Desafios do Turismo em Portugal 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios do Turismo em Portugal 2014"

Transcrição

1 Desafios do Turismo em Portugal 2014 Crescimento Rentabilidade Inovação 46% O Turismo em Portugal contribui com cerca de 46% das exportações de serviços e mais de 14% das exportações totais.

2 Desafios do Turismo em Portugal 2014 César Gonçalves Ricardo Sousa Valles 14 de janeiro de 2014

3 Não recebemos lições de quem sabe mais Mas sim de quem faz melhor!... Anónimo

4 Agenda 1 Os desafios 2 Proposta de soluções 3 Conclusões Enquadramento do Estudo 4

5 Agenda 1 Os desafios 2 Proposta de soluções 3 Conclusões Enquadramento do Estudo 5

6 Os desafios 1 ~ 1.8 mil milhões de turistas a nível mundial, em 2030 Crescimento mundial de 3.3% até Chegada de Turistas Internacionais Por Região Previsão 2030 Fonte: UNWTO 6

7 Os desafios 1 O turismo intraeuropeu continuará a representar cerca de 75% das 740 a 750 milhões de viagens estimadas para 2020 O turismo intraeuropeu prevalece e continuará a ser o negócio dominante até 2020 Realidades distintas de performance turística; Crescimento evidenciado no Leste Europeu; Europa: maior captação de turistas de longa distância. 7

8 Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional Os desafios 1 o que se reflete na sua contribuição para o PIB e para o Emprego! Cerca de 8% do emprego; 14% das exportações totais; 46% das exportações de serviços; 45 meses consecutivos a crescer; 10% do PIB Sazonalidade inversa à indústria. Fonte: World Travel & Tourism Council Economic impact 2013 Portugal; Banco de Portugal; INE, Análise ; Dados das exportações a Out

9 Os desafios 1 Contudo, o setor enfrenta ainda alguns desafios com a intensificação da concorrência na Bacia do Mediterrâneo Turistas Internacionais - Mediterrâneo Marrocos e Turquia aproximaram posicionamento; 2000 Portugal Tunísia Marrocos 2.7% Croácia Egito 2.0% 2.4% Grécia 2.4% 2.5% 6.2% Turquia 36.2% 4.5% Egito tem promovido concorrência por preço; 2012 França Portugal Tunísia Marrocos Croácia 19.3% Egito Itália Grécia 21.8% 2.7% 2.1% 3.7% 3.3% 4.0% França 29.3% 5.5% Espanha Turquia 12.6% 16.4% 20.4% Croácia requalificou a oferta (e envolvente exterior); Em 2012, Portugal era o 9º destino turístico do Mediterrâneo em chegadas internacionais e o 6º com maiores receitas turísticas. Espanha Fonte: Barómetro OMT do Turismo mundial out 13 Itália 9

10 Os desafios 1 Entre 2002 e 2012, aumentámos a nossa quota de receitas em 1.3 p.p. Receitas de Turistas - Mediterrâneo Espanha 23.7% % França Marrocos Croácia 2.2% 3.4% Egito 4.1% Portugal 7.3% 1.6% Grécia 6.0% Turquia 23.5% Itália Portugal Egito 2012 Marrocos Croácia 4.3% 4.8% 3.3% 5.4% 27.3% Espanha Grécia 6.3% Turquia 12.5% 20.4% 15.7% França Fonte: Barómetro OMT do Turismo mundial out 13 Itália 10

11 Os desafios 1 O debate com o setor levou-nos a identificar 5 desafios principais para 2014 Externalidades 1. Multiplicidade de estruturas associativas representativas (?) do setor 2. Dispersão da promoção turística (Regiões / Mercados) 3. Connected Tourist 4. Entrada de novos players (financeiros) no mercado 5. Retração económica fomentando concorrência pelo preço Desafios 1. Ganhar peso político. Distanciar-se dos ciclos políticos. 2. Estratégia de continuidade e consistência na mensagem. 3. Aumentar quotas de mercado. Identificar e conhecer o turistaalvo. 4. Combater a sazonalidade. 5. Melhorar a rentabilidade e responder aos desafios do financiamento. 11

12 Agenda 1 Os desafios 2 Proposta de soluções 3 Conclusões Enquadramento do Estudo 12

13 Proposta de soluções 2 Dar continuidade à linha de desenvolvimento que Portugal traçou ou viu ser traçada apostar na rentabilidade, crescimento e inovação. 4 eixos de desenvolvimento prioritários para Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar 2 Apostar no mercado Europeu 1 Dotar o setor de uma Voz única 13

14 Proposta de soluções 2 Dar continuidade à linha de desenvolvimento que Portugal traçou ou viu ser traçada apostar na rentabilidade, crescimento e inovação. 4 eixos de desenvolvimento prioritários para Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar 2 Apostar no mercado Europeu 1 Dotar o setor de uma Voz única 14

15 Proposta de soluções 2 Ganhar mais peso na agenda política nacional, correspondente à sua importância para a Economia do país 1 Dotar o setor de uma voz única Principais influenciadores Associações Reguladores Municípios Infraestruturas de suporte Segurança Qualificação e formação Produção Distribuição Relação Hotéis Restauração Congressos, convenções, reuniões Entretenimento e Desporto Património e cultura Modelos de negócio Estratégia de canais, produtos e geografias Agências de viagem Transporte Operadores Turísticos Online Gestão de Marca Promoção e Comunicação Angariação e fidelização Business Intelligence Cliente final 15

16 Proposta de soluções 2 Concentrar a representação do setor numa única entidade 1 Dotar o setor de uma voz única Uma Voz única Entidade Gestora Consistente (representante do setor) Integradora Coerente Interlocutor perante financiamento e promoção Peso económico e institucional Procura por parcerias nacionais e internacionais 16

17 Proposta de soluções 2 Uma questão de conhecimento e promoção apostar na rentabilidade, crescimento e inovação. 4 eixos de desenvolvimento prioritários para Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar 2 Apostar no mercado Europeu 1 Dotar o setor de uma Voz única 17

18 Desenvolver um Business Intelligence para o Turismo Proposta de soluções 2 2 Apostar no mercado europeu Qualidade e cobertura da informação estatística disponível para o Turismo Plataforma de Business Intelligence - conhecer melhor quem nos visita. Portugal é o 72º país no que respeita à qualidade e cobertura das estatísticas disponíveis para o setor do Turismo Recolher informação daqueles que não nos conhecem.???? Fonte: WEF Travel Competitiveness Index

19 Prioridade à promoção dos destinos com competitividade internacional 2 Apostar no mercado europeu Nº Dormidas de portugueses e estrangeiros Proposta de soluções 2 Lisboa, Algarve e Madeira são responsáveis por 84% das dormidas de estrangeiros em Portugal Algarve Lisboa RA Madeira Norte 0,0% Valores em milhares ,3 20% 80% ,8 25% 75% 7.548,2 33% 67% +2,3% 9.439,9 26% 74% 5.468,7 14% +0,1% 5.507,7 10% 86% 90% 3.262,4 60% 40% +3,4% 4.541,9 52% 48% 2002 Portugueses 2012 A dependência de Lisboa, Algarve e Madeira de dormidas de estrangeiros é bastante elevada, cerca de 75% em Lisboa e Algarve e quase 90% na Madeira¹ ¹Dados do Turismo de Portugal a Agosto 2013 Estrangeiros

20 Apostar em conquistar quotas relevantes nos mercados onde já captamos um nível significativo de turistas Proposta de soluções 2 2 Apostar no mercado europeu Receitas turísticas por mercado emissor O crescimento e aceleração do crescimento são da maior relevância no contexto atual e requerem resultados imediatos. França 17.8% Reino Unido 18.0% Espanha 13.8% Alemanha 10.0% 17.9% 16.8% 18.1% 16.8% 12.8% 11.8% 10.1% 10.4% 100% Outros 40.4% 42.4% 42.9% Out

21 Proposta de soluções 2 Uma questão de conhecimento e promoção, o caso de Munique 2 Apostar no mercado europeu Quantos habitantes de Munique conhecem e se deslocam a Portugal? Transportámos cerca de pessoas entre Munique e Portugal (entre outubro 2012 e outubro 2013). 3,8 % dos passageiros transportados vêm para Portugal Aeroporto de Munique serve uma população de cerca de 11 milhões de habitantes, (até 2 horas de distância) e transporta 7 milhões de passageiros por ano Estende-se a cidades na Áustria, tais como Salzburg e mesmo Innsbruck. 21

22 Proposta de soluções 2 Atrair os turistas que ainda não vêm 2 Apostar no mercado europeu Doméstico 92.1% Com exceção de Espanha, Portugal apresenta quotas de mercado de captação de turistas inferiores a 4.5% em 6 dos principais mercados - alvo Espanha França Reino Unido Holanda Bélgica Doméstico 89.0% Doméstico 62.1% Doméstico 48.2% Doméstico 25.6% Alemanha Doméstico 66.2% 7.9% Outbound 11.0% Outbound 37.9% Outbound 51.8% Outbound 74.4% Outbound 33.8% Outbound Para Portugal Para Portugal Para Portugal Para Portugal Para Portugal Para Portugal 1.2% 12.4% 4.2% 4.1% 2.7% 2.0% 87.6% Para outros 95.8% Para outros 95.9% Para outros 97.3% Para outros 98.0% Para outros 98.8% Para outros 22

23 Alavancar a competitividade através da inovação Proposta de soluções 2 apostar na rentabilidade, crescimento e inovação. 4 eixos de desenvolvimento prioritários para Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar 2 Apostar no mercado Europeu 1 Dotar o setor de uma Voz única 23

24 Melhorar a experiência do cliente, oferecendo produtos e serviços de forma inovadora 3 Inovar para combater a sazonalidade O turista encena a experiência O turista quer, cada vez mais, viver o guião que escolhe. A colaboração entre entidades é fundamental para atingir esse objetivo. No commodities. Experiências únicas 24

25 Disciplinar a gestão das redes sociais e dos conteúdos Oportunidade para a verdadeira diferenciação através do digital 36% Adquiriu uma aplicação para reserva de hotéis 1ª Vaga Digital Ciclo de vida do cliente de Viagens e Turismo 2ª Vaga Digital 49% Partilha sempre (ou quase sempre) as suas experiências Fonte: Thriving or Surviving, European Cities Hotel Forecast 2013, A forma como os clientes, escolhem, comparam preços, reservam e partilham opiniões está a transformarse radicalmente 25

26 Alavancar a competitividade através da inovação Proposta de soluções 2 apostar na rentabilidade, crescimento e inovação. 4 eixos de desenvolvimento prioritários para Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar 2 Apostar no mercado Europeu 1 Dotar o setor de uma Voz única 26

27 O crescimento da oferta deve acompanhar a procura Proposta de soluções 2 4 Otimizar a gestão e consolidar Investir em Capital Humano, uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal 27

28 Proposta de soluções 2 Otimizar a gestão e consolidar 4 Otimizar a gestão e consolidar Gestão e exploração de ativos de terceiros. Consolidação da oferta e integração em marcas Parcerias, consórcios e joint-ventures. Apostar em mercados de relação Incrementar a rentabilidade no Turismo Gestão de preço Revenue Management e Value Pricing Serviços partilhados para além da área financeira Investir em Capital Humano, uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal 28

29 Conclusões 3 Agenda 1 Os desafios 2 Proposta de soluções 3 Conclusões Enquadramento do Estudo 29

30 Conclusões 3 O debate com o setor levou-nos a identificar 5 desafios principais para Estratégia e continuidade da mesma Continuidade e consistência da mensagem Aumentar quotas de mercado 4 Combater a sazonalidade 5 Melhorar a rentabilidade 30

31 3 Conclusões Que soluções propomos? Dotar o setor de uma Voz única 1 Uma Voz única para reforço da presença na Agenda Política e Económica Nacional Apostar no mercado Europeu Inovar para combater a sazonalidade Otimizar a gestão e consolidar Desenvolver um Business Intelligence para o Turismo Dar prioridade à promoção dos destinos com competitividade internacional Atrair os turistas que ainda não vêm Inovar no modelo de negócio O turista encena a experiência Apostar nas plataformas digitais e nas redes sociais Todos são guionistas Aumentar a rentabilidade através da exploração de ativos de terceiros e da consolidação da oferta Gerir o preço de forma estratégica Aumentar a rentabilidade através de serviços partilhados 31

32 Quaisquer que tenham sido as razões que nos colocaram neste lugar não são suficientes para nos manter nele. Anónimo

33 Obrigado Todos os direitos reservados. refere-se à Portugal, constituída por várias entidades legais, ou à rede. Cada firma membro é uma entidade legal autónoma e independente. Para mais informações consulte

Desafios do turismo em Portugal - 2014

Desafios do turismo em Portugal - 2014 www.pwc.pt Desafios do turismo em Portugal - 2014 Com a colaboração do Ricardo Sousa Valles Agenda 2 1 Turismo: presente e futuro 3 Lições do passado 4 5 Turismo: importância para a economia 2014 Desafios

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 Introdução 3ª edição do European cities hotel forecast; enquadrada pela 2ª vez; Colaboração da

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades

Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades www.pwc.pt Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades A dinâmica das cidades europeias César Gonçalves Funchal 4 abril 2014 Quaisquer que tenham sido as razões que nos colocaram neste lugar

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa

www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa Agenda Enquadramento 1. Um olhar sobre 2015 2. Outlook 2016/2017 3. Riscos e 4.

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

Portugal: Destino Competitivo?

Portugal: Destino Competitivo? Turismo O Valor Acrescentado da Distribuição Portugal: Destino Competitivo? Luís Patrão Turismo de Portugal, ip Em 2006 Podemos atingir 7.000 milhões de euros de receitas turísticas Teremos perto de 37,5

Leia mais

www.pwc.pt Room for growth European cities hotel forecast 2015 e 2016 César Gonçalves Susana Benjamim 6 maio 2015

www.pwc.pt Room for growth European cities hotel forecast 2015 e 2016 César Gonçalves Susana Benjamim 6 maio 2015 www.pwc.pt Room for growth European cities hotel forecast 2015 e 2016 César Gonçalves Susana Benjamim 6 maio 2015 Agenda Enquadramento 1. 2. Outlook 2015/2016 3. 4. 5. 6. Slide 2 Enquadramento 1º 2º 3ª

Leia mais

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Portugal um dos principais destinos turísticos mundiais Turistas do Estrangeiro 12,3 milhões 12º na Europa

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

III Conferência Anual do Turismo

III Conferência Anual do Turismo III Conferência Anual do Turismo Perspectivas do Transporte Aéreo A Carlos Paneiro Funchal, 8 de Maio de 2009 1 Principais mensagens As companhias aéreas têm vindo a sofrer duramente com o actual contexto

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal. European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017

Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal. European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017 Cristina Siza Vieira AHP Associação da Hotelaria de Portugal European Cities Hotel Forecast for 2016 and 2017 Hotel Epic Sana, 12 de abril 2016 Indicadores do Turismo AML & LISBOA Portugal vs. Área Metropolitana

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

para o desenvolvimento do turismo em portugal

para o desenvolvimento do turismo em portugal para o desenvolvimento do turismo em portugal Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P Coimbra, 9 abril 2015 1 Do plano de ação turismo 2020 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS TURISMO 2020: PROCESSO ABERTO E PARTICIPADO

Leia mais

IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.

IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei. IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Aveiro, 17 de setembro de 2015 Grandes objetivos da economia

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES. GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP

COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES. GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP COPA 2014 DESAFIOS E OPORTUNIDADES GEAE Grupo de Excelência em Administração Esportiva Conselho Regional de Administração - SP A INDÚSTRIA DO ESPORTE A Indústria do Esporte Atividades econômicas relacionadas

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013.

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013. Turismo Evolução recente e perspetivas Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de. . 1. Sumário executivo... 2 2. Evolução recente 2.1 Turismo mundial... 8 2.2 Turismo em Portugal...

Leia mais

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros O Turismo e o Sector dos Cruzeiros Agenda 1. Portugal e o Mar 2. Os Cruzeiros no PENT 3. O Turismo na Economia Portuguesa 4. O Segmento de Cruzeiros Turísticos 5. Cruzeiros Turísticos em Portugal Terminais

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW

TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW TOURISM AND HOSPITALITY TODAY AND TOMORROW Volume 5 Número 1 Setembro 2015 Volume 5 Number 1 September 2015 Volumen 5 Número 1 Septiembre 2015 www.isce-turismo.com ISSN: 2183-0800 Organização Apoios Recensão

Leia mais

ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PROJECTO SICER-MAC SISTEMA DE CONTAS ECONÓMICAS REGIONAIS DA MACARONÉSIA CONTA SATÉLITE DO TURISMO DA RA MADEIRA (CST-M)

Leia mais

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008 CULTUR, ano 05 - nº 01/Especial - Jan/2011 www.uesc.br/revistas/culturaeturismo Licença Copyleft: Atribuição-Uso não Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO,

Leia mais

Destino Turístico Porto e Norte de Portugal

Destino Turístico Porto e Norte de Portugal O Caminho Português de Santiago Novas Perspetivas `14 -`20 Destino Turístico Porto e Norte de Portugal Ponte de Lima, 30 setembro`14 Importância económica do Turismo. das indústrias mais importantes do

Leia mais

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial Espace Mittelland 1,7 M hab (1º) Nordwestschweiz 1,0 M hab (5º) Ostschweiz 1,1 M hab (4º) Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial 10.º mercado da procura externa

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

A ECONOMIA DIGITAL NUM MUNDO GLOBAL

A ECONOMIA DIGITAL NUM MUNDO GLOBAL 7ª FÓRUM LUSÓFONO DAS COMUNICAÇÕES DESAFIOS DA ECONOMIA DIGITAL 18 E 19 DE FEVEREIRO DE 2016 SÃO TOMÉ E PRINCIPE A ECONOMIA DIGITAL NUM MUNDO GLOBAL Alexandre Nilo Fonseca PRESIDENTE ACEPI 15 ANOS A PROMOVER

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável

Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável Eng. Paulo Pedro Faro, 17 de Novembro de 2008 Conteúdo 1 2 3 4 O desempenho turístico do Algarve tenderá a evoluir para uma menor dependência face

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 336/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que reveja a legislação de modo a defender os idosos de penalizações e exclusões abusivas que são alvo em função da idade Exposição

Leia mais

ESTUDO DA ADC SOBRE A CONCORRÊNCIA NO SETOR PORTUÁRIO. 26 de janeiro de 2016

ESTUDO DA ADC SOBRE A CONCORRÊNCIA NO SETOR PORTUÁRIO. 26 de janeiro de 2016 ESTUDO DA ADC SOBRE A CONCORRÊNCIA NO SETOR PORTUÁRIO 26 de janeiro de 2016 Estrutura da apresentação 1. A relevância do estudo da AdC 2. As principais conclusões 3. As recomendações da AdC 4. A consulta

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1

White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 White Paper - Impacto Econômico da Copa de 2014 no Brasil 1 A Casual Auditores Independentes, empresa de auditoria especializada em entidades desportivas estuda as informações financeiras dos clubes de

Leia mais

Promoção Turística 2007. Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007

Promoção Turística 2007. Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007 Promoção Turística 2007 Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007 plano 2007 Plano Nacional de Promoção Turística Plano Destino Portugal Planos Regionais de Promoção Turística Algarve Lisboa Madeira P&Norte Centro

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações Tiago Rocha da Silva Director de Marketing Movicel Luanda, 1 de Julho de 2014 EM DESENVOLVIMENTO 2005 2014 DESENVOLVIDOS 2005 2014 AS TELECOMUNICAÇÕES NO

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

Projeto Turismo Coordenado pelo Professor Doutor Josep-Francesc Valls

Projeto Turismo Coordenado pelo Professor Doutor Josep-Francesc Valls 2016 Projeto Turismo Coordenado pelo Professor Doutor Josep-Francesc Valls Formação para Executivos Gestão do Turismo 2016 A Formação para Executivos em Gestão do Turismo irá assentar num plano de estudos

Leia mais

01 de Novembro de 2013. Construção

01 de Novembro de 2013. Construção 01 de Novembro de 2013 Construção Revista de Imprensa 01-11-2013 1. (PT) - Diário de Notícias, 01/11/2013, Soares da Costa ganha obra nos EUA 1 2. (PT) - Exame, 01/11/2013, A força do betão 2 3. (PT) -

Leia mais

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA

THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA THE INTERNATIONAL TOURISM MARKET: A STRATEGIC VISION FOR MADEIRA Josep-Francesc Valls, PhD Visiting professor, UMa Full professor Department of Marketing Management, ESADE Business School Funchal, 15 de

Leia mais

Turismo Residencial: Um Desafio/Oportunidade para os Agentes Económicos Algarvios

Turismo Residencial: Um Desafio/Oportunidade para os Agentes Económicos Algarvios Research Sectorial Turismo Residencial: Um Desafio/Oportunidade para os Agentes Económicos Algarvios Julho 2007 Procura/Oferta Turística em Lisboa. 1. Posicionamento do destino Portugal no Turismo Mundial...

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Manuel Castelo-Branco, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Manuel Castelo-Branco, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015 Francisco de Lacerda 20 março 2015, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015 1 AGENDA 1 2 3 Contexto: E-Commerce como tendência chave no sector postal Os CTT hoje: Um Grupo preparado

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Reservas Internacionais 1988-2008

Reservas Internacionais 1988-2008 BRASIL: País de Oportunidades e Reserva Turística Mundial Tóquio, setembro/2009 BRASIL: País de Oportunidades Brasil Japão Uma Relação Equilibrada COMÉRCIO BILATERAL 2002-2008 US$ milhões 7000 6000 Exportações

Leia mais

Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento

Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento Turismo de Saúde Agenda Enquadramento Sector da Saúde Turismo de Saúde Directrizes sobre ehealth Plataforma Tice.Healthy Sistema Colaborativo de Monitorização (PremoGeoU) Mockups da Solução de I&D em Desenvolvimento

Leia mais

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Conferência Cidades Sustentáveis 2020 Lisboa, 11 de Julho de 2013 estrutura da apresentação Smart Cities no mundo um mercado em crescimento Smart Cities

Leia mais

Helena Amaral Neto, Business Development Director do ISEG: Economia digital é o mais importante fator de inovação para as empresas

Helena Amaral Neto, Business Development Director do ISEG: Economia digital é o mais importante fator de inovação para as empresas A1 Visitas diárias: 1367 Âmbito: Economia, Negócios e Gestão ID: 58802467 14-04-2015 OCS: OJE.pt Helena Amaral Neto, Business Development Director do ISEG: Economia digital é o mais importante fator de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Financiamento, Investimento e Competitividade

Financiamento, Investimento e Competitividade Financiamento, Investimento e Competitividade João Leão Departamento de Economia ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa Conferência Fundação Gulbenkian "Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos

Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos CEO Briefing Angola 2015 The Economist Perspectivas económicas e estratégicas dos executivos angolanos 2 CEO Briefing Angola 2015 Perspectivas económicas e estratégias dos executivos angolados Índice 4

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento

Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Volta ao Emprego Albufeira 23.10.14 Catarina Cruz mcruz@ccdr-alg.pt A Politica de Coesão 2014-2020 e

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - ESTRATÉGIA EUROPA 2020

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

A Eco-inovação na Estratégia do Cluster Habitat Sustentável em Portugal

A Eco-inovação na Estratégia do Cluster Habitat Sustentável em Portugal Workshop Eco-inovação e compras públicas em mercados da fileira Habitat Teatro Thalia, Palácio das Laranjeiras, Lisboa, 05/12/2013 A Eco-inovação na Estratégia do Cluster Habitat Sustentável em Portugal

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública,

Leia mais

Plano de Intervenção para o Turismo Equestre no Alentejo e Ribatejo. 10 de Julho de 2015

Plano de Intervenção para o Turismo Equestre no Alentejo e Ribatejo. 10 de Julho de 2015 Plano de Intervenção para o Turismo Equestre no Alentejo e Ribatejo 10 de Julho de 2015 Agenda 1. Abordagem metodológica 2. Diagnóstico de mercado 3. Estratégia de consolidação A. Planeamento e organização

Leia mais

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional.

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional. ENQUADRAMENTO Portugal plataforma intercontinental e polo de inovação Portugal tem de conseguir capitalizar nos negócios, na academia e nas instituições a enorme vantagem que é integrar o espaço lusófono.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Comendador Mário Pereira Gonçalves Minhas Senhoras e meus senhores, O Turismo é um setor estratégico para a economia nacional. Representa cerca de 9,5% do

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Modelo Regional de Apoios ao Desporto

Modelo Regional de Apoios ao Desporto 1 Introdução Esta proposta é um draft para o trabalho que se segue. Daí o seu conteúdo não ser nem pretender ser exaustivo nem definitivo. Poderão ser produzidas várias versões, à medida que se introduzem

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios II Conferência Hotelaria e Turismo 18 Junho 2009 1 Importância do Turismo na Economia Portuguesa VAB Turismo / VAB Economia 10% 9% 8% 7% 6% 5% 2002

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

De olho no futuro. 10Minutos Energia

De olho no futuro. 10Minutos Energia 10Minutos Energia Como ganhar impulso no processo de transformação energética De olho no futuro Julho de 2015 Destaques Megatendências e disrupções estão tendo impactos profundos nas estratégias e no papel

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 1 Programas do Portugal Eficiência 2015 Transportes Residencial e Serviços

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro 2015

Apresentação Institucional. Novembro 2015 Apresentação Institucional Novembro 2015 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 3ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Inovação e Sustentabilidade no Turismo

Inovação e Sustentabilidade no Turismo Inovação e Sustentabilidade no Turismo Coimbra 05.Abril.2013 Miguel Mendes Turismo de Portugal, I.P. TURISMO DE PORTUGAL AUTORIDADE TURÍSTICA NACIONAL RESPONSÁVEL PELA PROMOÇÃO VALORIZAÇÃO SUSTENTABILIDADE...

Leia mais