcionário escalado para este setor responsável pelo acondicionamento do material. 4.2 Requisição do material A requisição deve der feita logo depois de acondicionado o material nos armários. Respeitando a quantidade estabelecida nas etiquetas dentro dos armários. Deve ser feita em formulário próprio e em duas vias. O material será entregue no dia seguinte. Uma via do pedido deve ficar na sala de hemodiálise para conferir o material no dia seguinte. Outra via deve ser entregue ao funcionário do almoxarifado, ainda pela manhã. O funcionário responsável pela requisição segue a escala de atribuição, sendo que; Quem está na máquina , requisita o material para o armário nº-1, central de reprocessamento de capilares, armário próximo as máquinas nº-23 e nº-24. Quem está na máquina nº-1, nº-2, n -3, n -4, requisita o material para o armário nº-2. Quem está na máquina nº-5, nº-6, n -7, n -8, requisita o material para o armário nº-3. O mesmo procedimento deve acontecer na sala de diálise peritoneal sendo o funcionário escalado para este setor responsável pela requisição do material. Em dias que antecedem os finais de semana e feriados os pedidos devem ser dobrados de acordo com os dias em que o almoxarifado não abre. 5. Resultados Esperados Conhecimento para melhorar as práticas de trabalho. Facilita o andamento de processos. Impor padrões. Redução do re-trabalho e inconsistências. Redução da mão-de-obra de processos. Maior controle sobre o desenvolvimento das tarefas. Atende a integração global da instituição, onde está inserido o PROADES. Melhoria na qualidade da informação.

19 Contribui para a gestão integrada. Padroniza informações e conceitos. Eliminar discrepância entre informações de diferentes setores. Acesso a informação para toda a instituição. Padronizar rotinas e procedimentos.

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 26232 - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 150247 - COMPLEXO HOSPITALAR E DE SAUDE DA UFBA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00044/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EXTENSOR EQUIPO SORO EXTENSOR

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000134/2009 Abertura 19/5/2009 09:30 Processo 003870/2009 00001-00001 00001 00003166 SERINGA DESCARTÁVEL 10ML SEM AGULHA UN 20000 00002-00002 00002 00003167 SERINGA DESCARTÁVEL 20ML SEM AGULHA COM BICO LISO UN 6000 00003-00003 00003 00010641 SOLUÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde)

Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde) Planilha - Câmara Técnica de Nefrologia (Ministério da Saúde). DESPESAS COM PESSOAL. Diretor Técnico. Diretor Médico. Nefrologista Plantonista. Nefrologista pediátrico. Enfermeiro chefe. Enfermeiro Assistencial.

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR DESCRIÇÃO Abaixador de lingua em madeira Absorvente Granulado p/ CO2 ( cal sodada) Ácido Peracético 0,2% Agua Oxigenada 10V Agulha Descartável 13 x 4,5 Agulha Descartável

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

VIVAX INDÚSTRIA E COM. DE EQUIPAMENTOS LTDA, inscrita no CNPJ o n 05.161.212/0001-74. ITEM QUANTIDAE ESTIMADA

VIVAX INDÚSTRIA E COM. DE EQUIPAMENTOS LTDA, inscrita no CNPJ o n 05.161.212/0001-74. ITEM QUANTIDAE ESTIMADA EXTRATO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Aos doze dias do mês de outubro do ano de dois mil de onze a Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba Funepu, em conformidade com o resultado do pregão Eletrônico nº 019/2011

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise

ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA. Unidade de diálise ANEXO 5 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA Unidade de diálise PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Manual do Representante

Manual do Representante Manual do Representante Assegurar que os produtos e serviços da empresa sejam consistentemente seguros e confiáveis e que excedam as expectativas dos clientes. A diretoria endossa a iniciativa de seus

Leia mais

Rio Grande do Norte Pag.: 1 015048 LUVAS DE PROCEDIMENTOS M C/100 UNIDADES 3.000,0000 CAIXA 015049 LUVAS DE PROCEDIMENTOS P C/100 UNIDADES 2.000,0000 CAIXA 015050 LUVAS DE PROCEDIMENTOS G C/100 UNIDADES

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Controle de infecção em pacientes dialíticos

Controle de infecção em pacientes dialíticos Controle de infecção em pacientes dialíticos Christiany Moçali Gonzalez Enfermeira da coordenação de controle de infecção hospitalar - HUCFF/UFRJ Enfermeira da comissão de controle de infecção hospitalar

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/7 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Prestar assistência ao paciente durante a biópsia percutânea mamária guiada com uso de dispositivo portátil para biópsia vácuo-assistida e unidade estereotáxica adaptada

Leia mais

EDITAL. Processo de compras Nº 49/2016

EDITAL. Processo de compras Nº 49/2016 EDITAL Processo de compras Nº 049/2016 O CREDEQ - Centro de Referência e Excelência em Dependência Química - Unidade Aparecida de Goiânia - Jamil Issys, - CNPJ: 02.812.043/0012 50, torna público que, no

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical Termo correto = CATETERIZAÇÃO VESICAL Cateter: dispositivo tubular com luz, mais utilizados para drenagem de líquidos ou infusão

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ FUNDACAO MUNICIPAL DE SAUDE DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 1/2015. Página: 1/11

ESTADO DO PARANÁ FUNDACAO MUNICIPAL DE SAUDE DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 1/2015. Página: 1/11 Página: 1/11 20 ATADURA GESSADA ENROLADA SOBRE UM CILINDRO DE PLASTICO VIRGEM(TUBETE),EMBALADA INDIVIDUALMENTE COM FILME PLASTICO LAMINADO DE BOPP E PEBD, IDENTIFICADA COM OS DADOS DE PROCEDENCIA, DATA

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE PROCESSO LICITATÓRIO

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE PROCESSO LICITATÓRIO Folha: 1/6 O(a) Gestor Do Fundo Municipal De Saúde,, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, especialmente sob Lei nº 10.520/02 e em face aos princípios ordenados através

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR

ANEXO II RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ANEXO II ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELAÇÃO DE CORRELATOS - RECOR ITEM CORRELATO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FERREIRA GOMES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE FERREIRA GOMES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO Ferreira Gomes, 21 de setembro de 2015. PREGÃO 003/2015 CEL/SEMSA/PMFG REGISTRO DE PREÇOS E PROVÁVEL AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS O Pregoeiro, no uso de suas atribuições, torna público o resultado definitivo

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 52121 - COMANDO DO EXERCITO 160322 - HOSPITAL CENTRAL DO EXERCITO/RJ RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00038/2013-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - CUBA APARELHO - USO LABORATÓRIO EQUIPO DE INFUSÃO

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10

AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 26G1/2 CX. 6 Alcool a 70% ALCOOL ETILICO 70% 1000 M L L 10 ANEXO 1 Nº Item Especificação UND QUANT P. Unit P. Total 1 Abocath n º 22 2 Abocath nº 20 3 Agulha descartável Cateter periférico de uso único, descartavel, confeccionado com terflon, radiopaco, indicado

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA

MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA MATERIAL TÉCNICO DESCRIÇÃO EMBALAGEM MARCA ABAIXADOR DE LÍNGUA PCT C/ 100 UND. TEUTO ABAIXADOR DE LÍBGUA EMBALAGEM INDIVIDUAL PCT C/ 500 UND. ESTILO AGULHA DESCARTÁVEL 13X4,5 CX. C/ 100 UND. BD AGULHA

Leia mais

65150800201 Bolsa de colostomia, adesivo hipoalérgico (5,0) - drenável, com pinça individual orifício 5,0

65150800201 Bolsa de colostomia, adesivo hipoalérgico (5,0) - drenável, com pinça individual orifício 5,0 65150100137 Abaixador de língua, em madeira, pct. c/100 unidades 65150200190 Absorvente higiênico feminino - uso hospit., larg. 7,0cmx27cm de comprimento 65200101743 Agulha descartável - para seringa tipo

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Título do Procedimento: Rotinas do Arsenal Data de Emissão: 07/ 2005 Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 8 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem Material Utilizado: material esterilizado EPI: Luva

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

Drenagem de Tórax. Karen Cristina. Kades Andrigue 2014/02

Drenagem de Tórax. Karen Cristina. Kades Andrigue 2014/02 Drenagem de Tórax Karen Cristina Kades Andrigue 2014/02 Pulmões Em forma de cone que ocupam parte da cavidade torácica, estendendo-se do diafragma até a porção superior da clavícula. São órgãos brilhantes,

Leia mais

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual Norma - Algaliação DEFINIÇÃO Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva. Sendo uma intervenção interdependente, isto é, depende da prescrição de outros

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGÜÍNEA Drª. Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Drª. Luciana

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Diretrizes Assistenciais Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Versão eletrônica atualizada em jan/2012 Agentes Descrições Definição Critérios de admissão, alta e transferência para pacientes

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Centro Endoscópico: Assistencial Título Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

HEMODIÁLISE: técnica x legislação

HEMODIÁLISE: técnica x legislação SOBEN Associação Brasileira de Enfermagem em Nefrologia HEMODIÁLISE: técnica x legislação VALQUIRIA GRECO ARENAS Mestre em Ciências USP/SP Especialista em Nefrologia Innovare Assessoria e Consultoria Ltda

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD

TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA: RINS ARTIFICIAIS, CAPILARES E CAPD OPERADORA DE SAÚDE grande variedade de contratos; coberturas mais amplas nos contratos mais recentes; coberturas nos contratos após Lei 9656, com vigência desde 04/01/1999, já incluindo todo tipo de Terapia

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Objetivo: Orientar o procedimento para a coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário SCUP. Clientela: Profissionais

Leia mais

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos João E. Holanda Neto Farmacêutico EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Médico Avaliação do paciente e prescrição do esquema terapêutico (protocolo de QT) de acordo com o tipo,

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM Suely da Silva - Chefe da Unidade de Dispensação Farmacêutica do HC/UFTM - Filial EBSERH Mauritânia Rodrigues Ferreira Cajado - Farmacêutica da Dispensação do HC/UFTM Introdução

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Orientações de Saúde Para Cadeirantes

1. APRESENTAÇÃO. Orientações de Saúde Para Cadeirantes 1. APRESENTAÇÃO Uma parcela significativa dos atletas paralímpicos são lesados medulares e/ou cadeirantes. Nos Jogos Paralímpicos de Londres a delegação brasileira apresentou-se com 180 atletas, dos quais

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese.

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. PÁG:1 CONCEITO Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. FINALIDADE - Promover a drenagem urinária. -Realizar o controle rigoroso do

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido Acidente com Perfuro- Cortantes Guia Rápido Cuidado do Ferimento Lavar com água e sabão o ferimento ou pele exposta ao sangue ou fluidos orgânicos. Lavar as mucosas com água em abundância. Não é recomendada

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO PRONTUÁRIO DO PACIENTE

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO PRONTUÁRIO DO PACIENTE ETAPAS DO PROCEDIMENTO: Página 01/06 Explicação Inicial Cada grupo de dois funcionários é responsável por arquivar uma sequência de numeração. Cada paciente cadastrado na abertura de prontuários recebe

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 9º Congresso Brasileiro de Enfermagem em Centro Cirúrgico, Sala de Recuperação Anestésica e Central de Material e Esterilização GERENCIAMENTO DE MATERIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DE SÃO

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000101/2013 Abertura 9/8/2013 09:00 Processo 003832/2013

ANEXO I Pregão Presencial Nº 000101/2013 Abertura 9/8/2013 09:00 Processo 003832/2013 00001 00001 00001 00003038 ABAIXADOR DE LINGUA MADEIRA DESCARTAVEL COR NATURAL, 100 ABAIXADOR DE LÍNGUA (ESPÁTULA BUCAL), CONFECCIONADO EM MADEIRA LISA, AUSÊNCIA DE FARPAS, DESCARTÁVEL, EXTREMIDADES ARREDONDADAS,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 ENXOVAL HOSPITALAR É o conjunto de roupas utilizadas pelos hospitais com a finalidade de atender os diversos serviços e procedimentos

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP 26241 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA 153808 - HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00062/2013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPO ESPECIAL EQUIPO ESPECIAL, APLICAÇÃO

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Maria Edutania Skroski Castro

Maria Edutania Skroski Castro 2 Encontro Científico de Central de Material e Esterilização ATUALIZANDO-SE HUMAN SP GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL NA CME Maria Edutania Skroski Castro RISCO Possibilidade de perigo, incerto mas previsível,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DA FARMÁCIA AGHU Pré- requisitos: - Perfil de acesso do funcionário - Cadastro do funcionário na farmácia que poderá ocorrer a dispensação. - Cadastro das unidades de internação.

Leia mais

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterismo Vesical APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterização intermitente Alivio do desconforto da distensão da bexiga, provisão da descompressão Obtenção de amostra de urina estéril

Leia mais

Coleta de material biológico

Coleta de material biológico Coleta de material biológico Coleta de Material Biológico Este manual provê informações para todos os profissionais envolvidos com a coleta de sangue, dando orientações que possam minimizar as dificuldades,

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302

BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Biossegurança: Conjunto de medidas voltadas para prevenção,

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR II- REDE BÁSICA DE SAÚDE: Unidade básica

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais