UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THAYSE MALU GADOTTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THAYSE MALU GADOTTI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THAYSE MALU GADOTTI PROJETO DE UM NOVO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA SUPORTE A USUÁRIOS Joinville - SC 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THAYSE MALU GADOTTI PROJETO DE UM NOVO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA SUPORTE A USUÁRIOS Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: MSc. Gerson Volney Lagemann Joinville - SC 2010

3 THAYSE MALU GADOTTI PROJETO DE UM NOVO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA SUPORTE A USUÁRIOS Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: MSc. Gerson Volney Lagemann Membro: Dr. Régis Kovacs Scalice Membro: Dr. Adalberto José Tavares Vieira Joinville, 19/11/2010

4 Dedico este trabalho a Deus que me ajudou a chegar até aqui, a minha mãe e ao meu irmão pelo incentivo, a todos os meus amigos que são a minha família e em especial a todos da equipe ETIM.

5 A força não provém de uma capacidade física e sim de uma vontade indomável. Gandhi

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que me proporcionou essa oportunidade que considero única em minha vida, a qual dou muito valor que é cursar um curso superior e poder realizar mais um sonho em minha vida. A minha família: ao meu pai Luiz Gadotti (in memorian), minha mãe Mary que me incentivou nos momentos mais difíceis e meu irmão Thyago que foram a minha base assim como o meu padrasto Reginaldo Ruediger. A toda equipe do ETIM em especial o meu orientador de estágio Edson Biancato Bagio, que não só demonstrou ser um excelente profissional, como também um amigo e incentivador desse trabalho. A todos os meus amigos que me apoiaram e me incentivaram nos momentos de desânimo, são muitos para citar nomes por isso e por eles serem de tão enorme qualidade me sinto mais uma vez agraciada por Deus. A Thalita B. Pahl, Sergio Rosa, Rosangela Hartmann, Felippe José, Volmir Bianchini, Felipe Schadek, esses na verdade foram verdadeiros anjos de Deus enviados para não deixar eu olhar para traz. Ao professor Gerson Volney Lagemann que mesmo com o tornozelo machucado mostrou o valor do comprometimento, não deixando em nenhum momento que o seu afastamento interferisse na sua orientação, ao invés disso abriu as portas de sua casa juntamente com sua família para a incansável orientação e concretização desse trabalho. A todos os Professores do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas que não só me ensinaram o conhecimento técnico, como conhecimento pessoal, conhecimento esse que levo para a vida.

7 THAYSE MALU GADOTTI PROJETO DE UM NOVO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA SUPORTE A USUÁRIOS RESUMO O principal objetivo desse trabalho é entregar um projeto de um novo sistema a um sistema de informação (SI) já existente na empresa estudada. Esse sistema é utilizado pelo usuário para gerar pedidos de atendimento, ou seja, de acordo com a necessidade o usuário informa que precisa do suporte de um analista especializado naquele tipo de problema, logo um código de chamado é gerado pelo sistema. Um levantamento bibliográfico foi realizado para implementar o SI. Foram definidas quais as fases de desenvolvimento e como implementá-las. Foi também analisado o sistema atual para compreender seus principais pontos de melhoria. Para a proposta foram realizadas técnicas de levantamento dos requisitos dos usuários, pois se entende que verdadeiramente eles são o motivo dessa melhoria, ou seja, esse sistema existe para facilitar a comunicação entre analista e usuário e é nesse contexto que o novo modelo foi proposto. PALAVRAS-CHAVE: Melhoria, Sistema de Informação, Suporte.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Ciclo de vida em cascata...16 Figura 2 Ciclo de vida em cascata com realimentação...17 Figura 3 Ciclo de vida em espiral...18 Figura 4 Exemplo de processo...22 Figura 5a Exemplo de Fluxo...22 Figura 5b Exemplo de um Fluxo em um processo...22 Figura 6 Representação de Depósito...23 Figura 7 Exemplo de Representação Gráfica de Entidades Externas...23 Figura 8 Exemplo de diagrama de fluxo de dados...24 Figura 9 Exemplo de uma entidade...25 Figura 10 Exemplo de Entidade e Atributos...25 Figura 11 Áreas que o ETIM fornece suporte...31 Figura 12 Fluxograma de abertura de chamados atual...33 Figura 13 Página da Intranet ETIM...34 Figura 14 Página do ETIM Call para abertura de chamados...35 Figura 15 Tela de visualização da abertura do chamado...36 Figura 16 Tela de visualização de busca...36 Figura 17 Página de chamados ETIM...37 Figura 18 Detalhes do chamado...38 Figura 19 Mudança de status do chamado...38

9 Figura 20 Visão do Administrador...39 Figura 21 Fluxograma do sistema futuro...49 Figura 22 Diagrama do Fluxo de dados...50 Figura 23 MER Modelo de Entidade e relacionamento...51

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Fatores de insucesso de um sistema...19 Tabela 2 Requisitos dos Usuários...42 Tabela 3 Requisitos do Sistema...43 Tabela 4 Requisitos dos Usuários com priorização...44 Tabela 5 Requisitos do Sistema com ranking...46 Tabela 6 Requisitos dos usuários adiados...47 Tabela 7 Dicionário de Dados...51 Tabela 8 Comparação entre os SI...52

11 LISTA DE ABREVIATURAS SI ACM IEEE/EIA DPMA QFD LDAP ETIM MER DFD P&D PTC PRO/E AHP Sistema de Informação Association for Computing Machinery Industry Implementation of International Standard Data Processing Management Association Quality Function Deployment Lightweight Directory Access Protocol Engineer Technology Information Management Modelo de Entidade e Relacionamento Diagrama de Fluxo de Dados Pesquisa e Desenvolvimento Product Development Company Pro Engineer Analytic Hierarchy Process

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SI) CICLO DE VIDA DO SISTEMA AS FASES DO CICLO DE VIDA Levantamento dos requisitos Detalhamento e priorização dos Requisitos Inspeção dos requisitos Verificação dos requisitos adiados Análise Desenho Implementação Testes PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS MÉTODO DE PESQUISA COLETA E PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DOS DADOS DESENVOLVIMENTO DO NOVO SISTEMA A EMPRESA A Whirlpool no Brasil A Whirlpool em Joinville Apresentação da área do estudo de caso O SISTEMA DE INFORMAÇÃO ATUAL Interface Gráfica visualização dos usuários Interface Gráfica visualização dos analistas Interface Gráfica visualização do Líder Regional MELHORIAS PARA O SISTEMA ATUAL O PROJETO DO NOVO SISTEMA Requisitos Levantamento dos requisitos Priorização dos requisitos Validação dos requisitos Verificação dos requisitos adiados Análise RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE... 56

13 1 INTRODUÇÃO A comunicação segundo Albertin (2009) é o ato ou efeito de emitir, transmitir e receber mensagens por meio de métodos e/ou processos convencionados, quer através da linguagem falada ou escrita, quer de outros sinais, quer de aparelho técnico especializado, sonoro e /ou visual. A informática é a ciência que tem como objetivo viabilizar, garantir e suportar o tratamento e a comunicação das informações de uma organização, pois é a ciência do processamento racional, principalmente por computadores eletrônicos, da informação considerada como suporte do conhecimento humano e das comunicações nos domínios técnicos, econômicos e sociais. Na comunicação sempre existe a parte do emissor que emite a mensagem e a do receptor que capta a mensagem. O que mais as empresas necessitam hoje em dia é traduzir as necessidades dos clientes para produzir aquilo que eles realmente desejam, quando isso acontece podemos dizer que a comunicação entre cliente e empresa é eficaz. Normalmente dentro das organizações existem emissores e receptores, pois ouvi-se e fala-se diversas vezes. Este trabalho terá como tema uma proposta de melhoria para um sistema de atendimento de chamados de usuários. Esse sistema propõe-se a ser um elo de comunicação entre os usuários e a área que será o campo de estudo desse trabalho. O software será programado para que os usuários comuniquem suas necessidades e os analistas receberão estas informações e se utilizem delas para atender as expectativas dos usuários, compartilhando informações com eles. O objetivo geral deste trabalho consiste em projetar um novo sistema a partir da análise de um sistema já existente, dentro de uma metodologia de desenvolvimento de projeto conforme sugerem os teóricos da área. Os objetivos específicos desse trabalho são: Levantar pontos falhos do sistema atual; Levantar, junto aos usuários, requisitos imprescindíveis no sistema futuro; Propor melhorias técnicas para o novo sistema. Nas organizações atualmente tem-se visto o quanto a informação é importante, o quanto as empresas têm investido para manter as informações dos seus clientes e fornecedores atualizadas. Sabe-se, todavia que uma informação que não agrega valor para a organização só demandará tempo e dinheiro.

14 14 Nesse contexto através de reuniões com usuários e gerentes o trabalho se justifica, pois foi observado que as informações colocadas nesse sistema podem ser melhor utilizadas e alguns recursos voltados aos usuários podem ser implementados. O estudo delimitar-se-á a empresa Whirlpool S.A unidade de eletrodomésticos de Joinville. O sistema selecionado para esse estudo foi elaborado na área do ETIM Engineer Tecnology Information Management onde será realizado uma análise do sistema atual para elaboração de uma proposta de sistema que atenda as necessidades dos usuários e administradores da empresa. O trabalho está estruturado em capítulos, sendo que, o primeiro é composto pela introdução ao assunto a ser estudado, são apresentados o tema abordado, o objetivo geral e os específicos, a justificativa do trabalho, como também a delimitação do estudo. O segundo capítulo é dedicado à fundamentação teórica do tema, que pode ser dividido em duas partes, a primeira objetiva referenciar o que são sistemas de informação e o segundo discorre sobre a teoria de ciclo de vida para a implantação de um sistema, sendo que mostra vários conceitos de ferramentas que ajudam a formalizar etapas do ciclo de vida. A metodologia aplicada neste trabalho será apresentada no terceiro capítulo. Nesta etapa serão apresentados: o tipo de pesquisa e método e em seguida os métodos para coleta e análise de dados. No quarto capítulo é realizada uma breve descrição da empresa, os produtos e serviços que destacam sua atuação no mercado, e a seguir é desenvolvido o estudo de caso. No quinto capítulo, são apresentadas as considerações finais. Para finalizar, as referências bibliográficas utilizadas na pesquisa e os anexos que compõem o trabalho.

15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SI) Segundo Albertin (2009) sistemas de informação (SI) é um conjunto de procedimentos organizados que, quando executados, provêem informação para suportar a tomada de decisão e o controle numa organização. Os SI apóiam os procedimentos operacionais de controle administrativo, os processos de tomada de decisão e a estratégia competitiva da empresa, pelo uso da informática e de sua tecnologia. Os sistemas de informação de acordo com Filho (2009) são formados pela interação do software, base de dados, hardware e redes, ou seja, o sistema é a interação dessas partes para trazer um beneficio aos usuários. Para o desenvolvimento de um SI, existem procedimentos para tornar o processo de criação menos complexo e que fornecerá a equipe um horizonte de projeto planejado. 2.2 CICLO DE VIDA DO SISTEMA De acordo com Pfleeger (2004) o ciclo de vida descreve a vida do produto de sistema desde a concepção até a implementação, entrega, utilização e manutenção. O ciclo de vida é um procedimento que combina ferramentas e técnicas para produzir um produto. Existem vários modelos de ciclo de vida para ajudar os analistas a desenvolverem um sistema. Pode se citar o modelo cascata, cascata com realimentação e o ciclo de vida em espiral. No modelo de ciclo de vida em cascata (figura 1) os principais subprocessos são executados em estrita seqüência, de acordo com Pfleeger (2009) o desenvolvimento de um estágio deve terminar antes do próximo começar o que permite demarcá-los com pontos de controle bem definidos. Esses pontos de controle facilitam muito a gestão dos projetos, o que faz com que o processo seja, em princípio confiável e utilizável em projetos de qualquer escala. Por outro lado, se interpretado literalmente, é um processo rígido e burocrático, em que as atividades de requisitos, análise e desenho tem de ser muito bem definidas, pois, teoricamente, o processo não prevê a correção posterior de problemas nas fases anteriores. Na prática, é sempre necessário permitir que, em fases posteriores, haja revisão e alteração dos resultados das fases anteriores. Um modelo que permite a realimentação é o de

16 16 cascata com realimentação. Por exemplo, os modelos e documentos de desenho podem ser alterados durante a implementação, à medida que problemas vão sendo descobertos. Figura 1 Ciclo de vida em cascata Fonte: Filho, Uma variante que permite superposição entre fases e a realimentação de correções é um modelo mais realista, com realimentação entre fases, chamada então de cascata com realimentação, (figura 2). No ciclo de vida em espiral o produto é desenvolvido a partir de uma série de iterações (figura 3). Cada nova iteração corresponde a uma volta na espiral. Por liberação entende-se um estágio parcialmente operacional de um produto, que é submetido à avaliação de usuários em determinado marco de projeto. Liberações escolhidas podem ser designadas como versões oficiais do produto, e colocadas em uso. Isso permite construir produtos em prazos curtos, com novas características e recursos que são agregados à medida que a experiência descobre sua necessidade. As atividades de manutenção são usadas para identificar problemas; seus registros fornecem dados para definir os requisitos das próximas liberações. É, atualmente, a abordagem mais realística para o desenvolvimento de software em grande escala, pois usa uma abordagem que capacita o desenvolvedor e o cliente a entender e reagir aos riscos em

17 17 cada etapa evolutiva, porém pode ser difícil convencer os clientes que uma abordagem "evolutiva" é controlável e exige considerável experiência na determinação de riscos e depende dessa experiência para ter sucesso. Figura 2 Ciclo de vida em cascata com realimentação Fonte: Filho (2009) De acordo com Filho (2009), o projeto de desenvolvimento mais caótico é aquele que pode ser chamado de codifica remenda. Partindo apenas de uma especificação, os desenvolvedores começam imediatamente a codificar, remendando à medida que os erros vão sendo descobertos.

18 18 Figura 3 Ciclo de vida em espiral Fonte: Filho (2009) 2.3 AS FASES DO CICLO DE VIDA Levantamento dos requisitos Segundo Filho (2009) requisitos são: Condição ou potencialidade de que um usuário necessita para resolver um problema ou atingir um objetivo. Condição ou potencialidade que um sistema, componente ou produto deve possuir para que seja aceito (isto é, satisfaça a um contrato, padrão, especificação ou outro documento formalmente imposto). Com a análise dos requisitos o objetivo é obter um enunciado completo, claro e preciso daquilo que os usuários esperam que o sistema de informação realize.

19 19 De acordo com Standish (apud PFLEEGER, 2004, p.112), o Standish Group pesquisou mais de 350 empresas sobre os seus mais de projetos de softwares, para descobrir como eles estavam se saindo. Os dados obtidos foram que 31% dos projetos de softwares foram cancelados antes de serem concluídos. Além disso, em grandes empresas, somente 9% dos projetos foram entregues dentro do prazo. Os fatores principais são relatados a seguir: Tabela 1 Fatores de insucesso de um sistema Fatores que levam ao insucesso de um sistema Porcentagem Requisitos incompletos 13,1% Falta de envolvimento por parte do usuário 12,4% Falta de recursos 10,6% Expectativas não realizadas 9,9% Falta de apoio dos executivos 9,3% Modificações nos requisitos e especificações 8,7% Falta de planejamento 8,1% O sistema não era mais necessário 7,5% Fonte: Adaptado de Pfleeger, Observa-se que algumas partes do processo de identificação, definição e gerenciamento de requisitos estão envolvidas em quase todas essas causas. A falta de cuidado com o entendimento, a documentação e o gerenciamento dos requisitos podem levar a uma grande quantidade de problemas. Os requisitos devem ser levantados pela equipe de projeto, em conjunto com representantes do cliente, usuários e possivelmente, especialistas de aplicação. Existem várias formas de levantarmos os requisitos. Segundo Yourdon, (1990) os requisitos podem ser levantados através de: Entrevistas Questionários Coleta de dados Pesquisa externa Protótipo de requisitos

20 Detalhamento e priorização dos Requisitos Depois de realizado o levantamento dos requisitos é necessário detalhá-lhos e priorizálos para que a equipe de projeto possa entender quais as verdadeiras necessidades dos usuários, como o sistema poderá atender esses requisitos e quais deles o sistema não atenderá. De acordo com Pfleeger (2004) os requisitos serão consultados durante o desenvolvimento e a manutenção do sistema, por isso devem ser escritos de maneira compreensível não somente para os clientes, mas também para o pessoal da equipe de desenvolvimento. Para a priorização dos requisitos existem muitas ferramentas que podem ser utilizadas, desde ferramentas da qualidade e planilhas com pontuações para usuários até reuniões com os analistas e o time do projeto. De acordo com Cheng (2007) a decisão sobre qual atributo incluir ou excluir na especificação dos requisitos é realizada pelo bom senso, que é uma prática aceitável e pode dar bons resultados, principalmente quando há histórico de projetos relacionados. No entanto um método formal aumenta a precisão dos resultados. A aplicação do método QFD Quality Function Deployment permite identificar os requisitos que melhor reflitam a voz dos usuários. De acordo com Cheng (2007) o método QFD foi formulado pelos professores Akao e Mizuno no final da década de 60. O QFD tem sido direcionado a etapa inicial do ciclo de vida de desenvolvimento de produto. No passado as aplicações eram na maioria das vezes sobre produtos tangíveis, ultimamente tem crescido o uso sobre produtos menos tangíveis, como serviços e software. O QFD pode ser conceituado como uma forma de comunicar sistematicamente informação relacionada com a qualidade e de explicitar ordenadamente o trabalho relacionado com a obtenção da qualidade. A qualidade de um produto de sistema é definida por suas funções, características intrínsicas e pela percepção de seus usuários em um contexto de uso. A usabilidade trata das características não funcionais, ou seja, das características externas relativas à interação do usuário com o produto, podendo ser especificada e medida. Para a elaboração do QFD é necessário primeiramente fazer juntamente com os usuários o levantamento das características não funcionais para ter conhecimento daquelas que o sistema precisa entregar ao usuário, ou seja, definir a real necessidade do novo sistema por meio do conhecimento dos objetivos da empresa, demandas de mercado e necessidades específicas dos usuários. Depois de realizado o levantamento com os usuários é necessário calcular o grau de importância de cada requisito. Para isso pode-se utilizar o método Analytic Hierarchy Process (AHP) e comparação por pares. Quando o desenvolvimento do sistema

21 21 está em estágio mais avançado, com protótipos, por exemplo, ou quando existem produtos similares, os usuários representativos podem fazer uma avaliação de satisfação relativa ao atendimento dos requisitos. Para definir as características ou requisitos do sistema é elaborada uma reunião com os analistas e desenvolvedores onde os requisitos dos usuários dispostos no QFD na coluna vertical são desdobrados em requisitos do sistema na coluna horizontal. Calcula-se então para cada requisito do sistema o produto do grau de importância do requisito do cliente pelos valores numéricos das correlações e somam-se estes produtos verticalmente Inspeção dos requisitos Após a priorização e o detalhamento dos requisitos a inspeção dos requisitos consiste em de acordo com Filho (2009) perceber se os requisitos estão em conformidade com o respectivo padrão e com outros padrões aplicáveis ao projeto, fornecer informações suficientes para a avaliação do produto pelo cliente e pelos usuários. Para isso pode ser feito uma reunião com os usuários e com os analistas e responsáveis pelo projeto, para validar os requisitos Verificação dos requisitos adiados Alguns requisitos que os usuários sugerem algumas vezes não são atendidos pelo sistema por muitos motivos, contudo é de extrema importância que esses requisitos fiquem documentados e na fase de inspeção dos requisitos os analistas esclareçam, para que ambos possam ter as mesmas expectativas com a entrega do sistema Análise De acordo com Filho (2009) a fase de análise tal qual a fase de requisitos, visa descrever o problema, mas de uma forma orientada não mais para usuários, e sim para os desenvolvedores. A análise visa detalhar, estruturar e validar os requisitos de um produto, em termos de um modelo conceitual, para Youdon (1990) o principal propósito da atividade de análise é transformar as duas principais entradas requisitos dos usuários e requisitos do sistema, em

22 22 uma especificação estruturada. Para isso é utilizado algumas ferramentas como o Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) e o Modelo de Entidade Relacionamento (MER). Segundo Gane (1988) o Diagrama de fluxo de dados é a principal ferramenta de planejamento para um sistema de informação, pois o DFD mostra a fronteira do sistema, é o único documento que mostra todas as relações entre os dados. O DFD é composto por quatro componentes: 1- Processo: O processo conforme figura 4, mostra uma parte do sistema, a que transforma entradas em saídas isto é, mostra como uma ou mais entradas são convertidas em saídas. O processo pode ser representado graficamente por um círculo com os cantos arredondados, porém alguns autores preferem um círculo, ou um retângulo isto é apenas uma questão de convenção, o importante é que uma vez adotado um modelo seja seguido do inicio da execução do DFD ao final para que o diagrama seja desenhado de forma clara. Calcular imposto sobre vendas Figura 4 Exemplo de processo Fonte: Gane, O processo é denominado ou descrito com uma única palavra ou sentença simples. Na maioria dos modelos DFD o processo descreverá o que o processo faz, o símbolo deve ter uma descrição da função do processo, começando com um verbo, seguido por uma clausula do objeto, conforme exemplo Calcular (verbo), impostos sobre vendas (clausula do objeto). 2- Fluxo: é graficamente representado por uma seta que entra ou sai de um processo e é utilizado para mostrar o movimento de pacotes de informação de um ponto a outro do sistema, representa os dados em movimento. Consulta de Cliente Número de Telefone Validar Número de Telefone Figura 5a Exemplo de Fluxo Fonte: Gane, Figura 5b Exemplo de um Fluxo em um processo

23 23 Como pode ser observado no exemplo o fluxo recebe um nome que representa o significado do pacote que se move pelo fluxo. O fluxo também possui direção: uma seta em uma das extremidades do fluxo ou em ambas indica se os dados entram ou saem do processo. 3- Depósito: é utilizado para demonstrar uma coleção de pacotes de dados em repouso. O depósito existe por causa de um requisito do usuário ou por um aspecto prático da implementação do sistema. A representação gráfica do depósito é um retângulo com uma abertura na direita conforme exemplo visto na figura 6, o nome escolhido para identificar o depósito é o plural do nome dos pacotes transportados pelo fluxo para dentro e para fora do depósito. Pedido Pedidos Figura 6 Representação de Depósito Fonte: Gane, Entidades Externas: as entidades externas (figura 7) são origens e/ou destinos de fluxos de dados para dentro e/ou para fora do sistema, os dados entram e saem do sistema apenas por entidades externas. Pode ser representado por um grupo de pessoas, como clientes, ou também pelo usuário. Sua representação gráfica é um quadrado, porém podem existir outros modos de representar. Clientes Figura 7 Exemplo de Representação Gráfica de Entidades Externas Fonte: Gane, Um exemplo de DFD mostra que cliente (uma entidade externa, algo fora do sistema) envia um fluxo de pedidos no sentido da seta de fluxo de dados, (figura 8). O processo, processar pedidos, utiliza informações do armazém de dados de produto e coloca informações a respeito de vendas dentro do armazém de dados denominado vendas.

24 24 Figura 8 Exemplo de diagrama de fluxo de dados Fonte: Gane, De acordo com Machado (2001) o modelo de entidade e relacionamento foi definido por Peter Chen em 1976, baseia-se na percepção do mundo real, como constituído por um conjunto de objetos básicos chamados Entidades e Relacionamentos. A estrutura lógica global de um banco de dados pode ser expressa graficamente por um diagrama de Entidades e por Relacionamentos. Apesar de ser uma forma gráfica de representar um banco de dados relacional, o MER possui um elevado grau de semântica, que o torna mais simples, além de permitir uma comunicação otimizada entre os usuários e os profissionais de informática, desenvolvedores de sistema. De acordo com Youdon (1990) o MER é um modelo em rede que descreve a diagramação dos dados armazenados de um sistema em alto nível de abstração. Geralmente as estruturas de dados e os relacionamentos podem ser tão complexos que é necessário um diagrama para examiná-los independentemente do processamento que ocorrerá. Para a elaboração do MER é necessário o entendimento de alguns conceitos: 1- Entidade: é a principal classe de objetos sobre a qual são coletadas informações. É todo objeto concreto ou abstrato que tem existência própria. São coisas sobre as quais se deseja arquivar informações. Exemplo de entidade podem ser alunos, clientes, funcionário. A representação gráfica para entidade é um quadrado que possui o nome da entidade, conforme figura 9.

25 25 Funcionário Figura 9 Exemplo de uma entidade Fonte: Gane, Relacionamentos: é a representação das associações existentes entre entidades. O mais comum dos termos associados a um relacionamento é a indicação da cardinalidade, que nada mais é do que a conectividade entre duas entidades. Essa conectividade pode ser de um para um, de um para muitos e de muitos para muitos, o nome relacionamento normalmente é um verbo, pois ele é resultante de um fato que associa as entidades. 3- Atributos: são as características de uma entidade que a descrevem detalhadamente. Uma ocorrência especifica de um atributo em uma entidade é denominado de valor do atributo. Os atributos são os dados das entidades que se quer armazenar. Entidade ALUNO Atributos Nome Número da Matrícula Endereço Figura 10 Exemplo de Entidade e Atributos Fonte: Kern, Cada entidade no Modelo de Entidade e Relacionamento possuirá atributos específicos, conforme figura 10, a entidade ALUNO, possui os atributos Nome, Número da Matricula e Endereço. Para melhor visualização esses atributos são descritos no dicionário de dados que relaciona numa tabela o nome das entidades, atributos específicos, formato e tamanho do atributo.

26 Desenho Segundo Filho (2009) a fase do desenho tem por objetivo definir uma estrutura implementável para um produto de software / sistema que atenda os requisitos especificados para ele. A testabilidade é um objetivo chave no desenho de sistema. Os engenheiros de software devem desenhar os componentes de um produto pensando em como esses componentes serão testados, sempre que possível, o desenho deve ser feito de modo a reduzir a necessidade de componentes de teste. Conceitualmente, o desenho é feito antes da respectiva implementação, na prática isso pode acontecer ou não, estipula-se que, antes de qualquer implementação, o produto a ser construído sofra um desenho completo e minucioso. O objetivo principal desse estilo de desenho é chegar a uma estrutura elegante e econômica, diminuindo o esforço para a implementação. Entretanto, corre-se o risco de produzir estruturas genéricas demais, cuja reutilização pode não se materializar, ou mesmo estruturas que não sejam implementáveis dentro das restrições aplicáveis.. O desenho deve usar uma abordagem progressiva e iterativa, através da construção de versões operacionais parciais que sirvam como ponto de controle e permitam a avaliação por parte dos usuários. Essas versões parciais são as liberações, sendo que o objetivo das liberações é possibilitar a validação e realimentação por parte dos usuários Implementação A implementação consiste em selecionar todas as etapas anteriores requisitos, análise e desenho e traduzir isto em forma de código, porém as estruturas e relações facilmente descritas por meio de tabelas e gráficos nem sempre são diretamente escritas como código como afirma Pfleeger (2004). Existem muitas maneiras de implementar um projeto e muitas linguagens, mas as diretrizes são geralmente aplicáveis a qualquer implementação. Entre essas diretrizes podemos citar: utilização de padrões, estruturas de controle, algoritmos e estruturas de dados.

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL Um processo é um conjunto de passos parcialmente ordenados, constituídos por atividades, métodos, práticas e transformações,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Frente ao contínuo crescimento de

Frente ao contínuo crescimento de TRANSPORTE Fotos: Albano Mendes Sinal verde para a linha branca A Whirlpool, detentora das marcas Brastemp e Consul, adota sistema que otimiza as operações de distribuição e altera significativamente tempos,

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Análise estruturada de sistemas

Análise estruturada de sistemas Análise estruturada de sistemas Prof. Marcel O que é Engenharia de software Engenharia de software é uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2.1. OBJETIVO DOS SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.2. NÃO SE COMPREENDE COMO SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.3. RESPONSABILIDADE SOBRE ARTEFATOS

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

www.siteware.com.br Versão 2.6

www.siteware.com.br Versão 2.6 www.siteware.com.br Versão 2.6 Sumário Apresentação... 4 Login no PortalSIM... 4 Manutenção... 5 Unidades... 5 Unidades... 5 Grupos de CCQ... 5 Grupos de unidades... 6 Tipos de unidades... 6 Sistema de

Leia mais

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk

Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Manual de Operação do Mercanet HelpDesk Preparada por: Jaime Fenner Revisada por: Kelen Turmina Versão Documento: 02 Data: 12 de Maio de 2009 Sumário Executivo Este documento visa divulgar todas as funcionalidades

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR 1 COLÉGIO ESTADUAL PROFESSORA RENI CORREIA GAMPER-EMPN ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR ANALISE DE REQUISITOS PARA UM CONSULTÓRIO ODONTOLOGICO MANOEL RIBAS/PR 2012 2 ANA PAULA HEINZEN DE AGUIAR ANALISE DE REQUISITOS

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas

UNIP Ciência da Computação AES Análise Essencial de Sistemas 1 Análise Essencial UNIP Ciência da Computação A análise essencial pode ser considerada um refinamento da análise estruturada. O problema existente (ou situação que requer a informatização) é estudado,

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012 Florianópolis, 05 de dezembro de 2012. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.10.1.8-05-12-2012 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1 INFOGAB 3.0 Sistema de Automação de Gabinetes Manual do Usuário V 2.1 1. Descrição do Sistema O Sistema de Automação de Gabinetes da Câmara dos Deputados (Infogab) tem por finalidade apoiar as atividades

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Projeto Estruturado de Sistema

Projeto Estruturado de Sistema Projeto Estruturado de Sistema Sumário 1. FASES NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DO SOFTWARE... 2 1.1 Síntese das Fases... 2 1.2 Controle de Qualidade... 3 2. ATIVIDADES DAS FASES... 3 2.1 Fase 0 - Anteprojeto...

Leia mais

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Roteiros Versão 1.2.1 by ilab Sistemas Especialistas Sumário I Sumário Roteiros I Introdução 2 Roteiros II Verificar posição dos chamados 4

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SUPORTE TÉCNICO GLPI JULHO DE 2015 SUMÁRIO 1 Introdução...3 2 Principais telas do sistema...4 2.1 Acesso inicial...4 2.2 Login no sistema...4 2.3 Modificando os dados

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2

ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2 ENGENHARIA DE SOFTWARE II Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2 Sumário Motivação Conceitos de Processo de Desenvolvimento de Software Atividades que compõem os processos de desenvolvimento

Leia mais

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AlianaPereiraSimões Pós-graduadaemErgonomia,UsabilidadeeInteraçãoHumano-Computador PUC-RIO aliana@aliana.com.br

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

INTRANET BUSCA CADASTROS PRODUTOS/SERVIÇOS E FORNECEDORES Manual do Usuário

INTRANET BUSCA CADASTROS PRODUTOS/SERVIÇOS E FORNECEDORES Manual do Usuário INTRANET BUSCA CADASTROS PRODUTOS/SERVIÇOS E FORNECEDORES Manual do Usuário Página 2 de 55 1. OBJETIVO:... 3 2. PRÉ-REQUISITOS:... 3 3. ACESSOS AO AMBIENTE:... 3 3.1. ACESSO A INTRANET... 3 3.2. ESQUECI

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos Intranet Embrapa Princípios e conceitos Brasília, 9 de setembro de 2014 2 1. Apresentação O projeto de uma Nova Intranet para a Embrapa teve início em julho de 2012, com o diagnóstico das Intranets das

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Engenharia de Requisitos Níveis de Descrição dos Requisitos Tipos

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais