Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação"

Transcrição

1 Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação

2 promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4, n.º 21. Série 2 - As coisas em que os Pais pensam mais tarde ou mais cedo. Autores: Bruno Raposo Ferreira, Alexandra Pinto, Carolina Alzate, Inês Lamares. Todos os direitos reservados à Associação Chão d andar. Endereço da Sede: Rua de Angola, nº 6, 1º Esq., , Lisboa.

3 As Colónias de férias A preparação para a separação A adaptação, os desafios e os benefícios.

4 Chega uma altura na vida da grande maioria de crianças e pais em que as colónias de férias se apresentam como uma das soluções possíveis para conciliar a responsabilidade laboral dos pais e o exercício dos cuidados parentais no tempo de férias das crianças. Se é verdade que as motivações que levam os pais a ponderar as colónias de férias podem ser muitas, não é menos verdade que as idades em que se ensaia esta solução também são diversificadas, e o mesmo se pode dizer dos contextos e processos pelos quais a colónias de férias se tornam uma realidade, por vezes, desafiante, na vida das famílias. Para algumas famílias, as colónias de férias são uma solução apresentada pelas instituições que as crianças frequentam o resto do ano, e por isso estão em continuidade com o que é conhecido e decorrem com pessoas de confiança. De certa forma o ambiente não é completamente novo, e o desafio pode ser sentido como menos intenso. Para outras famílias, a instituição que promove as colónias de férias são uma completa novidade e o desafio pode comportar inseguranças para todos. Também para algumas crianças as colónias de férias começam a ser uma realidade ainda antes de iniciarem o primeiro ciclo, para outras, são uma novidade da idade escolar, para outras ainda, uma realidade que se apresenta pela primeira vez, na pré-adolescência. O facto de ser a primeira vez é coisa bem diferente da repetição, e ser uma criança mais velha e experiente permite que se desempenhe papeis diferentes nas actividades e no grupo de amigos, quando comparado com idades mais precoces. 3

5 Existem famílias para quem a razão fundamental que as leva a ponderar as colónias de férias é não terem com quem deixar os filhos na sua rede social de suporte próxima e de confiança (avós, amigos, etc.), quando os pais cumprem as suas responsabilidades laborais. Há ainda pais que vêem nas colónias de férias, uma oportunidade estimulante para o crescimento e maturação, um conjunto de experiências e aprendizagens que favorecem a autonomia e a socialização. De facto têm razão, quando tudo corre bem. Neste sentido, parece-nos importante que antes de tomar uma decisão possa levar em consideração alguns aspectos. Falar das colónias de férias, exige o reconhecimento que estas são experiências muito diferentes para cada um de nós, consoantes as circunstancias que as caracterizam, as nossas próprias características e experiências anteriores. Alguns pais, quando equacionam pela primeira vez as colónias de férias como uma possibilidade, têm uma visão ou expectativa romântica sobre o que vai ser, por vezes, fundada na experiência passada dos próprios pais ou de outras crianças próximas à família. Outros pais, tem uma visão ou expetativa ambígua, revestida de receios e incertezas: se a criança consegue suportar a separação prolongada, se a criança se irá inserir no grupo da outras crianças, se a criança será alvo dos cuidados necessários e se as actividades serão seguras, etc.. Estes receios por parte das crianças e dos pais são normais. A forma como lidamos com as nossas fantasias, esperanças ou expectativas prévias, nem sempre contempla alguns aspectos a ter em conta, que nos permitem antecipar e preparar, e que podem determinar a forma como os nossos filhos podem lidar com o desafio das colónias de férias. Não obstante esta diversidade há, pelo menos, um aspecto que é comum a todas as colónias de férias. Todas sem excepção acarretam uma separação. Uma separação dos pais, ou daqueles que cumprem esse papel. Quando é a primeira vez que uma criança passa tanto tempo afastada dos pais, ainda que em boa companhia e com muitas diversões, existe naturalmente o receio que com o andar dos dias o afastamento se torne naturalmente insuportável. Esta é uma separação que, por ser mais alargada no tempo que as situações de separação habituais do dia-a-dia, se coloca como um desafio afectivo e psicológico para os membros da família e a maioria das crianças. 4

6 Durante o verão, nas colónias de férias, muitas crianças poderão confrontar-se com sentimentos de receio e ansiedade normais, decorrentes dessa separação. Trata-se de incertezas que o separar-se daqueles que são fonte de segurança, conforto e carinho sempre levanta, e que defrontar-se com uma nova situação sempre comporta. Por isso é normal que antes de partir, misturado com o desejo de ir e da aventura, surjam sentimentos de incerteza, evitamento e recusa. Já no decorrer das colónias de férias, é também natural que as crianças mostrem sentimentos de tristeza e saudades de casa, a necessidade de contar as aventuras, partilhar alegrias e conquistas, ou tristezas e falhanços. Falar dos dói-dóis, dos acontecimentos e amizades. Estas são formas de nos reassegurarmos que os nossos pais estão ainda ali, atentos para o que der e vier, e que os nossos sentimentos, comportamentos, não os desiludem ou põem em causa a sua disponibilidade e amor. Os pais podem desempenhar um papel fundamental na gestão destas emoções, ajudando as crianças a compreender que sentir saudades e estar nostálgico ou triste face ao estar longe de casa é natural, e que os pais estarão sempre acessíveis, apesar da distância, para ajudar no que for necessário. Quanto mais pequena for a criança maior poderá ser o desafio: já que crianças mais novas não têm tanta experiência de estar longe de casa, não tendo por isto tantas estratégias disponíveis para a gestão das suas emoções. O mesmo se pode dizer de crianças para quem o estar longe de casa seja uma novidade. Aqui e ali, o tempo de separação e a tolerância da criança à experiência de afastamento dos pais, é também dois aspectos a ter em atenção, e que geralmente actuam conjuntamente, influenciando o resultado final. Preparar e antecipar é muito importante. 5

7 Algumas crianças que passam a maior parte do verão longe de casa podem experimentar sentimentos de tristeza de níveis variados (mais ou menos profundos consoante a criança), e ver frustradas as suas expectativas de estar mais tempo com os pais no período de férias. Neste sentido, é importante os pais falarem antecipadamente sobre o plano de férias e negociarem com os filhos momento e actividades conjuntas que sejam possíveis de realizar, sem criar expectativas desajustadas. Os pais podem, ainda ser uma importante fonte de suporte e de motivação, ainda que à distancia, para as crianças não se sentirem sobrecarregadas de actividades e sozinhas, permanecendo disponíveis para falar com elas, combinando momentos adequados para este propósito, etc.. A companhia e o suporte dos monitores, as actividades físicas, e os amigos podem ser outra fonte de segurança afectiva que poderão ajudar as crianças a lidar com os sentimentos de tristeza e ansiedade, quer face a novos desafios, quer face à separação familiar. Paralelamente, poderá ser importante ajudar a criança a compreender quais os aspectos durante a separação que podem controlar (escrever cartas, telefonar, participar em actividades, fazer novos amigos) e os que não são passíveis de ser controlados (a duração da separação e as rotinas do novo ambiente). 6

8 Antes das colónias iniciarem poderá ser importante ter em atenção os seguintes aspectos Introduzir a criança ao ambiente da colónia Decidir com antecedência o que irão fazer. Poderá ser importante que, antes das colónias de férias iniciarem, os pais, conheçam e apresentem a criança aos monitores, falem com as pessoas responsáveis pelas colónias, identifiquem e apresentem uma pessoa de referencia para a criança a quem esta poderá recorrer quando necessário, visitem se for possível o local onde decorrerá a colónia de férias. Isto poderá fornecer um sentimento de confiança e incentivar a criança a não desistir perante dificuldades que possam ser encontradas. Se a sua criança nunca passou uma noite fora de casa ou se o fez somente com familiares muito chegados (por exemplo: avós, tios, etc.) poderá ser importante que antes de se iniciar a colónia de férias ele(a) possa ter essa experiência numa situação de separação semelhante (por exemplo: ir dormir a casa de um amigo da escola e vice-versa.) de férias. Preparar e familiarizar a criança como que irá acontecer, permitindo que ela tenha uma expectativa adequada e sinta mais confiança e controlo. Poderá apresentar a criança ao ambiente da colónia, por exemplo, através do site, ver o programa de actividades, conversar e imaginar com ela sobre o que poderá viver ou sentir (por exemplo: aprender coisas novas, estabelecer novas relações, gerir novos desafios, disputas, rivalidades, etc). Para algumas crianças, este pode ser simplesmente um desafio para o qual não estão preparadas. A segurança e confiança das crianças para suportar separações prolongadas dos pais, depende, em geral, da maturidade psico-afectiva da criança, das suas experiências anteriores de separação, da forma como a criança foi preparada para o desafio, mas também do estado de saúde fisico e bem-estar psicológico. 7

9 8 para conhecer os nossos serviços clínicos, projectos e actividades consulte o nosso site As colónias de férias são para a grande maioria das crianças, fonte de alegria e diversão, aprendizagens e novas experiências, promovem a autonomia e a socialização. No entanto, existem alguns aspectos a ter em conta, a idade da criança, a sua maturidade, as suas experiências anteriores de separação dos pais, a forma como se preparou a ida da criança. Poderá ser importante ter em consideração que algumas crianças poderão desenvolver sintomas mais intensos, como o choro incessante, o isolamento, a apatia, problemas de alimentação e de sono durante vários dias seguidos. Nestes casos, é importante que os pais possam estar preparados para intervir e que compreendam que aquilo que deveria ter sido uma colónia de férias deixou de o ser, e é agora fonte de stress e angústia. dos pais Associação

Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento

Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento Vou embora ou fico? É melhor ir embora Estratégias de Evitamento A única coisa a ter medo, é do próprio medo The only thing you have to fear is fear itself (Franklin D. Roosevelt) Alguma vez deixou de

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Aspectos gerais Comunicação interpessoal e comunicação grupal Comunicação interpessoal e relações interpessoais

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

Obrigado por cuidar de mim!!

Obrigado por cuidar de mim!! Data da alta do bebê Retorno ao hospital Fabiana Pinheiro Ramos Sônia Regina Fiorim Enumo Kely Maria Pereira de Paula 7. Escreva aqui as suas principais dúvidas para perguntar ao médico na próxima consulta:

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda

Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda Lidando com emoções e frustrações criando um processo de tomada de decisão positivo Parent Academy October 2011 Elementary Office Camila Miranda O que é frustração? Estado emocional desagradável que advém

Leia mais

Harmonia. Alimentação Infantil. carlafernandes.eu

Harmonia. Alimentação Infantil. carlafernandes.eu Nutrir em Harmonia Alimentação Infantil carlafernandes.eu carlafernandes.eu Alimentação Infantil *Dicas práticas para o dia-a-dia Cada família tem uma cultura alimentar que é única. Única porque é marcada

Leia mais

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO?

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO? i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS É importante perceber que à medida que as crianças crescem e se desenvolvem, a sua rotina do sono também muda. Assim, será possível que um recém-nascido possa dormir cerca

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 1 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS D O S S I E R D O E M P R E E N D E D O R AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PROJECTO PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO IMIGRANTE P E I AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS Competências

Leia mais

Jardim Infantil Popular da Pontinha. Projeto Educativo Creche

Jardim Infantil Popular da Pontinha. Projeto Educativo Creche Jardim Infantil Popular da Pontinha Projeto Educativo Creche Crianças de 1 ano Educadora : Célia Ano Letivo:2013 /14 1 Introdução Um Projeto Educativo assume-se como um documento orientador que define

Leia mais

alegria, prazer, desejo e entusiasmo

alegria, prazer, desejo e entusiasmo ,, a ideia Os escalões de formação são, ou deveriam ser encarados por todos, como a base que pode garantir o futuro e até o sucesso de uma modalidade quer dentro de um clube quer a nível nacional. Actualmente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES (Des)motivação na sala de aula! Sugestões práticas da: Nota introdutória Ser professor é ter o privilégio de deixar em cada aluno algo que este possa levar para a vida, seja

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO 1. ESCUTAR OS FILHOS... 17 1.1 Dar tempo... 18 1.2 Prestar atenção... 19 1.3 Interpretar bem a mensagem... 19 1.4 Manifestar compreensão...

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS em seu sm t e e tablet P fólio de H tóri Impressão de livros sob demanda para a sua empresa Escolha a sua! TIMOLICO E AMIGOS Público alvo: crianças de até 6

Leia mais

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Estamos numa encruzilhada Não é a falta de saídas que é problemática,

Leia mais

O meu filho e o psicólogo

O meu filho e o psicólogo O meu filho e o psicólogo Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com As 10 questões de muitos pais antes de marcarem consulta do seu filho 1)O meu filho não é maluco! Algumas crianças bem como alguns

Leia mais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais

Aos 4 anos. Desenvolvimento Psicológico. i dos Pais i dos Pais Aos 4 anos Aos 4 anos de idade várias competencias intelectuais e emocionais surgem mais integradas dando à criança um acréscimo de autonomia e iniciativa no contexto das relações com os adultos

Leia mais

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz Receitas para a Escola e Família na melhoria do processo educativo: verdade ou provocação? Orlanda Cruz Promovendo a Parentalidade Positiva Cruz Orlanda Parentalidade (positiva) Criar as condições (necessárias,

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Como lidar com a perda...

Como lidar com a perda... Psicóloga, Chou Im Keng Nascer, envelhecer e morrer, são etapas que fazem parte da vida. O nascimento de uma vida traz alegria e esperança, porém, quando perdermos um familiar ou companheiro, a tristeza

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade.

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade. Papai e Mamãe, A Escola Bem-Me-Quer apresenta esta cartilha para que vocês possam tornar a adaptação do seu (sua) filho (a) mais tranquila e sem traumas. Mas para isso, é necessário que vocês sigam direitinho

Leia mais

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções?

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções? Amigos do Zippy Boa Saúde Nós cuidamos muito da saúde física das nossas crianças - cuidamos para que comam bem, estejam agasalhadas no tempo do frio, as motivamos para a prática de esportes e para se

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial. Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1

A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial. Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1 A MEDIAÇÃO FAMILIAR é um processo extra-judicial Made By Jaime Roriz (XII Forum da Criança) 1 A Mediação Familiar propõe a igualdade das oportunidades, a decisão voluntária, e uma negociação cujo fim último

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

Deficiência e Agressividade

Deficiência e Agressividade Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas

Leia mais

Aprender a Educar Programa para Pais

Aprender a Educar Programa para Pais Aprender a Educar Programa para Pais 9ª Edição 2013 Ser Pai e Mãe é um desafio constante! O Programa APRENDER A EDUCAR é uma iniciativa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

h u m a n i t y. c o m. b r A vida acontece quando você realiza os seus sonhos

h u m a n i t y. c o m. b r A vida acontece quando você realiza os seus sonhos h u m a n i t y. c o m. b r A vida acontece quando você realiza os seus sonhos Desenvolva sua capacidade de Liderança. Seja um LÍDER DE ELITE! A vida é feita de momentos e são esses momentos que fazem

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica

Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Formação Social e Humana O voluntariado como modalidade pedagógica Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior Formação Social e Humana Unidade optativa do Mestrado Integrado em Medicina

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Andréia Ap. Domingues Leite RA 20 143

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

A consciência no ato de educar

A consciência no ato de educar Família e escola: somando forças para construir o futuro Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br A consciência no ato de educar Não se educa entre uma novela e outra. Não se educa nos finais de semana! Não

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Emoção: a outra inteligência Muitos estudiosos discutem a relação entre pensamento e emoções. Algumas definições segundo o artigo de Grewal e

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

Perturbação da Ansiedade de Separação

Perturbação da Ansiedade de Separação Bibliografia e Recursos úteis (1996). DSM-IV Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi Editores. Perturbação da Ansiedade de Separação Kendall, P. C. (2011). Child

Leia mais

Como lidar com alunos com necessidades especiais?

Como lidar com alunos com necessidades especiais? Como lidar com alunos com necessidades especiais? Ao decorrer deste e-book gratuito, você verá 26 dicas incríveis para aprimorar o seu relacionamento em sala de aula com alunos que possuem necessidades

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

Tem a : Quem é nosso evangelizando?

Tem a : Quem é nosso evangelizando? CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo www.cvdee.org.br - Sala Evangelize Estudos destinados ao Evangelizador/Educador da Criança e do Jovem Tem a : Quem é nosso evangelizando? Eis,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Todas as relações interpessoais implicam duas pessoas distintas e únicas, pelo que é natural que possam ocorrer situações em que não se está de acordo, em que se têm opiniões e pontos

Leia mais

A maioria das pessoas sabe das vantagens que uma intranet pode trazer para a

A maioria das pessoas sabe das vantagens que uma intranet pode trazer para a Atualizado em: 23 de set./2014. www.intranetexpress.com.br A maioria das pessoas sabe das vantagens que uma intranet pode trazer para a organização: Possuir um ambiente único, onde todos os colaboradores

Leia mais

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015

ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Serviço de Atendimento Psicopedagógico Silvany Brasil Serviço Socioeducacional Divaneid Araújo ENCONTRO 2: ESTABELECENDO LIMITES AOS FILHOS 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Datas JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO)

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) DR 22.04 Versão 2 MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FLORIANOPOLIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL ORIENTAÇÕES PARA O PERÍODO DE INSERÇÃO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

SECRETARIA MUNICIPAL DE FLORIANOPOLIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL ORIENTAÇÕES PARA O PERÍODO DE INSERÇÃO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL SECRETARIA MUNICIPAL DE FLORIANOPOLIS DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL ORIENTAÇÕES PARA O PERÍODO DE INSERÇÃO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Inserção: mais que chegar, acolher! O ingresso da criança na

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Projecto Pedagógico 2007/2008 Sala 9- Sala Aventura Estão habituadas à convivência com outras crianças e adultos não pertencentes à família. Aprenderam

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil.

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. 1 MITO Crianças com cancro e sobreviventes de cancro infantil, representam um risco de saúde para a saúde das outras crianças / adolescentes. Eles

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Viramune - nevirapina 18355 BI Viramune brochure POR_V2.indd 1 14-12-11 14:19 Introdução Viramune é um medicamento para o tratamento do HIV. Este prospecto contém informação

Leia mais

Coaching para um melhor desempenho. Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana

Coaching para um melhor desempenho. Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana Coaching para um melhor desempenho Duarte Araújo Laboratório de Psicologia do Desporto Faculdade de Motricidade Humana A sua actividade profissional Acha que a sua actividade profissional tem características

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais