UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOSÉ VICTOR REBELATO DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOSÉ VICTOR REBELATO DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA JOSÉ VICTOR REBELATO DA SILVA UNIFICAÇÃO DO ICMS INTERESTADUAL PARA PRODUTOS IMPORTADOS: REFLEXOS SOBRE AGENTES SITUADOS EM SANTA CATARINA. Florianópolis 2013

2 JOSÉ VICTOR REBELATO DA SILVA UNIFICAÇÃO DO ICMS INTERESTADUAL PARA PRODUTOS IMPORTADOS: REFLEXOS SOBRE AGENTES SITUADOS EM SANTA CATARINA. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Relações Internacionais em 2013, da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel. Orientador: Prof. Kátia Regina de Macedo, Msc. Florianópolis 2013

3 JOSÉ VICTOR REBELATO DA SILVA UNIFICAÇÃO DO ICMS INTERESTADUAL PARA PRODUTOS IMPORTADOS: REFLEXOS SOBRE AGENTES SITUADOS EM SANTA CATARINA. Este Trabalho de Conclusão de Curso foi considerado adequado à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e aprovado em sua forma final pelo Curso de Relações Internacionais da Universidade do Sul de Santa Catarina. Florianópolis, 30 de Outubro de Prof. e Orientadora Prof. Kátia Regina de Macedo, Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina Prof. Fabiana Witt Msc. Universidade do Sul de Santa Catarina

4

5 Dedico o presente trabalho de conclusão de curso à minha família, de onde busco forças para nunca desistir dos meus objetivos

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente, gostaria de agradecer a Deus por ter sido tão perfeito em todas suas escolhas para comigo. À minha orientadora, professora Kátia Macedo que acreditou no meu potencial e conseguiu tornar os encontros de orientação em momentos descontraídos e prazerosos e extremamente produtivos. À minha mãe Juçara, ao meu pai Murilo e à minha irmã Joana, aos quais dedico não só este trabalho, mas a minha vida, pelo apoio, auxílio e compreensão nos momentos difíceis, por serem a única e verdadeira definição do que é o amor.

7 RESUMO A Resolução 13, oriunda do Projeto de Resolução do Senado 72, aprovada em abril de 2012, unifica a alíquota de ICMS interestadual para produtos importados em 4%. O principal argumento utilizado pelos defensores da unificação é de que os benefícios fiscais oferecidos a produtos importados acabam por desvalorizar a indústria nacional, uma vez que o produto brasileiro tinha uma carga tributária mais elevada. Já os que são contra a Resolução 13, afirmam que o problema não está no incentivo às importações, e sim, nos altos impostos pagos para a produção no Brasil. Portanto, após a aprovação desta Resolução, alterações acontecem no cenário do comércio exterior de Santa Catarina. Programas de incentivos fiscais perdem seus poderes de atuação e empresas catarinenses, principalmente as tradings companies, tem que buscar alternativas para conseguirem se manter. O presente trabalho mostra os dois lados envolvidos nestas alterações e apresenta um estudo a cerca dos efeitos que estas alterações levarão para as empresas instaladas em Santa Catarina. Palavras-chave: Resolução 13. Unificação. ICMS. Importação. Santa Catarina.

8 ABSTRACT Resolution 13, derived from the Project Senate Resolution 72, aproved in April 2012, unifies the interstate ICMS aliquot for imported products at 4%. The main argument used by advocates of unification is that the tax benefits offered to imported products basically devalue the domestic industry, since the Brazilian product had a higher tax burden. Those who are against Resolution 13, say that the problem is not the incentive to imports, but, the high taxes paid to produce in Brazil. Therefore, after the adoption of this resolution, changes occur in the setting of foreign trade of Santa Catarina. Tax incentive programs lose their powers of acting and Santa Catarina companies, especially trading companies, have to look for alternatives to stay on the market. The present work shows the two sides involved in these changes and presents a study about the effects that these changes will lead to the companies located in Santa Catarina. Key words: Resolution 13. Unification. ICMS. Importation. Santa Catarina.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Gráfico 01 Posição das importações catarinenses entre os estados brasileiros... Gráfico 02 Valores das importações por municípios... Gráfico 03 Importações da Importejá e sua colocação no total catarinense... Gráfico 04 Importações em Santa Catarina de janeiro a junho de Gráfico 05 Arrecadação de ICMS em Santa Catarina... Gráfico 06 Colaboradores da empresa Importejá... Gráfico 07 Importações realizadas pela Importejá... Gráfico 08 Valores das importações realizadas pela Importejá... Gráfico 09 - Número de operações de importação realizadas pela Importejá.. Gráfico 10 Movimentação total de contêineres atracados no porto de Itajaí... Gráfico 11 Movimentação de contêineres cheios atracados no porto de Itajaí... Gráfico 12 Volume das importações no Porto de Santos...

10 LISTA DE SIGLAS CAMEX Câmara de Comércio Exterior CNI Confederação Nacional das Indústrias COFINS Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social CONFAZ Conselho Nacional de Política Fazendária DARE Documento de Arrecadação DI Declaração de Importação FIESC Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FMI Fundo Monetário Internacional FUNDEB Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica GATT General Agreement on Tarifs and Trade ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços II Imposto de Importação IPI Imposto sobre Produtos Industrializados ISS Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza LI Licenciamento de Importação MDIC Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio NCM Nomenclatura Comum do Mercosul OMC Organização Mundial do Comércio PAC Programa de Aceleração do Crescimento PASEP Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIB Produto Interno Bruto PIS Programa de Integração Social PPB Processos Produtivos Básicos PRS Projeto de Resolução Social REI Registro de Exportadores e Importadores SINDASP Sindicato dos Despachantes Aduaneiros do Estado de São Paulo TTD Tratamento Tributário Diferenciado

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA GLOBALIZAÇÃO COMÉRCIO EXTERIOR Exportação Importação TRADINGS BARREIRAS SOBRE A IMPORTAÇÃO TRIBUTOS SOBRE A IMPORTAÇÃO IMPOSTOS SOBRE IMPORTAÇÕES NO BRASIL Imposto de importação (II) Imposto sobre produtos industrializados (IPI) Programa de integração social (PIS)/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) Imposto sobre operações financeiras e contribuições para fins sociais (Cofins) Imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS) INCENTIVOS FISCAIS ÀS IMPORTAÇÕES E SUAS ALTERAÇÕES EM SANTA CATARINA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO ANTES DA UNIFICAÇÃO Programa Pró-emprego Dados das importações de Santa Catarina antes da unificação do ICMS UNIFICAÇÃO DO ICMS INTERESTADUAL PARA OS PRODUTOS IMPORTADOS Projeto de Resolução Resolução

12 3.2.3 Dados das importações em Santa Catarina após a unificação do ICMS IMPACTOS DA UNIFICAÇÃO DO ICMS SOBRE OS PRINCIPAIS ATORES ENVOLVIDOS Tradings Companies Portos Despachante Empresa de logística internacional Empresas Importadoras Estado de Santa Catarina CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 59

13 12 1 INTRODUÇÃO Esta parte do trabalho tem como principal objetivo explicar o tema e a problemática da pesquisa. Em seguida, o objetivo geral e os objetivos específicos são introduzidos. E a seguir, a justificativa de forma que se entenda a relevância do trabalho para sua realização e os procedimentos metodológicos utilizados para que se conseguisse alcançar todos os tópicos citados anteriormente. 1.1 EXPOSIÇÃO DO TEMA E DO PROBLEMA Neste trabalho de conclusão de curso, inicialmente serão abordados temas relacionados à globalização, que nada mais é do que o aumento do conhecimento e da troca de experiências nas esferas cultural, política, social e econômica. Adentrando ao comércio internacional e sua ligação direta com a globalização, pois é perceptível que ambos ganharam força na mesma época. Podese dizer que o aumento da globalização levou o aumento do comércio exterior, assim como dizer que o aumento do comércio internacional ocasionou o aumento da globalização. Será possível também, compreender como se realiza uma importação, os elementos necessários para realizar este tipo de comércio e após isto, uma abordagem dos incentivos fiscais que os estados brasileiros oferecem. Dentre estes incentivos, uma análise mais aprofundada sobre o Programa Pró-Emprego iniciado em 2007 e finalizado em 2012 pela Resolução 13. Este programa de incentivo, como citado, durou cinco anos, e basicamente consistia na diminuição do ICMS pago pelo importador e a geração de crédito de ICMS nas operações interestaduais, que será explicado mais adiante, o que acabava deixando o produto estrangeiro em vantagem competitiva em relação ao produto nacional. Interessante é notar como cada estado brasileiro pensa e briga apenas no que é melhor pra si. Prova disso é a grande discordância entre representantes dos estados que não ofereciam benefícios às importações, como São Paulo, e

14 13 representantes dos estados que davam incentivos, como os estados de Santa Catarina, Goiás e Espírito Santo. Após longas discussões sobre a legalidade dos benefícios, uma vez que não eram aprovados pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), o Senador Romero Juca do estado de Roraima apresentou o Projeto de Resolução 72 (PRS 72) em dezembro de 2010, que objetivava zerar a alíquota de ICMS interestadual para produtos importados, o que acabaria com a guerra fiscal e guerra dos portos. Novamente representantes dos estados afetados realizaram diversos debates no Senado. Senadores dos estados de SC, GO e ES afirmavam que o benefício não era a causa da falta de competitividade do produto nacional, e sim a alta carga tributária paga pela indústria brasileira, o que acabava tornando o produto nacional mais caro do que o importado. Já o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) Paulo Skaf (2010) concordava que a indústria nacional paga altos impostos, porém, não seria racional oferecer incentivos às importações no momento que o país necessita de uma reforma tributária muito maior, que levaria muito mais tempo, dinheiro e esforço do governo. Foi em 26 de abril de 2012 que a Resolução 13 foi aprovada, após mudanças serem realizadas e tornando-se vigente desde o dia 1º de janeiro de Esta Resolução unifica a alíquota de ICMS interestadual para produtos importados em 4%, diminuindo consideravelmente o poder de benefício que alguns estados ofereciam aos exportadores. Dado o exposto acima citado, este trabalho terá como principal função responder a seguinte problemática: Como a unificação do ICMS sobre os produtos importados afetou os agentes que operam em Santa Catarina: tradings, portos, despachantes, empresas de logística internacional, empresas importadoras e o governo do Estado de Santa Catarina.

15 OBJETIVOS Tendo como base o problema de pesquisa, seguem, na sequência, o objetivo geral do trabalho e os objetivos específicos a serem buscados na conclusão do mesmo Objetivo geral Identificar quais são os efeitos da unificação do ICMS interestadual para produtos importados nas empresas instaladas em Santa Catarina que operacionalizam importações Objetivos específicos Para atender o que foi estabelecido no objetivo geral deste trabalho, serão utilizados dados referentes aos agentes envolvidos no processo de importação e que estão situados em Santa Catarina. Para tanto, buscar-se-á compreender os motivos que levaram a alteração de ICMS interestadual para produtos importados, e as consequências que esta alteração trouxe para as principais partes envolvidas. Com as análises feitas por meio dos dados será possível: - Explicar o funcionamento do Programa de incentivo fiscal Pró-Emprego; - Apresentar a legislação referente a unificação do ICMS sobre as importações, o Projeto de Resolução 72 e a Resolução 13; - Identificar as partes afetadas com a unificação do ICMS interestadual para os produtos importados; - Descrever os impactos da unificação do ICMS para os principais atores envolvidos nas importações em Santa Catarina. - Apresentar dados considerados relevantes no processo de importação que foram afetados após a unificação.

16 JUSTIFICATIVA Resumidamente, este trabalho será a cerca da unificação do ICMS interestadual para produtos importados a 4% e diminuindo a possibilidade de estados oferecerem incentivos à importações. Visando informar de uma forma generalizada sobre o comércio exterior brasileiro, explicar os incentivos fiscais oferecidos por alguns estados brasileiros e como ocorreu a mudança da alíquota de ICMS interestadual sobre produtos importados, este trabalho tem outros motivos pelos quais foi realizado. Buscando atingir todas as partes da sociedade, o trabalho será de extrema importância para que seja possível entender o processo de unificação do ICMS interestadual para mercadorias importadas e busquem novas formas de suprir o incentivo, antes oferecido, objetivando diminuir os prejuízos aos estados afetados. Ainda para a sociedade, o trabalho terá relevância na busca de um melhor conhecimento do funcionamento do comércio exterior brasileiro, para que seja compreendido os motivos que levaram a unificação do ICMS interestadual para importados e para o entendimento dos motivos que podem levar ao aumento de preços de algumas mercadorias. Principalmente para ramos da indústria, empresas e empresários, será possível visualizar as alterações na estrutura do comércio exterior catarinense e mudanças dos volumes e arrecadações ocasionadas pelas mudanças no período estabelecido para a realização do trabalho. Aos estudantes, principalmente dos cursos de relações internacionais, comércio exterior e economia será possível maximizar o entendimento sobre as etapas do comércio internacional, as práticas de incentivos fiscais às importações e as atitudes do governo frente as dificuldades e divergências internas. Para que se alcance os objetivos anteriormente citados, a seguir será visto as formas de pesquisas utilizadas para a elaboração do trabalho.

17 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para se realizar qualquer tipo de trabalho, o conhecimento do autor não é suficiente, faz-se necessário, dependendo do tipo de trabalho, exaustivas pesquisas para que se consiga alcançar os melhores resultados possíveis. Pesquisa é toda atividade voltada para a solução de problemas; como atividade de busca, indagação, investigação, inquirição da realidade, é a atividade que vai nos permitir no âmbito da ciência, elaborar um conhecimento, ou um conjunto de conhecimentos, que nos auxilie na compreensão desta realidade e nos oriente em nossas ações (PÁDUA, 2004, p 31). Portanto, para a realização deste trabalho de conclusão de curso, a classificação da pesquisa será quanto sua natureza, seus procedimentos, seus objetivos e como se realizará a abordagem da problemática do trabalho. Quanto a natureza, será qualitativa uma vez que possuí características que buscam facilitar o entendimento de casos que possuem uma complexidade. O que é facilmente encontrado neste trabalho, uma vez que será necessário que se entenda a tributação brasileira e suas vertentes. No que diz respeito à abordagem do trabalho, o trabalho utilizará pesquisa quantitativa, visto que serão utilizados dados estatísticos, os tornando quantificáveis. A cerca da pesquisa quantitativa, Rodrigues (2006, p. 9), afirma que elas traduzem em números as opiniões e informações. Segundo os procedimentos utilizados, o trabalho conta com pesquisa bibliográfica e documental. A pesquisa bibliográfica é baseada no estudo e no aprimoramento do conhecimento utilizando livros e outras obras. A cerca do objetivo deste tipo de pesquisa, Köche (1999, p. 122) diz que é conhecer e analisar as principais contribuições teóricas existentes sobre um determinado tema ou problema, tornando-se um instrumento indispensável para qualquer tipo de pesquisa. Já a pesquisa documental é menos abrangente do que a bibliográfica, uma vez que ela se limita a pesquisa a documentos, sendo eles escritos ou não. Exatamente o que Reis (2008, p. 53) afirmou:

18 17 A pesquisa documental é um tipo de pesquisa que objetiva investigar e explicar um problema a partir de fatos históricos relatados em documentos. Este tipo de pesquisa baseia-se em informações e dados extraídos de documentos que não receberam ainda tratamento científico. Ela será empregada neste trabalho, como no próprio nome já a classifica, através da coleta de documentos nos envolvidos, a fim de comparar estes dados com a literatura existente, buscando trazer novos avanços para a problemática da pesquisa. Então, com base no programa Pró-Emprego (Lei nº ), no PRS 72 e na Resolução 13, serão utilizados os tipos de pesquisas citadas acima para responder a problemática de pesquisa. Apesar dos muitos pontos a serem explorados com relação ao tema, este trabalho abordará os impactos destas alterações de ICMS interestadual para produtos importados sobre as partes envolvidas situadas e operando pelo estado de Santa Catarina. Além das pesquisas citadas, serão realizadas pesquisas de campo por meio de questionários, realizados e entregues ao porto de Itajaí, a uma empresa de despacho e outra empresa de logística internacional, buscando assim, uma aproximação das partes envolvidas nas mudanças explícitas no decorrer do trabalho, além de compreender melhor certas medidas tomadas pelas mesmas buscando a diminuição dos prejuízos. As escolhas do porto, trading, despachante e empresa de logística internacional foram realizadas a partir de análises a cerca dos volumes movimentados e também de parcerias que a empresa Importejá 1 mantinha. Quanto aos objetivos, serão realizadas pesquisas exploratórias e descritivas. A primeira conceitua-se em uma pesquisa bibliográfica ou a utilização de entrevistas. Já a pesquisa descritiva caracteriza-se por apenas mostrar, relatar, analisar os fatos, sem que o autor emita sua opinião sobre o assunto (RODRIGUES, 2007). Portanto, os impactos serão estudados e apresentados partindo dos dados e questionários coletados, buscando assim, alcançar os objetivos firmados anteriormente. 1 Importejá é um nome fictício utilizado para representar uma trading company de Florianópolis, preservando a identidade da empresa a fim da não divulgação de dados confidenciais.

19 18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Para que se compreenda todo o início do comércio internacional, passando pelo início destas atividades no Brasil, adentrando na sua complexa área tributária e por fim, entendendo os incentivos oferecidos, faz-se necessário um embasamento teórico a cerca dos assuntos anteriormente citados. 2.1 GLOBALIZAÇÃO Globalização, em sua essência, é um processo de aumento da integração nas esferas econômicas, políticas, sociais e culturais. Segundo Maia (2011), a globalização é a unificação do mercado em escala mundial. Um termo muito utilizado nos dias atuais é o mercado global, ele está sendo discutido e abordado, principalmente, após a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC) onde, seu principal objetivo é o livre comércio. Para que isso aconteça, barreiras estão sendo gradativamente eliminadas para que fique mais fácil e que todos os países consigam realizar trocas de mercadorias e serviços. Partindo para uma vertente histórica, para que fique claro o início da globalização, é preciso compreender que ele começou devido a necessidade de aumento e expansão de mercados para os países desenvolvidos, uma vez que estes já tinham seus mercados saturado. Vieira apud Oman (1984, p.11) observa que O período posterior à Segunda Guerra Mundial se destaca na história dos investimentos internacionais por pelo menos duas razões: primeiro, que o volume dos investimentos efetuados nos países em desenvolvimento cresceu num ritmo muito rápido, bem superior aquele observado antes da primeira guerra mundial, e, em segundo lugar, pelo fato de terem sido realizados principalmente sob a forma de investimento direto, cuja manifestação mais clara, nos anos cinquenta e sessenta, foi o crescimento rápido das empresas multinacionais, envolvendo a criação de filiais dependentes, tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento, detendo a sociedade-mãe a totalidade ou a maioria do seu capital social. Na observação do autor, fica claro que a globalização já é um processo, de certa forma antigo, porém, que apenas vem sendo entendido pela sociedade em geral nos últimos anos, principalmente pelas consequências dele que serão abordadas a seguir - estarem sendo sentidas mais concretamente nos dias atuais.

20 19 Segundo Maia (2011), esta situação de mercado globalizado é benéfica as grandes empresas, uma vez que possuem produção em larga escala, o que torna seus custos menores e as torna mais competitivas no mercado. Como estas empresas estão localizadas em vários países, se privilegiam disto para comprar onde a matéria prima é mais barata. Isto acarreta numa maior interdependência destas empresas em relação aos seus Estados de origem. Vieira (2004) destaca que esta autonomia obtida pelas empresas e, em consequência disto, o fortalecimento das mesmas, tornaram-se elementos fundamentais para que o processo de globalização continuasse e ganhasse força. O mesmo autor faz uma referência e compara a globalização com o regionalismo. Ele refere-se a globalização como sendo um fenômeno privado e informal, ainda que decisões públicas afetem e/ou facilitem seu processamento (VIEIRA, 2004, p. 233), ou seja, a globalização, em sua essência, realiza-se entre empresas privadas, mesmo que estas relações sejam controladas ou realizadas nos moldes que o poder público define. Já o regionalismo (em oposição a globalismo) econômico, conquanto também beneficiada e sob varias maneiras conectada, direta ou indiretamente, a interesses privados, constitui uma construção predominantemente publica, na medida em que haurida no âmbito das relações interestatais e dependente, em regra, de uma formalização por intermédio de tratados, no contexto do Direito Internacional Publico (VIEIRA, 2004, p. 233). Vale lembrar que segundo Barbosa (apud VIEIRA, 2004), estas duas palavras são opostas, enquanto globalização busca um impulso transnacional e cosmopolita, o regionalismo é realizado através de um impulso seletivo e local, privilegiando a história e culturas locais. Como a maioria dos assuntos internacionais, a globalização também não é unanimidade, diversos estudiosos apontam criticas à sua implementação. Seria injusto querer emitir um juízo definitivo sobre a Globalização, fenômeno ainda incipiente e incompleto. Não se pode, por outro lado, negar que ela não conseguiu até o momento realizar a promessa de um crescimento mais rápido. Ricúpero (apud MAIA, 2011, p. 341). Por isso que atualmente vive-se num momento de extrema importância para que todos os envolvidos no processo de globalização realizem reflexões para

21 20 que exponham sua opinião sobre o assunto, para que ele seja debatido e se encontre a uma forma de conviver com a globalização de uma forma em que todos, principalmente os países menos favorecidos, saiam ganhando. Llosa (apud MAIA, 2011) afirma que a globalização trouxe mais prejuízos do que benefícios a países como Nigéria, Zaire e Peru, porque os investimentos estrangeiros, em vez de contribuir para o desenvolvimento desses países, serviram especialmente para multiplicar a corrupção. Continuando ele diz: os prejuízos da globalização se evitam com a democracia 2.2 COMÉRCIO EXTERIOR Inegavelmente, o Comércio Exterior está diretamente ligado à Globalização e já foi visto que a expansão destes foi de caráter capitalista e, primeiramente, para benefício dos países desenvolvidos e das grandes empresas multinacionais. Neste sentido, o comércio internacional nada mais é do que a troca de bens e/ou serviços entre os Estados. A teoria do comércio internacional consiste na aplicação da teoria do preço à situação em que mercadorias são trocadas entre pelo menos dois países com moedas diferentes (DIALLO, 2001, p. 26). Na visão de Campos (1990, p.23), o Comércio Internacional se constitui no elo que vincula as relações de convivência do Direito Internacional com a Economia Internacional, ou seja, as vertentes do direito e da economia estão diretamente ligadas, é impossível realizar alguma importação ou exportação se não obtiver conhecimento destas duas linhas. O que países menos favorecidos tem, constantemente se perguntado é de que forma o comércio internacional pode os ajudar a reduzir a pobreza, e apenas nos últimos anos esta discussão apareceu à tona. Sardenberg (apud MAIA, 2011) ao analisar estudos do FMI, mostra que a renda anual per capita da Europa Ocidental no ano 1000 era de 500 dólares de hoje, no ano de 1880 este valor duplicou, e na entrada do século XXI chegou a 20 mil dólares anuais. Então, é inegável que com o passar dos anos, com o crescimento do Comércio Exterior e da Globalização, a população tem conseguido um aumento na

22 21 sua qualidade de vida, e o que em 1820 era considerado uma riqueza extrema, hoje em dia não passaria de um país com necessidades alarmantes. Porém, Bourguignon (apud MAIA, 2011) pensa que, muitas vezes, o sucesso de alguns países no comércio exterior é anulado pelo fracasso de outros. Por exemplo, entre 1981 a 2004 na China, 440 milhões de pessoas saíram da pobreza, enquanto na África, durante o mesmo período, aumentaram 150 milhões de pobres. Portanto, é perceptível que esta riqueza não está sendo distribuída equitativamente entre os países. A análise feita por Rubens Barbosa sobre o estudo Política comercial e pobreza, de autoria de Cline, do Instituto de Economia Internacional de Washington (apud MAIA, 2011) é em cima de que o livre comércio global principal objetivo da OMC geraria aumento da renda de pelo menos US$ 90 bilhões por ano para os países em desenvolvimento. Metade deste ganho seria oriundo da eliminação das barreiras tarifárias e não tarifárias dos países desenvolvidos. A partir disso, é perceptível que o comércio exterior tem muito mais coisas boas a oferecer do que ruins, como mostra a análise extremista do ex-ministro da Fazenda do Brasil, Galveas (apud CAMPOS, 1990, p. 26) onde ele afirma que: Em teoria econômica diz-se que a única teoria que se pode provar, matematicamente, é que algum comércio é melhor que nenhum comércio. Visto isto, a seguir serão abordados os conceitos de exportação e importação, onde será possível compreender as etapas necessárias para a realização destas operações Exportação Por definição, exportação é a saída de bens ou serviços de seu território de origem para outros países. Segundo Minervini (2008), dentre os principais motivos que levam as empresas a exportar, estão a diversificação dos riscos e mercados, busca de maior tecnologia e, principalmente, o lucro. Porém, é visível que muitas empresas preferem não se arriscar no comércio exterior por diversos motivos.

23 22 Para que se compreendam os motivos que as exportações brasileiras não crescem como poderiam, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) (apud LOPEZ, 2005) realizou uma pesquisa em Os cinco principais motivos citados pelas empresas como empecilhos às exportações são: a) Burocracia alfandegária; b) Custos portuários; c) Tributos; d) Fretes; e) Dificuldade de obter financiamento para exportar. Dias e Rodrigues (2010) concordam com a pesquisa e ainda acrescentam, dizendo que no ano de 2010, o Brasil registrava grande dificuldade para se comercializar com o mercado internacional. Os motivos são os apontados anteriormente, além da falta de conhecimento para exportar e pela cultura das empresas brasileiras com relação à exportação. Então, como Minervini (2008) diz, é necessário que as empresas tenham mais que o Registro de Exportadores e Importadores (REI) para que se aventurem no mercado internacional. Para realizar exportações, as empresas precisam estar aptas para venderem criatividade, design, qualidade e ter fé no seu produto. As exportações no Brasil dividem-se em três modalidades: exportação direta, exportação indireta e exportação via trading. A exportação direta, é quando o fabricante emite os documentos no nome do importador. O fato de acontecer uma intermediação do processo por uma empresa terceirizada não descaracteriza a exportação direta (GARCIA, 2001). Neste caso, a empresa exportadora deve ter conhecimentos sobre o processo inteiro. Realizar estudos aprofundados sobre os melhores mercados para inserir seu produtos, assim como a documentação necessária e a tributação a ser cobrada. Já a exportação indireta, pode ser realizada por intermédio de uma comercial exportadora, empresa de atividade mista (importação e exportação), cooperativas ou por uma indústria que realize exportação com produtos

24 23 terceirizados. Onde o interveniente compra o produto para depois exportar (GARCIA, 2001). Segundo o mesmo autor, a exportação via trading é bem semelhante a exportação indireta, difere apenas no porte da empresa. As tradings companies são caracterizadas por terem porte de médio pra grande, o que pode gerar uma segurança maior para a negociação. Mesmo o Brasil estando entre as dez maiores potências econômicas do globo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI) (apud DIAS; RODRIGUES, 2010), as exportações brasileiras são insignificantes num contexto mundial, pois apenas em algumas vezes alcançou a marca de 1% das exportações mundiais. Porém, como pode ser observado a seguir, estes números estão numa crescente. Em 2012, o país registrou o segundo melhor número da balança comercial, ficando com um superávit de 242,6 bilhões de dólares, perdendo apenas para o ano anterior que registrou 256 bilhões de dólares (BRASIL, 2012). Como o Brasil não vem utilizando todo seu potencial exportador, para continuar com o saldo positivo na balança comercial, é necessário que se aplique barreiras quanto à entrada de produtos no território brasileiro. A seguir será possível compreender melhor estes impedimentos, assim como a importação como um todo Importação Hoje em dia, é praticamente impossível que qualquer país consiga estabilizar-se sem contar com o comércio exterior. Nos dias de hoje, não é possível que um país possa, no aspecto socioeconômico, desenvolver-se isoladamente. Nenhum país, por mais que se esforce, consegue ser autossuficiente (DIAS; RODRIGUES, 2010, p. 213). Por isso, os países buscam se especializarem em segmentos onde consigam se dedicar e produzir com mais qualidade e quantidade, já os segmentos que não conseguem, seja pela limitação de seus recursos naturais, pela capacidade de sua mão-de-obra ou pela diferença de tecnologia, realiza-se a importação. Smith (1776) foi o primeiro a afirmar que cada país tem produtos ou serviços que consegue produzir melhor, seja pela cultura de seus antepassados,

25 24 pelo clima ou até por subsídios oferecidos pelo governo. Então para ele, um sistema mundial ideal é onde os países produzam e exportem somente o que tem capacidade e competência, e importem o que não forem capazes. No comércio exterior, dá-se o nome de importação o ato da entrada de bens ou serviços vindos de outros países. Campos (1990, p. 116) classifica as importações como sendo transações de compra firmadas pelo país importador, a operação comercial respectiva situa-se na área da importação. Mello e Reis (apud CAMPOS, 1990, p. 123) limita o procedimento de importação como sendo o ato de introduzir produtos estrangeiros no território nacional, com a finalidade de fazê-los circular no mercado interno, isto é, o ato de vontade que alguém pratica fazendo entrar aquém dos limites territoriais do país bens móveis por natureza, de origem estrangeira, para fazê-los entrar em circulação no mercado nacional. Assim como o resto dos países em desenvolvimento, o Brasil está aumentando tanto suas importações quanto as exportações. Em 2011, as importações brasileiras contabilizaram um recorde na história do país totalizando US$ 226,2 bilhões. Em 2012, houve uma pequena queda, fechando em US$ 223,1 bilhões. De janeiro à junho do ano corrente, as importações já atingiram US$117,5 bilhões, o que mostra um aumento de 6,7% quando comparado com o mesmo período do ano anterior (BRASIL, 2013). De acordo com a Organização Mundial do Comércio (apud MAIA, 2011) em 2009, o Brasil era o 26º importador de mercadorias, com participação de 1,1% e 21º importador de serviços, com participação de 1,4%. Estes dados mostram que mesmo com o crescimento contínuo do comércio exterior brasileiro, a participação do país na escala mundial é muito aquém da sua capacidade. As importações no Brasil, são divididas em três tipos, são elas: Importação por Conta e Ordem de Terceiro, Importação por Encomenda e a Importação Direta. A importação por conta e ordem se caracteriza pela existência de duas pessoas: o real adquirente e o importador. A mercadoria é importada por um, mas apenas para repassá-la posteriormente ao real adquirente (LUZ, 2007, p. 179).

26 25 O autor afirma que este tipo de importação é realizada por dois motivos: para o adquirente não se mostrar aos órgãos públicos ou pela contratação de uma empresa terceira e especializada no processo. Já a importação por encomenda é realizada no nome de uma pessoa jurídica, e depois a mercadoria é revendida a um encomendante predeterminado, firmado em contrato (SILVA, 2012). A cerca da importação direta, a autora diz que: Quando um interessado por mercadoria estrangeira efetua a aquisição deste bem e a transação da importação se conclui com a entrada da mercadoria no território nacional, configurar-se-á a incidência do imposto de importação e dos demais tributos, o que, por conseguinte, qualifica o importador como o contribuinte, por fim, concretizando-se a importação direta (SILVA, 2012, p. 49). Então, resumidamente, a importação por conta e ordem de terceiros é quando o importador realiza o despacho aduaneiro em seu nome com os recursos do adquirente. Já a importação por encomenda, realiza-se pelo importador, todo o processo também é pago por ele, com o adquirente já previsto em contrato, e a importação direta é quando o próprio importador será o adquirente, assim, responsável por todos os procedimentos da importação. Em uma operação de importação no Brasil é necessário seguir uma série de passos, que tornam o processo complexo demais. Estes, visivelmente, são fatores que fazem com que muitas importadoras decidam procurar empresas especializadas, as chamadas tradings companies¹, para começar a fazer parte do comércio internacional, o que acaba gerando custos extras e encarecendo o produto ou serviço final. Para exemplificar isto, (DIAS; RODRIGUES, 2010) afirmam que por culpa da burocracia encontrada no comércio exterior brasileiro, a liberação de uma mercadoria no porto de Santos, por exemplo, é a mais demorada do mundo. Apesar disto, atualmente, cada vez mais empresas tradings, abordadas mais detalhadamente em tópico posterior, estão sendo contratadas para fazer o processo de importação. Deste modo, é necessário, primeiramente, que o importador escolha a mercadoria que será importada, o fornecedor, a forma e prazo de pagamento, e o prazo que a mercadoria será entregue; após feito isso, o importador receberá

27 26 proformas invoice² de possíveis exportadores e assinará uma delas aceitando a proposta. Após realizado estes procedimentos, será necessário que se realize a classificação fiscal das mercadorias, no caso do Brasil, a classificação atualmente utilizada é a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). A classificação fiscal serve para determinar os tributos das operações, para controle estatístico e para tratamento administrativo (DIAS; RODRIGUES, 2010). O próximo passo é solicitar ao governo brasileiro a Licenciamento da Importação (LI), que nada mais é do que uma forma do governo organizar e controlar algumas importações. Nas importações sujeitas a LI (Automático ou não-automático), o importador, diretamente ou por intermédio de agentes credenciados, deverá prestar as informações de natureza comercial, financeira, cambial e fiscal, no Siscomex com o objetivo de obter o deferimento do licenciamento previamente ao embarque da mercadoria no exterior ou antes do despacho aduaneiro, conforme o caso (BIZELLI, 2010, p. 68). Sendo deferida a solicitação do licenciamento, é realizado o embarque da mercadoria, consequentemente é solicitado a liberação da mesma esta é considerada uma das fases mais burocráticas do processo - depois o importador envia uma Declaração de Importação (DI) que deverá ser entregue a Receita Federal com todas as informações específicas de cada mercadoria importada, podendo prosseguir com o despacho aduaneiro e após isto, é autorizada a entrega da mercadoria ao importador (DIAS; RODRIGUES, 2010). 2.3 TRADINGS COMPANIES Empresas chamadas de tradings companies são instituições responsáveis por realizar processos de importações e exportações de bens ou serviços. Para Werneck (2007) trading é um tipo especial de empresa, onde realiza a compra de mercadorias ou serviços num país e os vende para outro, fazendo a intermediação entre vendedores e compradores. Porém, Werneck pensa que trading company e empresa comercial exportadora/importadora são e fazem a mesma coisa.

28 27 O autor afirma que apesar de uma trading não precisar realizar todos os requisitos legais das empresas comerciais exportadoras para poderem exportar e importar (WERNECK, 2007, p. 24), as duas denominações referem-se a instituições que realizam os mesmos processos, logo, são sinônimas. Apesar dos fatores econômicos e burocráticos anteriormente citados, às tradings tem conseguido manter suas operações num nível que as tornam uma parte importante no comércio internacional brasileiro. Nos primeiros seis meses de 2013, as exportações brasileiras realizadas pelas tradings companies registraram US$ 11,69 bilhões e as importações US$ 2,12 bilhões. O que significa que o saldo foi positivo de US$ 9,57 bilhões (BRASIL, 2013). Em comparação com o total vendido pelo país ao exterior no período, US$ 114,42 bilhões as exportações realizadas pelas tradings representaram 10,2%, exatamente igual ao registrado no primeiro semestre de Já nas importações, a participação das empresas intermediárias foi de 1,8% menor do que o mesmo período de 2012 (BRASIL, 2013). 2.4 BARREIRAS SOBRE A IMPORTAÇÃO É inegável que os países estão sempre tentando achar um equilíbrio entre a proteção de sua indústria e o incentivo ao comércio exterior. Se o país não incentiva a produção interna com impostos reduzidos, melhores juros, linhas de créditos, dentre outros benefícios, torna-se mais atraente para determinados setores da indústria a importação de insumos, o que pode levar a um desequilíbrio na balança comercial. Esta situação pode gerar consequências desfavoráveis, como o desabastecimento de produtos, quando o país não consegue produzi-los, a estagnação desse setor da economia, além do desperdício de possíveis potenciais. Para proteger a indústria nacional, os países utilizam-se de barreiras sobre importações. Elas são divididas entre barreiras tarifárias (imposto de importação) e as não tarifárias (medidas sanitárias e fitossanitárias, medidas compensatórias, antidumping, restrições quantitativas, licenciamentos de importação) (DIAS; RODRIGUES, 2012).

29 28 Dentre as barreiras tarifárias, a mais utilizada no Brasil são as tarifas ad valorem. Isto deve-se ao fato da inflação globalizada e do crescimento da importância do comércio de produtos manufaturados (CARBAUGH, 2009, tradução nossa). Para exemplificar isto, nos últimos anos é possível perceber algumas medidas do governo brasileiro que podem ser consideradas protecionistas na esfera internacional. Entre estas medidas estão o aumento do II (Imposto de Importação) por meio da Resolução 70 de 28/09/2012 e o aumento do IPI para carros importados (Decreto nº de 30/08/2012). Estas duas medidas tomadas pelo governo no ano passado tornaram as importações mais caras e os carros produzidos internamente tornaram-se mais competitivos frente aos vindos de fora. 2.5 TRIBUTOS SOBRE A IMPORTAÇÃO Para melhor organizar o comércio exterior em constante crescimento, no ano de 1947 aconteceu uma reunião em Cuba com a presença da maioria dos Estados independentes. Nesta reunião foi criada a Carta de Havana, porém, ela não vingou pelo fato dos Estados Unidos e da Inglaterra terem recusado a ratificá-la (DIALLO, 2001). Então, realizou-se uma conferência em Genebra, Suíça, onde nasceu o Acordo Geral de Tarifas e Comércio, formando a sigla General Agreement on Tariffs and Trade (GATT) (DIALLO, 2001). Inicialmente, o GATT tinha, em sua estrutura, dois princípios que o dava suporte, são eles a cláusula da nação mais favorecida e o princípio do tratamento nacional (BARRAL, 2007). Após alguns anos, foram sendo estudados novos princípios para que o comércio internacional fosse livre e transparente, foi onde foram criados cinco princípios que permanecem até os dias de hoje, são eles: não discriminação, previsibilidade, concorrência leal, proibição de restrições quantitativas e tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento (BRASIL, 2010). Foi então, a partir de 1995 que o GATT passou a ser chamado de (Organização Mundial do Comércio) OMC que tem como seu principal objetivo o

30 29 livre comércio, onde busca-se que a aplicação dos tributos no comércio internacional ocorra sem maiores prejuízos aos países. Os tributos são obrigações impostas pelo Estado tanto para pessoa física quanto jurídica. Eles são federais, estaduais e municipais e podem ter três objetivos: barreira para mercadorias vindas de fora, arrecadação para o governo e, principalmente, como forma de proteção à indústria nacional. Segundo Diallo (2001, p. 17) tributo é a prestação em dinheiro que o Estado, no exercício do seu poder de império, exige dos cidadãos, com o objeto de obter recursos para o cumprimento de seus fins. O Ministério do desenvolvimento, indústria e comércio (MDIC) classifica os tributos como sendo medidas de defesa comercial para que os consumidores nacionais não sejam afetados por importações feitas a preços de dumping, prática considerada desleal nos acordos internacionais (BRASIL, 2012). Fabretti (2009, p. 104) frisa que tributo é um pagamento compulsório em moeda, forma normal de extinção da obrigação tributária. Então, os tributos nas importações são impostos que o Estado aplica sobre as mercadorias que adentram o território brasileiro. Estes impostos aduaneiros são classificados de duas formas: específico determinado pelas características físicas do produto, pelas suas quantidades, peso, medidas, etc., não se levando em conta o valor declarado da mercadoria e ad valorem determinado pelo valor declarado das mercadorias importadas, em geral sob a forma de percentagem desse valor (DIALLO, 2001, p. 25). A cerca dos impostos nas importações, a seguir será visto suas características e como são divididos. 2.6 IMPOSTOS SOBRE IMPORTAÇÕES NO BRASIL Segundo o artigo 5º do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172/66), os tributos dividem-se em três tipos: taxas, impostos e contribuições (ASHIKAGA, 2006). Como citados anteriormente, suas principais funções são proteger o mercado interno. A seguir, os impostos aplicados nas importações brasileiras de

31 30 uma forma generalizada, mostrarão que apesar da OMC buscar reduzir estas barreiras, elas ainda são essenciais para as indústrias nacionais Imposto de importação (II) O imposto de importação é claramente utilizado pelo Brasil como forma de proteção da indústria nacional, controle das importações e arrecadação para os cofres públicos. Ele pode ser definido como o imposto que incide sobre todas as mercadorias vindas de fora do Brasil (Diallo, 2001). O I.I. tem como fato gerador a entrada de mercadoria estrangeira no território aduaneiro. Para efeito de cálculo do imposto, considera-se ocorrido o fato gerador na data de registro da DI de mercadoria a ser submetida a despacho para consumo, ou no dia do lançamento respectivo, nos casos definidos em lei (BIZELLI, 2010, p. 107). Então, o I.I. é aplicado a todos os bens que adentrem no território brasileiro, salve as exceções citadas no Decreto-Lei nº 37, art. 1º Imposto sobre produtos industrializados (IPI) O IPI, na importação, incide sobre produtos industrializados de procedência estrangeira, excetuando-se apenas aqueles que tenham sido desembaraçados na não incidência do I.I. ou na imunidade tributária (BIZELLI, 2010, p. 128) Diallo (2001) explica que um produto industrializado é aquele que passou por alguma operação que modificou, ou seu estado inicial, ou sua finalidade inicial. O fato gerador do IPI, segundo Bizelli (2010) é o desembaraço aduaneiro, a não ser que o produto nacional retorne ao país nas formas previstas em lei ou sob o regime de exportação temporária. Então aplica-se o IPI, nas importações, aos produtos que vieram de outros países e sofreram alterações na sua forma ou utilização.

32 Programa de integração social (PIS)/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) O PIS/Pasep, diferentemente do IPI, é destinado aos servidores públicos e suas necessidades. Ashikaga (2006) define o PIS/Pasep como sendo uma contribuição federal destinada ao financiamento da seguridade social, especificamente o PIS, onde busca a promoção e integração dos funcionários tanto na vida pessoal, quanto na empresarial. Ele é aplicado no momento da chegada do produto no Brasil, como afirma Bizelli (2010, p. 135): O PIS/Pasep têm como fato gerador a entrada de mercadoria estrangeira no território nacional. Para efeito de cálculo do imposto, considera-se ocorrido o fato gerador na data de registro da DI (Declaração de Importação) de mercadoria a ser submetida a despacho para consumo, ou no dia do lançamento respectivo, nos casos definidos em lei. Após abordado os impostos PIS/Pasep, a seguir será visto como funciona o Imposto sobre operações financeiras e contribuições para fins sociais (Cofins) Imposto sobre operações financeiras e contribuições para fins sociais (Cofins) Igual ao PIS, a cofins também não tem uma tabela específica informando qual o valor do imposto. Bizelli (2010) confirma isto quando diz que, caso a mercadoria ou a operação não tenha nenhuma especificidade, utiliza-se as alíquotas ad valorem de 1,65% para o PIS e 7,6% para a cofins. A cerca da finalidade do imposto, Ashikaga (2006) diz que a cofins tratase de uma contribuição federal aplicado sobre a receita de pessoas jurídicas, sendo destinado para gastos nas áreas da saúde, previdência e assistência social. O imposto é aplicado às operações de crédito oferecidas pelos bancos, sociedades de crédito, investimentos e financiamentos, além das operações de seguros (DIALLO, 2001).

33 32 E assim como o PIS/Pasep, a cofins também têm é gerado a partir da chegada da mercadoria no Brasil Imposto sobre serviços de qualquer natureza (ISQN) Como mostra o artigo 147 da Constituição Federal (apud FABRETTI, 2009, p. 190), O ISS é um imposto de competência dos municípios e do Distrito Federal. O DF, no território sob sua jurisdição, pode instituir e cobrar os impostos municipais. O autor descreve que o imposto é gerado é a constante prestação de serviços presentes na Lista de Serviços, o contribuinte é o prestador de serviço (art. 5º) e sua base de cálculo é o preço do serviço (art. 7º) (FABRETTI, 2009). O ISS é um imposto municipal, e como o próprio nome já diz, incide sobre a prestação de serviços de qualquer natureza, exceto os serviços de comunicação e transporte interestadual e intermunicipal, estes, tributados pelo ICMS, imposto que será abordado mais a fundo a seguir e no decorrer do trabalho (ASHIKAGA, 2006). A seguir será abordado o ICMS, imposto que nos últimos anos tem sido assunto de diversos debates na área de Comércio Exterior Imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS) O ICMS, objeto de estudo do trabalho, foi criado em 1988 com a Constituição Federal e sua competência cabe aos Estados e ao Distrito Federal. Conforme o art. 155 (apud CAMARGO, 1999), o ICMS é aplicado nas operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal, e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior. Ou seja, nas importações, ele aplica-se sobre a entrada de bens vindos do exterior, seja por pessoa física ou jurídica. Lizote e Bidinha (2012) comentam que o ICMS, por ser o principal imposto estadual, são eles e o Distrito Federal que decidem o momento de sua cobrança, ou seja, o fato gerador do tributo. As autores informam que

34 33 Como regra geral, a base de cálculo do ICMS é o valor da operação relativa à circulação de mercadoria ou o preço do serviço, sendo que fazem parte da base de cálculo do imposto as despesas acessórias cobradas do adquirente/consumidor, fretes, descontos condicionais concedidos e IPI, sendo que o IPI somente nas seguintes condições: A) a operação não for realizada entre contribuintes. B) o objeto da operação for produto não destinado à industrialização ou à comercialização. C) a operação não configurar fato gerar de ambos os impostos (LIZOTE; BIDINHA, 2012, p. 3). No caso de Santa Catarina, o ICMS representa mais de 80% da arrecadação fiscal, sendo a maior fonte de receita do Estado. Dos valores arrecadados, 25% vão para os municípios e 20% do restante é repassado ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB) (SANTA CATARINA, 2013). Dado o exposto, é notório que a carga tributária é um dos principais fatores que travam a economia brasileira, tanto o excesso de impostos, quanto os altos preços que a população paga, sendo que acaba por receber muito pouco em troca. Então, nos próximos capítulos, será visto mais afundo o imposto de ICMS nas importações, como ele funcionava no ano de 2012, as mudanças que ocorreram para o estado de Santa Catarina, especificamente, e como atualmente ele é aplicado. 3 INCENTIVOS FISCAIS ÀS IMPORTAÇÕES E SUAS ALTERAÇÕES EM SANTA CATARINA Os incentivos fiscais em Santa Catarina são regulamentados pelo Regulamento de Normas Gerais de Direito Tributário do Estado de Santa Catarina (RNGDT-SC) aprovado em 27 de junho de 1984 pelo decreto Nº TRATAMENTO TRIBUTÁRIO ANTES DA UNIFICAÇÃO Antes de ocorrer a unificação da alíquota de ICMS interestadual para produtos importados, muitas empresa em Santa Catarina desfrutavam do Programa Pró-Emprego, o que aumentou significativamente as importações realizadas pelo estado, como será visto a seguir.

35 Programa Pró-emprego Este trabalho tem como principal objetivo analisar o benefício tributário para as importações em Santa Catarina nos últimos dois anos, suas alterações, e o que elas trouxeram de consequências para o estado e para as empresas aqui instaladas. Para isso, é necessário que seja realizada uma abordagem a cerca da legislação vigente antes do Projeto de Resolução 72 e da Resolução 13, ou seja, como funcionava o incentivo de ICMS oferecido pelo governo para empresas importadores instaladas e operando em Santa Catarina. O principal programa de incentivo às empresas de Santa Catarina foi o Pró-Emprego. Ele foi aprovado em 15 de fevereiro de 2007 pela Lei nº e regulamentado em 14 de março de 2007, pelo Decreto nº 105. Este programa objetivava a geração de empregos e aumento de renda para a população de Santa Catarina por meio de um incentivo de ICMS, atraindo empreendimentos prioritários para o desenvolvimento econômico, social e tecnológico, além de projetos que fomentassem o comércio exterior do Estado. Na prática, até dezembro de 2012, o benefício era aplicado da seguinte forma: As mercadorias vindas do exterior ao entrarem por Santa Catarina recebiam o benefício pagando o ICMS inferior ao aplicado sobre a mercadoria produzida localmente ao sair da fábrica. Ao revender o produto importado a outro Estado, o ICMS recolhido nesta etapa seria como se ele tivesse pago o ICMS sem o benefício, ou seja, além do produto importado entrar no país pagando menos, ele ainda recebia este crédito e ao ser repassado a outro Estado, era como se ele tivesse pago a mesma alíquota que o produto nacional. Além dos benefícios citados o Programa Pró-Emprego oferecia: a) Prorrogação do ICMS para importações que entraram por Santa Catarina. b) Aumento do prazo para pagar o ICMS. c) Crédito presumido de ICMS. d) Diferimento do ICMS sobre vendas no estado de Santa Catarina de forma que o ICMS resulte em uma alíquota de 12%, tanto nas operações com 17% ou 25%. e) A possibilidade de transferir o saldo credor para terceiros.

36 35 f) Possibilidade de envio da mercadoria à filiais situados em outros estados com alíquota de ICMS de 3%. g) Redução de ICMS na realização melhorias e expansão nos portos catarinenses. h) Redução de ICMS para projetos com fins relacionados a energia elétrica e linhas de transmissão. Para a solicitação do incentivo, as empresas preenchiam algumas informações de sua pessoa física e de sua empresa por meio do Tratamento Tributário Diferenciado (TTD) além do pagamento de uma taxa Documento de Arrecadação (DARE) (SANTA CATARINA, 2007). As análises dos pedidos eram realizadas por um Grupo Gestor do Programa, sendo de responsabilidade do Secretário de Estado da Fazenda emitir o parecer, deferindo ou indeferindo a solicitação (SANTA CATARINA, 2007). Num primeiro momento, quando o fim deste incentivo foi anunciado para o início de 2013, todos os envolvidos com importações pelo estado de Santa Catarina ficaram extremamente preocupados. Grande parte destas empresas acreditavam que o volume de importações cairia significativamente, o que as levaram a tomar algumas medida Dados das importações de Santa Catarina antes da unificação do ICMS No gráfico 1, nota-se que a partir de 2007, quando o Programa Pró- Emprego foi implementado, as importações em Santa Catarina aumentaram consideravelmente. No ano de 2007, o estado estava apenas em 9º entre os maiores importadores brasileiro. O total contabilizado neste ano foi de, aproximadamente, 5 bilhões de dólares. Em 2011, Santa Catarina chegou a quase 15 bilhões de dólares movimentados e em 2012 teve uma pequena redução, fechando em 14,5 bilhões de dólares. Portanto, percebe-se que enquanto o Programa Pró-Emprego esteve presente, o crescimento das importações realizadas em Santa Catarina foi em torno de 290%.

37 36 Gráfico1- Posiçãodasimportaçõescatarinensesentreosestadosbrasileiros. ImportaçõesemSantaCatarinacomos benefícios 1932ral 1940ral 1939ral 1913ral 1921ral 1919ral US$x1milhão 2007/9º 2008/8º 2009/6º 2010/5º 2011/5º 2012/5º Fonte: SANTA CATARINA. Federação dasindústrias do Estado de Santa Catarina(FIESC). Elaboradopeloautor. Aseguirobserva-seosvaloresimportadospelos municípiosdeitajaíe Florianópolis. Nos dois exemplos, a partir que o Programa Pró-Empregofoi estabelecido,houveumaumentoconsiderávelnasimportações. EmItajaíasimportaçõesem2007somarampraticamente1,8bilhãode dólares.jánoanode2012,contabilizou-se6,5bilhõesdedólares,umcrescimento dequasequatrovezes. Gráfico2-Valores dasimportaçõespor município.

38 37 Volumedasimportações(US$x1milhão) Itajaí Florianópolis Fonte: SANTA CATARINA. Federação dasindústrias do Estado de Santa Catarina(FIESC). Elaboradopeloautor Acompanhando o movimentocrescente dasimportações desde 2007, comovistonográficoanterior,noquadroaseguirficavisíveloaumentodosvalores movimentadospela trading Importejá. Noiníciodo Programa Pró-Emprego,quea tradingeracontemplada,a empresaestavana9ªposiçãoentreasimportadorasdesanta Catarina,operando 81 milhõesdedólares.estesnúmerosforamcrescendo,enoanode2010registrou orecorde da empresa, conquistando o segundolugar no valor movimentado, fechandooanoem360 milhõesdedólares. Comoserácitado posteriormente, em 2010 o Senador RomeroJuca apresentouoprojetoderesoluçãodosenado72,oquepodetergeradoincertezas porpartedosimportadores,comopodesepercebernográfico.

39 38 Gráfico 3 - Importações da Importejá e sua colocação nas importações catarinenses Importações da "Importejá" US$ x 1 milhão /9º 2008/6º 2009/6º 2010/2º 2011/5º 2012/10º Fonte: SANTA CATARINA. Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC). Elaborado pelo autor. Portanto, dado o exposto, é notável que programas de incentivos fiscais para as importações são extremamente vantajosos para estados que os oferecem, gerando a concorrência com os produtos nacionais, o que acarreta numa dimuição de preços e na redução de impostos por parte dos governantes responsáveis. 3.2 UNIFICAÇÃO DO ICMS INTERESTADUAL PARA OS PRODUTOS IMPORTADOS As propostas que serão explicadas a seguir, são decorrentes das chamadas guerra fiscal e guerra dos portos. Estas expressões foram criadas a partir de descontentamentos por partes de alguns estados que não ofereciam benefícios fiscais e, segundo eles, acabavam sendo prejudicados.

40 Projeto de Resolução 72 A Resolução 13, atualmente vigente no Brasil, foi uma modificação e adaptação do Projeto de Resolução 72 (PRS 72). Então, para que fique claro todas as etapas que levaram a unificação do ICMS Interestadual, é necessário que se entenda o processo por inteiro. O PRS 72 foi apresentado em 22 de dezembro de 2010 pelo Senador Romero Juca e objetivava alterar o ICMS Interestadual para 0% sob bens e mercadorias importadas, como mostra a ementa: Estabelece que a alíquota do ICMS, nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior, será de 0%; aplica-se esta alíquota aos bens e mercadorias importados do exterior, após o seu desembaraço aduaneiro, desde que tenham sido submetidos a processo que importe apenas em alterar a apresentação do produto, pela colocação de embalagem, e não tenham sido submetidos a processo de industrialização (BRASIL, 2010). Conforme o Art. 1º, aplica-se apenas após o desembaraço aduaneiro em dois casos: 1) os produtos que não tenham sido industrializados. 2) Processo que apenas altere a apresentação do produto, pela colocação da embalagem, ainda que em substituição da original (BRASIL. 2010). A principal justificativa para os defensores do PRS 72 é acabar com a guerra dos portos. Este termo, muito utilizado na época, criou-se pelo fato de 10 Estados (Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Santa Catarina, Sergipe, Tocantins) estarem oferecendo incentivos que barateiam as importações por seus portos, barateando estes produtos e deixando os produtos nacionais em desvantagem competitiva. Para que se entendam os argumentos a favor deste projeto, é importante entender a diferença entre as expressões guerra fiscal e guerra dos portos. A guerra fiscal, começou no Brasil nos anos 70 (setenta) e baseava-se na redução de impostos, pelos governos estaduais, para que as empresas se instalassem em seus Estados, o que ajudava a descentralizar a produção do país. Já a guerra dos portos começou na ultima década com os incentivos de ICMS oferecidos por alguns Estados, e que diferentemente da guerra fiscal que atraía empresas, a guerra dos portos visa atrair produtos estrangeiros, começando assim esta grande discussão.

41 40 Outra justificativa para esta alteração, é a suposta diminuição de postos de trabalho relativos aos produtos que acabam não sendo produzidos no Brasil. Além destes dois motivos pelos quais o PRS 72 foi proposto, outros três fatores foram citados, como mostra o texto inicial do projeto: Estruturação de operações visando ao aproveitamento dos benefícios indevidos, prejudicando o equilíbrio da concorrência; insegurança nas decisões de investimento na produção nacional; redução das receitas da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, conforme exposto no tópico a seguir, em prejuízo dos investimentos em saúde, educação e outras importantes áreas para a sociedade (BRASIL, 2010). Certamente, vários argumentos foram apresentados, tanto para a aprovação quanto para a rejeição do PRS 72, vindos das mais diversas áreas. Mas é visível que os envolvidos estão buscando sempre o melhor para o seu Estado, ou seu ramo de atividade. Então, para que se compreenda as causas e as consequências que este projeto trouxe aos envolvidos, é importante que se visualize claramente os dois lados, são eles: os Estados que ofereciam benefícios às importações, principalmente Goiás, Espírito Santo e Santa Catarina e os Estados que não ofereciam estes benefícios, tendo como liderança, o Estado de São Paulo. Em audiência publica no Senado Federal realizada no dia 20 de março de 2012, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) Paulo Skaf (2012), começou seu discurso deixando claro que é a favor que seja discutido, em outra oportunidade, políticas de incentivos à indústria nacional, para que se obtenha mais competitividade e o produto fique mais barato para o consumidor. Na visão do empresário, estes incentivos estavam deixando os produtos importados a preços mais baixos comparado com os produzidos internamente, afetando negativamente, e diretamente, à indústria nacional. A guerra dos portos acaba por beneficiar os países que exportam ao Brasil a preços mais baratos, gerando empregos e melhorando suas balanças comerciais, ao invés de utilizar o dinheiro dos incentivos para melhorar a qualidade de vida dos brasileiros, realizando melhorias nas áreas de saúde, educação, segurança, entre outras.

42 41 Ainda, segundo o empresário, pesquisas realizadas pela FIESP, 915 (novecentos e quinze) mil empregos deixaram de ser gerados no Brasil devido ao incentivo oferecido por alguns Estados da Federação. A única parte que Paulo Skaf e os representantes dos Estados que perderam os benefícios concordam, é em relação à alta e abusiva carga tributária que a indústria brasileira paga. Neste sentido, em relação aos altos custos de produção, o Senador de Santa Catarina, Paulo Bauer, afirmou que as indústrias brasileiras pagam energia muito mais cara do que a paga pelos países desenvolvidos, o preço do gás é quase três vezes mais caro que o dos Estados Unidos, por exemplo. O Senador ainda cita a folha de pagamentos dos funcionários público, que é extremamente onerosa. Apesar disso, Paulo Bauer e outros Senadores dos Estados de Goiás, Espírito Santo e Santa Catarina, discordam do presidente da FIESP sobre os motivos pelos quais a indústria brasileira não está conseguindo concorrer com os produtos estrangeiros. A falta de competitividade dos produtos nacionais em relação aos importados deve-se, além dos motivos anteriormente citados, ao fato de que o nível de renda da população está aumentando, os levando a comprar mais. Uma vez que a indústria não recebe um programa organizado e eficiente de incentivo fiscal, acaba por não conseguir produzir toda a demanda, é quando acontece a intensificação das importações. Os Senadores afirmam ainda, que os produtos importados são produtos não acabados, como máquinas para indústrias e insumos, além de carros, onde o país não tem indústria nacional. Logo, os importados não podem ser considerados os problemas de falta de concorrência dos produtos brasileiros. Em entrevista à TV UNIVALI de Itajaí, o Presidente do Sindicato das Empresas de Comércio Exterior de Santa Catarina, Rogério Marin, diz que as expressões guerra fiscal e guerra dos portos, utilizadas pela maioria, estão equivocadas. Ele afirma que o que acontecia era única e exclusivamente concorrência, o que acaba por se tornar benéfico para o consumidor, uma vez que a indústria nacional perdendo espaço para os produtos importados, força o Estado a diminuir a carga tributária.

43 Resolução 13 Em 26 abril de 2012, o Senado publicou a Resolução 13 que unifica as alíquotas interestaduais do ICMS para 4% sobre produtos importados, entrando em vigor a partir de 1º de janeiro de Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior, será de 4% (quatro por cento) (BRASIL, 2012). Fazem parte desta resolução os bens que, após seu desembaraço aduaneiro, não tenham sido industrializados, ou, caso tenham sido industrializados, tenham conteúdo proveniente de importação maior que 40% da sua totalidade. Não se aplicam a esta Resolução as seguintes exceções: a) As mercadorias importadas que não tenham similares nacionais presentes na lista feita pela Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) b) Aos bens produzidos conforme os processos produtivos básicos (PPB) aplicáveis à Zona Franca de Manaus c) Setores de informática, automação d) Importações de gás natural a ser utilizado por outros Estados. Considera-se industrialização, a realização de transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento, reacondicionamento, renovação, recondicionamento ou tornar o produto próprio para o consumo. Na prática, a Resolução 13 não acaba com os benefícios fiscais, ela reduz a margem de benefício que os Estados podem oferecer aos exportadores, agora, tendo 4% como teto, e não os 12% como antes. Os motivos que alteraram a proposta de alíquota de 0% para 4% são: a) Uma vez que os incentivos eram basicamente através do crédito presumido, a alíquota de ICMS interestadual igual a 0% faria com que os Estados de destino das mercadorias não recebessem este crédito. b) Já que a alíquota zero seria somente para produtos importados que não tivessem sido industrializados, sua fiscalização se tornaria muito difícil. c) Empresas que não movimentassem suas mercadorias para outros Estados, teriam um crédito de ICMS relevante.

44 43 Antes de ser aprovada, diversos Senadores dos Estados mais afetados negativamente com esta Resolução propuseram emendas. Entre elas, Luiz Henrique (SC) em audiência no Senado, propôs que a alíquota de ICMS interestadual sofresse uma redução gradativa, dando tempo para que os Estados pudessem agir, buscando manter as empresas aqui instaladas para realizar importações. Porém, nenhuma foi aceita e a Resolução 13 está em vigor, conforme acima explicado Dados das importações em Santa Catarina após a unificação do ICMS Após a aprovação da Resolução 13 vigente desde 1º de janeiro de 2013, Santa Catarina e os demais estados afetados por ela, começaram movimentos nas mais diversas áreas para que os impactos não fossem tão prejudiciais. Os números do gráfico 4, mostram que estes esforços foram válidos, diversas empresas, mesmo sem os benefícios do ICMS, optaram por ficar em Santa Catarina ao invés de retornarem para seus Estados Natais. A seguir estão listados os principais motivos pelos quais muitas importadoras não retornaram aos seus Estados e continuaram importando por Santa Catarina. a) De acordo com Dias e Rodrigues(2010), devido a burocracia, o Porto de Santos é considerado mais lento do mundo. b) O Porto de Itajaí recebeu 287 milhões de reais em investimentos. Através do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC), o Governo Federal investiu 165 milhões de reais e o Governo Estadual 122 milhões de reais. Este dinheiro será utilizado para melhorar a infra estrutura, aumentando a capacidade de movimentação de cargas, e melhorando a dragagem, e com isso, ficar apto para receber navios de grande porte. (Informação verbal). c) As empresas que se beneficiavam do incentivo oferecido por Santa Catarina estabeleceram uma ligação de confiança com o Estado. d) Não seria vantajoso para as empresas retornarem aos seus Estados natais, por toda logística e investimentos necessários.

45 44 Gráfico4- ImportaçõesemSantaCatarinadeJaneiroaJunhode2013. ImportaçõesemSCx1milhão(US$) SantaCatarina Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Fonte:Dadosprimários,2013.Elaboradopeloautor. Ográficoaseguir mostraaarecadaçãodoicmsemsantacatarinanos anoscitados.ficaclaroqueanoapósano,estesnúmerosvãoaumentando,uma vezqueopibdoestadoaumentaeasimportaçõesaumentam. Porém, o ano de 2013 deve fechar com uma redução de aproximadamente300 milhõesdereaisdaprevisãofeitapelogovernoestadual. Gráfico5- ArecadaçãodeICMSemSantaCatarina ArecadaçãodeICMS(RS$bilhões) 11,8 12,6 10,2 8,4 7,8 6,8 13, (previsão) Fonte:SANTACATARINA.FIESC(2013,p.130).Commodificação.

46 45 Verificado os dados das importações catarinenses realizadas nos períodos onde os benefícios fiscais estavam presentes e quando a Resolução 13 já estava vigente, a seguir será visto os impactos nos principais envolvidos com esta alteração fiscal. 3.3 IMPACTOS DA UNIFICAÇÃO DO ICMS SOBRE OS PRINCIPAIS ATORES ENVOLVIDOS Entendido todos os debates a cerca da Resolução 13, os motivos apontados tanto para a aprovação da Resolução 13, quanto para sua rejeição e as alterações quanto ao novo tratamento tributário às importações, a seguir será alcançado a resposta para a problemática da pesquisa, realizando comparações entre os primeiros semestres de 2012 e 2013 nos principais envolvidos com estas alterações fiscais Tradings Companies Inegavelmente que as Tradings Companies foram as mais prejudicadas com a unificação de ICMS interestadual para importados. Até o início de 2013, com o benefício vigente, muitas tradings acabavam por nem cobrar a assessoria dos clientes, isto porque comparado com o ganho obtivo por meio do benefício, o valor das assessorias tornava-se insignificante. Portanto, com o fim destes incentivos, as tradings tiveram que aumentar o custo de suas assessorias, além de buscarem alternativas para conseguirem se manter, como explicitado a seguir. Porém, muitos clientes que antigamente pagavam apenas uma assessoria simbólica às tradings, não aceitaram este aumento expressivo de custo e optaram por realizarem as importações por conta própria. Esta migração das importações feitas pelas tradings e passaram a serem realizadas pelas próprias empresas foi benéfica aos profissionais de comércio exterior, uma vez que a necessidade de contar com uma mão de obra qualificada para realizar as operações de importação se tornaria indispensável.

47 46 NocasodeumatradingcompanydeFlorianópolis,queseráutilizadacom onomefictíciode Importejá,foramrealizadasalgumas medidasantes mesmoda unificaçãoocorerefetivamente. Comopodeseperceberaseguirnográfico,oquadrodefuncionáriosda empresafoireduzidoapósaconfirmaçãodaresolução13. Nocomeçodoanode 2012,aempresacontavacom134funcionários,jáemjunhode2013,estenúmero caiupara114colaboradores. Gráfico6-Colaboradoresdaempresa Importejá Quadrodefuncionários Janeirode 2012 Junhode2012 Dezembrode 2012 Marçode2013 Junhode2013 Fonte:Empresa Importejá (2013).Commodificações. Questionadasobreaprevisãoparaospróximos meses,afuncionáriado setorderecursoshumanosdaempresa Importejá dissequeaempresapretende demitirainda maisfuncionários,umavezqueovolumedasimportaçõesrealizadas pelatradingaindatendeacairainda mais. Além da redução no quadro defuncionários, a empresa decidiu implementarumprojeto,ondeasdiseliseramfeitasinternamente.oquealémde enxugar gastos, acabou sendo outrafonte de arecadação. Em média, as DeclaraçõesdeImportaçãocustavam500reaiseasLicençasdeImportação50 reais.

48 47 Estasduas medidasreduziramcustoseacrescentaram maisumafonte derenda,porém,nãoseriamsuficientesseaempresaperdessegrandepartede seusclientes. Então,oscolaboradoresresponsáveispelapartecomercialda trading, entraramemcontatocomosclientesparagaranti-losoperandotambémnoano seguinte. Estatarefatornou-secomplicada, umavez que a empresateria que cobrarumaassessoria maiscaraaosseusclientes,pelofatodenãocontarcomo grandelucroqueobtinhavindodoincentivodoicms,porém,seoclientetivesse uma capacidade de realizar asimportaçõesinternamente e acabar com a terceirização,oprocessosairiabemmenoscustoso. Alémdebuscarcontratosparaoanode2013,ocomercialdaempresa trabalhouparabuscarnovosclientes. Grandealvoda Importejá,emparticular, foramasempresasqueinstalaram-seem Santa Catarinavisandoestebenefício, porém,comseufim,nãoseriainteressanteaempresaretornarparaoestadode ondeveio e nem manter uma equiperesponsávelsomente pelasimportações. Portanto, muitasdestasempresastornaram-seclientesde tradingsecomerciais importadoras. Comopercebe-senográficoabaixo,noperíodoentre1ºdejaneiroà30 dejunhodosanos2012e2013,adiferençaentreasimportaçõesrealizadaspela Importejá foide233.estenúmerosónãofoi maisexpressivograçasas medidas queogovernocatarinenseeasempresasaquiinstaladastomaram. Gráfico7-Importaçõesrealizadaspela Importejá. NúmerodeprocessosdeImportações(01/01-30/06) Fonte:Empresa Importejá (2013).Commodificações.

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP

Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções. Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP Resolução do Senado Federal nº 13/2012: características, problemas e soluções Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP ICMS - ICMS: imposto de conformação nacional exaustivamente regrado pela CF/88;

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 1 RESOLUÇÃO 13 X DECRETO 4316/95 RESOLUÇÃO 13 DECRETO 4316 COMENTÁRIOS Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS

A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS A SISTEMÁTICA BRASILEIRA APLICADA À OPERAÇÃO BACK TO BACK: ROTINA E PROCEDIMENTOS Profª. MSc. Patrícia Duarte Peixoto Morella Julciane Dambros RESUMO Com a significativa intensificação do comércio internacional

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS TRADING COMPANY - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Requisitos, Condições e Obrigações Tributárias Acessórias

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados

Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados Resolução do Senado nº 13/2012 ICMS nas Operações Interestaduais com bens importados René de Oliveira e Sousa Júnior Diretor na Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda e Presidente da COTEPE/ICMS,

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados

ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados ICMS Alíquota de 4% nas operações interestaduais para produtos importados Igor Ribeiro de Oliveira Tel: +55 21 21274253 ioliveira@mayerbrown.com 22 de fevereiro 2013 Tauil & Chequer Advogados is associated

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas

Setembro 2014. Aspectos pragmáticos das importações indiretas Setembro 2014 Aspectos pragmáticos das importações indiretas Agenda 1. Contexto 2. Modalidades de Importação 3. Real adquirente x Real importador 4. Conclusão PwC 2 PwC Contexto 1. Contexto Responsável

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS

INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS INCENTIVOS FISCAIS / FINANCEIROS Entendidas as distinções básicas das alternativas apresentadas ao fabricante ou produtor para a promoção da saída, a título de exportação de seus produtos, seja ela direta,

Leia mais

Guerra Fiscal dos Portos: um Estudo sobre o Impacto da Unificação do Icms Interestadual em 4% para Produtos Importados no Estado de Santa Catarina

Guerra Fiscal dos Portos: um Estudo sobre o Impacto da Unificação do Icms Interestadual em 4% para Produtos Importados no Estado de Santa Catarina Guerra Fiscal dos Portos: um Estudo sobre o Impacto da Unificação do Icms Interestadual em 4% para Produtos Importados no Estado de Santa Catarina Suzete Antonieta Lizote lizote@univali.br UNIVALI Eleine

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal

Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal Suposta Guerra Fiscal dos Portos e a Inconstitucionalidade da Resolução 72/2010 do Senado Federal Rinaldo Maciel de Freitas 1 Não há como associar uma suposta desindustrialização, ou, a redução de empregos

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Anexo I. Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos

Anexo I. Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos Anexo I Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos 1. Os impactos desfavoráveis sobre a indústria nacional de bens de capital a. O viés

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: ICMS. Guerra Fiscal. Resolução 13/12.

Resumo. Palavras-chave: ICMS. Guerra Fiscal. Resolução 13/12. Unificação da Alíquota do ICMS em Operações Interestaduais com Mercadorias Importadas: Estudo Sobre as Consequências da Resolução 13/12 para o Estado de Santa Catarina Resumo A Resolução 13/12 foi aprovada

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

Resolução do Senado 13/2012. Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias

Resolução do Senado 13/2012. Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias Resolução do Senado 13/2012 Análise da Aplicação da norma e do cumprimento das obrigações acessórias 1 Tributação do Consumo: A tributação do consumo no Brasil: Repartição de competências: Art. 155. Compete

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados

Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Modalidades de Importação para redução de custos de equipamentos e produtos importados Introdução Contexto Brasileiro AquisiçãoA i i ã de Produto Direta / Trading Importação por Conta e Ordem Globalização

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

- Imposto com função regulatória, também chamado de imposto aduaneiro de importação.

- Imposto com função regulatória, também chamado de imposto aduaneiro de importação. 1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1.5. Imunidade Tributária - Nenhum ente federativo pode criar impostos sobre: a) Patrimônio, renda ou serviços uns dos outros; b) Templos de qualquer culto; c) Partidos políticos,

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos paranaenses 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA Curso: 22211 - ADMINISTRAÇÃO com Linha de formação em Comércio Exterior Disciplina: 02675 - OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR - IMPORTAÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

Recentes alterações nas regras de ICMS para as importações e seus reflexos para as empresas.

Recentes alterações nas regras de ICMS para as importações e seus reflexos para as empresas. Maringá, 18 de Abril de 2013 Recentes alterações nas regras de ICMS para as importações e seus reflexos para as empresas. 2 www.pactum.com.br Martina Robinson de Azevedo martina@pactum.com.br Advogada

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO! hiltonds@ig.com.br!!! hilton@cavalcanteesilva.com.br!

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO! hiltonds@ig.com.br!!! hilton@cavalcanteesilva.com.br! FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE ICMS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO hiltonds@ig.com.br hilton@cavalcanteesilva.com.br GESTÃO DE TRIBUTOS - COMEX IMPOSTOS ESTADUAIS ICMS Art. 155, II, da CF/88

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO INTRODUÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO INTRODUÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO NA EXPORTAÇÃO Mário Alexander Lopes Rodrigues é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves Advogados Associados. Formado em Direito no Centro Universitário do Distrito Federal

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno PLANO DA DISCIPLINA 2014 Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário Curso : Ciências Contábeis Formação : Profissional Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno Professor Responsável: Carlos Otávio

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CÓDIGOS DE OPERAÇÕES DE ENTRADAS 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda:

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda: DECRETO Nº 8.264, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.741, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor quanto à carga tributária incidente sobre mercadorias

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Ampliação e aperfeiçoamento dos mecanismos de desoneração tributária dos sistemas de logística reversa e estudo de impacto econômico da desoneração Estudo preparado para

Leia mais

GUERRA FISCAL. Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013

GUERRA FISCAL. Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013 GUERRA FISCAL Comitê Jurídico SWISSCAM 24 de maio de 2013 I. Limites aos Incentivos de ICMS II. Guerra Fiscal e tipos de incentivos irregulares III. Medidas de Retaliação: Autos de Infração e outras IV.

Leia mais

DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS

DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS DOS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES MERCANTIS INTERNACIONAIS PAULO CESAR PIMENTEL RAFFAELLI Data conclusão: 19/06/2006 SUMÁRIO: 1. Resumo - 2. Introdução 3. Do Imposto de Importação I.I. 4. Do Imposto

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

Recife (PE) Maio 2014

Recife (PE) Maio 2014 Recife (PE) Maio 2014 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Art. 170 A ordem econômica... tem por fim... existência digna, conforme os ditames da justiça social... observados os seguintes princípios:... VII - redução

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv)

A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS (SISCOSERV) O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv) Com implantação realizada o primeiro dia de agosto do corrente

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais