PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02"

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 11h30 Sala 01 Casos clínicos desafiadores Apresentações de casos clínicos de 10 minutos e 20 minutos de discussão com a platéia. 08h00 às 08h30: Prescrição de óculos em estrabismo 08h30 às 08h40: Discussão de casos 08h40 às 09h10: Prescrição de óculos em presbiopia 09h10 às 09h20: Discussão de casos 09h20 às 09h50: Prescrição de óculos, geral 09h50 às 10h00: Discussão de casos 10h00 às 10h30: 10h30 às 11h00: Material óptico para lentes corretivas 11h00 às 11h30: Discussão de casos GLAUCOMA Sexta, dia 05 de novembro Das 14h00 às 18h15 Sala 01 O que há de novo em Glaucoma? Apresentações de 15 minutos, com dois intervalos para perguntas e respostas dos participantes. Temas abrangem atualidades no diagnóstico e tratamento do glaucoma, de maneira interativa, estimulando a participação dos participantes com perguntas e respostas. 14h00 às 14h15: O que há de novo em fatores de risco 14h15 às 14h30: O que há de novo em documentação do disco óptico 14h30 às 14h45: O que há de novo em avaliação da camada de fibras nervosas 14h45 às 15h00: O que há de novo em tonometria 15h00 às 15h15: O que há de novo em perimetria 15h15 às 15h30: Perguntas e respostas 15h30 às 15h45: O que há de novo em tratamento clínico 15h45 às 16h00: O que há de novo em tratamento com laser 16h00 às 16h30: 16h30 às 16h45: O que há de novo em tratamento cirúrgico 16h45 às 17h00: O novo é necessariamente melhor? 17h00 às 17h15: A genética é útil para o clínico? 17h15 às 17h30: Marcadores inflamatórios e sucesso cirúrgico 17h30 às 17h45: Como avaliar o disco óptico suspeito? 17h45 às 18h00: Qualidade de vida, exercício, nutrição e glaucoma 18h00 às 18h15: Perguntas e respostas BAIXA VISÃO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02 Papel do oftalmologista na reabilitação visual. Apresentações de 15 minutos com 5 minutos para discussões sobre atualidades e casos clínicos em reabilitação do paciente com baixa visão, principalmente por: retinopatia da prematuridade, albinismo, catarata congênita, atrofia óptica, opacificação corneana, degenerações maculares, glaucoma e retinopatia diabética.

2 08h00 às 08h15: Velocidade de leitura e aprendizado 08h15 às 08h20: Discussão 08h20 às 08h35: Condutas práticas para o escolar com baixa visão 08h35 às 08h40: Discussão 08h40 às 08h55: Indicação de auxílios ópticos em DMRI e Retinopatia diabética 08h55 às 09h00: Discussão 09h00 às 09h15: Auxílios em crianças com glaucoma congênito 09h15 às 09h20: Discussão 09h20 às 09h35: Retinocoroidite por toxoplasmose Aspectos funcionais 09h35 às 09h40: Discussão 09h40 às 09h55: Inserção do deficiente visual no mercado de trabalho 09h55 às 10h00: Discussão 10h00 às 10h30: 10h30 às 10h45: Apresentação de caso 1 10h45 às 10h50: Discussão 10h50 às 11h05: Apresentação de caso 2 11h05 às 11h10: Discussão 11h10 às 11h25: Apresentação de caso 3 11h25 às 11h30: Discussão 11h30 às 11h45: Apresentação de caso 4 11h45 às 12h00: Perguntas e respostas ESTRABISMO Sexta, dia 05 de novembro Das 14h00 às 18h00 Sala 02 Principais problemas da oculomotricidade Apresentações de 30 minutos com 10 minutos de discussão de casos. Além de apresentações de casos clínicos sobre estrabismo e oculomotricidade. 14h00 às 14h30: Esotropias da primeira infância 14h30 às 14h40: Discussão de caso 14h40 às 15h10: Esotropias acomodativas 15h10 às 15h20: Discussão de caso 15h20 às 15h50: Exotropias intermitentes 15h50 às 16h00: Discussão de caso 16h00 às 16h30: 16h30 às 16h50: Orbitopatia de Graves Reabilitação oculomotora 16h50 às 17h10: Discussão 17h10 às 17h40: Desvios cicloverticais 17h40 às 18h00: Discussão LENTES DE CONTATO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 03 Apresentações de 15 minutos sobre atualidades em adaptação de lentes de contato. 08h00 às 08h15: Preparando o consultório para a adaptação de LC 08h15 às 08h30: LC RGP: como selecionar curvas e diâmetros 08h30 às 08h45: LC gelatinosas: como adaptar 08h45 às 09h00: LC para ceratocone 09h00 às 09h15: Readaptando LC pós cirurgia refrativa 09h15 às 09h30: Apresentação e discussão de casos clínicos

3 09h30 às 10h00: 10h00 às 10h30: 10h30 às 10h45: 10h45 às 11h00: 11h00 às 11h15: 11h15 às 11h30: 11h30 às 11h45: 11h45 às 12h00: Perguntas e respostas Novos materiais e desenhos de LC Minha experiência com LC na presbiopia Equivalente esférico x qualidade de visão: quando mudar para LC tóricas Aspectos éticos legais na adaptação LC Mercado de LC no Brasil Ações para aumentar a adaptação de LC 12h15 às 13h45 SIMPÓSIO ESPECIAL J&J VISION CARE RETINA Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 18h30 Sala 04 Módulo 1 Retina geral: temas gerais quanto ao uso de ferramentas de diagnóstico e novas fronteiras na terapia de doenças retinianas. 08h00 às 08h20: E learning em Retina e Vítreo 08h20 às 08h40: Indicações atuais da indocianina verde 08h40 às 09h00: Contribuições da autofluorescência e da OCT na condução das doenças vítreorretinianas? 09h00 às 09h20: Genética na DMRI 09h20 às 09h40: Terapia celular em doenças da retina 09h40 às 10h00: ERG no diagnóstico de distrofias da retina 10h00 às 10h30: Módulo 2 Diabetes: atualidades no tratamento da retinopatia diabética. 10h30 às 10h50: Estratégia para tratamento do edema macular diabético em pacientes com catarata 10h50 às 11h10: Laser micropulso para edema macular diabético: qual a melhor estratégia? 11h10 às 11h30: Anti VEGF para edema macular diabético 11h30 às 11h45: IRAHI: Intravitreal Ranibizumabe for High Risk PDR 11h45 às 12h00: RANITRA: Ranibizumabe for Diabetic Tractional Retinal Detachment 12h00 às 14h00: Módulo 3 Retina geral + ROP: estudos clínicos e experimentais com novas ferramentas diagnósticas, tratamento e atualidades em retinopatia da prematuridade. 14h00 às 14h20: Implantes Intravítreos de Ciclosporina 14h20 às 14h40: Achados típicos de Autofluorescência e OCT nas distrofias de Retina 14h40 às 15h00: Diretrizes de tratamento da ROP 15h00 às 15h20: ROP posterior 15h20 às 15h40: Anti VEGF nas oclusões venosas 15h40 às 16h00: Tratamento da DMRI com anti VEGF 16h00 às 16h30: Módulo 4 Retina Cirúrgico: atualidades sobre cirurgias vítreo retinianas. 16h30 às 16h50: Há diferença entre a crio e o laser na introflexão escleral? 16h50 às 17h10: Emprego prático de cromovitrectomia 17h10 às 17h30: Macetes em vitrectomia 23 e 25 gauges

4 17h30 às 17h50: 17h50 às 18h10: 18h10 às 18h30: Sistemas de visualização: contato X não contato Buraco macular: quando e como fazer o peeling da MLI? Endoftalmite quando operar? CONSORT Sábado, dia 06 de novembro Das 08h00 às 10h00 Sala 01 Para entender os resultados de um ensaio clínico randomizado, o médico oftalmologista precisa conhecer seu desenho, modo de condução, análise e interpretação. Tais objetivos só são alcançados se houver transparência dos autores sobre o trabalho. Para melhorar a qualidade destes relatos, investigadores e editores criaram, na década de 90, as recomendações conhecidas como "CONSORT" (Consolidated Standards of Reporting Trials), que se traduzem pelo emprego de uma lista de checagem (check list) e de um fluxograma. 08h00 às 08h12: Histórico do CONSORT. Importância da declaração de patrocínio e do registro de ensaios clínicos 08h12 às 08h24: Noções gerais sobre ensaios clínicos 08h24 às 08h36: Título, resumo e introdução 08h36 às 08h48: Métodos: participantes, intervenções e objetivos 08h48 às 09h00: Outcomes e tamanho da amostra 09h00 às 09h15: Métodos de análise: aleatorização, mascaramento e análise estatística 09h15 às 09h30: Resultado: o fluxo de participantes, recrutamento e dados de base 09h30 às 09h45: Resultados: os números, resultados, análises e eventos adversos 09h45 às 10h00: Discussão: interpretação, generalização, limitações e conclusões PLÁSTICA OCULAR Sábado, dia 06 de novembro Das 10h30 às 18h30 Sala 01 Módulo 1 Pálpebra 10h30 às 10h40: 10h40 às 10h50: 10h50 às 11h00: 11h00 às 11h10: 11h10 às 11h20: 11h20 às 11h30: 11h30 às 12h00: 12h00 às 14h00: Semiologia palpebral. Critérios diagnósticos de anomalias do posicionamento palpebral Principais lesões neoplásicas palpebrais Cantoplastias laterais Correção do ectrópio involucional Toxina Botulínica em plástica ocular Correção da triquíase por ressecção da lamela anterior da técnica Discussão Módulo 2 Vias Lacrimais 14h00 às 14h15: Dacriocistografia na propedêutica lacrimal 14h15 às 14h30: Dacriocistorrinostomia externa bilateral 14h30 às 14h45: Obstruções funcionais: diagnóstico e tratamento 14h45 às 15h00: Dacriocistorrinostomia endonasal 15h00 às 15h15: Incisão nasojugal na dacriocistorrinostomia externa 15h15 às 15h30: Incisão de Toti é um boa opção? 15h30 às 16h00: Discussão 16h00 às 16h30: Módulo 3 Órbita 16h30 às 17h00: Patologia óssea da órbita

5 17h00 às 17h15: 17h15 às 17h30: 17h30 às 17h45: 17h45 às 18h00: 18h00 às 18h15: 18h15 às 18h30: Conduta na reparação da cavidade anoftálmica Pseudotumor inflamatório de órbita O espectro clínico da orbitopatia de Graves Tomografia computadorizada de órbita Principais tumores orbitários do adulto Conduta nas celulites de órbita CATARATA Sábado, dia 06 de novembro Das 08h00 às 18h30 Sala 02 Módulo 1 Cálculo de LIO 08h00 às 08h20: Biometria: princípios e planejamento da refração 08h20 às 08h40: Fórmulas: SRKT/ Hoffer/ Holladay 08h40 às 09h00: Casos especiais: pós RK/TX/Alto míope 09h00 às 09h20: Causas de erro nos cálculos 09h20 às 09h40: Caso 1 09h40 às 10h00: Caso 2 10h00 às 10h30: Modulo 2 Lentes intra oculares 10h30 às 10h45: Lentes de PMMA Indicação 10h45 às 11h00: Implante em pseudofácicos 11h00 às 11h15: Implante de lentes tóricas 11h15 às 11h30: LIOs Bifocais 11h30 às 11h45: Apresentação de caso 11h45 às 12h00: Discussão 12h00 às 14h00: Módulo 3 Técnica Cirúrgica 14h00 às 14h15: FACO após vitrectomia 14h15 às 14h30: FACO torsional 14h30 às 14h45: Técnicas de pré slice 14h45 às 15h00: Laser Femtosecond 15h00 às 15h15: Planejando a incisão 15h15 às 15h30: Caso 1 15h30 às 15h4: : Caso 2 15h45 às 16h00: Caso 3 16h00 às 16h30: Módulo 4 Situações especiais 16h30 às 16h50: Diabetes e catarata 16h50 às 17h10: Descolamento de Retina e Facectomia 17h10 às 17h30: Catarata e Degeneração de Fuchs 17h30 às 17h50: Endoftalmite prevenção e tratamento 17h50 às 18h10: Cristalino luxado 18h10 às 18h30: Discussão CÓRNEA E SUPERFÍCIE OCULAR Sexta, dia 05 de novembro Das 14h00 às 18h00 Sala 03

6 Módulo 1 Transplante de Córnea e Banco de Olhos: o curso abordará temas atuais dos principais assuntos do dia a dia em transplante de córnea, com ênfase em novas tecnologias para o tratamento e a problemática dos bancos de olhos para adaptação a estas tecnologias. 14h00 às 14h20: Adaptando o Banco de Olhos às novas técnicas de transplante 14h20 às 14h40: Transplante penetrante x lamelar 14h40 às 15h00: Transplante endotelial por que migrar? 15h00 às 15h20: Transplante lamelar profundo 15h20 às 15h40: Rejeição o que realmente resolve? 15h40 às 16h00: Filas por que filas grandes x sem filas? 16h00 às 16h30: Módulo 2 Clube de Córnea: apresentação e discussão de casos clínicos de doenças externas. 16h30 às 16h45: Caso 1 16h45 às 17h00: Caso 2 17h00 às 17h15: Caso 3 17h15 às 17h30: Caso 4 17h30 às 17h45: Caso 5 17h45 às 18h00: Caso 6 Sábado, dia 06 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 03 Módulo 3 Ceratocone: a curso abordará as dificuldades com pacientes portadores de ceratocone do diagnóstico aos tratamentos convencionais e alternativos. 08h00 às 08h20: Diagnóstico e evolução 08h20 às 08h40: Possibilidades terapêuticas 08h40 às 09h00: Lentes de contato 09h00 às 09h20: Cross linking Protocolo e resultados 09h20 às 09h40: Anel intra estromal indicação, técnica e nomograma 09h40 às 10h00: Transplante penetrante e lamelar de córnea 10h00 às 10h30: Módulo 4 Doenças Oculares Externas terapêutica: o curso abordará temas atuais das principais afecções do dia a dia em doenças externas e córnea, com ênfase nas novidades em tratamento. A aplicação prática poderá ser vista já nos casos clínicos que serão discutidos. 10h30 às 10h45: Ceratites tóxicas por medicações de uso tópico 10h45 às 11h00: Queimaduras químicas 11h00 às 11h15: Conjuntivite alérgica 11h15 às 11h30: Ceratites bacterianas 11h30 às 11h40: Conjuntivites virais 11h40 às 11h50: Ceratites virais 11h50 às 12h00: Apresentação e discussão de casos clínicos CIRURGIA REFRATIVA Sábado, dia 06 de novembro Das 14h00 às 18h30 Sala 03 Módulo 1 14h00 às 14h15: 14h15 às 14h30: 14h30 às 14h45: Tomografia corneana e cirurgia refrativa Abordagem das ectasias corneanas após cirurgia refrativa Análise da biomecânica corneana

7 14h45 às 15h00: 15h00 às 15h15: 15h15 às 15h30: 15h30 às 15h45: 15h45 às 16h00: 16h00 às 16h30: Módulo 2 16h30 às 16h50: 16h50 às 17h10: 17h10 às 17h30: 17h30 às 17h50: 17h50 às 18h10: 18h10 às 18h30: PresbyLasik Laser de fentosegundo e cirurgia refrativa Cirurgia personalizada com finalidade terapêutica Apresentação e discussão de caso Apresentação e discussão de caso PRK personalizado após ceratotomia radial Cirurgia refrativa guiada por topografia Melhorando o conforto pós operatório no PRK Ablação asférica Como personalizar a cirurgia refrativa Excimer Laser em ceratopatias superficiais NEURO OFTALMOLOGIA/ELETROFISIOLOGIA Sábado, dia 06 de novembro Das 08h00 às 10h00 Sala 04 08h00 às 08h15: 08h15 às 08h30: 08h30 às 08h45: 08h45 às 09h00: 09h00 às 09h15: 09h15 às 09h30: 09h30 às 10h00: 10h00 às 10h30: Neuropatias ópticas isquêmicas Neuropatias ópticas hereditárias Aplicações da Eletrofisiologia em Neuro OFT Aspectos genéticos das retinopatias hereditárias Maculopatias hereditárias mferg em membrana neovascular por DMRI ERG no Glaucoma PAINEL DE GESTÃO Sábado, dia 06 de novembro Das 10h30 às 12h00 Sala 04 Erros e acertos dos jovens oftalmologistas no exercício da medicina privada. Qual o melhor caminho? Exposição de 7 a 10 minutos, com depoimentos enfatizando erros e acertos. UVEíTE Sábado, dia 06 de novembro Das 14h00 às 18h30 Sala 04 Módulo 1 14h00 às 14h20: 14h20 às 14h40: 14h40 às 15h00: 15h00 às 15h20: 15h20 às 15h40: 15h40 às 16h00: 16h00 às 16h30: Abordagem do paciente com uveíte Exames complementares em uveítes Retinocoroidite por Toxoplasmotose Síndrome de Vogt Koyanagi Harada Artrite Reumatóide Juvenil Vitrectomia nas uveítes Módulo 2 16h30 às 16h50: Caso 1 16h50 às 17h10: Caso 2 17h10 às 17h30: Caso 3

8 17h30 às 17h50: Caso 4 17h50 às 18h10: Caso 5 18h10 às 18h30: Discussão CURSOS PARA AUXILIARES Sexta, dia 05 de novembro Das 08h15 às 18h00 Sala 05 Módulo 1 Fundamentos da Oftalmologia 08h15 às 08h30: Anatomia e fisiologia do sistema óptico 08h30 às 08h45: Óptica básica e erros de refração 08h45 às 09h00: O que a auxiliar deve saber sobre a prescrição óptica? 09h00 às 09h15: Operando equipamentos de pupilometria, auto refração e pneumotonometria 09h15 às 09h30: A anamnese: o que não pode faltar 09h30 às 09h45: Retinoscopia 09h45 às 10h00: Transposição de lentes 10h00 às 10h30: Modulo 2 Glaucoma 10h30 às 10h45: 10h45 às 11h00: 11h00 às 11h15: 11h15 às 11h30: 11h30 às 11h45: 11h45 às 12h00: 12h00 às 14h00: Módulo 3 Catarata 14h00 às 14h15: 14h15 às 14h30: 14h30 às 14h45: 14h45 às 15h00: 15h00 às 15h15: 15h15 às 15h30: 15h30 às 15h45: 15h45 às 16h00: 16h00 às 16h30: Epidemiologia do glaucoma Como diagnosticamos o glaucoma Exames complementares no glaucoma Como agem os colírios antiglaucomatosos? Efeitos colaterais mais freqüentes do tratamento Cirurgias no glaucoma Epidemiologia da catarata Diagnóstico e classificação da catarata Tipos de lentes intra oculares Biometrias contato x imersão x interferometria a laser Reconhecendo os instrumentais na cirurgia de Facoemulsificação Como orientar o pré e pós operatórios Como é feita a cirurgia de facoemulsificação Novidades na cirurgia de catarata Módulo 4 Lentes de Contato 16h30 às 16h45: Tipos de lentes de contato 16h45 às 17h00: Entendendo o manuseio das lentes 17h00 às 17h15: Anamnese para usuários de lentes de contato 17h15 às 17h30: Como escolher entre as diferentes soluções de limpeza e conservação 17h30 às 17h45: Novas lentes de contato 17h45 às 18h00: Complicações com o uso indevido de lentes de contato Sábado, dia 06 de novembro Das 08h00 às 18h00 sala 05 Módulo 1 Retina 08h00 às 08h20: 08h20 às 08h40: Diagnosticando e tratando a retinopatia diabética Degeneração macular relacionada à idade

9 08h40 às 09h00: 09h00 às 09h15: 09h15 às 09h30: 09h30 às 09h45: 09h45 às 10h00: 10h00 às 10h30: Descolamento de retina Buraco macular e membrana epirretiniana Tomografia de Coerência Óptica: novidades Angiofluoresceinografia e indocianina verde Vitrectomia posterior Modulo 2 Plástica Ocular 10h30 às 10h45: Ptose: diagnóstico e tratamento 10h45 às 11h00: Dermatocálase e blefaroplastia 11h00 às 11h15: Tumores palpebrais 11h15 às 11h30: Toxina botulínica 11h30 às 11h45: Dacriocistites 11h45 às 12h00: Entrópio e ectrópio 12h00 às 14h00: Módulo 3 Cirurgia Refrativa e Doenças Externas 14h00 às 14h15: Lasik e PRK 14h15 às 14h30: Laser de Fentomsecond 14h30 às 14h45: Complicações em cirurgia refrativa 14h45 às 15h00: Como evitar problemas judiciais 15h00 às 15h15: Conjuntivites bacteriana, viral e alérgica 15h15 às 15h30: Olho seco 15h30 às 15h45: Ceratocone: diagnóstico e tratamento 15h45 às 16h00: Blefarites: diagnóstico e tratamento 16h00 às 16h30: Módulo 4 Estrabismo e Visão Sub normal 16h30 às 16h45: Ambliopias 16h45 às 17h00: Diagnóstico e classificação do estrabismo 17h00 às 17h15: Tratamento cirúrgico do estrabismo 17h15 às 17h30: Prismas 17h30 às 17h45: A consulta do paciente com visão sub normal 17h45 às 18h00: Auxílios ópticos de visão sub normal *Programação científica sujeita à alteração.

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA 1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA REALIZAÇÃO: DEPTOS. DE OFTALMOLOGIA DAS FACULDADES: UNICAMP DE CAMPINAS, USP DE RIBEIRÃO PRETO E UNESP DE BOTUCATU. ORGANIZAÇÃO: CREATIVE SOLUTION AGÊNCIA DE PUBLICIDADE

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR 07/07/2016 09:00-10:30 h Mesa Redonda CATARATA O papel das novas tecnologias na cirurgia de catarata (I) SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 09:00-09:10 Recursos diagnósticos (UBM,

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão.

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. PRK O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. Técnica Cirurgia realizada na superfície da córnea, sem a necessidade de corte. Indicação Correção

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa.

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa. Diretriz de Cirurgia Refrativa Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr Renato Ambrosio

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 RQE 6098 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 25, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 25, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 25 - Ano Opcional em Oftalmologia Nome do Candidato Caderno de Prova

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: 00.181.085/0001-51 CNES: 3122786 OBJETO O presente Plano

Leia mais

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289

DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 DR. FERNANDO JOSÉ DE NOVELLI CRM 12289 FORMAÇÃO Graduado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP) (1990-1995). Residência médica no Hospital das Clínicas de São Paulo pela Universidade de São Paulo

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 05/09

PARECER CREMEB Nº 05/09 Expediente Consulta n o 147.353/08 PARECER CREMEB Nº 05/09 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 05/03/2009) Assunto: Indicação de cirurgia refrativa para trabalhador que necessite de utilizar equipamento

Leia mais

PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007

PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007 1 PARECER CREMEC nº 27/2007 01/12/2007 PROCESSO CONSULTA Protocolo CREMEC nº 003962/06 ASSUNTO Solicitações de exames pós-operatórios em cirurgia refrativa. INTERESSADO Dr. José Luciano Leitão de Alencar,

Leia mais

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea NÚMERO: 18 TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea AUTORES: Nayara Nakamura Hirota¹, Eduardo Buzolin Barbosa¹, Renata Tiemi Kashiwabuchi² 1 Residente do terceiro

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra:

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 24/13 PARECER CFM nº 17/13 INTERESSADO: Dr. F.J.M.C ASSUNTO: Cirurgia bilateral no mesmo ato cirúrgico RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Não há elementos definitivos

Leia mais

INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA

INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA A G O S T O A D E Z E M B R O D E 2 01 5 O CURSO Ensino especializado, reunindo algumas das maiores

Leia mais

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487

DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 DRA. PAOLA GRECHI CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00 Consultas (1.01.01.00-4) 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) R$ 150,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) EDN R$ 300,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) Anestesista R$ 110,00

Leia mais

Departamento de Oftalmologia da A

Departamento de Oftalmologia da A Departamento de Oftalmologia da A CBHPM: 3.03.12.12-4 Página 51 Porte 10C, 1 aux, Porte anestésico 5 50 mil crianças cegas no mundo Se não ttar doença limiar: 50% evolui anatomica e funcionalmente mal

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda. Dr. Renato Ambrósio Jr

Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda. Dr. Renato Ambrósio Jr - 1 - Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda Dr. Renato Ambrósio Jr O Dr. Renato Ambrósio Jr é pós graduando em nível de Doutorado na Universidade

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O mais completo e versátil sistema para remodelamento corneano existente no mercado mundial. Keraring, segmento de anel corneano intraestromal,

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são:

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são: Transplante de Córnea: O que é e serve. para que O Transplante de Córnea é o transplante de órgãos mais realizado no mundo e também o de maior sucesso. Vamos aqui explicar o que é e como funciona essa

Leia mais

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z DIA 16/3/2017 - QUINTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z 1º Bloco: LIOs Tóricas 08:00-08:10 Dispositivo para aferição do alinhamento intraoperatório

Leia mais

1Oftalmologista, mestranda do Programa de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás

1Oftalmologista, mestranda do Programa de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Goiás Análise das causas de atendimento e prevalência das doenças oculares no serviço de urgência do Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal de Goiás Maria Nice Araujo Moraes Rocha1, Marcos

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo

Deficiência visual como causa de aposentadoria na região de Botucatu - São Paulo Deficiência de aposentadoria Paulo Erika Hoyama 1 Silvana Artioli Schellini 2 Maria Rosa Bet de Moraes-Silva 3 Carlos Roberto Padovani 4 Recebido em 26/10/00 Aprovado em 24/4/01 1- Pós-Graduanda da UNESP

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS.

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PGT/CCR/Nº 4570/2008 INTERESSADOS: EXPRESSO RODOVIÁRIO SÃO MIGUEL LTDA ASSUNTO: CONTRATAÇÃO DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA: MÍNIMO LEGAL EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA NOTA TÉCNICA 207/2013 Solicitante Juíza MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA Processo número: 166.13.001954-9 (0019549-92.2013.8.13.0166) Data: 29/10/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

DESENHO PRISMÁTICO KERARING SEGMENTOS DE ARCOS E ESPESSURAS VARIÁVEIS EXCLUSIVO

DESENHO PRISMÁTICO KERARING SEGMENTOS DE ARCOS E ESPESSURAS VARIÁVEIS EXCLUSIVO KERARING, segmento de anel corneano intraestromal, é um dispositivo de precisão implantado para correção de irregularidades da superfície corneana e redução de erros refracionais associados ao Ceratocone

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

TEMA: Neovite Luteim para tratamento de descolamento de retina congênito

TEMA: Neovite Luteim para tratamento de descolamento de retina congênito NT 142/2014 Solicitante: Dra. Patrícia Bitencourt Moreira Juizado Especial da Comarca de Manhuaçu Data: 20/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0052611-84.2014.8.13.0394

Leia mais

SIMPÓSIO DE PLÁSTICA OCULAR, ÓRBITA E VIAS LACRIMAIS. 30 de outubro (sexta-feira) 16h30 às 18h Sala Pégasus

SIMPÓSIO DE PLÁSTICA OCULAR, ÓRBITA E VIAS LACRIMAIS. 30 de outubro (sexta-feira) 16h30 às 18h Sala Pégasus SIMPÓSIO DE PLÁSTICA OCULAR, ÓRBITA E VIAS LACRIMAIS Eduardo Soares (MG) Rodrigo Almeida (MG) 16h30 às 18h Sala Pégasus Marilisa Nano Costa (SP) Mitos e Verdades em Vias Lacrimais Eduardo Garcia (SP) Dacrioplastia

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 RQE 8487 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio

Leia mais

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos.

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. ] ] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. Responsável Técnico Dr. Helio Fugishima CREMESP 71.955 Centro Cirúrgico

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 75

PROVA ESPECÍFICA Cargo 75 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 75 QUESTÃO 26 O teto da órbita consiste de: a) um osso. b) dois ossos. c) três ossos. d) quatro ossos. QUESTÃO 27 a) Cisto dermóide é um teratoma cístico maligno. b) Dacriopo

Leia mais

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594

DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 DR. PAOLA GRECHI ROMERO CASTRO CRM 16594 FORMAÇÃO Graduação em Medicina - Universidade Estadual de Campinas UNICAMP (1998 2003). Prêmio de Melhor Aluna de Oftalmologia e Prêmio de Melhor Aluna de Pediatria.

Leia mais

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc Vetweb Oftalmologia Veterinária www.vetweb.com.br Magnificação Desde 1960 teve uma enorme influência nos avanços do ato cirúrgico e instrumentação.

Leia mais

XXXV Congresso Brasileiro de Oftalmologia

XXXV Congresso Brasileiro de Oftalmologia XXXV Congresso Brasileiro de Oftalmologia Belo Horizonte, 24 a 27 de agosto 25 Um Congresso pra argentino nenhum botar defeito! É desta forma bem humorada que João Agostini Netto, um dos presidentes XXXV

Leia mais

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a Resistência stê dascoo coorporações Os sindicatos e associações de trabalhadores temem que a descentralização, produção atomização em suas organizações, promova a perda de direitos adquiridos, debilite

Leia mais

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética

RT 05 /2015. Antiangiogênicos na retinopatia diabética 27/03/2015 RT 05 /2015 Antiangiogênicos na retinopatia diabética SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9018733.24.2015.813.0024

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

DR. EMIR AMIN GHANEM CRM: 1076

DR. EMIR AMIN GHANEM CRM: 1076 DR. EMIR AMIN GHANEM CRM: 1076 FORMAÇÃO Fez o curso primário no Grupo escolar Rui Barbosa, em Joinville, de 1952 a 1955. Fez seu curso colegial, 1º ciclo no Colégio e Internato Paranaense, em Curitiba,

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo 1. Especialidade: Oftalmologia 1.1. Pré-requisito - Seleção: Diploma de Médico, Registro no CRM e aprovação

Leia mais

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide DIA 17/3/2017 - SEXTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:30-10:00 RETINA - Encontro SBRV-SNNO 08:30-08:35 Abertura 08:35-08:55 A definir 08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF

Leia mais

DRª. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160. Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba / MG.

DRª. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160. Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba / MG. DRª. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160 FORMAÇÃO Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba / MG. Especialização em Oftalmologia e Fellow em Plástica Ocular e

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone.

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE QUE É CERATOCONE? O ceratocone, ou córnea cônica é uma desordem não inflamatória, na qual

Leia mais

VISÃO: MITOS E VERDADES

VISÃO: MITOS E VERDADES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira VISÃO: MITOS E VERDADES Quem usa óculos enxerga pior à noite? Os míopes enxergam menos à noite, mesmo

Leia mais

Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro,

Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro, Dr. Veralucia Rosa Ferreira Oliveira CRM 4160 Graduação pela Universidade Federal de Medicina do Triângulo Mineiro, - Especialização em Oftalmologia e Fellow em Plástica Ocular e Vias Lacrimais pela Universidade

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Comissão de Ensino. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo - Refratometria

Comissão de Ensino. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo - Refratometria Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia Currículo Mínimo - Refratometria * O presente currículo mínimo foi embasado no Manual do CBO de Óptica, Refração e Visão Subnormal e no currículo

Leia mais

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ANDRADE 1, Ana de Fátima de Souza BEZERRA 2, Karla Priscila Garrido BOPP 3, Simone DANTAS 1, Emmanuel Freire TALIERI 4, Ivia Carmem Departamento

Leia mais

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006

Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS. Retinopatia da Prematuridade 2006 Profa. Dra. Silvia P. S. Kitadai Área Técnica da Saúde Ocular CODEPPS - SMS Retinopatia da Prematuridade 2006 BULBO OCULAR Retinopatia da Prematuridade Doença vaso proliferativa multifatorial Uma das

Leia mais

01/2015. Lente intra-ocular de Câmara Posterior Faco Acrílica dobrável em cirurgia de catarata.

01/2015. Lente intra-ocular de Câmara Posterior Faco Acrílica dobrável em cirurgia de catarata. 13/01/2015 01/2015 Lente intra-ocular de Câmara Posterior Faco Acrílica dobrável em cirurgia de catarata. SOLICITANTE: Anneliese Bottrel Escrevente da Juíza Dra. Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE (LUCENTIS ) NA RETINOPATIA DIABÉTICA. Sumário 1. Resumo executivo... 2. 1.1 Recomendação... 2 Nota Técnica 94/2013 Data: 15/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Dr. José Hélio da Silva 4ª Vara Cível da Comarca de PousoAlegre - MG Processo número:0103076-29.2013 TEMA:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2009/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

A baixa visão: apresentação e conceito

A baixa visão: apresentação e conceito A baixa visão: apresentação e conceito Manuel Oliveira e Carla Costa Lança Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa É um problema de saúde mundial que afeta 285 milhões de pessoas, 39 milhões apresentam

Leia mais

XXXVI Congresso Brasileiro de

XXXVI Congresso Brasileiro de 24 XXXVI Congresso Brasileiro de Um grande diferencial será a realização de Sessões Nobres, que abordarão temas da vanguarda da Ciência Médica e da Oftalmologia. Walace Chamon Assessor especial da Comissão

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O MAIS COMPLETO E VERSÁTIL SISTEMA PARA REMODELAMENTO CORNEANO EXISTENTE NO MERCADO MUNDIAL. Keraring, segmento de anel corneano intra-estromal,

Leia mais

CONSULTAS E EXAMES PARTICULARES

CONSULTAS E EXAMES PARTICULARES Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Instituto Português de Microcirurgia Ocular, Lda Local: Lisboa Serviços/Produtos: Consultas, exames e cirurgias oculares Benefícios e Vantagens: Desconto

Leia mais

DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688

DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688 DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688 FORMAÇÃO Fellow Córnea, Lentes de Contato, Doenças Externas e Cirurgia RefrativanoWillsEyeHospial, Filadélfia, EEUU (2003-2004). Estágio Cirurgia Refrativa

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata MANUELA BERNARDO ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata A perda de visão pode ser severa e irreversível Este trabalho foi elaborado seguindo as recomendações da ESCRS 2013 INCIDÊNCIA

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160

DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160 DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160 FORMAÇÃO Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro Curso de Medicina Uberaba / MG. Especialização em Oftalmologia e Fellow em Plástica

Leia mais

DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160

DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160 DRA. VERALUCIA ROSA FERREIRA OLIVEIRA CRM 4160 FORMAÇÃO Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro Curso de Medicina Uberaba / MG. Especialização em Oftalmologia e Fellow em Plástica

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688 RQE 11219

DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688 RQE 11219 DR. FERNANDO TRENCH DE OLIVEIRA KOMATSU CRM 19688 RQE 11219 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Fellow Córnea, Lentes de Contato, Doenças Externas e Cirurgia RefrativanoWillsEyeHospial, Filadélfia, EEUU (2003-2004).

Leia mais

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida Tornando a visão uma prioridade de saúde Enxergue bem durante toda a sua vida A visão de todos nós pode mudar com a idade Algumas alterações na visão podem dificultar a realização de tarefas diárias. Estas

Leia mais