OMC: suas funções e seus acordos de comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OMC: suas funções e seus acordos de comércio"

Transcrição

1 OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947 a partir da Conferência de Bretton Woods. Depois disso, houve muitas Rodadas de Negociação entre os países, o que levou a criação da OMC Organização Mundial do Comércio. PROBLEMAS E SOLUÇÕES: Com o fim da II Guerra, era necessário estimular o comércio no âmbito das negociações do GATT. Para cada problema havia uma proposta de solução. Eis resumidamente os CINCO maiores problemas e suas soluções: PROBLEMA 1: CONCESSÕES BILATERAIS, EM VEZ DE CONCESSÕES MULTILATERAIS: Nenhum país concedia um benefício para todo mundo. A concessão era sempre muito limitada. Criação da Cláusula da Nação Mais Favorecida (artigo I do GATT): A nação que favorecer um país com acordo bilateral, se vier a fazer novo acordo com um terceiro país, em condições mais favoráveis, deveria estender o benefício ao primeiro. PROBLEMA 2: Discriminação em Matéria de Tributos Internos (tipo IPI, PIS e COFINS): Os países tributavam internamente os produtos estrangeiros com alíquotas mais altas que as alíquotas cobradas sobre os produtos nacionais.

2 Criação do artigo III (Princípio do Tratamento Nacional): o país deve dar ao produto estrangeiro o tratamento de tributação interna que dá ao produto nacional. PROBLEMA 3: Uso de Dumping e de Subsídios, considerados medidas desleais de comércio: Os governos criaram todo tipo de subsídios para incentivar exportações e ainda estimulavam a prática de dumping por parte de suas empresas privadas. Criação de medidas de defesa comercial: Com base no artigo VI e XVI, é possível a retaliação com imposição de tributos antidumping e de medidas compensatórias, respectivamente. PROBLEMA 4: Uso de bases de cálculo arbitrárias e fictícias na cobrança de tributos: Havia governos de arbitravam os valores de importações para aplicação de suas regras tributárias sobre a entrada de produtos estrangeiros. Além disso, não havia harmonização das legislaçoes sobre o valor aduaneiro. Criação do artigo VII do GATT (O Valor Aduaneiro VA): o valor usado para fins aduaneiros (para tributação) não pode ser arbitrário nem fictício. Os países deveriam usar como valor aduaneiro o valor real da importação, calculada com base em um dos seis métodos valorativos criados. PROBLEMA 5: Uso de quotas de importação: Governos criavam quotas quantitativas e qualitativas, limitando a entrada de produtos estrangeiros, por país exportador e/ou empresa importadora.

3 Criação do Artigos XI do GATT: Os países não poderiam usar restrições quantitativas (quotas). Não se pode restringir importação, seja por volume, seja por valor. Até hoje nem sempre essa orientação é cumprida por todos os países. CRIAÇÃO DA OMC: Muitas rodadas de negociação foram feitas para resolver esses problemas e implementar soluções. Ficaram famosas a Rodada de Tóquio, de Doha e a Rodada Uruguai. A Rodada Uruguai foi a oitava e é considerada a mais importante, pois conseguiu criar, em 1994, a OMC Organização Mundial do Comércio. O QUE É A OMC: É a instituição que administra o sistema multilateral de comércio, visando ao livre comércio mundial. Fiscaliza a aplicação do acordo multilateral já existente, o GATT. Entrou em vigor em 01 de janeiro de OBJETIVOS DA OMC: Elevação dos níveis de vida, Pleno emprego, Expansão da produção, Proteção do meio ambiente. Obs.: Tudo isso a partir de normas de comércio entre os países membros. FUNÇÕES DA OMC: Aplica normas para acordos, foro de negociação, administra solução de controvérsias, supervisiona políticas comerciais nacionais, busca elevação do nível de vida, expansão da produção. Possui em torno de 150 países-membros. GATT 1994: Comércio de bens. (interessa para o concurso) GATS: Comércio de serviços. (interessa para o concurso) TRIPs: Propriedade intelectual. TRIMs: Investimentos estrangeiros. SPS: Medidas sanitárias. TBT: Barreiras técnicas. ESC: Solução de controvérsias: consulta, mediação, conciliação, painel de especialistas, proposta de solução, recurso, compensação pela parte condena ou retaliação pela vencedora.

4 GATT 1994 (acordo de comércio de bens): Atualizou o GATT Trata da Nação Mais Favorecida (art.1º), lista de produtos com alíquotas máximas (art.2º), tributos internos (art.3º), valoração aduaneira (art.7º) e outros. GATS (acordo de comércio de serviços): Trata da prestação de serviços transfronteiriços (transporte internacional), presença comercial no exterior (bancos, seguradoras, telefônicas), consumo no exterior (serviço de turismo, saúde), movimentação de pessoas físicas (profissionais liberais). ESTRUTURA DA OMC: A maior autoridade é a Conferência Ministerial, com representantes de todos os países (reúne a cada 2 anos). Veja em arquivo PDF. Outros órgãos: Conselho Geral, Conselhos, Comitês e Secretaria. 01. (AFRF 2002/1) Nas últimas décadas, por meio de sucessivas rodadas de negociação conduzidas no âmbito do Acordo Geral de Tarifas e Comércio, em especial a partir das duas últimas - a Rodada Tóquio e a Rodada Uruguai -, as barreiras tarifárias foram gradualmente reduzidas. Nesse período, produziramse normas, regras e acordos específicos que hoje conformam o sistema multilateral de comércio. Sobre o alcance das disciplinas comerciais ora vigentes no âmbito da OMC é correto afirmar que: a) estão contempladas apenas questões tarifárias, o tratamento das barreiras não-tarifárias e as práticas desleais de comércio. 2c investimentos e propriedade intelectual.

5 investimentos e propriedade intelectual. investimentos e propriedade intelectual.

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CONCEITOS BÁSICOS, COMÉRCIO EXTERIOR, INTERNACIONAL, POLÍTICA COMERCIAL, COMÉRCIO INTERNACIONAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO, PROTECIONISMO E LIVRE-CAMBISMO. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS. 1. Marque

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO Fabíola de Moura Sérvulo 1 RESUMO A Organização Mundial do Comércio é a principal organização internacional para questões de comércio. Ainda que não seja uma agência especializada

Leia mais

(no edital de ATRFB-2009, é o tópico 2) Multilateralismo no comércio internacional

(no edital de ATRFB-2009, é o tópico 2) Multilateralismo no comércio internacional 1 2. A Organização Mundial do Comércio (OMC): textos legais, estrutura, funcionamento. 2.1. O Acordo sobre o Comércio de Bens (GATT-1994); princípios básicos e objetivos. 2.2. O Acordo Geral sobre o Comércio

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO As Partes do presente Acordo, Reconhecendo que as suas relações na esfera da atividade comercial e econômica devem objetivar a elevação dos níveis

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

Manual de Negociações Internacionais

Manual de Negociações Internacionais Manual de Negociações Internacionais MANUAL DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS FEDERAÇÃO E CENTRO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR DEREX GERÊNCIA

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

RESUMO. Relações Econômicas Internacionais

RESUMO. Relações Econômicas Internacionais RESUMO Relações econômicas internacionais Conteúdo 1. Conceitos pag. 02 2. Abordagens Analíticas do Comércio Internacional pag. 04 3. Políticas Comerciais Protecionismo e Livre-Cambismo pag. 09 4. Organização

Leia mais

Letra B: errada. Mesmo os países ditos liberais reconhecem a importância dos acordos regionais e

Letra B: errada. Mesmo os países ditos liberais reconhecem a importância dos acordos regionais e Prof. Rodrigo Teixeira Luz 1 Prova AFRFB/2009 - COMÉRCIO INTERNACIONAL 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países, sendo

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

POLÍTICA COMERCIAL. Cotas de importação: restrição sobre quantidade Tarifa: específica ou ad-valorem. Subsídio:

POLÍTICA COMERCIAL. Cotas de importação: restrição sobre quantidade Tarifa: específica ou ad-valorem. Subsídio: POLÍTICA COMERCIAL Termos de troca: relação entre os preços praticados nas importações e exportações de um determinado país. Instrumentos de política comercial Cotas de importação: restrição sobre quantidade

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira

O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE. Jaime de Oliveira O IMPACTO DO DIREITO OHADA E DOS ACORDOS DA OMC NO DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE Jaime de Oliveira 1 PLANO DA APRESENTAÇÃO I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE: OHADA, OMC E DIREITO FISCAL SÃO-TOMENSE II. DIFICULDADES

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

CURSOS ONLINE COMÉRCIO INTERNACIONAL - CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 19

CURSOS ONLINE COMÉRCIO INTERNACIONAL - CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 19 Oi, pessoal. AULA 19 Esta é a última aula do curso e vamos hoje estudar os seguintes tópicos: 2.... O Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços (GATS). O Acordo sobre Direitos de Propriedade Intelectual

Leia mais

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira

Curso Básico de Comércio Exterior Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Módulo IV. Pitágora Pereira CURSO BÁSICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS... 03 1.1 Barreiras Tarifárias... 03 1.1.1 A Tarifa Ótima... 04 1.2

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-1. Auditor-Fiscal da Receita Federal - AFRF - 2002 / 1

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-1. Auditor-Fiscal da Receita Federal - AFRF - 2002 / 1 1 Auditor-Fiscal da Receita Federal - AFRF - 2002 / 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL 01- Assinale a opção que melhor define "Comércio Internacional". a) A expressão "Comércio Internacional" designa, unicamente,

Leia mais

DIP EM TEORIA E EXERCÍCIOS PARA RECEITA FEDERAL PROF. THÁLIS ANDRADE

DIP EM TEORIA E EXERCÍCIOS PARA RECEITA FEDERAL PROF. THÁLIS ANDRADE AULA 6 8. Direito do Comércio Internacional. A OMC. O Acordo-Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT). Acordo sobre Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SBS). Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de ACE/2002 COMÉRCIO EXTERIOR

Prof. Rodrigo Luz Prova de ACE/2002 COMÉRCIO EXTERIOR 1 COMÉRCIO EXTERIOR 41- Sobre a Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), é correto afirmar-se que: a) é órgão vinculado à Presidência da República incumbido de promover e divulgar oportunidades comerciais

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

Do Gatt à OMC: O que Mudou, como Funciona e para onde Caminha o Sistema Multilateral de Comércio*

Do Gatt à OMC: O que Mudou, como Funciona e para onde Caminha o Sistema Multilateral de Comércio* Do Gatt à OMC: O que Mudou, como Funciona e para onde Caminha o Sistema Multilateral de Comércio* ELBA CRISTINA LIMA RÊGO** Resumo Em 1 de janeiro de 1995 entrou em funcionamento a Organização Mundial

Leia mais

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios COMÉRCIO E FINANÇAS INTERNACIONAIS Prof. José Alfredo A. Leite (Ph.D.) 2. Políticas Externas, p. 1 2A. PROTECIONISMO Características: O protecionismo compreende um conjunto de políticas econômicas destinadas

Leia mais

SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO INTERNACIONAL SILVIA FAZZINGA OPORTO

SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO INTERNACIONAL SILVIA FAZZINGA OPORTO SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO INTERNACIONAL SILVIA FAZZINGA OPORTO SUMARIO: INTRODUÇÃO-1 BREVE EXPOSIÇÃO HISTÓRICA - 2 SISTEMA MULTILATERAL DE COMERCIO INTERNACIONAL - 2.1 INSTITUCIONALIZAÇÃO DE SOCIEDADES

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 3.5 GATT 1994 NAÇÕES UNIDAS Nova York e Genebra, 2003 NOTA O Curso sobre Solução de

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS E O MECANISMO DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC Autor(a): Dulce Maria

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR

31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR 31º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação Londrina/PR Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias DNSF Principais Exigências Sanitárias e Fitossanitárias do Mercado Internacional

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

DO GATT À OMC: O QUE MUDOU, COMO FUNCIONA E PERPECTIVAS PARA O SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO

DO GATT À OMC: O QUE MUDOU, COMO FUNCIONA E PERPECTIVAS PARA O SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO 109 DO GATT À OMC: O QUE MUDOU, COMO FUNCIONA E PERPECTIVAS PARA O SISTEMA MULTILATERAL DE COMÉRCIO Cláudio Ferreira da Silva 1 Breve Histórico, Rodada do Uruguai e relações Norte-Sul Iniciada em 1986

Leia mais

O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE*

O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE* O MULTISSISTEMA DA REGULAÇÃO DO COMÉRCIO GLOBAL: PROPOSTA DE NOVO REFERENCIAL TEÓRICO E NOVA METODOLOGIA DE ANÁLISE* Vera Thorstensen ** RESUMO Diante da atual complexidade do quadro regulatório sobre

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO*

SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* Convenção 151 SOBRE A PROTEÇÃO DO DIREITO DE SINDICALIZAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA DEFINIR AS CONDIÇÕES DE EMPREGO NO SERVIÇO PÚBLICO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

Índice. Sumário Executivo 5

Índice. Sumário Executivo 5 Índice Sumário Executivo 5 A Normativa Internacional sobre o Comércio de Serviços e de Serviços Financeiros 12 O Sistema Multilateral de Comércio Redefinido 12 A OMC e os Acordos Regionais 13 Comércio

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-2. Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2002-2. Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2 1 Auditor-Fiscal da Receita Federal AFRF/2002-2 COMÉRCIO INTERNACIONAL 01- O imposto de importação tem como elementos que o caracterizam, na essência: a) o lançamento por declaração; o valor da fatura

Leia mais

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC Nota Técnica 1. Introdução O comércio internacional de bens usados tem sido, em muitos países, objeto de um tratamento diferenciado em comparação com

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Glossário - OMC. Cartel

Glossário - OMC. Cartel Glossário - OMC C Cartel Cartel é uma prática comercial semelhante ao Truste, porém consistindo na cooperação de empresas independentes, podendo ser utilizado tanto para fixação de preços quanto para a

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2003. Prova de AFRF/2003 COMÉRCIO INTERNACIONAL

Prof. Rodrigo Luz Prova de AFRF/2003. Prova de AFRF/2003 COMÉRCIO INTERNACIONAL Prof. Rodrigo Luz 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL 01- O Sistema Harmonizado distribui as mercadorias em: a) seções e capítulos, dos quais três foram reservados para utilização futura. Possui seis regras gerais

Leia mais

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA - RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 03

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA - RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 03 AULA 03 (PONTOS 4.4 e 24 DO PROGRAMA DE AFRFB/2012) (PONTO 4.4 e 23 DO PROGRAMA ATRFB/2012) SUMÁRIO DA AULA 1. INTRODUÇÃO - VALORAÇÃO ADUANEIRA... 2 2. HISTÓRICO DA VALORAÇÃO ADUANEIRA... 3 3. PRINCÍPIOS

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07 AULA 07 INSTITUIÇÕES INTERVENIENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Olá pessoal. Esse item sempre consta nos programas de AFRF na parte de Aduana. A atividade de comércio exterior no Brasil é regulamentada e controlada

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO Rafael Chaves Ferraz RESUMO O governo norte-americano concedeu grandes subsídios a seus produtores de algodão,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE ABORDAGENS NO ÂMBITO DO GATT E DA OMC

COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE ABORDAGENS NO ÂMBITO DO GATT E DA OMC COMÉRCIO INTERNACIONAL E MEIO AMBIENTE ABORDAGENS NO ÂMBITO DO GATT E DA OMC Silvia Cristina Elias Zago * RESUMO Este artigo tem por objetivo identificar o tratamento dispensado às questões ambientais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

ROBERTO HERING MEYER A OMC E AS LIMITAÇÕES DE POLÍTICAS FISCAIS INTERNAS DOS ESTADOS O CASO DO BRASIL

ROBERTO HERING MEYER A OMC E AS LIMITAÇÕES DE POLÍTICAS FISCAIS INTERNAS DOS ESTADOS O CASO DO BRASIL ROBERTO HERING MEYER A OMC E AS LIMITAÇÕES DE POLÍTICAS FISCAIS INTERNAS DOS ESTADOS O CASO DO BRASIL Florianópolis 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais. Luiz Antonio Pinazza

Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais. Luiz Antonio Pinazza Sistema de Qualidade Nas Cadeias agroindustriais Luiz Antonio Pinazza Desafios do Projeto Qualiagro Objetivo 1. Identificar a situação atual da qualidade do agronegócio; 2. Propor bases para a implementação

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro

A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro A Defesa Sanitária Vegetal no Brasil - uma visão de futuro Foto: http://www.projetoreca.com.br/site/?page_id=98 Cósam de Carvalho Coutinho Diretor Departamento de Sanidade Vegetal DSV/SDA/MAPA WORKSHOP

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

LUIZ GUSTAVO LOVATO Especialista em Direito Privado Mestre em Direito Processual Civil pela PUCRS

LUIZ GUSTAVO LOVATO Especialista em Direito Privado Mestre em Direito Processual Civil pela PUCRS O PROCEDIMENTO DA SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO (OMC) COMO NORMA DE DIREITO SUPRANACIONAL AO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO LUIZ GUSTAVO LOVATO Especialista em Direito Privado

Leia mais