-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue."

Transcrição

1 Hemostasia A hemostasia é a manutenção da homeostasia do sistema sanguíneo. Isso consiste na interrupção fisiológica de hemorragias, evitando perdas de sangue e lesões vasculares, e também na manutenção da fluidez do sangue, evitando a formação de trombos. Em um indivíduo hígido entende-se que há um equilíbrio na manutenção do sangue em sua forma líquida e na sua capacidade de formar trombos em um ponto de lesão da árvore circulatória (evitando perdas de sangue ou lesões mais extensas). Qualquer desequilíbrio nos fatores que contribuem para a hemostasia pode provocar doenças hemorrágicas ou trombofílicas. Para facilitar a compreensão podemos separar didaticamente os componentes principais do processo. São eles: vasos, plaquetas, sistema de coagulação, sistema anticoagulante, sistema fibrinolítico. Obs.: apesar de serem descritos como separados, a hemostasia primária e secundária são eventos estreitamente ligados entre si. Por exemplo, as plaquetas ativadas aceleram a coagulação sanguínea, e os produtos de reação da coagulação (ex.: trombina) induzem a atividade plaquetária. Embora eventos trombóticos sejam essenciais para interromper o sangramento após uma lesão de parede vascular, as reações hemostáticas são prejudiciais quando ocorrem desordenadamente. As células endoteliais que revestem o lúmen dos vasos suprimem as reações hemostáticas pró-trombóticas por: -Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue. -Sintetizar e liberar prostaciclina (PGI 2), uma prostaciclina que diminui a resposta plaquetária a estímulos ativadores. -Mecanismos de regulação da hemostasia: trombomodulina e sítios de ligação que potencializam a antitrombina III.

2 Categoria e nome Fatores de ativação de contato Fator XII (de Hageman) Cininogênio de alto peso molecular (CAPM) Pré-calicreína Fator XI (ATP) Função hemostática Ativa fator XI e pré-calicreína Traz fator XI e pré-calicreína para superfície Ativa fator XII e pré-calicreína Ativa fator IX Proenzimas dependentes de vitamina K Protrombina (fator II) Fator VII (proconvertina) Fator IX (de Christmas) Fator X (de Stuart-Prower) Proteína C Precursor da trombina Ativa fator IX e fator X Ativa fator X Ativa a protrombina Inativa VIIIa e Va Cofatores Fator tecidual (fator III) Fator VIII (anti-hemofílico) Fator V (pró-acelerina) Proteína S Cofator para fator VIII e VIIa Cofator para fator IXa Cofator para fator Xa Cofator para proteína C ativada Fatores de depósito da fibrina Fibrinogênio (fator I) Fator XIII (estabilizante de fibrina) Precursor da fibrina Reforça ligações da fibrina Hemostasia primária Refere-se ao processo de formação do tampão plaquetário no local da lesão. Ocorre dentro de poucos segundos após uma injúria endotelial e é de suma importância para interrupção da perda sanguínea. A hemostasia primária exige três eventos fundamentais: -Aderência plaquetária -Liberação dos grânulos -Agregação plaquetária

3 A aderência plaquetária ocorre sobre o colágeno da superfície subendotelial (endotélio lesado). Glicoproteínas (Gp) da superfície plaquetária são mediadoras da adesão e ativação plaquetária. A interação entre Gp plaquetária e o colágeno (adesão) é estabilizada pelo fator de Von Willebrand. A ativação plaquetária é regulada por alterações nos níveis dos nucleotídeos cíclicos, o influxo de cálcio, na hidrólise de fosfolipídios de membrana e na fosforilação de proteínas intracelulares. A ativação leva à remodelagem do citoesqueleto (mudança de forma), à ativação da via da ciclooxigenase (produção de tromboxano A2) e liberação do conteúdo dos grânulos plaquetários (corpos densos e grânulos alfa). A liberação do conteúdo plaquetário irá colaborar com a formação do trombo primário, além de ativar o sistema de coagulação e estimular o crescimento e reparação do endotélio lesado. Os grânulos alfa e os corpos densos têm como conteúdo: fator de Von Willebrand, fibronectina, fibrinogênio, trombospondina, heparinase, ADP, cálcio, serotonina, fatores de coagulação V e VIII, fator de crescimento derivado de plaqueta (PDGF platelet derived growth factor). Embora a hemorragia cesse devido à hemostasia primária, a força do fluxo sanguíneo geralmente é suficiente para desfazer o tampão primário/plaquetário. Daí a importância do sistema da coagulação para a formação de um coágulo estável de fibrina, ou tampão hemostático. Hemostasia secundária Consiste nas reações plasmáticas dos sistemas de coagulação, anticoagulação e fibrinólise. Esses sistemas irão atuar no trombo para torná-lo estável.

4 Mecanismo de coagulação Durante a hemostasia primária são formadas rolhas plaquetárias frouxamente agregadas que precisam ser consolidadas em rolhas estáveis. A trombina será imprescindível na geração de fibrina, que reforçará o trombo hemostático. O mecanismo de coagulação é composto por substâncias que circulam na forma inativa e que precisam ser ativadas. A finalidade desse mecanismo é, em última análise, gerar trombina. As reações de ativação da coagulação são didaticamente divididas em duas vias de diferente início: a via extrínseca e a via intrínseca. É importante ressaltar que as reações estão sempre associadas a uma superfície: da fibrila de colágeno, da plaqueta, da célula endotelial ou do monócito. As reações de coagulação sanguínea podem ser vistas como acontecendo em três passos: -Sequência inicial de reações que produzirão protrombina -Reações de conversão de protrombina em trombina -Trombina quebra fibrinopeptídeos, a partir do fibrinogênio, e ativa o FXIII (fator XIII). Via intrínseca Também conhecida por fase de contato da coagulação. Começa quando o FXII se une à fibrila de colágeno subendotelial que fica exposta após uma lesão do vaso sanguíneo. Ao se unir com o colágeno o FXII forma um complexo com o cininogênio de alto peso molecular (CAPM) e com a pré-calícreína (PC) e se torna um fator ativado (FXIIa). O FXIIa ativa o FXI que, por sua vez, ativa FIX (esse fator já pertence à via comum). O FXIIa também fornece um ciclo de feedback positivo, transformando a PC em calicreína e intensificando a ativação do FXII. É importante ressaltar que essa via não é a mais importante para a ativação do restante do mecanismo. A deficiência de fatores de contato não leva a doenças hemorrágicas.

5 Via extrínseca Depende de um fator não circulante: o fator tecidual (FT), também chamado de fator III (FIII). Ele é uma lipoproteína que faz parte das membranas celulares e cuja expressão pode ser induzida após lesão de superfície. Quando uma célula endotelial sofre lesão, expõe o FT e ativa o FVII na presença de cálcio. O complexo FT-FVII possui capacidade de produzir ativação do FX e FIX (ambos pertencentes à via comum). Obs.: embora pacientes com deficiência hereditária moderada do FVII (níveis cerca de 5 a 10% do normal) possam apresentar pouca ou nenhuma hemorragia, pacientes com deficiência severa do FVII (menos que 1% do normal) podem apresentar hemorragias tão sérias quanto pacientes com hemofilia grave.

6 Via comum Essa reação é o ponto de convergência das duas reações citadas acima. Nessa reação formam-se complexos onde os fatores IX e X estão ligados pelo cálcio a fosfolipídios de membrana (de plaqueta, do endotélio, de fibroblastos, etc.), juntamente com seus cofatores. Ex.: FIXa/FVIIIa/fosfolipídios e FXa/FVa/fosfolipídios. A geração de trombina decorre da ação do FXa sobre a protrombina (FII), com a participação do FVa e do cálcio. Essa reação ocorre sempre sobre uma superfície (participação de fosfolipídio de membrana). O papel da trombina A trombina é responsável por catalisar reações que levam à formação e à estabilização da fibrina: -Agir sobre o fibrinogênio, liberando fibrinopeptídeos A e B e gerando monômeros de fibrina. -Ativa o fator XIII (fator estabilizante de fibrina). Esse fator estabiliza as ligações entre os polímeros de fibrina e formam a fibrina estável. As ligações geradas são cruzadas (fibrina-fibronectina e fibronectinacolágeno).

7 Obs.: a deficiência de FXIII é capaz de causar sangramento severo. Além disso a sua deficiência não é detectada em provas laboratoriais rotineiramente empregadas. Sistema anticoagulante A anticoagulação conta com substâncias capazes de inativar as vias secundárias da hemostasia, formadoras do trombo de fibrina. -Antitrombina III: inativa fatores II, IX, X e XI. Sua ação é potencializada pela heparina. -Proteína C: inibe FV e FVIII -Proteína S: cofator da proteína C. Mas também tem uma capacidade independente de neutralizar FV, FVIII e FX. -Inibidor da via do fator tecidual: inibe a via extrínseca ao inibir o complexo fator tecidual FVIIa Fibrinólise O mecanismo fibrinolítico destina-se a destruir o excesso de fibrina e recanalizar os vasos quando a hemostasia se completa. O tpa (ativador tecidual de plasminogênio) é o principal ativador fisiológico do plasminogênio, convertendo-o em plasmina (que, por sua vez, degrada a fibrina em fragmentos menores dímeros-d). É importante ressaltar que a atividade do tpa sobre o plasminogênio é muito maior quando ocorre sobre a superfície de fibrina e pequena no sangue circulante (onde sofre rápida inativação por uma enzima chamada alfa2-antiplasmina).

8 Outros ativadores importantes do sistema fibrinolítico são: FXIIa, uroquinase, estreptoquinase e rtpa (tpa recombinante). As principais substâncias anti-fibrinolíticas são: a antiplasmina e o PAI (plasminogen acivator innibitor). Endotélio É representado por uma monocamada de células na interface entre o sangue e os tecidos. É dotado de diversas propriedades, entre eles a regulação da trombogênese. O epitélio íntegro é um dos grandes atores de manutenção da fluidez do sangue, seja pela inibição da hemostasia primária, como da hemostasia secundária. Em seu metabolismo basal o endotélio produz óxido nítrico e prostaciclina (PGI2). Esses metabólitos são inibidores da adesividade plaquetária. Na membrana lumial do endotélio também há ADPase (CD39), transformando o ADP em adenosina, um dos maiores inibidores da função plaquetária. Além dessas substâncias capazes de inibir a hemostasia primária, há outras substâncias também produzidas pelo endotélio capazes de concorrer com as vias de hemostasia secundária e inibí-las. A trombomodulina (expressa na membrana lumial) forma complexo com a trombina e daí ativa a proteína C (degradando FVIIIa e FVa). O inibidor da via do fator tecidual (IVFT) inibe o complexo FT-FVIIa, inibindo diretamente a via extrínseca. O endotélio saudável é um secretor de tpa (ativador tecidual de plasminogênio) em situações de estresse (hipóxia, acidose, exercício, aumento de pressão venosa, aumento de trombina, etc.). Biofísica do endotélio É interessante compreender que o fluxo pulsátil sanguíneo submete o endotélio a alguns tipos de força física. 1-Distensão radial; 2-Tração longitudinal; 3-atrito de superfície (shear stress). O shear stress em condições normais colabora com o cumprimento das funções fisiológicas do endotélio (síntese de óxido nítrico, PGI2, etc.). Quando essa força encontra-se exacerbada há tendências trombogênicas (ex.: fístulas arteriovenosas, placas de ateroma, estase sanguínea venosa, etc.).

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA PRIMÁRIA Divisões da hemostasia primária alteração no calibre

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue 1 Objetivos da aula Sangue e hemostasia Conhecer os componentes do sangue e suas principais funções; Entender os processos de trocas gasosas no sangue; Diego Wilke Compreender os mecanismos de prevenção

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

Mª. Cristina Marques

Mª. Cristina Marques SANGUE E HEMOSTASE Mª. Cristina Marques SUMÁRIO SANGUE Funções Constituição: plasma e células Funções e componentes do plasma Células sanguíneas: Eritrócitos Origem,funções,eliminação Leucócitos Origem,funções,eliminação

Leia mais

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Hemostasia A hemostasia compreende as interações que ocorrem

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Trombose Hemostasia Hemorragia Fisiologia da coagulação Versteeg, 2013 Physiol

Leia mais

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural 2012.2 Thaizza Correia Princípios Gerais Limita a perda de sangue interações da parede vascular, plaquetas e proteínas plasmáticas

Leia mais

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários COAGULAÇÃO SANGUÍNEA A coagulação sanguínea trata-se de uma serie de castas enzimáticas que vão se ativando gradativamente e aumentando os fatores

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática.

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia Aula Teórico-Prática FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO Texto de Apoio Dr. Tiago Henriques Coelho Prof. Doutor Adelino Leite Moreira

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA 1- Componente Vascular Endotélio íntegro: impede a adesão das plaquetas Lesão Vascular: Vasoconstrição mediada por via reflexa (reduz o fluxo

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva.

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Parasitologia PET A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Maria

Leia mais

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP DISTÚRBIOS RELACIONADOS ÀS HEMÁCEAS CASO 1: Paciente portador de úlcera péptica Diagnóstico: Anemia

Leia mais

26) Fármacos utilizados nos distúrbios da hemostasia

26) Fármacos utilizados nos distúrbios da hemostasia 26) Fármacos utilizados nos distúrbios da hemostasia A hemostasia é definida como interrupção da perda de sangue de vasos lesados, é essencial à vida. Os distúrbios da hemostasia são a hipercoagulabilidade

Leia mais

Farmacologia aplicada às emergências

Farmacologia aplicada às emergências UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ASSISTÊNCIA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FARMACOLOGIA APLICADA ÀS EMERGÊNCIAS Farmacologia aplicada às emergências Nardeli Boufleur nardeli@unochapeco.edu.br

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Davi Matthews Jucá Hemostasia Hemostasia: (Do gr. Haimostasis) Ação ou

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014 INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA Hye Chung Kang, 2014 HEMOSTASIA Dividida em fases para fins de compreensão; Funciona bem para plaquetas; Funciona bem para fatores de coagulação; Ainda há

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Data aprovação:11/11/14 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 ramal HC- 6077 - Ramal - 287 INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Contagem de Plaquetas (manual)

Leia mais

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade.

ENZIMAS. Células podem sintetizar enzimas conforme a sua necessidade. ENZIMAS As enzimas são proteínas, catalisadores (aumenta a velocidade de uma determinada reação química) biológicos (proteínas) de alta especificidade. Praticamente todas as reações que caracterizam o

Leia mais

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo METABOLISMO Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo Mas o que é metabolismo? Metabolismo é o nome que damos ao

Leia mais

O novo modelo da cascata de coagulação baseado nas superfícies celulares e suas implicações

O novo modelo da cascata de coagulação baseado nas superfícies celulares e suas implicações REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Atualização / Update O novo modelo da cascata de coagulação baseado nas superfícies celulares e suas implicações A cell-based model of coagulation and its

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Aspectos Moleculares da Inflamação:

Aspectos Moleculares da Inflamação: Patologia Molecular Lucas Brandão Aspectos Moleculares da Inflamação: os mediadores químicos inflamatórios Inflamação São uma série de eventos programados que permitem com que Leucócitos e outras proteínas

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA por Karen Macedo Orientadora: Mônica Mendes Caminha Murito Co-orientador: Valmir Laurentino Silva Dezembro de 2005

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão HEMOSTASIA HEMOSTASIA é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão Fatores envolvidos -vasos sanguíneos -plaquetas -fatores prócoagulantes plásmaticos -agentes

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

Trombocitopenia induzida pela heparina

Trombocitopenia induzida pela heparina Trombocitopenia induzida pela heparina Novembro 2012 ULSM Hospital Pedro Hispano, Matosinhos Distinguir Terapêutica curta duração: Profilática Emergência Heparina via parentérica Heparinas baixo peso molecular

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios ESS Jean Piaget Fisioterapia 2007-2008 Patologias Médicas II - Manuel Machado Durante alguns módulos, iremos falar de princípios básicos da hematologia - hematopoiese, estudo do hemograma, anemias (sua

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO)

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) As proteínas são digeridas até aminoácidos, as gorduras (triglicérides) até glicerol

Leia mais

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar

Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) Bloqueio motor, bloqueio sensitivo, dor lombar ANESTESIA REGIONAL E ANTICOAGULAÇÃO BENEFÍCIOS DO BLOQUEIO DO NEUROEIXO Diminuição da hipercoagulabilidade (redução de tromboembolismo) PROFILAXIA CONTRA TROMBOEMBOLISMO NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL HBPM,

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA HEMOSTASIA A hemostasia compreende as interações que ocorrem entre os vasos sanguíneos, as plaquetas e os fatores de coagulação, a fim de que após algum dano vascular o sangue não seja perdido para fora

Leia mais

Fábio Manuel Fernandes Pereira. Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Ciências Farmacêuticas (Ciclo de Estudos Integrado)

Fábio Manuel Fernandes Pereira. Relatório de estágio para obtenção do Grau de Mestre em Ciências Farmacêuticas (Ciclo de Estudos Integrado) UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde A utilização de concentrado de fibrinogénio na terapia de doenças hemorrágicas Experiência profissionalizante na vertente de farmácia comunitária e investigação

Leia mais

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS Alguns pacientes são propensos a ter hipercoagulabilidade, ou seja, formar trombos de forma patológica. São pacientes que normalmente apresentam doenças

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA INTRODUÇÃO HEMOSTASIA É o processo pelo qual o sangue permanece líquido vascular, apesar das lesões que venham a sofrer. A fluidez do sangue depende da: Integridade do endotélio, Velocidade do fluxo sanguíneo,

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

A Importância das Interacções Medicamento-Alimento no Controlo da Terapêutica com Varfarina

A Importância das Interacções Medicamento-Alimento no Controlo da Terapêutica com Varfarina Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias da Saúde A Imtância das Interacções Medicamento-Alimento no Controlo da Terapêutica com Varfarina Dissertação realizada

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

Fármacos Anti-trombóticos. Penha Cristina Barradas

Fármacos Anti-trombóticos. Penha Cristina Barradas Fármacos Anti-trombóticos Penha Cristina Barradas Introdução Doenças tromboembólicas - Grande morbi-mortalidade, principalmente devido ao fato das doenças que dão origem a fenômenos tromboembólicos terem

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA 1 ASPECTOS ODONTOLÓGICOS DOS DISTÚRBIOS HEMORRAGICOS A hemostasia é um processo complexo que envolve numerosos eventos fisiológicos. Quando um vaso sangüíneo é lesado, ocorre uma vasoconstrição acentuada.

Leia mais

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe!

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! Aula: 21 Temática: Funções bioquímicas das proteínas parte III Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! 1) Função Estrutural (Arquitetônica): Os materiais

Leia mais

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia

Cap. 4: Componentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais. Equipe de Biologia ap. 4: omponentes orgânicos celulares As moléculas multifuncionais Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias orgânicas arboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos

Leia mais

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização Patologia Geral Regeneração e Cicatrização Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Reparo de lesões Reparo é o processo de cura de lesões teciduais e pode

Leia mais

EYELISS Aqua (Water) (and) Glycerin (and) Hesperidin (and) Methyl Chalcone (and) Steareth-20 (and) Dipeptide - 2 (and) Palmitoyl Tetrapeptide-7

EYELISS Aqua (Water) (and) Glycerin (and) Hesperidin (and) Methyl Chalcone (and) Steareth-20 (and) Dipeptide - 2 (and) Palmitoyl Tetrapeptide-7 EYELISS Aqua (Water) (and) Glycerin (and) Hesperidin (and) Methyl Chalcone (and) Steareth-20 (and) Dipeptide - 2 (and) Palmitoyl Tetrapeptide-7 O TRATAMENTO COMPLETO PARA BOLSAS PERIOCULARES MELHORA COMPROVADA

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular.

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. 19 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Hemostasia Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. Deve-se inibir a trombose fora do local da lesão vascular. Hemostasia é o

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008 ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ Mestrado integrado em Medicina FML 2008 Adaptações do organismo materno à gravidez Hematológicas Cardiovasculares Urinárias Respiratórias Digestivas Endócrinas Pele e

Leia mais

Anabela Sousa Figueiredo. Fatores de Adesão Plaquetária e Doença Cardiovascular

Anabela Sousa Figueiredo. Fatores de Adesão Plaquetária e Doença Cardiovascular Anabela Sousa Figueiredo Fatores de Adesão Plaquetária e Doença Cardiovascular Universidade Fernando Pessoa Porto, 2012 Anabela Sousa Figueiredo Fatores de Adesão Plaquetária e Doença Cardiovascular Universidade

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese;

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; Plaquetas Thais Schwarz Gaggini Médica Veterinária, Msc., Dra. CONTEÚDOS DE AULA 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; 4) Hemostasia; 5) Alterações da hemostasia; 1) CARACTERÍSTICAS

Leia mais

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO E TRANSPORTE SARSTEDT OBTENÇÃO DA AMOSTRA O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável a proteção pessoal FECHADO VERSÁTIL SEGURO RISCOS: RISCOS: EFEITO AEROSSOL

Leia mais

A) Provas da hemostasia primária. B) Provas da hemostasia secundária. 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia

A) Provas da hemostasia primária. B) Provas da hemostasia secundária. 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia 01 de Maio de 2009. Distúrbios da Hemostasia Hemostasia primãria Visa parar o sangramento e se faz através das plaquetas. Pode haver doenças hereditárias e adquiridas na hemostasia primária. Hemostasia

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA [Study of blood coagulation cascade and the reference values] Maria Marília Leite Carlos 1,*, Polyanna Dantas Fernandes de Sousa Freitas

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º10 /2014 - CESAU Salvador, 27 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: xxx Promotoria da Justiça de Brumado/Dispensação

Leia mais

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria Dayse M Lourenço Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica Do coagulograma convencional a tromboelastometria Consultoria científica: Bayer Glaxo Smith Kline UNIFESP Escola

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

SAO DUAS FACES DA MESMA MOEDA

SAO DUAS FACES DA MESMA MOEDA HEMOSTASIA: conjunto de mecanismos que induzem a parada da perda sanguinea quando da lesão de um vaso sanguineo. TROMBOSE: processo patológico em que as plaquetas agregam e/ou um coágulo de fibrina oclue

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Faculdade de Medicina Veterinária

Faculdade de Medicina Veterinária UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA IDADE NA COAGULAÇÃO: UTILIZAÇÃO DA TROMBOELASTOMETRIA NO CÃO VIRGÍNIA ANTUNES CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutor José Henrique

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA Disciplina LCV UESP Araçatuba Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini MEGACARIOPOESE IL-3; IL-6; G-CSF; GM-CSF HEMOSTASIA Vaso + Plaquetas + Fatores de Coagulação Fibrinogênio

Leia mais