Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição?"

Transcrição

1 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Apoiado por um subsídio educacional independente da WebMD Global, LLC Este documento destina-se apenas a fins de formação. Não serão concedidos créditos pela leitura do conteúdo deste documento. Para participar nesta actividade, visite

2 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Audiência Alvo Esta atividade educacional se destina a um público internacional de profissionais da saúde atuando fora dos EUA, especialmente psiquiatras e médicos de atenção básica envolvidos no gerenciamento de pacientes com Transtorno Depressivo Maior. Objectivo O objetivo desta atividade é informar e discutir sobre estudos recentes na área do comprometimento cognitivo no Transtorno Depressivo Maior. Objectivos de Aprendizagem Ao fim desta atividade, os participantes estarão capacitados para: Identificar as implicações da disfunção cognitiva no Transtorno Depressivo Maior e seu impacto sobre os resultados do paciente Reconhecer os diversos mecanismos de ação dos antidepressivos e seus potenciais efeitos sobre a cognição Discutir os dados mais recentes de estudos clínicos e pré-clínicos sobre disfunção cognitiva no Transtorno Depressivo Maior Para questões relacionadas com o teor desta actividade, contacte o prestador acreditado desta actividade CME/CE, em Para assistência técnica, contacte Autores e Divulgação Moderador: Siegfried Kasper, MD, Professor Catedrático e Presidente, Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia, Universidade de Medicina de Viena, Áustria Siegfried Kasper, MD, divulgou as seguintes relações financeiras relevantes: Foi orientador ou consultor para: Lundbeck, Inc.; Schwabe Pharmaceuticals; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc. Foi conferencista ou membro de uma associação de conferencistas para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Lundbeck, Inc.; Schwabe Pharmaceuticals; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc. O Prof. Kasper não pretende discutir o uso off-label de medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. O Prof. Kasper pretende discutir medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos ainda em fase de estudo e não aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. Pg.2

3 Palestrante: Guy M. Goodwin, FMedSci, Professor de Psiquiatria, W. A. Handley, Universidade de Oxford, Oxford, Reino Unido Guy M. Goodwin, FMedSci, divulgou as seguintes relações financeiras relevantes: Foi orientador ou consultor para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Boehringer Ingelheim Pharmaceuticals, Inc.; Bristol-Myers Squibb Company; Cephalon, Inc.; Janssen-Cilag; Lilly; Lundbeck, Inc.; Otsuka Pharmaceutical Co., Ltd.; P1vital; Roche; SERVIER; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc.; Teva Neuroscience, Inc. Possui ações, opções de ações ou títulos de: P1vital Foi testemunha especializada para: Eli Lilly O Prof. Goodwin não pretende discutir o uso off-label de medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. O Prof. Goodwin não pretende discutir medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos ainda em fase de estudo e não aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. Palestrante: Roger S. McIntyre, MD, FRCPC, divulgou as seguintes relações financeiras relevantes: Foi orientador ou consultor para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Bristol-Myers Squibb Company; Eli Lilly and Company; GlaxoSmithKline; Janssen-Ortho Inc.; Lundbeck, Inc.; Merck & Co., Inc.; Organon Pharmaceuticals USA Inc.; Pfizer Inc; Shire Foi conferencista ou membro de uma associação de conferencistas para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Eli Lilly and Company; Janssen-Ortho Inc.; Lundbeck, Inc.; Merck & Co., Inc.; Pfizer Inc Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Eli Lilly and Company; Janssen-Ortho Inc.; Lundbeck, Inc.; Pfizer Inc; Shire O Prof. McIntyre não pretende discutir o uso off-label de medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. O Prof. McIntyre pretende discutir medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos ainda em fase de estudo e não aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. Palestrante: David Nutt Divulgação pendente O Prof. Nutt não pretende discutir o uso off-label de medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. E O Prof. Nutt pretende discutir medicamentos, dispositivos mecânicos, agentes biológicos ou diagnósticos ainda em fase de estudo e não aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos. Pg.3

4 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? O distúrbio cognitivo como fator agravante no tratamento da depressão Siegfried Kasper, MD: Olá. Sejam bem vindos a este programa, entitulado Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Meu nome é Siegfried Kasper. Sou Professor Catedrático e Presidente do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia da Universidade de Medicina de Viena, na Áustria. Nesta série de entrevistas, discutiremos o distúrbio cognitivo como fator agravante no tratamento da depressão, compararemos antidepressivos polimodais e agentes seletivos (bem como seus perfis de receptores e resultados clínicos esperados) e analisaremos dados recentes de estudos clínicos sobre antidepressivos e cognição. Pg.4

5 Para esta primeira parte, tenho comigo o Prof. Guy Goodwin, Professor Catedrático de Psiquiatria e Presidente do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Seja bem-vindo. Guy Goodwin, FMedSci: O prazer é meu. Dr. Kasper: Nesta entrevista, discutiremos o distúrbio cognitivo como fator agravante no tratamento da depressão. Guy, o que sabemos sobre a cognição no transtorno depressivo maior? Você poderia nos dizer? Dr. Goodwin: A história começa com o diagnóstico. Se analisarmos os manuais DSM-IV e DSM-5 de diagnóstico da depressão, dentre os nove critérios que podemos escolher, existe um critério importante relacionado à dificuldade de concentração. Esse critério é descrito como uma diminuição na capacidade de pensar ou de se concentrar, ou indecisão, quase todos os dias, seja por relato pessoal ou pela observação de terceiros. Pg.5

6 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Claro que esta é uma definição clínica, e não descreve a forma como os neurocientistas enxergam a cognição. É importante dividirmos isso segundo os domínios convencionais que podemos identificar. São eles: atenção, memória, função executiva e velocidade psicomotora. Do ponto de vista clínico, a terminologia que você tende a usar na vida real para descrever essas funções é dificuldade de concentração, que já consta dos critérios do DSM-5: esquecimento, indecisão, que também estão dentre os critérios, além de lentidão no processamento e observação de retardo, que são aspectos importantes, usuais e consistentes de depressão maior. Com que frequência esses sintomas ocorrem? A resposta é: quando os pacientes apresentam um episódio de depressão maior, a regra geral é que tenham sintomas cognitivos. Na verdade, esses sintomas definem, de várias formas, os comprometimentos que fazem com que as pessoas parem de trabalhar, deixem de ser funcionais e procurem ajuda. Além disso, sabemos que existem sintomas residuais que permanecem entre os episódios depressivos, os quais também são de grande interesse. Dr. Kasper: Quais são os fatores determinantes do distúrbio cognitivo? Pg.6

7 Dr. Goodwin: Como você pode imaginar, eles são complicados, já que a cognição em si é a expressão de diversos fatores genéticos e ambientais. O que gostaria de enfatizar, especificamente, é que a gravidade da doença e a duração de cada episódio de depressão são clinicamente cruciais para determinar o que você observa e o que você mede quando usa escalas e testes objetivos da função cognitiva. Além disso, é de grande importância saber se o paciente é tratado para aquele episódio e se apresenta uma recuperação completa. Precisamos pensar sobre isso e também sobre as funções e as consequências funcionais de se possuir esse tipo de comprometimento quando se está tentando trabalhar e viver a vida normalmente. De fato, a ideia é que você vê uma medida objetiva de uma função anormal, mas ela se relaciona a mudanças subjetivas e observáveis na forma como a pessoa vive a sua vida. Isso é um achado muito claro de diversos estudos que foram realizados nos últimos anos. Dr. Kasper: Qual é o impacto do comprometimento cognitivo em pacientes com depressão? Dr. Goodwin: Sem dúvida, o impacto mais evidente se refere ao trabalho e à realização de tarefas diárias, seja o que for que o paciente normalmente faça. A função cognitiva é assim: se está lá, nem percebemos; se não está lá, passa a interferir. O problema real é que, se você tem um comprometimento cognitivo persistente, será difícil voltar à vida normal, sentir um bem-estar completo e retornar aos papéis que desempenhava anteriormente na vida. Pg.7

8 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Isso foi analisado na prática clínica. Na verdade, na França, um grande número de pacientes ambulatoriais tratados com antidepressivo foram estudados após um período de 5 a 20 semanas e, dos mais de pacientes que entraram nesse estudo, quase se recuperaram completamente. Foi possível analisar a memória desses pacientes, como ela é medida, com uma história simples. Os pesquisadores analisaram o número de elementos da história que os pacientes que tinham sido tratados para um episódio de depressão conseguiram lembrar. Foi um estudo do tipo antes e depois capaz de demonstrar que houve diversos fatores em potencial que influenciaram a memória. Na fase de apresentação, o nível de depressão foi o principal fator de influência em potencial. Na fase de recuperação, ela esteve relacionada a outro fator: o número de episódio anteriores. Este gráfico mostra que o número de respostas corretas, ou seja, o número de elementos da história que foram lembrados, caiu significativamente de acordo com o número de episódios anteriores. Isso é somente para pacientes que se recuperaram do ponto de vista sintomático. Isso nos mostra que o comprometimento, que gira em torno de 10% para os pacientes, e em torno de 2 ou 3% por episódio, é cumulativo. Imagine, se você está comprometido em 10%, isso terá um impacto sobre a sua capacidade de retornar ao trabalho e, consequentemente, na sua capacidade de garantir o seu sustento, manter uma família, etc. Dr. Kasper: Existem fatores biológicos, fatores cerebrais? Pg.8

9 Dr. Goodwin: Sim, existem estudos, geralmente bastante pequenos, e eles são de dois tipos. O primeiro analisa a duração da depressão não tratada sobre o tamanho do hipocampo, que, como sabemos, é crucial para a memória episódica. Esse estudo é bem conhecido atualmente e mostra que, quanto mais longo o episódio de depressão, menor o hipocampo. Supõe-se que seja um efeito adquirido e, em geral, é descrito como uma atrofia. É um estudo transversal, então não é possível comprová-lo. Esta meta-análise compila todos os dados que existiam até então sobre o volume do hipocampo no transtorno depressivo maior, e mostra que esse achado é bastante consistente. Claro que um estudo pequeno não é nenhuma prova, mas diversos estudos pequenos que, em conjunto, representam um efeito de grande significado estatístico são bastante convincentes de que há uma base cerebral neste achado. Dr. Kasper: Temos agora novos dados preliminares disponíveis sobre o comprometimento funcional no transtorno depressivo maior, através do estudo PERFORM. Este é um estudo de coorte, prospectivo, observacional, de dois anos, ainda em andamento, em pacientes ambulatoriais com transtorno depressivo maior e idade entre 18 e 65 anos. Os pesquisadores desse estudo tentaram descrever a funcionalidade dos pacientes e os fatores associados ao comprometimento funcional. Você poderia nos fornecer alguns resultados preliminares desse estudo? Pg.9

10 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Dr. Goodwin: Sim, os resultados são preliminares, mas o tamanho do estudo é bastante impressionante: foram quase pacientes. Isso nos oferece o potencial de delinear a relação entre comprometimento funcional e uma série de fatores que estão presentes nessa população. O comprometimento funcional neste caso foi medido através da Escala de Deficiência de Sheehan, uma escala simples, porém de alto poder preditivo, que está sendo cada vez mais usada em estudos sobre depressão e também sobre outros distúrbios psiquiátricos. Como pode ser visto, existe uma associação entre o comprometimento registrado pela escala e a gravidade da depressão, bem como o distúrbio cognitivo relatado. Os pacientes vivenciam o distúrbio cognitivo de forma subjetiva, e isso é traduzido em termos de deficiência relativa através da Escala de Deficiência de Sheehan. Existem outros fatores não tão fáceis de serem interpretados, mas acredito que precisamos aguardar a análise final desses resultados para termos uma visão mais completa. Pg.10

11 Gostaria de concluir dizendo que a cognição e a depressão estão claramente relacionadas. Ficar deprimido significa tornar-se cognitivamente comprometido. Muitos são os domínios envolvidos. A consequência disso é que podemos utilizar diversos tipos de teste. Devemos ser pragmáticos e utilizar os testes que são sensíveis para obter medições. Precisamos de testes objetivos e subjetivos. As evidências das consequências negativas de se possuir a doença de modo recorrente são, em realidade, numerosas. Elas provêm de exames de imagem; elas provêm de comprometimentos que medimos usando testes de memória. Claro, isso significa que a prevenção da doença recorrente, o potencial de tratamento, é importante. Acredito que isso gera um futuro promissor nessa área, pois se começarmos a medir as coisas, poderemos começar a tratá-las de fato. Acho que esse é um princípio importante para hoje. Dr. Kasper: Muito obrigado por apontar a relevância do distúrbio cognitivo nos nossos pacientes com depressão. Sabemos que ele existe, mas agora está sendo ampliado com novos e diferentes estudos, que dão uma nova ênfase nessa importante área. Muito obrigado por participar deste programa. Dr. Goodwin: O prazer foi meu, Siegfried. Obrigado. Pg.11

12 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Comparação entre antidepressivos polimodais e agentes seletivos, perfis de receptores e resultados clínicos esperados Siegfried Kasper, MD: Olá. Tenho comigo o Prof. David Nutt, Professor Catedrático de Neuropsicofarmacologia no Imperial College London, no Reino Unido. bem-vindo, David. David Nutt, MD, PhD: Obrigado. Dr. Kasper: Estamos muito felizes por podermos discutir com você sobre os antidepressivos polimodais em comparação com os agentes seletivos, seus perfis de receptores e também os resultados clínicos esperados desses medicamentos. Antes de começarmos, você poderia nos fornecer algumas informações gerais sobre os mecanismos de ação? Dr. Nutt: Neste slide, podemos ver como os tratamentos antidepressivos evoluíram nos últimos 60 anos. Como podemos observar, existem três grupos principais. À esquerda, temos os inibidores enzimáticos, começando pelos IMAOs (inibidores da monoaminoxidase), passando pelos subtipos, compostos seletivos e, por fim, os RIMAs (inibidores reversíveis da Pg.12

13 monoaminoxidase tipo A). No meio, temos os bloqueadores de captação, começando pelos tricíclicos e evoluindo para os ISRSs (inibidores seletivos da recaptação de serotonina) e IRNs (inibidores da recaptação de noradrenalina). À direita, temos os medicamentos bloqueadores de receptores, que foram inicialmente descobertos: a mianserina, que evoluiu para a mirtazapina e a trazodona. O que vemos nesses últimos 60 anos é como essa evolução ocorreu. No começo, as descobertas eram feitas por acaso. Os IMAOs estavam sendo desenvolvidos como tratamento para a tuberculose, e as pessoas começaram a perceber que o humor dos pacientes melhorava com eles. Os tricíclicos originaram-se, claro, da clorpromazina e estavam sendo testados para o tratamento da psicose, mas percebeu-se que eram antidepressivos. A partir daí, o que vimos foi o que chamamos de refinamento farmacológico. As pessoas passaram a analisar a ação central desses medicamentos e a tentar aperfeiçoá-los. Os tricíclicos apresentam diversas ações indesejadas, em especial o bloqueio colinérgico. Isso foi essencialmente eliminado através do desenvolvimento de moléculas mais limpas, como os ISRSs. Os medicamentos que agem sobre receptores são um caso interessante, porque foram originalmente descobertos a partir de modelos animais de depressão, demonstraram eficácia nos animais e foram então adaptados para os seres humanos. O que tivemos foi um processo de descoberta acidental e, depois, o que chamaríamos de evolução por refinamento farmacológico. Pg.13

14 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Como resultado de tudo isso, hoje podemos dizer que temos quatro tipos de antidepressivos. Existem os inibidores enzimáticos, os inibidores da monoaminoxidase, os inibidores de recaptação (seja da noradrenalina ou da serotonina) e os medicamentos que agem sobre receptores, como a mianserina, a mirtazapina e a agomelatina. E temos agora drogas novas: os antidepressivos polimodais. É sobre eles que vamos discutir hoje, pois esses medicamentos foram desenvolvidos para combinar os melhores elementos dos bloqueadores de recaptação e dos bloqueadores de receptores. Dr. Kasper: Você poderia elaborar um pouco mais sobre o que quer dizer com terapias polimodais? Dr. Nutt: Vou dar dois exemplos de novos medicamentos polimodais que foram licenciados pela FDA para o tratamento da depressão. À esquerda, temos a vilazodona. Como podemos ver, a vilazodona apresenta duas ações separadas. A seta azul descendo é o transportador de serotonina, o SERT, ou seja, o bloqueador da recaptação de serotonina, e o triângulo verde apontado para cima mostra que ela age sobre receptores 5-HT 1A. Duas ações separadas: bloqueio da captação e interação com receptores. Pg.14

15 À direita, temos a vortioxetina. Este medicamento também é um SERT, mas apresenta diversas outras interações com receptores, em subtipos diferentes de receptor de serotonina: 5-HT 3, 5-HT 1A, 5-HT 1D, 5-HT 7. Essas várias interações com receptores agregam valor ao SERT. Elas eliminam alguns dos efeitos colaterais, mas achamos que elas também geram interações extras com outros neurotransmissores, o que confere a esse medicamento um perfil particularmente interessante. Este slide mostra a ação da vortioxetina sobre cinco neurotransmissores diferentes: serotonina, dopamina, noradrenalina, acetilcolina e histamina. Podemos ver que ela aumenta o nível de todos eles. O aspecto fascinante sobre isso é que quatro deles estão especificamente envolvidos em processos cognitivos, como atenção e função executiva. Todos esses aumentos ocorrem no córtex pré-frontal. Demonstrou-se recentemente que esses aumentos estão relacionados a uma maior descarga das células piramidais do córtex pré-frontal. Estamos começando a compreender o benefício farmacológico da vortioxetina e como ele se converte em uma alteração fisiológica do córtex. Acreditamos que essa provavelmente seja a razão pela qual a vortioxetina parece apresentar um impacto particular sobre a função cognitiva. Dr. Kasper: Um estudo bastante recente analisou em mais detalhes alguns desses mecanismos. Você poderia nos contar sobre isso? Pg.15

16 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Dr. Nutt: O que vimos é que podemos simular a depressão e o distúrbio cognitivo da depressão usando certos modelos animais, através, por exemplo, da depleção de 5-HT no cérebro por um longo período. Nesses modelos, os animais apresentam problemas cognitivos que não são corrigidos pelos antidepressivos monomodais tradicionais, como a paroxetina e a duloxetina, enquanto a vortioxetina, provavelmente por ser um medicamento polimodal, é capaz de retificar esses problemas cognitivos. Dr. Kasper: Muito obrigado por esse breve resumo sobre os diferentes mecanismos de ação. Muito obrigado pela sua participação. Dr. Nutt: Obrigado, Siegfried. Foi um prazer. Pg.16

17 Antidepressivos e cognição: Revisão de estudos clínicos Siegfried Kasper, MD: Estamos aqui com Roger McIntyre, professor de psiquiatria e farmacologia da Universidade de Toronto, no Canadá. Roger McIntyre, MD, PhD: Siegfried, é muito bom estar aqui hoje discutindo este assunto com você. Dr. Siegfried Kasper: Nesta seção, falaremos de antidepressivos e cognição; também faremos uma revisão dos estudos clínicos sobre o assunto. A primeira pergunta é: o que sabemos sobre déficits cognitivos e a capacidade funcional de pacientes com depressão maior? O que os dados disponíveis nos dizem? Dr. Roger McIntyre: É uma boa pergunta. Ao longo dos anos, ambos tivermos na clínica a experiência de atender pacientes que se queixam de déficits cognitivos e de que não conseguem voltar a trabalhar, a interagir com suas famílias e a levar uma vida normal. Na verdade, estamos obtendo novas informações sobre cognição e depressão. Antes de analisarmos os dados mais detalhadamente, acho importante lembrar que indivíduos com depressão podem sofrer influência de vários fatores que podem afetar o desenvolvimento de problemas cognitivos em nível subjetivo ou objetivo. Em Pg.17

18 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? minha experiência clínica, que corresponde ao descrito na literatura, pacientes que já tiveram muitos episódios ou que sofrem de depressão crônica, especialmente casos de depressão grave, eu sei que esses fatores influenciam a cognição. Precisamos lembrar sempre disto. Também não devemos esquecer a importância de comorbidades como uso de álcool e drogas, que são comuns entre nossos pacientes e são um fator modificável que afeta a cognição. Dr. Siegfried Kasper: Um estudo recente examinou a relação entre função cognitiva medida objetivamente, métricas de função cognitiva relatadas pelos pacientes e depressão em pacientes que começaram a tomar medicamentos antidepressivos para depressão grave. O que esses achados podem significar para esses pacientes? Dr. Roger McIntyre: Bem, acho muito importante começarmos com o fato de que esses desfechos são relatados pelos pacientes, enquanto nós estamos interessados em desfechos reportados por profissionais de saúde utilizando escalas de mensuração da depressão. Também queremos saber as perspectivas do paciente. Como eles se sentem diferentes com o tratamento? Os pacientes estão sempre nos dizendo: Quero voltar a ser eu mesmo, quero me sentir saudável, quero retornar às minhas atividades normais. É por isso que os desfechos autorrelatados, os chamados desfechos relatados pelo paciente, ou DRP, são tão importantes para nós na prática clínica. Novos estudos sugerem que pode haver uma relação entre queixas cognitivas relatadas subjetivamente em casos de depressão e déficits verificados objetivamente. Por exemplo, este estudo na verdade foi realizado cuidadosamente para buscar correlações entre déficits cognitivos autorrelatados e déficits verificáveis objetivamente. Os achados finais foram muito interessantes. Houve correlação elevada entre as queixas cognitivas dos pacientes e os achados em medidas objetivas. Isso é importante porque, em algum momento, nós talvez passemos a utilizar medidas cognitivas rotineiramente na clínica. Isso é muito mais fácil se o próprio paciente puder fazê-lo. Embora saibamos que existe uma relação entre relatos subjetivos de déficit cognitivo e déficits verificáveis objetivamente, o padrão final observado é um pouco mais complicado. O que ocorre é que a gravidade geral da depressão que o paciente apresenta talvez esteja mais ligada aos déficits cognitivos objetivos que aos subjetivos. Em outras palavras, os achados objetivos e subjetivos estão correlacionados, mas quando falamos da gravidade da depressão, as métricas objetivas de déficits cognitivos talvez sejam um pouco mais sensíveis para detectar o problema. Pg.18

19 Dr. Siegfried Kasper: Na mesma coorte de cerca de 560 pacientes que concluíram o estudo, também foram utilizadas outras métricas como a avaliação da deficiência pelo próprio paciente usando a chamada Escala de Deficiência de Sheehan, produtividade no trabalho e qualidade de vida. O que essas mensurações significam para nossos pacientes? Dr. Roger McIntyre: Acho importante destacar que realmente precisamos utilizar medições para orientar o tratamento na clínica. Não há dúvida sobre isso. No final das contas, todo paciente quer voltar ao seu nível de funcionamento normal. Eles querem voltar a ser como antes e se sentir saudáveis. O que é importante destacar é que as medições de depressão possuem alguma utilidade. Eu utilizo uma escala de depressão em minha clínica em todas as consultas, mas a correlação com os resultados funcionais não é elevada. O que o estudo relatou é que a mensuração de déficits cognitivos utilizando uma escala padronizada objetiva foi melhor em prever a evolução funcional de indivíduos com depressão. Essa é realmente a nossa principal meta: a recuperação funcional. Talvez as medições cognitivas estejam nos dizendo alguma coisa que as medições de depressão não estão. Dr. Siegfried Kasper: Quais são os estudos clínicos de antidepressivos que mediram a disfunção cognitiva em pacientes com depressão maior? Pg.19

20 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Dr. Roger McIntyre: Sigfried, os dados são interessantes. Nós dois conhecemos os dados sobre esquizofrenia e transtorno bipolar. Sabemos que muitos trabalhos vêm tentando identificar o impacto de cada intervenção, seja medicamentosa ou psicossocial, sobre a chamada remediação cognitiva dos déficits cognitivos. Mas existem poucos estudos na área de depressão. Na verdade, o único estudo, este que estou mostrando agora, foi um estudo que inscrevia quase exclusivamente pacientes idosos, que sofriam de depressão mas não tinham demência, onde o principal objetivo era determinar se a duloxetina era mais eficaz que o placebo em melhorar as métricas cognitivas. A duloxetina produziu uma melhora efetiva em uma métrica composta de aprendizado e memória e também na velocidade de processamento de informações. Entretanto, é importante destacar que, em comparação com placebo, a duloxetina foi eficaz apenas sobre uma dessas métricas: a métrica de memória e aprendizado. Estamos descobrindo que certos tratamentos podem beneficiar alguns domínios cognitivos. Também estamos descobrindo que, com outros tratamentos, pode haver alguma melhora cognitiva. Sabemos, por exemplo, que indivíduos sofrendo de depressão frequentemente se queixam de deficiências cognitivas. Agora, estamos vendo cada vez mais evidências de que agentes com mecanismos muito diferentes podem ser úteis. Alguns dos dados são sobre ISRS, outros sobre ISRN, mas é preciso lembrar que esses estudos são muito pequenos e que o número de pacientes inscritos muito baixo. Pg.20

21 Mas o principal aspecto a destacar é que o estudo não foi projetado para analisar a cognição; seu principal foco foi a depressão, e a cognição foi apenas um objetivo secundário. Para abordar a questão de forma precisa e específica, precisamos ter a avaliação da cognição como o principal objetivo. O estudo que mencionei anteriormente com a duloxetina foi um dos poucos desse tipo que já vi. Ainda sobre esse assunto, existe um novo antidepressivo chamado vortioxetina, que é uma droga multimodal. Já temos alguns dados que sugerem que a vortioxetina pode der eficaz em melhorar a cognição, tanto nas métricas subjetivas como nas objetivas. É importante lembrar que este efeito da vortioxetina não ocorre apenas em pessoas que responderam ao tratamento, mas também em pessoas que não responderam. Ou seja, quando os dados são analisados para avaliar os efeitos da depressão sobre a cognição, e este fato é controlado, a vortioxetina parece produzir efeitos diretos sobre a melhora da cognição, independentemente de seus efeitos sobre a melhora de sintomas depressivos. Dr. Siegfried Kasper: Os dados de vários estudos clínicos da vortioxetina indicam que existem evidências de alívio da disfunção cognitiva, que não foi causada apenas pelo alívio de sintomas depressivos de depressão grave. Você poderia falar mais sobre isso? Pg.21

22 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Dr. Roger McIntyre: Você acabou de mencionar um ponto importantíssimo. Como clínicos, esperaríamos que a cognição melhorasse junto com os sintomas depressivos, e de fato ela melhora. O que é importante lembrar ao analisar os dados é que eles são controlados para os efeitos de sintomas depressivos. Isso pode ser feito pela chamada análise de trajeto, em que avaliamos quanto do efeito sobre a cognição é direto. Quando os dados são analisados dessa forma, descobrimos que os efeitos benéficos da vortioxetina sobre a cognição são na verdade efeitos diretos, diferentes dos efeitos observados sobre os sintomas depressivos. Alguns estudos avaliaram a cognição e a vortioxetina empregando uma metodologia um tanto diferente, em que usamos o MARDS, um instrumento de mensuração de depressão que conhecemos bem; escolhemos um dos itens de cognição do MARDS e avaliamos os efeitos da vortioxetina sobre ele em comparação com placebo. O item usado é muito importante para os pacientes e em muitos casos persistente. Assim como outros estudos sugerem, uma meta-análise também indicou que a vortioxetina permite melhorar um domínio específico. Também é importante destacar ao analisar, por exemplo, uma medida subjetiva de cognição chamada CPFQ, que é uma das várias escalas subjetivas de cognição, que a pontuação total nesta escala subjetiva melhora com a vortioxetina; também houve melhoras nas várias subescalas incluídas neste mesmo estudo. Pg.22

23 Em resumo, acho que o tratamento é bastante eficaz em atenuar significativamente os sintomas de depressão. Também temos um tratamento que melhora os déficits cognitivos identificados objetiva ou subjetivamente, e isto é independente dos efeitos sobre a depressão identificados na chamada análise de trajeto. Dr. Siegfried Kasper: O que você sabe sobre os dados de segurança mais recentes? Dr. Roger McIntyre: Descobrimos que a vortioxetina foi estudada não apenas no curto prazo mas também no longo prazo. Vimos que é uma droga muito bem tolerada em várias doses, e que a taxa de interrupção do tratamento em estudos de curto ou de longo prazo não é muito diferente da observada com placebo. Também é importante destacar que a vortioxetina melhorou a cognição em vários desses estudos e que não existem evidências de que ela piore a cognição. Essa questão surge com muitos antidepressivos diferentes, pois sabemos que alguns deles na verdade pioram a cognição. Estamos vendo benefícios sobre a cognição, mas nenhuma piora da cognição. Dr. Siegfried Kasper: Existem outras abordagens para melhorar sintomas cognitivos? Pg.23

24 Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Dr. Roger McIntyre: Esta área ainda está engatinhando. Ainda existem muitas modalidades de tratamento que precisamos começar a estudar de forma mais específica e intensiva. Por exemplo, a remediação cognitiva, que mostrou evidências de ser eficaz na esquizofrenia e no autismo, e também em pacientes com lesão cerebral. Ela também poderia funcionar em nossos pacientes com depressão maior. Também é interessante imaginar qual será o papel da estimulação neural utilizando, por exemplo, a estimulação magnética transcraniana. Qual o papel de combinações dessas técnicas neuroestimulatórias ou abordagens comportamentais juntamente com um medicamento que se mostrou eficaz sobre a cognição. Também é preciso pensar: Qual a importância do exercício aeróbico? Ele deve ser empregado isoladamente ou em associação com outras modalidades? O futuro parece ser interessante à medida em que descobrirmos os melhores tratamentos para identificar e prevenir déficits cognitivos em nossos pacientes; Sem dúvida isso exigirá várias modalidades. Dr. Siegfried Kasper: Muito obrigado por mostrar a importância da disfunção cognitiva em pacientes com depressão utilizando os dados disponíveis, a importância de medidas subjetivas e objetivos e, especificamente, lembrar-nos que existe um novo medicamento, a vortioxetina, que é eficaz para essa finalidade. Parece que o futuro será bastante promissor. Dr. Roger McIntyre: Muito obrigado pela entrevista. Dr. Siegfried Kasper: Também gostaria de agradecer à plateia por participar desta atividade. Pg.24

O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos

O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de

Leia mais

Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento

Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de Lundbeck, Inc. www.medscape.org/collection/mdd05

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc.

Leia mais

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc. www.medscape.org/collection/mdd10

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TDAH - EPIDEMIOLOGIA Tx. Varia entre 1,5 5,8% Crianças e adolescentes; Difere

Leia mais

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão diagnóstico e tratamento Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão maior 1 Sintomas principais: - Humor deprimido + Anedonia + Fadiga ou perda de energia;

Leia mais

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO Érika Cristina Moreno 2 ; Priscila Medeiros Araújo 2 ; Romilda Ferreira de Sousa Oliveira 2 ; Rosivânia Barbosa

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X Que recomenda ao governo a revisão da comparticipação estatal na aquisição de medicamentos específicos para o tratamento da Demência na Doença de Alzheimer. I EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente,

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA QUESTÃO 21 São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, EXCETO: a) O indivíduo apresenta delírios que não sejam bizarros por pelo

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo NTRR 41/2013 Solicitante: Juiza Dra.Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Número do processo: 051213001877-7 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 11/04/2013 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001

Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001 Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001 Dados publicados pela OMS em 2006 apontaram que o quadro clínico comumente caracterizado como depressão (em Psiquiatria, Transtorno

Leia mais

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012)

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Van Weel-Baumgarten EM, Van Gelderen MG, Grundmeijer HGLM, Licht-Strunk E, Van Marwijk HWJ, Van Rijswijk HCAM, Tjaden BR, Verduijn M, Wiersma Tj, Burgers

Leia mais

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS + de 100 Estudos Mantemos um esforço de pesquisa e desenvolvimento ativo, com novos jogos, exercícios e novos estudos. Atualmente, existem mais de 60 artigos de periódicos publicados sobre os benefícios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 102/2013 Solicitante: Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 1.0433.13.014383-0/001 TEMA: Trazodona e Cloridrato

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS

INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS Trabalho de Curso 2008 Nuno Miguel Cavalinhos Antunes Estudante do Mestrado Integrado em Psicologia, sub-área de Psicologia Forense, pela Faculdade

Leia mais

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO!

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! Prof. Dr. Tiago Arruda Sanchez! Departamento de Radiologia - Faculdade de Medicina! Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES Ligia de Jesus Martins de Oliveira 1 ; Luis Carlos Pires Baptista 2 Estudante do Curso de Odontologia; lih.odonto@gmail.com

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1280-8 DATA 18/06/2014 SOLICITAÇÃO Solicito

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

1 -Polimialgia reumática (dor crônica)

1 -Polimialgia reumática (dor crônica) RESPOSTA RÁPIDA 131/2014 Medicamentos para diabetes e depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Perdigão Juiza de Campo Belo 0112.14.001472-4 DATA 13/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação Cominatória

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif *

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * 1. ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * A coisa mais sublime que o homem pode experimentar é o mistério. É esta emoção fundamental que está na raiz de toda a ciência e

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Célia Maria Andrade Freitas Corrêa, juíza titular da 4ª vara cível da

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Demografia de patologias do SNC (USA)

Demografia de patologias do SNC (USA) Demografia de patologias do SNC (USA) - Insônia (60 milhões) - Enxaqueca (40 milhões) - Depressão (20 milhões) - Distúrbios de ansiedade (19 milhões) - Alzheimer (4 milhões) - (3 milhões) e Epilepsias

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) Letícia Faria Psicóloga Psicopedagoga Doutoranda da UnB

Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) Letícia Faria Psicóloga Psicopedagoga Doutoranda da UnB Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) Letícia Faria Psicóloga Psicopedagoga Doutoranda da UnB TDAH Alteração estrutural e funcional do cérebro Múltiplas causas transtorno bio-psicossocial

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Os mais recentes avanços em insulinoterapia

Os mais recentes avanços em insulinoterapia Dr. Tim Heise: Olá. Sejam bem-vindos a este programa educacional entitulado Novas abordagens para a combinação de insulinoterapia com miméticos do GLP-1. Meu nome é Tim Heise e sou Diretor Executivo de

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO SINTOMAS Emocionais --> tristeza, fossa, baixo astral ansiedade irritabilidade anedonia Psicológicos --> culpa, sensação

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril

RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª Renata Perdigão, Juiza do MUNICÍPIO DE CRISTAIS/MG Autos nº 112.14.000762-9 DATA 07/02/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Pseudodemência Depressiva

Pseudodemência Depressiva Pseudodemência Depressiva Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos psiquiátricos do envelhecimento A A velhice é um triste inventário de perdas e limitações Diminuem - a visão

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

Home A ABDA Sobre TDAH Locais Públicos de Tratamento Associe-se Profissionais Cadastrados Evento

Home A ABDA Sobre TDAH Locais Públicos de Tratamento Associe-se Profissionais Cadastrados Evento Page 1 of 6 Home A ABDA Sobre TDAH Locais Públicos de Tratamento Associe-se Profissionais Cadastrados Evento Contatos Sobre TDAH O que é o TDAH O que é o TDAH Fonte Imprimir E-m O que é o TDAH? O Transtorno

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

TRANSTORNOS PSICÓTICOS

TRANSTORNOS PSICÓTICOS Prof. José Reinaldo do Amaral TRANSTORNOS PSICÓTICOS Modelo etiológico Sinônimo de doença mental Psicose endógena Esquizofrenia Psicose maníaco-depressiva Psicose orgânica Psicose sintomática Psicose demencial

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

Demência associada ao HIV

Demência associada ao HIV Demência associada ao HIV A complicação do SNC mais comum é um comprometimento cognitivo de gravidade suficiente para justificar o diagnóstico de demência (Centers for Disease Control and Prevention; CDCP

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 33

PROVA ESPECÍFICA Cargo 33 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 33 QUESTÃO 41 Kendler e colaboradores (1983), segundo Paulo Dalgalarrondo, propuseram uma série de dimensões da atividade delirante, que seriam indicadoras da gravidade do delírio.

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Sibutramina. Comportamento alimentar

Sibutramina. Comportamento alimentar Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Sibutramina Sibutramina é uma amina terciária que sofre desmetilação rápida ao ser ingerida por animais

Leia mais

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564 Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 PSICANÁLISE E UNIVERSIDADE: PESQUISA Cláudio Laks Eizirik 1 Universidade

Leia mais

Depressão UHN. Depression - Portuguese

Depressão UHN. Depression - Portuguese Depressão Depression - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a depressão? quais são as suas causas? os sinais ou sintomas da depressão que

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica

RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica RESPOSTA RÁPIDA 417/2014 Encefalopatia Alcoólica SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1606-4 DATA 25/07/2014 Ao NATS, SOLICITAÇÃO

Leia mais

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos 1 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito

Leia mais

Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco

Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco Sociedade Internacional para a Pesquisa com Células-Tronco Manual do Paciente sobre Terapias com Células-Tronco Apêndice I das Diretrizes para a Aplicação Clínica das Células-Tronco Tradução para o Português

Leia mais

Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? Depressão na DH

Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? Depressão na DH Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? O

Leia mais

O cérebro e seu funcionamento Reflexões sobre tratamento medicamentoso. Sônia Nemi

O cérebro e seu funcionamento Reflexões sobre tratamento medicamentoso. Sônia Nemi Sônia Nemi O objetivo deste texto não é responder todas as perguntas que os interessados possam ter sobre o tema; pretendo apenas iluminar aspectos, talvez desconhecidos ou por vezes negligenciados para,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 100/2014

RESPOSTA RÁPIDA 100/2014 RESPOSTA RÁPIDA 100/2014 SOLICITANTE Dra. Juliana Mendes Pedrosa Juíza de Direito da Comarca de Itambacuri - MG NÚMERO DO PROCESSO 0327.14.000056-0 DATA 06/03/2014 Pois bem, versam os autos sobre o pedido

Leia mais

Parte I COMO CONDUZIR A TIP

Parte I COMO CONDUZIR A TIP Parte I COMO CONDUZIR A TIP 1 O Que é a TIP? Visão geral A Psicoterapia Interpessoal (TIP) é uma psicoterapia específica e com tempo limitado, que foi desenvolvida durante um período de 30 anos, inicialmente

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Conhecer a depressão. Psicóloga, Chou Im Keng (Karen)

Conhecer a depressão. Psicóloga, Chou Im Keng (Karen) Psicóloga, Chou Im Keng (Karen) Na vida quotidiana, quando nos deparamos com situações tristes e desagradáveis, as nossas emoções são influenciadas e caímos em desânimo e frustração. Contudo, estas sensações,

Leia mais

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR FACULDADE DA SERRA GAÚCHA PÓS-GRADUAÇÃO PSICOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PSICOTERAPIAS COGNITIVAS E NEUROCIÊNCIAS PROF. MS. DANIELLE IRIGOYEN DA COSTA A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR CASSIANA MARTINS

Leia mais

TEMA: Quetiapina e Lamotrigina no tratamento do Transtorno Afetivo Bipolar e do Transtorno Obsessivo Compulsivo SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Quetiapina e Lamotrigina no tratamento do Transtorno Afetivo Bipolar e do Transtorno Obsessivo Compulsivo SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 95/2013 Solicitante: Ilma Dra Regina Célia Silva Neves Juiza de Direito Juizado Fazenda Pública de Itaúna (MG) Data: 14/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 0338.13.002.048-4

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais