INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO"

Transcrição

1 NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

2 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria contínua Tomada de decisões baseada em fatos Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores

3 PDCA O Ciclo da Melhoria Contínua AGIR (Act) Tomar ações corretivas ou preventivas PLANEJAR (Plan) Definir metas e objetivos Documentar o que deve ser feito A P VERIFICAR (Check) Medir Monitorar Analisar resultados C D FAZER (Do) Executar as tarefas documentadas Capacitar as pessoas, se necessário

4 Do círculo vicioso para o círculo virtuoso Heróis apagando incêndio Pouco progresso Pouco tempo livre Muitos problemas Planos são cumpridos Melhorias contínuas Poucos problemas Tempo para pensar

5 QUALIDADE Algumas premissas importantes Não há uma única estrutura organizacional certa e igual à todas as empresas Não há uma única metodologia certa para gerenciar as empresas Não há uma única maneira certa de gerenciar pessoas para todas as empresas

6 As organizações conseguem sobreviver na medida em que conseguem gerenciar os valores que agregam aos seus clientes.

7 QUEM É RESPONSÁVEL PELA QUALIDADE?

8 Esta é uma história sobre 4 pessoas, chamadas: TODO MUNDO ALGUÉM QUALQUER UM NINGUÉM A qualidade era um serviço importante a ser feito e TODO MUNDO estava certo de que ALGUÉM faria. QUALQUER UM poderia ter feito, mas NINGUÉM o fez. ALGUÉM ficou zangado com isso, porque era serviço de TODO MUNDO.

9 Esta é uma história sobre 4 pessoas, chamadas: TODO MUNDO pensou que QUALQUER UM poderia fazê-lo, mas NINGUÉM imaginou que TODO MUNDO não o faria. No fim, TODO MUNDO culpou ALGUÉM quando NINGUÉM fez o que QUALQUER UM poderia ter feito.

10 O que é ISO International Organization for Standardization (Organização Internacional para Normalização) Fundada após a 2ª Guerra, em Sede na Suíça Organização Não Governamental ISOS = Igual Mais de normas publicadas

11 HISTÓRICO DA ISO Ver. 4

12 CONJUNTO DE NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 ISO 9000: Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário ISO 9001: Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ISO 9004: Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho ISO 19011: Diretrizes para auditoria

13 REQUISITOS DA NBR ISO 9001:2008 Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência Normativa 3 Termos e Definições 4 Sistema de Gestão da Qualidade 5 Responsabilidade da Direção 6 Gestão de Recursos 7 Realização do Produto 8 Medição, Análise e Melhoria Anexos A e B Bibliografia

14 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais Estabelecer Documentar Implementar Manter SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Melhorar continuamente PROCESSOS Identificar Sequência Interação Avaliação eficaz

15 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.2 Requisitos da documentação Generalidades A documentação do SGQ deve incluir: Declarações documentadas de uma política da qualidade e objetivos da qualidade. Manual da qualidade. Procedimentos documentados requeridos pela norma. Documentos necessários para que a organização assegure o planejamento, operação e controle eficaz de seus processos. Registros requeridos pela norma. O objetivo básico da documentação é dar à empresa e a seus clientes uma garantia de que o trabalho estará sempre sob controle.

16 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Manual da qualidade -Escopo exclusões do SGQ, incluindo justificativas para -Procedimentos documentados ou referência a eles -Interação dos processos

17 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Controle de documentos Aprovar antes de emitir. Analisar e atualizar quando necessário. Reaprovar documentos. Assegurar que alterações e a situação da revisão atual sejam identificadas. Evitar uso não intencional de documentos obsoletos. Controle de documentos de origem externa.

18 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Controle de registros A empresa precisa manter registros para mostrar que os controles requeridos foram aplicados e que os requisitos do cliente foram atendidos. DEVEM SER LEGÍVEIS E PRONTAMENTE IDENTIFICÁVEIS PQ Elaboração e controle de documentos 18

19 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.1 Comprometimento da Direção Evidenciar comprometimento com o desenvolvimento e com a implementação do SGQ e com a melhoria continua de sua eficácia. DIREÇÃO Comunicar a importância em atender aos requisitos dos clientes e legais. Estabelecer política da qualidade Garantir o cumprimento do objetivos Condução das RAC s Disponibilizar recursos

20 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.2 Foco no cliente A alta direção deve determinar que os requisitos do cliente são determinados e atendidos com o propósito de aumentar a satisfação do cliente. Todos os funcionários devem estar envolvidos com o SGQ

21 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.3 Política da qualidade É definida pela Alta Direção da empresa e deve assegurar que: É apropriada ao propósito da organização Atende aos requisitos É analisada criticamente É comunicada e entendida Melhoria contínua

22 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.4 Planejamento Objetivos da Qualidade Devem estar documentados (ver a), ser mensuráveis e coerentes com a política da qualidade. Objetivos devem cobrir as necessidades da empresa de: atender aos requisitos do produto (do cliente, regulamentares e da própria empresa); buscar a melhoria contínua.

23 OBJETIVO INDICADOR META Ser uma empresa referência em qualidade e melhoria continua; Fortalecer parceria com seus clientes e fornecedores; Ser vista pelo cliente como uma empresa inovadora; Prover ações para gerar um clima favorável ao crescimento e a satisfação dos clientes internos e externos; -Nº de melhorias implantadas -Imagem. Nº de inserções na Mídia -Nº de premiações; -% de fidelização -Crescimento de negócios; -Pesquisa de satisfação; -80% - Pesquisa de clima - Pesquisa de clientes -Nº de ações dos comitês internos -Evolução da pontuação do 5S s; 5 por setor/mês 1/mês 1/ano 15%/semestre -2/ano Ter as competências necessárias de acordo com as necessidades da empresa e do mercado; Fonte: dados dados pessoais -Plano anual de treinamento -Horas em treinamento -% de atendimento das competências (mapa de compet.) -80% -1h43min/m -70%

24 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.4 Planejamento Planejamento do SGQ A extensão do planejamento do SGQ depende do tipo de produção/serviço da empresa (se é ou não repetitivo). Para empresas cujo produto ou serviço é repetitivo, um plano que referencie o manual da qualidade e procedimentos pode ser suficiente. Por outro lado, podem existir situações em que o planejamento deva ser repetido para cada novo pedido de cliente ou projeto.

25 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação Responsabilidade e autoridade Todos devem ter consciência da abrangência, responsabilidade (o que se espera que façam) e autoridade (o que é permitido que façam) das suas funções e do seu impacto sobre a qualidade do produto ou serviço. Caso necessário, para obter consistência nestas informações, devem estar disponíveis documentos dizendo quem faz o quê. À medida que apenas seis requisitos da NBR ISO 9001:2000 requerem procedimentos documentados, a clara definição de responsabilidades e autoridades ganha uma importância ainda maior

26 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação Representante da direção A função do representante da direção não inclui, necessariamente, atividades operacionais do SGQ. O seu papel é o de assumir a responsabilidade e a autoridade pela conformidade e o desempenho do sistema. Além disso, esta função é responsável por assegurar a promoção da conscientização sobre o SGQ e sobre os requisitos do cliente. É também esta função que relata o desempenho do sistema nas análises críticas pela direção. O manual da qualidade deve evidenciar a designação do RD ou fazer referências a outro documento que o faça.

27 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação Comunicação interna Estes processos devem ser adequados ao porte e à cultura da empresa. Em 5.1.a, requerido que a Alta Direção comunique à organização a importância de atender aos requisitos dos clientes e aos regulamentares. Em c, é requerido que o RD promova a conscientização sobre os requisitos do cliente.

28 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO 5.6 Análise crítica pela direção Generalidades Entradas para aa análise crítica Saídas da análise crítica A análise crítica do SGQ nada mais é do que avaliar até que ponto o sistema implementado atende às necessidades da empresa e dos clientes. As análises críticas devem ser realizadas regularmente. Freqüências são as mais comumente encontradas, bem como a sincronia das mesmas com a realização das auditorias internas. IT Reuniões estratégicas

29 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.1 Provisão de recursos O objetivo deste item é assegurar que os recursos necessários para a realização das atividades, nas especificações e prazos acordados com o cliente, estejam disponíveis. Recursos abrangem pessoal e equipamentos, o que pode envolver: Treinar ou retreinar pessoal (ver 6.2); Desenvolver novos processos ou novos métodos de trabalho; Tempo suficiente para a realização das atividades; Cronograma de produção que permitam o tempo para as atividades, tais como: inspeção, ensaio e verificação; Equipamentos; Procedimentos documentados; Meios de acesso aos registros da qualidade.

30 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.2 Recursos Humanos Generalidades Competência, conscientização e treinamento Todos, cujo trabalho afeta a qualidade empresa, devem ser competentes. dos produtos Para essas funções, devem haver sistemáticas para identificar requisitos quanto a: Educação Treinamento Habilidade - Experiência Uma vez identificadas as necessidades em termos de competência, a empresa deve fornecer treinamento ou tornar outras ações para satisfazer as exigências de competência identificadas. da

31 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.3 Infra-estrutura A empresa necessita identificar e prover recursos como espaço físico, equipamento, ferramentas e outros,que permitam que as atividades das pessoas sejam executadas adequadamente. Incluem disposições legais e regulamentares, nos quais elas possam causar impacto no atendimento aos requisitos do produto.

32 6. GESTÃO DE RECURSOS 6.4 Ambiente de trabalho Determinar e gerenciar as condições do ambiente de trabalho necessárias par alcançar a conformidade com os requisitos do produto. CIPA / PCMSO / PPRA Cumprimento de Nr s Programas de ginástica laboral e outros.

33 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.1 Planejamento da realização do produto A empresa necessita planejar como todas as atividades necessárias para a realização do produto vão ser executadas. Isto inclui: Definir os objetivos para o produto/serviço. Identificar necessidades de documentos Prover recursos para o produto. Definir métodos de medição e monitoramento, bem como os registros que serão mantidos. Planos da qualidade são uma forma de demonstrar atendimento a este requisito.

34 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.2 Processos relacionados a clientes Determinação de requisitos relacionados ao produto A empresa deve determinar os requisitos relacionados aos seus produtos. É muito importante entender as necessidades do cliente de forma completa. As sistemáticas adotadas podem variar muito de empresa, podendo incluir: Pesquisa de mercado. Testes mercadológicos. A própria análise crítica dos requisitos relacionados ao produto (7.2.2).

35 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.2 Processos relacionados a clientes Análise crítica dos requisitos relacionados ao produto A empresa deve avaliar se tem capacidade para atender aos requisitos do cliente. A sistemática de análise crítica dos requisitos relacionados ao produto, entretanto, varia muito, dependendo da natureza do produto, de maneira pela qual o pedido é recebido e da forma de relacionamento entre o fornecedor e o cliente. Os procedimentos devem assegurar que cada contrato ou pedido, escrito ou não, seja analisado criticamente para confirmar que a empresa entendeu o que, quando e como deve ser fornecido e que o cliente seja informado, caso algum de seus requisitos não puder ser atendidos.

36 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.2 Processos relacionados a clientes Análise crítica dos requisitos relacionados ao produto Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica. Qualquer forma de registro é aceitável, desde que permita evidenciar que uma ordem ou contrato tenha sido analisado criticamente, antes de aceito. Uma maneira simples para estabelecer um registro de análise crítica de contrato é marcar ou carimbar, por exemplo, ANALISADO ou ACEITO, diretamente no pedido do cliente. Nos casos em que a análise crítica é mais complexa e envolve diversas áreas, um formulário específico pode ser circulado para registrar a realização da análise crítica.

37 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.2 Processos relacionados a clientes Comunicação com o cliente É preciso estabelecer canais de comunicação adequados com os clientes, para identificar claramente os seus requisitos em relação ao produto, à entrega e a outros fatores críticos. A comunicação com o cliente inclui: Informações sobre o produto. Processamento do pedidos em si, incluindo emendas. Tratamento das realimentações do cliente, incluindo suas reclamações.

38 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Planejamento do P&D O processo de projeto e desenvolvimento trata da tradução das necessidades dos clientes em especificações (veja NBR ISO 9000:2000, item 3.4.4). Devem existir procedimentos para planejar e controlar esse projeto. O planejamento de projeto deve ser dividido em atividades e/ou estágios de projeto: Programados; pessoal deve ser designado para cada atividade; as interfaces (comunicação de informações) entre os diversos envolvidos devem ser formalmente ajustadas;

39 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Entradas do P&D Identificar, analisar criticamente e registrar as entradas de projeto e desenvolvimento, inclusive os regulamentares aplicáveis aos seus produtos (7.3.2); Requisitos de funcionamento e de desempenho Estatutários e regulamentares Informações de ouros projetos Outras informações e requisitos essenciais

40 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Saídas do P&D Os dados resultantes do projeto são os documentos técnicos do produto, utilizados para aquisição, produção, instalação, inspeção, ensaios e assistência técnica. As análises críticas do projeto para fins de verificação de projeto podem considerar questões, como as seguintes: Os projetos satisfazem todos os requisitos especificados para o produto, processo ou serviço? Os projetos atendem aos requisitos funcionais e operacionais, isto é, aos objetivos de desempenho? Foram escolhidos materiais e/ou instalações adequadas? As tolerâncias estabelecidas são necessárias e podem ser atendidas?

41 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Análise crítica do P&D Dependendo do ciclo e da complexidade do processo de projeto e desenvolvimento da empresa, vão existir mais ou menos análises críticas de projeto e desenvolvimento. A validação de projeto é realizada para avaliar se o projeto satisfaz às necessidades dos clientes. Pode representar testes com protótipos ou acompanhamento pró-ativo do desempenho em campo por parte da empresa. As alterações de projetos podem ter origem interna ou externa à empresa.

42 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Verificação do P&D Em momentos específicos o P&D deve ser verificado para assegurar que as saídas estejam de acordo com o planejado. Deve-se manter registro Validação do P&D É a validação que irá realmente garantir que o produto final atenderá as expectativas.

43 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.3 Projeto e desenvolvimento Controle de alterações do P&D Eventuais alterações de um projeto devem ser controladas. Podem ocorrer alterações para otimização de processos, ajustes de desempenho, mudanças de requisitos. Sem um controle e comunicação adequados dessas alterações o projeto pode ser comprometido a qualquer momento.

44 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.4 Aquisição 7.4 Processo de aquisição Informações de aquisição Verificação do produto adquirido Foco principal deste requisito é o de assegurar que a qualidade dos produtos e serviços da própria empresa não sejam comprometidos pelos produtos e serviços adquiridos. A primeira ação e empreender para implementar este requisito, portanto, é a de identificar os materiais e serviços adquiridos que se enquadram nesta situação.

45 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Controle de produção e fornecimento de serviço Validação dos processos de produção e fornecimento de serviço Deve haver procedimentos para: Planejar as atividades de produção e de processos; Prover o pessoal com instruções de trabalho e com os critérios da qualidade do trabalho; Qualificar e controlar os processos de produção; Usar equipamentos de produção e realizar manutenção dos equipamentos para assegurar a continuidade da capacidade do processo.

46 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Controle de produção e fornecimento de serviço Validação dos processos de produção e fornecimento de serviço Quanto mais treinado, mais conhecedor e mais altamente habilitado for o pessoal, menos a ausência de instruções documentadas irá influenciar os resultados Quanto mais complexas forma as atividades e quanto maior o nível de rotatividade do pessoal, mais a ausência de procedimentos formais influencia os resultados.

47 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Controle de produção e fornecimento de serviço Validação dos processos de produção e fornecimento de serviço É usual que planos de produção, ordens de serviço ou equivalentes evidenciem o planejamento da produção (quem faz o que, quando). Registros da monitoramento ou medição de parâmetros de processo/características de produto podem também servir de evidência. Evidências de aprovação de processos, equipamentos e pessoal, como apropriado (7.5.2).

48 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Identificação e rastreabilidade Este requisito diz respeito à identificação de materiais, componentes e produtos durante os estágios de produção. Quando requerido, esta identificação deve ser individualizada para assegurar a rastreabilidade. Na ausência de requisitos específicos do cliente, é a própria empresa que deve determinar até que nível a rastreabilidade é apropriada.

49 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Identificação e rastreabilidade Deve haver procedimentos para identificar a situação do monitoramento e medição dos produtos, para assegurar que somente produtos conformes são utilizados ou entregues. Deverá ser possível identificar se as atividades de monitoramento e medição requeridos foram completados satisfatoriamente e se o produto está pronto para passar ao próximo estágio ou ser despachado. Não existe método preferencial para determinar a situação do produto. Qualquer método é aceitável, desde que funcione. QUANTO MAIS SIMPLES, MELHOR.

50 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Propriedade do cliente O controle dos fornecimentos provenientes dos próprios clientes são normalmente idênticos aos feitos sobre materiais comprados. Quando o cliente fornece alguma coisa que se tornará parte do produto final ou serviço, devem existir procedimentos para assegurar que ela seja aceitável, permaneça adequada para o propósito para o qual se destina e seja segura. Se por alguma razão não é adequada,isto deve ser registrado e o cliente informado. Algumas atividades extras, como o relacionamento do fornecimento a um pedido específico de cliente, relatório de danos, segregação ou requisitos de disposição, necessitam ser descritos.

51 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Preservação do produto Preservação pode incluir: Identificação Manuseio Embalagem Armazenamento Proteção Em todos os estágios do processamento, a empresa deve estabelecer provisões para salvaguardar o produto através de métodos de manuseio, armazenamento e preservação apropriados. 51

52 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço Preservação do produto Procedimentos para embalagem e expedição devem assegurar que o produto chegue ao cliente na mesma condição que deixou a empresa. É importante avaliar os benefícios da rotação de estoques, principalmente quando se lida com bens que são passíveis de deterioração. 52

53 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço 7.6 Controle de dispositivos de medição e monitoramento A empresa deve determinar as medições e monitoramentos a serem realizados e os dispositivos necessários para evidenciar a conformidade do produto. Dispositivos e processo de medição/monitoramento devem ser coerentes com os requisitos aplicáveis; os dispositivos usados para verificar a conformidade do produto ou serviço com os requisitos especificador deve ser adequado ao propósito e dar resultados confiáveis. CALIBRAÇÃO NÃO SAIA CALIBRANDO AUTOMATICAMENTE TUDO! Analisar a real necessidade. 53

54 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7.5 Produção e fornecimento de serviço 7.6 Controle de dispositivos de medição e monitoramento Em termos de relatórios de calibração, lembre-se que devem conter, no mínimo: O instrumento calibrado O padrão utilizado (que deve ser rastreado a padrão nacional ou internacionalmente) Os valores encontrados Data da calibração A incerteza do processo de calibração Procedimento utilizado Responsável pela calibração. 54

55 EXCLUSÕES PERMITIDAS Exclusões são permitidas apenas no requisito 7, quando algum requisito não puder ser aplicado, devido à natureza da organização e seus produtos. Para justificar uma exclusão, a questão não é verificar se a empresa tem ou não determinado processo que atenderia determinado requisito. A questão é: A FALTA DESTE PROCESSO AFETA A CAPACIDADE DA EMPRESA DE FORNECER PRODUTOS CONFORME?

56 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.1 Generalidades A empresa necessita planejar como medir e monitorar o desempenho dos processos e do SGQ associados a: Conformidade do produto Conformidade do SGQ Eficácia do SGQ. Os métodos aplicáveis devem ser determinados, bem como onde são aplicáveis. Métodos estatísticos, quando empregados, também devem ser determinados. Em princípio devem ser estabelecidos indicadores de desempenho para todos os processos da empresa.

57 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.2 Medição e monitoramento Satisfação de clientes Pesquisa de satisfação Coletar dados Analisar Registrar Ação Retorno ao cliente

58 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.2 Medição e monitoramento Auditoria Interna A empresa deve: Programar e planejar auditorias Conduzir auditorias internas utilizando auditores qualificados Implementar ações corretivas para eliminar as causas das NC. Registrar e relatar os resultados das auditorias. Quanto melhor a sua sistemática de auditorias, melhor será a análise crítica pela direção.

59 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.2 Medição e monitoramento Medição e monitoramento de processos Medição e monitoramento de produtos A empresa deve estabelecer procedimentos para monitorar e medir processos e produtos. Os processos devem ser monitorados quanto a sua capacidade de alcançar os resultados planejados. Quando os resultados planejados não são alcançados, devem ser efetuadas as correções e ações corretivas (8.2.3). É critério da empresa decidir quais verificações durante processo são necessárias, embora deva estar alinhado com requisitos regulamentares ou especificados pelo cliente.

60 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.2 Medição e monitoramento Medição e monitoramento de processos Medição e monitoramento de produtos Seja em que etapa for,a sistemática de monitoramento/medição deve incluir: A freqüência com que é realizada; A amostragem utilizada O critério de aceitação O registro aplicável. Os registros devem indicar as pessoas autorizadas a liberar o produto (8.2.4). Dependendo da empresa, adotar uma codificação de todos os funcionários que pode ser essencial para essa identificação.

61 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.3 Controle de produto não-conforme A empresa deve ter procedimentos para: Identificar, segregar e documentar os produtos NC; Analisar criticamente os produtos NC e decidir se eles devem ser aceitos, reclassificados, retrabalhados, reparados ou sucateados. Se os bens ou serviços providos não atendem à especificação, então devem ser controlados para assegurar que não sejam usados ou liberados até que os problemas tenham sido corrigidos. Os procedimentos devem assegurar que os registros estejam disponíveis para dar evidência que algo fora da especificação foi tratado adequadamente.

62 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.4 Análises de dados Os dados coletados através das diversas sistemáticas de monitoramento/medição devem ser analisados como base na melhoria contínua. Não basta coletar uma série de números associados aos monitoramentos e medições mantidos. É preciso analisá-los. A Norma requer que sejam realizadas análises de dados associados a: Satisfação dos clientes Conformidade do produto Características e tendências de processos e produtos Fornecedores

63 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.5 Melhorias Melhoria Contínua A empresa deve continuamente melhorar a eficácia do SGQ, através da: Política da qualidade Resultados de auditorias Análises de dados Ações corretivas e preventivas Análises críticas pela direção 63

64 8. MEDIÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA 8.5 Melhorias Ação corretiva Ação preventiva Se algo afeta o produto ou serviço deu errado, devem existir procedimentos para assegurar que a causa-raiz seja investigada e que todas as ações estabelecidas sejam implementadas para corrigir o problema. Se algo afeta o produto ou serviço deu errado, devem existir procedimentos para assegurar que a causa-raiz seja investigada e que todas as ações estabelecidas sejam implementadas para corrigir o problema. 64

65 MUITO OBRIGADO!!!...

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO

PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO PROGRAMA INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM FORNECIMENTO SGQF:: 2008 SUMÁRIO PREFÁCIO -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE. Instrutor: F. Ermi R. Ferrari

FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE. Instrutor: F. Ermi R. Ferrari FORMAÇÃO DE AUDITORES DA QUALIDADE Instrutor: F. Ermi R. Ferrari A EMPRESA Sandra Ferrari Valquíria Novaes Ermi Ferrari Sejam bem vindos! SUMÁRIO Apresentação dos participantes Trabalho em equipe Sistema

Leia mais

ABNT/CB PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 OUTUBRO:2008 APRESENTAÇÃO

ABNT/CB PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR ISO 9001 OUTUBRO:2008 APRESENTAÇÃO Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos PRESENTÇÃO 1) Este 1º Projeto de Revisão foi elaborado pela CE-25:002.18 - Comissão de Estudo de Sistemas da Qualidade - do BNT/CB-25 - Qualidade, nas reuniões

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento NBR ISO 13485 2004 para treinamento - Rev 0 Web Site: www.simplessolucoes.com.br Norma NBR ISO 13485:2004 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO Folha Prefácio 2 Introdução 2 0.1 Geral 2 0.2

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015

DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015 DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Tradução Livre Prefácio ISO (International Organization for Standardization) é uma federação mundial de organismos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO. Planejamento da Qualidade

GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO. Planejamento da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE CONCEITOS E VOCABULÁRIO 1 Conceitos e Vocabulário Afinal de contas, o que é qualidade? A ISO 9000:2000 define qualidade como: Grau no qual um conjunto de características inerentes atende

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF

SISTEMA ISO 9000. Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF SISTEMA ISO 9000 Ghislaine Miranda Bonduelle UFPR/DETF Por que trabalhar com qualidade? Porque para começar a pensar em ser competitivo, é necessário fazer corretamente: na primeira vez, todas as vezes

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação

ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação ISO 9001:2008 Roteiro prático para implantação Marcel Menezes Fortes 1- Introdução: Em 28 de dezembro de 2008, a ABNT NBR ISO-9001:2008 entrou em vigor em substituição à Norma ABNT NBR ISO-9001:2000. Pretendemos

Leia mais