Sobre a ABPITV. Objetivos. Principais Projetos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sobre a ABPITV. Objetivos. Principais Projetos"

Transcrição

1

2 Sobre a ABPITV Criada em 1999 Presença em todas as 5 regiões brasileiras Em setembro de 2011: 130 associados Em setembro de 2013: mais de 350 associados Objetivos Representar produtoras independentes de conteúdo audiovisual para televisão e novas mídias; Auxiliar no desenvolvimento do mercado audiovisual brasileiro Representar o setor em diversos fóruns de debates audiovisuais Estimular a produção e novos modelos de negócio Analisar e estimular a utilização da legislação do setor, participando ativamente de suas regulamentações e alterações Oferecer capacitação ao produtor Apoiar a atuação do produtor brasileiro no mercado internacional Principais Projetos

3 História da TV no Brasil Início da TV no Brasil, com a criação da TV Tupi Inaugurada TV Cultura Primeira transmissão de TV em cores no Brasil Aprovação da Lei do Audiovisual Criação da Agência Nacional do Cinema (Ancine) 1ª Edição do RioContenMarket 1965 Década de Inaugurada TV Globo Na década de 60: mais de 200 mil aparelhos de TV Emissoras passam a operar em redes. 64% dos lares possuem TV (34 milhões) Início da TV por assinatura Fundação da ABPITV 1ª transmissão oficial de TV Digital no país (sistema japonês ISDBTB) Aprovação da Lei (Serviço de Acesso Condicionado)

4 A Lei /2011 principais eixos de mudanças conteúdos audiovisuais (cotas de conteúdo brasileiro nas atividades de produção e programação). telecomunicações (entrada das telecom para aumento da concorrência). cotas de conteúdo brasileiro canais de TV por assinatura devem veicular no mínimo 03h30 de conteúdo brasileiro em horário nobre, sendo 50% de obras produzidas por produtora independente. em todos os pacotes ofertados ao assinante, a cada 3 (três) canais de espaço qualificado existentes no pacote, ao menos 1 (um) deverá ser canal brasileiro de espaço qualificado. ao menos 2 canais brasileiros de espaço qualificado de um pacote devem veicular 12 horas diárias de conteúdo nacional independente.

5 A Lei /2011 BALANÇO DA LEI DE SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO 2 ANOS DE REGULAMENTAÇÃO Número de assinantes: Número de assinantes bruto aumento anual de 27% em relação a dezembro/2011* Em 2013 a base atingiu o número de 16.8 milhões assinantes no país* Crescimento de 21,7% no faturamento do setor, incluindo as receitas de publicidade** *Fonte: Associação Brasileira de TV por Assinatura. A partir de: <http://www.abta.org.br/dados_do_setor.asp>. Acesso em: 03 jun ** Fonte: Anatel. Consolidação dos Serviços de TV por Assinatura - Jan 2012 a Dez 2012, de 25/01/2013. A partir de: <http://www.anatel.gov.br>. Acesso em 03 jun

6 A Lei /2011 BALANÇO DA LEI DE SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO 2 ANOS DE REGULAMENTAÇÃO Conteúdo e Mercado audiovisual: Triplicou a quantidade de horas de conteúdo brasileiro veiculado por mês* Arrecadação para investimento em audiovisual cresceu 17 vezes** Aquecimento da produção - alta taxa de ocupação, incremento de receitas e salários Para o nível técnico, as ocupações que registraram maiores ganhos de remuneração foram os técnicos em operação de câmara fotográfica, de cinema e de televisão (com aumento real de 51,1% nos salários)*** FONTES: ANCINE, IPEA 2013

7 TV POR ASSINATURA BRASIL Perspectiva de crescimento em 2013: 22% A 25% LARES COM TV: MAIS DE 59 MILHÕES

8 TV POR ASSINATURA NA AMÉRICA LATINA Penetração da TV Paga na América Latina 55,2% dos habitantes possuem acesso a TV Paga Fonte: IBOPE, 2011

9 MECANISMOS DE FOMENTO PARA TV Art. 39 Art. 1ºA Art. 3ºA MP /01 Lei 8685/93 Lei 8685/93 FSA Linha B Fomento Indireto Fomento Indireto Fomento Indireto Investimento Reembolsável Programadoras e Canais estrangeiros recebem isenção da taxa de remessa ao exterior (CONDECINE), desde que invistam 3% do valor desta remessa em obras brasileiras de produção independente. Pessoas físicas ou jurídicas podem usar parte do Imposto de Renda em patrocínio de produções independentes. Programadoras e Canais de TV por assinatura, estrangeiros ou não, podem usar parte do Imposto de Renda das remessas ao exterior sobre os créditos obtidos na exploração de obras estrangeiras no Brasil. Para investimento em produção independente de obras audivisuais brasileiras para televisão (aberta e por assinatura) incluindo projetos de coprodução internacional. Limitado a 4% para PJ e 6% para PF e abatimento de 100% do valor do Imposto de Renda. Limite de 70% do valor devido.

10 PRODUÇÕES INDEPENDENTES PARA TV Tem Criança na Cozinha Produtora: Samba Filmes (FDP) Produtora: Pródigo Exibido no Canal Gloob Estreou em abril /2013 Exibido na HBO Contos do Edgar Produtora: O2 Filmes Exibido na Fox Estreou em abril/2013 Surtadas na Yoga Produtora: Conspiração Historietas Assombradas Produtora: Glaz Estreou em 26 de agosto Exibido no GNT Estreou em abril/2013 Agora Sim Produtora: Mixer Exibido no Cartoon Network Exibido na Sony Estreou em março/2013 Estreia em setembro/2013

11 ACORDOS INTERNACIONAIS DE COPRODUÇÃO acordos de coprodução bilateral Canadá Israel* Chile Alemanha Reino Unido* Índia *aguarda aprovação Convênio de Integração Cinematográfica Ibero-Americana: acordos de coprodução multilateral Argentina Bolívia Colômbia Cuba República Dominicana Peru México Espanha Nicarágua Venezuela Panamá Portugal poderia ser signatário do convênio. Conferência das Autoridades Audiovisuais e de Cinema Iberoamericana tem feito movimentos junto ao Governo português.

12 COPRODUZINDO COM O BRASIL COM ACORDO DE COPRODUÇÃO A participação dos produtores brasileiros varia entre 20% a 80% dos direitos patrimoniais; As regras para contratação de técnicos e artistas são definidas conforme o acordo estabelecido; SEM UM ACORDO DE COPRODUÇÃO INTERNACIONAL Ao menos 40% dos direitos da obra devem pertencer ao produtor brasileiro; 2/3 dos técnicos e artistas devem ser brasileiros ou residentes no Brasil por pelo menos 3 anos;

13 O RIOCONTENTMARKET RioContentMarket é um evento internacional de conteúdo multiplataforma realizado pela ABPITV. >> A QUEM É DESTINADO: próxima edição: Produtores, distribuidores, compradores, exibidores; 12 a 14/março 2014 >> PERFIL CAPACITADOR: participação de novas empresas em um primeiro evento internacional; Sobre a edição 2013: fomento de novas parcerias (nacionais e internacionais) participantes; Foco em projetos Transmidia: Lab Transmidia >> PERFIL COMERCIAL: realização de rodadas de negócios com players nacionais e internacionais; estimativa de U$ 50 milhões em negócios realizados; *atualizado em 18/03 fechamento de acordos de co-produções com produtoras internacionais 93 painéis; 900 reuniões; 295 palestrantes e players; 16 keynotes; 29 países;

14 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! MARCO ALTBERG PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL RACHEL DO VALLE GERENTE BRAZILIAN TV PRODUCERS

15 Terms of Trade uma década de sucesso John McVay, CEO da Pact

16 História do Mercado e intervenções públicas.

17 Os maus velhos tempos Antes de 2003, o sector de TV independente era uma indústria caseira fazendo programas numa base de obras de encomenda O sector era muito pouco rentável O volume de negócios era de cerca de 850 milhões de libras Existiam apenas 3 compradores principais (BBC, ITV e C4) A BBC e a ITV tinham fortes unidades de produção próprias Os operadores de TV do Reino Unido detinham todos os direitos sobre os conteúdos que tinham encomendado, mas muitas vezes não os exploravam em mercados secundários ou internacionais.

18 Communications Act de 2003 Introduz Códigos de Boas Práticas para os Operadores de Serviço Público Elevado nível de orientação mas condicionamento de licença Os operadores de TV só podem licenciar e NÃO reter os direitos Todo os contratos têm que ser acordados previamente com a Pact Os produtores dispõem de uma entidade reguladora Não foi necessário recorrer à regulação em 10 anos Os operadores de TV não conseguiram demonstrar qualquer prejuízo

19 Crescimento do sector em menos de 10 anos

20 As exportações aumentaram

21 Divisão típica da receita 2012

22 A participação dos Operadores de TV nas receitas A participação de todos os operadores de TV nas receitas dos produtores é a seguinte: Vendas secundárias de TV no Reino Unido 50:50 (BBC 75:25) Programas e formatos internacionais 85:15 VOD/DVD 85:15 T/VOD no território 50:50 Merchandising

23 A legislação tem evoluído de acordo com a desenvolvimento do mercado 2007 alcançados novos acordos Foram concedidos direitos a operadores de TV que lhes permitiram lançar plataformas de VOD Os produtores independentes conseguiram ver reduzido o período de retenção dos direitos de forma a permitir uma maior exploração do mercado secundário de TV do Reino Unido 2011 reinício das negociações À medida que os orçamentos de produção são mais apertados, os operadores de TV procuram clarificações sobre a utilização primária de conteúdos nos seus canais derivados Por seu lado, os produtores independentes procuram reduzir ainda mais os períodos de retenção para permitir uma maior exploração à medida que surgem novas oportunidades

24 O Mercado de TV no Reino Unido mudou muito em 10 anos Os operadores de Serviço Público ainda são responsáveis por mais de 90% das encomendas no Reino Unido, mas os orçamentos de programação estão mais apertados Novos parceiros estão a encomendar mais conteúdos As vendas internacionais são essenciais actualmente representam 30% das receitas do sector independente no Reino Unido O processo de produção de programas mudou os produtores independentes partilham agora o risco com base no sucesso do negócio Os operadores de TV do Reino Unido beneficiam dos mercados globais. OPM financia com base na origem das produções

25 O que se segue? Os operadores de TV devem procurar novas janelas de difusão à medida que os telespectadores esperam aceder aos conteúdos em mais plataformas Os conteúdos perdem a exclusividade mais cedo Assim, novas plataformas vão poder entrar no mercado: Os consumidores passam a poder aceder aos conteúdos com mais facilmente Bom para combater a pirataria Bom para os produtores independentes que terão novas oportunidades para rentabilizar os seus conteúdos

26 Precisamos de mais legislação / intervenção? Não. A legislação actual funciona sem actuação em 10 anos O mercado pode actuar de forma mais adequada comercialmente Sem prejuízo para os operadores de TV e até com muitos benefícios Produtores do Reino Unido conseguiram uma maior internacionalização Os produtores agora partilham o risco e as receitas Efeito cascata na regulamentação e no mercado

27 Perguntas? Obrigado

28 AUDIOVISUAL EM PORTUGAL O Peso Económico do Sector Manuel Duque

29 O Peso Económico do Sector Com esta apresentação pretende-se: Analisar o comportamento económico do mercado nos últimos anos; Sensibilizar os presentes para os principais números do sector; Verificar tendências; Caracterizar o mercado; 2

30 O Peso Económico do Sector O mercado audiovisual em Portugal é dominado por: M /400 M 800 M /500 M M /130 M 6,5% 62,5% 6% Cerca de 3 milhões de lares portugueses tem acesso a TV através do cabo; 1,2M 1,5M 0,3M O peso do cabo no volume de negócio do sector representa 64%, ou seja M. Fonte: contas anuais aferidas ao valor médio de subscritores 3

31 O Peso Económico do Sector Os canais generalistas em 2012: 184M 141M 229M 158M 255M Fonte: Contas anuais 36% do volume total de negócios do sector, quando em 2008 representavam 57%. O volume total de negócio do sector audiovisual, estimado e aproximado em 2012, foi de: M (cerca de 1% do PIB anual); Cerca de M em 2008; Taxa de crescimento global de 49%; Sendo o crescimento do cabo de 122%; Registando os canais generalistas uma quebra de 7%; 4

32 O Peso Económico do Sector Millionen Operadores Telecom ZON 2010 PT/MEO OUTROS TOTAL Fonte: Contas anuais ponderadas por média de subscritores 5

33 O Peso Económico do Sector Millionen Operadores Generalistas RTP 2010 TVI SIC TOTAL Fonte: Contas anuais 6

34 O Peso Económico do Sector Evolução do Mercado Publicitários (valores estimados) Millionen Mercado Publicitário - TV Generalista Mercado Publicitário - TV Generalista Fonte: Dados de mercado 7

35 O Peso Económico do Sector Origem dos rendimentos do sector em 2012: Rendimentos: Valor Subscrição Publicidade Multimédia (Chamadas VA) Contribuição Audiovisual Indemnizações Compensatórias Fonte: Relatório anual de contas ponderado pelos serviços prestados Exportação de conteúdos: A exportação de conteúdos portugueses é escassa ou mesmo inexistente, embora não existam dados concretos sobre os valores em causa, estima-se que não ultrapassem o meio milhão de euros/ano. 8

36 O Peso Económico do Sector O reduzido peso das exportações de conteúdos nacionais está intimamente relacionado com o reduzido peso da produção independente que no período , teve o seguinte desempenho: Millionen Produção Independente Produção Independente Fonte: Dados fornecidos pelo sector 9

37 O Peso Económico do Sector Apenas 40% dos rendimentos totais são investidos na grelha; Millionen Investimentos em Grelha Canais Generalistas Investimentos em Grelha Canais Generalistas Fonte: contas anuais e informações de mercado 10

38 O Peso Económico do Sector Evolução margem EBITDA: Operadores Telecom. 80 Millionen Millionen Canais Generalistas Operadores Telecom. Canais Generalistas Fonte: relatório e contas anuais 11

39 O Peso Económico do Sector Caracterização: Sector cada vez mais dependente dos operadores de telecomunicações, sem que dos mesmos exista uma obrigatoriedade de investimento em conteúdos originais produzidos em Portugal; Queda abrupta do mercado publicitário (43% nos últimos 5 anos); Falta de regulamentação que permita uma afirmação crescente de conteúdos originais em Português; Inoperância da Lei do Cinema e Audiovisual (LACA), criada em 2004 e regulamentada em 2007, rapidamente foi colocada em causa pelos cooperantes do FICA (Fundo de Investimento Cinema e Audiovisual); A aprovação recente da nova LACA, na qual se colocam grandes expectativas, só será verdadeiramente estruturante para o sector se os diferentes intervenientes a compreenderem como um grande apoio para o financiamento das suas operações e não um entrava à liberdade na tomada de decisão 12

40 O Peso Económico do Sector Caracterização: Elevada produção interna nos canais generalistas; Falta de diversidade e criação de estruturas extremamente pesadas que absorvem 50% dos rendimentos gerados; Negócio de TV financia outras actividades dos Grupos de comunicação social; O negócio de TV nos operadores de telecomunicações permitiu recuperar clientes, alavancando a banda larga e o negócio triple-play ; Falta de capacidade associativa e desenvolvimento de parcerias; 13

41 O Peso Económico do Sector Em suma: Não há uma verdadeira estratégia que permita a maximização de valor do sector audiovisual, tornando-o verdadeiramente importante para a afirmação de Portugal, da cultura portuguesa, fomentando os conteúdos nacionais e a captação de investimento externo 14

AUDIOVISUAL EM PORTUGAL

AUDIOVISUAL EM PORTUGAL AUDIOVISUAL EM PORTUGAL O Peso Económico do Sector Manuel Duque 11-10-2013 1 Com esta apresentação pretende-se: Analisar o comportamento económico do mercado nos últimos anos; Sensibilizar os presentes

Leia mais

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora ABAR, Agosto de 2013 Agenda Contexto do mercado de TV por Assinatura Panorama econômico

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Terms of Trade uma década de sucesso. John McVay, CEO da Pact

Terms of Trade uma década de sucesso. John McVay, CEO da Pact Terms of Trade uma década de sucesso John McVay, CEO da Pact (john@pact.co.uk) História do Mercado e intervenções públicas. Os maus velhos tempos Antes de 2003, o sector de TV independente era uma indústria

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

ANCINE Assessoria Internacional

ANCINE Assessoria Internacional ANCINE Assessoria Internacional Principais Atribuições da Assessoria Internacional Participar do desenvolvimento e de revisões de acordos internacionais de coprodução cinematográfica/audiovisual; Negociar

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

Impactos da Lei de TV Paga

Impactos da Lei de TV Paga Impactos da Lei de TV Paga ABDTIC, Rio de Janeiro, 24 agosto de 2014 Alex PatezGalvão Superintendente de Análise de Mercado Superintendência de Análise de Mercado A apresentação A Superintendência de Análise

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

Sobre a ABPITV Criada em 1999 439 associados presentes nas 5 macrorregiões do Brasil (maio/14)

Sobre a ABPITV Criada em 1999 439 associados presentes nas 5 macrorregiões do Brasil (maio/14) Sobre a ABPITV Criada em 1999 439 associados presentes nas 5 macrorregiões do Brasil (maio/14) Objetivos (destaques) Representar produtoras independentes de conteúdo audiovisual para televisão e novas

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

Câmara dos Deputados

Câmara dos Deputados Substitutivo ao PL 29/07 e apensos Descrição da Proposta Dep. Jorge Bittar Brasília - Maio de 2008 Agenda Premissas do Substitutivo ao PL 29/07 Escopo do Substitutivo Descrição do Substitutivo Propostas

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras;

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Concentração de programadoras brasileiras; Pouco investimento na produção audiovisual.

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica Audiência Pública SENADO FEDERAL Brasília, 11 de julho de 2007 Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica APG17 LEOPOLDO NUNES Diretor Slide 1 APG17 ou "na convergência" ou ainda no "cenário

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

Conteúdos audiovisuais na era da Convergência

Conteúdos audiovisuais na era da Convergência Conteúdos audiovisuais na era da Convergência 52º Painel TELEBRASIL Costa do Sauípe, 5 de junho de 2008 Manoel Rangel Diretor Presidente da Agência Nacional de Cinema - ANCINE Apresentação em três partes:

Leia mais

O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil

O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil Audiência no Senado Federal 1º de dezembro 2010 Manoel Rangel Diretor-presidente - ANCINE Competição: o principal ponto do PLC 116 Abertura

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema Assuntos abordados nesta apresentação Visão geral sobre

Leia mais

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8 INFORME SETORIAL Área Industrial Agosto/2012 n o 24 A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual A Lei 12.485, de dezembro de 2011, regulamentada em 4 de junho de 2012 pelas

Leia mais

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA Case vencedor do VII Prêmio ANATEC na categoria B2B Serviços BANCA ASSINATURA CUSTOMIZADA PORTFÓLIO A maior provedora de conteúdo de economia, negócios e finanças da América

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

I Encontro de Coprodução FRANÇA-BRASIL

I Encontro de Coprodução FRANÇA-BRASIL I Encontro de Coprodução FRANÇA-BRASIL Fomento à produção Audiovisual e Coprodução Internacional Mário Diamante rio Diamante Diretor Ancine FORMAS DE FINANCIAMENTO Agência Nacional do Cinema A ANCINE é

Leia mais

Veja aqui como podemos ajudar você a expandir seus negócios internacionais

Veja aqui como podemos ajudar você a expandir seus negócios internacionais Veja aqui como podemos ajudar você a expandir seus negócios internacionais Quem somos? 12 anos de parceria A BM&A é uma associação sem fins lucrativos, com sede em São Paulo, que foi fundada em Julho de

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil CONTACT CENTER Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil Cenário Nos últimos dez anos, o desenvolvimento das tecnologias de informação permitiu um forte crescimento do setor de

Leia mais

Media Networks esteve presente na Conferencia VSAT Latin America 2014

Media Networks esteve presente na Conferencia VSAT Latin America 2014 16 de Maio, 2014 // Número 026 Media Networks esteve presente na Conferencia VSAT Latin America 2014 Ver más Apresentando as vantagens da Internet via satélite para a região Com plataforma via satélite

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND julho/2012 Case de Sucesso TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL Terra é parte da Telefônica

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil Audiência no Senado Federal junho de 2011 Manoel Rangel Diretor-presidente id t Tópicos desta apresentação A evolução da proposta do PLC 116

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas Atua na defesa dos interesses coletivos dos exibidores há várias décadas Representa:

Leia mais

ILinhas de apoio financeiro

ILinhas de apoio financeiro ILinhas de apoio financeiro Lisboa 03 junho 2012 Direção de Investimento Carlos Abade INSTRUMENTOS DE APOIO À ATIVIDADE PRODUTIVA TURISMO Carlos Abade Faro, 2 de agosto de 2012 Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Telecom Televisão Digital Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Televisão Digital Terrestre na Europa Aposta clara da UE na Televisão Digital Terrestre

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos

Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos Atribuição da Coordenação de Análise de Direitos III analisar e emitir parecer sobre os requerimentos de reconhecimento provisório de obras audiovisuais produzidas em regime de coprodução Internacional

Leia mais

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE E AO ESTÍMULO À PRODUÇÃO LOCAL João Maria de Oliveira* Carolina Teixeira Ribeiro** 1 INTRODUÇÃO A evolução das tecnologias de produção, empacotamento,

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.454, DE 13 DE MAIO DE 2002. Dispõe sobre remissão da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica -

Leia mais

LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento

LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento A BASE DA PIRÂMIDE É DIFERENTE MUNDIALMENTE POR REGIÃO, POR SETOR MAS SEMPRE UM MERCADO ENORME UMA GRANDE OPORTUNIDADE Na América Latina há cerca de 400

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

Sobre a ABPITV. Objetivos. Principais Projetos

Sobre a ABPITV. Objetivos. Principais Projetos Agosto/2011 Sobre a ABPITV Objetivos Criada em 1999 Presença em todas as 5 regiões brasileiras 130 Associados em 2011 Janeiro de 2013 mais de 270 associados Representar produtoras independentes de conteúdo

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Mecanismos para Atrair Investimento Internacional e Parcerias para a Indústria Audiovisual Brasileira

Mecanismos para Atrair Investimento Internacional e Parcerias para a Indústria Audiovisual Brasileira Mecanismos para Atrair Investimento Internacional e Parcerias para a Indústria Audiovisual Brasileira por Steve Solot* I. Brasil O Novo Centro de Atenção Global O recente Rio+20 (2012), e o próximo Dia

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

Mercado Audiovisual no Brasil

Mercado Audiovisual no Brasil Mercado Audiovisual no Brasil Cinema Cinema Sobre o Cinema Nacional Ciclo de crescimento: produção nacional vem ocupando o mercado de forma continuada e consistente; Público de filmes brasileiros em 2009:

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Soluções para a prospecção de clientes, gestão dos riscos de crédito e apoio à internacionalização das empresas

Soluções para a prospecção de clientes, gestão dos riscos de crédito e apoio à internacionalização das empresas Soluções para a prospecção de clientes, gestão dos riscos de crédito e apoio à internacionalização das empresas RAFAEL GARCIA DIRETOR COMERCIAL CESCEBRASIL QUEM SOMOS A CESCEBRASIL é uma empresa especializada

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado entre o Ministério da Cultura (MC) e a Radiotelevisão

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Decreto n.º 12/1992 Acordo Cinematográfico entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola

Decreto n.º 12/1992 Acordo Cinematográfico entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Decreto n.º 12/1992 Acordo Cinematográfico entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo

Leia mais

PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010

PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010 PANORAMA DO CINEMA BRASILEIRO (2000-2009) Por Roberto Moreira, Débora Ivanov e Fabrício Gallinucci São Paulo, Dezembro de 2010 A pesquisa foi realizada a partir de banco de dados da Ancine Agência Nacional

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011

Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011 Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011 Economia? Economia! Conjunto de a=vidades geradoras de valor > Mercadorias com valor econômico (material) e cultural (simbólico) > Indústria

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007.

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007. COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM CABO VERDE ANO 27. SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES: Enquadramento A ANAC enquanto autoridade reguladora do sector

Leia mais

Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades -----------------------------------------------------

Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades ----------------------------------------------------- Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades ----------------------------------------------------- 1 - O Evento: O Primeiro Plano 2015 - Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades,

Leia mais

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência 79% dos universitários portugueses garantem Estágios profissionais são bons para ganhar experiência A rede Universia e o portal de empregos www.trabalhando.com realizaram em nove países um questionário

Leia mais

Internacionalização das Economias 2014

Internacionalização das Economias 2014 Internacionalização das Economias 2014 Agenda 1 O Banco do Brasil 2 A Economia Brasileira 3 Oportunidades para Investimento em Infraestruturas no Brasil 4 O Comércio com o Brasil Banco do Brasil Highlights

Leia mais

Pós-Graduação em Produção Audiovisual

Pós-Graduação em Produção Audiovisual Produção Audiovisual Pós-Graduação em Produção Audiovisual Aula Inaugural - 28 de abril de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 15.698,00 À vista com desconto: R$ 14.913,00 Consultar

Leia mais

Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa

Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 447/XII/3.ª MODELO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA E AUTONOMIA DA CINEMATECA PORTUGUESA - MUSEU DO CINEMA

PROJETO DE LEI N.º 447/XII/3.ª MODELO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA E AUTONOMIA DA CINEMATECA PORTUGUESA - MUSEU DO CINEMA Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 447/XII/3.ª MODELO DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA E AUTONOMIA DA CINEMATECA PORTUGUESA - MUSEU DO CINEMA 1.ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 55/2012, DE 6 DE SETEMBRO Exposição

Leia mais

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento - Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI

PROTOCOLO RTP / SIC / TVI PROTOCOLO RTP / SIC / TVI (Protocolo assinado pelos três operadores, em 21 de Agosto de 2003, e alterado pela Adenda ao Protocolo, de 15 de Fevereiro de 2005) VERSÃO CONSOLIDADA Entre: RÁDIO E TELEVISÃO

Leia mais

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores Marco Antonio Rossi Presidente AGENDA I O Universo dos Novos Consumidores 2 O Mundo do Seguros 3- Perspectivas e Oportunidades

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER TURISMO

PORTUGAL A CRESCER TURISMO PORTUGAL A CRESCER TURISMO Turismo Um setor estratégico Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas exportações Turismo 13% Serviços (excluindo Turismo) 18% Bens 69% Unid. Milhões Euros Turismo Um setor estratégico

Leia mais

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS AGENDA Metodologia Dados Secundários Dados Primários Comentários, Sugestões e Críticas das Empresas Considerações Finais TRABALHO DE CAMPO PASSO A PASSO

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas)

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) 1. Quem deve prestar as informações? 2. Quem pode acessar o sistema? 3. Uma empresa distribuidora pode autorizar outra empresa a prestar as

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais