HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão"

Transcrição

1 HEMOSTASIA

2 HEMOSTASIA é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão Fatores envolvidos -vasos sanguíneos -plaquetas -fatores prócoagulantes plásmaticos -agentes fibrinolíticos

3 TRÍADE DA HEMOSTASIA HEMORRAGIA TROMBOSE HEMOSTASIA PLAQUETAS

4 VASOS SANGUÍNEOS Função anticoagulante endotélio íntegro Função coagulante lesão endotelial

5 VASOS SANGUÍNEOS Função anticoagulante: Produção de prostaciclinas (antiagregante plaquetário, vasodilatador) Produção de TPA (ativador tecidual do plasminogênio fibrinólise) Sítios de ligação: - Heparan sulfato (GAG) + Antitrombina III inibe trombina, IX e X - Trombomodulina + Trombina Proteina C e Proteina S inibe V ativa e VIII

6 VASOS SANGUÍNEOS Função Coagulante: Síntese de colágeno e fibronectina (ativação de plaquetas e f. Plasmáticos prócoagulantes) Síntese do Fator de Von Willebrand (adesão plaquetária após lesão vascular)

7 PLAQUETAS Fragmentos celulares anucleados 2 a 4 u de diâmetro Vida média: 7-10 dias Cada megacariócito pode formar 2-3 mil plaquetas 2/3 circulantes 1/3 sequestradas pelo baço

8 ESTRUTURA PLAQUETÁRIA Zona periférica: membrana revestida pelo glicocálix / Ag ABO, GPs (Ib adesão / IIbIIIa agragação) / Fatores V e VIII Zona sol-gel: citoesqueleto da plaqueta (forma discoíde) Zona de organelas: grânulos

9 Fosfolipídeo plaquetário PLAQUETAS -ESTRUTURA Grânulo denso Glicogênio Glicocálix (GPs, Ags) Membrana plasmática Grânulo-a Sistema canicular aberto Mitocôndria Sistema tubular denso Filamentos submenbranosos (proteína plaquetária contrátil)

10 PLAQUETAS Origem: Megacarioblasto megacariócito plaqueta Função: Hemostasia adesão ao endotélio lesado (GP Ib) formação de agregado plaquetário (GP IIbIIIa) degranulação Participa da coagulação sanguínea manutenção da integridade endotelial

11 ADESÃO PLAQUETÁRIA ADP é liberada ativando e modificando a morfologia plaquetária. Essas são ativadas e passam a emitir espículos agregando-se entre si através de pontes entre GPIIbIIIa e fibrinogênio fibronectina.

12 AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Ocorre com a liberação do conteúdo granular -> induz a ativação da GPIIbIIIa e actina/miosina, contribuindo para a retração do coágulode fibrina Liberação de fosfolípide ativa via intrínseca da coagulação (IX, X e II)

13 ETAPAS DA HEMOSTASIA LESÃO ENDOTELIAL (EXPOSIÇÃO DO COLÁGENO E FVW) ADESÃO PLAQUETÁRIA (GPIb + FVW) E ATIVAÇÃO (ADP, colágeno) AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA (GP IIb IIIa + fibrinogênio) E DEGRANULAÇÃO TROMBO PLAQUETÁRIO ATIVAÇÃO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA (F3plaq - fosfolípide) FORMAÇÃO DE FIBRINA COÁGULO ESTÁVEL REPARAÇÃO DO VASO SANGÜÍNEO LESADO ATIVAÇÃO DO SISTEMA FIBRINOLÍTICO RESTAURAÇÃO E RECANALIZAÇÃO DO VASO SANGÜÍNEO

14 HEMOSTASIA Agregação de plaquetas e requerimento de fatores de coagulação Parede do vaso lesada 3. Formação do plug hemostático 5. Sangue fluido, vaso recuperado 4. Fibrinólise

15 COAGULAÇÃO PLASMÁTICA Consiste em uma série de mecanismos bioquímicos com a finalidade de consolidar o tamponamento do vaso através da deposição de redes de fibrina. Também faz parte a fibrinólise (degrada fibrina e limita e extensão do trombo)

16 Fatores da coagulação Origem hepática (maioria) Serino proteases existentes no plasma sob a forma inativa Ativação em cascata F. contato : XII, XI F. Consumo II, V, VIII Cofatores: III, V, VIII

17 FATORES PLASMÁTICOS DA COAGULAÇÃO I FIBRINOGÊNIO II PROTROMBINA * III FATOR TISSULAR (TROMBOPLASTINA TECIDUAL) IV CÁLCIO V- PROACELERINA VII PROCONVERTINA* VIII ANTI HEMOFÍLICO A IX ANTIHEMOFÍLICO B* X STUAR POWER* XI ANTECEDENTE TROMBOPLÁSTICO DO PLASMA XII HAGEMAN XIII FATOR ESTABILIZADOR DA FIBRINA * Vit K dep

18 CASCATA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA V. INTRÍNSECA Fatores do plasma F. contato: ativado com cargas neg XII XIIa ativação Fator tecidual V. EXTRÍNSECA Tromboplastina ou FIII receptor FVII VII III Ca² VIIa XI IX XIa IXa X Xa X Transform. contato F 3 plaq, Ca² Protrombina Clivagem ativação ativação Trombina formação de complexo VIIIa ativação Va + Ca XIII Fibrinogênio XIIIa Fibrina Polimerização COÁGULO

19 TESTES LABORATORIAIS (PLAQUETAS) Contagem de plaquetas Tempo de sangramento (1 a 3 min)

20 Testes plasmáticos da coagulação (TP, TTPA, TT) Anticoagulante: citrato de sódio (9:1) Estabilidade da amostra: até 6hs Utilizar tubos plásticos ou siliconizados (tampa azul) Realizar controle interno diário (pool de plasmas normais)

HEMOSTASIA PRIMÁRIA. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes

HEMOSTASIA PRIMÁRIA. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes HEMOSTASIA PRIMÁRIA Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemostasia É o processo pelo qual o organismo mantém o sangue fluído dentro do compartimento vascular, sendo capaz

Leia mais

HEMOSTASIA SECUNDÁRIA. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

HEMOSTASIA SECUNDÁRIA. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br HEMOSTASIA SECUNDÁRIA Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemostasia primária Vasos sanguíneos Plaquetas Vasoconstrição Colágeno e fibronectina Produção de FvW Liberação

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA PRIMÁRIA Divisões da hemostasia primária alteração no calibre

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Hemostasia A hemostasia compreende as interações que ocorrem

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

Distúrbios da Coagulação

Distúrbios da Coagulação Distúrbios da Coagulação Hemofilias HEMOFILIAS Doenças hemorrágicas resultantes da deficiência quantitativa e/ou qualitativa do fator VIII ou fator IX da coagulação Genética (cromossomo X) / adquirida

Leia mais

ANÁLISES LABORATORIAIS DAS COAGULOPATIAS E TROMBOFILIAS

ANÁLISES LABORATORIAIS DAS COAGULOPATIAS E TROMBOFILIAS ANÁLISES LABORATORIAIS DAS COAGULOPATIAS E TROMBOFILIAS UM RETROSPECTO BÁSICO PROF.DR.PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto,SP 2014 OS PARTICIPANTES BÁSICOS DE HEMOSTASIA,

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA 1- Componente Vascular Endotélio íntegro: impede a adesão das plaquetas Lesão Vascular: Vasoconstrição mediada por via reflexa (reduz o fluxo

Leia mais

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural 2012.2 Thaizza Correia Princípios Gerais Limita a perda de sangue interações da parede vascular, plaquetas e proteínas plasmáticas

Leia mais

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP DISTÚRBIOS RELACIONADOS ÀS HEMÁCEAS CASO 1: Paciente portador de úlcera péptica Diagnóstico: Anemia

Leia mais

Sistema Circulatório: O Sangue

Sistema Circulatório: O Sangue Sistema Circulatório: O Sangue A composição do sangue Embora o sangue tenha uma aparência homogênea, se observado ao microscópio, logo se notará sua composição heterogênea. Isto significa que o sangue

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DISTÚRBIOS DA HEMOSTASIA EM CÃES E GATOS Autor: Magnus Larruscaim Dalmolin PORTO ALEGRE

Leia mais

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários COAGULAÇÃO SANGUÍNEA A coagulação sanguínea trata-se de uma serie de castas enzimáticas que vão se ativando gradativamente e aumentando os fatores

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA Disciplina LCV UESP Araçatuba Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini MEGACARIOPOESE IL-3; IL-6; G-CSF; GM-CSF HEMOSTASIA Vaso + Plaquetas + Fatores de Coagulação Fibrinogênio

Leia mais

Distúrbios Circulatórios. Classificação dos Trombos. Classificação dos Trombos. Etiopatogenia dos Trombos

Distúrbios Circulatórios. Classificação dos Trombos. Classificação dos Trombos. Etiopatogenia dos Trombos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DISTÚRBIOS CIRCULATÓRIOS TROMBOSE EMBOLIA ISQUEMIA INFARTO TROMBOSE gr. "Thrombos" = coágulo

Leia mais

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA HEMOSTASIA E EAMES CORRELACIONADOS HEMOSTASIA E EAMES RELACIONADOS Hemostasia Sistema vascular Sistema plaquetário Coagulação Sanguinea Sistema fibrinolítico Exames rotineiros que avaliam a hemostasia

Leia mais

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue.

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue. Hemostasia A hemostasia é a manutenção da homeostasia do sistema sanguíneo. Isso consiste na interrupção fisiológica de hemorragias, evitando perdas de sangue e lesões vasculares, e também na manutenção

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Davi Matthews Jucá Hemostasia Hemostasia: (Do gr. Haimostasis) Ação ou

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Data aprovação:11/11/14 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 ramal HC- 6077 - Ramal - 287 INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Contagem de Plaquetas (manual)

Leia mais

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular.

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. 19 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Hemostasia Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. Deve-se inibir a trombose fora do local da lesão vascular. Hemostasia é o

Leia mais

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS

ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS ANTICOAGULANTES, TROMBOLÍTICOS E ANTIPLAQUETÁRIOS Alguns pacientes são propensos a ter hipercoagulabilidade, ou seja, formar trombos de forma patológica. São pacientes que normalmente apresentam doenças

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR INDICAÇÕES PARA TRANSFUSÃO DE PLASMA FRESCO CONGELADO E CRIOPRECIPITADO Apoliano Albuquerque PLASMA FRESCO CONGELADO - PFC Consiste na

Leia mais

Trombocitopenia induzida pela heparina

Trombocitopenia induzida pela heparina Trombocitopenia induzida pela heparina Novembro 2012 ULSM Hospital Pedro Hispano, Matosinhos Distinguir Terapêutica curta duração: Profilática Emergência Heparina via parentérica Heparinas baixo peso molecular

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. 41º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica Medicina Laboratorial 4 a 7 de setembro de 2007 Mesa redonda Plaquetopatias e plaquetopenias AVALIAÇÃO

Leia mais

ANALICE MARQUES MOREIRA

ANALICE MARQUES MOREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E MEDICINA LEGAL MESTRADO EM PATOLOGIA ANALICE MARQUES MOREIRA INFLUÊNCIA DO FATOR V DE LEIDEN E DA MUTAÇÃO G20210A NO GENE

Leia mais

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Aspectos Importantes da Coagulação São três os fatores importantes para coagulação: Parede do vaso Atividade plaquetária Fatores

Leia mais

FUNÇÃO HEPÁTICA. Msc. Danielle Rachel

FUNÇÃO HEPÁTICA. Msc. Danielle Rachel FUNÇÃO HEPÁTICA Msc. Danielle Rachel 1 S FÍGADO 2 FUNÇÃO S Órgão de funções múltiplas e fundamentais para o funcionamento do organismo. Entre elas, destacam-se: ü Armazenamento de glicose: O glicogênio

Leia mais

Texto de apoio ao professor

Texto de apoio ao professor Texto de apoio ao professor T1 Introdução: O sistema cárdio-respiratório, é composto pelos sistemas circulatório e respiratório. Este permite que todas as células do corpo recebam os elementos necessários

Leia mais

TROMBOELASTOGRAFIA E CIRURGIA CARDÍACA

TROMBOELASTOGRAFIA E CIRURGIA CARDÍACA Dissertação apresentada ao Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa para obtenção do grau de mestre em Análises Clínicas e Saúde Pública, especialidade em Hematologia e Imunohemoterapia

Leia mais

Avaliação da Hemostasia

Avaliação da Hemostasia Avaliação da Hemostasia Plaquetas Produção : medula óssea Megacariócito plaquetas circulantes Remoção: baço, medula óssea e fígado Meia vida das plaquetas 5 a 6 dias Plaquetas - Funções Hemostasia e trombose

Leia mais

Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG

Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG addamasceno@vet.ufg.br INTRODUÇÃO CONCEITO Evento fisiológico responsável pela fluidez

Leia mais

A TERAPÊUTICA ANTICOAGULANTE 1 ANTICOAGULANT THERAPY

A TERAPÊUTICA ANTICOAGULANTE 1 ANTICOAGULANT THERAPY Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 275-295, 2015. Recebido em: 29.07.2015. Aprovado em: 06.10.2015. ISSN 2177-3335 RESUMO A TERAPÊUTICA ANTICOAGULANTE 1 ANTICOAGULANT

Leia mais

TOXSUL I Congresso Sul de Toxicologia Clínico Laboratorial ANÁLISES LABORATORIAIS NOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHNETOS

TOXSUL I Congresso Sul de Toxicologia Clínico Laboratorial ANÁLISES LABORATORIAIS NOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHNETOS TOXSUL I Congresso Sul de Toxicologia Clínico Laboratorial ANÁLISES LABORATORIAIS NOS ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHNETOS MD. Izabela Lucchese Gavioli CRM 19988 Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

SAO DUAS FACES DA MESMA MOEDA

SAO DUAS FACES DA MESMA MOEDA HEMOSTASIA: conjunto de mecanismos que induzem a parada da perda sanguinea quando da lesão de um vaso sanguineo. TROMBOSE: processo patológico em que as plaquetas agregam e/ou um coágulo de fibrina oclue

Leia mais

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese;

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; Plaquetas Thais Schwarz Gaggini Médica Veterinária, Msc., Dra. CONTEÚDOS DE AULA 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; 4) Hemostasia; 5) Alterações da hemostasia; 1) CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Trombose Hemostasia Hemorragia Fisiologia da coagulação Versteeg, 2013 Physiol

Leia mais

Efeitos dos Anestésicos Locais Sobre a Coagulação

Efeitos dos Anestésicos Locais Sobre a Coagulação CAPÍTULO 46 Efeitos dos Anestésicos Locais Sobre a Coagulação Leonardo Teixeira Domingues Duarte* Introdução Os anestésicos locais (AL), além de sua capacidade de bloquear canais de sódio, também exercem

Leia mais

PLAQUETAS TROMBÓCITOS

PLAQUETAS TROMBÓCITOS PLAQUETAS TROMBÓCITOS CBHPM 4.03.04.044-2* AMB 28.04.056-2 * excluído da 4ª edição Sinonímia: Trombócitos. Plaquetograma. Plaquetometria. Volume Plaquetário Médio. VPM. Mean Platelet Volume. MPV. Platelet

Leia mais

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA HEMOSTASIA A hemostasia compreende as interações que ocorrem entre os vasos sanguíneos, as plaquetas e os fatores de coagulação, a fim de que após algum dano vascular o sangue não seja perdido para fora

Leia mais

HEMOSTASIA E PROCEDIMENTOS ANTI-HEMORRÁGICOS. Jaboticabal, SP. Jaboticabal, SP. Jaboticabal, SP

HEMOSTASIA E PROCEDIMENTOS ANTI-HEMORRÁGICOS. Jaboticabal, SP. Jaboticabal, SP. Jaboticabal, SP HEMOSTASIA E PROCEDIMENTOS ANTI-HEMORRÁGICOS Tales Dias do Prado 1, Rejane Guerra Ribeiro 2, Adilson Donizeti Damasceno 3, Andrigo Braboza de Nardi 4 1 Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências

Leia mais

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE VetinLab ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE PADRONIZAÇÃO DE TUBOS E COLETORES Como os resultados obtidos pelo laboratório são, em boa parte, consequência da qualidade das amostras

Leia mais

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática.

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia Aula Teórico-Prática FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO Texto de Apoio Dr. Tiago Henriques Coelho Prof. Doutor Adelino Leite Moreira

Leia mais

Sangue Professor: Fernando Stuchi

Sangue Professor: Fernando Stuchi Zoologia e Histologia Animal Sangue Professor: Fernando Stuchi Sangue Em animais invertebrados o líquido circulante no interior do sistema cardiovascular é a hemolinfa. Nos vertebrados esse liquido é o

Leia mais

Hemotransfusões em Terapia Intensiva. Sidney Maciel dos Santos Rosa

Hemotransfusões em Terapia Intensiva. Sidney Maciel dos Santos Rosa Hemotransfusões em Terapia Intensiva Sidney Maciel dos Santos Rosa Em terapia intensiva Nº elevado de transfusões 50% 2-3 concentrados/ semana 0,2 a 0,4 concentrados de hemácias/dia Critérios empíricos

Leia mais

APTT Hemostasis Ref. 502

APTT Hemostasis Ref. 502 APTT Hemostasis Ref. 502 Princípio O reagente contendo ativador plasmático (ácido elágico) desencadeia o mecanismo de coagulação da via intrínseca através da ativação do fator XII (Hageman), que forma

Leia mais

Importância do Endotélio na Doença Arterial Coronária e na Aterogênese

Importância do Endotélio na Doença Arterial Coronária e na Aterogênese Atualização 255 Importância do Endotélio na Doença Arterial Coronária e na Aterogênese Michel Batlouni, José Antonio F. Ramires São Paulo, SP O endotélio vascular, camada monocelular que reveste a superfície

Leia mais

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES Rassan Dyego Romão Silva, Antonio Jose Dias Martins e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014 INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA Hye Chung Kang, 2014 HEMOSTASIA Dividida em fases para fins de compreensão; Funciona bem para plaquetas; Funciona bem para fatores de coagulação; Ainda há

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Agentes hematológicos 2 Agentes hematológicos são substâncias que atuam sobre o sangue. A Hemostasia corresponde ao processo dinâmico primorosamente regulado de

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

HEMOFILIAS E TROMBOSE. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes

HEMOFILIAS E TROMBOSE. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes HEMOFILIAS E TROMBOSE Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.probio.com.br Hemofilia Doença de origem genética caracterizada pela diminuição ou ausência de determinados fatores de coagulação

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA por Karen Macedo Orientadora: Mônica Mendes Caminha Murito Co-orientador: Valmir Laurentino Silva Dezembro de 2005

Leia mais

TÉCNICAS DE COAGULAÇÃO

TÉCNICAS DE COAGULAÇÃO S DE COAGULAÇÃO INTRODUÇÃO As provas de coagulação exigem cuidados de ordem técnica para que os resultados obtidos sejam os mais exatos e reprodutíveis possíveis: a) a lesão tecidual decorrente da punção

Leia mais

METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1

METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1 METABOLISMO DAS PLAQUETAS 1 1. O que são plaquetas As plaquetas, também conhecidas como trombócitos, são pequenos fragmentos citoplasmáticos anucleados dos megacariócitos, com várias organelas citosólicas

Leia mais

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA

ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA ESTUDO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E SEUS VALORES DE REFERÊNCIA [Study of blood coagulation cascade and the reference values] Maria Marília Leite Carlos 1,*, Polyanna Dantas Fernandes de Sousa Freitas

Leia mais

Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos 11/11/2012

Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos. Síntese de Ácidos Graxos 11/11/2012 Síntese e degradação de ácidos graxos e triglicerídeos O organismo animal tem capacidade de sintetizar os triglicerídeos basicamente a partir de acetilcoa. Também deve sintetizar fosfolipídeos e esfingolipídeos,

Leia mais

Substância activa: Sulodexida Cada cápsula mole de Vessel contém 250 LSU de Sulodexida

Substância activa: Sulodexida Cada cápsula mole de Vessel contém 250 LSU de Sulodexida Resumo das Características do Medicamento 1. Denominação do medicamento VESSEL 2. Composição qualitativa e quantitativa Substância activa: Sulodexida Cada cápsula mole de Vessel contém 250 LSU de Sulodexida

Leia mais

Ribossomos e síntese protéica

Ribossomos e síntese protéica Ribossomos e síntese protéica SÍNTESE PROTÉICA DNA Transcrição RNA Tradução T A U T A U C G C G C G C G C C G C T A U G C G G C G O código genético é DEGENERADO PROTEÍNA Phe Ala Trp MAQUINARIA GENÉTICA

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS O sangue é o único tecido conjuntivo líquido do copo; Funções: + Transporte (O 2, CO 2, nutrientes, resíduos, hormônios); + Regulação (ph, temperatura,

Leia mais

FACULDADE DE PATOS DE MINAS BIOMEDICINA CLARA LETÍCIA JUSTINO. HEMOFILIA: O diagnóstico em face da profilaxia em pacientes Hemofílicos

FACULDADE DE PATOS DE MINAS BIOMEDICINA CLARA LETÍCIA JUSTINO. HEMOFILIA: O diagnóstico em face da profilaxia em pacientes Hemofílicos FACULDADE DE PATOS DE MINAS BIOMEDICINA CLARA LETÍCIA JUSTINO HEMOFILIA: O diagnóstico em face da profilaxia em pacientes Hemofílicos PATOS DE MINAS - MG 2015 CLARA LETÍCIA JUSTINO HEMOFILIA: O diagnóstico

Leia mais

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos 1 UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos HIPEREMIA E CONGESTÃO Definição: hiperemia e congestão se referem ao aumento de volume de sangue em um tecido deixando os vasos sangüíneos (capilares)

Leia mais

TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA

TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 1ª AULA PRÁTICA 1. Composição

Leia mais

Glândulas. Paratireóides

Glândulas. Paratireóides Glândulas Paratireóides Paratôrmonio (PTH) Essencial para a vida Regulação da [Ca +2 ] plasmática. Baixa [Ca 2+ ] no plasma Células da Paratireóide Retroalimentação Negativa Hormônio da Paratireóide Controle

Leia mais

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue

Sangue e hemostasia. Objetivos da aula. Plano de aula. Diego Wilke. Componentes do sangue. Papel das hemácias nas trocas gasosas no sangue 1 Objetivos da aula Sangue e hemostasia Conhecer os componentes do sangue e suas principais funções; Entender os processos de trocas gasosas no sangue; Diego Wilke Compreender os mecanismos de prevenção

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA DEEP VENOUS THROMBOSIS

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA DEEP VENOUS THROMBOSIS CASO CLINICO/Clinical Report TROMBOSE VENOSA PROFUNDA DEEP VENOUS THROMBOSIS Ricardo Eugenio Varela Ayres de MELO 1 Claudia Orlando da SILVA 2 Luar de Oliveira SILVA 3 Milena Mello Varela Ayres de MELO

Leia mais

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Declaração de Conflito de Interesse Declaro que possuo

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - Prof. João Paulo. Tecido conjuntivo

Lista de exercícios de Biologia - Prof. João Paulo. Tecido conjuntivo Lista de exercícios de Biologia - Prof. João Paulo Tecido conjuntivo 01) (PUC-PR/2009) O tecido conjuntivo possui três tipos de fibras: colágenas, reticulares e elásticas. Com relação a elas, analise as

Leia mais

RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004.

RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004. RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA

Leia mais

CURSO DE HEMATOLOGIA E ONCOLOGIA ACADEMIA PARANAENSE DE MEDICINA TROMBOFILIA 02/03/2013. Dra. Vanda Sakae Assahide Ogasawara.

CURSO DE HEMATOLOGIA E ONCOLOGIA ACADEMIA PARANAENSE DE MEDICINA TROMBOFILIA 02/03/2013. Dra. Vanda Sakae Assahide Ogasawara. ACADEMIA PARANAENSE DE MEDICINA CURSO DE HEMATOLOGIA E ONCOLOGIA TROMBOFILIA 02/03/2013 Dra. Vanda Sakae Assahide Ogasawara vandaog@hotmail.com coagulação hemorragia trombose Hemostasia Primária Fonte:

Leia mais

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA

FUNÇÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS NA HEMOSTASIA INTRODUÇÃO HEMOSTASIA É o processo pelo qual o sangue permanece líquido vascular, apesar das lesões que venham a sofrer. A fluidez do sangue depende da: Integridade do endotélio, Velocidade do fluxo sanguíneo,

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS Denomina-se hematopoiese o processo de formação dos elementos figurados do sangue; A hematopoiese antes do nascimento ocorre no saco vitelínico do embrião

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Graduação em Odontologia Disciplina: Semiologia 3 o e 4 o Períodos EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Parte 1 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 EXAMES COMPLEMENTARES

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

Administração de Fatores da Coagulação: Quais as Evidências?

Administração de Fatores da Coagulação: Quais as Evidências? CAPÍTULO 42 Administração de Fatores da Coagulação: Quais as Evidências? Marco Antonio Cardoso de Resende, TSA* Elizabeth Vaz da Silva, TSA 2 ** Introdução O Brasil gasta anualmente US$ 100 milhões com

Leia mais

Sangue Eritrócitos. Fisiologia Molecular BCT 2S/2011. Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP

Sangue Eritrócitos. Fisiologia Molecular BCT 2S/2011. Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP Sangue Eritrócitos Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP FUNÇÕES DO SANGUE 1) Respiratória: transporte dos gases O 2 e CO 2 2) Nutritiva: transporte dos diversos

Leia mais

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Avaliação Laboratorial da Hemostasia Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Sumário Integridade da amostra e variabilidade pré-analítica Principais exames

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria Dayse M Lourenço Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica Do coagulograma convencional a tromboelastometria Consultoria científica: Bayer Glaxo Smith Kline UNIFESP Escola

Leia mais

Mylene Martins Lavado. Declaração de conflito de interesse

Mylene Martins Lavado. Declaração de conflito de interesse Mylene Martins Lavado Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Estrutura dos músculos e tecidos anexos. Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC

Estrutura dos músculos e tecidos anexos. Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC Estrutura dos músculos e tecidos anexos Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC CARNE tecido muscular tecido conjuntivo tecido epitelial tecido nervoso Tecido muscular células

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

Estrutura Celular. Célula Animal

Estrutura Celular. Célula Animal Estrutura Celular Membrana Plasmática Hialoplasma(Citoplasma )& Citoesqueleto Parede Celular (exclusivo célula Vegetal) Núcleo Organelas celulares Célula Animal Hialoplasma Composição: 70 a 80% de água

Leia mais

Transfusão Em Cirurgia

Transfusão Em Cirurgia Transfusão Em Cirurgia Dante Mário Langhi Jr Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo 2006 Transfusão em Cirurgia Lesões traumáticas - importante causa de morte entre 1 e 44 anos de idade

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO Sistema Circulatório O que é o Sistema Circulatório? É um conjunto de órgãos que tem como função realizar a circulação do sangue por todo o corpo. É constituído pelo coração e vasos

Leia mais

Faculdade de Medicina Veterinária

Faculdade de Medicina Veterinária UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA IDADE NA COAGULAÇÃO: UTILIZAÇÃO DA TROMBOELASTOMETRIA NO CÃO VIRGÍNIA ANTUNES CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutor José Henrique

Leia mais

Livros Grátis. Milhares de livros grátis para download.

Livros Grátis.  Milhares de livros grátis para download. Daniel Dias Ribeiro ASSOCIAÇÃO DO DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO, CLASSIFICAÇÃO DE CHILD, PRESENÇA OU NÃO DE ASCITE E COAGULOGRAMA COM O PERFIL TROMBOELASTOGRÁFICO PRÉ- OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE

Leia mais

FATOR DE VON WILLEBRAND NO ADENOCARCINOMA COLORRETAL

FATOR DE VON WILLEBRAND NO ADENOCARCINOMA COLORRETAL 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Gastroenterologia e Ciências Aplicadas à Gastroenterologia FATOR DE VON WILLEBRAND NO ADENOCARCINOMA COLORRETAL

Leia mais