PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS E ABUSO DE ÁLCOOL NA SEGURANÇA DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS E ABUSO DE ÁLCOOL NA SEGURANÇA DO TRABALHO"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS E ABUSO NA SEGURANÇA DO TRABALHO PROGRAMAS TÉCNICOS DO CANAL 3R+ DISPONIBILIZADO NO ISEGNET PARA DIVULGAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO ESTADO DA TÉCNICA NAS QUESTÕES DE SSMA-RS. SELECIONAMOS OS MELHORES TRABALHOS E OS PROFISSIONAIS QUE REALMENTE CONTRIBUEM COM UM DIFERENCIAL PARA NOSSA ÁREA E SOCIEDADE. PARABÊNS AOS AUTORES. CRÉIDITOS AOS AUTORES, A 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL E AO ISEGNET. Elaborado PELO dr Paulo Roberto Felisberto de Carvalho com a ajuda do DR RICARDO ESCH da Mind Performance que atende empresas através do MIND PERFORMANCE, Dr JOSE CARLOS (ESSO), DR SERGIO SCHMIDT (NEUROLOGISTA COMPORTAMENTAL) E LIAC. Rev. Data Descrição Elab. Ver. Apr. 0 Emissão Inicial

2 Índice 1. Introdução 2. Objetivo 3. Responsabilidades 4. Política Preventiva 5. Etapas do Programa 5.1. Divulgação da Política e do Programa 5.2. Aplicação dos Testes Laboratoriais 5.3. Avaliação Diagnóstica 5.4. Seleção de Recursos para Encaminhamento 5.5. Gerenciamento Clínico 5.6. Relatórios de Avaliação do Programa 5. Procedimentos e Fluxos Página 2 de 14

3 1. Introdução O Brasil como membro da ONU vem participando das convenções na área de drogas e desde 1961 emprega esforços para restringir o uso de narcóticos a situações medico-científicas e para combater o tráfico de drogas. Em 1971 houve uma maior abrangência no sentido de controlar internacionalmente o uso e comércio de substancias psicoativas, sendo a Lei 6368/76 baseada nesta última convenção. Em 1988 as nações signatárias, através da UNCDCP (United Nations Drug Control Program) órgão da ONU encarregado do desenvolvimento dos programas de redução de oferta, redução de demanda e produção técnico-cientifica determinaram um controle maior sobre síntese clandestina de drogas e extradição de traficantes com o objetivo de combater a produção de drogas, o comércio e a lavagem de dinheiro. A Lei mais recente no Brasil foi publicada no Diário Oficial da União 14/01/2002, sob número Neste sentido, aponta-se a necessidade do envolvimento da empresa, da família e de todos os setores da sociedade, tanto governo como iniciativa privada organizações não governamentais e comunitárias. A Lei 6368 de 21 de outubro de 1976, denominada como Lei Antitóxicos, dispõe sobre medidas de repressão ao trafico e prevenção e uso indevido de substancias entorpecentes ou que determinem dependência física e psíquica> Esta lei foi modificada pela Lei de 11 de janeiro de 2002 que reinterpreta vários artigos, Artigo 2 Capitulo 1: É dever de todas as pessoas, físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras com domicilio ou sede no país, colaborar na prevenção da produção, na repressão ao tráfico ou uso indevido de produtos substancias ou drogas ilícitas que causem dependência física ou psíquica. Parágrafo 1: A pessoa jurídica que, injustificadamente, negar-se a colaborar com os preceitos desta lei terá imediatamente suspensos ou indeferidos auxílios, subvenções, ou autorização de funcionamento, pela União, pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios, e suas autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações, sob pena de responsabilidade da autoridade concedente. Cap. II, Art.10, Parágrafo 1: As pessoas jurídicas e as instituições e entidades, publicas ou privadas, implementarão programas que assegurem a prevenção ao tráfico e uso de produtos, substancias ou drogas ilícitas que causem dependência física ou psíquica, em seus respectivos locais de trabalho, incluindo campanhas e ações preventivas dirigidas a funcionários e seus familiares. A Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) traz em uma de suas diretrizes (artigo 4.2.9): Privilegiar as ações de caráter preventivo e educativo na elaboração de programas de saúde do trabalhador, considerando a prevenção do uso indevido de drogas no ambiente de trabalho, como direito do empregador e obrigação do empregador. No Brasil, o setor industrial abriga 43,8% da mão-de-obra do pessoal ocupado. Destes, cerca de 41,77% localiza-se em empresas de grande porte (efetivo maior que 499 funcionários) e 24,8% nas Página 3 de 14

4 empresas de médio porte (100 a 499 funcionários). Podemos, então, inferir que 0,65% das empresas do Brasil classificadas como de grande porte, empregam 41,51% da mão-de-obra ocupada, representando 56,37% da receita/valor bruto da produção industrial. A adoção de programas de prevenção ao uso de álcool e drogas somente pelas grandes empresas, resultaria em 41,51% dos trabalhadores e suas famílias beneficiadas, tendo acesso a informação, ao tratamento da dependência química, podendo funcionar como multiplicadores em um processo social educativo sem precedentes, com grande impacto social aumentando eficiência de ganhos, aumentando a produtividade, redução nos acidentes de trabalho, diminuição do custeio de saúde, além da boa imagem da empresa no mercado cumprindo um papel social relevante. Benefícios esperados: Redução de acidentes, aumento de produtividade e na moral dos trabalhadores, bem como lucros. Grande parte da população usuária de droga está inserida no mercado de trabalho. Boa parte dos dependentes estão empregados em medias e pequenas empresas. O custo de um acidente de trabalho é cinco vezes maior que o que se gasta para recuperar um indivíduo dependente químico. 1.1 Componentes de um Programa de prevenção de uso de álcool e drogas: Compromisso do Número um da empresa ou seu representante legal: essencial para o sucesso do programa, representado por um documento que expõe o compromisso da alta direção com o desenvolvimento das diversas ações do programa. Política da Empresa documentada por escrito: divulgação da D.O que deve ser anexada ao contrato do trabalho e ter a ciência de cada Colaborador. Os motivos pelos quais o programa está sendo implantado, buscando assegurar a integridade física e mental dos colaboradores, reduzindo acidentes e os resultados visando difundir na comunidade a boa imagem da empresa. Detalhar as violações das normas das empresas e suas conseqüências. Descrever comportamentos proibidos, incluindo a proibição do uso, porte, guarda, distribuição, venda, fornecimento a qualquer pretexto no ambiente da empresa ou a serviço dela externamente. Detalhar o que é oferecido como ajuda em assistência medica. Treinamento de Diretores, gerentes e supervisores: treinamento através de Consultoria para divulgação do programa; conhecimento da política da empresa; observação do desempenho dos funcionários; identificação de situações suspeitas em caso de baixa produtividade ou comportamentos inadequados, evitando confronto; conhecimento das opções oferecidas para o dependente químico e de como abordar e de que forma colaborar para a implantação e operacionalização das ações previstas. Educação e envolvimento de empregados e seus familiares: desenvolver meios auxiliares de instrução, folders, manual ou qualquer outra forma de comunicação divulgando o conteúdo do programa e educação da família. Página 4 de 14

5 Testes de Laboratório para verificação de uso de álcool e drogas: através de empresa idônea, identificando indivíduos que necessitem de ajuda, não podendo se admitir que apenas testes sejam as ferramentas utilizadas. Avaliação diagnóstica de casos identificados; encaminhamento as clinicas referenciadas e recursos terapêuticos necessários para tratamento dos casos de dependência química detectados. Gerenciamento clínico dos casos encaminhados; Relatórios periódicos de avaliação do programa. ABRANGENCIA: EMPRESA PÚBLICAS E PRIVADAS 2. OBJETIVO Evitar o consumo de substâncias psicoativas em situações de trabalho; Identificar e intervir precocemente em situações de risco; Garantir tratamento adequado e eficiente para indivíduos apresentando comprometimentos relacionados ao abuso de álcool ou outras drogas, disponibilizando aos seus dependentes os benefícios do programa ajudando na promoção da saúde e bem estar dos colaboradores, da família e da comunidade. 3. RESPONSABILIDADES O programa será operado pelo Serviço Social com a assessoria para tratamento da Mind Performance e do Dr Sergio Schmidt, em conformidade com as diretrizes da Fundação Gerdau. 4. POLÍTICA PREVENTIVA A política de prevenção do uso indevido de álcool e outras drogas em situações de trabalho reflete a visão da empresa sobre o problema e serve como diretriz para os procedimentos incluídos nos programa. Esta visão reflete os seguintes ângulos da questão: segurança, desempenho e saúde. Sob a óptica da segurança (trabalho e meio-ambiente), a política procura restringir ao máximo os riscos associados ao consumo de substâncias psicoativas em situações do trabalho. Esta restrição está baseada no estabelecimento de regras e limites, de mecanismos concretos de fiscalização e de procedimentos administrativos em caso de transgressão. Sob a óptica do desempenho, a política baseia-se no conceito de aptidão para o trabalho, estabelecendo critérios para o desempenho da função e para o monitoramento deste desempenho em indivíduos previamente identificados. Página 5 de 14

6 Sob a óptica da saúde, a política prevê a possibilidade de tratamento para portadores de dependência química, assim como mecanismos de avaliação do resultado deste tratamento e procedimentos relativos a casos não resolvidos. Todos os componentes da política são configurados de acordo com os critérios definidos pela empresa, em função de suas demais políticas de segurança, desempenho e saúde. 5. ETAPAS DO PROGRAMA Divulgação da política e do programa Formalização da política em documentos assinado pelo diretor da Usina, em concordância com os colaboradores e sindicato Os procedimentos do programa são divulgados a todos os empregados no momento da admissão pelo médico do trabalho e validados no ato da assinatura do contrato de trabalho, com a D.O anexa. No programa de integração com o Serviço Social há um reforço da política: seus motivos, objetivos e procedimentos, bem como no exame pré-admissional ao colher urina para o teste que será encaminhada sob custódia. Os colaboradores sujeitos a mecanismos de fiscalização baseados em testes laboratoriais, documentam sua anuência a tal procedimento. Em grupos sindicalizados, o respectivo sindicato explicitará ciência e concordância com os procedimentos. Aplicação de testes laboratoriais Os testes são aplicados nas seguintes circunstâncias: - Exames pré-admissionais: realizados após ciência do candidato da política da empresa. O objetivo principal deste exame é restringir o acesso aos quadros funcionais da empresa de indivíduos cujo consumo de substância psicoativas já tenha contornos disfuncionais, no entanto, funcionado também como advertência aos candidatos sobre a política de restrição adotada pela empresa. - Exames aleatórios (sorteio): realizados periodicamente (mensal) em uma amostra aleatória do grupo de empregados sujeitos à política restritiva, tendo como principal objetivo advertir e coibir possíveis transgressões à política. Anualmente são testados 30% do QL da usina, totalizando em torno de 50 exames/mês. - Exames pós-acidentes: realizados imediatamente após circunstâncias definidas como acidentes de trabalho em todos os envolvidos. Têm como objetivo central identificar a Página 6 de 14

7 influência do consumo de substâncias psicoativas em tais eventualidades e servir como mecanismo de coibição de tal consumo. - Exames motivados (por suspeita): realizados sob determinação das chefias em indivíduos cujo comportamento, ou outras evidências (sinais, sintomas, provas materiais), sugiram fortemente o consumo de substâncias psicoativas em situações de trabalho. Têm como objetivo identificar indivíduos trabalhando sob o efeito de tais substâncias e coibir tal atitude. - Exames de monitoração: realizados periodicamente (mensal, quinzenal, semanal) por um prazo pré-estabelecido (seis ou doze meses) em indivíduos previamente identificados como usuários de substâncias psicoativas. Este exame tem como objetivo monitorar o comportamento do indivíduo em relação a este consumo e coibi-lo. As substâncias testadas obedecem à política de restrição da empresa e são: canabinóides (maconha), cocaína, anfetaminas e metanfetaminas, opiáceos, benzodiazepínicos, barbitúricos, fenciclidina (PCP), e álcool. Os testes para detecção das substâncias são realizados através de análise de urina. Os testes para detecção do consumo de álcool são realizados através de análise do ar expirado (bafômetro) em aparelho que possibilite a documentação impressa. Os resultados laboratoriais positivos serão submetidos à revisão por profissional médico para investigação de possíveis causas do resultado, outras que não o uso indevido da substância. Só serão considerados positivos para efeito da política da empresa, resultados laboratoriais que forem devidamente investigados pelo médico responsável pela revisão e confirmados como conseqüência de uso indevido. Avaliação diagnóstica Todos os casos identificados de uso indevido/nocivo de álcool e outras drogas, seja por intermédio de testes, busca espontânea ou identificação com base em evidências clínicas, serão encaminhados para Serviço Social que comunicará a gerência do colaborador. Em entrevista com a assistente social serão investigadas correlações do uso indevido com outras circunstâncias de vida ou possíveis patologias concorrentes para avaliação diagnóstica. A avaliação tem o objetivo de classificar o uso da substância de acordo com critérios preconizados pela Organização Mundial de Saúde em uma das três categorias definidas: uso eventual, uso habitual (abuso) ou dependência. O resultado desta avaliação é determinante para a conduta a ser seguida. Tanto os casos diagnosticados como dependência química ou de uso eventual serão orientados em entrevista com assistente social quanto à política da empresa, encaminhados a recursos de assistência profissional disponíveis através do Programa de Assistência ao Empregado e incluídos no programa de monitoração por testes. O colaborador deverá formalizar através de contrato a sua Página 7 de 14

8 inclusão no Programa, assim como o aceite ao tratamento. Poderá haver adesão voluntária ao programa sendo oferecida assistência médica ao Colaborador ou dependente familiar. Seleção de recursos para encaminhamento A seleção de recursos para tratamento de casos de dependência química será realizada com base em critérios geográficos e clínicos. Os critérios clínicos utilizados pressupõem as seguintes possibilidades de tratamento: ambulatorial extensivo, ambulatorial intensivo, hospitalar com supervisão médica, e hospitalar com assistência médica intensiva. A metodologia aplicada é flexível o bastante para acolher indivíduos com diferentes perfis demográficos, sócio-culturais e psicológicos. A abordagem terapêutica prevê assistência individual e/ou grupo, englobando as áreas biológica, psicológica e social. Gerenciamento clínico A partir do início do tratamento proposto, o caso deve será acompanhado pela Mind Performance que através do envio de relatórios deverá manter o Serviço Social informado sobre a evolução do processo terapêutico. Cabe ao Serviço Social a multiplicação das informações obtidas através das consultorias ao Medico do Trabalho e ao gestor da área envolvida para definição das ações e procedimentos definidos, garantindo o sigilo sempre que necessário. O modelo de gerenciamento clínico utilizado se baseia em contatos e relatórios de evolução, periódicos, colhidos junto ao recurso terapêutico e enviados ao Serviço Social. Concluído o tratamento, será realizada uma reunião entre a equipe responsável pelo encaminhamento do caso (assistente social, médico do trabalho e gestor) com o objetivo de determinar as condições de trabalho e os mecanismos de monitoração pós-tratamento. Relatórios de avaliação do programa Trimestralmente será elaborado um relatório de avaliação do programa com o objetivo de avaliar a condução e resultados obtidos. O relatório inclui os seguintes dados: - Número de testes realizados por categoria (pré-admissionais, aleatórios, pós-acidentes, motivados e de monitoração); - Número de testes positivos por categoria; - Número de casos identificados de uso indevido de álcool e outras drogas, por mecanismo de identificação (teste, busca espontânea, identificação pela empresa); - Número de casos avaliados por categoria diagnóstica (uso eventual, abuso e dependência química); - Número de encaminhamentos realizados por categoria diagnóstica; Página 8 de 14

9 - Número de casos de dependência química encaminhados a tratamento terapêutico (ambulatorial extensivo, ambulatorial intensivo, hospitalar com supervisão médica, hospitalar com assistência médica intensiva); - Número de casos concluídos por tipo de resultado clínico. O acompanhamento do programa através dos relatórios de avaliação permite à empresa aferir a efetividade do programa em: - Reduzir progressivamente o número de casos de uso indevido de álcool e outras drogas em situações de trabalho; - Identificar precocemente casos de uso disfuncional de álcool e outras drogas; - Tratar eficazmente casos de dependência química e reduzir o número de recidivas. Além disso, a perspectiva de integração de todos estes dados permite uma visão global do problema e do impacto da política em sua evolução ao longo do tempo. 5. PROCEDIMENTOS E FLUXOS 5.1. Implantação a) Definição da política b) Elaboração do programa o Definição dos procedimentos o Definição dos responsáveis e alocação de recursos c) Negociação com sindicatos d) Formalização dos procedimentos com O Programa de Assistência ao Empregado e) Compromisso formal com o Número Um da Empresa ou seu representante legal. f) Produção de material de divulgação g) Divulgação da política e do programa h) Oficialização da anuência dos empregados (cláusula/aditivo contratual), que por orientação do RH corporativo será feita através da anexação da D.O alusiva, ao contrato de trabalho Testes Tipo Circunstância* Local** Resultado*** Ação**** Pré-admissão Agendada Empresa Negativo Contratação Positivo Não contratação Aleatório Aleatória Empresa Negativo Relatório Positivo Avaliação Diagnóstica Monitoração Aleatória Empresa Negativo Relatório Positivo Demissão Pós-acidente Imediata Empresa Negativo Relatório Positivo Avaliação Diagnóstica Motivado Imediata Empresa Negativo Relatório Positivo Avaliação Diagnóstica Página 9 de 14

10 * Testes pré-admissionais serão realizados em datas agendadas com o candidato. Testes aleatórios e de monitoração serão realizados periodicamente em datas aleatórias determinadas pelo gestor do programa. Testes pós-acidente e motivados serão realizados no prazo mais breve possível a partir do acidente ou da suspeição de uso. ** Testes pré-admissionais serão realizados em locais pré-determinados fora da empresa. *** Todos os resultados serão analisados pelo médico do trabalho antes de comunicados ao Serviço Social. **** As ações incluídas na tabela acima são exemplos retirados de políticas existentes em outras empresas Avaliação Diagnóstica Fonte de Identificação Resultado Ação** Teste Positivo Uso Eventual Orientação Monitoração Busca Espontânea Avaliação Diagnóstica Uso Disfuncional* Assistência Profissional Monitoração Evidências de Uso Dependência Química Tratamento Especializado Monitoração * Uso disfuncional é aquele que se caracteriza pela existência de problemas relacionados a tal uso, sem, no entanto, configurar dependência. O uso disfuncional pode, ou não, estar relacionado a outras circunstâncias de vida ou patologias predisponentes. ** A assistência profissional a ser oferecida em casos de uso disfuncional se justifica diante de evidências de outros problemas que possam estar produzindo ou contribuindo para tal uso. A monitoração dos casos identificados será realizada através de testes periódicos ou através de entrevistas com o colaborador e/ou familiares Tratamento Terapêutico Nível Características Clínicas Setting Características Terapêuticas Grau de intoxicação ou síndrome de Tratamento ambulatorial nãoestruturado, abstinência leve. Sem complicações em consultório ou clínica orgânicas. Comprometimento Ambulatorial especializada, extensivo (máximo de psíquico discreto e relacionado à Extensivo 9 horas por semana), conduzido por dependência. Resistência ao pessoal devidamente treinado, em tratamento de grau leve. caráter interdisciplinar. 1 2 Grau de intoxicação ou síndrome de abstinência leve ou moderado. Complicações orgânicas compatíveis com tratamento ambulatorial. Complicações psíquicas e/ou sociais presentes. Ambulatorial Intensivo Tratamento estruturado, em clínica especializada, intensivo (mínimo de 9 horas semanais ou em regime de hospital-dia, conduzido por pessoal devidamente treinado, em caráter interdisciplinar, com supervisão médica. Página 10 de 14

11 3 4 Risco de complicações relacionadas à intoxicação ou síndrome de abstinência. Iminência de danos orgânicos severos ou presença de lesões requerendo acompanhamento médico nãointensivo. Complicações psíquicas requerendo supervisão profissional 24 horas/dia. Histórico ou clínica de síndrome de abstinência ou intoxicação grave. Complicações orgânicas requerendo tratamento médico e suporte de enfermagem intensivos. Complicações psíquicas requerendo tratamento médico e suporte de enfermagem intensivos. Internação com Supervisão Médica Internação com Assistência Médica Intensiva Tratamento estruturado, em ambiente semi-hospitalar, em regime de internação, sob acompanhamento profissional 24 horas/dia e supervisão médica diária. Tratamento estruturado, em ambiente hospitalar, com cuidados médicos intensivos e suporte para intervenção imediata em situações agudas e risco de vida Gerenciamento de Casos Empresa - Gerência do RH Gerente de Casos Serviço Social Serviço Médico/Médico Revisor Mind Performance/ Dr Sergio Schmidt O papel do gerente de casos encontra-se esquematizado da seguinte forma: Receber a notificação do caso identificado; Informar o gestor da área envolvida o resultado do teste e solicita um parecer de desempenho; Entrevistar o colaborador; Avaliar o caso e dar ciência aos envolvidos; Encaminhar o caso ao recurso terapêutico selecionado; Acompanhar sistematicamente o caso junto ao recurso terapêutico através de contato pessoal e relatório de evolução; Manter sistematicamente o gestor da área envolvida informado da evolução do caso e eventual necessidade; Organizar, à conclusão do tratamento, reunião com o gestor da área envolvida para planejamento da monitoração pós-tratamento; Página 11 de 14

12 Tipo Pré-admissionais Aleatórios Pós-acidentes Motivados Monitoração Total Tipo Pré-admissionais Aleatórios Pós-acidentes Motivados Monitoração Total Tipo Testes Busca Espontânea Evidências de Uso Total Quantidade 5.6. Relatórios de Avaliação Compete ao médico do trabalho o preenchimento mensal dos campos 1, 2 e encaminhamento ao Serviço Social que se responsabilizará pela consolidação do relatório. Período: Quantidade Relatório Periódico de Avaliação Cliente: 1) Testes Realizados Resultados Positivos Negativos Observação 2) Resultados Positivos por Droga Droga Álcool Maconha Cocaína Anfetamina BDZ Barbitúricos Opiáceos PCP Obs. Quantidade 3) Casos Avaliados Resultados Uso Eventual Uso Disfuncional Dependência 4) Casos Encaminhados a Assistência Profissional Resultados Observações Satisfatório Insatisfatório Nível Total 5) Casos Encaminhados a Tratamento Especializado Resultados Quantidade Satisfatório Insatisfatório Observações Página 12 de 14

13 Os relatórios periódicos serão consolidados a cada 3 (três) meses para demonstrar evolutivamente os resultados atingidos pelo programa, organizando-os por área Síntese do Procedimento Notificação de novo caso pela Saúde Ocupacional ao Serviço Social Notificação à área (Gerente e Facilitador) pelo médico do trabalho e assistente social: Médico do trabalho: informações técnicas Assistente Social: Disponibilização de Recursos para Tratamento Entrevista do Serviço Social com o colaborador em questão para avaliação do caso Acompanhamento do caso através de relatórios enviados Após tratamento, entrevista do Serviço Social e Medicina Ocupacional para avaliação de retorno ao trabalho. Será considerado violação de norma e teste positivo a não aceitação aos procedimentos ou o não cumprimento das normas da empresa para execução das ações do programa. 6. NOVAS TENDÊCIAS " "Inovação na prevenção da saúde e dos riscos de acidentes em geral com o desenvolvimento de métodos a partir de medições semi-autonomas do deficit de atenção: 3R.Regazzi.S.Schmidt A 3R Brasil Tecnologia Ambiental e a Consutomed vem desenvolvendo em parceria um programa inovador, informativo e educativo como premissa para a realização de estudo para implementação de um sistema piloto de Medição do Deficit de Atenção Remoto (MEDAR) que permite atende de forma clara e objetica escolas e DETRAN(s) e empresas identificando comportamentos e condições neuropsicofisiológicos com impacto no aprendizado, na capacidade de direção e laboral, uma medida inovadora para identificação de riscos devido a erro humano. A ferramenta MEDAR poderá ser aplicada para prevenção de acidentes, controle e investigação de atitudes inseguras, além da promoção da qualidade de vida e saúde neuropsicológica como método complementar as medidas de prevenção e controle da área de SSMA-RS (Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Responsabilidade Página 13 de 14

14 Social) das empresas. Em contra partida, poderá ser usada como importante veículo de promoção da prevenção de acidentes de trânsito. Propomos uma ferramenta auxiliar para a medição do déficit de atenção que permite identificar alterações na capacidade de direção dos indivíduos que consumiram álcool e outras drogas licitas ou ilícitas, além das questões do sono, não contemplados no controle dos acidentes de trânsito, um novo parâmetro para decisão, cientificamente provado e determinístico, que pode ser posteriormente aplicado como um instrumento Legal. A partir de gadgests com a metodologia 3R.Regazzi.S.Schmidt a população, escolas e os órgãos de controle poderão aplicá-los por meio de dispositivos digitais móveis para a avaliação quantitativa e qualitativa do deficit de atenção no momento dos testes, se tornando uma importante ferramenta para medidas proativas, preventivas e educativas. O sistema terá uma fidelidade por usuário através do CPF ou outras formas que não comprometa o usuário para que o mesmo sinta-se a vontade na realização dos testes e a partir de um histórico das medições procure uma operação assistida para diagnóstico on-line com médico especialista que poderá indicar um tratamento ou informar sobre os problemas de aprendizagem e os riscos a saúde e de acidentes nas condições identificadas: a partir do histórico individual e exames complementares. Todos os direitos e crédito para meu amigo, doutor, pesquisador e músico, Paulo Carvalho. Por Dr Paulo Carvalho M.Sc Rogério Dias Regazzi Dr Sérgio Schmidt Página 14 de 14

RBAC 120. Norma ANAC

RBAC 120. Norma ANAC RBAC 120 Norma ANAC A Norma RBAC 120 da ANAC...03 Quem deve implementar o Programa...04 Serviços de Assessoria e Consultoria...05 Rede de Tratamento Especializado...06 Capacitação de Multiplicadores...07

Leia mais

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS PROGRAMA VIDA PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS JUSTIFICATIVA O uso de álcool e outras drogas é, atualmente, uma fonte te de preocupação mundial em todos os seguimentos da

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Código de Treinamento: NA

Leia mais

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes.

Esse procedimento estabelece requisitos mínimos a serem observados para o desenvolvimento do programa nas unidades da Vale Fertilizantes. Nº: PGS-3209-46-58 Pág.: 1 de 11 Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB GESMA - GASHO Público-alvo: Empregados da Vale Fertilizantes e Contratados Código de Treinamento: NA Necessidade

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas Laboratório de Análises Toxicológicas PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. A experiência da Vale PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS A experiência da Vale Objetivos do programa: Promover a segurança e a integridade dos empregados; Auxiliar na redução da incidência e prevalência

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011 Audiência Pública no Senado Federal CASDEP Comissão de Assuntos Sociais Premissas Se aplica

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO 1990 1989 HISTÓRICO EAP (Alcoa) Foco em Dependência Química (Alumar) Visita na Johnson Criação de Grupo Multidisciplinar de Coordenação Estágio na Clínica Vila

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO DO HOSPITAL INFANTIL JOANA DE

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora ANA AMÉLIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora ANA AMÉLIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o PLS nº 407, de 2012, do Senador Eduardo Amorim, que altera a Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, que dispõe sobre o transporte rodoviário

Leia mais

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED MERCOSUL/GMC/RES. Nº 39/00 PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº 76/98 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação N 1/00 da RED. CONSIDERANDO:

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Rede de Referenciação e Medicina do Trabalho

Rede de Referenciação e Medicina do Trabalho Rede de Referenciação e Jorge Barroso Dias Médico do trabalho Vice-presidente da Fundador e Coordenador da Comissão de Trabalho da SPMT "Álcool e outras substâncias psicoativas Membro do Conselho Diretivo

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013 O Instituto Brasileiro de Administração Pública e Apoio Universitário IBAP-RJ torna público a realização do Processo Seletivo para Cadastro

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.488/1998 (Publicada no D.O.U.,de 06 março 1998, Seção I, pg.150 ) Modificada pela Resolução CFM n. 1.810/2006 Modificada pela Resolução CFM nº 1.940/2010

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO FEV/2015 VERSÃO 1.0 POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO VERSÃO 2 / 6 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro ( Política ) visa promover a adequação das atividades operacionais da DBTRANS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, na pessoa de seu Presidente, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais