HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA"

Transcrição

1 Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Davi Matthews Jucá Hemostasia Hemostasia: (Do gr. Haimostasis) Ação ou efeito de estancar uma hemorragia (Aurélio Sec XXI, v. 3.0) Prevenção da perda de sangue (Guyton) Mecanismos da hemostasia: 1) Espasmo vascular 2) Formação de tampão plaquetário 3) Formação de coágulo sanguíneo neo 4) Crescimento de tecido fibroso 5) Fibrinólise 1

2 Hemostasia Constrição vascular Espasmo miogênico local Reflexos nervosos (dor) Fatores humorais locais Vasos de menor calibre plaquetas ( TXA( 2 ) fluxo sanguíneo neo local Trauma - Espasmo 2

3 Características Físicas F e Químicas das Plaquetas Plaquetas Trombócitos (thrombus = coágulo) Discos dimutos, de forma redonda ou oval, com diâmetro de 1µm a 4µm Formadas na medula óssea (megacariócitos) a p/µl Não possuem núcleo e não podem se reproduzir Meia-vida = 8 a 12 dias Remoção por macrófagos teciduais (Baço 50%) 3

4 Características Físicas F e Químicas das Plaquetas Plaquetas Citoplasma 1. Actina, miosina e trombostenina 2. Resíduos do retículo endoplasmático (Ca 2+ ) e do aparelho de Golgi (enzimas) 3. Mitocôndrias e sistemas enzimáticos (ATP e ADP) 4. Produção de Prostaglandinas e hormônios locais 5. Fator estabilizador da fibrina 6. Fator de crescimento Membrana celular: Glicoproteínas (aderência ao endotélio lesado e colágeno) Fosfolipídeos Fonte: 4

5 Mecanismo do Tampão Plaquetário Plaquetas Contato com superfície negativa (colágeno) Aderência ao colágeno e ao fator de von Willebrand (GPIb/IX) volume Contração Pseudópodos Liberação de grânulos ADP, ATP, 5-HT, 5 Ca 2+, TXA 2, FvW, Trombospondina GPIIb/IIIa IIIa - Fibrinogênio Tampão Plaquetário Coágulo Sanguíneo neo 5

6 A colorized scanning electron micrograph of a blood clot formed in vitro. The green strands are fibrin, the purple clusters are adherent platelets, and the red objects are trapped red blood cells. Cover image, Nature, October 4, Image by Yuri Veklich and John W. Weisel, University of Pennsylvania. See also Levy, G.G., Nichols, W.C., Lian, E.C., Foroud, T., McClintick, J.N., McGee, B.M., Yang, A.Y., Siemieniak, D.R., Stark, K.R., Gruppo, R., Sarode, R., Shurin, S.B., Chandrasekaran, V., Stabler, S.P., Sabio, H., Bouhassira, E.E., Upshaw, J.D., Jr., Ginsburg, D., and Tsai, H.M Nature 413:

7 Coagulação sanguí Início - 15 a 20 (trauma intenso) / 1 a 2 2 (trauma leve) Substâncias ativadoras: Originadas da parede vascular Plaquetas Proteínas sanguís s 3 a 6 6 (lesão pequena) coágulo 20 a 1 hora coágulo com retração Coágulo Invasão por fibroblastos (fator de crescimento/plaquetas) Coágulo tecido fibroso (1 a 2 semanas) Dissolver-se se Coagulação sanguí Precisa de fatores de coagulação Íons cálcio (EDTA) 11 proteínas diferentes, a maioria sintetizada no fígado São proenzimas (enzimas inativas) que quando ativadas catalisam reações essenciais no processo de coagulação. A síntese de algumas delas depende de Vit. K Nomenclatura (Ex.: Fator Xa) Durante a coagulação, enzimas e proenzimas interagem. A ativação de uma proenzima cria uma enzima que ativa outra proenzima, criando uma reação em cascata. 7

8 Coagulação sanguí Endotélio vascular Pró-tromb trombóticosticos Fator de von Willebrand Fator tecidual Inibidor do ativador do plasminogênio I (PAI( PAI-1) Angiotensina IV Antitrombóticas ticas Sulfato de heparan Prostaciclina (PGI 2 ) Óxido Nítrico N (NO) Adenosina (ADP( ADP) Ativador do plasminogênio tecidual Trombomodulina (Proteína C / Vitamina K) 8

9 Mecanismo da Coagulação Sanguí Teoria BásicaB 50 substâncias que afetam a coagulação sanguí Pró-coagulantes Anticoagulantes Pró Anti Pró Anti Mecanismo da Coagulação Sanguí Mecanismo Geral 1 Protrombina Ativador da Protrombina Ca 2+ 2 Trombina Trombina fator estabilizador da fibrina ativada Fibrinogênio 3 Fibras de Fibrina Monômero de Fibrinogênio Ca 2+ Fibras de fibrina com ligações cruzadas 9

10 Mecanismo da Coagulação Sanguí Conversão da Protrombina em Trombina Ativador da Protrombina (ruptura do vaso/subs subs.. Ativadoras especiais) [Ca 2+ ] Conversão do Fibrinogênio em Fibrina Trombina 10 a 15 Ativador da Protrombina - Fator limitante da velocidade da coagulação sanguí Mecanismo da Coagulação Sanguí Protrombina alfa 2 -globulina Da Plasma 15 mg/dl Proteína instável Clivada em Trombina Da Sintetizada no fígado f na presença a de Vitamina K 10

11 Mecanismo da Coagulação Sanguí Trombina Enzima com fraca capacidade proteolítica tica Remove 4 peptídios de baixo peso molecular do Fibrinogênio Ação Coagulante Agregação plaquetária Proliferação celular Contração do músculo m liso Mecanismo da Coagulação Sanguí Fibrinogênio Proteína de alto peso molecular ( Da) Plasma 100 a 700 mg/dl Sintetizada no FígadoF Monômero de fibrina Longas fibras de fibrina (retículo do coágulo) Ligação fraca Coágulo frágil (frouxo) Fator estabilizador da fibrina (ativada pela Trombina) Ligações covalentes Força a tridimensional da rede de fibrina 11

12 Mecanismo da Coagulação Sanguí Coágulo sanguíneo neo Redes de fibrina (glóbulos sanguíneos/plaquetas/plasma) neos/plaquetas/plasma) Aderência à superfície lesada do vaso sanguíneo neo Retração do coágulo Soro expelido em 20 a 60 Plaquetas Tracionamento do tecido adjacente oclusão da lesão vascular Mecanismo da Coagulação Sanguí Feedback positivo Trombina Protrombina Fatores VIII, IX, X, XI e XII 12

13 Mecanismo da Coagulação Sanguí Início da coagulação 1. Traumatismo da parede vascular e dos tecidos adjacentes 2. Contato do sangue com células c endoteliais lesadas, ou com colágeno e outros elementos teciduais externos Formação do ativador da protrombina 1. Via extrínseca 2. Via intrínseca nseca Fatores de coagulação Fator I Fator II Fator III Fator IV Fator V Fator VI Fator VII Fator VIII Fator IX Fator X Fator XI Fator XII Fator XIII Pré-calicreína Plaquetas Fatores Que Participam Da Coagulação Do Sangue Cininogênio de alto peso molecular Fibrinogênio Protrombina Tromboplastina tecidual; Fator tecidual Cálcio Pró-acelerina; fator lábil Acelerina (participação duvidosa) Acelerador sérico da conversão de protrombina (SPCA); Pró-convertina; fator estável Fator anti-hemofílico (AHF); globulina anti-hemofílica (AHG); fator A anti-hemofílico Componente tromboplastínico plasmático (PTC); fator Christmas; fator B anti-hemofílico Fator Stuart; fator Stuart-Prower Antecedente de tromboplastina plasmática (PTA); fator C anti-hemofílico Fator Hageman Fator estabilizador da fibrina Fator Fletcher Fator Fitzgerald; HMWK 13

14 Mecanismo da Coagulação Sanguí Via extrínseca Início - contato do sangue com a parede vascular ou com tecidos extravasculares traumatizados Depende de um fator não-circulante Etapas: 1. Liberação do fator tecidual (tromboplastina( tecidual) 2. Ativação do fator X 3. Formação do ativador da protrombina 15 - Explosiva Traumatismo tecidual 1 Fator tecidual VII VIIa X 2 X ativado Ca 2+ Fosfolipídeos plaquetários 3 Ativador da protrombina Ca 2+ V Protrombina Trombina Ca 2+ 14

15 Mecanismo da Coagulação Sanguí Via intrínseca nseca Início injúria tecidual ou contato com colágeno Depende de um fator circulante Etapas: 1. Ativação do fator XII 2. Ativação do fator XI 3. Ativação do fator IX 4. Ativação do fator X 5. Formação do ativador da protrombina 1 a Lenta Injúria tecidual ou contato com colágeno 1 XII 2 XI XII ativado (cininogênio HMW, pré-calicreína) XI ativado 3 IX Ca 2+ IX ativado Trombina VIII Ca 2+ VIIIa X Fosfolipídios plaquetários 4 Fosfolipídeos plaquetários Protrombina X ativado V Trombina Ca 2+ 5 Ativador da protrombina Ca 2+ Trombina 15

16 Via Extrínseca Via Intrínseca Fator Tecidual VIIa PL Ca ++ Lesão Tecidual X LMWHs - Hirudina II Protrombina VIIIa PL Ca++ Xa Heparina + AT III IXa + Va PL Ca IIa Trombina XIa - IX XIII XIIIa Ca++ Contato (vidro p. ex.) XIIa XI XII Plaquetas Fibrinogênio Fibrina Fibrina estabilizada + 16

17 17

18 Mecanismo da Coagulação Sanguí Anticoagulantes intravasculares Fatores endoteliais superficiais 1. Textura lisa 2. Camada de glicocálice lice 3. Trombomodulina Se liga à trombina Ativação da proteína C (inativa fatores Va e VIIIa) 18

19 Mecanismo da Coagulação Sanguí Anticoagulantes intravasculares Fibras de fibrina - adsorção da trombina Antitrombina III (co-fator antitrombina-heparina heparina) Heparina + Antitrombina III (trombina/xiia XIIa/XIa/IXa/Xa) Inibidor α1-protease - principal inibidor do fator XIa Mecanismo da Coagulação Sanguí Lise dos coágulos Plasminogênio (profibrinolisina) Plasmina (fibrinolisina) Plasmina (fibrina/fibrinogênio/v/viii/protrombina protrombina/xii) Ativador do plasminogênio tecidual (t-pa( PA) os tecidos e o endotélio vascular lesados liberam lentamente (1 dia ou mais) 19

20 Agentes fibrinolíticos Ativador do plasminogênio tecidual (t-pa)( Ativador do plasminogênio tipo uroquinase (u-pa) Plasmina Digere fibrina / fibrinogênio / Fator II / Fator VII / Fator VIII etc. Estreptoquinase Da Estreptococos β-hemolíticos 20

21 21

22 A model for physiological fibrinolysis VIIth International Congress on Thrombosis and Haemostasis (London 1979) 22

23 Vitamina K (Koagulation - alemão) 1. Vitamina K Protrombina Fator VII Fator IX Fator X Proteína C K 1 (fitomenadiona)) vegetais K 2 (menaquinonas)) sintetizada por bactérias do TGI K 3 (menadione)) sintético tico Vit.. K 1 e K 2 requerem sais biliares para serem absorvidas 23

24 Obrigado. 24

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Hemostasia A hemostasia compreende as interações que ocorrem

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP DISTÚRBIOS RELACIONADOS ÀS HEMÁCEAS CASO 1: Paciente portador de úlcera péptica Diagnóstico: Anemia

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA 1- Componente Vascular Endotélio íntegro: impede a adesão das plaquetas Lesão Vascular: Vasoconstrição mediada por via reflexa (reduz o fluxo

Leia mais

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários COAGULAÇÃO SANGUÍNEA A coagulação sanguínea trata-se de uma serie de castas enzimáticas que vão se ativando gradativamente e aumentando os fatores

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular.

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. 19 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Hemostasia Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. Deve-se inibir a trombose fora do local da lesão vascular. Hemostasia é o

Leia mais

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue.

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue. Hemostasia A hemostasia é a manutenção da homeostasia do sistema sanguíneo. Isso consiste na interrupção fisiológica de hemorragias, evitando perdas de sangue e lesões vasculares, e também na manutenção

Leia mais

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

Trombocitopenia induzida pela heparina

Trombocitopenia induzida pela heparina Trombocitopenia induzida pela heparina Novembro 2012 ULSM Hospital Pedro Hispano, Matosinhos Distinguir Terapêutica curta duração: Profilática Emergência Heparina via parentérica Heparinas baixo peso molecular

Leia mais

Distúrbios da Coagulação

Distúrbios da Coagulação Distúrbios da Coagulação Hemofilias HEMOFILIAS Doenças hemorrágicas resultantes da deficiência quantitativa e/ou qualitativa do fator VIII ou fator IX da coagulação Genética (cromossomo X) / adquirida

Leia mais

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS Alguns pacientes são propensos a ter hipercoagulabilidade, ou seja, formar trombos de forma patológica. São pacientes que normalmente apresentam doenças

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS O sangue é o único tecido conjuntivo líquido do copo; Funções: + Transporte (O 2, CO 2, nutrientes, resíduos, hormônios); + Regulação (ph, temperatura,

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS Denomina-se hematopoiese o processo de formação dos elementos figurados do sangue; A hematopoiese antes do nascimento ocorre no saco vitelínico do embrião

Leia mais

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA HEMOSTASIA A hemostasia compreende as interações que ocorrem entre os vasos sanguíneos, as plaquetas e os fatores de coagulação, a fim de que após algum dano vascular o sangue não seja perdido para fora

Leia mais

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão HEMOSTASIA HEMOSTASIA é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão Fatores envolvidos -vasos sanguíneos -plaquetas -fatores prócoagulantes plásmaticos -agentes

Leia mais

Avaliação da Hemostasia

Avaliação da Hemostasia Avaliação da Hemostasia Plaquetas Produção : medula óssea Megacariócito plaquetas circulantes Remoção: baço, medula óssea e fígado Meia vida das plaquetas 5 a 6 dias Plaquetas - Funções Hemostasia e trombose

Leia mais

Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG

Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG addamasceno@vet.ufg.br INTRODUÇÃO CONCEITO Evento fisiológico responsável pela fluidez

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA HEMOSTASIA E EAMES CORRELACIONADOS HEMOSTASIA E EAMES RELACIONADOS Hemostasia Sistema vascular Sistema plaquetário Coagulação Sanguinea Sistema fibrinolítico Exames rotineiros que avaliam a hemostasia

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA Disciplina LCV UESP Araçatuba Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini MEGACARIOPOESE IL-3; IL-6; G-CSF; GM-CSF HEMOSTASIA Vaso + Plaquetas + Fatores de Coagulação Fibrinogênio

Leia mais

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue 1 Objetivos da aula Sangue e hemostasia Conhecer os componentes do sangue e suas principais funções; Entender os processos de trocas gasosas no sangue; Diego Wilke Compreender os mecanismos de prevenção

Leia mais

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA [Study of blood coagulation cascade and the reference values] Maria Marília Leite Carlos 1,*, Polyanna Dantas Fernandes de Sousa Freitas

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório / Inespecífico Sistema Imune Antígeno Específico: Antecipatório Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório /

Leia mais

MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA

MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA Cascavel 2003 MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO

Leia mais

Sangue. Características. Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior que água;

Sangue. Características. Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior que água; Sangue Características Tecido conjuntivo; Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; Quantidade varia dependente do tamanho do corpo, sexo e idade (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Aspectos Importantes da Coagulação São três os fatores importantes para coagulação: Parede do vaso Atividade plaquetária Fatores

Leia mais

METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1

METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1 METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1 1. O que são plaquetas As plaquetas, também conhecidas como trombócitos, são pequenos fragmentos citoplasmáticos anucleados dos megacariócitos, com várias organelas citosólicas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE VetinLab ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE PADRONIZAÇÃO DE TUBOS E COLETORES Como os resultados obtidos pelo laboratório são, em boa parte, consequência da qualidade das amostras

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 1ª AULA PRÁTICA 1. Composição

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos 1 UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos HIPEREMIA E CONGESTÃO Definição: hiperemia e congestão se referem ao aumento de volume de sangue em um tecido deixando os vasos sangüíneos (capilares)

Leia mais

Aula: Histologia II. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos.

Aula: Histologia II. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos. PROFESSORA: Brenda Braga DATA: 10/04/2014 7. Tecidos Conjuntivos de Transporte 7.1. Sangue Centrifugação 55 % Plasma 45 % Elementos figurados

Leia mais

Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas.

Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas. TECIDO CONJUNTIVO Apresenta abundante material intersticial (matriz intersticial) e células afastadas. A matriz intersticial apresenta: substância fundamental amorfa. fibras proteicas. Os principais tipos

Leia mais

SANGUE Funções (transporte):

SANGUE Funções (transporte): Funções (transporte): Nutrientes Produtos do metabolismo Metábolitos Hormônios e outras moléculas sinalizadoras Eletrólitos Funções (transporte): Células diapedese tecidos diapedese microorganismo diapedese

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia. O Músculo Estriado Esquelético Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina de Fisiologia O Músculo Estriado Esquelético Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Tecido Conjuntivo de Transporte

Tecido Conjuntivo de Transporte Tecido Conjuntivo de Transporte Prof. a Sara Tatiana Moreira, Ph.D. UTFPR Campus Santa Helena 1 Elástico 1 Tecido Sanguíneo O sangue está contido em um compartimento fechado - aparelho circulatório - que

Leia mais

ALTERAÇÕES NO FENÔMENO DA COAGULAÇÃO NA VIGÊNCIA DO MASTOCITOMA CUTÂNEO EM CÃES

ALTERAÇÕES NO FENÔMENO DA COAGULAÇÃO NA VIGÊNCIA DO MASTOCITOMA CUTÂNEO EM CÃES UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL ALTERAÇÕES NO FENÔMENO DA COAGULAÇÃO NA VIGÊNCIA DO MASTOCITOMA CUTÂNEO EM CÃES

Leia mais

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES Rassan Dyego Romão Silva, Antonio Jose Dias Martins e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO...

TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO... TECIDO MUSCULAR CONTINUAÇÃO... MÚSCULO CARDÍACO Células alongadas e ramificadas Se prendem por meio de junções intercelulares complexas Estriações transversais Um ou dois núcleos centralmente Circundadas

Leia mais

Histologia Básica. Prof. Mateus Grangeiro

Histologia Básica. Prof. Mateus Grangeiro Histologia Básica Prof. Mateus Grangeiro TECIDO CONJUNTIVO CARACTERÍSTICAS GERAIS Constituído por diferentes tipos celulares; Grande quantidade de material extracelular; Ricamente vascularizado; Origem

Leia mais

PROJET O SANGUE PROFº ME. FERNANDO BELAN DAT A CLIENT E BIOLOGIA MAIS

PROJET O SANGUE PROFº ME. FERNANDO BELAN DAT A CLIENT E BIOLOGIA MAIS PROJET O SANGUE PROFº ME. FERNANDO BELAN DAT A 2016 CLIENT E BIOLOGIA MAIS Função Leva O2 e nutrientes para todas as células; Retra CO2 e excretas. Transporta hormônios; Proteção contra invasores (leucócitos)

Leia mais

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade HEMORRAGIA Saída de sangue do interior dos vasos para o interstício, cavidades ou exterior do organismo HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

Leia mais

O sangue e seus constituintes. Juliana Aquino. O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano

O sangue e seus constituintes. Juliana Aquino. O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano O sangue e seus constituintes Juliana Aquino O sangue executa tantas funções que, sem ele, de nada valeria a complexa organização do corpo humano O sangue e seus constituintes É através da circulação sanguínea

Leia mais

FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO, ANTICOAGULAÇÃO E FIBRINÓLISE

FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO, ANTICOAGULAÇÃO E FIBRINÓLISE Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: HEMOSTASIA E TROMBOSE 34: 229-237, jul./dez. 2001 Capítulo I FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO, ANTICOAGULAÇÃO E FIBRINÓLISE OVERVIEW OF COAGULATION, ANTICOAGULATION AND FIBRINOLYSIS

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Disciplina de Fisiologia Veterinária CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Mecanismos de Controle da Pressão Arterial Mecanismos Locais Mecanismos Neurais Mecanismos Humorais

Leia mais

Professora Sandra Nunes

Professora Sandra Nunes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO Parte II Glóbulos Brancos Professora Sandra Nunes Leucócitos = glóbulos brancos Localização: (Sangue, linfa, órgãos linfóides e vários tecidos conjuntivos) Origem: Medula

Leia mais

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo celular I celular I Objetivo Conhecer os aspectos relacionados a manutenção da homeostasia e sinalização celular Conteúdo Ambiente interno da célula Os meios de comunicação e sinalização As bases moleculares

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Faculdade de Medicina Veterinária

Faculdade de Medicina Veterinária UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA IDADE NA COAGULAÇÃO: UTILIZAÇÃO DA TROMBOELASTOMETRIA NO CÃO VIRGÍNIA ANTUNES CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutor José Henrique

Leia mais

Faculdade de Medicina. Bioquímica I

Faculdade de Medicina. Bioquímica I Faculdade de Medicina Bioquímica I Aprofundar conhecimentos acerca da composição química do sangue Determinar o Hematócrito INTRODUÇÃO O sangue é constituído por plasma e células sanguíneas, de entre as

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A INFLUÊNCIA DOS ANTICONCEPCIONAIS ORAIS NA HEMOSTASIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

TECIDO EPITELIAL HISTOLOGIA ANIMAL

TECIDO EPITELIAL HISTOLOGIA ANIMAL HISTOLOGIA Histologia é a parte da Biologia que estuda os tecidos. Tecidos são agrupamentos de células semelhantes e/ou que possuem função semelhante, tomadas em conjunto com a substância intercelular.

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Letícia Lotufo. Estrutura. Função. Fonte: Malvin et al., Concepts in humam Physiology CONTRAÇÃO MUSCULAR Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Letícia Lotufo Discos Intercalares Músculo Tipos de músculo Estrutura Função Esquelético Cardíaco Liso Célula cilíndrica

Leia mais

Hematopoese. Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone

Hematopoese. Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone Hematopoese Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Sangue Tecido fluido circulante, formado por uma fase sólida de células diferenciadas e por uma fase líquida denominada

Leia mais

Regulação Endócrina do metabolismo do cálcio e do fosfato

Regulação Endócrina do metabolismo do cálcio e do fosfato Regulação Endócrina do metabolismo do cálcio e do fosfato Profa. Letícia Lotufo Distribuição de cálcio Intracelular: 10-7 M Livre: 0,2 mg Pode aumentar de 10 a 100x Potencial de ação Contração Motilidade

Leia mais

Distúrbios Circulatórios. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva

Distúrbios Circulatórios. Profa. Dra. Enny Fernandes Silva Distúrbios Circulatórios Profa. Dra. Enny Fernandes Silva Ciclo cardíaco células-coração-pulmão Diástole: o coração se enche de sangue Sístole: contração cada ventrículo (70 ml) 72 batidas por minuto

Leia mais

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Histologia Ramo da Biologia que estuda os tecidos; Tecido - é um conjunto de células, separadas ou não por substâncias intercelulares e que realizam determinada

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Cristiano Ricardo Jesse

Tecido Conjuntivo. Prof Cristiano Ricardo Jesse Tecido Conjuntivo Prof Cristiano Ricardo Jesse Tecido conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Conjunto de moléculas Conecta e liga as células e órgãos Suporte ao corpo Tecido conjuntivo

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Constituintes? - Matriz extracelular. - Substância Fundamental. - Células Residentes e Transitórias

TECIDO CONJUNTIVO. Constituintes? - Matriz extracelular. - Substância Fundamental. - Células Residentes e Transitórias TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO Constituintes? - Matriz extracelular - Substância Fundamental - Células Residentes e Transitórias Células do Tecido Conjuntivo 1. Residentes: estáveis, permanentes -

Leia mais

Histologia. Professora Deborah

Histologia. Professora Deborah Histologia Professora Deborah Histologia Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos É um conjunto de células que

Leia mais

Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo. Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016

Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo. Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016 Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016 Introdução Hematopoese Hemocitopoese Hemopoese Produção células sanguíneas Diferenciação e Maturação Renovação, Proliferação

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Conjuntivo

HISTOLOGIA. Tecido Conjuntivo HISTOLOGIA Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Constituição: Células Matriz Extracelular: Fibras colágenas, elásticas e reticulares Substância Fundamental Amorfa glicosaminoglicanas e proteínas Líquido

Leia mais

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto

Citoplasma. Citoesqueleto e organelas. Natália Paludetto Citoplasma Citoesqueleto e organelas Natália Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Citoplasma celular Sinônimos hialoplasma, matriz citoplasmática, citossol; Acreditava-se que era um fluido homogêneo e

Leia mais

Mª. Cristina Marques

Mª. Cristina Marques SANGUE E HEMOSTASE Mª. Cristina Marques SUMÁRIO SANGUE Funções Constituição: plasma e células Funções e componentes do plasma Células sanguíneas: Eritrócitos Origem,funções,eliminação Leucócitos Origem,funções,eliminação

Leia mais

Anexo 2. Chave de classificação. Célula-tronco hematopoética (CT-H)

Anexo 2. Chave de classificação. Célula-tronco hematopoética (CT-H) Anexo 2 Chave de classificação Célula-tronco hematopoética (CT-H) Principal característica: é uma célula-tronco multipotente, pois tem o potencial de gerar linhagens de células que darão origem aos diversos

Leia mais

SAÚDE & CIÊNCIA EM AÇÃO Revista Acadêmica do Instituto de Ciências da Saúde A ATUAL TEORIADACOAGULAÇÃO BASEADA EM SUPERFÍCIES CELULARES

SAÚDE & CIÊNCIA EM AÇÃO Revista Acadêmica do Instituto de Ciências da Saúde A ATUAL TEORIADACOAGULAÇÃO BASEADA EM SUPERFÍCIES CELULARES 79 A ATUAL TEORIADACOAGULAÇÃO BASEADA EM SUPERFÍCIES CELULARES Rassan Dyego Romão Silva 1 Érico Meirelles de Melo 2 RESUMO: Embora o conceito da cascata da coagulação tenha representado um modelo bemsucedido

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas Membrana e Organelas Membrana e Organelas 1. As funções das células estão relacionadas com sua estrutura e com sua atividade metabólica. Apresenta-se abaixo uma tabela em que estão discriminadas, em porcentagens,

Leia mais

Introdução. Sangue. Tecido líquido Elementos figurados. Plasma. Glóbulos Sanguíneos. Matriz Extracelular. Glóbulos Vermelhos. Plasma.

Introdução. Sangue. Tecido líquido Elementos figurados. Plasma. Glóbulos Sanguíneos. Matriz Extracelular. Glóbulos Vermelhos. Plasma. Introdução Sangue Tecido líquido Elementos figurados Glóbulos Sanguíneos Plasma Matriz Extracelular Plasma Glóbulos Vermelhos Capilar Plaquetas Glóbulos Brancos http://www.sobiologia.com.br/conteudos/histologia/epitelio16.php

Leia mais

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA INTRODUÇÃO HEMOSTASIA É o processo pelo qual o sangue permanece líquido vascular, apesar das lesões que venham a sofrer. A fluidez do sangue depende da: Integridade do endotélio, Velocidade do fluxo sanguíneo,

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 14 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDOS ADIPOSO, HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 14 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDOS ADIPOSO, HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 14 HISTOLOGIA ANIMAL: TECIDOS ADIPOSO, HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO Célula mesenquimatosa indiferenciada Núcleo Lipoblasto Mitocôndria gotas de gordura as gotas de gordura coalescem

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2014 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

Eletrofisiologia 13/03/2012. Canais Iônicos. Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons

Eletrofisiologia 13/03/2012. Canais Iônicos. Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons Eletrofisiologia Proteínas Integrais: abertas permitem a passagem de íons Seletividade Alguns íons podem passar outros não Tamanho do canal Distribuição de cargas Aberto ou fechado Proteínas Integrais:

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Sistema Circulatório Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO SISTEMA VASCULAR LINFÁTICO SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO Esse sistema transporta

Leia mais

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases)

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Sinalização celular Importância dos processos de sinalização Seres unicelulares Seres multicelulares Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Receptores Proteínas -

Leia mais

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone e crônica Profa Alessandra Barone Inflamação Inflamação Resposta do sistema imune frente a infecções e lesões teciduais através do recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas com o objetivo de neutralização,

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades. Conteúdo. 2ª Etapa 2012

Recursos para Estudo / Atividades. Conteúdo. 2ª Etapa 2012 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS

I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS Alterações Hematológicas Anatomia. Circulação. Distribuição. Função. Adaptação x Disfunção. Alterações Hematológicas

Leia mais

Fármacos que actuam no aparelho cardiocirculatório

Fármacos que actuam no aparelho cardiocirculatório Fármacos que actuam no aparelho cardiocirculatório Dislipidémias Fibratos Estatinas Ácido nicotínico Resinas de troca iónica Ezetimibe Lipoproteínas Transportadoras de triglicéridos e colesterol no plasma

Leia mais

Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC

Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC Fisiologia Aula 1 SIDNEY SATO, MSC Fisiologia-Curso de Nutrição Carga Horária: 80 Horas Referência Básica: GUYTON, Arthur C. HALL, John E. Tratado de fisiologia médica. 11 ed. Rio de Janeiro: Elsevier

Leia mais

LUDMILA RODRIGUES MOROZ. Avaliação de parâmetros hemostáticos em cães de diferentes categorias de risco anestésico no período peri-operatório

LUDMILA RODRIGUES MOROZ. Avaliação de parâmetros hemostáticos em cães de diferentes categorias de risco anestésico no período peri-operatório LUDMILA RODRIGUES MOROZ Avaliação de parâmetros hemostáticos em cães de diferentes categorias de risco anestésico no período peri-operatório São Paulo 2008 LUDMILA RODRIGUES MOROZ Avaliação de parâmetros

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014 INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA Hye Chung Kang, 2014 HEMOSTASIA Dividida em fases para fins de compreensão; Funciona bem para plaquetas; Funciona bem para fatores de coagulação; Ainda há

Leia mais

Filtração Glomerular

Filtração Glomerular Filtração Glomerular Profa. Jennifer Lowe O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. 1 O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA Adaptação Ponto de vista evolutivo Exemplos: gado Zebu X gado europeu Aclimatação Alteração fisiológica, bioquímica ou anatômica a partir

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO - SIMPLES X ESTRATIFICADO - FORMATO DAS CÉLULAS. células cúbicas. células prismáticas

CLASSIFICAÇÃO DOS EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO - SIMPLES X ESTRATIFICADO - FORMATO DAS CÉLULAS. células cúbicas. células prismáticas HISTOLOGIA ANIMAL Histologia é a parte da Biologia que estuda os tecidos. Tecidos são agrupamentos de células semelhantes e/ou que possuem função semelhante, tomadas em conjunto com a substância intercelular.

Leia mais

Vinícius Reis Batista Acadêmico do 4 período de Medicina Orientador: Wanderson Tassi

Vinícius Reis Batista Acadêmico do 4 período de Medicina Orientador: Wanderson Tassi Vinícius Reis Batista Acadêmico do 4 período de Medicina Orientador: Wanderson Tassi O fígado É o maior órgão interno do corpo humano; 2,5 a 4,5% da massa corporal total do corpo com um peso médio de

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

TECIDO MUSCULAR (parte 2)

TECIDO MUSCULAR (parte 2) TECIDO MUSCULAR (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br TIPO: MÚSCULO CARDÍACO Músculo Cardíaco Características

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais INFLAMAÇÃO Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais Para quê serve? A INFLAMAÇÃO é uma resposta do tecido à lesão, ela procura conter e isolar a lesão e preparar

Leia mais