Aplicação do PMBOK no gerenciamento de projetos internos e de pequeno porte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação do PMBOK no gerenciamento de projetos internos e de pequeno porte"

Transcrição

1 Aplicação do PMBOK no gerenciamento de projetos internos e de pequeno porte Elizabeth Silva Freitas FIC Faculdade Integrada do Ceará Resumo Observa-se que o gerenciamento de projetos e as boas práticas disseminadas pelo PMBOK estão a cada dia ganhando mais destaque nas empresas. Não obstante, a conscientização e utilização destas mesmas práticas em projetos de pequeno porte, como é o caso dos projetos internos, não se fazem notar na mesma grandeza. Um dos motivos é uma percepção errônea do PMBOK, com seus vários pontos de controle e documentação, como geradores de metodologias pesadas, inviáveis no trato de pequenos projetos. O foco deste artigo é apresentar um estudo preliminar da viabilidade e benefícios obtidos pela adaptação dos princípios do modelo PMBOK para uma metodologia simplificada, leve e aderente ao gerenciamento de projetos internos. Esta iniciativa decorre de duas convicções básicas: a primeira é que todo projeto, independentemente de seu porte ou complexidade, está sujeito a riscos e por isso precisa ser bem gerenciado para aumentar suas chances de sucesso. A segunda refere-se a flexibilidade das diretrizes do PMBOK, podendo e devendo sofrer customizações para se ajustar às necessidades de cada projeto. Por isso, a metodologia abordada desmitifica na prática, o falso paradigma que associa gestão de projetos a grandes esforços, justificáveis apenas aos grandes e médios projetos, na expectativa de eliminar o dilema antagônico da formalidade versus praticidade. 1. Introdução No mundo dos negócios, cada vez mais dinâmico e inovador, o componente gerencial vem se consolidando como fator potencial de sucesso no alcance de resultados estratégicos para sobrevivência e progresso das empresas [1]. No entanto, é importante observar que muitas das empresas que já desenvolvem habilidades nas assim chamadas melhores práticas em gerenciamento de projetos coexistem com certo desequilíbrio de esforços ao gerir seus projetos externos e internos. Enquanto os primeiros estão ganhando notória relevância e aprimoramento, o que se afirmar dos segundos? Finalidade, esfera de atuação e demandantes são os elementos que diferenciam projetos externo e internos. Estes não estão diretamente associados à atividade fim da empresa e também não atuam juntamente ao público-alvo da organização. Via de regra, têm curta duração e um escopo reduzido e simplificado. Estas características, quando confrontadas com número de processos e documentos que o PMBOK sugere em nove áreas de conhecimento, reforça o Carlos Henrique Ferreira de Menezes SOFTIUM Informática mito da inadequação desta prática em projetos triviais, de pequeno porte, risco e complexidade. Para Kroll [2], o erro mais comum cometido pelos gerentes de projetos é relegar o gerenciamento ou dispensar suas fases, por entender que o custo-benefício neste tipo de empreendimento não justifica o esforço desprendido para obter o resultado esperado. Pontos de controle tornam-se armadilhas para muitos gerentes de projetos que são tentados diante da "burocracia" a involuir nas suas práticas gerenciais, permitindo que projetos internos fluam sob a revelia do improviso, em outras palavras, do fazer sem planejar. Entender o PMBOK como guia que aborda o que fazer sem entrar no mérito do como fazer, elucida a viabilidade de adaptarmos o modelo de boas práticas propostas pelo PMI às necessidades peculiares de cada projeto. Cabe ao gerente de projetos a triagem e adaptação deste conjunto, equalizando o grau de rigor da forma mais apropriada ao contexto específico de seus projetos. O objetivo principal deste artigo é apresentar esta flexibilidade através de uma metodologia compacta, desenvolvida para gerenciamento de projetos internos, que alinha formalidade, controle, flexibilidade, simplicidade e resultados. Segundo Vargas [3], mais lucrativo do que simplesmente deixar de gerenciar pequenos projetos é passar a gerenciá-los de forma light. Gerir projetos em versão leve não é suprimir, mas enxugar e simplificar. A dica do autor é encontrar o ponto de equilibrio entre a formalidade e a praticidade, nesta máxima: O gerenciamento precisa ser Fácil, Prático e Direto. 2. Metodologia Empregada A etapa inicial desenvolvida no presente trabalho concentrou-se na pesquisa bibliográfica. Foi realizada uma revisão da literatura sobre Gerenciamento de Projetos. Boa parte da literatura consultada é formada de livros, artigos, revistas especializadas e sítios disponibilizados na Internet. Complementando a linha de pesquisa proposta, realizouse uma pesquisa exploratória de campo em uma empresa com cultura em gerenciamento de projetos externos, com o objetivo de buscar evidências que comprovem ou refutem uma prática gerencial ajustada às necessidades pertinentes aos projetos internos. Sobre o projeto interno mais recente, foi realizada uma análise comparativa da aplicação do PMBOK com o gerenciamento aplicado neste projeto. A coleta de dados deu-se mediante entrevistas com o gerente do projeto, coleta documental (documentos produzidos pela equipe do projeto) e a própria observação do pesquisador. Yin [4] lembra que a preferência pelo estudo de caso deve

2 ser dada em estudo de eventos contemporâneos em situações que não exigem controle (não manipuladas), porém passíveis de uma observação direta e entrevistas sistemáticas. O desafio deste trabalho foi desenvolver, sob a ótica do PMBOK, uma metodologia simples, com documentação mínima, porém eficiente, e aplicá-la como simulação no gerenciamento do projeto interno da empresa. 3. Estudo de Caso Para obter subsidios no desenvolvimento de uma metodologia direcionada ao gerenciamento de projetos internos foi realizado um estudo de casos. A empresa alvo de nosso estudo, tem sede no sudeste do país e filial em Fortaleza. Atua no segmento da tecnología da informação, com forte presença no mercado público e privado nacional. Vale ressaltar que a empresa pesquisada adota os princípios do modelo PMBOK para desenvolvimento de seus projetos externos, empreendimentos de médio e grande porte que duram, em média, de seis meses a dois anos e consomem significativa quantia de recursos humano e financeiro. Os gerentes destes projetos detém competências na metodologia de gerenciamento de projetos externos adotada pela empresa. A. O Problema Segundo Vargas [5], todo projeto tem sua origem em um problema ou oportunidade. Para o autor, problema é o obstáculo que está entre o local onde se está e o local em que se gostaria de estar. Confirmando esta definição, foi a insatisfação manifesta de alguns clientes com a demora do suporte técnico em atender os chamados de serviços (como alterações, correções, melhorias e novas versões) o marco que impulsionou a gerência geral da empresa a demandar pela elaboração de um instrumento de acordo de nível de serviço (Service Level Agreement - SLA) para prestação de serviços de suporte. Para começar a trabalhar com SLA, o atual modelo de surporte ao cliente não seria capaz de fornecer informações apropriadas para se estabelecer, medir e gerenciar de forma eficaz os níveis de serviço (prazos de atendimento) exigidos. Reconhecendo esta deficiência, o coordenador da equipe de suporte, porpôs o desenvolvimento de um novo modelo de manutenção capaz de suprir a necessidade da empresa em estabelecer regras do SLA. Seu objetivo seria aprimorar o fluxo de atendimento ao cliente do suporte técnico para torná-lo mais ágil, ao mesmo tempo em que se prestaria como um veículo para obtenção de métricas de qualidade aceitáveis. O resultado deste projeto serviria de entrada no processo de implantação do SLA, fornecendo subsídios como indicadores de desempenho adequados para monitoração dos serviços prestados (tempo de resposta e atendimento). B. O Projeto Uma vez identificado o problema e aprovada a solução, o projeto interno foi executado sem nenhum critério formal, num misto da experiência dos envolvidos e alguns fundamentos de metodologias ágeis. O gerente da equipe de suporte foi verbalmente designado pela diretoria local (filial Fortaleza) como o gerente do projeto. As reuniões de planejamento foram frutíferas. A ênfase na comunicação e no planejamento colaborativo gerou uma equipe motivada e comprometida. A complexidade do projeto não foi subestimada, os prazos foram factíveis e realistas. A falha recaiu na pura informailidade e na forma intuitiva que o projeto foi conduzido. Começou pela ausência total de uma documentação clara do projeto. Nenhum relatório que visualizasse os objetivos, abrangência, benefícios, restrições e risco do projeto foi elaborado. A única forma de documentação foram fotos tiradas do celular do gerente do projeto, capturando o que fora escrito no quadro, como pode ser visto na figura 1. O objetivo era fazer um registro do que fora discutido e aprovado pela equipe para ajudar na lembrança num momento posterior, no qual uma documentação mais compreensível do projeto seria elaborada. Mas isso não veio a ser posto em prática. Dentro da escala de prioridades do projeto, a documentação foi totalmente negligenciada. Figura 1. Fotografia da estrutura analítica do projeto interno. Na EAP, o trabalho inerente ao gerenciamento do projeto não estava lá representado, deixando transparecer a pouca importância dada ao mesmo. Se o planejamento foi falho, a gestão e controle do planejado ficaram deficientes. A formação de uma equipe autogerenciável foi prejudicada pela ausência de uma documentação mínima. Como os propósitos do projeto estavam na mente dos integrantes da equipe e não havia nenhum material que servisse como guia, muitas dúvidas vieram à tona durante sua execução e o gerente do projeto era constantemente requisitado para novos esclarecimentos. Também vários processos deixaram de ser executados por falta de tempo e esquecimento, fato esperado para uma fase de assimilação de conceitos desprovida de material para consultas. Quando o líder se ausentou para tratamento de saúde, ninguém foi capaz de conduzir o projeto. Este só não parou completamente porque a metodologia, já implementada nesta momento, acabou ganhando um tempo extra para continuar sendo utilizada em fase experimental, tempo este, destinado

3 para as atividades dos dois outros grupos restantes: Indicadores e Níveis de Serviço, que não obtiveram nenhum progresso. O controle do prazo era limitado a identificar se o projeto estava ou não atrasado. A adoção de uma metodologia simples, que pelo menos contemplasse a elaboração de um cronograma, contornaria fatos previsíveis, mas que passaram despercebidos, como férias e feriados. Tudo isso foi agravado pela falta de apoio e compromisso da alta direção em atingir as metas por ela mesma demandadas. Com a não priorização do projeto interno frente as fortes requisições de projetos externos, tornou-se complexo competir internamente por recursos constantemente requisitados para executar atividade mais lucrativos para empresa. Se na fase do planejamento ações preventivas não foram consideradas, nesta fase de execução, ações corretivas também não foram tomadas. O gerente do projeto não detinha autonomia suficiente para aumentar sua equipe ou evitar que seu time fosse desfalcado. A única forma de atuação foi a aceitação. Como uma das consequências pervisíveis, o projeto sofreu um atraso significativo e seu sucesso comprometido. C. Resultados De todas as entregas do projeto, apenas a metodologia foi entregue, com atraso mas com qualidade suficiente para receber total aprovação do cliente. Alguns poucos indicadores foram definidos, mas nenhum foi gerado. Desta forma, os níveis de serviço não puderam ser definidos. Mesmo ciente do atraso, uma redefinição do prazo de término do projeto não foi cobrado pelo patrocinador. Como único caso de sucesso a nova metodologia de trabalho será futuramente adotada como padrão de atendimento de suporte da empresa. A implantação será gradativa e todas as áreas de suporte irão adotar a nova metodologia. A transferência de conhecimentos, fato do conhecimento prévio de todos, seria facilitada caso houvesse o auxílio da documentação do projeto. Além disso, no futuro, a ausência de uma documentação básica fatalmente conduzirá as lições aprendidas ao esquecimento. Assim, oportunidades de melhorias para o futuro são perdidas. Perde-se o histórico e erros do passado podem ser repetidos no futuro. Mediante o cenário apresentado, pode-se concluir que apesar dos acertos significativos, resultante da experiência da equipe, como o predomínio da liderança e alta qualidade de uma entrega, o resultado final não foi satisfatório. Houve erros básicos e graves, decorrentes da ausência de uma gestão mais consistente ao projeto. Pequenos enganos não foram evitados. Sem monitoramento, riscos previsíveis cresceram ao ponto de interferir no sucesso do projeto. Ainda sobre os riscos do projeto, nenhuma análise que pudesse identificar, quantificar, responder e controlar os riscos do projeto foi elaborada. Na verdade, estava claro que o principal risco deste projeto foi a ausência de uma gestão mais consistente. A escassez de tempo e inadequação da metodologia de gerenciamento de projetos da empresa para os projetos internos foi a principal justificativa dada pelo gerente do projeto. Outro motivo é o fato de ser um projeto interno, que consequentemente, não recebe a mesma pressão no cumprimento dos prazos que um projeto externo receberia, devido a baixa visibilidade e retorno financiero, deixando margens para o improviso e intuição de seus gestores. Assim, como resultado final do estudo de caso realizado, foi desenhada uma metodología experimental de gerenciamento de projetos internos, desdobrada a partir das diretrizes do PMBOK e adaptada para as peculiaridades de um projeto interno. Sua aplicação foi simulada neste mesmo estudo de casos, para agregar o valor de se obter pontos de controle através de uma documentação rápida e prática, como ferramenta propulsora de entregas conforme originalmente especificado, no prazo estabelecido, no orçamento aprovado e com o cliente satisfeito. 4. MGPI: Metodologia para Gerenciamento de Projetos Internos A MGPI é uma metodologia compacta que tem como princípio básico flexibilidade e simplicidade, ao mesmo tempo em que está moldada nos cinco grupos essenciais de processos de gerenciamento de projetos e nas nove áreas de conhecimento do PMBOK. Esta metodologia enfatiza somente as áreas mais impactantes do projeto, para tal, requer o estabelecimento de prioridades para as áreas mais críticas. Como medida de racionalizar o controle, elimina uma abordagem completa de todas as áreas de conhecimento. Se a gestão de todas as áreas de conhecimento for relevante, aí é preciso recorrer a uma metodologia convencional. Escopo e tempo são as únicas áreas de conhecimento obrigatórias nesta metodologia. Isso se justifica porque o escopo é a bússola que norteia todo projeto, e por não existir projeto com tempo indefinido. Risco e Custo também são prioridades, mas em alguns casos excepcionais podem deixar de ser incorporados. Uma gerência para as demais áreas de conhecimento será desejável de acordo com a singularidade de cada projeto. Cabe a equipe do projeto esta análise crítica para realizar a triagem corretamente. Outra característica forte da MPGI é o planejamento e condução cooperativa do projeto, mediante reuniões interativas, utilizando técnicas do tipo brainstorming ou tempestade de ideias, sempre estimulando a participação ativa de toda equipe para conjuntamente definirem o que fazer, como, por quanto, quem e quando. Para isso, torna-se manifesto que a MPGI prioriza o enfoque horizontal e descentralizado dos processos em todas as suas fases. O desenvolvimento do trabalho deve ser todo feito em grupo. Um gerente de projetos por mais qualificado e talentoso que seja não é melhor que um time. Uma a equipe bem estruturada consegue englobar todas as características, conhecimentos e habilidades necessárias para desenvolver projetos com qualidade, pois como já advogava Blanchard

4 [6], especialista em liderança, ninguém sozinho é tão inteligente quanto todos juntos. Para a MPGI também é fundamental que gerente e equipe do projeto tenham exatamente a mesma percepção do que o projeto irá realizar. Essa homogeneidade não só promove o enriquecimento do trabalho de planejamento, coordenação e controle, bem como firma maior autonomia, motivação, alto desempenho e comprometimento da equipe, que se percebe de fato como agente do projeto, pois é natural se sentir mais responsável pelo sucesso de metas quando são estabelecidas pela própria equipe. Dentro desta linha, a MGPI pende mais para liderança do que para gerência. Após obter consenso de tudo que é discutido em reunião, o grupo procede a síntese de seus esforços dirigindo sua atenção para elaboração das saídas do projeto. Para que os trabalhos possam ser orientados de forma efetiva e sem despender muito esforço na preparação de sua documentação, a MGPI utiliza uma planilha eletrônica (Microsoft Excel) como ferramenta para geração dos artefatos do projeto. Cada projeto terá sua própria planilha. A opção pela utilização de uma planilha eletrônica deu-se pela sua popularidade e facilidade em organizar e sistematizar as informações, uma vez que condensa todas as informações e detalhes do projeto em cada uma de suas folhas, que será utilizada e alimentada durante todo ciclo de vida do projeto. Para maior agilidade e padronização, a MGPI adotou um modelo (template) de planilha para gestão de projetos internos. Consiste na primeira folha de trabalho (worksheet) os dados de identificação do projeto, seguido de uma folha para cada área de conhecimento e uma última folha para lições aprendidas. Além da conveniência de um Tudo em Um, outro aspecto a considerar é a objetividade das informações e simplicidade de manutenção, pois o que muitas vezes se presencia é uma falha no trato da documentação, até mesmo quando foram bem iniciadas, mas as urgências da execução surgidas no decurso do projeto acabam atropelando sua atualização. Ao término do projeto só resta documentos incompletos e desatualizados. A necessidade de documentação em gestão de projetos é um ponto indiscutível. A questão vinda à tona é a inviabilidade de se gerar e manter uma montanha de documentos para projetos simples e de curta duração. O gerente do projeto consumiría mais tempo elaborando documentos do que administrando. Tendo uma planilha eletrônica como a própria documentação do projeto, a proposta da MGPI é manter a formalidade a níveis de simplicidade razoavelmente aceitáveis. As etapas da MGPI correspondem aos grupos de processos do PMBOK, sendo compostas por tarefas que resultarão na alimentação da planilha, conforme descreverse-á a seguir: D. Iniciação A MGPI não inclui atividades anteriores a aprovação do projeto, como definição do problema a ser resolvido e estudo de viabilidade financeira e ou técnica. Assim, o início desta fase começa a partir do projeto já aprovado. O objetivo desta etapa é formalizar o projeto. Neste momento, o patrocinador nomeia o gerente do projeto que por sua vez oficializa o início do projeto aos principais interessados, mediante de um básico, para que os destinatários tomem ciência do início do projeto, seus objetivos e sua participação no mesmo. Sendo a equipe do projeto uma das partes envolvidas, neste momento o gerente do projeto já se preocupa em avaliar as competências mais condizentes com o trabalho a ser realizado e certifica-se da existência e disponibilidade da agenda desses recursos com o perfil desejado. Também, parte para negociação com a chefia imediata desses recursos e seu compromisso para liberação no período que foram alocados no projeto. O time do projeto será convocado para participar da reunião de abertura do projeto e todas as demais reuniões de planejamento, acompanhamento e encerramento. Com o modelo da planilha do projeto em mãos, o gerente do projeto irá transcrever o conteúdo deste de apresentação, para primeira aba da planilha, a folha Integração. Este é a saída produzida nesta fase e equivale ao Termo de Abertura do Projeto. O conteúdo do deverá ser transcrito para planilha, conforme ilustra figura 2. Figura 2. Planilha MGPI Folha Integração - Iniciação E. Planejamento Uma vez a equipe do projeto definida e estando bemesclarecido o entendimento do produto ou serviço a ser entregue, a MGPI estabelece como próximo passo definir as áreas-chave do projeto, ou seja, gerente e equipe irão priorizar e selecionar as áreas de conhecimento percebidos como imprescindíveis para garantir um gerenciamento satisfatório, ponderando qual grau de rigor deverá ser aplicado. Para subsidiar essa análise, ainda na aba Integração da planilha será preenchido um check-list informando as áreas a serem usadas para o projeto. Concluído este passo, a tarefa seguinte é preencher cada uma das demais folhas da planilha correspondentes às áreas de conhecimento eleitas para serem formalmente gerenciadas. A planilha equivalerá a um Plano de Gerenciamento do Projeto simplificado, e cada uma de suas folhas ao Plano de Gerenciamento específico de cada área de conhecimento. A folha Escopo destina-se à definição e controle do trabalho a ser realizado no projeto. A ata da reunião de planejamento da gerência do escopo do projeto equivalerá a declaração do escopo. O planejamento do escopo será representado mediante a elaboração da EAP (Estrutura Analítica do Projeto). Não será necessário desenhá-la na estrutura hierárquica dos organogramas, sendo suficiente

5 listar os pacotes de trabalho (work packages) de forma ordenada (figura 3). Figura 3. Planilha MGPI Folha Integração EAP O dicionário da EAP é um artefato opcional, estando relacionado com o grau de detalhamento necessário ao bom entendimento do trabalho do projeto. Com base na EAP, deve-se preencher a folha Tempo. Para facilitar digitação, com os recursos da planilha, foram criadas no template fórmulas para o preenchimento automático das datas e o recurso adicional de calendário de feriados para se trabalhar com dias úteis. As datas previstas de início e término são preenchidas nesta etapa, ao passo que as datas reais são informadas durante a etapa de execução do projeto. As informações do previsto em confronto com o realizado permitem a visualização do gráfico de Gannt, como mostrado na figura 4. Figura 6. Planilha MGPI Folha Custo Na folha Qualidade, será feita análise dos requisitos e padrões de qualidade de cada entrega, atribuindo conceitos que podem variar de zero a quatro, conforme figura 7. Figura 4. Planilha MGPI Folha Tempo Para controle dos impactos adversos aos objetivos do projeto, na folha Risco serão identificados os riscos do projeto, sua probabilidade de ocorrência e impacto (figura 5). Cada risco será avaliado qualitativamente e terá um responsável pelo plano de contingencia. Figura 7. Planilha MGPI Folha Qualidade Na folha Aquisição serão relacionados todos os recursos, materiais, serviços e equipamentos que deverão ser adquiridos para execução do projeto (figura 8). A estes estarão relacionados o fornecedor e o custo, quando houver. Figura 8. Planilha MGPI Folha Aquisição Na folha Recursos Humanos será montada matriz de responsabilidade. Por tratar-se de recursos internos, informações adicionais de identificação como cargo, , telefone, setor, entre outros, são opcionais, como pode ser visto na figura 9. Figura 5. Planilha MGPI Folha Risco A folha Custo também toma como fundamento a EAP a partir da qual será elaborada uma EAC (Estrutura Analítica de Custo), onde se define o quanto se pretende gastar em cada tarefa (figura 6). O confronto do que foi realmente gasto com o orçado, compõe a base para o gerenciamento do valor agregado ou EVM (Earned Value Management).

6 Figura 9. Planilha MGPI Folha RH Para dar maior visibilidade ao projeto, toda reunião realizada, seja de planejamento, acompanhamento ou encerramento, terá obrigatoriamente seu registro na planilha do projeto.a folha Comunicação da planilha (figura 10) condensa as atas das reuniões do projeto, bem como a comunicação efetivada por s devem ser transcrita para esta folha. Figura 10. Planilha MGPI Folha Comunicação. F. Execução e Controle As atividades de execução do projeto são realizadas em paralelo e sob influência das atividades de controle. Em termos práticos, a MGPI consiste na realização de três atividades cíclicas: reuniões de avaliação do andamento do projeto, atualização da planilha do projeto e execução do plano de resposta aos riscos. As lições identificadas durante esta fase devem ser documentadas na última folha da planilha do projeto Lições Aprendidas, descrevendo em qual atividade foi identificada, qual o impacto no projeto e quem foi o responsável pela resposta apresentada, para que possa ser consultado em caso de dúvidas e maiores esclarecimentos. PMBOK, muitas vezes erroneamente vistos como conflitantes. Para evidenciar a contribuição do gerenciamento de projetos no sucesso de qualquer projeto, independentemente do seu porte ou nível de complexidade, foi realizada uma revisão bibliográfica para fundamentar o quanto a literatura especializada exalta os benefícios de uma gestão eficiente nos resultados do projeto, além do estudo de caso para identificar como uma empresa, com competências desenvolvidas no gerenciamento de seus projetos externos, geria seus projetos internos. Por meio deste estudo de caso foi constatado que metodologias para gerenciamento de projetos internos ainda não estavam sendo empregadas. Desta pesquisa exploratória de campo desenvolveu-se uma metodologia direcionada ao gerenciamento de projetos internos, denominada MGPI, que também foi encarada com a seriedade que um projeto interno requer. O propósito da MGPI é contribuir para redução do número de projetos internos conduzidos sem um gerenciamento formal. Para isso, prima pela simplicidade e flexibilidade, embora tenha sido baseada nas melhores práticas referenciadas pelo PMBOK. Seu propósito é ser eficiente sendo simples, fácil e prática. Isto é MGPI. Neste sentido, considera-se atingido o objetivo geral deste trabalho. A proposta metodológica aqui apresentada é uma sugestão inicial e certamente tem muito espaço para várias melhorias. Sabe-se que a matéria Gerenciamento de Projetos é rica em abordagem e por isso não há aqui a pretensão de dizer que o assunto foi concluído. Muito pelo contrário, considera-se apenas aberta uma discussão para estimular o surgimento de novas ideias e sugestões que possam de alguma forma contribuir para o sucesso do gerenciamento de projetos internos. 6. Referencias Figura 11. Aprendidas. Planilha MGPI Folha Lições G. Encerramento Nesta etapa, a única atividade prevista pela MGPI é uma reunião de encerramento para registro final das lições aprendidas. Na MGPI o registro das lições aprendidas é um item imperativo. Para evitar esquecimentos, é desejável que este registro seja realizado na etapa de execução e controle, mas no final do projeto torna-se obrigatório, tendo ou não cumprido seu objetivo. [1] VALERIANO, Dalton. L., Gerenciamento estratégico e administração por projetos. São Paulo: Makron Books, [2] KROLL, Karen M., Small projects, big results. PM Network: July, [3] VARGAS, Ricardo V., Gerenciamento de projetos em micro e pequenas empresas Disponível em: <http://www.ricardo-vargas.com/pt/podcasts/ smallcompanies/>. Acesso em: 22 jan [4] YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, [5] VARGAS, Ricardo V., Gerenciamento de Projetos: estabelecendo diferenciais competitivos. 6ª ed. Rio de Janeiro: Brasport, [6] BLANCHARD Ken et al. Managing by Values. San Francisco: Berrett-Koehler Publishers, Conclusão Este trabalho visa trazer a tona uma discussão sobre o gerenciamento de projetos internos sob o prisma do

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

10 áreas de conhecimento e 5 processos

10 áreas de conhecimento e 5 processos 1 10 áreas de conhecimento e 5 processos Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Projetos são frequentemente utilizados como um meio de alcançar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009)

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) PROJETOS IV Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) Assinaturas de Aprovação Responsabilidade Organizacional Assinatura Data Gerente de Projeto 07/10/2009 Líder de

Leia mais

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES 10 COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto é a área de conhecimento que emprega os processos necessários para garantir a geração, coleta, distribuição, armazenamento, recuperação e destinação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia 1 Dário Denis Braga Vital vitaldario@ig.com.br MBA em Gerenciamento de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Manaus, AM, 10, junho de 2014 Resumo Este artigo é sobre gerenciamento

Leia mais

Adoção de Padrões para Metodologias de Gerenciamento de Projetos em Desenvolvimento de Software

Adoção de Padrões para Metodologias de Gerenciamento de Projetos em Desenvolvimento de Software Adoção de Padrões para Metodologias de Gerenciamento de Projetos em Desenvolvimento de Software Carlos Alberto Ventura Júnior Sistemas de Informação - Centro Universitário Ritter dos Reis (Uniritter) Rua

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Dr. Manoel Veras Eng. de Telecomunicações, UFRN Mestre em Eng. de Telecomunicações, UNICAMP Doutor em Administração, USP EX-Cientista

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Estudo sobre a percepção de valor dos processos de gerenciamento de projetos em empreendimentos de base tecnológica

Estudo sobre a percepção de valor dos processos de gerenciamento de projetos em empreendimentos de base tecnológica Estudo sobre a percepção de valor dos processos de gerenciamento de projetos em empreendimentos de base tecnológica Helyson Lewis Velasco (SENSYS Consultoria e Sistemas) helyson@sensys.com.br Resumo: Este

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com MODELO DE GERENCIAMENTO PMI PMI (Project Management Institute); O modelo PMI é divido em áreas de conhecimento da

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade

Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Definição e Implantação de um Processo de Software para o Núcleo de Práticas de uma Universidade Micaelly P. Soares e Silva, Carla I. M. Bezerra, Camilo C. Almendra, Enyo José T. Gonçalves Universidade

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Identificação do Projeto Projeto Nome do projeto. Unidade Demandante Unidade que solicitou o projeto. Gestor do Projeto Nome do Gestor do projeto. Responsável na Unidade Demandante Nome do Responsável

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK

GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK Ana Cristina Zanetti*, Ednei Ernesto Consiglio*, Oscar Sante Ruggiero*, Paulo Sergio Tio*, Wagner Faquim*, João Carlos Boyadjian** * Aluno do curso

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados

Tribunal de Justiça de Pernambuco. Diretoria de Informática. Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Tribunal de Justiça de Pernambuco Diretoria de Informática Guia de Utilização do Mantis Máquina de Estados Guia de Utilização Mantis Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor Aprovado Por 02/09/2008

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais