06/12/2018. Assistência Farmacêutica no SUS. Estrutura da SMS de Curitiba: Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "06/12/2018. Assistência Farmacêutica no SUS. Estrutura da SMS de Curitiba: Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR"

Transcrição

1 Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR Assistência Farmacêutica no SUS Estrutura da SMS de Curitiba: habitantes - estimativa IBGE Gestão plena do sistema 111 Unidades Básica de Saúde (UBS), (68 UBS possui Espaço Saúde) 67 com Estratégia de Saúde da Família 44 Tradicionais, 9 Unidades de Pronto Atendimento (UPA), 12 Centros de Atenção Psicossocial(CAPS), 1 Laboratório Municipal 1 Centro Médico Bairro Novo 1 Hospital do Idoso - Zilda Arns 1

2 Atividade dos farmacêuticos 2018 FARMACÊUTICOS DA ASSISTÊNCIA Número de profissionais NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) 25 UPAs 05 CENTRO DE ESPECIALIDADES COORDENAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E ALMOXARIFADO farmacêuticos 1º AVANÇO NA AF (2009) -nova tecnologia NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) O FARMACÊUTICO INSERIDO NA PRÁTICA DO NASF Apoio matricial: gestão de casos e educação permanente; Planejamento de atendimentos específicos, visitas domiciliares ou realização de grupos terapêuticos; Realiza consulta ) farmacêutica e acompanhamento farmacoterapêutico aos usuários por meio de consultas individuais, compartilhadas, coletivas e domiciliares, fornecendo feedback ao prescritor quando necessário, corresponsabilizando-se pelo seguimento do tratamento; Atuação no apoio técnico-pedagógico e Participação social e intersetorial. Práticas Farmacêuticas no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf)/MS

3 A PROBLEMÁTICA SEM RESPOSTA Estes medicamentos estão sendo bem empregados pelos serviços de saúde? Como os usuários estão fazendo uso destes medicamentos? Que resultados de saúde estão sendo obtidos? Gasto anual com Medicamentos APS R$ ,77 R$ ,08 R$ ,34 R$ ,01 86,7% R$ , Fonte: CRM, SMS, Curitiba, fev 2014 FONTE: CRM-AF/SMS Baixa Efetividade dos Tratamentos BRASIL: Hipertensos 32% Diabetes tipo 2 25% Dislipidemia 30% Radis 2007;59(Julho):11 ArqBras Cardiol May;94(5): RevDiabetStud Jan;3(2):82 7 3

4 PESO DAS ATIVIDADES (COM POUCOS RESULTADOS) CUIDADO LOGÍSTICA ADMINISTRATIVO Atividades que pendiam para o ACESSO ACESSO x USO RACIONAL DE MEDICAMENTO Marco das transformações e fortalecimento da A.F. Curitiba Organização em 2 grandes eixos: ATENÇÃO FARMACÊUTICA Cuidados farmacêuticos GESTÃO DOS MEDICAMENTOS Abastecimento em todas as sua etapas...processo em evolução Até meados de 2013 Cadeia de abastecimento = acesso Foco no produto Inicio de 2014 Uso Racional do Medicamento Foco nas PESSOAS - cuidado farmacêutico 4

5 Necessidade: cuidar melhor das PESSOAS que usam esses medicamentos Implantação do cuidado farmacêutico na Atenção Básica e (re)qualificação da Assistência Farmacêutica no Município Inserir práticas clínicas na Assistência Farmacêutica (qualificação do CUIDADO). 5 GRANDE DESAFIOS Aumentar a adesão ao tratamento e a compreensão dos pacientes sobre os medicamentos Minimizar os erros de medicação e promover condutas baseadas em evidências Aumentar a efetividade do controle das condições crônicas e reduzir eventos adversos a medicamentos Conciliar os medicamentos e minimizar o risco de discrepâncias de prescrição entre níveis assistenciais ou entre diferentes prescritores Promover o autocuidado apoiado no que diz respeito à automedicação responsável OMS / FIP / WMA / IOM / WONCA / FDA / MS / CFF / ANVISA 14 Barreiras e necessidades: Consultório Farmacêutico nas UBS Sensibilização das equipes Dar conhecimento aos pacientes/comunidade Desenvolver habilidades clínicas Não abandonar o cuidado da cadeia do abastecimento FORTALECIMENTO E RECONHECIMENTO DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO 5

6 Inicio das transformações da Assistência Farmacêutica em Curitiba - a partir de 2009 Criação do NASF INCLUSÃO DE FARMACÊUTICOS 2009 Logística atividades coletivas apoio técnico 2013 Inicio Proposta MS 2014 QUALIFAR- SUS IMPLANTA ÇÃO CUIDADO FARMACÊ UTICO 2015 Modelagem do serviço clínico nos outros pontos de Atenção 2016 Criação da Rede Atenção Farmacê utica MODELAGEM DO CUIDADO FARMACÊUTICOS EM OUTROS PONTOS DE ATENÇÃO Identificou-se novo problema a ser vencido! CENTROS DE ESPECIALIDADES UDM -ARV VISA UPA GESTÃO FARMÁCIA HOSPITALAR - MATERNIDADE TRABALHO DESARTICULADO DIFICULTANDO O CUIDADO NASF ANÁLISES CLÍNICAS PAPEL DO FARMACÊUTICO SUS - Curitiba VISA CENTROS DE ESPECIALIDADES UDM -ARV GESTÃO ANÁLISES CLÍNICAS UPA NASF FARMÁCIA HOSPITALAR 6

7 NECESSIDADE DE TRABALHAR NO MODELO DE RAS? APS? Atenção Primária APS? Cuidado Farmacêutico no SUS Curitiba Trabalho em Rede de Atenção à Saúde USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E USO RACIONAL DE EXAMES LABO RATÓ RIO AQUI TEM FP REGIÃO METROP. C.E AB HOSP FP??? CAPS UPA CEAF Criados por Portaria em

8 O QUE SÃO OS CURAMES? Portaria 113 Grupos de trabalho técnico-científicos, multiprofissionais, de caráter consultivo, articulador e educativo, voltados à identificação de situações de uso inadequado de medicamentos e às ações para promoção do acesso e uso racional de medicamentos no município, de forma integrada, contínua, segura e efetiva. Conhecer e avaliar o perfil de utilização de medicamentos no território Qual o papel do CURAME? Identificar dificuldades, problemas ou necessidade de melhorias Desenvolver ações, estratégias e atividades de qualificação dos serviços Difundir informações pareceres informes técnicos CURAMES - COMPOSIÇÃO Macro Norte M. NORTE = Matriz, Cajuru e Boa Vista M. OESTE = CIC, Portão e Santa Felicidade M. SUL = Pinherinho, Bairro Novo, Boqueirão e Tatuquara UPAS-todas UPAs Coordenação de Atenção Farmacêutica Macro Oeste Macro Sul 8

9 COMPOSIÇÃO DOS CURAMES EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATIVA COM REUNIÕES BIMESTRAIS Grupos de 15 e 1 representante dos usuários (titular e supl.) 3 Farmacêuticos DS (1 facilitador) 3 Médicos DS 3 Enfermeiros DS 3 Odontólogos DS 3 Outros Profissionais DS 1 usuário Convidados Externos Eventuais! Papel diferente do COMITEC (Comite Municipal de Incorporação de novas tecnologias) 9

10 RESULTADOS ESPERADOS Detecção de problemas locais Propor solução Discussão com as equipes Divulgação interna e externa SEGURANÇA DO PACIENTE Melhoria contínua Educação permanente A PROBLEMÁTICA SEM RESPOSTA Estes medicamentos estão sendo bem empregados pelos serviços de saúde? Como os usuários estão fazendo uso destes medicamentos? Que resultados de saúde estão sendo obtidos? 10

11 Problemas ligados a seleção, prescrição e dispensação alternativa + custoefetiva 7% 61% de pacientes com algum problema Condição sem tratamento 29% Necessidade de medicamento adicional 18% 2014 Prescrição em subdose 12% 11

12 Problemas em administração adesão medicamentos 2014 Técnica de administração incorreta 8% Não iniciou o tratamento 13% Omissão de doses 54% 82% dos pacientes com algum problema Descontinuação indevida 34% Frequência ou horário de adm incorreto 33% Automedicação 14% Adição de doses 21% 12

13 AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS JAN NOV 2017 Perfil dos pacientes atendidos de 2014 a

14 14

15 15

16 OS RESULTADOS DEMONSTRAM A NECESSIDADE E A IMPORTÂNCIA DO CUIDADO FARMACÊUTICO! DESAFIOS AOS FARMACÊUTICOS DA ATENÇÃO BÁSICA DESEJAR FAZER E NÃO TER MEDO DE INOVAR MUDAR PLANO DE TRABALHO MANTER ATIVIDADE S ANTERIORE S INSERÇÃO DEFINITIV A NAS EQUIPES DE SAÚDE DESENVOL VER HABILIDA DE CLÍNICA EM SERVIÇO ESTUDAR MUITO MATRICI AR COMUNI CAÇÃO COM PACIENT E MUDAR A VISÃO DOS OUTROS PROFISSI ONAIS EM REALAÇÃ O AO FARMAC. 16

17 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA no SUS - Curitiba Foram publicados quatro volumes de cadernos técnicos da série Cuidado Farmacêutico na Atenção Básica (BRASIL, 2014a, b e c; BRASIL 2015) 17

18 Muito obrigada! Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Cajuru2 18

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA EM UMA REGIÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FELIPE TADEU CARVALHO SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Região do Itaim Pta composta por dois

Leia mais

PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA E INTERVENÇÕES EM CONSULTAS FARMACÊUTICAS EM UNIDADES DE SAÚDE

PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA E INTERVENÇÕES EM CONSULTAS FARMACÊUTICAS EM UNIDADES DE SAÚDE 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA E INTERVENÇÕES

Leia mais

LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO

LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO CURITIBA 2018 LINHA DE CUIDADO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO Secretaria de Saúde de Curitiba Departamento de Atenção à Saúde Coordenação de Saúde Mental Cenário epidemiológico Centro de Epidemiologia Secretaria

Leia mais

SUICÍDIO CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO DE CURITIBA

SUICÍDIO CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO DE CURITIBA SUICÍDIO CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO DE CURITIBA Flavia Adachi Coordenação de Saúde Mental - SMS NOTIFICAÇÕES DE VIOLÊNCIA AUTOPROVOCADA/AUTOINFLINGIDA 2012: Sistema Nacional de Agravos de notificação - SINAN

Leia mais

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS TEXTOS DIDÁTICOS DO CEMED Nº 2.c Compreendendo o SUS e a Assistência Farmacêutica Módulo 2 Tema 8 Aula Expositiva 6 O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS Simone Alves do Vale Secretaria

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

Eixo Cuidado: a experiência do município de São Paulo na implantação do método clínico do Cuidado Farmacêutico

Eixo Cuidado: a experiência do município de São Paulo na implantação do método clínico do Cuidado Farmacêutico 1º SEMINÁRIO DE QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NOS MUNICÍPIOS DO PIAUÍ Eixo Cuidado: a experiência do município de São Paulo na implantação do método clínico do Cuidado Farmacêutico Felipe Tadeu

Leia mais

O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF. Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo

O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF. Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo apresentam O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF Noemia Liege Maria da Cunha Bernardo Apresentação O Apoio Matricial do Farmacêutico no NASF 2010 2013 2015 Pesquisa Serviço Ensino Objetivo Compartilhar

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM SAÚDE MENTAL: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS NO SUS RAFAEL SOARES CORRÊA ANDREIA RIBEIRO DE SOUZA

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM SAÚDE MENTAL: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS NO SUS RAFAEL SOARES CORRÊA ANDREIA RIBEIRO DE SOUZA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE MUNICÍPIO DE SANTA TEREZINHA DE ITAPU ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM SAÚDE MENTAL: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS NO SUS RAFAEL SOARES CORRÊA ANDREIA RIBEIRO DE SOUZA A estruturação

Leia mais

PORTARIA 1.918/2016 O CUIDADO FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA SMS SP

PORTARIA 1.918/2016 O CUIDADO FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA SMS SP PORTARIA 1.918/2016 O CUIDADO FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA SMS SP PORTARIA 1.918 / 2016 Art. 1º Instituir o Cuidado Farmacêutico na Rede de Atenção Básica e de Especialidades na SMS-SP. OBJETIVO Art.3º Melhorar

Leia mais

Coordenação de Assistência Farmacêutica

Coordenação de Assistência Farmacêutica Coordenação de Assistência Farmacêutica CONSTRUINDO A POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Conselho Municipal de Saúde Comissão de Assistência Farmacêutica Secretaria Municipal de Saúde Contextualizando

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

A PROPOSTA DE INSERÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO

A PROPOSTA DE INSERÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO A PROPOSTA DE INSERÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO Profa. Dra. Diretor Técnico de Departamento de Saúde Núcleo de Assistência Farmacêutica SES - SP Insistimos

Leia mais

O Farmacêutico na Atenção Primária a Saúde Parte I. Pheandro Barreto Farmacêutico

O Farmacêutico na Atenção Primária a Saúde Parte I. Pheandro Barreto Farmacêutico apresentam O Farmacêutico na Atenção Primária a Saúde Parte I Pheandro Barreto Farmacêutico Atenção Primária em Saúde (APS) Estratégia de organização da atenção à saúde voltada para responder de forma

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE. Salvador 2017

A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE. Salvador 2017 A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE Salvador 2017 Assistência Farmacêutica no SUS Lei nº. 8080/ 1990: Art. 6, 1, Al. d Reconhece a assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica,

Leia mais

Implantação dos serviços de Farmácia Clínica na Atenção Básica em Curitiba

Implantação dos serviços de Farmácia Clínica na Atenção Básica em Curitiba 18 Curitiba/PR Jardim Botânico de Curitiba (PR) Implantação dos serviços de Farmácia Clínica na Atenção Básica em Curitiba CARACTERIZAÇÃO Curitiba é a capital do Paraná, um dos três estados que compõem

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO EM VISITAS DOMICILIARES COM A PRÁTICA DA FARMÁCIA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO EM VISITAS DOMICILIARES COM A PRÁTICA DA FARMÁCIA CLÍNICA 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Uso Racional de Medicamentos. Felipe Dias Carvalho Consultor Nacional de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde OPAS/OMS

Uso Racional de Medicamentos. Felipe Dias Carvalho Consultor Nacional de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde OPAS/OMS Uso Racional de Medicamentos Felipe Dias Carvalho Consultor Nacional de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde OPAS/OMS Conceito URM - OMS Existe uso racional quando os pacientes recebem medicamentos

Leia mais

ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador

ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador ATENÇÃO BÁSICA : Um olhar para a Saúde do Trabalhador FUNDAMENTOS E DIRETRIZES DA Ter território adstrito; AB Acesso universal e contínuo; Serviços resolutivos e de qualidade; Porta aberta e preferencial

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Serviços Farmacêuticos baseados na Atenção Primária a Saúde Parte II Processos de apoio do Serviço Farmacêutico

Serviços Farmacêuticos baseados na Atenção Primária a Saúde Parte II Processos de apoio do Serviço Farmacêutico apresentam Apoio Serviços Farmacêuticos baseados na Atenção Primária a Saúde Parte II Processos de apoio do Serviço Farmacêutico Me. LígiaHoepfner Farmacêutica farmasaude@pomerode.sc.gov.br Atenção Primária

Leia mais

Farmácia Clínica Farmácia Clínica

Farmácia Clínica Farmácia Clínica Farmácia Clínica Farmácia Clínica A evolução da FH e o surgimento da FC: Final da década de 1950 FDA e American Medical Association conscientização dos farmacêuticos no sentido de controlar as reações

Leia mais

Implantação da Cuidado Farmacêutico nas Redes de Atenção à Saúde

Implantação da Cuidado Farmacêutico nas Redes de Atenção à Saúde Implantação da Cuidado Farmacêutico nas Redes de Atenção à Saúde CGAFB/DAF/SCTIE/MS 21 agosto de 2015 DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS - DAF Ministério da Saúde / SCTIE DAF

Leia mais

Curso ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Para Técnicos de Farmácia da Rede de Atenção Básica. Dirce Cruz Marques. setembro/2011

Curso ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Para Técnicos de Farmácia da Rede de Atenção Básica. Dirce Cruz Marques. setembro/2011 Curso ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Para Técnicos de Farmácia da Rede de Atenção Básica Dirce Cruz Marques setembro/2011 INSERÇÃO DOS MEDICAMENTOS Políticas públicas de saúde, medicamentos, etc Pesquisa de

Leia mais

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Uma breve contextualização... Psicólogo Clínico desde 2008 na SMS-PMF. Equipes de Saúde Mental:

Leia mais

Prof. Claudia Witzel. Farmacovigilancia

Prof. Claudia Witzel. Farmacovigilancia Prof. Claudia Witzel Farmacovigilancia CONCEITO - Uma unidade clínica, administrativa e econômica, dirigida por farmacêutico, ligada hierarquicamente à direção do hospital e integrada funcionalmente com

Leia mais

NOTA TÉCNICA Proposta de regulamentação para o Eixo Estrutura do QUALIFAR SUS para 2013

NOTA TÉCNICA Proposta de regulamentação para o Eixo Estrutura do QUALIFAR SUS para 2013 NOTA TÉCNICA 06 2013 Proposta de regulamentação para o Eixo Estrutura do QUALIFAR SUS para 2013 CONASS - abril de 2013 Proposta de regulamentação para o Eixo Estrutura do QUALIFAR SUS em 2013 INTRODUÇÃO

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa

Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa Workshop: Melhores Práticas em Pesquisa Clinica Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa Grupo Hospitalar Conceição Escola GHC/Gerência de Ensino e Pesquisa Coordenação da Pesquisa GRUPO HOSPITALAR

Leia mais

farmácias e drogarias

farmácias e drogarias O cuidado farmacêutico nas farmácias e drogarias comerciais André Schmidt Suaiden Possui graduação em Farmácia pela UNESP Especialista em Atenção Farmacêutica - Formação Farmácia Clinica Mestrado em Farmacologia

Leia mais

Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica

Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica Gestão da Atenção Especializada e articulação com a Atenção Básica 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Março/2017 06/04/2017 1 1 2 2 Rede assistencial / pontos de atenção

Leia mais

COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SERVIÇO PÚBLICO 2013 O CRF-PR tem atuado junto ao Serviço Publico desde a implantação do SUS, onde em 1990 elaborou o manual o Farmacêutico e o SUS Sempre trabalhou

Leia mais

Unidades de Saúde da Secretaria Municipal de Ponta Grossa.

Unidades de Saúde da Secretaria Municipal de Ponta Grossa. 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO PROJETO EDUCAÇÃO EM

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 ! A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde no âmbito individual e coletivo que abrangem a promoção

Leia mais

O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista

O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista O processo de trabalho do NASFAB do município de Boa Vista Samanta Hosokawa Dias de Nóvoa Rocha (NASF Boa Vista) Junho - 2018 NASF AB Núcleo Ampliado de Saúde da Família PORTARIA Nº 2436 DE 21 DE SETEMBRO

Leia mais

O BANNER DEVERÁ SER FIXADO NO HORÁRIO ESTABELECIDO, AGUARDAR AVALIAÇÃO E RETIRADO AO FINAL DO HORÁRIO INFORMADO.

O BANNER DEVERÁ SER FIXADO NO HORÁRIO ESTABELECIDO, AGUARDAR AVALIAÇÃO E RETIRADO AO FINAL DO HORÁRIO INFORMADO. O BANNER DEVERÁ SER FIXADO NO HORÁRIO ESTABELECIDO, AGUARDAR AVALIAÇÃO E RETIRADO AO FINAL DO HORÁRIO INFORMADO. LOCAL: DATA: BOSQUE MARINA PARK (perto da piscina) Todos os Trabalhos serão apresentados

Leia mais

São Paulo, 22 de novembro de 2013 Prédio da Faculdade de Medicina da USP - Av. Dr. Arnaldo, 455 Cerqueira César

São Paulo, 22 de novembro de 2013 Prédio da Faculdade de Medicina da USP - Av. Dr. Arnaldo, 455 Cerqueira César PROJETO REGIÃO OESTE Fundação Faculdade de Medicina São Paulo, 22 de novembro de 2013 Prédio da Faculdade de Medicina da USP - Av. Dr. Arnaldo, 455 Cerqueira César Agenda Institucional Projeto Região Oeste

Leia mais

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO A desconformidade entre as estruturas da demanda e da oferta na atenção primária à saúde ESTRUTURA DA DEMANDA Condições agudas Condições crônicas

Leia mais

A integração dos Núcleos de Segurança do Paciente com os Setores e Comissões Hospitalares. Antonio da Silva Bastos Neto

A integração dos Núcleos de Segurança do Paciente com os Setores e Comissões Hospitalares. Antonio da Silva Bastos Neto A integração dos Núcleos de Segurança do Paciente com os Setores e Comissões Hospitalares Antonio da Silva Bastos Neto Nossa História Missão, Visão e Valores Estrutura Organizacional Programa de Qualidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA INTEGRAÇÃO ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA 20/06/13 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência e Emergência SÃO BERNARDO DO CAMPO

Leia mais

Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica

Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica 1 O Uso Racional de Medicamentos (URM) no Contexto da Farmácia Clínica Maria Denise Ricetto Funchal Witzel Objetivo Expor e analisar os Benefícios da Farmácia

Leia mais

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIAS PARA QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA XIII CONGRESSO DE PREFEITURAS E SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO NORTE ESTRATÉGIAS PARA QUALIFICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA Agosto/2014 O Programa Nacional de Qualificação

Leia mais

Política Nacional de Saúde Mental

Política Nacional de Saúde Mental Política Nacional de Saúde Mental Coordenação de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas/DAPES Secretaria de Atenção à Saúde Brasília, Agosto de 2017 Política

Leia mais

Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca)

Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca) I Encontro dos Pontos Focais do PRAISSAN e XV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca) Angela Cristina Lucas de Oliveira SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/11/2013 (nº 215, Seção 1, pág. 41) Institui a Rede Brasileira de

Leia mais

Palavras-chave: Assistência Farmacêutica. Residência Multiprofissional. Infraestrutura

Palavras-chave: Assistência Farmacêutica. Residência Multiprofissional. Infraestrutura 64 Inserção do profissional Farmacêutico na ESF: um relato de experiência Tamara Simão Bosse 1 Larissa Oliveira 2 Indianara Reynaud Toreti Becker 3 Resumo A reorientação da assistência farmacêutica encontra-se

Leia mais

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ POPULAÇÃO: 26.314 DISTRITOS: SEDE, ARROZAL, SANTANÉSIA, VILA MONUMENTO. (mapa) ÁREA TERRITORIAL: 505 KM² DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 52,21 HAB/KM² 0,16% DA POPULAÇÃO DO

Leia mais

A E X P E R I Ê N C I A D O M U N I C Í P I O D E D I A D E M A N A

A E X P E R I Ê N C I A D O M U N I C Í P I O D E D I A D E M A N A A E X P E RIÊNCIA D O MUNICÍPIO DE DIAD E M A N A I M P L AN TAÇ Ã O D O S I S T E M A N AC I ONAL D E GESTÃO DA AS S I S T Ê N C I A FAR M AC Ê U T I C A - H ÓRUS N A AT E N Ç Ã O B Á S I C A Rio Claro

Leia mais

Atenção Básica no Rio Grande do Sul

Atenção Básica no Rio Grande do Sul Atenção Básica no Rio Grande do Sul Raíssa Barbieri Ballejo Canto COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA SES/RS Encontro Nacional para Fortalecimento da Atenção Básica SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE População

Leia mais

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO

MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO MÓDULO 2 PROCESSO DE TRABALHO COLABORATIVO EM SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA CELINA RAGONI DE MORAES CORREIA / CAROLINA CARDOSO MANSO GABARITO DAS QUESTÕES NORTEADORAS QUESTÃO NORTEADORA 1: Histórias

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO Gabriela B. G. Mosegui Adaptado de Fernanda d Athayde Rodrigues, James Fitzgerald (OPAS,

Leia mais

Consulta Pública nº 03/2017

Consulta Pública nº 03/2017 Resolução nº, de de de 20 Ementa: Regulamenta a atuação do farmacêutico na prestação de serviços e assessoramento técnico sobre informação de medicamentos e produtos para a saúde. O Conselho Federal de

Leia mais

O trabalho médico em cooperativa

O trabalho médico em cooperativa O trabalho médico em cooperativa Sistema Unimed 38 Prestadoras 293 Operadoras 17 Federações Institucionais 348 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central Nacional 33 Federações

Leia mais

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS - 2008 Nutrição na Atenção Básica uma visão integrada Michele Lessa Organização Pan-Americana de Saúde Brasília, 22 de abril de 2008 OPORTUNIDADES cenário atual

Leia mais

Coordenação de Policlínicas e NASF. Rafaella Peixoto

Coordenação de Policlínicas e NASF. Rafaella Peixoto Coordenação de Policlínicas e NASF Rafaella Peixoto Maio/2016 II SEMINÁRIO NASF RIO Problematizando o trabalho do NASF : como coordenar o cuidado e ser resolutivo Como será o dia Conferência de abertura:

Leia mais

Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista

Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista Encontro Estadual para fortalecimento da Atenção Básica Roraima. Junho - 2018 População: 320. 022 habitantes 34 unidades básicas de saúde

Leia mais

A PRÁTICA DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA.

A PRÁTICA DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. A PRÁTICA DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. Ivaldo de Souza Marinho 1 ; Larissa Almeida Bakke 2. 1 Discente do curso de Farmácia da Faculdade Ciências Médicas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE INCONFORMIDADES NAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE GUIRICEMA, MG

IDENTIFICAÇÃO DE INCONFORMIDADES NAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE GUIRICEMA, MG IDENTIFICAÇÃO DE INCONFORMIDADES NAS PRESCRIÇÕES MÉDICAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE GUIRICEMA, MG Jéssika de Souza Miranda 1, Bruno Marcos Leite Fontes 2, Adriane Jane Franco 3 Resumo: A prescrição

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários II Mostra Nacional de Saúde Família 01º a 03 de junho de 2004 Diretrizes da política de saúde mental do MS Redução Progressiva dos Leitos

Leia mais

Tarcisio José Palhano. Professor aposentado do curso de Farmácia da UFRN e assessor da presidência do CFF

Tarcisio José Palhano. Professor aposentado do curso de Farmácia da UFRN e assessor da presidência do CFF MARCOS TEÓRICOS SOBRE OS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS Tarcisio José Palhano Professor aposentado do curso de Farmácia da UFRN e assessor da presidência do CFF INTRODUÇÃO O que o farmacêutico tem a oferecer à

Leia mais

Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente.

Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente. TÍTULO DA PRÁTICA: Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente. CÓDIGO DA PRÁTICA: T83 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 (tópico A) Florianópolis é considerado

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional)

Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional) Curso de Pós-Graduação: Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família (Abordagem Multiprofissional) O Curso de Pós-Graduação em Saúde Coletiva com Ênfase em Saúde da Família: uma abordagem multiprofissional

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos; Idosos; Adesão à Medicação; Conhecimento do Paciente sobre a Medicação

PALAVRAS-CHAVE Medicamentos; Idosos; Adesão à Medicação; Conhecimento do Paciente sobre a Medicação 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Grupos educativos para pacientes diabéticos que utilizam insulina em uma unidade básica de saúde do município do Rio de Janeiro

Grupos educativos para pacientes diabéticos que utilizam insulina em uma unidade básica de saúde do município do Rio de Janeiro 66 Rio de Janeiro/RJ FOTO / Crédito: Royal Rio Grupos educativos para pacientes diabéticos que utilizam insulina em uma unidade básica de saúde do município do Rio de Janeiro CARACTERIZAÇÃO A cidade do

Leia mais

GESTÃO DA CLINICA E A INSERÇÃO DAS UPA24H NA REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

GESTÃO DA CLINICA E A INSERÇÃO DAS UPA24H NA REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA GESTÃO DA CLINICA E A INSERÇÃO DAS UPA24H NA REDE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO COSEMS 2014 UBATUBA Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo Departamento de Atenção Hospitalar e

Leia mais

Ademar Cezar Volpi. Coordenador d da Atenção Básica em Saúde

Ademar Cezar Volpi. Coordenador d da Atenção Básica em Saúde Avaliação para Melhoria da Qualidade na Estratégia Saúde da Família - Implantação em Curitiba Ademar Cezar Volpi Coordenador d da Atenção Básica em Saúde População: 1.851.316 Distrito i Santa Felicidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos NOTA PEDAGÓGICA* MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Para refletir... Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos INTRODUÇÃO De acordo com Campos e Domitti (2007), os conceitos

Leia mais

O impacto da Farmácia Clínica sobre o uso racional de medicamentos e reflexos sobre a farmacovigilância

O impacto da Farmácia Clínica sobre o uso racional de medicamentos e reflexos sobre a farmacovigilância O impacto da Farmácia Clínica sobre o uso racional de medicamentos e reflexos sobre a farmacovigilância São Paulo, 13 de dezembro de 2017 Devaney Baccarin O impacto da Farmácia Clínica sobre o uso racional

Leia mais

Programa de uso racional de antimicrobianos

Programa de uso racional de antimicrobianos Programa de uso racional de antimicrobianos Filipe Piastrelli Médico infectologista SCIH Hospital Alemão Oswaldo Cruz Coordenador do SCIH Hospital Estadual de Sapopemba 9 de agosto de 2018 Sem conflitos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA 1. APRESENTAÇÃO O objetivo principal da Comissão de Farmácia e Terapêutica é elaborar a cada dois anos a padronização de medicamentos disponível

Leia mais

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Vanessa A. Paiva de Carvalho 1, Sonia R. Riado 2, Regina M. B. Chain 3, Maria L. B. Ribeiro 1,

Leia mais

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra Linha de Cuidados Mila Lemos Cintra Assistência à Saúde Ainda há uma prática: Centrada no ato prescritivo procedimento Dimensões biológicas Centrado em exames e medicamentos Custo elevado Assistência à

Leia mais

Educação e Práticas Interprofissionais na Temática da Vulnerabilidade e Violência:

Educação e Práticas Interprofissionais na Temática da Vulnerabilidade e Violência: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Educação e Práticas Interprofissionais na Temática da Vulnerabilidade e Violência: Experiências

Leia mais

PORTFÓLIO DE VIVÊNCIA

PORTFÓLIO DE VIVÊNCIA PORTFÓLIO DE VIVÊNCIA HELOISA PADESKI RODONISKI 1. SOBRE A FACILITADORA Heloisa Padeski Rodoniski, 20 anos, natural de Curitiba/PR e residente do mesmo. Atualmente graduanda do curso de Farmácia da Universidade

Leia mais

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Primária. A Experiência Municipal de Porto Alegre

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Primária. A Experiência Municipal de Porto Alegre Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Primária A Experiência Municipal de Porto Alegre REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE DE PORTO ALEGRE APS 140 Unidades de Saúde 109 Unidades com Saúde

Leia mais

Ao cuidar de pacientes que apresentam delírio, os profissionais de enfermagem devem

Ao cuidar de pacientes que apresentam delírio, os profissionais de enfermagem devem Questão: 368539 Ao cuidar de pacientes que apresentam delírio, os profissionais de enfermagem devem encorajar o paciente a expressar seus medos e ansiedades sem presumir o que é certo ou errado. Questão:

Leia mais

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE

IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE NOTA TÉCNICA 14 2011 IMPLEMENTAÇÃO DA REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS RUE Minuta de portaria que altera a Política Nacional de Atenção às Urgências e Institui a Rede de Atenção às Urgências no

Leia mais

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal Capítulo 2 Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental Rosane Lowenthal SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LOWENTHAL, R. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. In: Saúde mental

Leia mais

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Área Técnica da Atenção Básical Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Enfª Cláudia

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Apresentação: Andrea von Zuben Médica Veterinária Sanitarista Diretora Departamento de Vigilância em Saúde Comparação

Leia mais

FARMÁCIA CLÍNICA. Profa. Associada Sílvia Storpirtis Departamento de Farmácia Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

FARMÁCIA CLÍNICA. Profa. Associada Sílvia Storpirtis Departamento de Farmácia Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo FARMÁCIA CLÍNICA Profa. Associada Sílvia Storpirtis Departamento de Farmácia Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo 11.08.2017 Contextualização Farmácia Clínica: uma realidade no

Leia mais

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Gestão da Atenção Básica Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança PMAQ Processo de trabalho

Leia mais

A Implantação de Boas Práticas Assistenciais com Reflexo na Segurança do Paciente e na Sustentabilidade Hospitalar. Hospital Santa Casa de Curitiba

A Implantação de Boas Práticas Assistenciais com Reflexo na Segurança do Paciente e na Sustentabilidade Hospitalar. Hospital Santa Casa de Curitiba Assistenciais com Reflexo na Segurança do Paciente e na Sustentabilidade Hospitalar Hospital Santa Casa de Curitiba Primeiro não cause o dano. Hipócrates (460 a 370 a.c.) CONTEXTO HISTÓRICO 1998 - OMS

Leia mais

TÍTULO: O CUIDADO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL

TÍTULO: O CUIDADO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O CUIDADO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA HOSPITALAR GESTÃO DA QUALIDADE EM FARMÁCIA HOSPI- TALAR FORTALEZA/CEARÁ

CURSO DE FARMÁCIA HOSPITALAR GESTÃO DA QUALIDADE EM FARMÁCIA HOSPI- TALAR FORTALEZA/CEARÁ CURSO DE FARMÁCIA HOSPITALAR GESTÃO DA QUALIDADE EM FARMÁCIA HOSPI- TALAR FORTALEZA/CEARÁ OBJETIVO Realizar treinamento farmacêutico para gestão de serviço de farmácia hospitalar, análise de indicadores

Leia mais

04/10/2016. Relatório Dawson Atenção Primária à Saúde. Declaração de Alma-Ata Atenção Primária à Saúde Declaração de Alma-Ata

04/10/2016. Relatório Dawson Atenção Primária à Saúde. Declaração de Alma-Ata Atenção Primária à Saúde Declaração de Alma-Ata Relatório Dawson - 1920 Trabalho precursor para as Redes de Atenção à Saúde! Pontos essenciais: Nutricionista Fernando B. Peixoto CrN3: 41101 Mestrando em Saúde na Comunidade FMRP/USP Pós-Graduado em Atenção

Leia mais

Cristian Portela Hospital Evangélico de Londrina - PR

Cristian Portela Hospital Evangélico de Londrina - PR ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DA CADEIA MEDICAMENTOSA, POR MEIO DO LEAN SIX SIGMA O HOSPITAL EVANGÉLICO DE LONDRINA-PR. Cristian Portela Hospital Evangélico de Londrina - PR INTRODUÇÃO Em outubro de 2015 o Hospital

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013 PARECER CREMEC N.º 26/2013 06/12/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 10924/2013 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DOS MÉDICOS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PARECERISTA:

Leia mais

Alana de Paiva Nogueira Fornereto Gozzi Março/2018

Alana de Paiva Nogueira Fornereto Gozzi Março/2018 Apoio à implantação e implementação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em uma região do estado de São Paulo: a Educação Permanente como instrumento para lidar com desafios e possibilidades

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS 12 de setembro de 2011 Articulação para Produção da Saúde RAS Assistência à Saúde Vigilância em Saúde Promoção da Saúde Vasos Comunicantes

Leia mais

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA EM SAÚDE - CQIS/DESID MARCELO SETTE GUTIERREZ Coordenador Economia

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 Robsmeire Calvo Melo Zurita 1 ; Alessandra Massi Puziol Alves 2 Neide Barboza Lopes 3 INTRODUÇÃO: No Brasil ainda

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 A MODELAGEM DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1. A análise de situação de saúde 2. A escolha do modelo de 3. A definição do

Leia mais