PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR"

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRELIMINAR 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda CATARATA O papel das novas tecnologias na cirurgia de catarata (I) SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 09:00-09:10 Recursos diagnósticos (UBM, Ultrassonografia, OCT) : quando requisitar e como interpretar seus resultados. 09:10-09:15 Discussão. 09:15-09:25 Em que situações os resultados dos exames da aberrometria/alterações da curvatura corneana podem influenciar na escolha da LIO? 09:25-09:30 Discussão. 09:30-09:40 Quando e como valorizar as ceratometrias pré e per-operatórias : qual a melhor QTM de Javal? Autorefrator? Topografia? IOL Master? Lenstar? Outras tecnologias? 09:40-09:45 Discussão. 09:45-09:55 Recursos ópticos para prevenção e solução de perturbações visuais no pós operatório de implantes de lentes intraoculares. 09:55-10:00 Discussão. 10:00-10:10 Vantagens do laser de femtosegundo na cirurgia de catarata. 10:10-10:15 Discussão. 10:15-10:25 Limitações do laser de femtosegundo na cirurgia de catarata. 10:25-10:30 Discussão. 07/07/ :00-10:30 h Casos Clínicos TUMORES 09:00-09:20 Tumores de Pálpebra. 09:00-09:05 Caso :05-09:10 Caso :10-09:20 Discussão. 09:20-09:40 Lesões não pigmentados de conjuntiva. 09:20-09:25 Caso :25-09:30 Caso :30-09:40 Discussão. 09:40-10:00 Lesões pigmentadas de conjuntiva. 09:40-09:45 Caso :45-09:50 Caso :50-10:00 Discussão. 10:00-10:20 Tumores de órbita. 10:00-10:05 Caso 07.

2 10:05-10:10 Caso :10-10:20 Discussão. 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda OCULOPLÁSTICA SALA 3 (QUELUZ 6) 09:00-09:15 Diferentes etiologias de edema palpebral maciço. 09:15-09:30 Alterações no posicionamento palpebral. 09:30-09:45 Ectrópio palpebral. 09:45-10:00 Ptose miogênica. 10:00-10:15 Ptose anterior X Ptose posterior. 10:15-10:30 Tratamento cirúrgico de tumor palpebral. 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda DIA A DIA DO CONSULTORIO / TEMA LIVRE SALA 4 (VERSAILLES 2) 09:00-09:05 Jovem com 12 anos vem à consulta usando esf. em AO, com queixa de cansaço visual. A refração subjetiva, com miopisação é esf. ecomciclopegia esf. A motilidade ocular é normal. O que prescrever? 09:05-09:10 Discussão. 09:10-09:15 Paciente com 45 anos teve sua pressão ocular controlada após trabeculectomia por dois anos, com manutenção do campo visual, já com alterações importantes. Ao medir a pressão encontramos 25 mm Hg. Qual a conduta? 09:15-09:20 Discussão. 09:20-09:25 A cirurgia de catarata transcorria bem, mas durante a extração do núcleo rompeu a cápsula posterior. O que fazer? 09:25-09:30 Discussão. 09:30-09:35 RSM, 65 anos, diabético há 20 anos, apresenta acuidade visual 20/60 AO. A retinografia fluorescente mostra microaneurismas, áreas de má perfusão fora das arcadas temporais e edema na região macular. Como conduzir este caso? 09:35-09:40 Discussão. 09:40-09:45 Quando suspeitar que um paciente possa ter glaucoma de baixa pressão? 09:45-09:50 Discussão. 09:50-09:55 Como você seleciona os pacientes para utilizar LIOS multifocais? 09:55-10:00 Discussão. 10:00-10:05 Como tratar pacientes com queixa de olho seco? 10:05-10:10 Discussão. 10:10-10:15 Paciente com 75 anos apresenta catarata em AO. Acuidade visual 20/60 AO, microscopia especular dentro do normal e núcleo grau II. Vale a pena usar o Fento Laser? 10:15-10:20 Discussão. 10:20-10:30 Apresentação de Temas Livres. 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda GLAUCOMA Glaucoma Primário de Ângulo Fechado. 09:00-09:10 Paciente com câmara anterior rasa: Qual a propedêutica mínima necessária? 09:10-09:20 "Dicas" no exame de gonioscopia. 09:20-09:30 Tratamento clínico do Glaucoma primário de ângulo estreito. 09:30-09:40 Quando suspeitar da possibilidade de uma crise aguda? 09:40-09:50 Novas estratégias de tratamento de uma crise aguda. 09:50-10:00 Fechamento angular primário: iridotomia x faco. 10:00-10:10 Iridotomia não abriu o ângulo: o que fazer? 10:10-10:20 Glaucoma de ângulo fechado sem controle clínico: TREC ou Faco ou FacoTREC?

3 10:20-10:30 Discussão. 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda Doenças da retina no consultório oftalmológico geral: como orientar o paciente? SALA 6 (ITAMARATI) 09:00-09:10 Vitreoretinopatias: alterações de interface. 09:10-09:15 Discussão de caso relacionado ao assunto. 09:15-09:25 Maculopatias. 09:25-09:30 Discussão de caso relacionado ao assunto. 09:30-09:40 Degeneração periférica da Retina. 09:40-09:45 Discussão de caso relacionado ao assunto. 09:45-09:55 Retinopatia diabética. 09:55-10:00 Discussão de caso relacionado ao assunto. 10:00-10:10 Oclusões vasculares. 10:10-10:15 Discussão de caso relacionado ao assunto. 10:15-10:25 Paquicoroide. 10:25-10:30 Discussão de caso relacionado ao assunto. 07/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda ESTRABISMO Estrabismo I. SALA 7 (ALVORADA 2) 09:00-09:20 Esotropia precoce. 09:20-09:40 Desvio Vertical Dissociado. 09:40-09:50 Anestesia em crianças: o que sabemos? 09:50-10:30 Fórum. 09:50-09:57 Caso :57-10:04 Caso :04-10:11 Casos Clinicos de Nistagmo. 10:11-10:30 Discussão. 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda CATARATA O papel das tecnologias em favor do cirurgião de catarata (II) SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 11:00-11:10 Quais requisitos são fundamentais na escolha de um bom facoemulsificador nos dias de hoje? 11:10-11:15 Discussão. 11:15-11:25 Principais diferenciais entre as máquinas hoje disponíveis no Brasil: quais apresentam o melhor custo / benefício? 11:25-11:30 Discussão. 11:30-11:40 Como explorar melhor os recursos de sua máquina de faco, reduzindo eventuais traumas provocados pelo ultrassom. 11:40-11:45 Discussão. 11:45-11:55 FLACS versus PECS: onde estamos? 11:55-12:00 Discussão. 12:00-12:10 Por que estou convencido das vantagens do femtosegundo em cirurgia de catarata? 12:10-12:15 Discussão. 12:15-12:25 Por que tenho dúvidas sobre a FLACS atual? Há perspectivas no futuro próximo de novas alternativas ao femtosegundo? 12:25-12:30 Discussão.

4 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda TUMORES 11:20-11:40 Tumores intraoculares não pigmentado. 11:20-11:25 Caso :25-11:30 Caso :30-11:40 Discussão. 11:40-12:00 Tumores intraoculares pigmentados. 11:40-11:45 Caso :45-11:50 Caso :50-12:00 Discussão. 12:00-12:20 Retinoblastoma. 12:00-12:05 Caso :05-12:10 Caso :10-12:20 Discussão. 07/07/ :00-12:30 h Casos Clínicos OCULOPLÁSTICA SALA 3 (QUELUZ 6) 11:00-11:05 Caso :05-11:15 Discussão. 11:15-11:20 Caso :20-11:30 Discussão. 11:30-11:35 Caso :35-11:45 Discussão. 11:45-11:50 Caso :50-12:00 Discussão. 12:00-12:05 Caso :05-12:15 Discussão. 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda DIA A DIA DO CONSULTORIO / TEMA LIVRE SALA 4 (VERSAILLES 2) 11:00-11:05 Quais os critérios para extração de cristalino transparente com fins refrativos? 11:05-11:10 Discussão. 11:10-11:15 Paciente com 17 anos apresenta ceratocone inicial. Qual a conduta? 11:15-11:20 Discussão. 11:20-11:25 Paciente com hipópio no 5º dia de pós-operatório de catarata. Qual a conduta? 11:25-11:30 Discussão. 11:30-11:35 Paciente com baixa visual súbita 20/100 apresenta coriorretinite em atividade na região justapapilar do lado temporal. Qual a conduta? 11:35-11:40 Discussão. 11:40-11:45 AMP, 35 anos apresenta baixa visual em ambos os olhos por ceratoconjuntivite viral. Como tratar? 11:45-11:50 Discussão. 11:50-11:55 Paciente com pressão 21 mm Hg em AO às 8.0h, apresenta escavação 0.6 X 0.50 e campo visual normal. Qual a conduta? 11:55-12:00 Discussão. 12:00-12:05 Paciente teve DMRI úmida no olho direito. O olho esquerdo apresenta acuidade visual normal e fundo de olho normal. Vale a pena usar antioxidantes? 12:05-12:10 Discussão. 12:10-12:15 Paciente veio à consulta e notamos uma mancha escura no fundo do olho. Como saber se é nevus ou melanoma?

5 12:15-12:20 Discussão. 12:20-12:30 Apresentação de Temas Livres. 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda GLAUCOMA Fatores de Risco no Glaucoma. 11:00-11:10 Miopia e Glaucoma. 11:10-11:20 Influência da postura e posição de cabeça na PIO. 11:20-11:30 Fatores vasculares e glaucoma. 11:30-11:40 Fatores corneanos e glaucoma. 11:40-11:50 Pressão intra-craniana e glaucoma. 11:50-12:00 Qual a melhor maneira de avaliar a flutuação e o pico da PIO? 12:00-12:10 Fatores de risco para crise aguda de glaucoma. 12:10-12:20 Fatores de risco para falha de cirurgia filtrante. 12:20-12:30 Discussão. 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda O que é importante saber sobre tratamento de retina? SALA 6 (ITAMARATI) 11:00-11:15 Laser ainda tem indicação no tratamento da retina? Quais opções? 11:15-11:30 Antiangiogênicos: como indica-los. 11:30-11:45 Implante intravítreo: o que é e qual indicação? 11:45-12:00 Ocriplasmina x cirurgia : indicações e expectativas. 12:00-12:15 Doenças inflamatórias no segmento posterior. 12:15-12:30 Discussão. 07/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda ESTRABISMO Estrabismo II. SALA 7 (ALVORADA 2) 11:00-11:20 Estrabismos pós-trauma. 11:20-11:30 Imagens (radiologia) para o estrabismólogo. 11:30-12:10 Simpósio de trauma e imagens. 12:10-12:30 Ambliopia: conceitos clássicos; elogios e críticas ao que há de novo. 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda GLAUCOMA Glaucoma: Atualização Sobre a Moderna Propedêutica. SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 14:30-14:40 Será que a PIO está correta? 14:40-14:50 Gonioscopia ou novas imagens? 14:50-15:00 Qual a propedêutica mínima necessária para o diagnóstico? 15:00-15:10 Como avaliar a progressão na retinografia? 15:10-15:20 Como avaliar a progressão no campo visual? 15:20-15:30 Como avaliar a progressão no OCT? 15:30-15:40 Como saber se o paciente está bem controlado? 15:40-15:50 Como conduzir o paciente em estágio terminal? 15:50-16:00 Discussão.

6 07/07/ :30-16:00 h Painel LENTE DE CONTATO 14:30-15:15 Painel 01: Indicações precisas nas adaptações de lentes de contato. 15:15-16:00 Painel 02: Correção da Presbiopia. 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda VIAS LACRIMAIS Como eu trato e opero SALA 3 (QUELUZ 6) 14:30-14:45 Laceração de canalículo lacrimal.. 14:45-15:00 Dacriocistorrinostomia. 15:00-15:15 Sondagem e intubação de via lacrimal. 15:15-15:30 Complicações de dacriocistorrinostomia. 15:30-15:45 Complicações de intubação lacrimal. 15:45-16:00 Dacricistite e iodoterapia. 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda CATARATA Atualização em LIOs SALA 4 (VERSAILLES 2) 14:30-14:40 Cálculo da LIO: vantagens e características da interferometria óptica parcial a laser e outros aparelhos disponíveis. Por que, ainda assim, há limitações em seu emprego? 14:40-14:45 Discussão. 14:45-14:55 Fatores de erro no cálculo das LIOs: por que ainda nos deparamos com surpresas refracionais? 14:55-15:00 Discussão. 15:00-15:10 Lentes Premium: qual seu real significado? Limitações quanto ao uso de lentes tóricas, multifocais e tórico-multifocais? 15:10-15:15 Discussão. 15:15-15:25 Lentes esféricas versus lentes asféricas: como empregá-las adequadamente? 15:25-15:30 Discussão. 15:30-15:40 Lentes tri focais: como funcionam realmente? Vantagens? Desvantagens? 15:40-15:45 Discussão. 15:45-15:55 Como lidar com a insatisfação dos pacientes frente a erros refracionais pós operatórios? 15:55-16:00 Discussão. 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda CÓRNEA Transplantes de Córnea 14:30-14:40 Transplante lamelar anterior: aumentando as chances de sucesso no DALK. 14:40-14:50 Camada de Dua: Como ela influencia o transplante lamelar? 14:50-15:00 Transplante lamelar posterior: DSAEK, DMEK. Dicas e dificuldades. 15:00-15:10 Quebrando paradigmas no manejo das doenças endoteliais O que ha de novo? 15:10-15:20 Ainda existe espaço para o transplante penetrante? 15:20-15:30 Transplante de córnea em crianças: cuidados pré, intra e pós-operatórios. 15:30-15:40 Ceratoprótese: última opção? 15:40-16:00 Discussão.

7 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda Imagem em Retina: o que se pode esperar de informação? SALA 6 (ITAMARATI) 14:30-14:40 Retinografia e Retinografia contrastada. 14:40-14:45 Discussão de caso relacionado ao assunto. 14:45-14:55 Ecografia e UBM. 14:55-15:00 Discussão de caso relacionado ao assunto. 15:00-15:10 Tomografia de coerência óptica. 15:10-15:15 Discussão de caso relacionado ao assunto. 15:15-15:25 O que há de mais novo em exames da retina: agora e futuro. 15:25-15:30 Discussão de caso relacionado ao assunto. 07/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda OFTALMOLOGIA ESTÉTICA ESTÉTICA: COMO MELHORAR MEUS RESULTADOS SALA 8 (IMPERIAL) 14:30-14:40 Preenchedores: conhecendo melhor suas características, os tipos e os respectivos locais de aplicação. 14:40-14:50 Complicações de preenchimento: como conduzir? 14:50-15:00 Toxina Botulínica em estética facial: pontos avançados valem a pena? 15:00-15:10 Blefaroplastia superior: dicas que não estão nos livros. 15:10-15:20 Ptose de supercílio: como conduzir? 15:20-15:30 Opções estéticas na orbiopatia de Graves. 07/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda GLAUCOMA Cirurgias em casos de Glaucoma. SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 16:30-16:40 Quando indicar cirurgia em casos de Glaucoma Primário de Ângulo Aberto? 16:40-16:50 Quando indicar cirurgia em casos de Glaucoma Primário de Ângulo Fechado? 16:50-17:00 Como melhorar os resultados da trabeculectomia? 17:00-17:10 Novos procedimentos cirúrgicos. 17:10-17:20 Existe ainda espaço para Esclerectomia profunda não penetrante na era dos MIGS? 17:20-17:30 O que há de novo e recente nos implantes de drenagem? 17:30-17:40 Complicações tardias das cirurgias antiglaucomatosas. Como resolver? 17:40-17:50 Atualização em Glaucomas Congênitos. 17:50-18:00 Discussão. 07/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda REFRAÇÃO 16:30-16:45 Prescrição de óculos para crianças saudáveis. 16:45-17:00 Prescrição de óculos para crianças com ambliopia. 17:00-17:15 Prescrição de óculos para altas ametropias. 17:15-17:30 Prescrição de óculos nas anisometropias. 17:30-17:45 Prescrição de óculos para pacientes com ceratocone. 17:45-18:00 Causas de insatisfação com óculos prescrito.

8 07/07/ :30-18:00 h Casos clínicos e cirúrgicos. VIAS LACRIMAIS SALA 3 (QUELUZ 6) 16:30-16:35 Caso Clínico 01: Dacriocistocele. 16:35-16:45 Discussão. 16:45-16:50 Caso Clínico 02: Canaliculite. 16:50-17:00 Discussão. 17:00-17:05 Caso Clínico 03: Dacriocistite crônica. 17:05-17:15 Discussão. 17:15-17:20 Caso Clínico 04: Celulite associada com a via lacrimal. 17:20-17:30 Discussão. 17:30-17:35 Caso Clínico 05: Dacriocistite aguda. 17:35-17:45 Discussão. 17:45-17:50 Caso Clínico 06: Tumor de saco lacrimal. 17:50-18:00 Discussão. 07/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda CATARATA Casos especiais e complicações na faco emulsificação. SALA 4 (VERSAILLES 2) 16:30-16:40 Facectomia em pacientes portadores de retinopatia diabética e DMRI? é correto injeção de substâncias antiangiogênicas concomitantes com a facectomia? 16:40-16:45 Discussão. 16:45-16:55 Catarata intumescente. 16:55-17:00 Discussão. 17:00-17:10 Cirurgia de catarata com núcleo duro e catarata nigra. 17:10-17:15 Discussão. 17:15-17:25 Casos especiais com ajuda do laser de femtosegundo. 17:25-17:30 Discussão. 17:30-17:40 Conduta na ruptura da cápsula posterior. 17:40-17:45 Discussão. 17:45-17:55 Endoftalmite e TASS : como enfrentá-las? 17:55-18:00 Discussão. 07/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda CÓRNEA Ceratocone 16:30-16:40 Diagnóstico precoce do ceratocone: Como e qual a melhor maneira de fazer. 16:40-16:50 Ceratocone passo a passo. 16:50-17:00 Lente de contato escleral e semi escleral para ceratocone. 17:00-17:10 Otimizando resultados do implante de anel intra corneano com o LASER de Femtosegundo. (7 min aula + 3 min caso clínico) 17:10-17:20 Crosslinking para ceratocone: CXL acelerado versus tradicional. (7 min aula + 3 min caso clínico) 17:20-17:30 Tratamentos combinados: CXL e anel. (7 min aula + 3 min caso clínico) 17:30-17:40 Tratamentos combinados: PRK e CXL. (7 min aula + 3 min caso clínico) 17:40-18:00 Discussão.

9 07/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda Cirurgias e retina. SALA 6 (ITAMARATI) 16:30-16:40 Investigação da retina no pré- operatório da cirurgia da catarata. 16:40-16:45 Discussão de caso relacionado ao assunto. 16:45-16:55 Complicações retinianas na cirurgia do segmento anterior: o que fazer? 16:55-17:00 Discussão de caso relacionado ao assunto. 17:00-17:10 Vitrectomia: o que há de novo? 17:10-17:15 Discussão de caso relacionado ao assunto. 17:15-17:25 Cirurgias combinadas: segmento anterior e posterior. 17:25-17:30 Discussão de caso relacionado ao assunto. 07/07/ :30-17:00 h Casos Clínicos OFTALMOLOGIA ESTÉTICA COMPLICAÇÕES - CASOS ESTÉTICOS SALA 8 (IMPERIAL) 16:30-16:35 Caso :35-16:40 Discussão. 16:40-16:45 Caso :45-16:50 Discussão. 16:50-16:55 Caso :55-17:00 Discussão. 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda REFRAÇÃO 09:00-09:15 Refração subjetiva "padrão": como deve ser realizada. 09:15-09:30 Análise crítica da Refração automatizada versus Refração objetiva. 09:30-09:45 Prescrição de Prismas. 09:45-10:00 Ajuste das lentes nas armações: importância dos parâmetros técnicos. 10:00-10:15 Avaliação da acomodação e correção da presbiopia. 10:15-10:30 Prescrição de lentes progressivas. 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda ÓRBITA SALA 3 (QUELUZ 6) 09:00-09:15 Exérese de hemangiona cavernoso via endonasal. Palestrante: Miguel Soares Tepedino 09:15-09:30 D. de graves - diagnóstico e indicação cirúrgica. 09:30-09:45 D. de graves - abordagem cirúrgica. 09:45-10:00 Cirurgia da descompressão da bainha do nervo óptico. 10:00-10:15 Linfoma Orbitário e Óbito. 10:15-10:30 Discussão.

10 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda DIA A DIA DO CONSULTÓRIO / TEMA LIVRE SALA 4 (VERSAILLES 2) 09:00-09:05 Criança de 9 anos apresenta miopia de 1,50 esf. (AO) e insuficiência de convergência. Como conduzir este caso? 09:05-09:10 Discussão. 09:10-09:15 Paciente com 45 anos teve sua pressão ocular controlada após trabeculectomia por dois anos, com manutenção do campo visual, já com alterações importantes. Ao medir a pressão encontramos 25 mm Hg. Qual a conduta? 09:15-09:20 Discussão. 09:20-09:25 Em uso de Timolol + Brimolidina, PIO de 14 mm Hg e ângulo aberto necessita operar catarata. Como planejar a Cirurgia? 09:25-09:30 Discussão. 09:30-09:35 Mulher, branca, sem antecedentes de glaucoma apresenta PIO de 21 mm Hg em AO. Que sinais na papila são importantes para o diagnóstico de glaucoma? 09:35-09:40 Discussão. 09:40-09:45 SCF, com 60 anos apresenta membrana epi-retiniana em OD. Acuidade visual 20/40 JII e metamorfopsia. Devemos indicar cirurgia? 09:45-09:50 Discussão. 09:50-09:55 Paciente operado de glaucoma há 3 anos liga para o seu celular dizendo que a conjuntivite piorou e que agora está com dor e vendo só vultos. Qual a conduta? 09:55-10:00 Discussão. 10:00-10:05 Quando iniciar a fotocoagulação da retinopatia diabética? 10:05-10:10 Discussão. 10:10-10:15 Quando devemos indicar o Cross-linking? 10:15-10:20 Discussão. 10:20-10:30 Apresentação de Temas Livres. 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda REFRATIVA 09:00-09:15 Microceratomo vs Femtosegundo. 09:15-09:30 O que devemos saber sobre ablação de superfície. 09:30-09:45 Cirurgias Personalizadas. 09:45-10:00 Formas de rastreamento e centralização. 10:00-10:15 SMILE 10:15-10:30 Opções para a presbiopia. 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda CÓRNEA Propedêutica de Córnea SALA 6 (ITAMARATI) 09:00-09:10 Diagnóstico laboratorial das ceratites infecciosas. 09:10-09:20 Anatomia patológica. 09:20-09:30 Diagnóstico de olho seco. 09:30-09:40 Topografia computadorizada. 09:40-09:50 Tomografia de córnea. 09:50-10:00 O que há de novo na avaliação biomecânica da córnea? 10:00-10:10 OCT de segmento anterior. 10:10-10:20 Microscopia confocal. 10:20-10:30 Discussão.

11 08/07/ :00-10:30 h Mesa Redonda UVEÍTES SALA 7 (ALVORADA 2) 09:00-09:20 Antigas doenças, novos problemas ( sífilis, tuberculose, etc..) 09:20-09:35 Vasculites retinianas. 09:35-09:45 Apresentação de caso clínico. 09:45-10:00 Atualidades em VKH. 10:00-10:15 Avaliação multifocal em toxoplasmose. 10:15-10:25 Apresentação de caso clínico. 10:25-10:30 Discussão. 08/07/ :00-12:30 h Painel LENTE DE CONTATO 11:00-11:45 Painel 01: Hierarquia das lentes no ceratocone e córneas irregulares. 11:30-11:45 Discussão. 11:45-12:30 Painel 02: Controle da miopia e ortoceratologia. 08/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda ÓRBITA SALA 3 (QUELUZ 6) 11:00-11:15 Tema a ser definido. 11:15-11:30 Exenteração; dificuldades na indicação. 11:30-11:45 Tema a ser definido. 11:45-12:00 Fratura do Soalho da Órbita. 12:00-12:15 Tema a ser definido. 12:15-12:30 Invasive orbital basal cell carcinoma: the role of neoadjuvant vismodegib. 08/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda DIA A DIA DO CONSULTÓRIO / TEMA LIVRE SALA 4 (VERSAILLES 2) 11:00-11:05 Paciente apresenta ceratite dendrítica. Como tratar? 11:05-11:10 Discussão. 11:10-11:15 Paciente com 68 anos, muito detalhista, deseja operar catarata e não usar mais óculos. Qual a melhor conduta? 11:15-11:20 Discussão. 11:20-11:25 Diante de um edema macular diabético, quando optar pelo Laser de Micropulso? 11:25-11:30 Discussão. 11:30-11:35 Mulher branca com 54 anos vem ao seu consultório com pressão ocular OD=30mmHg e OE=22mmHg. No fundo do olho encontramos escavação 0.8 x 0.7 em AO e sinal de Hoyt em OD. Qual a conduta? 11:35-11:40 Discussão. 11:40-11:45 Quais são as características da ceratite fúngica e como tratar? 11:45-11:50 Discussão. 11:50-11:55 Que novidades temos em lentes de contato para ceratocone? 11:55-12:00 Discussão. 12:00-12:05 Paciente de 34 anos em uso de análogo de prostaglandina + maleto de timolol fica grávida. Qual a conduta? 12:05-12:10 Discussão de caso relacionado ao assunto. 12:10-12:15 Qual a melhor maneira de avaliar a flutuação e o pico da PIO? 12:15-12:20 Discussão. 12:20-12:30 Apresentação de Temas Livres.

12 08/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda REFRATIVA 11:00-11:15 Topografia vs Tomografia. 11:15-11:30 Entendo a biomecânica da córnea. 11:30-11:45 Ponderando os fatores de risco para ectasia. 11:45-12:00 PTK: quando e como? 12:00-12:15 O que há de novo em CXL. 12:15-12:30 O papel do OCT em cirurgia refrativa. 08/07/ :00-12:30 h Mesa Redonda UVEÍTES SALA 7 (ALVORADA 2) 11:00-11:20 Novas doenças, antigos problemas ( Ebola, Zika, Etc..). 11:20-11:35 Terapias biológicas para uveítes. 11:35-11:45 Apresentação de caso clínico. 11:45-12:00 Uveítes granulomatosas. 12:00-12:15 Terapêutica intraocular nas uveítes. 12:15-12:25 Apresentação de caso clínico. 12:25-12:30 Discussão. 08/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda NEUROFTALMOLOGIA 14:30-14:40 Apresentação dos palestrantes. 14:40-15:10 Movimentos oculares. 15:10-15:30 Neuropatias Ópticas Hereditárias. 15:30-15:50 OCT em Neuroftalmologia. 15:50-16:00 Miastenia Gravis. 08/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda VISÃO SUBNORMAL SALA 3 (QUELUZ 6) 14:30-14:40 Conceito e Classificação de VSN. 14:40-14:45 Discussão. 14:45-14:55 Eletrofisiologia e VSN. 14:55-15:00 Discussão. 15:00-15:10 VSN sem ser especialista. 15:10-15:15 Discussão. 15:15-15:25 Avaliação na infância. 15:25-15:30 Discussão. 15:30-15:40 Múltipla deficiência. 15:40-15:45 Discussão. 15:45-15:55 Estimulação precoce e integração pedagógica. 15:55-16:00 Discussão.

13 08/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda GLAUCOMA Com tantas novidades, como conduzir casos de glaucoma? SALA 4 (VERSAILLES 2) 14:30-14:40 E não era glaucoma! 14:40-14:50 Era glaucoma e não foi diagnosticado! 14:50-15:00 Era glaucoma secundário e foi tratado como primário! 15:00-15:10 O caso era cirúrgico... 15:10-15:20 Diagnóstico tardio de glaucoma congênito 15:20-15:30 Tratando o Glaucoma Secundário? 15:30-15:40 Driblando os efeitos secundários das drogas. 15:40-15:50 Casos para iridotomia? 15:50-16:00 Discussão. 08/07/ :30-16:00 h Casos Clínicos 14:30-15:15 Retinopatia diabética. 15:15-16:00 Degeneração macular relacionada à idade. 08/07/ :30-16:00 h Mesa Redonda OFTALMOPEDIATRIA SALA 7 (ALVORADA 2) 14:30-14:42 Zica - Achados Oculares. 14:42-14:48 Discussão. 14:48-15:00 Refração Casos Especiais. 15:00-15:06 Discussão. 15:06-15:18 Retinoblastoma O Que Mudou no Tratamento. 15:18-15:24 Discussão. 15:24-15:36 ROP O Que Mudou na Rotina. 15:36-15:42 Discussão. 15:42-15:54 Glaucoma Congênito O que Mudou no Diagnóstico e Tratamento. 15:54-16:00 Discussão. 08/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda NEUROFTALMOLOGIA 16:30-16:50 Hipertensão Intracraniana. 16:50-17:10 Neuromielite Óptica. 17:10-17:30 Neurites infecciosas. 17:30-17:50 Neuropatia Óptica Isquemica. 17:50-18:00 Perguntas. 08/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda VISÃO SUBNORMAL SALA 3 (QUELUZ 6) 16:30-16:40 Novo estatuto da deficiência visual. 16:40-16:45 Discussão. 16:45-16:55 Córnea e VSN. 16:55-17:00 Discussão. 17:00-17:10 DMRI e VSN.

14 17:10-17:15 Discussão. 17:15-17:25 Glaucoma e VSN. 17:25-17:30 Discussão. 17:30-17:40 17:40-17:45 Discussão. 17:45-17:55 Adaptação do consultório para VSN. 17:55-18:00 Discussão. 08/07/ :30-18:00 h Mesa Redonda GLAUCOMA Tratando o Glaucoma Secundário? SALA 4 (VERSAILLES 2) 16:30-16:40 Glaucoma Cortisônico. 16:40-16:50 Glaucoma Facomórfico e Facolítico. 16:50-17:00 Glaucoma Uveítico. 17:00-17:10 Glaucoma pseudoexfoliativo e pigmentar. 17:10-17:20 Glaucoma neovascular. 17:20-17:30 Glaucoma pós antiangiogênico e outras novas drogas. 17:30-17:40 Hipertensão no pós-operatório de catarata. 17:40-17:50 Drogas sistêmicas que podem causar o aumento da PIO. 17:50-18:00 Discussão. 08/07/ :30-18:00 h Casos clínicos e cirúrgicos. DOENÇAS DA CORIO 16:30-16:40 Caso :40-16:50 Caso :50-17:00 Caso :00-17:10 Caso :10-17:20 Caso :20-17:30 Caso :30-17:40 Caso :40-17:50 Caso :50-18:00 Caso /07/ :30-18:00 h Mesa Redonda OFTALMOPEDIATRIA SALA 7 (ALVORADA 2) 16:30-16:35 Alergia Ocular: como controlar. 16:35-16:45 Discussão. 16:45-16:50 Ambliopia como controlar. 16:50-17:00 Discussão. 17:00-17:05 Glaucoma: conduta pós operatória. 17:05-17:15 Discussão. 17:15-17:20 Catarata infantil conduta pós operatória. 17:20-17:30 Discussão. 17:30-17:35 Refração quando prescrever. 17:35-17:45 Discussão. 17:45-17:50 ROP: como acompanhar o tratamento. 17:50-18:00 Discussão.

15 09/07/ :30-11:30 h Casos Clínicos CATARATA PAINEL DE CASOS DESAFIADORES / CLÍNICOS E CIRÚRGICOS SALA 1 (QUELUZ 2 E 5) 09:30-09:40 Caso :40-09:50 Caso :50-10:00 Caso :00-10:10 Caso :10-10:20 Caso :20-10:30 Caso :30-10:40 Caso :40-10:50 Caso :50-11:00 Caso :00-11:10 Caso /07/ :30-11:30 h Mesa Redonda TRAUMA EM ESPORTE 09:30-09:50 Trauma no esporte. 09:50-09:52 Discussão. 09:52-10:12 Órbita e Vias Lacrimais. 10:12-10:14 Discussão. 10:14-10:34 Córnea. 10:34-10:36 Discussão. 10:36-10:56 Retina. 10:56-10:58 Discussão. 10:58-11:18 Deficiência Visual e Esporte. 11:18-11:20 Discussão. 09/07/ :30-10:30 h Mesa Redonda Medicina baseada em Evidência: Review de estudos clínicos relevantes e protocolos internacionais. 09:30-09:45 DMRI. 09:45-10:00 Diabetes. 10:00-10:15 Oclusão Vascular. 10:15-10:30 Discussão. 09/07/ :30-11:30 h Casos Clínicos CASOS CLÍNICOS CÓRNEA E REFRATIVA SALA 6 (ITAMARATI) 09:30-09:40 Caso Córnea. 09:40-09:50 Discussão. 09:50-10:00 Caso Refrativa. 10:00-10:10 Discussão. 10:10-10:20 Caso Córnea. 10:30-10:40 Caso Refrativa. 10:20-10:30 Discussão. 10:40-10:50 Discussão. 10:50-11:00 Caso Córnea. 11:00-11:10 Discussão. 11:10-11:20 Caso Refrativa.

16 11:20-11:30 Discussão. 09/07/ :30-11:30 h Casos Clínicos 10:30-10:40 Caso :40-10:50 Caso :50-11:00 Caso :00-11:10 Caso :10-11:20 Caso :20-11:30 Caso /07/ :00-13:00 h Painel Atualidades: o que há de novo? 09/07/ :00-14:00 h Casos Clínicos CASOS CLÍNICOS CÓRNEA E REFRATIVA SALA 6 (ITAMARATI) 12:00-12:10 Caso Córnea. 12:10-12:20 Discussão. 12:20-12:30 Caso Refrativa. 12:30-12:40 Discussão. 12:40-12:50 Caso Córnea. 12:50-13:00 Discussão. 13:00-13:10 Caso Refrativa. 13:10-13:20 Discussão. 13:20-13:30 Caso Córnea. 13:30-13:40 Discussão. 13:40-13:50 Caso Refrativa. 13:50-14:00 Discussão. 09/07/ :00-14:00 h Casos Clínicos Casos Desafiadores: Cirúrgicos.

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO. Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 12h00 Sala 02 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA REFRAÇÃO Sexta, dia 05 de novembro Das 08h00 às 11h30 Sala 01 Casos clínicos desafiadores Apresentações de casos clínicos de 10 minutos e 20 minutos de discussão com a platéia. 08h00

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE

ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE ESTADO DO CEARÁ CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAUDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE OFTALMOLOGIA LEIA COM ATENÇÃO TODAS

Leia mais

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: 00.181.085/0001-51 CNES: 3122786 OBJETO O presente Plano

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm)

Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) OFTALMOLOGIA ANATOMIA Topografia Retina Central ou Pólo Posterior (5 6mm) - Localizada entre arcadas vasculares temporais - Disco Óptico: saem fibras nervosas, entram artéria e veia central da retina

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão.

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. PRK O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. Técnica Cirurgia realizada na superfície da córnea, sem a necessidade de corte. Indicação Correção

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

Comissão de Ensino. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo - Refratometria

Comissão de Ensino. Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo - Refratometria Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia Currículo Mínimo - Refratometria * O presente currículo mínimo foi embasado no Manual do CBO de Óptica, Refração e Visão Subnormal e no currículo

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O MAIS COMPLETO E VERSÁTIL SISTEMA PARA REMODELAMENTO CORNEANO EXISTENTE NO MERCADO MUNDIAL. Keraring, segmento de anel corneano intra-estromal,

Leia mais

XIX Congresso Internacional da SBO 7 a 9 de julho de 2016 Rio de Janeiro - Windsor Barra Hotel PROGRAMA PRELIMINAR

XIX Congresso Internacional da SBO 7 a 9 de julho de 2016 Rio de Janeiro - Windsor Barra Hotel PROGRAMA PRELIMINAR XIX Congresso Internacional da SBO 7 a 9 de julho de 2016 Rio de Janeiro - Windsor Barra Hotel PROGRAMA PRELIMINAR Inscrições no site www.sbo2016.com.br TEXTO-CIRC3-rev.indd 1 1 02/06/2016 14:27:30 ÍNDICE

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 23. Recomendação TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA PARA AVALIAÇÃO DE DOENÇAS DA RETINA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. O Procedimento A Tomografia de Coerência

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA

1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA 1º JORNADA PAULISTA DE OFTALMOLOGIA REALIZAÇÃO: DEPTOS. DE OFTALMOLOGIA DAS FACULDADES: UNICAMP DE CAMPINAS, USP DE RIBEIRÃO PRETO E UNESP DE BOTUCATU. ORGANIZAÇÃO: CREATIVE SOLUTION AGÊNCIA DE PUBLICIDADE

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta (0,03%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente Pág. 1 de 7 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Trauma ocular Professora Chalita

Trauma ocular Professora Chalita Trauma ocular Professora Chalita Mais comum em homens do que mulheres. Mais comum em jovens. Pode ser classificado em: o Globo fechado (ou trauma contuso) Contusão (como um soco, por exemplo) Laceração

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2014 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos.

] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. ] ] ] O C.R.O. Centro de Referência em Oftalmologia amplia suas instalações e torna-se agora o primeiro Hospital de Olhos de Guarulhos. Responsável Técnico Dr. Helio Fugishima CREMESP 71.955 Centro Cirúrgico

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea NÚMERO: 18 TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea AUTORES: Nayara Nakamura Hirota¹, Eduardo Buzolin Barbosa¹, Renata Tiemi Kashiwabuchi² 1 Residente do terceiro

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável.

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável. Saúde Ocular Atitudes para uma visão saudável. O OLHO HUMANO Todos os sentidos do corpo humano são importantes, mas a visão é o que estimula grande parte das informações recebidas e interpretadas pelo

Leia mais

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina.

O descolamento de retina pode começar em uma pequena área, mas, quando não tratado, pode ocorrer descolamento de toda a retina. PRINCIPAIS DOENÇAS OCULARES DESCOLAMENTO DE RETINA Definição O descolamento de retina é a separação da retina da parte subjacente que a sustenta. A malha de nervos que constitui a parte sensível à luz

Leia mais

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa.

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa. Diretriz de Cirurgia Refrativa Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr Renato Ambrosio

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

Glaucoma. Trabalho de Biologia. Causas e Sintomas

Glaucoma. Trabalho de Biologia. Causas e Sintomas Trabalho de Biologia. Glaucoma Glaucoma é uma doença ocular que representa uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo. Aproximadamente, uma em cada cem pessoas acima de 40 anos tem sua

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O mais completo e versátil sistema para remodelamento corneano existente no mercado mundial. Keraring, segmento de anel corneano intraestromal,

Leia mais

DESENHO PRISMÁTICO KERARING SEGMENTOS DE ARCOS E ESPESSURAS VARIÁVEIS EXCLUSIVO

DESENHO PRISMÁTICO KERARING SEGMENTOS DE ARCOS E ESPESSURAS VARIÁVEIS EXCLUSIVO KERARING, segmento de anel corneano intraestromal, é um dispositivo de precisão implantado para correção de irregularidades da superfície corneana e redução de erros refracionais associados ao Ceratocone

Leia mais

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / OFTALMOLOGIA CLÍNICA 127 INSTRUÇÕES

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas?

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA QUESTÃO 21 Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? a) fluoreto de magnésio. b) poliuretano. c)

Leia mais

Córnea em debate. VII Reunião Temática do Serviço de Oftalmologia do Hospital de SãoSebastião

Córnea em debate. VII Reunião Temática do Serviço de Oftalmologia do Hospital de SãoSebastião Reportagem VII Reunião Temática do Serviço de Oftalmologia do Hospital de SãoSebastião Córnea em debate Serviço de Oftalmologia do Hospital S. Sebastião reuniu mais de 200 especialistas num encontro onde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 25, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 25, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 25 - Ano Opcional em Oftalmologia Nome do Candidato Caderno de Prova

Leia mais

Desta vida você não leva nada. Mas você pode deixar. Doe córneas. Doe novos horizontes para quem não pode ver.

Desta vida você não leva nada. Mas você pode deixar. Doe córneas. Doe novos horizontes para quem não pode ver. 46 Desta vida você não leva nada. Mas você pode deixar. Doe córneas. Doe novos horizontes para quem não pode ver. 47 CAMPANHA NACIONAL DE DOAÇÃO DE CÓRNEAS Desta vida você não leva nada. Mas você pode

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA QUESTÃO 16 O estímulo luminoso elaborado na superfície da retina percorre nesta ordem as seguintes estruturas até atingir o córtex visual: A) nervo óptico, quiasma óptico,

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013

DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA SANTA CASA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA 2013 Organização: Departamento de Oftalmologia e Centro de Estudos Jacques Tupinambá Objetivo: Atualização continuada em oftalmologia clínica e cirúrgica. Obrigatória para residentes, especializandos, fellows

Leia mais

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul

Fundo de Olho e Retinopatia Diabética. Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Fundo de Olho e Retinopatia Diabética Prof. Cláudia Gallicchio Domingues Universidade de Caxias do Sul Exame de Fundo de Olho Importância - Patologias nervo óptico, coróide e retina Doenças oculares e

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal

Exame de fundo de olho. Fundo de olho normal Fundo de olho normal cap. 04 Fundo de olho normal O exame de fundo de olho é o exame da retina, a qual é uma camada localizada na parte posterior do olho, formando a porção que cobre internamente toda

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho 9. TUMORES 1 9 - TUMORES Nevo coróide É o tumor mais comum da úvea. Benigno. Início muito cedo na vida. Cresce lentamente durante a puberdade. Alguns podem sofrer degenerescência maligna. SINTOMAS: Assintomático.

Leia mais

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD).

População pediátrica Não existe utilização relevante de ILUVIEN na população pediátrica na indicação de edema macular diabético (EMD). 1. NOME DO MEDICAMENTO ILUVIEN 190 microgramas implante intravítreo em aplicador. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada implante contém 190 microgramas de acetonido de fluocinolona. Lista completa

Leia mais

CERATOCONE. De acordo com a topografia detectada na vídeoceratoscopia, podemos ter 2 tipos de morfologia da ectasia corneana:

CERATOCONE. De acordo com a topografia detectada na vídeoceratoscopia, podemos ter 2 tipos de morfologia da ectasia corneana: Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE O ceratocone é uma distrofia da córnea em que ocorrem protusão e afinamento progressivos

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

Catarata: evolução do tratamento cirúrgico

Catarata: evolução do tratamento cirúrgico 1 Catarata: evolução do tratamento cirúrgico FERREIRA, João Maria. Docente do Curso de Medicina Unifeso. CAVALCANTI, Manoel Lima Hollanda. Estudante do curso de Medicina na instituição UNIFESO Palavras-chave:

Leia mais

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Medicina Baseada em Evidências Estatística Biomédica e Metodologia do Ensino Índices Prognósticos Arquitetura Hospitalar

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MILITARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Contratada Endereço Bairro Cidade Telefone Especialidade Serviços Consultar Centro de Atendimento Medico Ltda Av. Abilio Machado, nº 1933 Alipio de Melo Belo Horizonte 0 XX 31 3474 3469 Oftalmologia Consulta

Leia mais

3ª Edição. Você usa Óculos? Conheça. Lentes de Contato.

3ª Edição. Você usa Óculos? Conheça. Lentes de Contato. 3ª Edição Você usa Óculos? Conheça Lentes de Contato. Uma maneira confortável de enxergar Se você está pensando em usar Lentes de Contato, saiba que não está sozinho. Em torno de 2 milhões de brasileiros,

Leia mais

Cód. 17 Médico Oftalmologista

Cód. 17 Médico Oftalmologista PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 17 Médico Oftalmologista 1. Com relação à anatomia dos músculos extra-oculares, é correto afirmar que o: A) o músculo oblíquo

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 05/09

PARECER CREMEB Nº 05/09 Expediente Consulta n o 147.353/08 PARECER CREMEB Nº 05/09 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 05/03/2009) Assunto: Indicação de cirurgia refrativa para trabalhador que necessite de utilizar equipamento

Leia mais

INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA

INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA INSTITUTO PAULISTA DA VISÃO - IPEPO / SPDM / HOSPITAL SÃO PAULO CURSO DE TERAPÊUTICA EM OFTALMOLOGIA A G O S T O A D E Z E M B R O D E 2 01 5 O CURSO Ensino especializado, reunindo algumas das maiores

Leia mais

MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL)

MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL) MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL) Não há uma modificação importante relativamente à técnica de facoemulsificação standard. Só difere o tamanho da incisão entre 1,8 e 2,0 mm. Os padrões de irrigação/aspiração

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012

REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Circular 477/2012 São Paulo, 31 de outubro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTAÇÃO DA REDEFINIÇÃO DO PROJETO OLHAR BRASIL Diário Oficial da União Nº 211 Seção 1, quarta-feira, 31 de outubro

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 21/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: LENTE INTRAOCULAR - CATARATA

PARECER TÉCNICO Nº 21/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: LENTE INTRAOCULAR - CATARATA PARECER TÉCNICO Nº 21/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: LENTE INTRAOCULAR - CATARATA Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar

Leia mais

DR. EMIR AMIN GHANEM CRM 1076 RQE 793

DR. EMIR AMIN GHANEM CRM 1076 RQE 793 DR. EMIR AMIN GHANEM CRM 1076 RQE 793 APRESENTAÇÃO PROFISSIONAL Fez o curso primário no Grupo escolar Rui Barbosa, em Joinville, de 1952 a 1955. Fez seu curso colegial, 1º ciclo no Colégio e Internato

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A

C A D E R N O D E P R O V A C A D E R N O D E P R O V A Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de São José Concurso Público Edital 003/2015/GAB http://saudesaojose.fepese.org.br Instruções Confira o número que você obteve

Leia mais

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide DIA 17/3/2017 - SEXTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:30-10:00 RETINA - Encontro SBRV-SNNO 08:30-08:35 Abertura 08:35-08:55 A definir 08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF

Leia mais

Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda. Dr. Renato Ambrósio Jr

Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda. Dr. Renato Ambrósio Jr - 1 - Novos Aspectos do Pré Operatório de Cirurgia Refrativa: A importância da Análise da Frente de Onda Dr. Renato Ambrósio Jr O Dr. Renato Ambrósio Jr é pós graduando em nível de Doutorado na Universidade

Leia mais

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são:

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são: Transplante de Córnea: O que é e serve. para que O Transplante de Córnea é o transplante de órgãos mais realizado no mundo e também o de maior sucesso. Vamos aqui explicar o que é e como funciona essa

Leia mais

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00

3.16.02.30-4 Anestesia/Sedação para exames especificos R$ 360,00 4.01.01.01-0 ECG Convencional R$ 50,00 Consultas (1.01.01.00-4) 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) R$ 150,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) EDN R$ 300,00 1.01.01.01-2 Em consultório (horário normal) Anestesista R$ 110,00

Leia mais

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z

08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z DIA 16/3/2017 - QUINTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:00-10:30 CATARATA 1 - Cirurgia de catarata premium: de A a Z 1º Bloco: LIOs Tóricas 08:00-08:10 Dispositivo para aferição do alinhamento intraoperatório

Leia mais

LISTA DE EQUIPAMENTOS

LISTA DE EQUIPAMENTOS LISTA DE EQUIPAMENTOS 01 DUAS LÂMPADAS DE FENDA Utilizada para realização do exame de biomicroscopia, este equipamento serve para avaliação da córnea, câmara anterior, cristalino e vítreo anterior, sendo

Leia mais

ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES

ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES 1 of 12 02-Aug-06 09:38 PM ANEXO I ORIENTAÇÃO INTERNA/INSS/DIRBEN Nº 96/2004 ISÓPTERA HORIZONTAL AVALIAÇÃO MÉDICA PERICIAL EM DOENÇAS OCULARES Para Avaliação Médica Pericial em Doenças Oculares o médico

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA

ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA ESTUDOS CLÍNICOS E GENÉTICOS DO GLAUCOMA João Rafael Ferreira de Jesus Rosa Orientador: Dr. Rodrigo da Silva Santos Faculdade Alfredo Nasser E-mail: joaorafaelf94@gmail.com RESUMO O glaucoma é uma neuropatia

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica 1 Comunicação na Ótica Transformando complicadas características técnicas em convincentes argumentos de venda É verdade que estamos passando por uma fase da Óptica onde a informação tem sido a principal

Leia mais

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo 1. Especialidade: Oftalmologia 1.1. Pré-requisito - Seleção: Diploma de Médico, Registro no CRM e aprovação

Leia mais

Conheces a janela através da qual vês o mundo???

Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Pestanas : São filas de pêlos fininhos que saem das

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é fornecer informações sobre doenças e condições oculares

Leia mais

Estrutura do OLHO HUMANO:

Estrutura do OLHO HUMANO: ÓPTICA DA VISÃO Estrutura do OLHO HUMANO: É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem

Leia mais

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação 8 Teste do Olhinho TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação Quando estava grávida, descobri que, logo ao nascer, de preferência na maternidade, todo bebê deve fazer um exame

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra:

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 24/13 PARECER CFM nº 17/13 INTERESSADO: Dr. F.J.M.C ASSUNTO: Cirurgia bilateral no mesmo ato cirúrgico RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Não há elementos definitivos

Leia mais

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA EMBRIOGÊNESE DO APARELHO OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA ÓPTICA Profa. Dra. MARIA ANGÉLICA SPADELLA Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Cronologia do Desenvolvimento: Início do desenvolvimento:

Leia mais

Requisitos mínimos (Item 2.1 dos Editais 01, 02 e 03/2014)

Requisitos mínimos (Item 2.1 dos Editais 01, 02 e 03/2014) Requisitos mínimos (Item 2.1 dos Editais 01, 02 e 03/2014) CARGOS Farmacêutico Médico Anestesiologista Médico Clínico Geral Médico Obstetra* Doenças Externas Oculares* REQUISITOS MÍNIMOS (1) Graduação

Leia mais

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro Como avaliar o Astigmatismo Filomena Ribeiro Objectivo Emetropia Até onde podemos chegar em qualidade visual? Esfera Astigmatismo Aberrações de alta ordem Astigmatismo e catarata % 25 20 15 17,1 19,1 14,8

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Desta vez apresentamos uma testemunha muito especial. Trata-se do primeiro paciente ao que foi aplicado o tratamento de NewEyes Laser. A

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS USUÁRIOS DE LENTES DE CONTATO

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS USUÁRIOS DE LENTES DE CONTATO INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS USUÁRIOS DE LENTES DE CONTATO TIPOS DE LENTES Por Luiz Alberto Perez Alves Atualmente existem vários tipos de lentes de contato e podemos classificá-las pelo tempo de vida

Leia mais

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS.

EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO DE DEFICIÊNCIAS DECRETO Nº 5.296/04. NOTA TÉCNICA Nº 12/2007 CORDE/SEDH/PR.460/06 DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PGT/CCR/Nº 4570/2008 INTERESSADOS: EXPRESSO RODOVIÁRIO SÃO MIGUEL LTDA ASSUNTO: CONTRATAÇÃO DE PORTADORES DE DEFICIÊNCIA: MÍNIMO LEGAL EMENTA: VISÃO MONOCULAR. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais