PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: / CNES: OBJETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: / CNES: OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor do SUS no Município do Rio do Janeiro e a Unidade CEPOA tem por objeto a prestação de serviços em OFTALMOLOGIA, segundo o modelo assistencial do SUS, com o estabelecimento de metas quantitativas e qualitativas, visando: a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; b) o Aprimoramento da Gestão: implantar/implementar processos para a melhoria contínua da qualidade da assistência prestada; c) o Aperfeiçoamento dos Profissionais: aprimorar a capacitação e qualificação do corpo profissional. Este Plano de Trabalho foi elaborado tendo em vista as necessidades de saúde identificadas pelo Gestor do SUS no Município do Rio de Janeiro e a inserção loco - regional da Instituição. LOCALIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE RUA JORNALISTA ORLANDO DANTAS, 49A BOTAFOGO RJ CEP: MISSÃO O CEPOA caracteriza-se como Clinica Especializada em OFTALMOLOGIA à população através de profissionais capacitados e das técnicas reconhecidas e preconizadas para melhorar a qualidade desta assistência médica de acordo com os princípios éticos estabelecidos pelo SUS.

2 HISTÓRICO O CEPOA Centro de Estudos Oculistas Associados do Rio de Janeiro é uma instituição privada de prestação de serviços médicos oftalmológico sem fins lucrativos, reconhecido pelo Conselho Brasileiros de Oftalmologia, pela Associação Médica Brasileira e pela unidade de Atendimento Especializado de oftalmologia da Subsecretária de Assistência á saúde do Município do Rio de Janeiro. Há 45 anos oferecendo Cursos de pós-graduação stricto sensu em oftalmologia com duração de três anos, já formou aproximadamente 300 especialistas no país, tornando se, portanto uma instituição de ensino e renome a nível nacional e internacional. O CEPOA está apto a realizar atendimentos clínicos, diagnósticos e cirúrgicos em Conjuntiva, Córnea, Câmara Anterior, Iris, Corpo Ciliar, Cristalino, e também Retina, Vítreo, Coróide, esclera e Glaucoma abrangendo assim um grande contingente de pacientes diabéticos portadores de retinopatia diabética que necessitam de cirurgia a Laser, compreendase, Fotocoagulação a Laser e cirurgia de Descolamento de Retina. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS INFRAESTRUTURA, EQUIPAMENTOS E RECURSOS HUMANOS. A Clínica disponibiliza todos os recursos, físicos, materiais, permanentes e de consumo, necessários para a assistência contratada, conforme elencados na FICHA DE CADASTRO DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE (FCES), emitido em 26/03/2015, e no Relatório de Carga Horária de Profissionais, emitido em 26/03/2015, a partir da Base Municipal do CNES, em anexo. a) Capacidade Instalada O CEPOA detém Capacidade Instalada e disponibiliza todos os recursos, físicos, materiais, permanentes e de consumo, necessários para a assistência à OFTALMOLOGIA. a.1) Capacidade Instalada propriamente dita: 5 consultórios médicos, sala de espera, sala de enfermagem, centro cirúrgico com duas salas,salas de exames, sala de pequenas cirurgias, sala de observação,sala de higienização, sala de cirurgia ambulatorial Pacientes SUS.

3 b) Equipamentos b.1) Ambulatório: Cadeira e coluna oftalmológica / Refrator / Biomicroscópio (lâmpada de fenda) Tonômetro ocular / Retinoscópio / Oftalmoscópio (direto e/ou indireto) / Lensômetro Projetor ou tabela de optotipos / Ceratômetro / Campimetro / Lente de gonioscopia Lte de três espelhos / Retinógrafo / Equipamento de laser / Ecobiometro/ Ecografo Régua de prisma ou caixa de prisma e caixa de prova Sinoptóforo / Topógrafo Equipamentos de eletrodiagnóstico / Microscópio especular / Paquímetro b.2) Centro Cirúrgico 02 foco cirúrgico / 03 mesa cirúrgica / 06 mesa auxiliar / 01 gerador mono ou bipolar 02 microscópio cirúrgico / 04 facoemulsificador / 01 vitreófago /01 fonte de xenônio 01 equipamento de laser / 01 carinho de anestesia micro processado com respirador 01 carrinho de parada completo materiais de anestesia, monitores, 01 capnógrafo e 01 aspirador elétrico a vácuo portátil instrumental cirúrgico completo para cirurgia de catarata, retina e vítreo, cirurgia plástica restauradora, cirurgia de estrabismo, cirurgia de dacriocistorinostomia, cirurgia de órbita, cirurgia de evisceração CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES PACTUADAS O CEPOA disponibiliza as atividades pactuadas para a Rede de oftalmologia do Município do Rio de Janeiro submetendo-as aos dispositivos de controle e regulação implantados/implementados pelos Gestores do SUS. A Unidade deve garantir a oferta dos serviços assistenciais previstos, de acordo com a programação estabelecida, de modo que não haja solução de continuidade em função dos calendários. Toda modificação na programação de que trata este Plano de Trabalho (inclusão, exclusão e/ou interrupção de ações e serviços pactuados) deve ser formalizada por meio de Termo Aditivo firmado entre as partes. A porta de entrada será regulada e acompanhada pelos sistemas de controle e regulação estabelecidos pelo Gestor. É dever da Unidade garantir a realização de todos os procedimentos pactuados necessários ao atendimento dos usuários que lhe forem direcionados pelos dispositivos regulatórios. A Unidade se compromete a prestar assistência de forma humanizada, em consonância com as diretrizes da Política Nacional de Humanização do SUS.

4 COMPROMISSOS DA UNIDADE COM O GESTOR MUNICIPAL DO SUS a) Prestar assistência integral e humanizada aos pacientes; b) Monitorar processos assistenciais e administrativos buscando a melhoria contínua da qualidade; c) Promover capacitação e qualificação de seu corpo profissional; d) Cadastrar a totalidade dos pacientes que forem submetidos a Procedimentos de Alta e Média Complexidade ambulatoriais; e) Preencher, mensalmente, o Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) do SUS e atualizar, com a mesma periodicidade, as versões do CNES; f) Alimentar os sistemas de regulação definidos pelo Gestor, de acordo com a periodicidade estabelecida; g) Quando solicitado pelo Gestor Municipal, a Unidade deve participar da discussão e elaboração de protocolos técnicos e operacionais para implementação de políticas de saúde. h) Em especial, neste termo, se compromete a realizar: I. Consulta oftalmológica com avaliação clínica que consiste em: anamnese, aferição da acuidade visual, refração dinâmica e/ou estática, biomicroscopia do segmento anterior, exame do fundo de olho, hipótese diagnóstica e apropriada conduta propedêutica e terapêutica. II. Procedimentos de diagnose, terapia e acompanhamento da patologia oftalmológica identificada. III. Seguimento ambulatorial pré-operatório e pós-operatório continuado e especifico para os procedimentos cirúrgicos incluindo os procedimentos cirúrgicos, incluindo os procedimentos de diagnose e terapia complementares. IV. Atendimento das complicações oftalmológicas que advierem do tratamento cirúrgico realizado V. Procedimentos em Conjuntiva, Córnea, Câmara Anterior, Íris, Corpo Ciliar e Cristalino descritos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, OPM do SUS e: Assistência especializada em Corpo Vítreo, Retina, Coróide e Esclera

5 VI. Os critérios de inclusão/exclusão e tratamento da Catarata e os critérios de inclusão/exclusão e tratamento do Glaucoma deverão, obrigatoriamente, estar de acordo com o disposto no anexo I VII. Cumprimento da normatização e padronização dos exames préoperatórios descritos no anexo II VIII. Em hipótese alguma poderá realizar os procedimentos antes da autorização da central da regulação, salvo nos casos de urgência em que o atraso no atendimento resulte em risco à visão do paciente. IX. No caso de dois ou mais procedimentos realizados durante o mesmo ato cirúrgico deverá ser cobrado somente o procedimento de maior valor quando: Durante o ato cirúrgico houver indicação de outra(s) intervenção(ões) sobre órgão ou região, desde que realizada(s) através da mesma incisão; Diversas intervenções se realizarem na mesma cavidade, ou orifício natural; Novas incisões tiverem que ser feitas para a complementação do ato cirúrgico METAS FISICAS E QUALITATIVAS As metas quantitativas e qualitativas a serem atingidas, para o monitoramento assistencial do CEPOA estão apresentadas nas tabelas a seguir: METAS QUANTITATIVAS PROGRAMAÇÃO ORÇAMENTÁRIA GRUPO 02: Procedimentos com finalidade diagnóstica CÓDIGO PROCEDIMENTO Ultrasonografia de globo ocular/órbita monocular (50 pacientes) QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) 200 R$ 24,20 R$ 4.840, Biometria ultrasonica (Monocular) 240 R$ 24,24 R$ 5.817, Biomicroscopia de fundo de olho 250 R$ 12,34 R$ 3.085,00

6 Campimetria computadorizada ou manual com gráfico 80 R$ 40,00 R$ 3.200, Ceratometria 120 R$ 3,37 R$ 404, Fundoscopia R$ 3,37 R$ 3.370, Mapeamento de retina com gráfico binocular 625 R$ 24,24 R$ , Microscopia especular de córnea 205 R$ 24,24 R$ 4.969, Potencial de acuidade visual 120 R$ 3,37 R$ 404, Retinografia colorida binocular 5 R$ 24,68 R$ 123, Retinografia fluorescente binocular 150 R$ 64,00 R$ 9.600, Tonometria R$ 3,37 R$ 3.370, Topografia computadorizada de córnea 20 R$ 24,24 R$ 484, Gonioscopia 30 R$ 6,74 R$ 202, Paquimetria ultrasonica 40 R$ 14,81 R$ 592,40 SUB-TOTAL 4085 R$ ,40 GRUPO 03: Procedimentos Clínicos CÓDIGO PROCEDIMENTO QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) Consulta médica em atenção especializada R$ 10,00 R$ ,00 Consulta para diagnóstico/reavaliação de glaucoma (tonometria, fundoscopia e campimetria) 25 R$ 57,14 R$ 1.428, Acompanhamento de avaliação de glaucoma por fundoscopia e tonometria Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (1º linha) 90 R$ 17,74 R$ 1.596,60 20 R$ 18,66 R$ 373,20 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (2º linha) 4 R$ 79,38 R$ 317,52 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma binocular (3º linha) 4 R$ 127,98 R$ 511,92 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 1º linha associada a 2º linha - Binocular 4 R$ 98,04 R$ 392,16 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 1º linha associada a 3º linha - Binocular 4 R$ 146,64 R$ 586,56 Tratamento oftalmológico de pac c/glaucoma - 2º linha associada a 3º linha - Binocular 4 R$ 207,36 R$ 829,44 GRUPO 04: Procedimentos Cirúrgicos CÓDIGO SUB-TOTAL R$ ,90 PROCEDIMENTO Exerese de calazio e outras pequenas lesões da pálpebra e supercílios QUANT TOTAL ORÇADA VALOR UNIT VALOR PROJETADO (NOVA FPO) 2 R$ 45,00 R$ 90, Correção cirúrgica de entrópio e ectrópio 2 R$ 116,42 R$ 232, Reconstituição de canal lacrimal 1 R$ 389,64 R$ 389, Simblefaroplastia 1 R$ 116,42 R$ 116, Sondagem de vias lacrimais 1 R$ 22,93 R$ 22, Sutura de pálpebra 1 R$ 82,28 R$ 82,28

7 Tratamento cirúrgico de blefarocalase 1 R$ 95,42 R$ 95, Tratamento cirúrgico de triquiase com ou sem enxerto 1 R$ 159,37 R$ 159, Correção cirúrgica de estrabismo (até 2 músculos) 1 R$ 485,37 R$ 485, Fotocoagulação a laser qtd máx. pac R$ 45,00 R$ 2.700, Injeção intra-vitreo 1 R$ 82,28 R$ 82, Sutura de esclera 1 R$ 161,19 R$ 161, Vitrectomia anterior 2 R$ 381,08 R$ 767, Tratamento de ptose palpebral 1 R$ 323,34 R$ 323, Tratamento cirúrgico de xantelasma 0 R$ 116,42 R$ Explante de lente intraocular 2 R$ 515,97 R$ 1.031, Capsulotomia a YAG laser 30 R$ 45,00 R$ 1.350, Ciclocriocoagulação/diatermia 0 R$ 335,72 R$ 335, Correção cirúrgica de hérnia de iris 2 R$ 259,20 R$ 518, Exerese de tumor de conjuntiva 1 R$ 82,28 R$ 82, Facectomia com implante de lente intra-ocular 5 R$ 443,00 R$ 2.215, Facectomia sem implante de lente intra-ocular 1 R$ 403,00 R$ 403, Facoemulsificação com implante de lente intra-ocular rígida 25 R$ 543,00 R$ , Fototrabeculoplastia a laser 2 R$ 45,00 R$ 90,00 Facoemulsificação com implante de lente intra-ocular dobrável 90 R$ 643,00 R$ , Implante secundário de lente intra-ocular lio 2 R$ 794,88 R$ 1.589, Iridotomia a laser 4 R$ 45,00 R$ 180, Substituição de lente intra-ocular 1 R$ 544,88 R$ 544, Sutura de conjuntiva 1 R$ 82,28 R$ 82, Sutura de córnea 0 R$ 164,08 R$ Trabeculectomia 2 R$ 513,34 R$ 1.026, Tratamento cirúrgico de pterígio 10 R$ 139,70 R$ 1.397, Vitrectomia posterior com infusão de perfluorcarbono/óleo de silicone/endolaser 7 R$ 2.855,14 R$ , Retinopexia com introflexão escleral 7 R$ 639,80 R$ 4.478, Remoção de óleo de silicone 7 R$ 468,60 R$ 3.280, Implante de prótese anti-glaucomatosa 0 R$ 499,20 R$ Implante intra-estromal 0 R$ 619,17 R$ - SUB-TOTAL 275 R$ ,96 TOTAL GERAL 5635 R$ ,26

8 METAS QUALITATIVAS INDICADORES PONTUAÇÃO FONTE DE INFORMAÇÃO Prontuário único, multidisciplinar, organizado, com diagnóstico, identificação de plano terapêutico, procedimentos realizados, evolução, seguimento, data e profissionais responsáveis pelo atendimento, fichas de descrição cirurgica: Relatórios da Supervisão Implantação do termo de consentimento informado para procedimentos invasivos (diagnósticos e cirúrgicos) Relatórios da Supervisão Relatório detalhado quando da suspensão de procedimentos cirúrgicos com motivo, nome e destino dado ao paciente, segundo modelo no anexo I Pesquisa de satisfação do usuário realizada semestralmente [com formulário, metodologia de apuração, avaliação e divulgação dos resultados] Taxa de infecção, nos procedimentos cirurgicos (endoftalmite) > /= 0,3% Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Relatório semestral dos resultados da pesquisa de satisfação dos usuários Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Taxa de complicação nos procedimentos cirurgicos/catarata >/ = 1% Relatório mensal à Supervisão do SUS e Relatório trimestral à Comissão Única Obs. : Considerando dados da literatura médica será aceitável o índice de até 1% de complicações sobre o total de cirurgias de catarata. Índices superiores serão passiveis de auditoria pelo órgão competente. ACOMPANHAMENTO DAS METAS PACTUADAS O cumprimento das metas pactuadas neste Plano de Trabalho será acompanhado por meio de monitoramento das atividades assistenciais por todas as instâncias de controle, acompanhamento, avaliação, supervisão e auditoria do SUS. Neste Plano de Trabalho estão definidos e acordados os serviços a serem prestados, as metas quantitativas e qualitativas e as formas de monitoramento. Assim sendo, é esperado o aperfeiçoamento dos processos de gestão da assistência, tanto da Unidade, quanto do próprio SUS, no Município do Rio de Janeiro.

9 Rio de Janeiro, de de SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados CNPJ: / TESTEMUNHAS: NOME: IDENTIDADE: NOME: IDENTIDADE:

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: 00.181.085/0001-51 CNES: 3122786 OBJETO O presente Plano

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito MINUTA DE CONVÊNIO Convênio de mútua cooperação para a prestação de serviços especializados de assistência oftalmológica. O MUNICÍPIO DE CANOAS, pessoa jurídica de direito público interno a seguir denominado

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

ANEXO I. a. População a ser atendida e definição de abrangência populacional de cada Unidade/Centro;

ANEXO I. a. População a ser atendida e definição de abrangência populacional de cada Unidade/Centro; ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO DAS UNIDADES DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA EM OFTALMOLOGIA E CENTROS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA 1 - Planejamento/Distribuição das Unidades 1.1

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2010 O Município de Nova Roma do Sul comunica aos interessados que está procedendo ao

Leia mais

PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008.

PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008. PORTARIA Nº 288/SAS, DE 19 DE MAIO DE 2008. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 957/GM, de 15 de maio de 2008, que institui a Política Nacional de Atenção

Leia mais

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00 Consultas (1.01.01.00-4) 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) R$ 150,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) EDN R$ 300,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) Anestesista R$ 110,00

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

LISTA DE EQUIPAMENTOS

LISTA DE EQUIPAMENTOS LISTA DE EQUIPAMENTOS 01 DUAS LÂMPADAS DE FENDA Utilizada para realização do exame de biomicroscopia, este equipamento serve para avaliação da córnea, câmara anterior, cristalino e vítreo anterior, sendo

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO COM A FUNDAÇÃO HOSPITALAR OFTALMOLOGICA UNIVERSIDADE LIONS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. VANDERLEI ANTÔNIO SIMIONATTO, Prefeito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2009/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO SMS Nº 19/2012 O Município de Salvador, através da Secretaria Municipal da Saúde, em conformidade com a Constituição Federal, Lei Federal nº 8.666/93 e suas alterações, Lei

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF 1 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 007/2013/SMS/PMF A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis - SMS, com sede na Av. Henrique da Silva Fontes, 6.100, Trindade, Florianópolis - SC, torna público que fará

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Circular 477/2012 São Paulo, 31 de outubro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro

Leia mais

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 Autoriza o Executivo Municipal firmar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions para atendimento oftalmológico ambulatorial. Bel. PEDRO PAULO

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei: LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de mútua cooperação para a prestação de serviços médico-hospitalares com a Fundação Hospitalar Oftalmológica

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Contratada Endereço Bairro Cidade Telefone Especialidade Serviços Consultar Centro de Atendimento Medico Ltda Av. Abilio Machado, nº 1933 Alipio de Melo Belo Horizonte 0 XX 31 3474 3469 Oftalmologia Consulta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio.

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio. Resumo de Auditoria 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Inspeção Ordinária nº 565/2014 Objetivo: Avaliação da adequação da contratação de serviços de saúde pela municipalidade ao modelo proposto

Leia mais

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions Hospital de Olhos e dá outras providências.

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Angiofluoresceinografia Convencional Ampola de fluoresceína sódica a 20% Butterfly 23 g Seringa de 5 ml Agulha 25x7 - descartável Bolas de algodão 11,90

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE

ESTADO DA BAHIA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE REGULAMENTO 004/2013 REGULAMENTO DO PROCESSO DE CREDENCIAMENTO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OFTALMOLÓGICOS 1. O OBJETO 1.1. O presente Regulamento tem por escopo o credenciamento de prestadores de Serviço

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 28/02/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

1.3. É assegurada a rotatividade entre os credenciados, sempre excluída a vontade da Administração na determinação da demanda por credenciado.

1.3. É assegurada a rotatividade entre os credenciados, sempre excluída a vontade da Administração na determinação da demanda por credenciado. EDITAL Nº 01/2015 PARA PROCESSO DE CREDEN- CIAMENTO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OF- TALMOLÓGICO ITINERANTE 1. DO OBJETO 1.1. O presente Edital tem por escopo o credenciamento de prestadores de Serviço de

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo 1. Especialidade: Oftalmologia 1.1. Pré-requisito - Seleção: Diploma de Médico, Registro no CRM e aprovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA Recife/2007 SUMÁRIO PAG I Objetivos... 02 II Orientações Gerais... 04 III Instruções para preenchimento da Guia de Consulta... 06 IV Anexos......

Leia mais

Saúde Ocular: Redefinição do Projeto Olhar Brasil

Saúde Ocular: Redefinição do Projeto Olhar Brasil Saúde Ocular: Redefinição do Projeto Olhar Brasil Minuta de portaria interministerial que redefine o Projeto Olhar Brasil Apresentada para pactuação na reunião da CIT de 26 de julho de 2012 Brasília, 25

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto

Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo1º Objecto Regulamento Interno da Clínica Dr. Ruy Puga Capítulo I Disposições Gerais Artigo1º Objecto A Clínica Dr. Ruy Puga tem como Objecto prestar cuidados de saúde oftalmológicos aos doentes que a procuram, no

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O EDITAL DE PREGÃO N o 22/200/SRP PROCESSO Nº 366/0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MIGUEL PEREIRA, com sede na RUA PREFEITO MANOEL GUILHERME BARBOSA, 375, na cidade de MIGUEL PEREIRA - RJ, inscrito no CNPJ sob

Leia mais

PARECER SOBRE CIRURGIAS OFTALMOLÓGICAS

PARECER SOBRE CIRURGIAS OFTALMOLÓGICAS PARECER SOBRE CIRURGIAS OFTALMOLÓGICAS O Conselho Brasileiro de Oftalmologia, a e a Federação das Cooperativas Estaduais de Serviços em Oftalmologia esclarecem que, as cirurgias oftalmológicas de portes

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 07/01/2015 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CAMPO GRANDE / RJ V. Relatório referente ao Contrato de Gestão 30/2012 sobre os serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Dados Completos do Prestador de Serviços Médicos

Dados Completos do Prestador de Serviços Médicos 1/10 Hospital Santa Júlia Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas Cardiologia, Otorrinolaringologia, Ortopedia/Traumatologia, Oftalmologia, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Gastroenterologia, Cirurgia

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Documento norteador para a habilitação de laboratórios Tipo I e Tipo II pela Qualificação Nacional em Citopatologia QualiCito. Qual a Portaria que institui a Qualificação

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL ASS: Cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

Prestadores do SUS devem ser contratados;

Prestadores do SUS devem ser contratados; Prestadores do SUS devem ser contratados; Respeitar: Princípios e Diretrizes do SUS : regionalização, pactuação, programação, parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. Contratualização

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Daiane da Silva Oliveira INTRODUÇÃO Publicação da Lei 12.732; Com a Publicação da Lei 12.732, que fixa o prazo máximo

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR PROGRAMA Nº- 125 GESTÃO PELA QUALIDADE - I Código Descrição SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVOS: Implantar um novo modelo de gestão pela qualidade que dinamiza a capacidade de gestão, agilize

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

FUNDAÇÃO PANAMERICANA DE OFTALMOLOGIA

FUNDAÇÃO PANAMERICANA DE OFTALMOLOGIA FUNDAÇÃO PANAMERICANA DE OFTALMOLOGIA DIRETRIZES PARA OS PROGRAMAS DE CATARATA NA AMÉRICA LATINA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO E SELEÇÃO DE PACIENTES SOB O PONTO DE VISTA SOCIOECONÔMICO 3. DIAGNÓSTICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 11h30 Sala 01 Casos clínicos desafiadores Apresentações de casos clínicos de 10 minutos e 20 minutos de discussão com a platéia. 08h00

Leia mais

Prefeitura Municipal de Barro GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.620.396/0001-19

Prefeitura Municipal de Barro GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.620.396/0001-19 ANEXO V PROPOSTA PADRONIZADA A Prefeitura Municipal de Barro, Estado do Ceará. Pela presente declaramos inteira submissão aos preceitos legais em vigor, especialmente os da Lei nº 8.666/93 e Lei nº 10.520/2002,

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA No- 254, DE 24 DE JULHO DE 2009 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando que dados epidemiológicos disponíveis estimam que, no Brasil, 30% das crianças em idade

Leia mais

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra:

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 24/13 PARECER CFM nº 17/13 INTERESSADO: Dr. F.J.M.C ASSUNTO: Cirurgia bilateral no mesmo ato cirúrgico RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Não há elementos definitivos

Leia mais

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS TÍTULO DA PRÁTICA: REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS CÓDIGO DA PRÁTICA: T66 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Complexo Regulador caracteriza-se

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

Metas de desempenho, indicadores e prazos. de execução

Metas de desempenho, indicadores e prazos. de execução Metas de desempenho, indicadores e prazos de execução HOSITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS NOVEMBRO DE 2013 1 SUMÁRIO 1. Indicadores... 3 2. Quadro de Indicadores de

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Atendimento Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Pra facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais