Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento"

Transcrição

1 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de Lundbeck, Inc.

2 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Esta atividade educacional é destinada a um público internacional de profissionais de cuidados de saúde de fora dos EUA, especificamente psiquiatras, neurologistas, e médicos de cuidados primários envolvidos no gerenciamento de pacientes com transtorno depressivo maior (TDM). O objetivo desta atividade é aumentar a conscientização de novos achados sobre os efeitos da disfunção cognitiva em pacientes com MDD no local de trabalho, assim como novos dados sobre opções de tratamento e achados neurocognitivos. Após a conclusão desta atividade os participantes estarão aptos a: Discutir o efeito de depressão no local de trabalho, incluindo deficiências cognitivas relacionadas a depressão. Reconhecer os avanços na compreensão da depressão que evoluíram dos estudos de neuroimagem Identificar os últimos achados clínicos em antidepressivos de estudos avaliando sintomas cognitivos em depressão Corpo Clínico e Revelações WebMD Global exige que cada indivíduo em posição de controlar o conteúdo de uma de suas atividades educacionais revele quaisquer relacionamentos financeiros relevantes que ocorreram dentro dos últimos 12 meses e podem criar conflito de interesses. Moderador: Siegfried Kasper, MD, Professor e Chefe, Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia, Universidade Médica de Viena, Viena, Áustria Declaração: Siegfried Kasper, MD, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Angelini; Bristol-Myers Squibb Company; GlaxoSmithKline; Janssen Pharmaceuticals Products, L.P.; Eli Lilly and Company; Lundbeck, Inc.; Merck Sharp & Dohme Corp.; Organon International Inc.; Pfizer Inc; Pierre Fabre; Schwabe Pharmaceuticals; Sepracor Inc.; SERVIER; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc. Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: Angelini; AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Bristol-Myers Squibb Company; GlaxoSmithKline; Janssen Pharmaceuticals Products, L.P.; Lundbeck, Inc.; Merck Sharp & Dohme Corp.; Organon International Inc.; Pierre Fabre; Schwabe Pharmaceuticals; SERVIER; Takeda Pharmaceuticals North America, Inc. Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Lundbeck, Inc. O Dr. Kasper pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E O Dr. Kasper pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Pg.2

3 Participantes do Painel: Bernhard T. Baune, MD, PhD, MPH, Professor e Chefe de Psiquiatria; Chefe, Disciplina de Psiquiatria, Escola de Medicina, Royal Adelaide Hospital, Universidade de Adelaide, Adelaide, Sul da Austrália, Austrália Declaração: Bernhard T. Baune, MD, PhD, MPH, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Lundbeck, Inc. Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: AstraZeneca Pharmaceuticals LP; Bristol-Myers Squibb Company; Lundbeck, Inc.; Pfizer Inc; SERVIER; Wyeth Pharmaceuticals Inc. Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Conselho de Saúde Nacional e Pesquisa Médica, Austrália O Dr. Baune não pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E O Dr. Baune pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Catherine Harmer, DPhil, Diretora de Psicofarmacologia e Laboratório de Pesquisas Emocionais, Departamento de Psiquiatria, Universidade de Oxford, Oxford, Reino Unido Declaração: Catherine Harmer, DPhil, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Lundbeck, Inc.; P1vital Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: Lundbeck, Inc. Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Johnson & Johnson Pharmaceutical Research & Development, L.L.C.; Lundbeck, Inc.; UCB S.A. Possui ações, opções de ações, ou dividendos de: Oxford Psychologists Ltd. A Dra. Harmer não pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E A Dra. Harmer não pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Josep Maria Haro, MD, PhD, Diretor de Ensino, Pesquisa e Inovação, Parc Sanitari Sant Joan de Déu, Barcelona, Espanha; Professor Auxiliar, Universitat de Barcelona, Barcelona, Espanha Declaração: Josep Maria Haro, MD, PhD, declarou as seguintes relações financeiras relevantes: Atuou como conselheiro ou consultor para: Eli Lilly and Company; Lundbeck, Inc.; Roche Serviu como palestrante ou membro de comitê de palestrantes para: Eli Lilly and Company; Otsuka Pharmaceutical Co., Ltd.; Roche Recebeu subsídios para pesquisa clínica de: Comissão Europeia, Governo da Espanha Pg.3

4 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento O Dr. Haro não pretende discutir usos fora da indicação terapêutica de drogas, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos aprovados pela EMA. E O Dr. Haronão pretende discutir drogas investigacionais, aparelhos mecânicos, produtos biológicos ou diagnósticos não aprovados pela EMA. Editor Leanne Fairley, BJ Hon Diretora Científica, WebMD Global, LLC Declaração: Leanne Fairley, BJ Hon, não informou relações financeiras relevantes. Revisor de Conteúdo Nafeez Zawahir, MD Diretor Clínico CME Declaração: Nafeez Zawahir, MD, não informou relações financeiras relevantes. Pg.4

5 Siegfried Kasper, MD: Olá. Sou Siegfried Kasper, Professor de Psiquiatria e Chefe do Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia na Universidade Médica de Viena na Áustria. Gostaria de dar as boas vindas a este programa entitulado, Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior Uma Nova Meta de Tratamento. Tenho o prazer de estar aqui com Josep Maria Haro, Professor de Psiquiatria e Diretor de Ensino e Pesquisa no Parc Sanitari Sant Joan de Déu em Barcelona, Espanha. Também estão conosco a Professora Catherine Harmer, Diretora de Psicofarmacologia e Laboratório de Pesquisas Emocionais, Departamento de Psiquiatria, Universidade de Oxford no Reino Unido; e Bernhard Baune, Professor e Chefe de Psiquiatria e Chefe do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Adelaide, Austrália. Pg.5

6 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Neste programa, discutiremos recentes achados clínicos e neurocognitivos sobre depressão e seus componentes cognitivos, assim como as implicações da depressão no local de trabalho. Vamos começar olhando os resultados funcionais dos pacientes com depressão. Eu gostaria de perguntar ao Professor Haro sobre os achados do seu estudo nesta área. Pg.6

7 Josep Maria Haro, MD, PhD: Obrigado, Prof. Kasper. Eu falarei sobre o estudo de Pesquisa Epidemiológica Prospectiva sobre Resultados de Funcionamento Relacionados a Transtorno Depressivo Maior (PERFORM). Este é um estudo que estamos conduzindo atualmente em 5 países da Europa, incluindo França, Alemanha, Espanha, Suécia, e Reino Unido. É um estudo de 2 anos, prospectivo, observacional que inclui cerca de 1500 pacientes sofrendo de um episódio depressivo maior (MDE). Todos os pacientes estavam iniciando tratamento com antidepressivos na base, com o clínico geral ou como paciente externo psiquiátrico. Neste estudo, temos por objetivo avaliar os efeitos da depressão, não só sobre o status clínico dos pacientes, mas também sobre seu funcionamento, sua função cognitiva, assim como sua qualidade de vida. Pg.7

8 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Para isto, usamos instrumentos padronizados para avaliar a severidade da depressão, produtividade do trabalho, e cognição. Para avaliar a cognição, usamos o Questionário de Déficits Percebidos de 5 Itens (PDQ-5); e para produtividade no trabalho, usamos o Questionário de Produtividade no Trabalho e Deficiência na Atividade (WPAI). De importante, o WPAI avalia 2 tipos de impactos da depressão sobre a produtividade no trabalho: absenteísmo e presenteísmo. Como você deve saber, absenteísmo é quando os pacientes perdem dias de trabalho devido às suas condições. Presenteísmo, que também é muito importante, é quando pacientes vão ao trabalho, mas seu funcionamento é abaixo do normal. Temos por meta medir o impacto da severidade da depressão, assim como da cognição, em absenteísmo e presenteísmo. Como podemos ver no slide, à medida em que a deficiência cognitiva aumenta, o nível de funcionamento no trabalho piora; isto foi descoberto para o presenteísmo e o absenteísmo. Pelos dois resultados serem relacionados à severidade de depressão, ajustamos os resultados para a severidade da depressão, e eles permanecem significantes. Pg.8

9 Também avaliamos a produtividade em geral no trabalho e o funcionamento em casa, observando um efeito claro da cognição nas duas áreas. À medida em que a função cognitiva piorou, o grau de deficiência aumentou, ou o grau de funcionamento diminuiu, nestas 2 dimensões. De importante, vimos que estes resultados também são relevantes para a qualidade de vida do paciente. Quando vemos um paciente, queremos que ele se recupere, não só dos sintomas clínicos mas também para voltar totalmente a seu nível de funcionamento antes da depressão e também para obter um retorno à qualidade de vida anterior. Pg.9

10 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Avaliamos a qualidade de vida em nosso estudo usando a Pesquisa de Saúde em Formulário Curto 12 (SF-12), que é um instrumento padrão amplamente usado em distúrbios mentais e físicos. Descobrimos que quando o escore mental para o SF-12 diminui, a deficiência cognitiva aumenta. Dr Kasper: Obrigado, Prof. Haro, por nos fornecer os detalhes de seu estudo. Quando penso em minha própria prática no hospital, vejo que estas áreas, que você estuda em base numérica, afetam as vidas dos pacientes, particularmente sua capacidade de funcionar no local de trabalho, e isto tem implicações particulares para a sociedade. Muito obrigado. Agora eu gostaria de convidar a Prof. Harmer do Reino Unido para nos falar sobre seus achados usando estudos de imagem em pessoas com depressão. Pg.10

11 Catherine Harmer, DPhil: Obrigado. Sabemos que a depressão afeta aspectos da chamada cognição a quente e a frio. Estes termos essencialmente referem-se à cognição com e sem componente emocional. Sob a cognição a quente, temos a influência da emoção em coisas como a forma de respondermos a informações, como fazemos planos, tomamos decisões, ou lembramos de coisas. Podemos olhar, por exemplo, como a memória é afetada pelas coisas que lembramos serem positivas ou negativas por natureza. Em contraste, a cognição a frio é a base da cognição, nossa capacidade de planejar, tomar decisões, lembrar das coisas, aprender, tudo sem um componente emocional explícito. A depressão leva a dificuldades nestas duas áreas principais da cognição. Pg.11

12 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Em termos de cognição a quente em depressão, sabemos que a depressão é caracterizada por tendências chamadas negativas em processamento emocional. Isto é quando o processamento de informações torna-se desviado ou puxado para o negativo ao invés de informações emocionais positivas. Se o paciente deprimido fosse apresentado a diferentes pistas sociais ou emocionais, ele poderia focar muito mais em uma expressão facial triste ou assustada, uma probabilidade muito maior de ver um rosto negativo por natureza, e muito mais provável de lembrar desta informação negativa mais tarde. Estes tipos de tendências negativas parecer reforçar as experiências negativas, crenças e percepções que são vistas em depressão e, portanto, desempenham um papel fundamental na etiologia da doença. Pg.12

13 O circuito neural envolvido no processamento emocional parece ser a base destes tipos de tendências negativas em depressão. A tendência negativa parece ocorrer quando as principais áreas do cérebro que são importantes para detecção e resposta a informações negativas são superreativas. Áreas como a amígdala, que é importante para detectar pistas emocionalmente salientes, tornam-se insensíveis mesmo a baixos níveis de informações negativas. A segunda parte desta equação é que as áreas de ordem maior, como a córtex pré-frontal dorsolateral, que normalmente regularia ou inibiria este tipo de super-resposta, também não parecem funcionar com tanta eficiência na depressão. O resultado é um desequilíbrio neste circuito neural, enquanto há muita detecção na atividade para informações negativas e não há controle pré-frontal suficiente. Pg.13

14 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Há evidência de que estes tipos de tendências negativas podem ser remediadas com tratamento eficiente com antidepressivos. Se fornecermos aos pacientes um tratamento com inibidor do reconsumo de serotonina seletiva padrão (SSRI), vemos que estes tipos de tendências negativas serão reduzidos e isso ocorrerá muito cedo no tratamento, mesmo antes do paciente notar alguma mudança em seu humor ou sintomas. No estudo mostrado no slide, examinamos os efeitos de um tratamento curto, de 7 dias, com escitalopram em pacientes deprimidos olhando a resposta do cérebro a expressões faciais de emoção positiva e negativa. O gráfico mostra a resposta a expressões faciais de medo e felicidade na amígdala, parte deste circuito crítico, que é importante para respostas à informação negativa. Sabemos que esta área tende a ser super-responsiva a informações negativas na depressão. O gráfico mostra que o tratamento SSRI com escitalopram diminuiu a resposta da amígdala comparada a pacientes que receberam placebo. Isto foi evidente mesmo antes de haver mudanças na resposta clínica nestes 2 grupos. Sugere que há efeitos principais sobre o circuito neural que suportam o processamento emocional em um estágio muito inicial do tratamento. Estas mudanças iniciais foram implicadas na maneira na qual tratamentos com drogas antidepressivas estão funcionando, e preveem mudanças clínicas mais tarde. Pg.14

15 Em termos de deficiência cognitiva a frio na depressão, sabemos que a depressão leva a dificuldades cognitivas muito abrangentes. A depressão afeta a atenção, memória, função executiva, planejamento, e tomada de decisões. Uma rede neural complexa está envolvida nestas deficiências cognitivas a frio na depressão, e há algumas sobreposições com o circuito neural envolvido em cognição a quente ou emocional. Estes déficits cognitivos a frio provavelmente envolvem disfunção no hipocampo, partes da córtex pré frontal, e também o corpo estriado. Sabemos que o hipocampo é muito importante para memória de episódios, para colocar as memórias no tempo e local. Em pessoas com depressão, também há evidência de que o volume desta área e sua função estão afetados. Além disso, há evidência de influência afetada em áreas como a córtex pré frontal dorsolateral, que são muito importantes para inibição, planejamento, e função executiva. Novamente, os déficits cognitivos a frio que vemos na depressão provavelmente envolvem um sistema neural distribuído. Pg.15

16 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Em contraste com os efeitos da cognição a quente, porém, há pouca evidência direta de que o tratamento SSRI convencional pode reverter estas deficiências cognitivas a frio, pelo menos diretamente e no início do tratamento. Na pesquisa na literatura, há efeitos muito diferentes e inconsistentes de SSRIs sobre a função cognitiva. Olhando o tratamento a longo prazo, pode-se ver que a função cognitiva não tende a melhorar durante o curso do tratamento com antidepressivos convencionais. Também é verdade que estes déficits ainda estão presentes comparados a controles saudáveis; eles não remediam completamente. O modelo estatístico sugere que as melhorias que são vistas com estes antidepressivos convencionais são amplamente mediadas indiretamente; isto é, há uma pequena restauração da função cognitiva parcialmente porque o paciente está se sentindo melhor e seus outros sintomas de depressão melhoraram. Dr Kasper: Obrigado, Prof. Harmer, por nos fornecer dados sobre sua linha fascinante de pesquisa sobre cognição a quente e a frio e ligando-a ao tratamento com antidepressivos. Você tem conhecimento de outros estudos com imagens e antidepressivos que mostram efeito sobre a cognição a frio? Dr Harmer: Há um estudo bem recente que fizemos olhando os efeitos da vortioxetina sobre a base neural de déficits cognitivos a frio em memória de trabalho. Isto mostra que a vortioxetina pode modular diretamente estes mecanismos neurais, o que suporta o funcionamento executivo na depressão. Os dados que temos até agora indicam que isto parece ser um perfil único, onde podemos direcionar diretamente estas deficiências cognitivas a frio a nível neural usando este novo antidepressivo.¹ Dr Kasper: Obrigado. Ouvimos falar sobre estas diferentes áreas, como dificuldades cognitivas, e como elas afetam pacientes a nível pessoal e também a nível de trabalho. Acho que é bem importante abordar os diferentes domínios e funções da depressão maior. Eu gostaria de pedir ao Prof. Baune da Austrália para discutir isso conosco. Pg.16

17 Bernhard T. Baune, MD, PhD, MPH: Obrigado, Prof. Kasper. Como você sugeriu, os domínios da depressão são muito importantes, e ouvimos antes sobre a importância da cognição e função geral na depressão. Gostaria de elaborar mais sobre esta área e explicar como podemos realmente medi la. Estas áreas são altamente relevantes para abordar a grande carga da doença que enfrentamos com MDD. Também é muito importante da perspectiva de nossa área que a heterogeneidade vista na depressão pede que exploremos um pouco mais e irmos mais a fundo para entender melhor a depressão. O conceito de olhar para os domínios do funcionamento e cognição, por exemplo, é uma maneira adequada de fazer isso. Portanto, sentimos que abordar a função e domínios de MDD será um passo à frente. Estas funções e domínios incluem disfunção sexual e humor, que ouvimos antes que poderiam ser tratados com antidepressivos. Um dos exemplos de um domínio envolvendo a cognição é função executiva, um domínio altamente relevante para a função, como ouvimos em relação ao estudo PERFORM. Estas áreas de cognição podem ser avaliadas diretamente usando testes curtos de maneira rápida. Pg.17

18 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Eu gostaria de citar um teste em particular, o Teste de Substituição de Dígitos por Símbolos (DSST). Este é um teste que pode ser administrado bem facilmente pelos médicos, incluindo clínicos gerais, em 90 segundos a 2 minutos, dependendo do teste. Os pacientes precisam substituir as lacunas por símbolos alinhados a certos números. Este teste é importante porque relaciona-se à função diária e funcionamento a nível geral. Pg.18

19 Alguns resultados de um estudo em andamento que estamos realizando atualmente em Adelaide sugerem que há uma relação próxima entre função executiva e domínios da função diária, como medido pelo Formulário Curto de Avaliação Funcional (FAST). Há domínios como autonomia do paciente, cargo, cognição, finanças, relacionamentos interpessoais, assim como atividades de lazer. O slide mostra que quanto pior o desempenho na medição cognitiva da função executiva, maior a probabilidade dos pacientes também relatarem déficits funcionais nestas diferentes áreas. Isto se aplica a todos os domínios diferentes do FAST. Parece ser altamente relevante abordar função cognitiva e talvez especificamente função executiva em pacientes para melhorar sua função geral. Pg.19

20 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Um dos estudos mais recentes, o estudo CONNECT, foi realizado em pacientes adultos com MDD que apresentavam um MDE, tiveram episódios anteriores de depressão, e foram tratados para eles. Estes pacientes tiveram disfunção cognitiva autorrelatada no início do estudo e com frequência também trabalhavam durante o estudo. O estudo comparou vortioxetina mg com placebo e teve uma referência ativa, duloxetina 60 mg, que também foi comparada a placebo. O estudo mediu principalmente a mudança em DSST, que é parte do domínio de funcionamento executivo da cognição. Ele mostrou que a vortioxetina melhorou o desempenho da escala DSST significantemente comparado ao placebo. Também houve uma melhora para a duloxetina, mas não foi estatisticamente significantemente diferente do placebo. Pg.20

21 Como ouvimos antes, a avaliação da função é altamente relevante em pacientes com MDD. O estudo CONNECT teve uma medida particular da produtividade funcional, a Avaliação de Capacidades Baseadas em Desempenho da Universidade de San Diego (UPSA). Este estudo final adicional também mostrou melhora para a vortioxetina comparada ao placebo e alguma melhora também para duloxetina, que não foi estatisticamente significante. Pg.21

22 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento A produtividade no local de trabalho também foi medida no estudo CONNECT usando a escala de produtividade no trabalho do Questionário de Limitação no Trabalho (WLQ) para cada droga comparada ao placebo. Aqui, para as duas drogas, vortioxetina e duloxetina, diferenças numéricas foram encontradas comparadas ao placebo sem alcançar significância estatística. Dr Kasper: Muito obrigado por abordar este estudo tão importante. Eu gostaria de pedir ao Prof. Haro para comentar sobre a relevância dos achados para produtividade no local de trabalho. Dr Haro: Acho que é muito importante que este estudo inclua produtividade no local de trabalho na avaliação dos resultados do paciente porque, como citei antes, quando alcançamos melhora para o paciente no ambiente clínico é muito importante para ser traduzida em melhor funcionamento no trabalho e também em casa. Como você citou, sabemos que o impacto da depressão é muito alto em relação ao funcionamento do paciente. Sem dúvida, se olharmos os custos da depressão na sociedade, eles são muito maiores em termos de impacto sobre a produtividade do que para o tratamento da doença. [2] Acho que quando analisamos e estudamos os novos tratamentos, também precisamos entender como eles afetam a produtividade no trabalho e funcionamento em casa. Dr Kasper: Obrigado. Prof. Baune, poderia também comentar sobre outros achados do estudo, como PDQ ou a Escala de Classificação de Depressão de Montgomery-Asberg (MADRS)? Pg.22

23 Dr Baune: Um aspecto importante deste estudo também foi olhar outras medidas. De importante, o PDQ foi usado para avaliar a percepção relatada pelo paciente de atenção e concentração, assim como capacidades de planejamento e organização. A vortioxetina e duloxetina foram mostradas para melhorar a percepção do paciente sobre esta importante medida. Pg.23

24 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Além disso, não devemos esquecer outro resultado importante, que é tratar o humor em geral. Isto é medido usando a escala de MADRS. As duas drogas mudaram significantemente e melhoraram esta medida, o escore de depressão geral medido em 8 semanas. Enquanto o estudo CONNECT fez alguns avanços importantes, como discutimos, sobre medidas de produtividade no trabalho e medidas de função geral, algumas limitações podem ser consideradas neste estudo. Por exemplo, uma comparação direta entre as drogas seria um avanço importante no campo, ao invés de usar apenas uma droga de referência ativa. Outra medida importante pode ser ligar realmente achados cognitivos a achados de funcionamento geral, como associar a mudança em DSST para mudança funcional no UPSA ou WPAI. Estes aspectos poderiam possivelmente ser abordados em estudos ou análises futuras. Dr Kasper: Deixe-me perguntar ao painel como este estudo difere dos outros estudos anteriores que foram mostrados na literatura? Dr Haro: Acho que é importante que estudos sobre depressão agora analisem os efeitos que a doença pode ter sobre funcionamento pessoal, como cognição. Acho que é uma área que foi considerada anos atrás, mas mais na perspectiva da disfunção cognitiva. Agora estamos entendendo que a depressão não só tem efeito sobre a disfunção cognitiva, mas também sobre funcionamento cognitivo. Dr Kasper: Prof. Harmer, você tem alguma opinião sobre isso? Dr Harmer: Posso repetir as observações do Prof. Haro. Acho muito importante ter uma compreensão mais completa de como os tratamentos estão afetando a experiência completa de pacientes deprimidos. Estas deficiências cognitivas nem sempre são medidas ou levadas em conta, mas toda a evidência sugere que são muito importantes para voltar à função, que é a meta principal de qualquer tratamento. Dr Kasper: Dr. Baune, você é clínica geral. O que você acha da seleção de pacientes? Isso poderia influenciar o resultado? Pg.24

25 Dr Baune: Acho que influencia o resultado, acima de tudo. Neste estudo, o estudo CONNECT, os pacientes foram incluídos e realmente tinham deficiência cognitiva, autorrelatada e também medida pelo DSST na linha de base. Se eu olhar para minha própria prática clínica e pensar nos pacientes que trabalham e têm deficiência cognitiva, é uma área importante a ser abordada. Dr Kasper: Gostaria de pedir ao Prof. Baune para nos dar uma ideia sobre outros antidepressivos e outros agentes farmacológicos para abordar cognição em MDD. Dr Baune: Esta é uma questão importante. Temos uma variedade de drogas agora no campo que confirmam os efeitos sobre cognição. Eles incluem melhoradores cognitivos como tratamento útil para demência, metilfenidato no tratamento de distúrbio de déficit de atenção/hiperatividade (ADHD), e outras drogas, como modafinil, que foi estudada em controles saudáveis e indivíduos com doença de Parkinson ou esquizofrenia. Porém, nenhuma destas drogas é realmente adequada para o tratamento de MDD. Nenhum estudo mostra isto de forma convincente como monoterapia ou tratamento adicional a um antidepressivo. Há uma sugestão de que o metilfenidato pode trabalhar junto com um antidepressivo em pacientes primariamente diagnosticados com ADHD que têm MDD como comorbidade, mas é uma área muito limitada. Pg.25

26 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Outra droga, levomilnacipran, é conhecida por ser uma droga noradrenergicamente muito ativa e recentemente chegou ao mercado. É uma droga que pode ter alguns efeitos sobre a regulação emocional. Como ouvimos antes, a regulação emocional é importante para efeitos indiretos sobre a cognição mais tarde. Pode também haver algum benefício. Mesmo as abordagens não farmacológicas como intervenções psicológicas, treinamento cognitivo, ou terapia comportamental cognitiva (CBT) podem ser tratamentos úteis para déficits cognitivos. Dr Kasper: Prof. Harmer, posso pedir a você para falar um pouco mais sobre CBT ou treinamento cognitivo? Pg.26

27 Dr Harmer: O treinamento cognitivo também está emergindo como uma área de pesquisa muito intensa. Há programas ativos de pesquisa buscando programas de treinamento para direcionar problemas de cognição a quente e a frio em depressão. Estes programas de pesquisa estão mostrando uma promessa inicial. Há evidência de que você pode mudar as tendências para informações emocionais, por exemplo, por paradigmas de treinamento relativamente diretos e implícitos ou inconscientes. Isto parece ter algum efeito de impacto sobre sintomas e função neurobiológica. Da mesma forma, há interesse de pesquisa focando a melhoria da função cognitiva a frio praticando algumas destas tarefas de funcionamento executivo com variações diferentes dia a dia. [3] No momento, ainda é muito cedo para saber se estas estratégias podem ser traduzidas na prática clínica. Pode ser que elas sejam úteis apenas para um subconjunto de pacientes. Dr Kasper: No treinamento cognitivo, você também tem algum dado sobre amígdala a curto prazo? Dr Harmer: Há evidência de que você pode direcionar áreas como a córtex pré frontal dorsolateral, particularmente com este tipo de treinamento, já que esperamos efeitos de impacto sobre a função da amígdala. [3] Esta é uma questão interessante porque pode-se esperar intervenções cognitivas no treinamento para operar um nível superior; isto é, direcionar as áreas controladas pré frontais em maior extensão, que são mais eficientes em controlar áreas como a amígdala; enquanto os tratamentos com drogas podem funcionar na direção oposta. É uma área muito interessante. Dr Kasper: Obrigado. Também temos que ter em mente que há uma necessidade de abordar comorbidades físicas, como hipertensão e diabetes, quando pensamos em função cognitiva, já que estes casos podem piorar a função cognitiva. [4] Não entrarei em detalhes aqui, mas esta é uma área que precisamos considerar. Pg.27

28 Disfunção Cognitiva em Transtorno Depressivo Maior - Uma Nova Meta de Tratamento Baseado no que aprendemos durante este painel, o que podemos encontrar no futuro? É um tratamento de MDD mais baseado em domínio? Devemos expandir em cognição como uma das partes integrais da depressão? Acho que isto será abordado no futuro. Os estudos que vimos hoje podem encorajar os médicos a olharem para o domínio da cognição, que é um domínio que eles costumavam considerar como uma área difícil que era reservada para psicólogos especializados ou especialistas na área. É uma parte integral da depressão. Como lição de casa, eu acrescentaria que cognição não é tão difícil quanto costumava ser considerada, e agora temos achados neurobiológicos fascinantes que vêm de estudos de neuroimagem, provavelmente também conectados a achados biológicos moleculares sobre expressão genética. Estes déficits cognitivos também podem ser eficientemente tratados com agentes psicofarmacológicos específicos e também com treinamento cognitivo. Gostaria de agradecer ao painel por participarem deste programa. Obrigado por assistir a este programa. Muito obrigado. Esta transcrição foi editada para estilo e clareza. Este documento é apenas para fins educacionais. Nenhum crédito em Educação Médica Continuada (CME) será fornecido pela leitura dos conteúdos deste documento. Para participar desta atividade, visite Para perguntas relacionadas ao conteúdo desta atividade, entre em contato com o fornecedor desta atividade educacional no Para assistência técnica, entre em contato com Pg.28

O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos

O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos O Que Há de Novo na Pesquisa em Antidepressivos? Uma Atualização Sobre a Eficácia e Tolerabilidade dos Antidepressivos Esta atividade educacional é apoiada por uma concessão educacional independente de

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição?

Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Uma nova perspectiva sobre o transtorno depressivo maior: qual a importância da cognição? Apoiado por um subsídio educacional independente da WebMD Global, LLC Este documento destina-se apenas a fins de

Leia mais

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM

O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM O importante é o paciente: casos clínicos de disfunção cognitiva no TDM Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc. www.medscape.org/collection/mdd10

Leia mais

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento

Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Medindo a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior: atualizações sobre as escalas, resultados e tratamento Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido

Leia mais

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior

Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Na nova fronteira? Tratamento por domínios. Disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Esta atividade educacional é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela Lundbeck Inc.

Leia mais

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TDAH - EPIDEMIOLOGIA Tx. Varia entre 1,5 5,8% Crianças e adolescentes; Difere

Leia mais

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO!

IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! IMAGENS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO ESTUDO DO CÉREBRO E DO COMPORTAMENTO HUMANO! Prof. Dr. Tiago Arruda Sanchez! Departamento de Radiologia - Faculdade de Medicina! Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO Érika Cristina Moreno 2 ; Priscila Medeiros Araújo 2 ; Romilda Ferreira de Sousa Oliveira 2 ; Rosivânia Barbosa

Leia mais

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil?

Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Apoiado por uma subvenção educacional independente de empresa Daiichi Sankyo, Inc.; Eli Lilly. Terapia Antiplaquetária no Mundo Real: O Que está Acontecendo no Brasil? Renato Lopes, MD, PhD: Olá e bem

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Depressão UHN. Depression - Portuguese

Depressão UHN. Depression - Portuguese Depressão Depression - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a depressão? quais são as suas causas? os sinais ou sintomas da depressão que

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif *

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * 1. ASPECTOS PSICOLÓGICOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER Suely Laitano S. Nassif * A coisa mais sublime que o homem pode experimentar é o mistério. É esta emoção fundamental que está na raiz de toda a ciência e

Leia mais

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS

+ de 100 Estudos. O Estudo IHAMS + de 100 Estudos Mantemos um esforço de pesquisa e desenvolvimento ativo, com novos jogos, exercícios e novos estudos. Atualmente, existem mais de 60 artigos de periódicos publicados sobre os benefícios

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF):

A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF): Há sempre mais do que uma única história* Por que o tema é importante? Provavelmente, cada vez que você leva sua criança a uma

Leia mais

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral

Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Terapia personalizada para paciente com diabetes complexa na prática de clínica geral Esta atividade educativa é patrocinada por um subsídio educativo independente concedido pela http://medscape.org/case/diabetes-primary-care

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Leia mais

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach Índice Porque fazer um curso de Coaching? Metodologia Comprovada. Resultados sem precedentes As maiores razões para escolher um coach Tendências do Mercado de Coaching Oportunidades da Carreira de Coaching

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach

Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach ABRACOACHING 2015 1 Porque fazer um curso de Coaching? Metodologia Comprovada Resultados sem precedentes As maiores razões para escolher um coach Tendências do Mercado de Coaching Oportunidades da Carreira

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

Transtorno do Déficit de Atenção Hiperatividade. Características : Desatenção Hipercinesia Impulsividade

Transtorno do Déficit de Atenção Hiperatividade. Características : Desatenção Hipercinesia Impulsividade Transtorno do Déficit de Atenção Hiperatividade Características : Desatenção Hipercinesia Impulsividade Mestre não é quem sempre ensina mas quem de repente aprende (Guimarães Rosa) Você conhece algum aluno

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR Gerp.13: Educação, Ciência e Inovação Neste encontro, primaremos pelo conhecimento e atualização, assim, teremos exposições em formato de highlights, updates e a inovação de grandes temas em forma de cartas

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS ESTUDO DOS TRANSTORNOS DE COMPORTAMENTO DISRUPTIVO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

Terapia Cognitivo Comportamental

Terapia Cognitivo Comportamental Terapia Cognitivo Comportamental TRATAMENTO PSICOLÓGICO M. FÁTIMA RATO PADIN Coordenadora do Alamedas -Tratamento e Reabilitação da Dependência Química TRATAMENTO PSICOLÓGICO - Terapia Cognitivo Comportamental

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares Transtorno Bipolar Bipolar Disorder - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para saber: o que é o transtorno bipolar quais são as suas causas os sinais ou sintomas

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette

RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette RESPOSTA RÁPIDA 325/2014 Síndrome de La Tourette SOLICITANTE Drª Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.1280-8 DATA 18/06/2014 SOLICITAÇÃO Solicito

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria A Comissão de Residência Médica em Psiquiatria da Associação Brasileira de Psiquiatria (CRMP-ABP) ao propor esse programa, recomenda o índice de no

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO O Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH) pode ser definido como um transtorno neurobiológico, normalmente detectado ainda na infância. Podendo ser caracterizada pela desatenção,

Leia mais

PAF Programa de Assistência ao Fumante

PAF Programa de Assistência ao Fumante PAF Programa de Assistência ao Fumante Programa de Tratamento Médico do Tabagismo desenvolvido por Dra Jaqueline Scholz Issa (CRM SP 60.179 ) baseado no atendimento de mais de 5000 fumantes ao longo de

Leia mais

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019

Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564. Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 Psicologia USP versão impressa ISSN 0103-6564 Psicol. USP v.12 n.2 São Paulo 2001 http://dx.doi.org/10.1590/s0103-65642001000200019 PSICANÁLISE E UNIVERSIDADE: PESQUISA Cláudio Laks Eizirik 1 Universidade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 315/2014 Informações sobre Mirtazapina e Quetiapina no tratamento da depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Célia Maria Andrade Freitas Corrêa, juíza titular da 4ª vara cível da

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

UNIVERSITY OF CALIFORNIA GRANT RESEARCH STUDY

UNIVERSITY OF CALIFORNIA GRANT RESEARCH STUDY MUDANÇA EMOCIONAL POSITIVA UNIVERSITY OF CALIFORNIA GRANT RESEARCH STUDY Pesquisa sobre o Processo Hoffman O objetivo da pesquisa é determinar a verdade sobre uma questão hipotética e não o de aumentar

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

Vanda Freitas Castro. Curriculum Vitae. Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro

Vanda Freitas Castro. Curriculum Vitae. Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro Curriculum Vitae Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro 1 CURRICULUM VITAE (Abreviado) 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Vanda Filipa Viseu Cândido de Freitas Castro Cédula Profissional: N.º 12698 E-mail: vfilips@gmail.com

Leia mais

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO...

TEMA: Trazodona e Cloridrato de Memantina no tratamento de Demência Vascular com sintomas neuropsiquiátricos SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... NT 102/2013 Solicitante: Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Nº do processo: 1.0433.13.014383-0/001 TEMA: Trazodona e Cloridrato

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO 1 A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO Giuliana Silva Ferrão Fernanda Pasquoto Souza Resumo: Este artigo apresenta o relato da prática e uma revisão teórica da disciplina

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? Depressão na DH

Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? Depressão na DH Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Os ratinhos tristes poderão ajudar a tratar a doença de Huntington? O

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA)

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola EB 2,3/ES de São Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 3º ano Ano Letivo: 2013/2014 Psicopatologia Geral PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE

Leia mais

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro

Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Mudança de paradigma na psiquiatria ou um roteiro para a psiquiatria do futuro Paradigm change in psychiatry or a map for the psychiatry in the future Na viragem do século XIX, Bleuler, Kraeplin e outros

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Especial O equilíbrio do cérebro

Especial O equilíbrio do cérebro Especial O equilíbrio do cérebro Uma boa notícia para depressivos, ansiosos e fóbicos: amparados em novas descobertas, psiquiatras e psicólogos unem forças para combater os transtornos da mente, superando

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior

Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Reconhecendo e gerenciando a disfunção cognitiva no transtorno depressivo maior Apoiado por um subsídio educacional independente da Lundbeck www.medscape.org/viewarticle/822471 Reconhecendo e gerenciando

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Elza C. Oliveira Sebastião (EFar( EFar/UFOP)

Elza C. Oliveira Sebastião (EFar( EFar/UFOP) Avaliação do impacto de um programa de intervenção farmacêutica como educação continuada no comportamento de médicos m da atenção primária ria em Ribeirão Preto (SP, Brasil) Elza C. Oliveira Sebastião

Leia mais

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes

Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diretrizes Standards Nacionais para Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes Diabetes Care January 2010 33:S89-S96; doi:10.2337/ dc10-s089 A Educação em Auto-Gerenciamento do Diabetes - DSME (Diabetes

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo.

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo. Olá a todos! Envio uma apresentação a que assisti em Nova Iorque no mês passado feita por Katie Douglas e Gal Mayer do Callen-Lorde Community Health Center (Centro Comunitário de Saúde Callen-Lorde). Acredito

Leia mais

EDITAL CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E NEUROCIÊNCIAS. Estão abertas as inscrições para o CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA

EDITAL CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E NEUROCIÊNCIAS. Estão abertas as inscrições para o CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA 1 EDITAL CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E NEUROCIÊNCIAS SELEÇÃO 2014 PRIMEIRO SEMESTRE Estão abertas as inscrições para o CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais.

Leia mais

1 É possível que você tenha TDAH?

1 É possível que você tenha TDAH? 1 É possível que você tenha TDAH? As experiências que você acabou de ler lhe parecem familiares? Estas são as vozes dos adultos com TDAH. O primeiro comentário atinge o próprio cerne do que é o TDAH. Esta

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... 7

SUMÁRIO. Apresentação... 7 SUMÁRIO Apresentação... 7 1. Os ciclos da vida... 15 Primeira fase: evolutiva, de maturação... 16 Segunda fase: relativa estabilidade... 18 Terceira fase: involutiva inicial... 20 A polêmica gerada pela

Leia mais