RELAÇÕES PÚBLICAS NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÕES PÚBLICAS NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL"

Transcrição

1 1 CARLOS FERNANDO NAKASHIMA JOSÉ ALEXANDRE CARVALHO GRADE SÉRGIO MARI JUNIOR RELAÇÕES PÚBLICAS NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL A SCRIBA PROJETOS EDITORIAIS FORTALECENDO SEU CARÁTER INSTITUCIONAL Trabalho apresentado ao Curso de Comunicação Social Habilitação em Relações Públicas da Universidade Estadual de Londrina, na disciplina Projetos Experimentais em Relações Públicas como requisito parcial à obtenção do título de graduação em Comunicação Social. Orientador: Prof. Dr. Waldyr Gutierrez Fortes Londrina 2002

2 2 NAKASHIMA, Carlos Fernando; GRADE, José Alexandre Carvalho; MARI JR., Sérgio. Relações públicas no processo de crescimento organizacional: a Scriba Projetos Editoriais fortalecendo seu caráter institucional p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social Habilitação em Relações Públicas) Universidade Estadual de Londrina, Londrina. RESUMO Este trabalho mostra como um Plano de Relações Públicas pode contribuir decisivamente para a concretização do processo de crescimento das organizações, liquidando pendências e implementando ações que proporcionem uma base sólida para o desenvolvimento de uma empresa. Na primeira parte do trabalho, buscou-se promover o fortalecimento do caráter institucional. Na segunda parte, trabalhou-se a questão do envolvimento do público interno com as mudanças propostas, pois são os membros deste grupo que legitimam o caráter institucional que se pretende fortalecer. Por fim, a terceira parte do Plano de Relações Públicas busca o desenvolvimento de um novo ramo de negócios, sites para a Internet, e como as atividades de Relações Públicas puderam reforçar o projeto inicial, colocando em pauta as adequações necessárias para inaugurar o relacionamento da empresa com um novo público: os internautas. Palavras-chave: crescimento organizacional; identidade corporativa; gestão do conhecimento; intranet; público interno, novas tecnologias; websites.

3 3 INTRODUÇÃO A Scriba Produções Didáticas e Literárias S/C Ltda. é uma empresa que atua no setor de prestação de serviços, provendo conteúdo didático para as principais editoras brasileiras da área educacional. Presta serviços de autoria de conteúdo didático, concentrando entre seus colaboradores um grande número de autores e pesquisadores nas disciplinas com as quais trabalha. Recentemente a empresa optou por incorporar em sua estrutura uma atividade acessória que contribuiu com a qualidade e a agilidade do trabalho, passando a executar também a produção digital do conteúdo produzido. Este salto criou a configuração atual da empresa, que agora é capaz de prestar serviços que vão desde a autoria do conteúdo, passando pela edição textual e artística de cada obra e chegando até a produção digital, entregando os livros prontos para impressão às editoras contratantes. Buscando atender a demanda de seus clientes, a empresa aumentou rapidamente sua capacidade de produção. Conseqüentemente, suas estruturas administrativas e processos de trabalho precisaram ser revistos e modernizados com a mesma intensidade. Este Projeto Experimental de Relações Públicas buscou mostrar como esta atividade pode potencializar o processo de mudança em direção ao ganho de escala, promovendo a liquidação de pendências e o atendimento de novas necessidades.

4 4 1 QUARENTA ANOS DE HISTÓRIA Em meados da década de 1960, o professor Luiz Gonzaga Cavalcante, iniciou sua carreira como autor de livros didáticos, escrevendo uma coleção de livros de Matemática para o ensino primário, que foi publicada pela Editora FTD S.A. Desde então, a família Cavalcante iniciou a construção de uma ampla rede de contatos, envolvendo as maiores e melhores editoras de livros didáticos do país, como FTD, Saraiva e Scipione. No início da década de 1990, as facilidades da informática possibilitaram à empresa aumentar sua capacidade de produção, permitindo que outros autores se juntassem ao professor Luiz G. Cavalcante, produzindo conteúdo para outras disciplinas além da Matemática, como Ciências, Língua Portuguesa, Geografia e História. Foi na década de 1990 que surgiram e se popularizaram novas tecnologias informatizadas de editoração eletrônica. A informática tornou possível o surgimento de uma empresa única, capaz de oferecer às grandes editoras de livros didáticos do país um serviço profissional e de qualidade reconhecida, que vai além da autoria do conteúdo das publicações, oferecendo também serviços como a edição e a produção digital das obras.

5 5 2 FORMATO ATUAL DA EMPRESA Os serviços prestados pela empresa executados mediante contrato com as editoras e o modo como cada etapa do processo produtivo é planejada está, hoje, vinculada diretamente às características do contrato com a editora que solicitou o serviço. O formato residencial das instalações é inadequado para o trabalho da empresa, causando dificuldades de aprendizado e integração, bem como de mobilidade para os que desconhecem a organização. Mesmo assim, a empresa procura oferecer boas condições, promovendo adequações e reformas sempre que possível. Um ponto positivo referente às instalações físicas da empresa diz respeito ao suporte que oferece ao trabalho autoral e de produção digital. Os colaboradores contam com uma biblioteca com mais de 12 mil volumes, além de coleções atualizadas das principais revistas do país e de outros acervos, como jornais e revistas em quadrinho. Mesmo que as condições do prédio não sejam as melhores para a instalação de uma biblioteca, implicando em dificuldades no armazenamento e fluxo dos exemplares, um sistema informatizado simples, construído especificamente para o gerenciamento do acervo, conhecido como Biblioteca ABC, torna viável a sua administração. Assim como a Biblioteca ABC, todos os sistemas informatizados existentes atualmente, apesar de muito importantes e úteis, não são integrados. São desconexos entre si, e cada um segue uma linguagem particular, demandando seções de treinamento e aprendizado pontuais para cada um dos sistemas.

6 6 Outro ponto importante diz respeito aos últimos investimentos em informatização. Atualmente, a grande maioria dos colaboradores conta com um computador para uso individual. Para suportar esta expansão da informatização, a estrutura de servidores, cabeamento e segurança da rede interna estão sendo reestruturadas. Preocupações com proteção antivírus e backup dos arquivos se tornaram constantes. O Departamento de Produção, que é o responsável pela produção digital de todo o conteúdo gerado pela empresa, é o mais informatizado. O caráter institucional não é uma preocupação difundida. Não existe uma identidade corporativa definida e legitimada, o que causa, constrangimentos aos colaboradores quando têm a necessidade de apresentar a empresa em que trabalham. A empresa vive também a necessidade da diversificação de suas fontes de renda. O rigor do MEC na avaliação dos livros didáticos torna extremamente arriscado o investimento na produção de uma obra. Por isso, novas alternativas para ampliar o rol de serviços da empresa têm sido estudadas.

7 7 3 RELAÇÕES PÚBLICAS E O CRESCIMENTO EMPRESARIAL A decisão por crescer proporcionou que o volume de trabalho fosse aumentado, fazendo surgir novas demandas não somente nas áreas produtivas, mas em toda e estrutura da organização. Com a opção pelo crescimento a empresa passou a se preocupar com seu caráter institucional e organizacional, voltando-se para questões contemporâneas da Administração de Empresas e das Relações Públicas, como qualidade total, gestão do conhecimento, planejamento estratégico, atendimento ao público, treinamento e identidade corporativa. Este processo de fortalecimento institucional enfrentado atualmente pela empresa necessitava ser planejado para que sua concretização fosse rápida e trouxesse retornos positivos para a organização. Assim, tornou-se imprescindível que a organização estivesse consciente do papel da cultura organizacional neste processo, pois, afinal, crescer significa mudar e a decisão por mudar inevitavelmente passa pelo confronto de valores e pela revisão de estruturas arcaicas e viciadas. Sem um planejamento estratégico para a mudança, a empresa corre o risco de se viciar em atitudes reativas, crescendo desordenadamente e enfrentando dificuldades desnecessárias. É imprescindível que todos os colaboradores estejam, antes de tudo, conscientes e de acordo com a mudança. O crescimento da empresa implica a conversão de valores pessoais, subjetivos e associativos para valores empresariais, impessoais, institucionais, que são, em geral, mais frios e sistemáticos que os primeiros, embora ainda haja espaço para a emoção e humanidades.

8 8 O principal desafio da Scriba Projetos Editoriais em seu processo de expansão foi o de tomar consciência de seu caráter empresarial e institucional, que se fortalece. Migrar de um relacionamento pessoal e afetivo para um relacionamento empresarial e profissional será a principal e inevitável mudança que virão nos próximos anos. Para tanto, o Plano de Relações Públicas proposto foi montado em três conjuntos de ações. O primeiro voltado à otimização das estruturas internas da empresa, envolvendo questões administrativas e estruturais, procurando caracterizar a empresa como instituição, fortalecendo sua identidade corporativa e profissionalizando suas relações de trabalho. Já o segundo buscou envolver o público interno na discussão sobre a nova realidade da empresa, com ações destinadas a promover o estreitamento das relações entre a empresa, seus colaboradores e os familiares de seus colaboradores. Por fim, o terceiro conjunto de ações tratou de aproveitar a nova dinâmica da empresa, melhorada com as ações anteriores, aproveitando o clima de modernização e informatização para concretizar a incursão em um novo mercado de trabalho: a Internet.

9 9 4 FORTALECIMENTO DA BASE INSTITUCIONAL As primeiras ações deste trabalho buscaram otimizar as estruturas da empresa de modo a garantir a concretização do processo de fortalecimento organizacional. Aqui o profissional de Relações Públicas tem um papel essencial de assessoria e consultoria, sugerindo ou receitando ações, muitas vezes de cunho administrativo, que visam modernizar e eliminar os vícios das estruturas atuais. Além de questões administrativas, esta primeira etapa de trabalho tratou também de questões não específicas das Relações Públicas, como a sinalização, a mobilidade interna e o aproveitamento do espaço físico disponível. Detalham-se a seguir, as ações realizadas nesta etapa do trabalho, as quais foram intituladas de Programa Arrumando a Casa. 4.1 Identidade Corporativa Uma questão sempre pertinente às empresas é o melhor aproveitamento do espaço físico. A Scriba apresenta uma deficiência nesta questão por estar instalada em uma construção residencial despreparada para atividades empresariais. Além disso, a empresa apresenta uma defasagem em relação a seu caráter institucional, não tendo delegado em nenhum momento de sua história esforços para a construção e manutenção de uma imagem institucional e de uma marca reconhecidamente confiável junto a seus públicos. A rigor, a organização inconscientemente cultivava símbolos e valores familiares e pouco profissionais. Não possuía elementos que identificassem seu caráter institucional e empresarial.

10 10 layout da organização: Segundo Fortes, esta preocupação corresponde aos estudos do Os estudos do leiaute estendem-se aos fatores ambientais, às dimensões e localização de lavatórios, refeitórios, sanitários, escritórios, serviços médicos, de manutenção e de controle de qualidade e almoxarifados; aos corredores de circulação; e às portas e pisos com dimensionamento adequado (1990, p.144). O International Labour Office, de Genebra, define layout como: [...] posição relativa dos departamentos, seções ou escritórios [...], dos pontos de armazenamento e do trabalho manual ou intelectual dentro de cada departamento ou seção; dos meios de suprimento e acesso às áreas de armazenamento e de serviços, tudo relacionado dentro do fluxo do trabalho (apud ROCHA, 1981, p. 169). Ainda segundo Fortes (1990, p. 144), o layout da organização transcende às questões relacionadas à apresentação visual e chegam até às preocupações com ambiência, iluminação, temperatura, cores, ruídos e ventilação. Seguindo as informações destes autores (id.), as alterações de layout devem pretender atingir objetivos como: a melhoria na aparência e no conforto; economia nas operações; facilitação do fluxo de pessoas e de materiais; e ainda, proporcionar conforto e segurança aos colaboradores. Partindo deste raciocínio, é possível verificar que a preocupação com o layout da organização é capaz de alcançar resultados expressivos no sentido de promover o caráter institucional da empresa e do melhor aproveitamento do espaço físico, determinando aparência e conforto, facilitação do fluxo de pessoas e materiais, maximização das áreas disponíveis e o planejamento de ampliações. Neste projeto propomos três ações fundamentais de alteração e readequação do layout como forma de atingir os objetivos citados.

11 Apresentação institucional da empresa Consistiu em determinar junto à diretoria o nome Scriba Projetos Editoriais como o nome a ser utilizado de forma uniformizada para apresentação da empresa, seguido da criação de uma logomarca com o formato de um selo editorial. Assim, passou a existir a marca Scriba Projetos Editoriais, capaz de concentrar e representar toda a confiabilidade que a empresa conquistou em seus muitos anos de trabalho Sinalização interna A sinalização interna tratou de numerar de forma lógica e uniforme as salas da empresa e identificar visualmente os ambientes onde funcionam os departamentos mais emblemáticos como administração, biblioteca, banco de dados, treinamento e produção. Desta forma foi possível minimizar a aparência estritamente residencial das instalações, criando um ambiente visualmente empresarial Serviço de atendimento aos colaboradores Há um departamento, a Secretaria, responsável por prestar serviços como telefonia, fax, fotocópias e fornecimento de materiais de escritório. Neste ponto, o grupo deste trabalho coordenou a instalação de um balcão de atendimento apropriado para a prestação dos serviços citados. Em conjunto com esta ação o grupo também assessorou a instalação de um novo sistema de marcação de ponto.

12 12 Este sistema faz as anotações de entrada e saída dos colaboradores por meio da impressão digital, de forma ágil e rápida, além de evitar fraudes. A instalação do balcão de atendimento e do sistema informatizado de marcação de ponto culminaram com o descongestionamento do setor de maior movimento na empresa, que já enfrentava transtornos pelo grande número de atendimentos que vinha prestando. 4.2 Qualidade Total O aumento do volume de trabalho faz com que a atenção para a qualidade dos serviços prestados seja redobrada. Assim como o volume de trabalho e o número de colaboradores envolvidos aumentaram, a organização e a agilidade interna também devem ser melhoradas. A equipe deste trabalho realizou a implantação de um projeto de Qualidade Total, que, a priori, tem fundamentação no programa 5S da administração japonesa. Constatando que a empresa era carente em termos de organização e agilidade interna, a equipe deste trabalho iniciou este projeto levantando os principais conceitos de Qualidade Total abordados pela Administração de Empresas. Extrapolando os conceitos dos 5S (organização, ordenação, limpeza, asseio e disciplina), foram levantadas questões sui generis do trabalho autoral e criativo da empresa, como a preocupação com o estabelecimento de ambientes propensos à criatividade e a ergonomia no trabalho. Propomos então um projeto organizado de maneira semelhante ao Programa 5S que teve como objetivo a implantação, por meio da mobilização e

13 13 conscientização, dos conceitos de Qualidade Total levantados. São eles: Utilidade e Organização; Limpeza, Higiene e Asseio; Segurança e Ergonomia do Trabalho; Ambiente Criativo; Motivação por Feedback e Círculo de Controle de Qualidade. Estando cientes dos conceitos a serem implantados e do formato da implantação, os líderes indicaram alguns subordinados para que estes formassem um grupo chamado Comitê de Implantação. Tratava-se de um grupo de colaboradores interessados em participar ativamente da implantação dos conceitos, tendo representantes de todos os setores e departamentos da empresa. Este grupo passou por um treinamento que auxiliou seus integrantes a aprofundarem seus conhecimentos quanto aos conceitos a serem implantados. Formado o Comitê de Implantação, foi realizado um levantamento inicial, ou seja, um mapeamento das condições iniciais da empresa, antes da implantação do conceito. A fase mais importante da implantação deste projeto foi a de divulgação e motivação. O Comitê de Implantação criou uma campanha de motivação com materiais apropriados como cartazes e comunicados que tinham como objetivo eliminar resistências às mudanças que viriam a ser propostas. Seguindo, realizou-se a implantação dos primeiros conceitos. Em um dia especialmente preparado, toda a empresa se voltou para uma programação executada pelo Comitê de Implantação que tratou de conscientizar e tomar as primeiras providências para a implantação dos conceitos deste projeto, exceto do CCQ. Alguns dias depois desta implantação o Comitê realizou um novo levantamento, nos mesmos moldes do levantamento inicial com o intuito de observar

14 14 as condições da empresa após a implantação dos primeiros conceitos. Estes dois levantamentos foram confrontados como forma de avaliar a eficácia do projeto. Terminada esta etapa, o Comitê de Implantação conduziu a formação de um grupo reduzido de colaboradores que ficaria responsável pela manutenção da qualidade obtida. 4.3 Comunicação e as Novas Tecnologias da Informação A Scriba Projetos Editoriais sempre se preocupou com suas principais matérias-primas, o conhecimento e a informação, bases importantes de todos os seus serviços. Porém carecia de uma sistematização e controle destes. Neste contexto a equipe deste trabalho buscou soluções na Gestão do Conhecimento, vista por Teixeira Filho (2001, p. 22) como uma coleção de processos que governa a criação, disseminação e utilização do conhecimento para atingir plenamente os objetivos da organização, que se inseriu perfeitamente nas necessidades e no contexto de reestruturação interna pelos quais a empresa estava passando. A Gestão do Conhecimento tem sua importância reforçada no contexto da empresa porque se diferencia dos demais modelos de gestão, não somente por destacar a importância do conhecimento dentro da organização, mas pela sua sistematização e a utilização estratégica diferenciada do conhecimento (DAZZI; PEREIRA, 2001, p.14). A proposta principal da Gestão do Conhecimento é a utilização do conhecimento como ferramenta estratégica e fundamental para as tomadas de decisões da empresa (TEXEIRA FILHO, 2001, p. 71). Mas, na Scriba Projetos

15 15 Editoriais, o conhecimento representa uma peça fundamental no processo de desenvolvimento de seus serviços, ou seja, consiste em sua principal matéria-prima utilizada. Houve a necessidade de adaptar este modelo para a realidade da organização. O ponto inicial da transformação da Tecnologia da Informação para a sua configuração atual foi a mudança de paradigmas. Os sistemas existentes trabalhavam totalmente isolados e o foco central era basicamente a redução de custos para a organização. Atualmente, tornou-se um elemento estratégico, fornecendo informações vitais para a eficácia da organização. Os sistemas começaram a trabalhar de modo integrado, direcionando toda a empresa para a integração (TAPSCOTT; ART, 1995). A equipe deste trabalho determinou a intranet como o instrumento de Tecnologia da Informação mais apropriado para o caso da Scriba Projetos Editoriais. Sua escolha foi devido à flexibilidade e facilidade de uso proporcionado aos usuários, contribuindo para uma maior autonomia com uma menor influência das áreas técnicas, além de a empresa disponibilizar praticamente um terminal de computador para cada colaborador. Com isso, a implantação da Gestão do Conhecimento foi proposta para cumprir as seguintes funções: house organ, integração de serviços, e o gerenciamento da informação status quo House organ Com o advento da intranet na organização, criamos um house organ digital com o objetivo principal de permitir que os colaboradores tivessem acesso

16 16 rápido a comunicações internas e informações em geral. O house organ é um veículo de comunicação dirigida escrita que tem por finalidade expor assuntos relacionados à vida da organização, ajudando na formação do público interno. A página principal da intranet foi construída de modo a desempenhar este papel, ou seja, de ser o principal veículo de comunicação interna da empresa Integração de serviços Na Scriba Projetos Editoriais todos os controles e processos eram feitos de forma isolada. A Tecnologia da Informação veio informatizar e integrar os vários sistemas e controles já existentes em uma única plataforma: a intranet. Os processos de transição e aceitação por parte dos colaboradores foram trabalhados com treinamentos, esclarecimentos e a abertura de um canal, na própria intranet, para sugestões e críticas do processo. A implementação da Tecnologia da Informação não deve seguir somente os aspectos técnicos, mas também analisar e estar atento aos aspectos sociais das organizações (WALTON, 1993). A proposta da integração dos serviços teve como objetivo principal a melhora na eficiência destes e, conseqüentemente, nos processos administrativos, transformando serviços simples em ferramentas estratégicas, contribuindo com o gerenciamento das informações. Esta ação finalizou-se com a migração para a plataforma da intranet de um grande número de controles avulsos que os diversos departamentos possuíam, cumprindo, assim, o papel de integração de serviços proposto para a intranet.

17 Gerenciamento da Informação Umas das grandes vantagens vindas com a evolução da computação foram as soluções dos problemas de captação e distribuição do conhecimento que, para Terra (2001, p. 244), se compara à invenção da imprensa. Nesse contexto, a Gestão do Conhecimento toma o seguinte conceito: [...] um esforço para fazer com que o conhecimento de uma organização esteja disponível para aqueles que dele necessitem dentro dela, quando isso se faça necessário, onde isso se faça necessário e na forma como se faça necessário, com o objetivo de aumentar o desempenho humano e organizacional (TERRA, 2001, p. 245). Na Scriba Projetos Editoriais, o aumento do volume das obras e a defasagem do sistema de consulta e controle da biblioteca (a já mencionada Biblioteca ABC ), levaram à criação de um sistema integrado de informações. Utilizando-se da plataforma da intranet, o grupo deste trabalho assessorou a transferência do sistema de gerenciamento do acervo para o mesmo formato dos demais serviços, corrigindo falhas e aumentando seu potencial e sua agilidade. Nele foram centrados a consulta e o controle da biblioteca, reformulados de forma a garantir todo o suporte à demanda da organização e à consulta às obras já finalizadas, que antes eram controladas manualmente. A armazenagem sistemática das obras finalizadas foi um ponto importante e fundamental na Gestão do Conhecimento, pois, além do benefício do arquivamento digital das obras, foi dado um grande passo para a criação da memória organizacional, visto por Teixeira Filho (2001, p. 147) como sendo uma forma de rever os processos organizacionais, mídias usadas, responsabilidades e

18 18 tecnologias empregadas, visando registrar de forma acessível o acervo de conhecimentos da organização. Este serviço se tornou uma base fundamental na consulta de experiências anteriores, guardando estilos e modelos de confecções das obras que a empresa já produziu, além de servir como um precioso banco de dados, onde os autores e seus assistentes podem consultar com agilidade os conteúdos outrora produzidos.

19 19 5 O PÚBLICO INTERNO NO PROCESSO DE CRESCIMENTO EMPRESARIAL O segundo grupo de ações de Relações Públicas no processo de crescimento organizacional buscou estreitar e, muitas vezes, inaugurar o relacionamento da empresa com seus grupos de colaboradores e seus familiares, o chamado público interno. Com a aproximação e o estreitamento das relações entre a empresa e seu público interno, acredita-se que seja possível alcançar objetivos como o aumento da disposição, motivação e dedicação dos colaboradores em seu trabalho. Segundo Lloyd e Lloyd (1984, p. 66), os trabalhadores querem algo mais que uma boa paga salarial. [...] A satisfação com o trabalho determina a qualidade de vida da comunidade e a reputação da entidade patronal. Ou seja, colaboradores e familiares contentes corroboram em potenciais porta-vozes da organização. Diante disto, o trabalho de relacionamento público é inadiável e plenamente aceitável e, ao motivar, concretiza as escalas de necessidades do indivíduo, identifica as aspirações do homem médio e imprime uma ótima situação de compreensão interna (FORTES, 1998, p. 99). Estas ações que passaremos a detalhar compuseram o programa Família Scriba. 5.1 Manual de Integração Antes de iniciar outras ações de Comunicação, fez-se necessário aprofundar o conhecimento das normas e políticas da empresa. Com isso, foi

20 20 possível identificar uma carência importante em termos de formalização e padronização institucional das regras aplicadas na organização. A equipe deste trabalho elaborou um Manual de Integração, como forma de voltar as atenções da direção e da administração da empresa para a revisão das normas e procedimentos padronizados. O simples ato de se colocar no papel tudo aquilo que a empresa tem como normas e políticas foi um grande exercício de reflexão sobre o novo porte da organização. Nenhum agrupamento humano apresenta condições de existir nos dias atuais, sem que as leis sejam bem definidas, do mesmo modo que seus objetivos e suas obrigações e, logicamente, sem divulgálos entre os membros do seu grupo (ROCHA, 1981, p. 158). Assim como a grande maioria dos colaboradores, a direção e administração da empresa desconheciam informações como o objetivo, a missão, a história da empresa, suas políticas, suas normas e suas metas. A confecção do Manual de Integração foi um momento de extrema importância para o bom funcionamento da organização, proporcionando muitos dos ajustes necessários para a execução das ações subseqüentes. 5.2 Aperfeiçoamento Profissional A criação deste programa de treinamento teve como base cursos elaborados por colaboradores mais experientes que têm como tema desde softwares profissionais de editoração até utilização correta da Internet e da língua portuguesa. Qualquer que seja o ramo de uma organização, a prosperidade nos negócios tem íntima relação com o desempenho dos colaboradores. Segundo

21 21 Ribeiro (1971, p. 155), o êxito de qualquer empreendimento humano depende do homem. Para que os mesmos estejam sempre atualizados em suas funções, mantendo um padrão de qualidade nos serviços, a empresa deve investir e insistir em treinamento. Nesse sentido, a empresa que opta pela vanguarda e gestão de pessoas certamente obterá resultados benéficos a sua saúde organizacional, aumentando a produtividade, garantindo a sobrevivência do negócio e propiciando satisfação aos empregados (CLARO; NICKEL, 2002, p. 17). O treinamento é, sem dúvida, uma ferramenta importante na gestão de pessoas, pois verifica a preocupação com o colaborador no sentido de satisfazêlo cultural e tecnicamente. O desenvolvimento dos colaboradores como profissionais atualizados demonstra, por parte da Scriba Projetos Editoriais, a consciência de que estes são essenciais à organização. O grupo deste trabalho formatou um sistema de treinamento que sistematiza em módulos e tópicos os conhecimentos dos colaboradores mais preparados nas áreas de carência. De acordo com suas necessidades e seus conhecimentos anteriores, os colaborados recebem um treinamento específico. Um monitor seleciona quais os módulos e tópicos precisam ser tratados. O próprio monitor avalia o desempenho do colaborador que está sendo treinado. Foram formatados da maneira proposta cursos de digitação; utilização da Internet; língua portuguesa; ferramentas de computação gráfica; dentre outros. Desta forma, a empresa passou a contar com um programa permanente de treinamento. Assim, todo colaborador novato ou que passa a exercer

22 22 uma nova função, tem a possibilidade de se preparar adequadamente para o trabalho que irá desempenhar. 5.3 Visitas Dirigidas Constatando que os colaboradores não conhecem por inteiro o processo do trabalho e que, na rotina diária, muitos deles deixam de ter contato com algumas etapas do processo produtivo e são limitados a visões parciais do negócio, realizou-se, então, a programação de visitas dirigidas, como ferramenta de Relações Públicas para ampliar o conhecimento de grupos específicos acerca de elementos da organização que lhe interessem. São atividades deliberadas e planejadas para estabelecer e manter o contato pessoal e franco entre a organização e segmentos de públicos (FORTES, 1998, p. 265). Assim, a realização de visitas dirigidas iniciou-se com os próprios colaboradores, levando-os em grupos para conhecerem o trabalho de outros departamentos, sempre conduzidos por um colaborador qualificado, solucionando o problema da falta de conhecimento quanto à totalidade do negócio da organização, além de despertar a colaboração dos mesmos com outras ações da empresa. Em seguida, partiu-se para a realização de uma visita dirigida, de maior porte, trazendo os familiares dos colaboradores para conhecer a empresa. Perceber essa proximidade traz a todos os componentes do público interno um sentimento de segurança. Além disso, os familiares, principalmente seus filhos, puderam ter conhecimento do que o pai ou a mãe realiza durante o dia de trabalho.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

sz propaganda propaganda sz consulting sz webdesign sz branding sz design um novo começo. um novo começo. além da marca e muito mais

sz propaganda propaganda sz consulting sz webdesign sz branding sz design um novo começo. um novo começo. além da marca e muito mais sz propaganda um novo começo. propaganda sz um novo começo. sz consulting maximizando resultados sz branding além da marca sz design e muito mais sz webdesign sem portas fechadas Planejamento estratégico,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice CONCEITOS E INSTRUÇÕES Índice 1. CONCEITOS... 2 1.1. O QUE É SERVIÇO?... 2 1.2. O QUE É CONSULTORIA?... 2 1.3. O QUE É ASSESSORIA?... 2 1.4. O QUE É SUPORTE TÉCNICO?... 2 1.5. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SUPORTE

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar Muitos empresários e profissionais liberais gostariam de estar na Internet, mas, na maioria dos casos, não sabem muito bem por que e nem mesmo sabem a diferença

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão

. Indice. 1 Introdução. 2 Quem Somos. 3 O que Fazemos. 4 Planejamento. 5 Serviços. 6 Cases. 9 Conclusão . Indice 1 Introdução 2 Quem Somos 3 O que Fazemos 4 Planejamento 5 Serviços 6 Cases 9 Conclusão . Introdução 11 Segundo dados de uma pesquisa Ibope de 2013, o Brasil ocupa a terceira posição em quantidade

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

URL amigável e otimização mínima para os mecanismos de busca. O sistema é integrado ao Google Analytics para auxiliar a medição do número de acessos.

URL amigável e otimização mínima para os mecanismos de busca. O sistema é integrado ao Google Analytics para auxiliar a medição do número de acessos. 1 - A AGÊNCIA Fundada em 1999, a Link e Cérebro é uma empresa 100% nacional sediada em São Paulo SP. Nossa missão é aproximar nossos clientes do seu público alvo através da internet. O corpo técnico conta

Leia mais