MBA GESTÃO CONTÁBIL EVA : UM ESTUDO DE SUA IMPLANTAÇÃO E DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A DISCIPLINA DE CAPITAL NA PETROBRAS DISTRIBUIDORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA GESTÃO CONTÁBIL EVA : UM ESTUDO DE SUA IMPLANTAÇÃO E DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A DISCIPLINA DE CAPITAL NA PETROBRAS DISTRIBUIDORA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS FEA/USP PROGRAMA DE PLANEJAMENTO E DESEMPENHO EMPRESARIAL MBA GESTÃO CONTÁBIL EVA : UM ESTUDO DE SUA IMPLANTAÇÃO E DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A DISCIPLINA DE CAPITAL NA PETROBRAS DISTRIBUIDORA PAULO NATAL PINHEIRO Rio de Janeiro 2005

2 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS, ATUARIAIS E FINANCEIRAS FEA/USP PROGRAMA DE PLANEJAMENTO E DESEMPENHO EMPRESARIAL MBA GESTÃO CONTÁBIL EVA : UM ESTUDO DE SUA IMPLANTAÇÃO E DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A DISCIPLINA DE CAPITAL NA PETROBRAS DISTRIBUIDORA PAULO NATAL PINHEIRO Monografia apresentada à Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras FIPECAFI, como requisito parcial para obtenção do Certificado de Especialização em Gestão Contábil. Rio de Janeiro 2005

3 À Adriana, Alyne e Paulo Victor, meus filhos.

4 AGRADECIMENTOS À Deus, pelo dom da vida e por dar-nos serenidade para aceitar o que não pode ser mudado, a coragem para mudar o que for necessário e, sobretudo, a sabedoria para distinguir uma coisa da outra. Aos meus pais, Jarbas (in memorian) e Tita, inabaláveis na fé em Jesus Cristo e incansáveis na dedicação, amor, humildade e que, pelos exemplos de suas trajetórias marcadas pela honestidade e sinceridade no lidar com o semelhante, mostrou-nos os únicos (e verdadeiros) caminhos para uma vida realmente digna. À Luiz Fernando Gomes, pela oportunidade do convívio profissional, desde que ingressei na BR, e pelas inúmeras demonstrações de serenidade, clareza, competência e segurança no trato com os mais variados assuntos, buscando, sempre, a solução mais adequada para todas as situações, inclusive as mais adversas, como bom senso e sem, jamais, ferir suscetibilidades. À Contabilidade da Petrobras, pela iniciativa da criação do MBA Gestão Contábil e à Contabilidade da BR pela minha indicação para a realização do curso. Aos professores da USP e da FIPECAFI, pela excelência e qualidade na abordagem dos temas, em especial aos professores Kassai, por me fazer despertar o interesse para o estudo do assunto-tema desta monografia, e Carlos Renato, pela orientação consistente e segura para a realização da pesquisa. Aos colegas de turma, pela oportunidade de conhecê-los como também de ser conhecido, o que, sem dúvida, facilitará, ainda mais, o desempenho de nossas atividades profissionais. À Petrobras Distribuidora S.A., na pessoa do Diretor Nelson Guitti, pelo apoio à realização de pesquisa eletrônica, aplicada aos empregados da Companhia, de forma ágil e segura, que contribuiu sobremaneira para os resultados alcançados na pesquisa.

5 Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única. Albert Schweitzer

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Antecedentes do Problema Situação-Problema Objetivos Justificativa e Contribuições Esperadas 9 2. REVISÃO DE LITERATURA EVA Descrição dos Componentes da Metodologia EVA NOPAT Encargo de Capital Ajustes EVA IMPLANTAÇÃO DO EVA NA PETROBRAS DISTRIBUIDORA Sobre a Petrobras Distribuidora - BR Fases da Implantação do EVA na BR Estrutura Organizacional para apuração do EVA Cálculo do EVA Demonstrativo do NOPAT Demonstrativo do Capital Operacional Critérios de Alocação às Unidades de Negócios - UNEG Banco Interno e EVA na BR METODOLOGIA RESULTADOS DA PESQUISA DE LEVANTAMENTO SOBRE A GESTÃO EVA NA BR Avaliação das respostas às afirmativas Avaliação das sugestões apresentadas pelos respondentes Análise dos resultados da pesquisa CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 47 REFERÊNCIAS 49 APÊNDICE 1 Questionário sobre a Gestão EVA na BR 50

7 7 1. INTRODUÇÃO 1.1 Antecedentes do Problema A Petrobras Distribuidora BR 1 é uma sociedade anônima, subsidiária da Petróleo Brasileiro S.A. PETROBRAS e sua criação ocorreu em 12 de novembro de Subordinada ao Ministério das Minas e Energia, classifica-se entre as entidades da administração indireta do Governo Federal 2. Exercendo sua função em caráter estritamente competitivo, detém a posição de liderança no setor. Hoje, são aproximadamente postos de serviços ativos, constituindo a maior e única rede de postos presente em todo o território nacional. Além de mais de 10 mil grandes clientes entre indústrias, termoelétricas, companhias de aviação e frotas de veículos leves e pesados. Durante o exercício de revisão do Planejamento Estratégico , a Diretoria Executiva DE da Petrobras Distribuidora S.A. definiu 12 projetos de cunho corporativo que sintetizaram as principais necessidades de atuação, no campo da gestão. Dentre os 12 projetos destaca-se o de imprimir orientação de resultado às Unidades de Negócios da BR. Nesse sentido, considerando os ganhos potenciais da adoção de uma Gestão Baseada em Valor, através do EVA, a DE da Companhia aprovou, em março de 2002, a contratação da Stern Stewart & Co. Ltda, para a implementação do EVA, ou Economic Value Added (Valor Econômico Agregado). O EVA é um conceito desenvolvido pela Stern Stewart & Co. no início da década de 80 que recupera a antiga idéia de lucro econômico (ou lucro residual). Este conceito indica que só existe lucro após a remuneração de todo o capital empregado ao seu custo de oportunidade. 1 As informações sobre a BR foram obtidas, principalmente, nas páginas da Companhia na Internet (www.br.com.br), na Intranet (BRnet) e no seu Estatuto Social. 2 A partir do mês de fevereiro de 2003, por decisão da Controladora, o capital da BR foi fechado, voltando a Companhia ao status de subsidiária integral da Petrobras.

8 8 De acordo com a exposição de motivos apresentada à DE da Companhia pela Gerência de Planejamento GPL, a principal justificativa para a adoção desta medida foi a de que os Demonstrativos de Resultados apresentados pelas Unidades de Negócios, utilizados até então, elaborados com base nas demonstrações contábeis tradicionais, não permitiam à Companhia alcançar a real responsabilização por resultados e a cultura de criação de valor. A Stern Stewart & Co. formalizou diagnóstico após sete meses de trabalho e, em dezembro de 2002, os pontos mais relevantes foram apresentados ao Comitê de Negócio da Companhia, com destaque para aqueles relacionados à estratégia de gestão. Naquele mesmo mês, a DE da Companhia aprovou a implementação da Gestão Baseada em Valor, através do EVA, a partir de janeiro de Essa decisão baseou-se, principalmente, nos seguintes ganhos ou vantagens potenciais para a Companhia: Diretores, Gerentes das Unidades de Negócios e seus subordinados passariam a ter visão clara de como melhorar a performance do negócio; Ocorreria a disseminação da cultura de negócios e finanças por toda a empresa; Todo o capital passaria a ter um dono. 1.2 Situação-Problema Em vista desses aspectos, este estudo teve a finalidade de investigar e responder às seguintes questões: Em que medida a implantação da gestão baseada em valor pela BR, através do EVA, contribuiu para que os gestores de capitais passassem a ter visão clara de como melhorar a performance dos negócios da Companhia? Existem evidências de que a implantação da gestão baseada em valor pela BR, através do EVA, contribuiu para a disseminação da cultura de negócios e finanças por toda a Companhia?

9 9 Qual o grau de compreensão dos gestores de capital de suas responsabilidades e oportunidades como proprietários ou donos de capital? Essas questões foram identificadas a partir dos supostos ganhos ou vantagens que a Companhia passaria a agregar com a adoção da gestão baseada em valor, através do EVA. Essas vantagens potenciais é que fundamentaram a decisão da Diretoria Executiva da Companhia de autorizar a contratação da Stern Stewart & Co. 1.3 Objetivos As respostas às questões centrais da pesquisa permitirão: Identificar em quais aspectos a adoção do EVA pela BR contribuiu para aprimorar a percepção dos gestores de capitais de como melhorar a performance dos negócios. Colher evidências objetivas sobre a disseminação da cultura de negócios e finanças na Companhia, a partir da implantação do EVA. Avaliar o grau de compreensão dos gestores de capital de suas responsabilidades e oportunidades como proprietários ou donos de capital. 1.4 Justificativa e Contribuições Esperadas Este estudo tem importante valor acadêmico na medida em que levanta subsídios empíricos sobre os reflexos da implantação do EVA em uma empresa de relevante papel na economia nacional, contribuindo para a discussão teórica sobre o assunto. Justifica-se ainda a realização deste estudo na medida em que se objetiva, sob a ênfase de pesquisa aplicada, identificar se os propósitos iniciais da adoção da Gestão Baseada em Valor na BR estão sendo atingidos e, dessa forma, contribuindo para a disciplina de capital pelos gestores de recursos, em consonância com as metas estabelecidas no Planejamento Estratégico da Companhia para o período de

10 10 A pesquisa busca identificar as dificuldades, pontos fortes e fracos e, principalmente, possíveis oportunidades de melhoria no processo de implantação e gestão do EVA pela Companhia.

11 11 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 EVA Autores da literatura contábil e de finanças descrevem a finalidade do EVA e sua importância como instrumento de avaliação de desempenho das empresas. Martins (2001, p. 244) afirma que podemos compreender o EVA como uma resposta à necessidade de medidas de desempenho que expressem a criação de riqueza por um empreendimento. Esse conceito foi desenvolvido durante a década de 80 e amplamente divulgado pela obra de Stewart III (1991). Para Assaf Neto (2000, p.244): O VEA (Valor Econômico Agregado) pode ser entendido como o resultado apurado pela sociedade que excede à remuneração mínima exigida pelos proprietários de capital (credores e acionistas). É um indicador sobre se a empresa está criando ou destruindo valor por meio de um resultado definido como supranormal por David Ricardo no início do século retrasado (1820). A partir de então, a medida foi sendo adotada por um número cada vez maior de empresas e recebendo diferentes denominações. Sua popularização maior deu-se com a denominação de Economic Value Added (EVA). Young e O Byrne (2003, p.20) também enfatizam que as idéias básicas que sustentam o EVA não são novas. A concepção é essencialmente uma reembalagem de princípios fundamentais de finanças corporativas e de gestão financeira que são conhecidos de longa data. Mesmo assim, é considerada uma inovação importante, uma vez que tornou a moderna teoria de finanças (e suas implicações gerenciais) mais acessível aos administradores corporativos com pouco conhecimento de finanças ou que achavam que nunca precisariam conhecer sobre essa área. Ressaltam que, quando implementada adequadamente, a gestão baseada em valor através do EVA embute um diferencial qualitativo de grande importância para as empresas, isto é, uma maior conscientização, sensibilização dos gestores como proprietários ou donos de capitais que internalizam a responsabilidade pela utilização desses capitais de forma otimizada.

12 12 Ainda sobre o conceito e a finalidade da gestão baseada em valor, Stewart III (1991, p.137) afirma que O Modelo EVA Economic Value Added ou valor econômico adicionado é uma ferramenta analítica que mensura o desempenho das operações por meio do resultado residual apurado do lucro operacional menos as despesas com o uso do capital. Com isto, identifica a riqueza gerada para o acionista e serve como ferramenta de gestão. O valor econômico agregado, ou EVA, é o valor que a empresa agrega após remunerar todos os recursos investidos, quer sejam financiados pelo custo de capital de terceiros (Ki) ou pelo custo de capital próprio (Ke). (Kassai et al, 2000, p.193) Em outras palavras, o EVA representa o lucro residual gerado pela empresa após remunerar os capitais investidos no negócio (acionistas e de terceiros). Assim, um EVA positivo sinaliza criação de valor para a empresa; caso contrário, apurando um EVA negativo, a mesma empresa estará destruindo valor dos acionistas. O EVA contrapõe de uma maneira simples e objetiva os recursos que foram necessários empregar para gerar um determinado lucro operacional, responsabilizando os gestores da empresa por estes recursos. Deste modo, ele mede, conforme sua concepção, o quanto foi gerado em excesso ao retorno mínimo requerido pelos fornecedores de capital da empresa. (EHRBAR, 2000) Ehrbar (2000, p.2) relata a afirmação feita por Peter Drucker em seu artigo na Harvard Business Review em 1995 de que o EVA se baseia em algo que sabemos há muito tempo: aquilo que chamamos de lucro, o dinheiro que sobra para remunerar o capital, geralmente nem é lucro. Até que um negócio produza um lucro que seja maior do que seu custo de capital, estará operando com prejuízo. Não importa que pague impostos como se tivesse um lucro verdadeiro. O empreendimento ainda retorna menos à economia do que consome em recursos. Até então, não cria riqueza; a destrói. A afirmação de Peter Drucker está relacionada diretamente ao conceito de retorno sobre o capital investido. Assim, admitindo que uma pessoa invista $ 100 na aquisição de cotas de um fundo de investimento e o custo de oportunidade (retorno mínimo desejado pelo investidor) seja de 10%a.a. Considerando que esse fundo seja operado em ambiente econômico estável (inflação irrelevante) e, ao final de um ano, remunere o investidor pagando-lhe dividendos de $ 10.

13 13 Esse acionista não ganhou nem perdeu, apenas obteve o retorno equivalente à remuneração do capital investido, ou custo de oportunidade. Por outro lado, se o valor do dividendo recebido pelo investidor fosse $ 20, por exemplo, esse investidor estaria criando valor (EVA de $ 10), após remunerar o capital investido em $ 10. Com a análise EVA podem-se ganhar vários insights que seriam muito mais difíceis de perceber através de análises tradicionais. Além disso, a concepção é compatível com a Teoria Moderna de Finanças e com o modelo de avaliação por Fluxo de Caixa Descontado. Descontando os EVA futuros de uma empresa pode-se obter o que se chama de MVA, ou Market Value Added (Valor de Mercado Agregado), que permite vinculá-lo ao valor da empresa. No modelo de avaliação proposto pela Stern Stewart & Co. (2001) considera-se o valor presente do MVA (Valor de Mercado Agregado) como o goodwill da empresa, ou seja, o valor de mercado que excede o total do capital investido em seus ativos. Logo, o goodwill refletiria o preço que um investidor pagaria por uma empresa a mais do que ele gastaria na hipótese de construí-la na atual estrutura de investimento. O goodwill (ou MVA Market Value Added) é efetivamente uma medida de riqueza, podendo ser entendido pela diferença entre o valor de mercado da empresa e o montante de capital que os investidores aplicaram no negócio. (Assaf Neto 2001, p.244). O conceito de MVA se contrapõe à suposta visão exclusivamente retrospectiva da metodologia EVA. Como advertem Kassai et al (2000, p.197): Críticas têm sido feitas no sentido de que o EVA é uma medida dirigida ao passado, pois é calculado sobre as informações contábeis oriundas de transações já ocorridas. Assim a Stern Stewart & Co. registrou uma outra marca denominada Market Value Added (MVA ), ou valor de mercado agregado, que avalia o valor econômico da empresa como um todo e em relação ao potencial de resultados futuros. O MVA é interpretado como a diferença entre o valor da empresa menos o valor de seus investimentos, a preços de mercado. É aquela parcela adicional, aquele algo mais, normalmente de difícil mensuração, e também conhecido como goodwill. Segundo seus criadores (STERN STEWART, 2001) o EVA é a medida mais correlacionada com a criação de valor aos acionistas e as principais características que o diferenciam das medidas tradicionais são:

14 14 É uma medida que considera todos os custos, inclusive o do capital de acionistas. Deste modo, o EVA destaca-se em relação às medidas tradicionais de lucro (Lucro Líquido, EBITDA 3, EBIT etc.), pois contrapõe o capital investido para gerar este lucro. É um valor absoluto, e não um percentual. Conforme se concebe, Investidores estão interessados em ganhos absolutos e não percentuais. O EVA pode ser acompanhado período a período ao longo do tempo. Ao contrário do que ocorre com o fluxo de caixa descontado, o fato de relacionar os investimentos com os benefícios que eles geram o torna comparável entre períodos. Por exemplo, a geração de caixa de uma empresa em um determinado ano não fornece muita informação sobre seu desempenho naquele período, pois essa medida pode ser influenciada por períodos de grande investimento. Para os criadores do EVA (STERN STEWART, 2001), o objetivo de toda empresa é criar valor para seus acionistas. Entretanto, na medida em que a empresa cresce e os poderes de decisão são delegados para gestores de níveis hierárquicos cada vez mais profundos da organização, surgem naturalmente conflitos de interesses entre os acionistas e os executivos da Companhia. Para eles, um dos principais desafios de um sistema de gestão eficiente é garantir que os tomadores de decisão possuam toda informação relevante para decisão e que eles possuam os incentivos apropriados para utilizar estas informações segundo os interesses dos acionistas. A melhor maneira de resolver este problema é alinhar os interesses de executivos e acionistas. Assim, na visão da Stern Stewart & Co., o EVA é um Sistema de Gestão que ajuda a solucionar diversos problemas do dia-a-dia da administração, através do alinhamento dos interesses de acionistas e executivos. 3 O EBITDA (Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization ou LAJIDA Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações) é uma medida de resultado operacional, não levando em conta o capital necessário para gerá-lo.

15 15 Ehrbar (2000, p. 131) afirma que o Modelo EVA procura atender três requisitos: servir como medida de desempenho, oferecendo indicações e feedback das decisões para geração do valor econômico; indicar os desembolsos acumulados que contribuem para a geração de lucros futuros; e apresentar os resultados reais da empresa. Esses requisitos levam o modelo EVA a assumir o papel de ferramenta gerencial, distinguindo-se do Modelo Contábil em dois aspectos: A primeira distinção aparece com o reconhecimento do custo do capital pleno, ou seja, o Modelo EVA inclui, na apuração do resultado, a despesas com o capital próprio, materializando-se assim o modelo como o mensurador de desempenho. O segundo aspecto aborda os ajustes de cunho gerencial nas demonstrações contábeis, para eliminar as distorções causadas pelos princípios contábeis. Segundo Ehrbar (2000, p. XIX): Medir apropriadamente o EVA de uma Companhia é o primeiro passo na direção correta. No entanto, para que seja realmente efetiva, esta medida deve, na maioria dos casos, ser estendida do nível corporativo para as unidades de negócio mais importantes, podendo chegar inclusive ao nível de chão de fábrica. Mas mesmo a mais robusta e profunda medida de EVA não é suficiente para trazer mudanças revolucionárias. As empresas devem aprofundar a implementação do EVA. Ehrbar afirma ainda que o EVA não representa somente uma medida ou métrica de avaliação de desempenho tradicional e que a gestão baseada em valor através do EVA, alinha processos da empresa com o objetivo de criar valor, integrando-os de forma consistente com sua estratégia e leva em consideração os três pilares básicos da Arquitetura Organizacional: estabelecimento de direitos de decisão; avaliação do desempenho; e sistema de recompensa.

16 16 A Figura 1 a seguir, ilustra as vantagens apontadas pela Stern Stewart & Co. pela conversão para uma medida econômica de gestão baseada em valor, através do EVA : Figura 1 Vantagens de Conversão para Medida Econômica através do EVA Realidade Econômica Impacto Comportamental Materialidade Disponibilidade de Informações Reconhecimento do Mercado Critérios Base Contábil Resultado Ajustes Melhor reflete criação de valor Encoraja gerentes a pensar e agir como acionistas Torna conhecimentos financeiros acessíveis em todos os níveis Uma linguagem comum para os gerentes por toda a empresa Base EVA Fonte: Stern Stewart & Co (2001) Sobre o modelo empresarial de Gestão Baseada em Valor, Assaf Neto (2003, p.169) afirma que: Tem como objetivo a maximização da riqueza dos proprietários de capital, expressa no preço de mercado das ações. O sucesso de um empreendimento é medido por sua capacidade de adicionar riqueza a seus acionistas dentro de um horizonte indeterminado de tempo, e não entendido dentro de uma visão efêmera dos resultados muitas vezes conseqüência de variáveis que não se repetirão no futuro. O modelo de valor prioriza essencialmente o longo prazo, a continuidade da empresa, sua capacidade de competir, ajustar-se aos mercados em transformação e agregar riqueza a seus proprietários.

17 17 Assaf Neto (2003, p. 169) enfatiza que o principal indicador de agregação de riqueza é a criação de valor econômico, que se realiza mediante a adoção eficiente de estratégias financeiras e capacidades diferenciadoras. Para avaliar a capacidade de agregação de valor da empresa, são desenvolvidos direcionadores de valor dos negócios, cobrindo as diversas variáveis das estratégias selecionadas por sua administração. Os direcionadores de valor podem ser entendidos como qualquer variável que exprime efetivamente uma influência sobre o valor da empresa. Por exemplo, a redução da morosidade na cobrança de carteira de valores a prazo influi basicamente na seguinte seqüência de valores: giro do investimento retorno do investimento retorno do capital próprio estrutura de capital valor de mercado. Da mesma forma, um maior giro dos estoques é conseqüência da necessidade de um menor volume de investimentos em giro, promovendo um maior retorno aos proprietários e maior valor agregado. Outro exemplo sobre direcionadores de valor encontra-se na pesquisa realizada por Saião et al (2004) para avaliação da marca Petrobras no segmento automotivo da BR. Os autores concluem que os resultados sobre o papel da marca Petrobras nos direcionadores do negócio do segmento automotivo da BR sugerem que sejam priorizados investimentos relacionados aos direcionadores Combustível de Qualidade, Comprometimento e Propaganda/Promoções, pois são aqueles que possuem maior proporção passível de aumento de valor para a Companhia, através da gestão da marca. Como sugere a literatura sobre o assunto, uma adequada adoção do EVA como direcionador de valor dos negócios de uma empresa cria uma valiosa relação de causaefeito, isto é, um virtuoso ciclo de aculturamento econômico-financeiro para a empresa que o adotou. Conforme se comentou, um Sistema de Gestão EVA leva em consideração os três pilares básicos da Arquitetura Organizacional: o estabelecimento de direitos de decisão, a avaliação de desempenho e o sistema de recompensa que devem sempre estar perfeitamente alinhados. A Stern Stewart & Co. (2001) indica que o sistema, quando plenamente implementado na empresa, garante o alinhamento desses três fatores. Afirma ainda que para atingir este objetivo, uma boa implementação deve contemplar quatro fases principais, chamadas de Os 4 Ms do EVA (Figura 2):

18 18 Figura 2 - Os 4 Ms do EVA Fonte: Stern Stewart & Co (2001) Measure - Definição de uma medida ligada aos direitos de decisão de seus executivos tanto no nível consolidado como nos níveis de unidades de negócio, produtos etc.. Management System - Criação de ferramentas de auxílio à tomada de decisões totalmente centrados na filosofia EVA (ex: Modelos de Análise de Investimentos, Orçamento, Modelo de Compras etc.). Motivation - Desenvolvimento de um sistema de remuneração variável, vinculado à Metodologia. Mindset Comunicação interna e externa, bem como treinamento de um grande número de funcionários para disseminar a filosofia de criação de valor na empresa. Os requisitos levam o modelo EVA a assumir o papel de ferramenta gerencial, distinguindo-se do modelo contábil em dois aspectos (EHRBAR, 2000): A primeira distinção aparece com o reconhecimento do custo do capital pleno, ou seja, incluindo na apuração do resultado, a despesas com o capital próprio, materializando-se assim o modelo como o mensurador de desempenho. O segundo aspecto aborda os ajustes de cunho gerencial nas demonstrações contábeis, para eliminar as distorções causadas pelos princípios contábeis.

19 19 Ehrbar (2000, p.75) destaca ainda que o sistema de recompensas e incentivos é uma ferramenta para incrementar a produtividade, por meio de motivação, que pode ser gerada com o alinhamento entre os objetivos dos acionistas, gerentes e dos funcionários. 2.2 Componentes da Metodologia EVA O EVA é uma medida de desempenho que considera todos os custos de operação, inclusive os de oportunidade. De uma maneira simples, ele é o resultado operacional após impostos da empresa menos um encargo pelo uso do capital fornecido por terceiros e por acionistas, e pode ser expresso pela seguinte fórmula (Figura 3): (STERN STEWART, 2001) Figura 3 Fórmula do EVA EVA = NOPAT - Encargo de Capital EVA NOPAT Encargo de Capital Fonte: Stern Stewart (2001) NOPAT Significa Net Operating Profit After Taxes, ou Lucro Operacional Líquido Após Impostos. Seu semelhante na contabilidade tradicional é o Lucro Operacional Líquido. De uma maneira simples, o NOPAT é igual à Receita Líquida menos os Custos e Despesas Operacionais (incluindo Depreciação) deduzidos alguns ajustes específicos para determinada empresa e os Impostos. (STERN STEWART, 2001) Comparando a Demonstração de Resultados tradicional com a Demonstração do NOPAT, chega-se ao demonstrado no Quadro 1, a seguir:

20 20 Quadro 1 Demonstração de Resultados x NOPAT Demonstração de Resultados NOPAT Receita bruta Receita bruta ( ) Impostos e deduções ( ) Impostos e deduções (=) Receita líquida (=) Receita líquida ( ) Custo dos produtos vendidos ( ) Custo dos produtos vendidos (=) Lucro bruto (=) Lucro bruto ( ) Despesas operacionais ( ) Despesas operacionais (=) EBITDA (=) EBITDA ( ) Depreciação ( ) Depreciação (=) EBIT (=) EBIT (+) Receita financeira ( ) Despesa financeira (=) Lucro operacional (=) NOPBT (±) Resultado não operacional (±) Itens extraordinários (=) Lucro antes de impostos (=) NOPBT ( ) Imposto de renda e contribuição social ( ) Imposto operacional caixa ( ) Participação de minoritários ( ) Participação de minoritários (=) Lucro líquido (=) NOPAT Fonte: Stern Stewart (2001) Da análise do quadro acima, depreende-se que: as Despesas Financeiras não integram o NOPAT, pois o custo do capital de terceiros é cobrado através do Encargo de Capital; as receitas financeiras podem (ou não) serem consideradas no seu cálculo caso as características das operações da empresa recomendem a inserção (ou não) do Caixa como parte do capital da empresa; além das Despesas Financeiras, o Resultado não Operacional e os Itens Extraordinários também são excluídos do NOPAT; os efeitos fiscais das Despesas Financeiras, do Resultado não Operacional e dos Itens Extraordinários são excluídos do Imposto de Renda e da Contribuição Social apurados na Demonstração de Resultados; as provisões contábeis, o Imposto de Renda e a Contribuição Social são transformadas em base caixa.

21 Encargo de Capital O Encargo de Capital deve ser entendido como o retorno ou remuneração mínima devida aos acionistas (K e ) e aos capitais de terceiros (K i ) que emprestam recursos à empresa a um custo (juros) pré-estabelecido, denominada Custo de Capital. O valor do Encargo de Capital é representado pelo resultado do produto entre o Capital Empregado (próprio e terceiros) e o Custo de Capital, onde, segundo a Stern Stewart, 2001: Capital Empregado ou Capital Financeiro é o equivalente ao lado direito do Balanço Patrimonial da Contabilidade (Passivo) representado pelas origens de recursos (capitais próprios e de terceiros). Da mesma forma, o Capital Operacional equivale ao lado esquerdo do Balanço Patrimonial (Ativo) e representa as aplicações de recursos (bens e direitos). Custo de Capital ou Custo Médio Ponderado de Capital, conhecido internacionalmente como Weighted Average Cost of Capital (WACC), que representa o retorno mínimo requerido pelos fornecedores de capital à Companhia. Ele é a média ponderada entre o custo de capital dos acionistas e o custo de capital de terceiros. Capital Financeiro representado pelos recursos originados dos acionistas e de terceiros (Passivo), considerados os ajustes devidos. O Capital de Terceiros compreende todas as dívidas onerosas da empresa, incluindo aquelas não contabilizadas no Balanço Patrimonial, como operações de leasing operacional, dívidas com fundos de pensão, contratos de gás em caráter take-or-pay etc. O Capital de Acionistas compreende o Patrimônio Líquido. Ressalta-se que os Passivos Não Onerosos não aparecem no Capital Financeiro, ao contrário do que ocorre com o Passivo do Balanço Patrimonial. Dessa forma, estes passivos são excluídos do Capital Operacional da empresa porque representam uma fonte de recursos espontânea, cujo custo já está contabilizado no custo dos produtos que a empresa compra.

22 22 Desta maneira, o custo deste capital já passa pelo NOPAT e estaria sendo cobrado duas vezes, caso fosse cobrado também através do Encargo de Capital. As participações de minoritários também não são incluídas no Capital Financeiro, pois representam ativos que os acionistas da empresa não possuem Ajustes EVA O EVA busca retratar, da maneira mais fiel possível, a realidade econômica da Companhia. Entretanto, o cálculo do EVA de uma empresa baseia-se em suas demonstrações contábeis, que, em alguns aspectos, se afasta desta realidade. Por este motivo, realizam-se ajustes nas demonstrações contábeis tradicionais, para melhor refletir o desempenho da Companhia, através de uma medida de criação de valor para os investidores (acionistas e terceiros). Os criadores do Modelo EVA identificaram mais de 160 ajustes potenciais com relação aos critérios contábeis, envolvendo o tempo de reconhecimento das receitas e das despesas, o financiamento não inserido no balanço, a conversão de moedas estrangeiras, a valoração dos estoques, inflação, entre outros (EHRBAR, 2000, p ). Existem duas motivações principais para que sejam realizados os ajustes: remover distorções contábeis, o que melhora a correlação da medida de EVA com o valor de mercado da empresa; separar atividades operacionais de financeiras, evidenciando os resultados de cada uma. Este efeito já está embutido no modelo, que mede o desempenho operacional através do NOPAT e o financeiro através do Encargo de Capital.

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A.

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Rosangela Zimpel1 Heder Bassan2 Geovane Sornberger3 Sergio Guaraci Prado Rodrigues4

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA Revista Conjuntura Econômica 01/2000 Oscar Malvessi* COMPETIVIDADE, A VELOCIDADE COM QUE ESTÁ OCORRENDO A TRANSFORMAÇÃO dos negócios, a globalização dos mercados

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT )

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) 1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) Clóvis Luiz Padoveze * João Carlos de Oliveira ** Resumo: O presente trabalho consiste numa aplicação

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico João Carlos de Oliveira (UNIMEP) joliveir@lpnet.com.br Clóvis Luiz Padoveze

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO

ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO ANÁLISE DO EBITDA PARA TOMADA DE DECISÃO Guilherme Pressi¹ RESUMO O processo de obtenção das informações financeiras visando à verificação dos efeitos das atividades operacionais, avaliação de empresas

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios Supply Chain Management & Logística: Lucro, Retorno e Valor para o Acionista Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras Logicon Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO

CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO (I) (II) (III) A demonstração do resultado da empresa abriga: as receitas; o custo dos produtos, mercadorias ou serviços; e as despesas relativas a determinado

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

Palavras-chave: Planejamento e controle financeiro, orçamento empresarial, EVA, valor econômico.

Palavras-chave: Planejamento e controle financeiro, orçamento empresarial, EVA, valor econômico. V I I S E M E A D F I N A N Ç A S PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO: ECONOMIC VALUE ADDED (EVA) COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE FINANCEIRO Gilberto Noboru Nakayasu Mestrando em Administração pela Faculdade

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO Silvio José MOURA E SILVA Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO LAJIDA OU EBITDA LAJIR OU EBIT SEPARAÇÃO DO RESULTADO OPERACIONAL DO FINANCEIRO Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas.

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas. A gestão das empresas vem revelando importantes avanços em sua forma de atuação, saindo de uma postura convencional de busca do lucro e rentabilidade para um enfoque preferencialmente voltado à riqueza

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Contabilidade Societária 3

Contabilidade Societária 3 Contabilidade Societária 3 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi fernando.galdi@fucape.br Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 01 Impairment of Assets IAS 36 2 1 Conceito de ATIVO Prováveis benefícios econômicos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO EMPRESARIAL TRATAMENTO DOS GASTOS FIXOS O CONCEITO DE UNIDADE DE NEGÓCIO BALANÇO, RESULTADO E FLUXO DE CAIXA DO LUCRO PARA O FATURAMENTO DE EQUILÍBRIO

Leia mais