1- Objetivos e métodos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1- Objetivos e métodos"

Transcrição

1 Resumo: O dinamismo e a competitividade sempre caracterizaram a indústria automobilística, a qual está em constante busca por inovações que agreguem valor ao seu processo produtivo, reduzindo custos com ganho de eficiência e qualidade. Assim, novos modelos de gestão surgem dentro do contexto de Supply Chain Management (SCM), que visam à otimização da cadeia produtiva. O presente estudo aborda o arranjo do Consórcio modular, executado pela Volkswagen, analisando suas vantagens, desvantagens e relacionando-as com o conteúdo da disciplina. 1- Objetivos e métodos Devido às novas exigências impostas pela atual realidade do mundo corporativo, as empresas precisam estar constantemente inovando seus processos de modo a atender as expectativas do mercado. No caso do setor automobilístico, em que a concorrência e a volatilidade são fatores determinantes, os novos modelos de gestão surgem em resposta a esse ambiente. O presente trabalho visa à conceituação do Consorcio Modular, sua aplicação e desenvolvimento na empresa Volkwasgen, em sua fábrica de caminhões e ônibus em Resende-RJ, e uma modesta análise e discussão com os conceitos aprendidos na disciplina de Gestão de Sistemas de Logística. As informações pertinentes para a elaboração da análise foram obtidas por meio de pesquisas na internet, revistas científicas eletrônicas e periódicos, além do site oficial da Volkswagen e a bibliografia proposta pela disciplina, de modo a identificar o conceito e princípio do modelo de Consórcio Modular na empresa Volkswagen e relacioná-los com os temas explorados em sala de aula. 2- Introdução As grandes indústrias sempre tomaram a frente quando se trata de inovação, tanto na produção, quanto nos processos organizacionais, decorrentes da alta competitividade e

2 dinamismo característicos do ambiente corporativo. O setor automobilístico é um dos maiores responsáveis pelos avanços tecnológicos e gerenciais que revolucionaram a organização do trabalho e transformaram as montadoras em modelos de referência. Visando à melhoria nos processos, as empresas buscam reduzir custos, otimizar procedimentos e tempos de produção de modo a satisfazer o mercado, ganhando competitividade e elevando seus lucros. Nesse contexto, surge uma necessidade de reestruturação que permita o melhor atendimento dos requisitos impostos pelo setor e assim, novas ferramentas são desenvolvidas como o Supply chain management SCM ( Gestão da cadeia de suprimentos ), que engloba as relações a montante e a jusante com fornecedores da empresa e seus clientes, a fim de entregar um valor superior ao menor custo para a cadeia de suprimentos (CHRISTOPHER, 2011). Diante desse novo cenário, mais dinâmico e exigente, as montadoras começam a utilizar novas estratégias voltadas à integração da cadeia com seus fornecedores principais, fortalecendo suas relações que viabilizam novos arranjos produtivos. A Volkswagen foi pioneira ao implementar essa nova configuração da cadeia de suprimentos, o chamado Consórcio modular em sua fábrica de caminhões e ônibus localizada em Resende RJ, onde uniu seus fornecedores e transferiu a montagem das peças para dentro de sua planta. 3- Revisão da literatura O Consórcio Modular pode ser definido, segundo Pires (1998), como um caso radical de terceirização entre uma montadora e um número muito reduzido de fornecedores diretos, no qual os fornecedores assumem a montagem prévia do módulo sob sua responsabilidade e sua posterior montagem diretamente na linha de produção da montadora. Nesse modelo, o fornecedor também é responsável pelos investimentos em equipamentos e ferramentas, assim como o gerenciamento da cadeia de suprimentos do módulo. Diante deste contexto, as empresas passaram a ter a necessidade de focar em seu negócio-chave (core business), tendo que delegar as outras empresas atividades inerentes a seu processo de produção. Portanto, os relacionamentos entre as empresas da mesma cadeia ganharam uma grande importância, pois geram uma fonte de vantagem competitiva.

3 O objetivo dessa estrutura é proporcionar agilidade nas trocas de informação entre os membros da cadeia e o desenvolvimento de novas competências (PIRES, 1998) que resultam em melhorias dos aspectos logísticos e eficiência na linha de montagem. O autor Schonberger (1998) ressalta que alguns dos principais pontos que representam vantagens dos modelos modulares de produção são que fábricas convencionais de veículos têm de lidar com um número excessivo de componentes, sendo que ao mesmo tempo fornecedores não têm a capacitação para "produtos completos", sendo responsáveis por poucos itens. Com isso, tanto os fornecedores ficam com suas posições enfraquecidas, como as montadoras têm de gastar muito com atividades não agregadoras de valor como armazenagem e movimentação de materiais, logística e planejamento de compras e produção, atividades que em si não agregam valor ao produto, ou seja uma fábrica ganha eficiência ao reduzir o número de fornecedores. Em modelos modulares a questão fundamental é a obtenção de coordenação entre empresas compradoras e fornecedoras. Na verdade, a grande questão é se o gerenciamento dos relacionamentos com fornecedores de fato levarão a reduções substanciais em custo e aumento de lucros. Collins and Bechler (1999) colocam este ponto de forma concisa: a terceirização da manufatura é uma escolha estratégica que requer avaliação crítica não apenas do ponto de vista da estrutura e dinâmica do mercado em que a empresa compete, mas também do seu posicionamento e também considerando se a terceirização vai levar a uma vantagem competitiva sustentável. 4- Relação entre os conceitos de Logística e o Consórcio Modular Volkswagen em Rezende RJ O consorcio modular consiste em ter um mínimo de fornecedores, para ter melhor controle da cadeia produtiva, e ter com esses fornecedores um forte elo, ao ponto dos fornecedores participarem do desenvolvimento de produtos da empresa, no nosso caso a Volkswagen. Dessa forma transferir novas responsabilidades para os fornecedores (empresas de auto peças), que não mais fornecem apenas peças, mas sim módulos.

4 As empresas modulistas como são chamadas, participam da montagem do produto final em conjunto, são elas que montam o produto dentro da planta produtiva da empresa líder, todas trabalham simultaneamente. A empresa líder assegura a qualidade do produto, dando valor e credibilidade no mercado. Dessa forma se constitui o processo de Outsourcing que vamos relacionar abaixo: 4.1- Outsourcing Popularmente chamada de externalização é uma pratica onde a empresa contrata uma outra empresa para realizar para si tarefas que não lhe convém fazer ou que essa terceira é especialista. Nesse caso, principalmente nas áreas de produção e logística, mas podendo se aplicar em outras áreas. Existem também vantagens e desvantagens desse modelo, incluindo alguns riscos. Vantagens como, aumento da competividade, reduzir a complexidade da gestão do negocio, visibilidade e transparência e acesso as melhores praticas e experiências. Como desvantagens, facilidade para perda de controle do negocio, divergências de expectativas, partilha de informações e receio da partilha de informações, entre outras. Alguns riscos, perda da confiabilidade e risco de copia pela concorrência, conflitos éticos e de interesse e falta de credibilidade na redução de custos JIT (just in time) interno O Just in time é uma pratica oriunda do Japão do Toyotismo, onde nenhum produto ou matéria prima absolutamente nada deve ser comprado, transportado ou produzido antes da hora exata. Com isso se elimina os estoques, tendo grande economia com isso, pois manter estoque custa muito caro. Os produtos finais são vendidos antes mesmo de serem produzidos, e são produzidos sob encomenda. RJ 5- O Consórcio modular e a fábrica de caminhões Volkswagen em Resende Em 1996, a Volkswagen implementou seu projeto de gestão inovador, o Consórcio modular em sua fábrica de caminhões e ônibus de Resende, no estado do Rio de Janeiro. O modelo consiste na formação de parcerias entre a empresa e seus fornecedores (modulistas), para que haja a transferência da montagem de conjuntos totais de peças para dentro da planta

5 da Volkswagen, com o objetivo de diminuir os custos de produção, investimentos, estoques, tempo de produção e principalmente agilidade na produção de veículos diferenciados. Atualmente, a Volkswagen conta com sete fornecedores: Maxion, Arvin Meritor, Remon, Powertrain, AKC, Carese e Continental. Os fornecedores da VW e suas atribuições (disponível em: Assim, a responsabilidade pela montagem dos produtos fica a cargo dos modulistas e a Volkswagen pode se comprometer com outras áreas, como a qualidade final do produto, logística e distribuição, marketing, interface com o cliente e com o desenvolvimento de novos produtos. A qualidade dos componentes deve ser assegurada pelos fornecedores. Dentro desta configuração, as empresas fornecedoras não participam dos lucros finais dos produtos, apenas dividem a mesma infraestrutura da fábrica da VW, além de todos os funcionários receberem o mesmo padrão de remuneração e benefícios e estarem submetidos a um único acordo coletivo. É importante destacar que tanto os riscos, como os investimentos são compartilhados entre a montadora líder do consórcio e seus fornecedores, uma vez que todo o negócio é influenciado diretamente pela demanda do mercado, ou seja, se a demanda por caminhões diminuir, consequentemente a demanda por peças e componentes também será afetada negativamente.

6 5.1- Vantagens da integração Para as empresas fornecedoras, ter um cliente fixo como a Volkswagen pode ser considerado como vantajoso, pois cria uma relação de exclusividade e dependência entre os membros da cadeia, que gera estabilidade no longo prazo. A proximidade física decorrente do arranjo modular favorece as tomadas de decisão, viabilizando a flexibilidade da linha de produção o que permite uma diferenciação cada vez maior de seus produtos. A comunicação é outro fator a ser observado dentro da estrutura, pois as trocas de informação devem ser priorizadas de modo a manter o fluxo em ambos os sentidos da cadeia, e assim, poder evitar erros e imprecisões. 6- Modelos derivados do consórcio modular 6.1- General Motors fábrica de Gravataí RS No ano 2000, a General Motors inaugurou uma fábrica caracterizada pela adoção de um sistema inovador, o Condomínio Industrial, cujo arranjo está configurado de forma que um pequeno número de fornecedores diretos está instalado fisicamente próximo à montadora, de modo a abastecê-la em um sistema Just in sequence, porém esses fornecedores não participam da montagem final, a qual está sob responsabilidade da montadora. A fábrica com sede em Gravataí, no Rio Grande do Sul, tem como objetivo alcançar menores custos, riscos, gastos com mão de obra e custos sociais e o descarte dos custos de estoque, obtendo-se assim uma economia que pode ser repassada ao cliente final. Com a intenção de não se perder a cultura organizacional na empresa, a GM se diferenciou do modelo de Consórcio Modular dos caminhões Volkswagen, optando pelo Condomínio Industrial a fim de evitar o risco de enfrentar questionamentos trabalhistas dos funcionários de terceiros Mercedes Benz em Juiz de Fora MG A fábrica da Mercedes Benz faz parte do grupo Daimler-Chrysler e suas atividades tiveram início em Seu modelo de produção também é similar ao Condomínio Industrial,

7 no qual seus principais fornecedores, localizados próximo a planta da montadora, entregam os módulos prontos para serem montados. Há também o compartilhamento dos riscos, redução dos custos e ganho de flexibilidade presentes no modelo do Consórcio modular Fiat em Betim - MG A montadora foi a primeira fabricante brasileira de veículos a desenvolver, na sua unidade de Betim, MG, o conceito de trazer novos fornecedores de autopeças para Minas Gerais, para as proximidades da fábrica da Fiat. Os resultados alcançados devem-se à redução dos custos por meio da escolha de alguns grandes sistemistas para fornecer módulos completos diretamente na linha de montagem. A alavancagem de ganhos de produtividade deve-se à terceirização da montagem de módulos e a instalação de unidades das empresas sistemistas nas proximidades de Betim, além de algumas serem acomodadas dentro da própria fábrica da Fiat, consolidando-se assim uma combinação dos modelos de Condomínio Industrial e Consórcio Modular 7- Análise crítica Os riscos e incertezas atribuídos a este modelo de gestão são certamente os principais alvos de críticas, uma vez que a longo prazo, essa transferência de tecnologia de produção pode levar a uma perda de competências tecnológicas, o que levanta o questionamento sobre o futuro da montadora, cuja responsabilidade se restringe apenas ao gerenciamento de sua marca, sem tomar parte na produção e montagem de seus componentes. Uma das consequências adversas do consórcio modular estaria na possível absorção de competências distintivas da Volkswagen por parte de alguns de seus fornecedores que poderiam repassá-las à concorrência, ou seja, o modelo está sujeito ao oportunismo de terceiros, o que mostra a vulnerabilidade da estratégia da empresa. Um dos grandes desafios que podem surgir dentro desse ambiente é o nível de complexidade organizacional decorrente não só das condições impostas pelos contratos, como também do choque entre culturas de funcionários de diferentes empresas compartilhando o mesmo espaço e tendo que alinhar seus objetivos com os da montadora.

8 Outro fator a ser observado é que os modelos derivados do consórcio modular não seguem seus padrões a rigor, optando por utilizar o modelo de condomínio industrial, deixando de trazer os fornecedores para dentro de suas fábricas, o que aponta que o Consórcio Modular pode ser um exemplo falho de benchmarking para outras empresas. 8- Conclusão O arranjo estrutural do consórcio modular foi disposto de forma a minimizar a distância entre os fornecedores e a montadora a fim de agilizar o abastecimento da linha de montagem, o que leva à redução dos lead times e dos custos relativos a estoques, além do ganho de eficiência e flexibilidade. Quanto ao relacionamento entre a Volkswagen e seus fornecedores, reina um clima de cooperação e ao mesmo tempo, competição, no sentido em que algumas das empresas fornecedoras também são concorrentes no mercado, mas devem colaborar dentro do modelo para que a estratégia se concretize. Há também ressalvas quanto ao futuro desse modelo no que tange à sustentabilidade das parcerias, uma vez que ao transferir as competências relativas à montagem de seu produto para terceiros, a montadora corre o risco de criar uma dependência com seus fornecedores e consequente perda de poder nas relações que compõem o modelo. Em comparação com os modelos derivados, o consórcio modular não teve todos os seus elementos implementados por outras empresas, pois estas precisam adaptar suas estratégias de acordo com suas necessidades. Porém todas têm o objetivo comum de reduzir os custos, estoques, tempos de produção, aumentar a flexibilidade e compartilhar os riscos inerentes às parcerias.

9 FCA - Unicamp GL605B Gestão de sistemas de logística Consórcio modular na fábrica de caminhões e ônibus da Volkswagen em Resende - RJ Grupo 10 Regina Okatsu RA: Samira Freitas RA: Tales Souza RA: Limeira

10 9- Referências bibliográficas CHRISTOPHER, Martin - Logistics & Supply chain management, 4ª edição, 2011 Gestão inovadora Disponível em <http://www.vwcaminhoeseonibus.com.br/pt/company_factory_brasil_modularconsortium.aspx> Acessado em 04/09/2012. RESENDE, A. P.; COSTA, F. W. A.; RUTKOWSKI, J.; CARVALHO, L. J. L.; ALMEIDA, R. J. S.; SILVA, W. Consórcio modular: o novo paradigma de produção. Disponível em <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2002_tr15_0436.pdf> Acessado em 04/09/2012. FIRMO, A. C.C.; LIMA, R. S. Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular. Disponível em <http://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/381/454> Acessado em 04/09/2012. PIRES, S. R. I. Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos. Ed. Atlas, São Paulo, 2004 PIRES, S.R.I. Gestão da cadeia de suprimentos e o modelo de consórcio modular, Revista de Administração, São Paulo, BUENO, M. J. C.; VENDRAMETTO, O.; ALISANCIC, A. O consórcio modular como fator de competitividade: um estudo de caso na Volkswagen Resende e São Bernardo do Campo. Disponível em <http://www.aedb.br/seget/artigos07/1113_resumo.pdf> Acessado em 25/09/2012. CORRÊA, H. L. VW Resende: Mudanças no projeto inicial e uma breve avaliação. Disponível em <http://www.correa.com.br/biblioteca/artigos/a22_simpoi_iii_resende.pdf > Acessado em 09/10/2012. CARNEVALLI, J. A.; MIGUEL, P. A. C.; SALERNO, M. S. Estudo de caso sobre a aplicação da modularidade em empresas fabricantes de motores automotivos. Disponível em <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2010_tn_sto_117_767_16122.pdf > Acessado em 09/10/2012. DI SERIO, L. C.; SAMPAIO, M.; PEREIRA, S. C. F. Evolução dos conceitos de logística: um estudo de caso na cadeia automobilística do Brasil. RAI Revista de administração e inovação, São Paulo, v. 4, n. 1, p , CORRÊA, H. L. Os modelos modulares de gestão de redes de suprimentos. Disponível em <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/3007/rel% pdf?sequence=1> Acessado em 05/11/2012.

11 GUARNIERI, P.; HATAKEYAMA, K.; RESENDE, L. M. Estudo de caso de um condomínio industrial na indústria autmobilística: caso GM Gravataí. Disponível em <http://producaoonline.org.br/rpo/article/download/199/312> Acessado em 22/11/2012 NASCIMENTO,R. P.; SEGRE, L. M. Competitividade no setor automobilístico: um modelo de análise da flexibilidade no Brasil. Revista Gestão Industrial v. 02 n. 03 p , 2006 Uno Mille: 10 anos de sucesso e evolução. Disponível em <http://www.fiatpress.com.br/releases/gerenciarreleases.do?operation=visualizarrelease&id Release=858>...Acesso em 22/11/2012

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 13 - Slack, Chambers e Johnston 20030917 Adm250 Administração da Produção 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular

Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Gerenciamento da cadeia de suprimentos no setor automobilístico: um estudo de caso no consórcio modular Ana Carolina Cardoso Firmo (UNIFEI) accfirmo@unifei.edu.br Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima@unifei.edu.br

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística.

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística. Grupo CARGO Um jeito inteligente de fazer logística. Empresas do Grupo Cargo Iniciou suas atividades em 1.980 em Córdoba Argentina, prestando serviço no segmento de Transporte Nacional e Internacional.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Boa. Pouca. Boa. Pouca OPERAÇÃO. Inteligência Competitiva. ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VENCEDOR. AÇÃO sem VISÃO é Desperdício

Boa. Pouca. Boa. Pouca OPERAÇÃO. Inteligência Competitiva. ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VENCEDOR. AÇÃO sem VISÃO é Desperdício Inteligência Competitiva ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VISÃO sem AÇÃO Boa É apenas SONHO VENCEDOR Pouca Risco de Extinção AÇÃO sem VISÃO é Desperdício OPERAÇÃO Experiência Pouca Boa Habilidade

Leia mais

Engenharia Simultânea

Engenharia Simultânea Engenharia Simultânea Fluxo da Engenharia Seqüencial Fluxo da Engenharia Seqüencial Engenharia Simultânea Definição: Abordagem sistemática para o desenvolvimento integrado e paralelo do projeto de um produto

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais Gustavo de Souza Lima Pablo Yugo Yoshiura Kubo Ruthberg dos Santos gustlima@ufrrj.br 1 pyykubo@ufrrj.br 1 berg@ufrrj.br

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais