OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: / CNES: OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor do SUS no Município do Rio do Janeiro e a Unidade Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes Ltda. tem por objeto a prestação de atendimento oftalmológico, segundo o modelo assistencial do SUS, com o estabelecimento de metas quantitativas e qualitativas, visando: a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; b) o Aprimoramento da Gestão: implantar/implementar processos para a melhoria contínua da qualidade da assistência prestada; c) o Aperfeiçoamento dos Profissionais: aprimorar a capacitação e qualificação do corpo profissional. Este Plano de Trabalho foi elaborado tendo em vista as necessidades de saúde identificadas pelo Gestor do SUS no Município do Rio de Janeiro e a inserção locoregional da Instituição. LOCALIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE Rua São Januário, 153 / salas 208, 209 e 210, Rio de Janeiro/RJ, CEP MISSÃO A Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes ltda. caracteriza-se como clínica especializada em oftalmologia cuja missão é prestar assistência médica em oftalmologia com máxima dedicação, responsabilidade e eficácia para servir as necessidades da população através de profissionais capacitados e das técnicas reconhecidas e preconizadas.

2 HISTÓRICO Situada no mesmo endereço há 17 anos, com pioneirismo em várias técnicas de cirurgia do segmento anterior do olho como cirurgia refrativa e facectomia por microincisão, a clínica vem ofertar agora a experiência de seu corpo clínico em caráter complementar ao SUS. A clínica zela por seu corpo clínico, tendo em seu quadro de corpo clínico médicos com formação diferenciada como Doutorado, Mestrado e especialização no exterior. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS INFRAESTRUTURA, EQUIPAMENTOS E RECURSOS HUMANOS. A Clínica disponibiliza todos os recursos, físicos, materiais, permanentes e de consumo, necessários para a assistência contratada, conforme elencados na FICHA DE CADASTRO DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE (FCES), emitido em 26/03/2015, e no Relatório de Carga Horária de Profissionais, emitido em 26/03/2015, a partir da Base Municipal do CNES, em anexo. a) Capacidade Instalada A Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes ltda. detém Capacidade Instalada e disponibiliza todos os recursos, físicos, materiais, permanentes e de consumo, necessários para a assistência à OFTALMOLOGIA. a.1) Capacidade Instalada propriamente dita: dois consultórios, sala de cirurgia, sala de exames, sala pré-anestésica, ampla recepção, banheiros preparados para atendimento de cadeirantes. Pacientes SUS. b) Equipamentos Microscopia especular, paquimetria, pam, ultrasom, ecobiometro, retinografia, angiografia, campimetria, laser de argônio, yag-laser, lâmpadas de fenda, refratores, lensometro, tonometro, projetores, auto-refrator, lentes diagnósticas, oftalmoscópio indireto, facoemulsificador, microscópio cirúrgico, autoclave, gerador de energia, entre outros.

3 CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PACTUADAS A Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes Ltda. disponibiliza as atividades pactuadas para a Rede de oftalmologia do Município do Rio de Janeiro submetendo-as aos dispositivos de controle e regulação implantados/implementados pelos Gestores do SUS. A Unidade deve garantir a oferta dos serviços assistenciais previstos, de acordo com a programação estabelecida, de modo que não haja solução de continuidade em função dos calendários. Toda modificação na programação de que trata este Plano de Trabalho (inclusão, exclusão e/ou interrupção de ações e serviços pactuados) deve ser formalizada por meio de Termo Aditivo firmado entre as partes. A porta de entrada será regulada e acompanhada pelos sistemas de controle e regulação estabelecidos pelo Gestor. É dever da Unidade garantir a realização de todos os procedimentos pactuados necessários ao atendimento dos usuários que lhe forem direcionados pelos dispositivos regulatórios. A Unidade se compromete a prestar assistência de forma humanizada, em consonância com as diretrizes da Política Nacional de Humanização do SUS. COMPROMISSOS DA UNIDADE COM O GESTOR MUNICIPAL DO SUS a) Prestar assistência integral e humanizada aos pacientes; b) Monitorar processos assistenciais e administrativos buscando a melhoria contínua da qualidade; c) Promover capacitação e qualificação de seu corpo profissional; d) Cadastrar a totalidade dos pacientes que forem submetidos a Procedimentos de Alta e Média Complexidade ambulatoriais; e) Preencher, mensalmente, o Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) do SUS e atualizar, com a mesma periodicidade, as versões do CNES; f) Alimentar os sistemas de regulação definidos pelo Gestor, de acordo com a periodicidade estabelecida; g) Quando solicitado pelo Gestor Municipal, a Unidade deve participar da discussão e elaboração de protocolos técnicos e operacionais para implementação de políticas de saúde.

4 h) Em especial, Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes Ltda, neste termo, se compromete a realizar: I. Consulta oftalmológica com avaliação clínica que consiste em: anamnese, aferição da acuidade visual, refração dinâmica e/ou estática, biomicroscopia do segmento anterior, exame do fundo de olho, hipótese diagnóstica e apropriada conduta propedêutica e terapêutica. II. Procedimentos de diagnose, terapia e acompanhamento da patologia oftalmológica identificada. III. Seguimento ambulatorial pré-operatório e pós-operatório continuado e especifico para os procedimentos cirúrgicos incluindo os procedimentos cirúrgicos, incluindo os procedimentos de diagnose e terapia complementares. IV. Atendimento das complicações oftalmológicas que advierem do tratamento cirúrgico realizado V. Procedimentos em Conjuntiva, Córnea, Câmara Anterior, Íris, Corpo Ciliar e Cristalino descritos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, OPM do SUS e: Assistência especializada em Corpo Vítreo, Retina, Coróide e Esclera VI. Os critérios de inclusão/exclusão e tratamento da Catarata e os critérios de inclusão/exclusão e tratamento do Glaucoma deverão, obrigatoriamente, estar de acordo com o disposto no anexo I VII. Cumprimento da normatização e padronização dos exames préoperatórios descritos no anexo II VIII. Em hipótese alguma poderá realizar os procedimentos antes da autorização da central da regulação, salvo nos casos de urgência em que o atraso no atendimento resulte em risco à visão do paciente. IX. No caso de dois ou mais procedimentos realizados durante o mesmo ato cirúrgico deverá ser cobrado somente o procedimento de maior valor quando: Durante o ato cirúrgico houver indicação de outra(s) intervenção(ões) sobre órgão ou região, desde que realizada(s) através da mesma incisão; Diversas intervenções se realizarem na mesma cavidade, ou orifício natural; Novas incisões tiverem que ser feitas para a complementação do ato cirúrgico

5 METAS FISICAS E QUALITATIVAS As metas quantitativas e qualitativas a serem atingidas, para o monitoramento assistencial da Clínica e Cirurgia de Olhos Dr. Armando Augusto Guedes Ltda. estão apresentadas nas tabelas a seguir: METAS QUANTITATIVAS PROGRAMAÇÃO ORÇAMENTÁRIA GRUPO 02: Procedimentos com finalidade diagnóstica CÓDIGO PROCEDIMENTO QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) Ultrasonografia de globo ocular/órbita monocular (50 pacientes) 120 R$ 24,20 R$ 2.904, Biometria Ultrassonica (Monocular) 320 R$ 24,24 R$ 7.756, Biomicroscopia de fundo de olho 250 R$ 12,34 R$ 3.085, Campimetria computadorizada ou manual com gráfico 150 R$ 40,00 R$ 6.000, Ceratometria 200 R$ 3,37 R$ 674, Fundoscopia R$ 3,37 R$ 4.718, Mapeamento de retina com gráfico binocular 625 R$ 24,24 R$ , Microscopia especular de córnea 255 R$ 24,24 R$ 6.181, Potencial de acuidade visual 160 R$ 3,37 R$ 539, Retinografia colorida binocular 100 R$ 24,68 R$ 2.468, Retinografia fluorescente binocular 150 R$ 64,00 R$ 9.600, Tonometria R$ 3,37 R$ 4.718, Topografia computadorizada de córnea 30 R$ 24,24 R$ 727, Gonioscopia 30 R$ 6,74 R$ 202, Paquimetria ultrasonica 40 R$ 14,81 R$ 592,40 SUB-TOTAL 5230 R$ ,00 GRUPO 03: Procedimentos Clínicos CÓDIGO PROCEDIMENTO QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) Consulta médica em atenção especializada 1560 R$ 10,00 R$ ,00 Consulta para diagnóstico/reavaliação de glaucoma (tonometria, fundoscopia e campimetria) 50 R$ 57,14 R$ 2.857, Acompanhamento de avaliação de glaucoma por fundoscopia e tonometria Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (1º linha) 160 R$ 17,74 R$ 2.838,40 30 R$ 18,66 R$ 559,80

6 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (2º linha) Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (3º linha) 6 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 1º linha associada a 2º linha - Binocular 6 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 1º linha associada a 3º linha - Binocular Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 2º linha associada a 3º linha - Binocular 6 6 R$ 79,38 R$ 476,28 R$ 127,98 R$ 767,88 R$ 98,04 R$ 588,24 R$ 146,64 R$ 879,84 6 R$ 207,36 R$ 1.244,16 SUB-TOTAL R$ ,60 GRUPO 04: Procedimentos Cirúrgicos CÓDIGO PROCEDIMENTO QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) Exerese de calazio e outras pequenas lesões da pálpebra e supercílios 3 R$ 45,00 R$ 135, Correção cirúrgica de entrópio e ectrópio 1 R$ 116,42 R$ 116, Reconstituição de canal lacrimal 1 R$ 389,64 R$ 389, Simblefaroplastia 1 R$ 116,42 R$ 116, Sondagem de vias lacrimais 1 R$ 22,93 R$ 22, Sutura de pálpebra 1 R$ 82,28 R$ 82, Tratamento cirúrgico de blefarocalase 1 R$ 95,42 R$ 95, Tratamento cirúrgico de triquiase com ou sem enxerto 1 R$ 159,37 R$ 159, Correção cirúrgica de estrabismo (até2músculos) 1 R$ 485,37 R$ 485, Fotocoagulação a laser qtd máx. pac R$ 45,00 R$ 4.050, Injeção intra-vitreo 1 R$ 82,28 R$ 82, Sutura de esclera 0 R$ 161,19 R$ Vitrectomia anterior 3 R$ 381,08 R$ 1.143, Tratamento de ptose palpebral 1 R$ 323,34 R$ 323, Tratamento cirúrgico de xantelasma 1 R$ 116,42 R$ 116, Explante de lente intraocular 2 R$ 515,97 R$ 1.031, Capsulotomia a YAG laser 40 R$ 45,00 R$ 1.800, Ciclocriocoagulação/diatermia 1 R$ 335,72 R$ 335, Correção cirúrgica de hérnia de iris 2 R$ 259,20 R$ 518, Exerese de tumor de conjuntiva 1 R$ 82,28 R$ 82,28 Facectomia com implante de lente intraocular 6 R$ 443, R$ 2.658,00 Facectomia sem implante de lente intraocular 2 R$ 403, R$ 806, Facoemulsificação com implante de lente intra-ocular rigida 34 R$ 543,00 R$ , Fototrabeculoplastia a laser 0 R$ 45,00 R$ Facoemulsificação com implante de lente intra-ocular dobrável 120 R$ 643,00 R$ , Implante secundário de lente intraocular lio 2 R$ 794,88 R$ 1.589, Iridotomia a laser 10 R$ 45,00 R$ 450,00

7 Substituição de lente intra-ocular 1 R$ 544,88 R$ 544, Sutura de conjuntiva 2 R$ 82,28 R$ 164, Sutura de córnea 2 R$ 164,08 R$ 328, Trabeculectomia 2 R$ 513,34 R$ 1.026, Tratamento cirúrgico de pterígio 10 R$ 139,70 R$ 1.397, Vitrectomia posterior com infusão de perfluorcarbono/óleo de silicone/endolaser 3 R$ 2.855,14 R$ 8.565, Retinopexia com introflexão escleral 3 R$ 639,80 R$ 1.919, Remoção de óleo de silicone 3 R$ 468,60 R$ 1.405, Implante de prótese anti-glaucomatosa 1 R$ 499,20 R$ 499, Implante intra-estromal 1 R$ 619,17 R$ 619,17 SUB-TOTAL 355 R$ ,50 TOTAL GERAL 7415 R$ ,10 METAS QUALITATIVAS INDICADORES PONTUAÇÃO FONTE DE INFORMAÇÃO Prontuário único, multidisciplinar, organizado, com diagnóstico, identificação de plano terapêutico, procedimentos realizados, evolução, seguimento, data e profissionais responsáveis pelo atendimento, fichas de descrição cirurgica: Relatórios da Supervisão Implantação do termo de consentimento informado para procedimentos invasivos (diagnósticos e cirúrgicos) Relatórios da Supervisão Relatório detalhado quando da suspensão de procedimentos cirúrgicos com motivo, nome e destino dado ao paciente, segundo modelo no anexo I Pesquisa de satisfação do usuário realizada semestralmente [com formulário, metodologia de apuração, avaliação e divulgação dos resultados] Taxa de infecção, nos procedimentos cirurgicos (endoftalmite) > /= 0,3% Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Relatório semestral dos resultados da pesquisa de satisfação dos usuários Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Taxa de complicação nos procedimentos cirurgicos/catarata >/ = 1% Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Obs.: Considerando dados da literatura médica será aceitável o índice de até 1% de complicações sobre o total de cirurgias de catarata. Índices superiores serão passiveis de auditoria pelo órgão competente.

8 ACOMPANHAMENTO DAS METAS PACTUADAS O cumprimento das metas pactuadas neste Plano de Trabalho será acompanhado por meio de monitoramento das atividades assistenciais por todas as instâncias de controle, acompanhamento, avaliação, supervisão e auditoria do SUS. Neste Plano de Trabalho estão definidos e acordados os serviços a serem prestados, as metas quantitativas e qualitativas e as formas de monitoramento. Assim sendo, é esperado o aperfeiçoamento dos processos de gestão da assistência, tanto da Unidade, quanto do próprio SUS, no Município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, de de SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA CNPJ: / TESTEMUNHAS: NOME: IDENTIDADE: NOME: IDENTIDADE:

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2010 O Município de Nova Roma do Sul comunica aos interessados que está procedendo ao

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito MINUTA DE CONVÊNIO Convênio de mútua cooperação para a prestação de serviços especializados de assistência oftalmológica. O MUNICÍPIO DE CANOAS, pessoa jurídica de direito público interno a seguir denominado

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO COM A FUNDAÇÃO HOSPITALAR OFTALMOLOGICA UNIVERSIDADE LIONS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. VANDERLEI ANTÔNIO SIMIONATTO, Prefeito

Leia mais

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions Hospital de Olhos e dá outras providências.

Leia mais

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00 Consultas (1.01.01.00-4) 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) R$ 150,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) EDN R$ 300,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) Anestesista R$ 110,00

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Circular 477/2012 São Paulo, 31 de outubro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro

Leia mais

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 Autoriza o Executivo Municipal firmar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions para atendimento oftalmológico ambulatorial. Bel. PEDRO PAULO

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012 O Município de Salvador, através da Secretaria Municipal da Saúde, em conformidade com a Constituição Federal, Lei Federal nº 8.666/93 e suas alterações, Lei

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2009/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei: LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de mútua cooperação para a prestação de serviços médico-hospitalares com a Fundação Hospitalar Oftalmológica

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Contratada Endereço Bairro Cidade Telefone Especialidade Serviços Consultar Centro de Atendimento Medico Ltda Av. Abilio Machado, nº 1933 Alipio de Melo Belo Horizonte 0 XX 31 3474 3469 Oftalmologia Consulta

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

LISTA DE EQUIPAMENTOS

LISTA DE EQUIPAMENTOS LISTA DE EQUIPAMENTOS 01 DUAS LÂMPADAS DE FENDA Utilizada para realização do exame de biomicroscopia, este equipamento serve para avaliação da córnea, câmara anterior, cristalino e vítreo anterior, sendo

Leia mais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Angiofluoresceinografia Convencional Ampola de fluoresceína sódica a 20% Butterfly 23 g Seringa de 5 ml Agulha 25x7 - descartável Bolas de algodão 11,90

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando que dados epidemiológicos disponíveis estimam que, no Brasil, 30% das crianças em idade

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos.

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. ] ] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. Responsável Técnico Dr. Helio Fugishima CREMESP 71.955 Centro Cirúrgico

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR 07/07/2016 09:00-10:30 h Mesa Redonda CATARATA O papel das novas tecnologias na cirurgia de catarata (I) SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 09:00-09:10 Recursos diagnósticos (UBM,

Leia mais

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga Capítulo I Disposições Gerais Artigo1º Objecto A Clínica Dr. Ruy Puga tem como Objecto prestar cuidados de saúde oftalmológicos aos doentes que a procuram, no

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE CUBATÃO MANUAL DO CREDENCIADO PM_Manual_do_Credenciado_Revisão_04_20070624_DGQ/SAJ 1 Neste MANUAL, que é parte integrante do credenciamento de prestação

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2015 31/01/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e

Leia mais

E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O EDITAL DE PREGÃO N o 22/200/SRP PROCESSO Nº 366/0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MIGUEL PEREIRA, com sede na RUA PREFEITO MANOEL GUILHERME BARBOSA, 375, na cidade de MIGUEL PEREIRA - RJ, inscrito no CNPJ sob

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

TOMÓGRAFOS DE COERÊNCIA ÓTICA

TOMÓGRAFOS DE COERÊNCIA ÓTICA TOMÓGRAFOS DE COERÊNCIA ÓTICA CONHEÇA A LINHA COMPLETA DE OCTS DA TOPCON DE DOMÍNIO ESPECTRAL, COM CÂMERAS DE ALTA RESOLUÇÃO PARA IMAGEM DE FUNDO DE OLHO, SOFISTICAÇÃO PARA SUA CLÍNICA E SATISFAÇÃO DE

Leia mais

ANEXO I. a. População a ser atendida e definição de abrangência populacional de cada Unidade/Centro;

ANEXO I. a. População a ser atendida e definição de abrangência populacional de cada Unidade/Centro; ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO DAS UNIDADES DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA EM OFTALMOLOGIA E CENTROS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA 1 - Planejamento/Distribuição das Unidades 1.1

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

REGULAÇÃO DO ACESSO À ASSISTÊNCIA

REGULAÇÃO DO ACESSO À ASSISTÊNCIA REGULAÇÃO DO ACESSO À ASSISTÊNCIA Consiste na organização de estruturas, tecnologias e ações dirigidas aos prestadores públicos e privados, gerentes e profissionais de saúde para viabilizar o acesso do

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

1º TERMO DE RETIFICAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA N.017/2014.

1º TERMO DE RETIFICAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA N.017/2014. 1º TERMO DE RETIFICAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA N.017/2014. 01 SECRETARIO: MUNICIPAL DE SAÚDE 1.1 - SECRETÁRIO: EDSON VIEIRA 02- TERMO DE SOLICITAÇÃO DATADO DE 12/03/2014. CHAMAMENTO PÚBLICO, VISANDO O

Leia mais

PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008.

PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008. PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 957/GM, de 15 de maio de 2008, que institui a Política Nacional de Atenção

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais,

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria n.º 1635/GM Em 12 de setembro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de garantir às pessoas portadoras de deficiência mental e de

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA Portaria GM/MS nº de abril de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a alta incidência de doenças cardiovasculares na população brasileira, o que se constitui

Leia mais

ROTEIRO GERAL 1º - Preencher as Fichas Cadastrais de Estabelecimento de Saúde - FCES de 01 a 08 com base nas Orientações para preenchimento da Fichas

ROTEIRO GERAL 1º - Preencher as Fichas Cadastrais de Estabelecimento de Saúde - FCES de 01 a 08 com base nas Orientações para preenchimento da Fichas SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SEMSA ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA FICHA DO CADASTRO DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE FCES SIMPLIFICADO ROTEIRO GERAL 1º - Preencher as Fichas Cadastrais de Estabelecimento

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

Dados Completos do Prestador de Serviços Médicos

Dados Completos do Prestador de Serviços Médicos 1/10 Hospital Santa Júlia Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas Cardiologia, Otorrinolaringologia, Ortopedia/Traumatologia, Oftalmologia, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Gastroenterologia, Cirurgia

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA Recife/2007 SUMÁRIO PAG I Objetivos... 02 II Orientações Gerais... 04 III Instruções para preenchimento da Guia de Consulta... 06 IV Anexos......

Leia mais

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos CONTRATUALIZAÇÃO Objetivos Quando forem insuficientes as disponibilidades públicas para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o gestor poderá complementar a oferta com

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE e, no uso da atribuição, que lhes confere o inciso II do parágrafo único do artigo 87 da Constituição

Leia mais

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (...), na Rua (...), nº.

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

ESTADO DO MATO GROSSO

ESTADO DO MATO GROSSO Nr.: - PR Folha: 1/5 (As propostas serão abertas para julgamento às 09:00 horas do dia 20/03/2013). Fornecedor: Endereço:...... Cidade: CNPJ / CPF:... Estado:... Inscrição Estadual:...... Telefone: Fax:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (PROADI-SUS)

PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (PROADI-SUS) Circular 112/2011 São Paulo, 28 de Abril de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (PROADI-SUS) Diário Oficial da União Nº 80 Seção

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

Manual do SISPCI. 1ª edição - 2015 DAS/DGPTI

Manual do SISPCI. 1ª edição - 2015 DAS/DGPTI Manual do SISPCI 1ª edição - 2015 DAS/DGPTI Manual do Sistema Projeto Consultórios Itinerantes de Odontologia e Oftalmologia - SISPCI 1ª edição 2015 2015, Ebserh. Todos os direitos reservados Empresa

Leia mais

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1.

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1. VERSÃO 1.0 CARTILHA TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 4. Rotina Operacional 5. Rotina Operacional Autorizações Contas

Leia mais

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD).

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD). 1. NOME DO MEDICAMENTO ILUVIEN 190 microgramas implante intravítreo em aplicador. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada implante contém 190 microgramas de acetonido de fluocinolona. Lista completa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA/DF -2006- MANUAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA/DF -2006- MANUAL MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASÍLIA/DF -2006- MANUAL MS/SAS/DRAC/CGSI COORDENAÇÃO GERAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde - SAS Departamento de Regulação, Avaliação

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA A modalidade Livre Escolha consiste no reembolso de despesas médicas e/ou hospitalares de procedimentos constantes da Tabela de Reembolso do PAS-SERPRO

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

IOL - INSTITUTO DE OLHOS LESTE LTDA - EPP. UNIDADE TATUAPÉ Rua Tuiuti, Tatuapé - São Paulo - SP Tel Relação de Equipamento:

IOL - INSTITUTO DE OLHOS LESTE LTDA - EPP. UNIDADE TATUAPÉ Rua Tuiuti, Tatuapé - São Paulo - SP Tel Relação de Equipamento: - EPP CNPJ : 01.655.819/0001-50 - CNES 3269256 - CCM: 2.558.373-5 UNIDADE TATUAPÉ Rua Tuiuti, 1983 - Tatuapé - São Paulo - SP Relação de Equipamento: - Campimetro Computadorizado - Topógrafo - 1 Recepção

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE

ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE A. UNIDADES DA COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO

Leia mais

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio.

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio. Resumo de Auditoria 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Inspeção Ordinária nº 565/2014 Objetivo: Avaliação da adequação da contratação de serviços de saúde pela municipalidade ao modelo proposto

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE

ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE REGULAMENTO 004/2013 REGULAMENTO DO PROCESSO DE CREDENCIAMENTO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OFTALMOLÓGICOS 1. O OBJETO 1.1. O presente Regulamento tem por escopo o credenciamento de prestadores de Serviço

Leia mais

CONSULTAS E EXAMES PARTICULARES

CONSULTAS E EXAMES PARTICULARES Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Instituto Português de Microcirurgia Ocular, Lda Local: Lisboa Serviços/Produtos: Consultas, exames e cirurgias oculares Benefícios e Vantagens: Desconto

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

1.3. É assegurada a rotatividade entre os credenciados, sempre excluída a vontade da Administração na determinação da demanda por credenciado.

1.3. É assegurada a rotatividade entre os credenciados, sempre excluída a vontade da Administração na determinação da demanda por credenciado. EDITAL Nº 01/2015 PARA PROCESSO DE CREDEN- CIAMENTO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OF- TALMOLÓGICO ITINERANTE 1. DO OBJETO 1.1. O presente Edital tem por escopo o credenciamento de prestadores de Serviço de

Leia mais

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE ACESSO E ATIVIDADES DO GESTOR ESTADUAL, GESTOR MUNICIPAL E CADASTRADOR DE PROPOSTAS REDE/PROGRAMA ASSISTÊNCIA AO

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo 1. Especialidade: Oftalmologia 1.1. Pré-requisito - Seleção: Diploma de Médico, Registro no CRM e aprovação

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ORIENTAÇÕES DE ACESSO AOS SERVIÇOS PELOS BENEFICIÁRIOS E DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Senhor responsável, Considerando a assinatura do Termo de Credenciamento entre Vossa Senhoria e o Plano de Assistência

Leia mais

Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação.

Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. Portaria nº 397, de 09 de outubro de 2.002. Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

Passo a passo para cadastramento

Passo a passo para cadastramento Passo a passo para cadastramento Siga passo a passo, será mais fácil do que imagina! INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS Firebird e SCNES - Antes de dar início ao processo de cadastramento, realize uma pesquisa no

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O MAIS COMPLETO E VERSÁTIL SISTEMA PARA REMODELAMENTO CORNEANO EXISTENTE NO MERCADO MUNDIAL. Keraring, segmento de anel corneano intra-estromal,

Leia mais

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD Patrícia Tiemi Cawahisa Consultora Técnica MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED

ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Supremo Tribunal Federal Secretaria de Serviços Integrados de Saúde SIS Seção de Processamento de Despesas Médicas ORIENTAÇÕES DE FATURAMENTO JUNTO AO STF-MED Senhor responsável, Considerando a assinatura

Leia mais