Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS"

Transcrição

1 Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS Nutrição na Atenção Básica uma visão integrada Michele Lessa Organização Pan-Americana de Saúde Brasília, 22 de abril de 2008

2 OPORTUNIDADES cenário atual do Brasil Núcleo de Apoio à Saúde da Família - NASF + Repasse financeiro fundo-a-fundo Indicadores de Nutrição no Pacto É suficiente?

3 COMO ESTAMOS cenário atual Avanços: Política Nacional de Alimentação e Nutrição consolidada Política de Atenção Básica área estratégica: desnutrição Pacto: indicadores P/I e cobertura Bolsa Família Mais Saúde: ações de : - NASF, Saúde na Escola e promoção alimentação saudável Demandas de pela soc. civil: - Conferências de Saúde e SAN - CIAN e Consea Percepção da necessidade das ações de Nutrição pelos profissionais da É Atenção suficiente? Básica

4 COMO ESTAMOS cenário atual Avanços: + Diretrizes alimentares oficiais estabelecidas Amplo espectro de publicações para orientar a ação Rede de Nutrição no SUS funcionando PPI com diretrizes para alimentação e nutrição Repasse financeiro continuado com extensão a municípios SISVAN gerando informações atualizadas e em nível local É suficiente?

5 QUAL O OBJETIVO? Orientar a população e os equipamentos sociais para promover hábitos alimentares saudáveis

6 O QUE SE QUER? Usuários do SUS com acesso a: adequada orientação alimentar básica acompanhamento do estado nutricional com diagnóstico precoce de patologias atenção nutricional oportuna e de qualidade É suficiente?

7 Como a Nutrição melhora a Atenção Básica? A nutrição inserida na AB é capaz de responder por 85% dos problemas relacionados com a alimentação e nutrição?

8 Principais fatores de risco Mortes atribuíveis: AMERICAS, 2000 tabagismo Hipertensão sobrepeso Colesterol Falta Consumo de frutas e legumes Alcool Sedentarismo Sexo não seguro Polução do ar Agua, Saneamento, e higiene baixo peso Deficiencia Ferro Drogas ilícitas Fonte: WHR 2002 Número de mortes (000s)

9 COMO CHEGAR LÁ? A nutrição tem interface e demandas de todas as áreas: É suficiente?

10 Como a Nutrição melhora a Atenção Básica? Ex.: coleta dos dados antropométricos e diagnóstico nutricional Acesso Atenção Básica Atributos Essenciais Ex.: - vigilância nutricional - grupos educativos - acompanhamento Bolsa Família Integralidade Continuidade Ex.: detecção precoce e atenção aos problemas nutricionais Coordenação Importante: sempre numa abordagem interdisciplinar Ex.: referência e contra-referência com os serviços de nutrição e dietética hospitalares

11 COMO CHEGAR LÁ? SISVAN + Atendimento individual nas UBS e hospital + Grupos educativos + Suplementação de micronutrientes É suficiente? É Não

12 COMO CHEGAR LÁ? Trabalhar a nutrição de forma multiprofissional e interdisciplinar: Ao não ser percebida a amplitude que envolve a questão alimentar e nutricional, esta não é tratada enquanto uma questão coletiva que exige uma intervenção interdisciplinar, ficando reduzida a ações de intervenção individuais. (GALEAZZI, M.A. M.(org). Segurança Alimentar e Cidadania: as contribuições das universidades paulistas. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1996)

13 ALGUMAS EXPERIÊNCIAS Hamilton Health Service Organization Nutrition Program (HHSONP) + Hamilton Min. Saúde de Ontário Canadá desde mil habitantes 9 nutricionistas para 80 médicos de família Cada médico tem o apoio do nutricionista por 4 horas a cada semana Trabalho conjunto com os médicos de família para o manejo dos problemas nutricionais, com atenção a todas as idades. Em geral, o nutricionista discute o caso com o médico de família antes da É consulta, suficiente? juntos elaboram e revisam as metas específicas para cada paciente e há um retorno deste a cada quinze dias

14 ALGUMAS EXPERIÊNCIAS Hamilton Ontário Canadá: Há uma equipe central de Nutrição responsável pelo coordenação, implementação e avaliação dos programas de Nutrição na Atenção Primária Objetivos do Programa: Aumentar o acesso dos pacientes às ações de Nutrição Estreitar os laços entre a atenção primária, o hospital e os programas comunitários de Nutrição aprimorar os conhecimentos dos médicos de família sobre os princípios de Nutrição e envolvê-los nos problemas nutricionais. É suficiente?

15 ALGUMAS EXPERIÊNCIAS Hamilton Ontário Canadá: + Principais razões para referência ao nutricionista Principais ações realizadas: orientação nutricional, avaliação nutricional, atendimento individual, grupos educativos, orientação às famílias, acompanhamento dos pacientes É suficiente?

16 ALGUMAS EXPERIÊNCIAS Hamilton Ontário Canadá: Relevância para a prática: Várias doenças crônicas, como diabetes, dislipidemias e obesidade, melhoram com o aconselhamento nutricional, mas médicos de família raramente tem tempo ou expertise para orientar seus pacientes em Nutrição; Pacientes têm melhor acesso aos serviços e ações de Nutrição e os médicos de família aprendem sobre Nutrição por meio do trabalho conjunto com os nutricionistas; Este modelo permite a intervenção oportuna e otimiza o acesso aos serviços especializados; Pacientes, nutricionistas e médicos de família relataram maior satisfação É suficiente? com este modelo de atenção.

17 ALGUMAS EXPERIÊNCIAS Espanha - Ações de : Promoção da Saúde: Elaborar políticas e planos de nutrição em saúde pública Criar ambientes para promoção da alimentação saudável Fortalecer iniciativas comunitárias em Nutrição Ampliar as habilidades pessoais para escolhas saudáveis Reorientar os serviços de saúde Prevenção de doenças: Atuar com outros profissionais para estabelecer protocolos de atenção às patologias relacionadas com a Nutrição Aconselhar sobre o controle de peso para reduzir risco de doenças crônicas Tratamento Desenvolver materiais educativos para apoiar os pacientes a selecionar alimentos apropriados ao seu problema Orientar pacientes e familiares na adoção de uma alimentação saudável para reduzir complicações Reabilitação: É suficiente? Reabilitação: Atenção nutricional para os pacientes com disfagia, tratamento domiciliar com nutrição enteral, AVC.

18 COMO CHEGAR LÁ? Visão do todo É preciso organizar e gerenciar todos os aspectos dos serviços de nutrição: Planejamento a partir de um diagnóstico da demanda Organização do fluxo de coleta, processamento e análise de informações Elaboração de protocolos de atenção Referência e contra-referência referência dos serviços de nutrição adequação à demanda da população de referência Capacitar os profissionais a: Utilizar os instrumentos de diagnóstico nutricional (curva de crescimento infantil, estado nutricional da gestantes entre outros) Identificar problemas relacionados a alimentação e nutrição Orientar as famílias nos aspectos gerais sobre alimentação saudável Realizar o controle, acompanhamento e avaliação Satisfação do usuário e da equipe Controle social

19 COMO CHEGAR LÁ? Importantes características do profissional de nutrição na Atenção Básica sai do consultório; capacidade de interagir com outros profissionais; atendimento coletivo; foco na promoção de saúde e prevenção de doenças; dinamismo: paciente visto como ativo; humanização de atendimentos; participação e informação do paciente.

20 COMO CHEGAR LÁ? Quais aspectos e serviços de nutrição precisam estar disponíveis e adequados na: Visita domiciliar NASF Unidade de Saúde Grupos

21 COMO CHEGAR LÁ? Visita domiciliar - pautada na educação em saúde, promovendo a sensibilização da família e a participação ativa na solução de problemas Levantamento das necessidades Informações prévias sobre as prioridades da família Planejamento Quem são os profissionais envolvidos Quais instrumentos necessários Quais dados serão colhidos Quais famílias e usuários terão prioridade de atendimento Características do domicílio: Moradia: tipo de construção, n cômodos, saneamento básico e outros. Família: meios de produção de renda, relações com o membro que precisa de tratamento, dinâmica familiar e redes de apoio. Usuário: presença ou não de doença, limitações para as atividades diárias e outros. Execução Importante: estabelecimento do vínculo com a família linguagem clara, avaliação conjunta com a família sobre a visita Estabelecimento de prioridades da atenção, em conjunto com a equipe Registro dos dados Prescrição da conduta e desenvolvimento da visita em prontuário Avaliação Verificar se os objetivos educativos e assistenciais foram atingidos (SANTOS, Irani Gomes et al. Nutrição: da assistência à promoção da saúde. Editora RCN. São Paulo, 2007.)

22 COMO CHEGAR LÁ? Organização de todas as ações de nutrição no município alguns exemplos - Grupos educativos ESF - Análise dos dados SISVAN - Atendimento individual em Nutrição - Pacientes com comprometimentos - Exames mais complexos -Diagnóstico FAMÍLIAS nutricional -Observação da higiene, conservação e forma de preparo dos alimentos, ingestão dos alimentos) - Orientações gerais sobre alimentação e nutrição - Identificação de distúrbios nutricionais NASF - planejamento das ações de Nutrição com toda a equipe do NASF - capacitação das ESF - organização dos fluxos e rotinas de atenção nutricional - Outras especialidades - Reabilitação

23 COBERTURA ESF: 2500/4000 hab Organização da referência e contrareferência dos / serviços hab de / Nutrição hab NASF: 35000/40000 hab CEO: hab CAPS: I / hab II / hab III acima hab Unidade de Pronto- Atendimento: / hab Hospital: hab

24 Elaboração de protocolos Protocolo de atenção para prevenção, tratamento e acompanhamento da obesidade

25 COMO CHEGAR LÁ? Experiência de Ontário Canadá: Um modelo de serviço de nutrição interdisciplinar, com diferentes e complementares tipos de apoio, foi avaliado como mais prático e acessível à população e aos demais serviços, com melhor custo-efetividade e sustentabilidade do que o anterior modelo de serviço de nutrição (não interdisciplinar). Brauer, Paula. Nutrition in Primary Health Care: using a Delphi Process to design new interdisciplinary services. Canadian J. Diet. Pract. Res. 2006

26 COMO CHEGAR LÁ? Cada esfera do SUS tem seu papel potencializador das ações de Nutrição na Atenção Básica com o desafio de construir conjuntamente um modelo de atenção integrada em Nutrição que possa ser utilizado em qualquer perfil epidemiológico e nas diversas realidades do país mas isso se dará na prática por meio da troca de experiências e análise das lições aprendidas

27 Obrigada Michele Lessa de Oliveira Profissional Nacional Alimentação e Nutrição Organização Pan-Americana de Saúde

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS SUS - Princípios Gerais 1 - A Saúde Como Direito de Todos

Leia mais

Envelhecimento, Saúde e Qualidade de Vida: desafios para as políticas de atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Material de Base para Seminários PNASII

Envelhecimento, Saúde e Qualidade de Vida: desafios para as políticas de atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Material de Base para Seminários PNASII Envelhecimento, Saúde e Qualidade de Vida: desafios para as políticas de atenção à Saúde da Pessoa Idosa Material de Base para Seminários PNASII ENVELHECIMENTO CENSO 2000 14.569.029 pessoas idosas ( >

Leia mais

Apresentação da Equipe Estadual. Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco

Apresentação da Equipe Estadual. Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco ESTADO DO TOCANTINS Apresentação da Equipe Estadual Estado: Tocantins Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco Equipe Técnica: Renata Batista Vasconcelos Soraya Rodrigues Dodero Vilma Maciel Dias

Leia mais

Brasil é um dos principais apoiadores da agenda de nutrição adotada pela ONU

Brasil é um dos principais apoiadores da agenda de nutrição adotada pela ONU Brasil é um dos principais apoiadores da agenda de nutrição adotada pela ONU Década da ação sobre a nutrição incentiva países a assegurar acesso universal a dietas mais saudáveis e sustentáveis Alerta

Leia mais

ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA

ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA apresentam ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO NASF: TEORIA E PRÁTICA Carolina Calado Carneiro Nutricionista da prefeitura Municipal de Florianópolis com especialidade em Saúde da Família e atualmente preceptora

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 ! A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde no âmbito individual e coletivo que abrangem a promoção

Leia mais

Política Nacional de Alimentação e N u trição

Política Nacional de Alimentação e N u trição O PROCESSO DE RE EVISÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTR RIÇÃO X Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS 29 de novembro a 01 de dezembro Brasíli ia, 2010 Política Nacional de Alimentação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TERESINA Ayla Maria Calixto de Carvalho Alba Alves Costa Marques Telma Maria Evangelista

Leia mais

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo Carmen L. A. de Santana 2014 Princípios do SUS 1) 1) 3) 4) 5) Acesso universal, Equidade da oferta de serviços, Descentralização,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 1) Atenção domiciliar aos pacientes em dificuldades de locomoção dependente de ventilação

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5 AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Atenção Primária à Saúde e/ou Atenção Básica No Brasil, observa-se mudanças na concepção de APS desde a NOB

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal Capítulo 2 Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental Rosane Lowenthal SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LOWENTHAL, R. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. In: Saúde mental

Leia mais

Projeto de Extensão: Clínica Escola: atendimento ambulatorial de nutrição à comunidade

Projeto de Extensão: Clínica Escola: atendimento ambulatorial de nutrição à comunidade FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO Projeto de Extensão: Clínica Escola: atendimento ambulatorial de nutrição à comunidade Além Paraíba, 2011 INTRODUÇÃO A alimentação e nutrição são requisitos

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] Nutricionista Entrevistado(a) CRN- RT / QT

SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] Nutricionista Entrevistado(a) CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

Capacitação Macrorregional SISVAN

Capacitação Macrorregional SISVAN Capacitação Macrorregional SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção á Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição SISVAN - Diagnóstico descritivo

Leia mais

Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF

Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF Coordenação de Alimentação e Nutrição do DF Apresentação da Equipe Estadual Estado: Distrito Federal SES/DF Gerência de Nutrição Coordenadora: Mariana Martins Coord. de

Leia mais

ÉRIKA SOCORRO BRASIL

ÉRIKA SOCORRO BRASIL ÉRIKA SOCORRO BRASIL Rua Carlos de Sabóia e Sá, Nº 14, Abolição II, Mossoró-RN Naturalidade: Garanhuns-PE Estado Civil: Casada - Idade: 34 anos Telefones: (84) 99635-6691 / (84) 98824-3163 /(84) 98717-2548/

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL Prof. Domingos de Oliveira DIRETRIZES E POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL A Política de Saúde Mental instituída no Brasil através da Lei Federal No 10.216/01, tem como premissa fundamental

Leia mais

Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC)

Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC) Gestão do cuidado como forma de garantir a integralidade da atenção na RAS: a experiência do Município de Itajaí (SC) Introdução Ser gestora das ações de alimentação e nutrição de um município é um grande

Leia mais

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS TEXTOS DIDÁTICOS DO CEMED Nº 2.c Compreendendo o SUS e a Assistência Farmacêutica Módulo 2 Tema 8 Aula Expositiva 6 O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS Simone Alves do Vale Secretaria

Leia mais

ASSISTÊNCIA MULTIDISCIPLINAR PARA O ATENDIMENTO AOS PACIENTES DIABÉTICOS INTERNADOS

ASSISTÊNCIA MULTIDISCIPLINAR PARA O ATENDIMENTO AOS PACIENTES DIABÉTICOS INTERNADOS ASSISTÊNCIA MULTIDISCIPLINAR PARA O ATENDIMENTO AOS PACIENTES DIABÉTICOS INTERNADOS DR. RUBENS ALDO SARGAÇO MEMBRO DO GRUPO DE DIABETES HOSPITALAR DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES FINALIDADE DO GRUPO

Leia mais

RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE: INFLUÊNCIA DO NUTRICIONISTA NA SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE

RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE: INFLUÊNCIA DO NUTRICIONISTA NA SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE RESIDÊNCIA INTEGRADA EM SAÚDE: INFLUÊNCIA DO NUTRICIONISTA NA SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE Ana Cibelli Nogueira Soares (1); Maria Elisa Machado Ferreira Marcelo (2) Escola de Saúde Pública do Ceará. E-mail:

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica Conceito Atenção Básica A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico,

Leia mais

Qualificação da Atenção ao Pré-Natal e Puerpério na UBS Naudar Vicente Konsen, Jari / RS

Qualificação da Atenção ao Pré-Natal e Puerpério na UBS Naudar Vicente Konsen, Jari / RS Universidade Aberta do SUS - UNASUS Universidade Federal de Pelotas Especialização em Saúde da Família Modalidade à Distância Turma 9 Qualificação da Atenção ao Pré-Natal e Puerpério na UBS Naudar Vicente

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

Saúde Coletiva/ Saúde Pública Gestão e Assistência. Lilian M. Tanikawa Nutricionista /NASF-AB Secretaria Municipal de Saúde

Saúde Coletiva/ Saúde Pública Gestão e Assistência. Lilian M. Tanikawa Nutricionista /NASF-AB Secretaria Municipal de Saúde Saúde Coletiva/ Saúde Pública Gestão e Assistência Lilian M. Tanikawa Nutricionista /NASF-AB Secretaria Municipal de Saúde Pinhais Menor em extensão - 60,92 km² É o município mais próximo da capital (8,9Km)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA RESIDENTES EDITAL Nº 04/2018 RETIFICAÇÃO

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA RESIDENTES EDITAL Nº 04/2018 RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA RESIDENTES EDITAL Nº 04/2018 No quadro 2 do item 4 onde se lê: RETIFICAÇÃO Quadro 2 ESTRUTURA DA PROVA DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PROFISSIONAL ENFERMAGEM PROVA Políticas Públicas

Leia mais

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo.

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. Prioridades Federais Saúde do Idoso Disponibilizar a Caderneta

Leia mais

VIGITEL BRASIL Hábitos dos brasileiros impactam no crescimento da obesidade e aumenta prevalência de diabetes e hipertensão

VIGITEL BRASIL Hábitos dos brasileiros impactam no crescimento da obesidade e aumenta prevalência de diabetes e hipertensão VIGITEL BRASIL 2016 Hábitos dos brasileiros impactam no crescimento da obesidade e aumenta prevalência de diabetes e hipertensão VIGITEL BRASIL 2016 Em uma década: DOENÇAS CRÔNICAS AVANÇAM Aumento de 61,8%

Leia mais

NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NAPAN - RR

NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NAPAN - RR NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AN - RR Equipe - AN Alimentação e Nutrição Cargo Função Vinculo Maria do Livramento da Costa Rêgo Nutricionista Gerente do Núcleo Efetiva Leila Agra

Leia mais

Resultados das ações de Alimentação e Nutrição na avaliação externa do PMAQ

Resultados das ações de Alimentação e Nutrição na avaliação externa do PMAQ Resultados das ações de Alimentação e Nutrição na avaliação externa do PMAQ XIII Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Brasília/DF 19 de Agosto de 2015 Estrutura de apresentação Infraestrutura

Leia mais

Panorama das Redes de Atenção à Saúde.

Panorama das Redes de Atenção à Saúde. Panorama das Redes de Atenção à Saúde. Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401 Lei 12.466 Lei complementar 141 1986 1988 1990 1991 1993

Leia mais

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Gestão da Atenção Básica Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança PMAQ Processo de trabalho

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas Política Nacional de Atenção Básica Situação e Perspectivas Linhas Nacionais de Ação Ampliação do acesso à atenção básica Aumento do financiamento Ampliação e melhoria da infraestrutura das UBS Incentivo

Leia mais

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra Linha de Cuidados Mila Lemos Cintra Assistência à Saúde Ainda há uma prática: Centrada no ato prescritivo procedimento Dimensões biológicas Centrado em exames e medicamentos Custo elevado Assistência à

Leia mais

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro O que é estado nutricional? É o

Leia mais

BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - 2013 Patrícia Constante Jaime Coordenadora Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretária de Atenção à Saúde Ministério da Saúde

Leia mais

SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E A REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL

SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E A REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E A REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL Organização de Linhas de Cuidado A costura que garanta a continuidade da atenção integral humanizada e de qualidade. Linhas do Cuidado Visão

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica. Profra Dra Rejane Queiroz

Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica. Profra Dra Rejane Queiroz Estratégia Saúde da Família e a agenda de fortalecimento da Atenção Básica Profra Dra Rejane Queiroz Atenção Primária à Saúde: marco histórico Conferência Internacional de Cuidados Primários em Saúde,

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Contextualização da Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde 1999 - Fundação Nacional de Saúde inicia o processo de descentralização para os municípios

Leia mais

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA ALCOOLISMO Aula 5 Profª. Tatiane da Silva Campos uma política nacional de atenção à saúde, de forma relacionada ao consumo de álcool, implica na implementação da assistência, ampliando

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora

ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora da APS População: 18.331 Urbana: 8.956 Rural: 9.375 7ª

Leia mais

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis BRASIL SAUDÁVEL Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis Inserida no contexto do Bom Exemplo SECOM Coordenação Geral Ministério da Saúde Ministério da Educação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE 1 Josué de Castro Fome como uma construção social 2 Nossos grandes consensos A fome que subsiste no país é, essencialmente, uma questão de acesso. Desigualdade

Leia mais

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN

COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN COMISSÃO INTERSETORIAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - CIAN Prevista na Lei n.º 8.080/90 - Art. 13 item I Reinstalada pela Resolução CNS n.º 299, de maio de 1999. OBJETIVO DA CIAN Integrar a Política Nacional

Leia mais

nutrição CONTRIBUINDO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE E O ACESSO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, ADEQUADA E SUSTENTÁVEL.

nutrição CONTRIBUINDO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE E O ACESSO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, ADEQUADA E SUSTENTÁVEL. nutrição CONTRIBUINDO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE E O ACESSO À ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, ADEQUADA E SUSTENTÁVEL. O que é nutrição A Nutrição é uma ciência da saúde que estuda os alimentos, seus nutrientes, bem

Leia mais

Programa Saúde na Escola em Cocos - BA: atuação da equipe NASF.

Programa Saúde na Escola em Cocos - BA: atuação da equipe NASF. Programa Saúde na Escola em Cocos - BA: atuação da equipe NASF. - GESTOR MUNICIPAL DE SAÚDE: Clewton Domingues de Souza - AUTOR PRINCIPAL: Andréa Cristina B. de Sene : Coordenadora NASF - Outros autores:

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 22 Profª. Tatiane da Silva Campos PORTARIA Nº 648,

Leia mais

Ministério da Saúde Brasília - DF 2013

Ministério da Saúde Brasília - DF 2013 Ministério da Saúde Brasília - DF 2013 CARTILHA INFORMATIVA QUAIS SÃO AS POLÍTICAS QUE SUBSIDIAM O PROGRAMA ACADEMIA A DA SAÚDE? Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE

Leia mais

ATENÇÃO DOMICILIAR COMO EXPERIÊNCIA DE APRENDIZADO NA ATENÇÃO BÁSICA 1 HOME ATTENTION AS A LEARNING EXPERIENCE IN BASIC ATTENTION

ATENÇÃO DOMICILIAR COMO EXPERIÊNCIA DE APRENDIZADO NA ATENÇÃO BÁSICA 1 HOME ATTENTION AS A LEARNING EXPERIENCE IN BASIC ATTENTION ATENÇÃO DOMICILIAR COMO EXPERIÊNCIA DE APRENDIZADO NA ATENÇÃO BÁSICA 1 HOME ATTENTION AS A LEARNING EXPERIENCE IN BASIC ATTENTION Patricia Andrea Simão 2, Mariangela De Moraes Inocencio 3, Maristela Borin

Leia mais

CONSULTA NUTRICIONAL. 1.2 Entrega do plano alimentar O plano alimentar será elaborado após a primeira consulta e entregue ao paciente após 1 semana.

CONSULTA NUTRICIONAL. 1.2 Entrega do plano alimentar O plano alimentar será elaborado após a primeira consulta e entregue ao paciente após 1 semana. CONSULTA NUTRICIONAL 1. OBJETIVO GERAL O tratamento nutricional tem por objetivo cuidar do indivíduo, visando à promoção da saúde e prevenção de doenças, minimizando e/ou tratando sintomas e causas de

Leia mais

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

Leia mais

Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca)

Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca) I Encontro dos Pontos Focais do PRAISSAN e XV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Terapia nutricional (APLV e Doença Celíaca) Angela Cristina Lucas de Oliveira SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010

Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010 Visão atual das Consultorias sobre gerenciamento das doenças / medicina preventiva na saúde suplementar Euroamerica Dr. Mario Ivo Serinolli 03/2010 Situação Atual Alto custo da assistência médica para

Leia mais

Coordenação Estadual de. Alimentação e Nutrição

Coordenação Estadual de. Alimentação e Nutrição Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição Apresentação da Equipe Estadual Estado: Minas Gerais (MG) Coordenador (a): Maria Lúcia Teixeira Leite Equipe técnica (Nutricionistas): Isabel Cristina Bento

Leia mais

POLÍTICA DAS DANT Doenças e Agravos Não Transmissíveis Coordenação Geral das Políticas Públicas em Saúde - SMS/PMPA

POLÍTICA DAS DANT Doenças e Agravos Não Transmissíveis Coordenação Geral das Políticas Públicas em Saúde - SMS/PMPA POLÍTICA DAS DANT Doenças e Agravos Não Transmissíveis Coordenação Geral das Políticas Públicas em Saúde - SMS/PMPA POLÍTICA DAS DANT Doenças e Agravos Não Transmissíveis Histórico: Em outubro de 2014,

Leia mais

PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL)

PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL) PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL) Maria Bárbara Galdino Silva barbaragaldiino@gmail.com Karine Maria Moreira Almeida

Leia mais

Profa. Débora Gobbi 1

Profa. Débora Gobbi 1 Profa. Débora Gobbi 1 A atenção ao pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde materna e neonatal acolher a mulher desde o início da gravidez = ao final da gestação =nascimento de uma criança saudável.

Leia mais

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti

Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família. Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Saúde Mental: Interação entre o NASF e as equipes de Saúde da Família Psic. Marcelo Richar Arua Piovanotti Uma breve contextualização... Psicólogo Clínico desde 2008 na SMS-PMF. Equipes de Saúde Mental:

Leia mais

informar para prevenir

informar para prevenir PROJETO PRIMEIRO PASSO informar para prevenir "Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. PAULO FREIRE ALGUNS DADOS SOBRE O CONSUMO DE ÁLCOOL NO MUNDO. A Organização

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Estágio Supervisionado em Nutrição em Saúde Pública CÓDIGO: NUT091 DEPARTAMENTO: Departamento de Nutrição CARGA HORÁRIA TEÓRICA CARGA HORÁRIA PRÁTICA CRÉDITOS 00 120

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 3. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 3. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 3 Profª. Lívia Bahia Atribuições comuns a todos os profissionais da Atenção Básica: Manter atualizado o cadastramento das famílias e dos indivíduos no

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

ANDI-DPI. Atenção Nutricional a Desnutrição Infantil e Estímulo ao Desenvolvimento na Primeira Infância

ANDI-DPI. Atenção Nutricional a Desnutrição Infantil e Estímulo ao Desenvolvimento na Primeira Infância ANDI-DPI Atenção Nutricional a Desnutrição Infantil e Estímulo ao Desenvolvimento na Primeira Infância ANDI-DPI Período de execução: 08/2013 à 12/2015 Área de atuação: 22 municípios AM, AC, RR e RO 3 visitas

Leia mais

Agenda de Pesquisas em Alimentação e Nutrição: avanços e desafios ( )

Agenda de Pesquisas em Alimentação e Nutrição: avanços e desafios ( ) Agenda de Pesquisas em Alimentação e Nutrição: avanços e desafios (2016-2018) Equipe de Vigilância Alimentar e Nutricional Coordenação-geral de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Coordenação-geral

Leia mais

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 003, DE 02/03/2012.

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 003, DE 02/03/2012. PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA EDITAL Nº 003, DE 02/03/2012. ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGOS DE 01 A 07: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

06/12/2018. Assistência Farmacêutica no SUS. Estrutura da SMS de Curitiba: Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR

06/12/2018. Assistência Farmacêutica no SUS. Estrutura da SMS de Curitiba: Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR Marina Yoshie Miyamoto Farmacêutica NASF Curitiba/PR Assistência Farmacêutica no SUS Estrutura da SMS de Curitiba: 1.908.359 habitantes - estimativa IBGE 2017. Gestão plena do sistema 111 Unidades Básica

Leia mais

Promoção da Alimentação Saudável: avanços e perspectivas

Promoção da Alimentação Saudável: avanços e perspectivas Promoção da Alimentação Saudável: avanços e perspectivas Promoção da Alimentação Saudável Oportunidades: Prioridade no Pacto pela Saúde (PNPS e PNAN) Repasse fundo a fundo Portaria MS/ MEC nº 1010 e Programa

Leia mais

Ações desenvolvidas na área de alimentação e nutrição no Estado do Piauí

Ações desenvolvidas na área de alimentação e nutrição no Estado do Piauí Ações desenvolvidas na área de alimentação e nutrição no Estado do Piauí 2003-2005 2005 ORGANOGRAMA Diretoria de Unidade de Vigilãncia Vigilância e Atenção a Saúde Gerência de Atenção à Saúde Coord. de

Leia mais

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO NUTROLOGIA PEDIÁTRICA

PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO NUTROLOGIA PEDIÁTRICA PEDIDO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO NUTROLOGIA PEDIÁTRICA 1. JUSTIFICATIVA PARA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO SEGUNDO ANO NA ÁREA DE ATUAÇÃO NUTROLOGIA PEDIÁTRICA As limitações

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB -

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - N A S F Trajetória da estratégia, organização do processo de trabalho e perspectivas do Ministério da Saúde Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf AB - TRAJETÓRIA DA ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PÚBLICA N MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE O Secretario de Atenção à Saúde, nos termos do art. 34, inciso II, c/c art. 59 do Decreto nº 4.176, de 28 de março de 2002, submete

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL

ESTRATÉGIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL ESTRATÉGIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL XIV ENCONTRO NACIONAL DA REDE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO SUS Brasília,

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO CONHECIMENTOS GERAIS (10 QUESTÕES): SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO ESF EDITAL Nº 001/2019 ANEXO I PROGRAMA DE PROVA SISTEMA UNICO DE SAÚDE Legislação do SUS Participação da Comunidade e

Leia mais

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI Theonas Gomes Pereira FMS/DAA/GEAP/ Núcleo de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Política Nacional de

Política Nacional de Programas de Prevenção e Controle de Carências Nutricionais Política Nacional de Alimentação e Nutrição 5ª diretriz prevenção e controle dos distúrbios nutricionais e de doenças associadas à alimentação

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

Vânia Cristina Alves Cunha

Vânia Cristina Alves Cunha Vânia Cristina Alves Cunha Carmo do Paranaíba, localiza-se na região Macrorregional Noroeste e Microrregional de Patos de Minas. População de 30.861 habitantes. Atividade econômica predominante é a cafeicultura.

Leia mais

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Área de Gestão de Saúde Estrutura Organizacional Área de Gestão de Saúde Núcleo Técnico Administrativo Unidade Saúde Corporativa

Leia mais

Vigilância das Tentativas de Suicídio em Recife Avanços e Desafios na Promoção da Integralidade

Vigilância das Tentativas de Suicídio em Recife Avanços e Desafios na Promoção da Integralidade Vigilância das Tentativas de Suicídio em Recife Avanços e Desafios na Promoção da Integralidade Secretaria de Saúde do Recife Autores : Maria Carmelita Maia e Silva, Claudia Castro, Elvânia Ferreira, Geaninne

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Atenção Primária à Saúde: como e por quê avaliar o processo de atenção?

Atenção Primária à Saúde: como e por quê avaliar o processo de atenção? Atenção Primária à Saúde: como e por quê avaliar o processo de atenção? Erno Harzheim Médico de Família, Doutorando em Saúde Pública, Universidad de Alicante. Introdução Atenção primária à saúde (APS);

Leia mais

Política Nacional de Atenção às Urgências

Política Nacional de Atenção às Urgências Política Nacional de Atenção às Urgências POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS Em setembro de 2003, o Ministério da Saúde instituiu a Política Nacional de Atenção às Urgências, uma das prioridades

Leia mais

Melhoria da Atenção ao Pré-natal e Puerpério na ESF 09 - Vila Ester, em São Borja-RS

Melhoria da Atenção ao Pré-natal e Puerpério na ESF 09 - Vila Ester, em São Borja-RS Melhoria da Atenção ao Pré-natal e Puerpério na ESF 09 - Vila Ester, em São Borja-RS Tania Mara Fontella de Sá Orientadora: Lenise Patrocinio Pires Cecilio Co-orientadora: Aline Basso da Silva Introdução

Leia mais

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Prof. João Gregório Neto 2013 REFORMA PSIQUIÁTRICA Ampla mudança do atendimento público em Saúde Mental, objetivando garantir o acesso da população

Leia mais

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016)

Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Síntese Teórica: PNAN Promoção da Alimentação Adequada e Saudável (PAAS) (Setembro 2016) Relembrando, a PNAN tem como propósito melhorar as condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira,

Leia mais