DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA"

Transcrição

1 Data aprovação:11/11/14 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA/ ou 1tubo de citrato de Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA) 0 Tempo de Trombina (TT) Fibrinogênio Envio do material em temperatura. Coagulograma Completo Determinação de Fator V 5 dias

2 Data aprovação:11/11/14 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Fator VIII Coagulante Fator IX Antitrombina III Pesquisa de Anticoagulante Lúpico Proteína C Proteína S Livre Agregação Plaquetária com ADP e Adrenalina Agregação Plaquetária com Ristocetina 2 tubos de citrato de 3 tubos de citrato de 3 tubos de citrato de Temperatura Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura De 2ª à 6ª feira de 7h às 15h. De 2ª à 4ª feira de 7h às 10h

3 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Anticorpo Anti-Cardiolipina 1 tubo seco de 5ml 15 dias Determinação de Dímero D (nefelometria) De 2ª à 6ª feira 2 dia Envio do material em de. Fator II temperatura Pesquisa de Fator V Resistente à Proteína C (APC)

4 SERVIÇO DE HEMATOLOGIA - INSTITUTO CENTRAL HCFMUSP COM REGIME ESPECIAL DE COLETA E ENVIO DO MATERIAL LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Determinação de Fator Von Willebrand: antigeno 15 dias Pesquisa quantitativa de Fator XIII 3 dias Envio do material em De 2ª à 6ª feira Determinação dos Fatores II, VII e X (teste de de. temperatura 5 dias Owren) Determinação de Plasminogênio (cromogênico) Pesquisa de Inibidor do Fator VIII Qualitativo

5 SERVIÇO DE HEMATOLOGIA - INSTITUTO CENTRAL HCFMUSP COM REGIME ESPECIAL DE COLETA E ENVIO DO MATERIAL LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Quantificação de Inibor de Fator VIII: C (Bethesda modificado) Envio do material em temperatura 2ª à 6ª feira de 3 dias Tempo de Lise de Euglobulinas Agregação plaquetaria espontânea (SPA) Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura 2ª à 4ª feira de 7h às 10h Determinação da Atividade do Fator Von Willebrand ou Cofator de Ristocetina Envio do material em temperatura 2ª à 6ª feira de 7 dias

6 Agregação Plaquetária com ADP, Adrenalina e Ácido Araquidônico 3 tubos de citrato de Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura 2ª à 4ª feira de 7h às 10h DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP SERVIÇO DE HEMATOLOGIA - INSTITUTO CENTRAL HCFMUSP COM REGIME ESPECIAL DE COLETA E ENVIO DO MATERIAL LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Agregação Plaquetária com ADP, Adrenalina, Ácido Araquidônico e Colágeno 4 tubos de citrato de Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel. 2ª à 4ª feira das 7h Ramal tubos de citrato de às 10h. Agregação Plaquetária com ADP, Adrenalina, Ristocetina e Plasma Bovino Envio do material em temperatura Agregação Plaquetária com Colágeno 3 tubo de citrato de Determinação de Fator VII 2ª à 6ª feira das 7h às 15h.

7 Determinação de Fator X Envio do material em temperatura 2ª à 6ª feira das 7h às 15h. 5 dias DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP SERVIÇO DE HEMATOLOGIA - INSTITUTO CENTRAL HCFMUSP COM REGIME ESPECIAL DE COLETA E ENVIO DO MATERIAL LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone ramal HC Ramal INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Determinação de Fator XI 5 dias Determinação de Fator XII Envio do material em temperatura De 2ª à 6ª feira de 5 dias Quantificação de Inibidor de Fator IX (Bethesda) 5 dias Pesquisas das Glicoproteínas Plaquetárias GPIb e GPIIb-IIIa (Citometria de Fluxo) Pesquisa de Anticorpo Antiplaquetário 1 tubo de EDTA 1 tubo de EDTA Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura Agendar coleta para o paciente, diretamente no Laboratório, através do tel Ramal 287. Envio do material em temperatura 5ª feira de 7h às 10h 5ª feira de 7h às 10h 2 dias 2 dias

8 Pesquisa de Fator V Leiden Biologia Molecular Pesquisa de Protrombina Mutante Biologia Molecular 1 tubo de EDTA Envio do material em temperatura 1 mês Determinação plasmática de Heparina de baixo peso molecular (ANTI-X ativado) 1tubo de citrato de Envio do material em temperatura OBS: O MATERIAL DEVE SER COLHIDO 4HORAS APÓS A INFUSÃO DA MEDICAÇÃO E ENTREGUE AO LABORATÓRIO ATÉ 1 HORA APÓS A COLETA 1 DIA Pesquisa de anticorpo anti-heparina (HIT) 2 tubos de citrato Envio do material em temperatura 1 DIA Determinação de Homocisteína plasmática Envio do material em temperatura Determinação de alfa 2 antiplasmina Envio do material em temperatura TROMBOELASTOGRAFIA Envio do material em temperatura 7h às 14h

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br

Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas. Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Avaliação da hemostasia, muito além da simples contagem de plaquetas Camila Martos Thomazini camila.thomazini@butantan.gov.br Trombose Hemostasia Hemorragia Fisiologia da coagulação Versteeg, 2013 Physiol

Leia mais

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria

Dayse M Lourenço. Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica. Do coagulograma convencional a. tromboelastometria Dayse M Lourenço Avaliação laboratorial da coagulação: indicação e orientação terapêutica Do coagulograma convencional a tromboelastometria Consultoria científica: Bayer Glaxo Smith Kline UNIFESP Escola

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

Aspectos Pré-Analíticos Agregação Plaquetária

Aspectos Pré-Analíticos Agregação Plaquetária Aspectos Pré-Analíticos Agregação Plaquetária Tânia Siegl Machado Laboratório de Hemostasia Sumário Introdução Aspectos pré-analíticos na execução do teste Considerações finais Introdução Princípios básicos

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Dengue Dengue em tempo Real RT Adenovírus Colher 5 ml de sangue em tubo com gel separador (tampa amarela). Colher a primeira amostra na fase aguda da doença (até 7 dias após o início dos sintomas). Coletar

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014

INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA. Hye Chung Kang, 2014 INVESTIGAÇÃO DOS DESEQUILÍBRIOS DA HEMOSTASIA Hye Chung Kang, 2014 HEMOSTASIA Dividida em fases para fins de compreensão; Funciona bem para plaquetas; Funciona bem para fatores de coagulação; Ainda há

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Considerando os aspectos de preparo, coleta e transporte de amostras referentes a análises clínicas, julgue os itens a seguir. 41 O profissional que realizar a coleta de sangue por punção venosa deve permanecer

Leia mais

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP DISTÚRBIOS RELACIONADOS ÀS HEMÁCEAS CASO 1: Paciente portador de úlcera péptica Diagnóstico: Anemia

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA QUESTÃO 21 A doença de Von Willebrand combina a presença da anormalidade da função plaquetária com a deficiência da atividade de um fator da coagulação.

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08.

Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. POP: H-27 Página 1 de 10 1. Sinonímia: Fator Anti-hemofílico A, Teste para Hemofilia A, Atividade do Fator VIII, Fator VIII Funcional, Globulina Anti-hemofílica. Mnemônico: F08. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA Disciplina LCV UESP Araçatuba Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini MEGACARIOPOESE IL-3; IL-6; G-CSF; GM-CSF HEMOSTASIA Vaso + Plaquetas + Fatores de Coagulação Fibrinogênio

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue.

-Separar fisicamente as substâncias trombogênicas subendoteliais do sangue. Hemostasia A hemostasia é a manutenção da homeostasia do sistema sanguíneo. Isso consiste na interrupção fisiológica de hemorragias, evitando perdas de sangue e lesões vasculares, e também na manutenção

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

Aulas de Recuperação 1º Bimestre/2015. Horário das Provas de Recuperação

Aulas de Recuperação 1º Bimestre/2015. Horário das Provas de Recuperação 4º ANO HORÁRIO 04/05 (2ª f.) 05/05 (3ª f.) 06/05 (4ª f.) 07/05 (5ª f.) 08/05 (6ª f.) 13h30 Inglês 14h15 Português Matemática Ciências 15h Português Matemática Ciências 15h45 Matemática Português História

Leia mais

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari

O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari O que muda com os novos an.coagulantes? Daniela Calderaro Luciana S. Fornari Pacientes e clínicos devem receber diretrizes prá5cas sobre o uso dos novos an5coagulantes orais, e a facilidade de uso destes

Leia mais

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão HEMOSTASIA HEMOSTASIA é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão Fatores envolvidos -vasos sanguíneos -plaquetas -fatores prócoagulantes plásmaticos -agentes

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Apresentação. O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer

Apresentação. O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer Apresentação O Laboratório Imunolab elaborou o presente manual com a finalidade de oferecer informações e orien tações sobre os serviços prestados, para que nossos Clientes possam utilizá-los de maneira

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação.

Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. HEMOSTASIA 1 2 IX Tabela 1 Descrição dos números e nomes dos fatores de coagulação sangüínea e a via de atuação. INATIVO ATIVADO NOME COMUM VIA DE ATIVAÇÃO I Ia Fibrinogênio Comum II IIa Protrombina Comum

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA

TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representado pelo Dr. Luiz de Melo Amorim Filho, Diretor Geral do Instituto Estadual

Leia mais

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

A 24-Year-Old Man with Previously Diagnosed Hemophilia. Um Homem de 24 Anos com Hemofilia Previamente Diagnosticada

A 24-Year-Old Man with Previously Diagnosed Hemophilia. Um Homem de 24 Anos com Hemofilia Previamente Diagnosticada A 24-Year-Old Man with Previously Diagnosed Hemophilia Francesca Khani 1,2, * and Mikhail Roshal 2 Um Homem de 24 Anos com Hemofilia Previamente Diagnosticada Francesca Khani 1,2, * and Mikhail Roshal

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de diagnóstico laboratorial das Coagulopatias Hereditárias e Plaquetopatias

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de diagnóstico laboratorial das Coagulopatias Hereditárias e Plaquetopatias MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de diagnóstico laboratorial das Coagulopatias Hereditárias e Plaquetopatias Brasília DF 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Coordenação Geral de Sangue e

Leia mais

ANIVERSÁRIO CZC VISITA AO MORRO DA CONCEIÇÃO (SAÍDA ÀS 07:00H EM FRENTE AO COLÉGIO) CONDUÇÃO GRATUITA

ANIVERSÁRIO CZC VISITA AO MORRO DA CONCEIÇÃO (SAÍDA ÀS 07:00H EM FRENTE AO COLÉGIO) CONDUÇÃO GRATUITA HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES GLOBAIS 6º ANO TARDE / 2014 19/11 ÉTICA / GEOGRAFIA 4ª FEIRA 20/11 REDAÇÃO / MATEMÁTICA 5ª FEIRA 21/11 HISTÓRIA / INGLÊS 6ª FEIRA 24/11 DESENHO / CIÊNCIAS 2ª FEIRA 25/11 PORTUGUÊS

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS O material coletado e conservado adequadamente torna-se de grande valor, proporcionando informações importantes para o clínico chegar a um diagnóstico. Uma coleta

Leia mais

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Declaração de Conflito de Interesse Declaro que possuo

Leia mais

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular.

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. 19 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Hemostasia Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. Deve-se inibir a trombose fora do local da lesão vascular. Hemostasia é o

Leia mais

PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014

PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014 PARECER COREN-SP 011/2014 CT PRCI 776/2014 Revisado em setembro/2014 Ementa: Competência para a realização de testes de Tempo de Coagulação e Tempo de Sangramento. 1. Do fato Profissional questiona a qual

Leia mais

reconstituição (UI / ml)

reconstituição (UI / ml) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Beriplex P/N concentrado de complexo protrombínico APRESENTAÇÃO Beriplex P/N 500 UI: embalagem contendo 1 frasco-ampola com pó liofilizado para solução injetável, 1 frasco-ampola

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE ESTADO DO PARANÁ PROMOÇÃO POR COMPETÊNCIAS E HABILIDADES 2012 TÉCNICO DE SAÚDE PÚBLICA ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE PATOLOGIA (TSPB03) PROVA OBJETIVA

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA 1- Componente Vascular Endotélio íntegro: impede a adesão das plaquetas Lesão Vascular: Vasoconstrição mediada por via reflexa (reduz o fluxo

Leia mais

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA

A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA A FISIOLOGIA DA COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA E AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES QUE LEVAM À HEMOFILIA por Karen Macedo Orientadora: Mônica Mendes Caminha Murito Co-orientador: Valmir Laurentino Silva Dezembro de 2005

Leia mais

Farmacologia aplicada às emergências

Farmacologia aplicada às emergências UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ASSISTÊNCIA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FARMACOLOGIA APLICADA ÀS EMERGÊNCIAS Farmacologia aplicada às emergências Nardeli Boufleur nardeli@unochapeco.edu.br

Leia mais

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008 ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ Mestrado integrado em Medicina FML 2008 Adaptações do organismo materno à gravidez Hematológicas Cardiovasculares Urinárias Respiratórias Digestivas Endócrinas Pele e

Leia mais

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO

SARSTEDT AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO TRANSPORTE FECHADO. O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável proteção pessoal VERSÁTIL SEGURO AMOSTRAGEM, CENTRIFUGAÇÃO E TRANSPORTE SARSTEDT OBTENÇÃO DA AMOSTRA O aumento de enfermidades infecciosas se faz indispensável a proteção pessoal FECHADO VERSÁTIL SEGURO RISCOS: RISCOS: EFEITO AEROSSOL

Leia mais

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA 1 ASPECTOS ODONTOLÓGICOS DOS DISTÚRBIOS HEMORRAGICOS A hemostasia é um processo complexo que envolve numerosos eventos fisiológicos. Quando um vaso sangüíneo é lesado, ocorre uma vasoconstrição acentuada.

Leia mais

Biostate fator VIII de coagulação/fator de von Willebrand

Biostate fator VIII de coagulação/fator de von Willebrand Biostate fator VIII de coagulação/fator de von Willebrand APRESENTAÇÃO Biostate 500 UI FVIII/ 1000 UI FvW: embalagem com 1 frasco-ampola de pó liofilizado para solução injetável contendo 500 UI de fator

Leia mais

Trombocitopenia induzida pela heparina

Trombocitopenia induzida pela heparina Trombocitopenia induzida pela heparina Novembro 2012 ULSM Hospital Pedro Hispano, Matosinhos Distinguir Terapêutica curta duração: Profilática Emergência Heparina via parentérica Heparinas baixo peso molecular

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DO COAGULOGRAMA NA CLÍNICA MÉDICA

INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DO COAGULOGRAMA NA CLÍNICA MÉDICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DO COAGULOGRAMA NA CLÍNICA MÉDICA Gisele Werneck da Cruz¹; Cristiane Rickli Barbosa 1 ; Mirian Ueda Yamaguchi 2 RESUMO: A hemostasia

Leia mais

TEMPO DE PROTROMBINA TP CBHPM 4.03.04.59-0 AMB 28.04.073-2

TEMPO DE PROTROMBINA TP CBHPM 4.03.04.59-0 AMB 28.04.073-2 TEMPO DE PROTROMIN TP CHPM 4.03.04.59-0 M 28.04.073-2 Sinonímia: Fator II. TP. TP. Tempo e atividade de protrombina. Tempo de Quick. PT. Prothrombin Time. INR. International Normalized Ratio. RNI. Relação

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA I Simpósio Internacional de Hemostasia e Trombose Curso Educacional Teórico Prático ISTH - CLAHT International Society on Thrombosis and Haemostasis (ISTH) VI Simpósio sobre Trombose e Hemostasia Curso

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática.

FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia. Aula Teórico-Prática. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Fisiologia Aula Teórico-Prática FUNÇÃO HEMOSTÁTICA E SUA AVALIAÇÃO Texto de Apoio Dr. Tiago Henriques Coelho Prof. Doutor Adelino Leite Moreira

Leia mais

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil.

Bilhete 084/14. Bilhete 084/14 Santo André, 25 de novembro de 2014. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos da Educação Infantil. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos do 1º ano. Senhores Pais dos alunos da turma 1F8.

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios ESS Jean Piaget Fisioterapia 2007-2008 Patologias Médicas II - Manuel Machado Durante alguns módulos, iremos falar de princípios básicos da hematologia - hematopoiese, estudo do hemograma, anemias (sua

Leia mais

Cuidados de enfermagem para pacientes em uso de terapia anticoagulante oral

Cuidados de enfermagem para pacientes em uso de terapia anticoagulante oral REVISÃO Cuidados de enfermagem para pacientes em uso de terapia anticoagulante oral Pauline Ribeiro de Lima Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Rosa Maria Bruno Marcucci Docente do Curso de Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004.

RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004. RESOLUÇÃO - ANVISA nº 10, de 23 de janeiro de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA

Leia mais

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Avaliação Laboratorial da Hemostasia Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Sumário Integridade da amostra e variabilidade pré-analítica Principais exames

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE

DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE DISTURBIOS HEMATOLÓGICOS CAUSADOS POR DENGUE Anderson Corrêa Estuti RESUMO É uma doença infecciosa febril aguda, que pode ser de curso benigno como dengue clássica (DC) ou grave como dengue hemorrágica(fdh).

Leia mais

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Hemostasia A hemostasia compreende as interações que ocorrem

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

Avaliação Laboratorial da Hemostasia

Avaliação Laboratorial da Hemostasia capítulo Avaliação Laboratorial da Hemostasia Dayse Maria Lourenço INTRODUÇÃO O objetivo da avaliação laboratorial da coagulação sanguínea é identificar as causas e definir a intensidade do defeito da

Leia mais

Mylene Martins Lavado. Declaração de conflito de interesse

Mylene Martins Lavado. Declaração de conflito de interesse Mylene Martins Lavado Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Distúrbios da Coagulação

Distúrbios da Coagulação Distúrbios da Coagulação Hemofilias HEMOFILIAS Doenças hemorrágicas resultantes da deficiência quantitativa e/ou qualitativa do fator VIII ou fator IX da coagulação Genética (cromossomo X) / adquirida

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural 2012.2 Thaizza Correia Princípios Gerais Limita a perda de sangue interações da parede vascular, plaquetas e proteínas plasmáticas

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-HM-010 CONTAGEM DE PLAQUETAS - FÔNIO 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-HM-010 CONTAGEM DE PLAQUETAS - FÔNIO 22/10/2015 PT-LB-HM-0 22/10/25 1/5 1. INTRODUÇÃO/FINALIDADE DO MÉTODO O método de Fônio tem como finalidade confirmar a contagem efetuada através dos analisadores hematológicos ADVIA 120, 2120 e 2120i, além de investigar

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe!

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! Aula: 21 Temática: Funções bioquímicas das proteínas parte III Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! 1) Função Estrutural (Arquitetônica): Os materiais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE VetinLab ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE PADRONIZAÇÃO DE TUBOS E COLETORES Como os resultados obtidos pelo laboratório são, em boa parte, consequência da qualidade das amostras

Leia mais

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 Objeto da Certificação Solução Tampão de ph 4,01 Fabricante: GEHAKA Nº de Lote: 1306100484-01 Data de Fabricação: 10/06/2013 Data de Validade: Dois anos fechado

Leia mais

Doença de Von Willebrand

Doença de Von Willebrand HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - DOENÇA DE VON WILLEBRAND EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Doença de Von Willebrand Introdução Este manual tem como objetivo

Leia mais

HORÁRIOS PROVISÓRIOS 2016 ENSINO FUNDAMENTAL 2 6º ANO MANHÃ HORÁRIO AULA SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 7:20 ÀS 8:10

HORÁRIOS PROVISÓRIOS 2016 ENSINO FUNDAMENTAL 2 6º ANO MANHÃ HORÁRIO AULA SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA 7:20 ÀS 8:10 6º ANO MANHÃ ÀS ÀS 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª GEOMÉTRICO/ / Ruth 7º ANO MANHÃ TURMA 01 1ª 2ª ÀS ÀS 3ª 4ª 5ª GEOMÉTRICO/ / Ruth 7º ANO MANHÃ TURMA 02 1ª ÀS ÀS 2ª 3ª 4ª 5ª / Ruth 8º ANO MANHÃ 1ª 2ª ÀS ÀS ÀS 12:50 3ª

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Avaliação Pré-Operatória da Hemostase Numa População Pediátrica

Avaliação Pré-Operatória da Hemostase Numa População Pediátrica Acta Pediatr. Port., 199;. 6; Vol. 26: 313-319 Avaliação Pré-Operatória da Hemostase uma População Pediátrica MAUEL RODRIGUE, RUI PITO, AA BRAGA, HELEA FERREIRA, LIGIA CARVALHO, ELÍIO COTA, JOÉ BARBOT

Leia mais