Mãos. Nossas. Planejamento e controle essenciais para a competitividade. 35 Março de 2011 ano III. página 3. página 7. página 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mãos. Nossas. Planejamento e controle essenciais para a competitividade. 35 Março de 2011 ano III. página 3. página 7. página 6"

Transcrição

1 Nossas Mãos 35 Março de 2011 ano III Planejamento e controle essenciais para a competitividade página 3 Saúde: grandes benefícios de pequenas ações diárias página 6 Nosso processo: a produção de misturas e farelados página 7 Meio Ambiente: recuperação de áreas em LEM e Angico

2 Editorial Desenvolvimento É sempre válido relembrar que no setor em que atuamos, o controle rigoroso dos custos pode fazer toda a diferença. Assegurar que o programa de produção seja cumprido conforme o planejado, com acompanhamento que nos permita tomar decisões rápidas para corrigir eventuais desvios, é uma tarefa essencial para garantir nossa competitividade. Por isso, a unificação das áreas de PCP é estratégica para o crescimento do nosso negócio. Um exemplo de como a padronização dos processos e controles traz resultados, é que na área fiscal isso tem nos permitido atender, até antes do prazo, às novas exigências do fisco. Isso levou a empresa a se destacar e ser convidada a participar de um debate promovido por um dos mais importantes jornais de economia do país. Importante também para o desenvolvimento da Galvani é ter funcionários preparados para assumir novas funções e cargos na organização. Planejar essa necessidade de mão de obra futura e prepará-la é um dos nossos desafios relacionados a pessoas e o curso de formação de operador mantenedor no CILEM é um importante passo nessa direção. Sabemos que desenvolvimento não é viável em longo prazo sem o cuidado com o meio ambiente. A Galvani tem ampliado as ações relacionadas à recuperação de áreas verdes, seja através do Parque Fioravante Galvani ou com iniciativas próprias de cultivo e plantio de mudas de árvores nativas em diversas localidades. Dois exemplos desse trabalho você confere nesta edição. Boa leitura! Luiz Antonio Bonagura Diretor presidente Formação de funcionários 50 funcionários do CILEM, principalmente das áreas de Manutenção e Produção de Fertilizantes, começaram as aulas do curso de formação de Operador Mantenedor. Esta é a primeira formação profissional totalmente personalizada para a Galvani. O curso tem como finalidade qualificar os funcionários para concorrerem a futuras vagas do cargo de Operador Mantenedor que será criado na unidade. O interesse foi grande e todas as vagas oferecidas foram preenchidas. Na opinião dos participantes, essa é uma boa oportunidade. A empresa está crescendo e temos que acompanhar. Essa iniciativa aumenta nossos conhecimentos, afirma Gerson Rodrigues Filho, da Produção de Fertilizantes. Seu colega Natanael Alves Henrique, da Manutenção Mecânica, concorda e acrescenta: é cansativo trabalhar e estudar, mas acredito que o esforço será recompensado. Com duração de seis meses, o curso é composto por três módulos. O primeiro tratou de aspectos comportamentais e técnicos sobre segurança no serviço de manutenção e já foi concluído. Funcionários da Manutenção que não participam do curso também assistiram a essas aulas em horário diferenciado como treinamento. Na segunda parte, os alunos estudam manutenção mecânica, incluindo aulas práticas. A instituição responsável pelo conteúdo técnico e professores é o SENAI, onde acontecem as aulas, para duas turmas de 25 alunos. Já o terceiro módulo envolve produção de fertilizantes, qualidade, meio ambiente e gestão. Para receber o certificado, é necessário ter 90% de presença nas aulas e nota mínima de 7 pontos. De acordo com a Gerente de Gestão de Pessoas, Ana Beatriz Melo, a Galvani estuda a possibilidade de promover formação em outras áreas e unidades. Uma das turmas do curso de operador mantenedor Atenção ao que você come Ter uma alimentação mais saudável é algo que depende muito da atitude e força de vontade de cada um. Dar preferência aos legumes e verduras, reduzir o sal e o açúcar, evitar frituras e comidas gordurosas são mudanças de hábito possíveis para a maioria das pessoas. Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), estudos recentes relacionam a pressão alta ao consumo excessivo de açúcar e não somente ao sal, como se pensava antes. A hipertensão é um dos principais fatores relacionados aos ataques cardíacos. A má alimentação está relacionada diretamente a graves doenças e todas as complicações decorrentes do excesso de peso. De acordo com levantamento do IBGE, divulgado em 2010, o sobrepeso já atinge 48% das mulheres e 50% dos homens com mais de 20 anos. Pequenas ações grandes benefícios Recomendações para cuidar da alimentação, da postura, da audição podem até parecer exagero. Mas, pequenas ações diárias são capazes de fazer uma revolução na saúde. No longo prazo, os maus hábitos podem limitar a capacidade de trabalho e até mesmo comprometer seriamente a qualidade de vida de uma pessoa. Alongamento previne dores As consequências da má postura ao realizar atividades do dia a dia e a falta de atenção ao movimentar peso, por exemplo, podem levar a lesões na coluna, perda da mobilidade ou lesionar tendões, causando as tendinites, por exemplo. Para quem realiza movimentos repetitivos no trabalho é indicado alongar pelo menos três vezes ao dia as partes do corpo mais exigidas. Exercícios de alongamento, desde que feitos de maneira correta, podem ser praticados por todas as pessoas em qualquer idade. Alguns minutos diários de alongamento reduzem o risco de lesões, corrigem a postura e aliviam tensão e dores, principalmente, nas costas, combatem o estresse, melhoram a respiração, além de trazer bem-estar. Por isso, como em 7 de abril é comemorado o Dia Mundial da Saúde, a campanha de SSMA vai tratar justamente de três pontos relacionados ao tema: alimentação e seus desdobramentos como obesidade, hipertensão e diabetes; doenças relacionadas à má postura (LER) e perda auditiva. Cuide da sua audição De modo geral, a maioria das pessoas não costuma dar muita atenção aos cuidados com a audição. Mas, as consequências são sérias e comprometem a qualidade de vida, levando até mesmo à depressão. Ao contrário do que muitos pensam, não é só quem trabalha em área industrial que está exposto a sons intensos. Ouvir música alta, principalmente com fone de ouvido, o barulho do trânsito, muito tempo ao telefone são exemplos que podem causar danos à saúde auditiva. A perda auditiva causada por exposição ao ruído pode ser facilmente prevenida, mas quando acontece seus efeitos são irreversíveis. Na maioria dos casos é gradual, indolor e vai se agravando tão lentamente que quase não se nota. De acordo com a Sociedade Brasileira de Otologia, 25 milhões de pessoas têm diminuição auditiva no país

3 Capa Planejamento e controle: fatores essenciais para a competitividade primas, de s em processo e s acabados, acompanhamento da disponibilidade das fábricas operacional e eletromecânica que impactam na programação de curto prazo da produção, entre outros. Entre as atividades da área está a Expedição, que controla a entrada e saída de materiais, tanto dos itens de reabastecimento (matérias-primas) quanto das entregas de acabado. Ter processos bem definidos, controlados e documentados são fundamentais para dar suporte à tomada de decisões e correção de desvios. Por isso, nesta área não pode haver surpresas, conclui Pedro. Como saber o que e quanto deve ser produzido, a quantidade de matériasprimas necessárias, o que expedir para cada cliente? Para uma indústria funcionar e atender aos clientes com eficiência, questões como essas devem ser bem planejadas e controladas, por isso existe a área de Planejamento e Controle da Produção o PCP. Em janeiro, as áreas de PCP da Galvani foram unificadas em um departamento corporativo. O trabalho desse departamento envolve um conjunto de funções que ajudam a organizar o processo produtivo e coordená-lo com outras áreas. Conforme explica o Diretor Industrial Cláudio Fernandes, o PCP corporativo vem aprimorar a gestão da Galvani em dois pontos principais: - nível estratégico com maior interação no planejamento tático envolvendo as áreas de Suprimentos, Logística, Produção, Custos e Comercial para atendimento da demanda com menor custo possível; - nível operacional com maior controle e padronização dos processos de recebimento, produção, estocagem e expedição envolvendo as matérias-primas e s acabados da empresa. Nas fábricas, os desafios estão relacionados, principalmente, à padronização dos procedimentos e um melhor controle das matérias-primas e s em todo o Grupo, explica o Coordenador da área de PCP corporativa, Alexandre Mendonça. Os principais objetivos são: - padronizar os controles em todas as unidades, em parceria com áreas envolvidas, dos seguintes processos: estoques, produção contábil (com análises do real X orçado); - acompanhar o cumprimento do planejamento de produção, entregas e suprimentos de todas as unidades; - implantar processo de agendamento das programações de carga e descarga no CILEM e no CIP; - coordenar a reunião de S&OP (Sales and Operations Planning, que em português significa planejamento de vendas e operações) envolvendo as áreas de Suprimentos, Comercial, Logística, Custos e Industrial. O que faz o PCP? Reunião semanal de revisão da Produção de Fertilizantes Conforme explica Pedro Marques, Gerente Geral do CIP/UIA, que atuou na implantação da área de PCP na Galvani, tudo começa com o plano de entregas, elaborado pela área Comercial, a partir de dados do mercado e dos clientes, que prevê o quanto e o que deve ser vendido no ano. Esse é o objetivo a ser atingido e a partir dele vem o planejamento para cumpri-lo. É o P do PCP. É daí que vem o programa de produção, estabelecendo quando e em que quantidade cada deverá ser fabricado e a demanda de matériasprimas e demais recursos. Esse programa é anual e é reavaliado periodicamente nas reuniões de S&OP. De posse de informações como disponibilidade de equipamentos, matérias-primas, funcionários, processo de produção, tempo de processamento e prioridade das ordens de fabricação é que a produção é distribuída. Porém, iniciados os processos é necessário monitorá-los. É ai que entra o C do PCP. Essa tarefa envolve o gerenciamento de estoques de matérias- Destaque O papel do PCP na cadeia de produção e distribuição do fertilizante Cliente Comercial / Adm. de Vendas Elabora Plano de Vendas Contrata transporte para entregar o Em dia com o fisco Em 2010, foram feitas algumas modificações legais nas informações que devem constar na Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), o que exigiu das empresas ajustes nos processos de emissão. A Galvani, que foi uma das pioneiras no setor a implantá-las, também concluiu essa adequação antes do prazo final. A empresa aproveitou essa revisão para implantar melhorias nos processos internos de emissão da NF-e. As equipes da Expedição de CIP, CILEM e UIA foram envolvidas nas etapas dessa adequação e inclusive prepararam o manual e o treinamento para replicar aos colegas. Destaque PCP Suprimentos Logística Elabora Plano de Produção e gera necessidades de matérias-primas Cliente Logística Expedição Carrega e fatura o Compra matériasprimas para atender Plano de Produção Planejamento de expedição do Por se destacar na implantação de novos sistemas e procedimentos exigidos pelo fisco, a Galvani foi convidada a participar de uma mesa redonda (debate) promovida pelo jornal Brasil Econômico. O evento aconteceu em 18 de fevereiro, em São Paulo/SP, e reuniu também representantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Nestlé, Foxconn, além da desenvolvedora de softwares Mastersaf. PCP / Adm. de Vendas Contrata transporte de matérias-primas Produção Produz de acordo com programação feita pelo PCP A Galvani foi escolhida por possuir uma diversidade de operações e estar presente nas três etapas da cadeia produtiva: mineração, indústria e comércio. Segundo Leonel Serafim, Coordenador Fiscal, essa postura da empresa de sempre estar em dia com suas obrigações fiscais tem resultado em um bom relacionamento e transparência junto ao fisco

4 Nosso Processo Misturas e farelados Meio ambiente Parque Fioravante Galvani contribui para recuperação de áreas em LEM As últimas edições do trouxeram uma sequência de matérias sobre o processo produtivo da Galvani, assunto sugerido por alguns leitores. Este texto, que encerra essa série, trata das misturas granuladas e fareladas. São formulações que visam atender necessidades muito específicas de culturas, principalmente do Cerrado e, por isso, são processos que acontecem atualmente no CILEM. As misturas granuladas e fareladas da Galvani foram desenvolvidas a partir do conhecimento da agricultura do Cerrado, com pesquisa e monitoramento constante dos solos e culturas da região. Essas formulações compõem parte da linha de s Phosmix que, por terem os micronutrientes incorporados de maneira uniforme em um fertilizante básico, usado em maior quantidade na composição, possibilitam maior solubilidade e melhor distribuição na adubação. adequada. Em seguida, são colocadas em uma moega, direcionadas por correias transportadoras para silos diferentes, de onde são encaminhadas a uma balança dosadora. Depois de pesadas, seguem para o misturador, equipamento rotativo onde são homogeneizadas para ficarem com um aspecto único. Após passar pelo misturador, fica pronto e, então, vai para silos de acabado de onde é expedido em sacos de 50 kg, em big bags de uma tonelada ou a granel. matéria-prima é colocada em uma moega, seguindo para uma correia transportadora dosadora e então, a partir de uma sequência de equipamentos como moinho de correntes e peneira rotativa, a mistura é realizada. Este peneiramento para separação de grossos garante uma uniformidade de qualidade física ao, que depois segue para o armazém, de onde é expedido a granel. O material retido na peneira é moído e retorna ao processo. Os farelados, comercializados como Phosmix F, são alternativas de menor custo, por não ter gastos de granulação, e com alta eficiência para áreas de adubação a lanço. A combinação dos nutrientes na formulação permite que em uma única aplicação as demandas nutricionais da cultura sejam atendidas. Mudas de espécies nativas, cedidas pelo Parque Fioravante Galvani, vão beneficiar as comunidades rurais de Muriçoca e Galhinhos da região de LEM. Nesses locais, um projeto da Secretaria Municipal de Meio Ambiente prevê a recuperação da APP Área de Preservação Permanente, nas margens dos rios de Janeiro e Balsas. A recomposição da mata ciliar desses rios é fundamental para a preservação dos mananciais e, consequentemente, da fonte de água para os moradores dessas localidades. A APP funciona como um filtro ambiental, retendo poluentes e sedimentos que chegariam aos cursos d água. No povoado de Muriçoca, a área foi cercada e plantada com espécies nativas, produzidas no Parque, com as sementes coletadas pela própria comunidade. Alguns membros destas comunidades receberam treinamento da equipe do Parque sobre como coletar, identificar e armazenar as sementes antes do envio para o viveiro. Parceria do bem Essa ação é resultado direto de um acordo de cooperação, firmado em 2010, entre o Instituto Lina Galvani e a Plantio em APP de LEM Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA), para o fornecimento de mudas de espécies nativas do cerrado, destinadas à arborização urbana de LEM e recuperação de áreas degradadas da região. Um dos frutos dessa parceria foi a inauguração do viveiro municipal em junho do ano passado que já recebeu do Parque cerca de mudas. Misturas Granuladas Dosador Galvani realiza plantio em Angico Como o nome diz, de forma simplificada, trata-se de um processo de mistura de matérias-primas fontes de nutrientes já granuladas. Elas são inicialmente peneiradas para separação de grossos e finos, permitindo que o fique na granulometria Mistura granulada Misturas Fareladas O farelado é um fertilizante em pó, feito basicamente da mistura de Superfosfato Simples com outros nutrientes também em pó. Cada Correia dosadora do farelado Mistura farelada O período de chuvas dura pouco na região da caatinga, onde está localizada a Unidade de Mineração de Angico dos Dias (UMA), no extremo norte da Bahia. Aproveitar essa época para o plantio é importante. Por isso, nestes primeiros meses do ano, 5 mil mudas de árvores nativas estão sendo plantadas em Áreas de Preservação Permanente na unidade, como parte do plano de compensação das área mineradas. São espécies como aroeira, umburana, caju e angico que foram cultivadas por funcionários da UMA no viveiro da Fazenda Pimenteiras, de propriedade da Galvani, localizada em Caracol/ PI. Nesse espaço, a empresa mantém também um projeto de Manejo Florestal Sustentável (MFS), com o objetivo de fornecer lenha (biomassa) que é a energia utilizada no processo de secagem do minério produzido na unidade. Mas afinal o que é uma APP? As Áreas de Preservação Permanente são faixas de importância ecológica, cobertas ou não por vegetação nativa, que têm como função preservar os recursos hídricos, a paisagem, a geologia, a biodiversidade, além de assegurar a qualidade de vida das comunidades. Áreas de mananciais, encostas de morros, manguezais e matas ciliares são exemplos de APPs. Criadas em 1965, por leis federais, as definições, limites e parâmetros para essas áreas são regulamentados pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Plantio em APP da UMA 06 07

5 Benefícios Como funciona a PLR? Nesta edição, traz uma nova matéria sobre os benefícios que a Galvani oferece e, desta vez, destaca o plano de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). A PLR é regulamenta pela Lei de 2000, que estabelece que a participação nos lucros ou resultados deva ser negociada entre empresa e funcionários. Essa negociação pode acontecer de duas maneiras: por comissão com representantes das duas partes ou por meio de convenção ou acordo coletivo. Essa lei determina a existência de regras e os mecanismos de apuração do cumprimento dessas regras, periodicidade da distribuição dos resultados e vigência do acordo. Define ainda que podem ser considerados como critérios: índices de produtividade, qualidade ou lucratividade da empresa e programas de metas, resultados e prazos, acordados previamente. O pagamento só pode ocorrer no máximo duas vezes ao ano e não deve ser no mesmo semestre. A Convenção Coletiva, no caso da Galvani, pode variar um pouco porque as categorias sindicais são diferentes, mas de modo geral estabelecem o seguinte: as empresas que têm programa de PLR estão desobrigadas de pagar o valor mínimo estabelecido na convenção; aos afastados será pago o benefício proporcional aos meses trabalhados, exceto nos casos de acidente do trabalho, ocorridos na período de vigência do acordo, que recebem normalmente; os admitidos ao longo do período recebem proporcional aos meses trabalhados, assim como os demitidos Entre os dias 21 e 25 de fevereiro a Sipat mobilizou o CILEM. Com o tema Não escolha olhar para o outro lado, o evento, que aconteceu em novembro nas outras unidades, foi transferido para o início deste ano. Na programação da semana que incluiu palestras relacionadas ao tema e questões de saúde, um destaque foi o reforço nas ferramentas de segurança como Análise Preliminar de Risco (APR), relatos de quase acidensem justa causa. Quem pede demissão não tem direito à PLR. PLR na Galvani A empresa possui um programa de PLR implantado, que obedece a essas normas e esse benefício na Galvani pode chegar a um valor muito superior ao mínimo previsto nas convenções coletivas. Com relação à PLR 2010, conforme estabelece o Acordo, assinado entre a Galvani e as comissões de negociação, em breve serão concluídas apurações das metas departamentais e a auditoria externa do balanço contábil do ano passado. Depois disso a empresa fará a divulgação dos resultados. Para o programa de 2011, as comissões de representantes de funcionários e da empresa estarão formadas até o final de março. CILEM realiza Sipat te, Abordagem Comportamental de Segurança (ACS), entre outras. Como a Sipat aconteceu bem próxima das paradas de manutenção, foi importante destacar essas ferramentas de prevenção e controle, aponta o Presidente da CIPA, Fábio Domingues. Cerca de 80 estudantes de cursos técnicos e ensino médio de LEM também assistiram às palestras, que contaram ainda com a presença de representantes de diversas empresas da cidade. A Sipat foi realizada em parceria com a prestadora de serviços Líder. O que achou desta edição? Quero parabenizar toda a equipe do jornal pela reportagem sobre a importância do orçamento em casa. Gostei da planilha disponibilizada na Intranet. Ela será muito útil para mim, pois quero colocar no papel meus gastos e confrontá-los com minhas receitas, de forma que no final do mês eu possa verificar se estou economizando ou não. Marli Alves Pereira Administrativo - UML Envie sua sugestão para pela Intranet ou telefone (19) Esta é uma publicação mensal para os funcionários da Galvani. Coordenação: Departamento de Comunicação Jornalista Responsável: Cristiane Pereira (MTb ) Foto capa: Rodolfo Neto Editoração: Fellows Marketing & Co. Impressão: Gráfica Mundo Tiragem: exemplares Colaboraram nesta edição: Ana Paula Ferraz, Carlos Tufari, Henrique Renó, José Alberto Neves, Lúcio Costa (CIP) Débora Soares, Fábio Domingues, José Joselânio Medeiros (CILEM) Jean Malaquias (UMA) Mariângela Pinho (Instituto Lina Galvani)

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL FEVEREIRO DE 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1 2 COMUNICAÇÃO SOCIAL 4 EDUCAÇÃO EM SAÚDE 10 3 MONITORAMENTO DE NASCENTES 13 4 VIVEIRO DE MUDAS

Leia mais

Por um mundo melhor Semana do Meio Ambiente convida crianças e funcionários a repensar geração e destino do lixo

Por um mundo melhor Semana do Meio Ambiente convida crianças e funcionários a repensar geração e destino do lixo Nossas Mãos 26 junho de 2010 ano III Por um mundo melhor Semana do Meio Ambiente convida crianças e funcionários a repensar geração e destino do lixo página 2 UML: sugestão de funcionário gera economia

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Mãos. Nossas. Multiplicam-se as ações ambientais na Galvani. página 2 páginas 4 e 5. Reflorestamento: Grupos de estudos

Mãos. Nossas. Multiplicam-se as ações ambientais na Galvani. página 2 páginas 4 e 5. Reflorestamento: Grupos de estudos Nossas Mãos 14 junho de 2009 ano II Multiplicam-se as ações ambientais na Galvani página 2 páginas 4 e 5 página 8 Valores: Galvani lança Código de Ética Reflorestamento: Grupos de estudos CIP fazem e UMA

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Neste momento, vocês estão recebendo a apostila que servirá de base para a vigésima quarta prova, que será realizada no dia 25 de Setembro de 2013.

Neste momento, vocês estão recebendo a apostila que servirá de base para a vigésima quarta prova, que será realizada no dia 25 de Setembro de 2013. 24ª APOSTILA 24ª APOSTILA SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE Caros Colegas, Neste momento, vocês estão recebendo a apostila que servirá de base para a vigésima quarta prova, que será realizada no dia 25 de Setembro

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Continuando a série 100 motivo para implantar um CRM, veremos agora motivos referentes a BackOffice de CRM. Se você não tem a primeira parte da nossa apresentação, com os primeiros 15 motivos para implantar

Leia mais

À todo o vapor. Comportamento Seguro

À todo o vapor. Comportamento Seguro 42 - outubro de 2011 - ano IV À todo o vapor Metas de produção são as mais desafiadoras da história Comportamento Seguro SIPATs reforçam o tema nas unidades Mais segurança Treinamentos são destaques nas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br NO CAMPO: UMA FAMÍLIA DE SOLUÇÕES EDUCACIONAIS PARA PRODUTORES RURAIS. TODA MINHA FAMÍLIA VIVE DA PRODUÇÃO RURAL. E MAIS DE CINCO MILHÕES

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Mãos. Nossas. Orçamento anual O papel do planejamento financeiro na empresa e em casa. 33 janeiro de 2011 ano III. página 3. página 7.

Mãos. Nossas. Orçamento anual O papel do planejamento financeiro na empresa e em casa. 33 janeiro de 2011 ano III. página 3. página 7. Nossas Mãos 33 janeiro de 2011 ano III Orçamento anual O papel do planejamento financeiro na empresa e em casa página 3 IGG: Conheça o novo sistema de informações do Comercial página 6 Nosso processo:

Leia mais

FÁBRICA ABERTA. destaque pág.02. sumário PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

FÁBRICA ABERTA. destaque pág.02. sumário PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Criando caminhos. ed. 04 - fevereiro março 2012 destaque pág.02 PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA sumário 02 03 03 04 05 07 07 07 08 Editorial Aniversariantes do Mês Dia Internacional

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente)

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Semeando o Verde Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Usina de Açúcar Santa Terezinha Ltda. Cidade: Maringá

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO

FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DO TRIÂNGULO MINEIRO MANUAL TCC - Trabalho de Conclusão de Curso - 7º e 8º Períodos de Administração - Responsáveis: Prof a. Andrea Luisa Veludo Colmanetti Prof. Karim

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Mantenha a frota em suas mãos.

Mantenha a frota em suas mãos. Mantenha a frota em suas mãos. SISTEMA DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA SOBRE A ASSISTE A ASSISTE tem sua sede em Piracicaba - SP e está presente em todo o Brasil e no Exterior, por meio de seus representantes

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Retrospectiva. Área industrial Unidades alcançam resultados expressivos. SIG Com melhoria contínua unidades batem metas. 66 - janeiro de 2014 - ano VI

Retrospectiva. Área industrial Unidades alcançam resultados expressivos. SIG Com melhoria contínua unidades batem metas. 66 - janeiro de 2014 - ano VI 66 - janeiro de 2014 - ano VI Retrospectiva 2013 Área industrial Unidades alcançam resultados expressivos Pág. 3 SIG Com melhoria contínua unidades batem metas Pág. 4 Editorial Legados de 2013 Industrial

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010 Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense - Resultados Março 2010 1 Índice Objetivos Metodologia Resultados Cadeia Produtiva da pesca Armadores de pesca

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr VAGAS Ger Supply Chain Coord Adm Vendas / Gerente Jr Superior Completo e MBA em Logística Experiência na posição de 5 anos mínimo Reporte: Diretor Industrial Inglês Fluente e desejável espanhol Reportando-se

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE Letícia Mônica Garcia 1 ; Lindce Ariani Herrera 1 ; Danilo Spessato de Souza

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Mercado aquecido. Agronegócio tem perspectiva de crescimento contínuo nesta década e impulsionará setor de fertilizantes

Mercado aquecido. Agronegócio tem perspectiva de crescimento contínuo nesta década e impulsionará setor de fertilizantes 39 - julho de 2011 - ano IV Mercado aquecido Agronegócio tem perspectiva de crescimento contínuo nesta década e impulsionará setor de fertilizantes Certificação CIP busca ISO 9001 para sulfúrico Pág. 3

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Qualidade do início ao fim

Qualidade do início ao fim 49 - maio de 2012 - ano V Qualidade do início ao fim Empresa preza pela entrega do melhor produto para o cliente Serra do Salitre Teste checa viabilidade para produção de ácido fosfórico Pág. 7 Novo SIG

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Julio César Paneguini Corrêa A filosofia lean não mais se restringe às empresas de manufatura. Muitos setores

Leia mais

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Julho/2012 Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Slogan: Segurança se faz com Educação MÊS Atividades * Reunião Ordinária e Posse da CIPA: 06/07/2012 * Implantação da Urna de Sugestões da CIPA.

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

15ª Edição 2014 Exercício 2013

15ª Edição 2014 Exercício 2013 Pesquisa de Indicadores de Gestão de Pessoas Apresentação 15ª EDIÇÃO REFERENTE A DADOS DE DEZEMBRO/2013 Primeira vez que a pesquisa é realizada com a Universidade Metodista, por meio do Grupo de Estudos

Leia mais

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6 Estratégia e Desenvolvimento Sustentável Aula 6 Prof. Marcos Rogério Maioli rogeriomaioli@grupouninter.com.br Investimentos com Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial MBA em Planejamento

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 FAQ 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 1. Edital SENAI e SESI 1.1 O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? O Edital é uma iniciativa do SENAI e do SESI que visa despertar a cultura da inovação na

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES QUESTIONÁRIO DE LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES CRITÉRIOS PARA INCLUSÃO DE EMPRESAS NOS FUNDOS ETHICAL - 16 - PARTE A DESEMPENHO NA ÁREA AMBIENTAL (GRUPO 1: ESTRUTURA DA ÁREA DE GESTÃO AMBIENTAL) A1. A gestão

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A

Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A MRS Logística S.A A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde.

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. AT I ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. Maringá é integrante da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis e não

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais