O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos"

Transcrição

1 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de Lundbeck, Inc.

2 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Esta atividade educacional é destinada a um público internacional de profissionais de cuidados de saúde de fora dos EUA, especificamente psiquiatras, neurologistas, e médicos de cuidados primários envolvidos no gerenciamento de pacientes com transtorno depressivo maior (MDD). O objetivo desta atividade é discutir a eficácia e tolerabilidade dos diferentes antidepressivos e escalas usadas para medir a eficácia. Após a conclusão desta atividade os participantes estarão aptos a: - Descrever os dados atuais disponíveis sobre a eficácia dos antidepressivos no tratamento de pacientes com MDD - Identificar os perfis de segurança e tolerabilidade de diferentes antidepressivos e os efeitos colaterais comuns - Discutir as escalas comuns de depressão, como a Escala de Classificação de Montgomery-Asberg e a Escala de Classificação de Depressão de Hamilton, e seus benefícios e limitações na abordagem das necessidades de pacientes com MDD Corpo Clínico e Revelações WebMD Global exige que cada indivíduo em posição de controlar o conteúdo de uma de suas atividades educacionais revele quaisquer relacionamentos financeiros relevantes que ocorreram dentro dos últimos 12 meses e podem criar conflito de interesses. Moderador: Raymond W. Lam, MD, FRCPC, Professor e Chefe Auxiliar de Pesquisa, Departamento de Psiquiatria, Universidade de British Columbia (UBC); Diretor, Centro de Distúrbios do Humor, UBC Hospital, Vancouver Coastal Health; Chefe Executivo, Rede Canadense para Tratamento de Humor e Ansiedade (CANMAT), Colúmbia Britânica Vancouver, Canadá Declaração: Raymond W. Lam, MD, FRCPC, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Bristol-Myers Squibb Company; Eli Lilly and Company; Johnson & Johnson Pharmaceutical Research & Development, L.L.C.; Lundbeck, Inc.; Mochida; Pfizer Inc; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc. Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Lundbeck, Inc.; Otsuka Pharmaceutical Co., Ltd.; SERVIER Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Bristol-Myers Squibb Company; Lundbeck, Inc.; Pfizer Inc; St. Jude Medical O Dr. Lam não pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E O Dr. Lam pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Pg.2

3 Participante do Painel: Bernhard T. Baune, MD, PhD, MPH, Professor e Chefe de Psiquiatria; Chefe, Disciplina de Psiquiatria, Escola de Medicina, Royal Adelaide Hospital, Universidade de Adelaide, Adelaide, Sul da Austrália, Austrália Declaração: Bernard T. Baune, MD, PhD, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Lundbeck, Inc. Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Bristol-Myers Squibb Company; Lundbeck, Inc.; Pfizer Inc; SERVIER; Wyeth Pharmaceuticals Inc. Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Conselho de Saúde Nacional e Pesquisa Médica, Austrália O Dr. Baune não pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E O Dr. Baune pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Editor Leanne Fairley, BJ Hon, Diretora Científica, WebMD Global, LLC Declaração: Leanne Fairley, BJ Hon, não informou relações financeiras relevantes. Revisor de Conteúdo Nafeez Zawahir, MD Diretor Clínico CME Declaração: Nafeez Zawahir, MD, não informou relações financeiras relevantes. Esta transcrição foi editada para estilo e clareza. Pg.3

4 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Raymond W. Lam, MD, FRCPC: Olá. Sou o Dr. Raymond Lam, Professor e Chefe Auxiliar para Pesquisa no Departamento de Psiquiatria na Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, Canadá. Gostaria de dar as boas vindas a este programa, intitulado O que há de novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos. Tenho o prazer de estar aqui com Bernhard Baune, que é Professor e Equipe da Psiquiatria e Chefe da Disciplina de Psiquiatria na Universidade de Adelaide em Adelaide, Austrália. Bem vindo, Prof. Baune. Bernhard T. Baune, MD, PhD, MPH: Obrigado, Prof. Lam. Pg.4

5 Dr. Lam: Neste programa, discutiremos a eficácia e tolerabilidade de antidepressivos, particularmente os mais novos, em pacientes com transtorno depressivo maior (MDD) e também avaliaremos as medidas de depressão e seus domínios específicos. Antes de começarmos a atividade, reserve um minuto para testar seu conhecimento sobre este tópico respondendo a algumas perguntas que serão apresentadas em um momento. Você terá outra chance de responder a estas perguntas ao final da atividade, para ver o que aprendeu. Pg.5

6 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos As necessidades e objetivos do tratamento para depressão mudaram desde que começamos a avaliar sistematicamente os resultados em estudos clínicos de antidepressivos nos anos 70. Inicialmente, estávamos preocupados com a resposta clínica, que era importante porque significava que pacientes e médicos reconheciam que havia melhora significante. Normalmente medíamos a resposta clínica pela redução dos sintomas em uma escala de classificação de depressão como a Escala de Classificação de Depressão de Montgomery-Åsberg (MADRS) ou Escala de Classificação de Depressão de Hamilton (HAM-D). Porém, subsequentemente reconhecemos que ter uma resposta clínica não era suficiente e que a remissão do sintoma era importante. Isto foi porque sabíamos que sintomas residuais, quando as pessoas não estavam em remissão, levavam a resultados bem piores, no funcionamento e comportamento suicida, e muitos outros resultados importantes. Normalmente medíamos ou definíamos remissão como um escore dentro da variação normal numa escala de sintomas como MADRS ou HAM-D, mas agora estamos reconhecendo que a remissão não deve ser a meta final. [1] Prof. Baune, o que sabemos agora em termos de alguns dos objetivos do tratamento de depressão? Pg.6

7 Dr. Baune: Obrigado por apontar a evolução do conceito de como medir resultados de depressão. Como você citou, a remissão é uma meta muito importante a se alcançar no tratamento; porém, olhamos agora além dela, investigando se os pacientes alcançam melhor que isso, que é obter total recuperação funcional. A recuperação funcional inclui voltar às suas vidas sociais, seus empregos, e ter funcionamento pré-morbidez, que significa que estão tão bem como antes do tratamento e a depressão começarem. Pg.7

8 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Estes são objetivos do tratamento altamente importantes que são relevantes para as vidas dos pacientes, para seu funcionamento dia a dia, mas também importantes para sua qualidade de vida em geral. Também temos que olhar para isto dentro do contexto mais amplo do peso da doença, da depressão. Quando, como médicos, não temos meta alta o suficiente para os resultados dos tratamentos de nossos pacientes, não podemos reduzir o grande peso desta doença, que enfrentamos no mundo todo. Além disso, também aprendemos que a depressão é muito heterogênea e engloba um grupo muito grande de distúrbios dentro da área de MDD. Isto pode incluir certos fenótipos que são específicos para alguns grupos e não para outros. Para obter melhores resultados nos pacientes, devemos buscar domínios mais especificamente dentro deste grupo heterogêneo de MDD. Alguns destes domínios incluem o humor especificamente, assim como sono, disfunção sexual, e cognição. A presunção agora, na abordagem do tratamento, é que se desejamos maximizar os resultados do tratamento em geral, precisamos abordar estes domínios especificamente. Dr. Lam: Como as opções atuais de tratamento abordam a eficácia em geral e alguns destes domínios específicos que você cita? Vamos começar com alguns tratamentos não farmacológicos. Pg.8

9 Dr. Baune: Há uma variedade de tratamentos não farmacológicos disponíveis, como psicoterapia interpessoal, terapia de comportamento cognitivo (CBT), e terapia comportamental, que mostraram ser eficazes no tratamento de MDD. Outros tratamentos, como CBT ou terapia cognitiva baseada em consciência também mostram eficácia na prevenção de recorrência de MDD. Há boa evidência no campo do uso destes tratamentos com um bom sucesso. Além disso, a terapia cognitiva também pode melhorar a qualidade de vida dos pacientes, que é importante para o funcionamento diário. Porém, isto é com frequência em um grau onde os pacientes funcionam melhor mas não têm sua função diária realmente normal. Pg.9

10 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Dr. Lam: Parece que a terapia psicológica poderia ser complementar a tratamentos com medicamentos e buscamos uma abordagem de combinação. Por exemplo, um estudo recente mostrou que se você adicionar CBT a um antidepressivo, não muda os resultados do sintoma, mas pode melhorar o funcionamento, incluindo funcionamento no trabalho, mais do que o antidepressivo sozinho. Com relação a antidepressivos, sabemos que antidepressivos são eficazes vs. placebo. Sabemos que são eficazes em medidas incluindo MADRS e HAM-D, que refletiriam a melhora global porque medem apenas alguns sintomas de depressão. Há algumas diferenças entre os antidepressivos em termos de eficácia usando algumas destas medidas? Pg.10

11 Dr. Baune: Você levantou um ponto muito importante de que uma combinação de tratamentos é importante, mas também buscamos a eficácia geral dos antidepressivos sozinhos. Vimos em um número de estudos nos últimos 10 anos e também nos novos antidepressivos que eles são eficazes em geral quando comparados a placebo e medidos usando MADRS e HAM-D, as escalas típicas de sintomas que citamos antes. Além da eficácia em geral, alguns antidepressivos também mostram eficácia específica para alguns subgrupos. Por exemplo, além da eficácia em geral, a desvenlafaxina mostrou ter sucesso no tratamento da MDD perimenopausa e pós-menopausa. Além disso, uma droga nova como o levomilnacipran, que é um inibidor do reconsumo de serotonina-norepinefrina (SNRI) que é altamente potente na área da norepinefrina comparada à área da serotonina, mostrou recentemente ser bem eficiente em 4 de 6 estudos. Mostrou melhorar funcionalmente os pacientes com MDD, que é muito importante para nossos tratamentos. Pg.11

12 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Além disso, outras drogas como agomelatina, desvenlafaxina, duloxetina, escitalopram, sertralina, venlafaxina e vortioxetina todas mostram eficácia geral quando comparadas a placebo. Em destaque, neste ano um estudo foi publicado indiretamente comparando a eficácia destas drogas umas contra as outras. Mostrou-se que a vortioxetina, por exemplo, é comparável em eficácia à agomelatina, escitalopram, sertralina, vilazodona, desvenlafaxina, duloxetina e também venlafaxina, que é bem importante observar. Além disso, drogas como vortioxetina e duloxetina também mostraram certa eficácia na melhoria dos sintomas de função cognitiva ou déficits cognitivos em MDD.[2] Isto relaciona-se com o que dissemos no começo em relação a drogas que podem ter efeitos adicionais em certos domínios que são altamente relevantes para MDD. Dr. Lam: Você está dizendo que os antidepressivos atualmente apresentam eficácia similar, embora alguns possam ser mais úteis para tratar alguns domínios específicos da depressão. Vamos falar da forma como avaliamos normalmente a eficácia usando algumas destas medidas como MADRS e HAM-D. Como elas têm limitações em termos de uso? Pg.12

13 Dr. Baune: Em geral, em algum grau, não é surpresa que tenhamos encontrado eficácia semelhante em drogas diferentes, já que usamos escalas globais. Por um lado, é uma conquista importante ter uma variedade de drogas disponíveis na área. De outro lado, é uma limitação porque as escalas não fornecem informação suficiente sobre os vários domínios de sintomas em pacientes com depressão. Portanto, há reconhecimento agora no campo que precisamos mover além de medidas simples de sintomas e ligar as medidas que gostamos para usar no tratamento de MDD à funcionalidade, que é o resultado geral do tratamento ao invés apenas da redução do sintoma. Se medirmos a funcionalidade, estamos nos referindo a áreas como cognição como exemplo de uma área importante da função nos pacientes. Olhamos a função diária, função ocupacional, e desempenho no trabalho, que são resultados na vida real para os pacientes. São importantes para os pacientes, e precisamos fornecer não só tratamentos mas também a capacidade de medir a mudança nestas áreas de função. A perspectiva do paciente é altamente importante nisso. Sabemos que os pacientes querem voltar às suas vidas normais após o tratamento, e não querem ser internados ou medicados por muito tempo. Dr. Lam: Certamente há várias escalas disponíveis para medir o funcionamento e qualidade de vida, e alguns destes resultados relatados por pacientes, que você citou, são importantes. As drogas podem mostrar eficácia comparável, mesmo se alguns domínios forem diferentes. Sempre temos que balancear a eficácia com a tolerabilidade, já que os efeitos colaterais são importantes para os pacientes e podem afetar sua aderência aos antidepressivos. Como os perfis de efeitos colaterais comparam-se a alguns destes antidepressivos nos estudos clínicos? Pg.13

14 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Dr. Baune: É muito importante olhar o equilíbrio da eficácia e tolerabilidade. No geral, os tratamentos com antidepressivos são bem tolerados, embora haja diferenças entre certas drogas. Nos estudos clínicos das drogas, elas são medidas em eventos adversos. Por exemplo, nos estudos, a desvenlafaxina, sertralina, e venlafaxina mostraram uma incidência de descontinuação devido aos efeitos colaterais em mais de 11%. Drogas novas como vortioxetina, agomelatina, vilazodona, e duloxetina mostram uma variação entre 4,4% a 8,5%. Precisamos reconhecer que a variação de diferença entre estas drogas, e isso pode ser bem significante. Também depende individualmente do paciente, já que eles têm uma certa propensão a responder com estes efeitos colaterais. Isso é uma parte importante a ser reconhecida. Dr. Lam: Parece haver alguns estudos que realmente comparam diretamente os efeitos colaterais de um medicamento ou mais uns contra os outros. Há algum efeito colateral específico que é particularmente perturbador para os pacientes? Pg.14

15 Dr. Baune: Acho que temos que dizer que sim, é este o caso. Alguns estudos de comparação indireta, por exemplo, pesquisaram vortioxetina mg e duloxetina 60 mg, comparadas a placebo, e os efeitos colaterais relevantes em pacientes, afetando 5% ou mais da amostra de estudo. Por exemplo, náusea relatou ser incômoda em algumas destas drogas que acabei de citar. Pg.15

16 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Há outros efeitos colaterais específicos bem relevantes aos pacientes, como insônia. A vortioxetina mostrou não ter o efeito colateral da insônia, comparada a 3% nos grupos do placebo e duloxetina em um estudo comparativo. Os efeitos colaterais sexuais são altamente relevantes e importantes para os pacientes. Uma das drogas novas, vilazodona, sugeriu ter um perfil menor de induzir tais efeitos colaterais; porém, a evidência ainda é inconclusiva para esta droga em particular. [3,4] A disfunção sexual nos estudos de vortioxetina mostrou incidência de 2% da disfunção sexual para vortioxetina 15 mg, 2,5% para placebo, e 3,5% para duloxetina 60 mg. Elas estão todas na variação menor de efeitos colaterais. Em destaque, um estudo comparativo, do qual existem poucos, da vortioxetina vs. escitalopram sugeriu que há uma mudança no funcionamento sexual normal no grupo da vortioxetina em até mais de 52% da amostra comparada a cerca de 44% do escitalopram. Finalmente, outro efeito colateral importante é o ganho de peso. Nas drogas mais novas como vortioxetina, vilazodona, e levomilnacipran, não houve ganho de peso significante com estas drogas. [4] Dr. Lam: E sobre as novas abordagens de tratamento para o futuro? Pg.16

17 Dr. Baune: É uma área bem animadora que estamos pesquisando. Podemos entrar no tratamento de MDD num domínio mais específico usando tratamentos farmacológicos e não farmacológicos. Alguns desenvolvimentos farmacológicos sugerem que ao usar drogas multimodais pode haver avanços importantes no tratamento de depressão ao abordar estes domínios adicionais. Drogas multimodais não só abordam os transportadores de serotonina ou níveis de serotonina mas também outros domínios através da atividade do receptor que é específico a estes domínios. Além disso, as terapias com estímulo cerebral estão aí há muito tempo, mas agora com o avanço da imagem cerebral e compreensão de quais redes cerebrais são estimuladas, são promissoras para abordar esta questão particular de tratamentos em avanço. Dr. Lam: Pode haver novos tratamentos por vir no futuro, mas realmente precisamos de mais informações sobre os tratamentos que temos atualmente. Isto incluiria a eficácia e tolerabilidade comparativas para estes antidepressivos juntos, assim como a combinação do uso de medicamentos e psicoterapia para realmente determinar quais pacientes se saem melhor em quais destes tratamentos. E as escalas? Para onde vamos com as escalas de tratamento? Pg.17

18 O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Dr. Baune: Para ir além da avaliação atual da eficácia de antidepressivos, precisamos entrar na área do uso de escalas específicas para avaliar, por exemplo, tais domínios como função cognitiva e função geral. Estas são medidas de resultado funcional altamente relevantes e diretamente relevantes aos resultados dos pacientes. Os resultados dos pacientes podem ser relatados usando questionários de autoavaliação, assim como questionários de avaliação pelo médico ou psicólogo. Dr. Lam: Muito obrigado por estar aqui conosco hoje e nos dar suas opiniões, Prof. Baune. Dr. Baune: Muito obrigado, Prof. Lam, por me convidar. Dr. Lam: Estamos conversando sobre equilibrar eficácia e tolerabilidade dos medicamentos disponíveis e os tratamentos, assim como olhar alguns domínios específicos e sintomas específicos de MDD e efeitos colaterais do medicamento que podem ser particularmente incômodos para pessoas com MDD. Antes de terminarmos, vamos rever as questões apresentadas no início da atividade para ver o que vocês aprenderam. Obrigado. Eu gostaria de agradecer ao Prof. Baune, mais uma vez, por estar conosco hoje e a todos você por assistirem a este programa. Pg.18

19 Isenção de responsabilidade Este documento é apenas para fins educacionais. Nenhum crédito em Educação Médica Continuada (CME) será fornecido pela leitura dos conteúdos deste documento. Para participar desta atividade, visite http///www.medscape.org/collection/mdd06 Para perguntas relacionadas ao conteúdo desta atividade, entre em contato com o fornecedor desta atividade educacional no Para assistência técnica, entre em contato com A atividade educacional apresentada acima pode envolver cenários de casos simulados. Os pacientes apresentados nestes cenários são fictícios e nenhuma associação com um paciente real é pretendida ou deve ser entendida. O material apresentado aqui não necessariamente reflete as visões da WebMD Global, LLC, ou empresas que suportam o programa educacional na medscape.org. Estes materiais podem discutir produtos terapêuticos que não foram aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos para uso na Europa e usos fora da indicação terapêutica de produtos aprovados. Um profissional qualificado de cuidados de saúde deve ser consultado antes de usar qualquer produto terapêutico discutido. Os leitores devem verificar todas as informações e dados antes de tratar os pacientes ou empregar quaisquer terapias descritas nesta atividade educacional. Medscape Education 2015 WebMD Global, LLC Referências 1. Patten SB, Kennedy SH, Lam RW, et al; Canadian Network for Mood and Anxiety Treatments (CANMAT). Canadian Network for Mood and Anxiety Treatments (CANMAT) clinical guidelines for the management of major depressive disorder in adults. I. Classification, burden and principles of management. J Affect Disord.2009;117(Suppl 1):S Katona C, Hansen T, Olsen CK. A randomized, double-blind, placebo-controlled, duloxetine-referenced, fixed-dose study comparing the efficacy and safety of Lu AA21004 in elderly patients with major depressive disorder.intclinpsychopharmacol. 2012;27(4): Pierz KA, Thase ME. A review of vilazodone, serotonin, and major depressive disorder.prim Care Companion CNS Disord. 2014;16(1). pii: PCC.13r Deardorff WJ, Grossberg GT. A review of the clinical efficacy, safety and tolerability of the antidepressants vilazodone, levomilnacipran and vortioxetine.expert OpinPharmacother. 2014;15(17): Pg.19

Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento

Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de Lundbeck, Inc. www.medscape.org/collection/mdd05

Leia mais

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição?

Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Apoiado por um subsídio educacional independente da WebMD Global, LLC Este documento destina-se apenas a fins de

Leia mais

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO PROTOCOLO CLÍNICO Nº. 06 Folha 01/08 PROTOCOLOS CLÍNICOS Nº. 01/ Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da UFPR. Folha 01/07 : PROTOCOLO CLÍNICO DE TRATAMENTO DO TRANSTORNO DEPRESSIVO SERVIÇO DE:

Leia mais

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc. www.medscape.org/collection/mdd10

Leia mais

Quetiapina Associada ao Citalopram no Tratamento da Depressão Maior Aumenta as Taxas de Remissão

Quetiapina Associada ao Citalopram no Tratamento da Depressão Maior Aumenta as Taxas de Remissão Quetiapina Associada ao Citalopram no Tratamento da Depressão Maior Aumenta as Taxas de Remissão Baixo Risco de Efeitos Adversos Anticolinérgicos Eficácia Comprovada por Estudos Clínicos Maiores Taxas

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

Depressão UHN. Depression - Portuguese

Depressão UHN. Depression - Portuguese Depressão Depression - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a depressão? quais são as suas causas? os sinais ou sintomas da depressão que

Leia mais

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim

RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim RESPOSTA RÁPIDA 363/2014 Informações sobre Depressão: Venlaxim SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.1408-5 DATA 21/02/2014

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina

RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina RESPOSTA RÁPIDA 2014 Informações sobre Depressão: Sertralina SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0335.14.579-4 DATA 07/03/2014

Leia mais

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo NTRR 41/2013 Solicitante: Juiza Dra.Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Número do processo: 051213001877-7 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 11/04/2013 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Célia Maria Andrade Freitas Corrêa, juíza titular da 4ª vara cível da

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 Data: 05/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz Daniel da Silva Ulhoa Número do processo: 0687130020043-5 MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO RESSÃO, FIBROMIALGIA,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1280-8 DATA 18/06/2014 SOLICITAÇÃO Solicito

Leia mais

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela http://medscape.org/case/diabetes-primary-care

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril

RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril RESPOSTA RÁPIDA 57/2014 Informações sobre Depressão: Pondera e Amytril SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª Renata Perdigão, Juiza do MUNICÍPIO DE CRISTAIS/MG Autos nº 112.14.000762-9 DATA 07/02/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Melhora a Qualidade de Vida dos Pacientes Diminui a Dor Musculoesquelética Beneficia a Qualidade do Sono Reduz a Incapacidade Relacionada à Doença

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS BULIMIA Dando continuidade ao nosso estudo sobre BULIMIA NERVOSA daremos ênfase a outros tipos de transtorno que muitas vezes são associados a BULIMIA, a características mais evidentes desse transtorno

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer em atividades usuais;

Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer em atividades usuais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 4- Depressão Maior e Distimia Sintomas da Depressão Sensações intensas de melancolia, desesperança, desespero; Incapacidade de sentir prazer

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan SOLICITANTE Dra Maria Augusta Balbinot Juíza do JESP de São João Del Rei - MG NÚMERO DO PROCESSO nº 0625.13.004802-2 (numeração única

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

Fle. ibilidade 1-3. apidez 1-3. ntrole 1-3. No tratamento da depressão, novas possibilidades. 1,2

Fle. ibilidade 1-3. apidez 1-3. ntrole 1-3. No tratamento da depressão, novas possibilidades. 1,2 Fle ibilidade -3 apidez -3 C ntrole -3 No tratamento da depressão, novas possibilidades.,2 Rapidez -3 Depressão Unipolar No tratamento da Depressão unipolar: O tratamento apenas com antidepressivos não

Leia mais

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF):

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): Há sempre mais do que uma única história* Por que o tema é importante? Provavelmente, cada vez que você leva sua criança a uma

Leia mais

Antioxidante Auxílio tratamento depressão Alívio sintomas TPM Reduz desejo de petiscar Saciedade Supressor natural do apetite

Antioxidante Auxílio tratamento depressão Alívio sintomas TPM Reduz desejo de petiscar Saciedade Supressor natural do apetite 0,2% SAFRANAL Antioxidante Auxílio tratamento depressão Alívio sintomas TPM Reduz desejo de petiscar Saciedade Supressor natural do apetite 0,2% SAFRANAL NOME CIENTÍFICO: Crocus sativus L NOME COMUM: Saffron

Leia mais

TEMA: Tansulosina (Tamsulon ) para o tratamento de hiperplasia benigna da próstata

TEMA: Tansulosina (Tamsulon ) para o tratamento de hiperplasia benigna da próstata Nota Técnica 106/2014 Data: 08/06/2014 Solicitante: Dra Cláudia Luciene Silva Oliveira Juíza de Direito Comarca de Contagem Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0079.14.024.426-4

Leia mais

ALPRAZOLAM Ansiolítico eficaz com rápido início de ação e baixíssima taxa de dependência Ansiedade (7,8)

ALPRAZOLAM Ansiolítico eficaz com rápido início de ação e baixíssima taxa de dependência     Ansiedade (7,8) ALPRAZOLAM Ansiolítico eficaz com rápido início de ação e baixíssima taxa de dependência Doutor, o objetivo desse informe científico é apresentar estudos que relatam grande vantagem do alprazolam, rápido

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

A Internet e Educação em Saúde Mental. Churtensen, H. e Juffths, K.

A Internet e Educação em Saúde Mental. Churtensen, H. e Juffths, K. A Internet e Educação em Saúde Mental Churtensen, H. e Juffths, K. Objetivo: este artigo descreve as informações e oportunidades de tratamento oferecidas pela web (www) e comenta as vantagens, desvantagens

Leia mais

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 102/2013 Solicitante: Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 1.0433.13.014383-0/001 TEMA: Trazodona e Cloridrato

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO!

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! Prof. Dr. Tiago Arruda Sanchez! Departamento de Radiologia - Faculdade de Medicina! Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático Lucio Crinò, MD: Olá, bem vindo a este programa! Sou Lucio Crinò, Médico Oncologista de Perugia, Itália. Hoje, estou aqui para discutir o paradigma de tratamento atual para câncer de pulmão de células

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Brasília, Técnica maio N de 38 2012. /2012 Princípio Nomes Comerciais1 Ativo: metilfenidato. Sumário e de Referência: Ritalina, Ritalina LA e Concerta 1. 2. que é o metilfenidato? 3. ANVISA? Para

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo.

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo. Olá a todos! Envio uma apresentação a que assisti em Nova Iorque no mês passado feita por Katie Douglas e Gal Mayer do Callen-Lorde Community Health Center (Centro Comunitário de Saúde Callen-Lorde). Acredito

Leia mais

Energia para os neurônios

Energia para os neurônios capa Energia para os neurônios Estimulação com corrente elétrica de baixa intensidade amadurece como técnica promissora no tratamento contra depressão Carlos Fioravanti m um final de tarde de janeiro,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 54/2014 Informações sobre Carbolitium, Olanzapina e Escitalopran

RESPOSTA RÁPIDA 54/2014 Informações sobre Carbolitium, Olanzapina e Escitalopran RESPOSTA RÁPIDA 54/2014 Informações sobre Carbolitium, Olanzapina e Escitalopran SOLICITANTE Dra. Renata Perdigão Juíza de Direito Comarca de Cristais NÚMERO DO PROCESSO Nº 112.13.002863-7 DATA 07/02/2014

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

Vanda Freitas Castro. Curriculum Vitae. Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro

Vanda Freitas Castro. Curriculum Vitae. Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro Curriculum Vitae Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro 1 CURRICULUM VITAE (Abreviado) 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro Cédula Profissional: N.º 12698 E-mail: vfilips@gmail.com

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior

Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Apoiado por um subsídio educacional independente da Lundbeck www.medscape.org/viewarticle/822471 Reconhecendo e gerenciando

Leia mais

Pneumologia do HG. Centro Medicina Sono

Pneumologia do HG. Centro Medicina Sono 1990 Pneumologia do HG 1995 Centro Medicina Sono 2008 2014 2012 Competência e Creditação Integração no CHUC Conjunto de conhecimentos e de tecnologias que assumem que o sono é um estado biológico específico

Leia mais

Bupropiona Cloridrato

Bupropiona Cloridrato Material Técnico Bupropiona Cloridrato Identificação Fórmula Molecular: C 13 H 18 CINO - HCl Peso molecular: 276,21 DCB / DCI: 01558 CAS: 31677-93-7 INCI: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

1 -Polimialgia reumática (dor crônica)

1 -Polimialgia reumática (dor crônica) RESPOSTA RÁPIDA 131/2014 Medicamentos para diabetes e depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Perdigão Juiza de Campo Belo 0112.14.001472-4 DATA 13/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação Cominatória

Leia mais

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria A Comissão de Residência Médica em Psiquiatria da Associação Brasileira de Psiquiatria (CRMP-ABP) ao propor esse programa, recomenda o índice de no

Leia mais

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave.

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave. NOTA TÉCNICA 65/2013 Solicitante Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câmara Cível TJMG RÉU: ESTADO DE MINAS GERAIS E MUNICÍPIO DE ITAPECERICA Data: 05/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Leia mais

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE A ejaculação precoce (EP) permanente não se tornou um sintoma extinto, embora as pesquisas científicas nessa área pareçam ter cessado (Renshaw,

Leia mais

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia Data: 14/05/2014 NOTA TÉCNICA 88/2014 Medicamento x Material Procedimento x Cobertura x Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Processo: 006658-71.2014.8.13.0525 Requerente: IRAILDES

Leia mais

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental Tribunal de Família de Rhode Island Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental *OBSERVE QUE TODAS AS PERGUNTAS SE REFEREM AO SEU FILHO * 1. Dados demográficos: Nome do Adolescente: Data de Nascimento:

Leia mais

Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental

Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental Prática e Pressupostos Teóricos da Terapia Cognitivo- Comportamental 1 Priscila Pereira Reis 2 Cláudia Galvão Mazoni RESUMO: A proposta do artigo é contextualizar através de revisão de literatura princípios

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico

Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico Quirino Cordeiro Professor Adjunto e Chefe do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Professor

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite

Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite Tradução para: Feita por: E mail: 1 1 2 3 4 Normas de cuidados para as pessoas com osteoartrite As pessoas com sintomas de OA devem ter acesso a um profissional de saúde competente para fazer um diagnóstico

Leia mais

Comitê de Desenvolvimento

Comitê de Desenvolvimento CONHEÇA LOMBALGIA 1 Comitê de Desenvolvimento Mario H. Cardiel, MD, MSc Reumatologista Morelia, México Andrei Danilov, MD, DSc Neurologista Moscou, Rússia Smail Daoudi, MD Neurologista Tizi Ouzou, Argélia

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

Este Protocolo Clínico deve ser revisado sistematicamente a cada 2 (dois) anos e todas as vezes que o serviço médico julgar necessário fazê-lo.

Este Protocolo Clínico deve ser revisado sistematicamente a cada 2 (dois) anos e todas as vezes que o serviço médico julgar necessário fazê-lo. PROTOCOLOS CLÍNICOS Nº. 07/ Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da UFPR Folha 01/11 : SERVIÇO DE: Psiquiatria do Hospital de Clínicas da UFPR ELABORADO POR (Membro do Serviço) Prof. Dr. Dirceu

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif *

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * 1. ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * A coisa mais sublime que o homem pode experimentar é o mistério. É esta emoção fundamental que está na raiz de toda a ciência e

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos National Community Education Initiative Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos Asking Questions Can Help: An aid for people seeing the palliative

Leia mais

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos

Abordagens Integrativas e Planos Terapêuticos 1 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Estudos e Pesquisas sobre Álcool e outras Drogas Centro Regional de Referência sobre Drogas do Espírito

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS

INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS INFLUÊNCIA DAS EXPECTATIVAS NA ACÇÃO DOS PSICOFÁRMACOS Trabalho de Curso 2008 Nuno Miguel Cavalinhos Antunes Estudante do Mestrado Integrado em Psicologia, sub-área de Psicologia Forense, pela Faculdade

Leia mais

OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL

OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL OBTENHA UM RAIO X DOS SEUS KOL RAIO X DE UM KOL Classe Terapêutica Dr.: Clínica Médica SP: Especialidade Cancerologia - Oncologia Bela Vista - São Paulo A FAVOR MEDICAMENTOS LABORATÓRIOS TERAPIAS Morfina

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

Tratamento Farmacológico da Gagueira

Tratamento Farmacológico da Gagueira Tratamento Farmacológico da Gagueira Gerald A. Maguire, M.D. Associate Professor Kirkup Endowed Chair in Stuttering Treatment Department of Psychiatry Senior Associate Dean, Educational Affairs University

Leia mais

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA NTRR 253/2013 Solicitante: Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 1.0702.13.078195-9/001 TEMA: FINGOLIMODE

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia

COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia DIAGNÓSTICO & TRATAMENTO - INTERESSE GERAL COMO AJUDAR SEU PACIENTE A PARAR DE FUMAR Ronaldo Laranjeira Maria Tereza Cruz Lourenço Helena B. Sarnaia INTRODUÇÃO Atualmente estima-se que 50% da população

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda

Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda Eu tive flashbacks dos momentos finais do parto por semanas e não pude parar de pensar nisto Eu culpo a mim mesma por não ter tido um bom

Leia mais

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012)

Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Depressão Resumo de diretriz NHG M44 (junho 2012) Van Weel-Baumgarten EM, Van Gelderen MG, Grundmeijer HGLM, Licht-Strunk E, Van Marwijk HWJ, Van Rijswijk HCAM, Tjaden BR, Verduijn M, Wiersma Tj, Burgers

Leia mais