Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal"

Transcrição

1 Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal 1 Introdução Antonio Sergio Ferraudo 1 Guilherme Moraes Ferraudo 2 Este trabalho apresenta estudos de série de precipitação mensal acumulada no tempo por duas abordagens na tentativa de gerar modelos de previsões mensais. Foi utilizada uma série obtida junto à Estação Meteorológica do Departamento de Ciências Exatas da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, SP, de 1998 a 2010 de registros diários de precipitação que originou a série acumulada mensalmente. O objetivo neste estudo foi testar o desempenho, para previsões, dos modelos de redes neurais artificiais e dos modelos SARIMA de Box e Jenkins [6]. Uma rede neural artificial (RNA) é um sistema de processamento de informação que tem como principal fonte de inspiração as redes neurais biológicas. Dentre os vários modelos existentes, um deles que possui elevada capacidade de aprender com os dados e generalizar o conhecimento obtido é o modelo de múltiplas camadas com retro-propagação do erro (RNMLP) [7] que é um modelo supervisionado [3]. Várias topologias foram testadas e aquela com desempenho satisfatório apresentou uma camada de entrada, duas internas com 6 neurônios cada uma e uma camada de saída. Os modelos SARIMA de Box-Jenkins são robustos e consagrados como modelos de previsão que apresentam uma generalização dos diversos métodos de análise de séries temporais [6]. Os resultados com as duas abordagens não teve como foco principal comparar modelos, mas sim motivar pesquisadores não só a utilizarem as redes neurais artificiais como modelos de previsão mas inserí-las no rol das abordagens já existentes. Dentre os vários modelos SARIMA testados, o modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12 apresentou melhor capacidade de predição para precipitação acumulada mensal em estudo. Os resultados com as redes neurais foram animadores e mostram ser abordagem promissora na criação de estruturas matemáticas para representar o passado e prever o comportamento do futuro para períodos curtos. 1 Professor Assistente Doutor do Departamento de Ciências Exatas da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, SP, Brasil. 2 Pesquisador da empresa Monsanto, Campinas, SP. 1

2 2 Material e Métodos A série de precipitação utilizada compreendeu o período de 1998 a 2010 e foi obtida junto à Estação Meteorológica do Departamento de Ciências Exatas da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, SP, situada na latitude 21º 14' 05S, longitude 48º 17' 09"W e altitude 615,01m. Ela contém registros diários de precipitação que originou a série acumulada mensalmente. 2.1 Redes Neurais Artificiais O modelo de rede neural processado foi o perceptron de múltiplas camadas (RNMLP) com retropropagação do erro [8]. As topologias das redes RNMLP testadas neste estudo foram compostas de uma camada de entrada, uma e duas camadas escondidas com quantidade de neurônios variando de 2 a 8 e uma camada de saída. A função de ativação armazenada nos neurônios das camadas internas da rede deve ser escolhida tal que seja não linear, limitada, monotônica e continuamente derivável em todos os seus pontos [3]. Neste estudo foi considerada a função tangente hiperbólica: O valor assumido na taxa de aprendizagem foi 0,3, o momento 0,9 e o número de ciclos A série compreendendo os anos de 1998 a 2009 foi utilizada na fase de treinamento das redes e o ano de 2010 utilizado na fase de validação. 2.2 Modelo SARIMA (Box e Jenkins) A metodologia Box e Jenkins é aplicada aos processos estocásticos que sejam estacionários [6]. Os modelos Autoregressivos Integrados de Médias Móveis (ARIMA) são representados por ARIMA (p,d,q) onde p é o número de parâmetros auto-regressivos, d a diferenciação a partir da série original para torná-la estacionária, q o número de parâmetros de médias móveis. Os valores de p e q podem ser estimados pelas funções autocorrelação (FAC) e função de autocorrelação parcial (FACP) [6]. Um modelo SARIMA é um modelo ARIMA que incorpora a componente sazonal em sua evolução. È representado por SARIMA(p,d,q)x(P,D,Q)s sendo sua forma compacta escrita assim: Φ(B s ) φ(b)(1 B) d (1 B s ) D X t = Θ(B s )θ(b)z t, onde, Φ(B s ) representam os coeficientes sazonais da autorregressão, Θ(B s ) representam os coeficientes sazonais das médias móveis, e (1 B s ) D o operador diferença de ordem D, para a diferenciação sazonal da série [6]. O erro quadrático médio foi utilizado para medir a qualidade dos modelos SARIMA e RNMLP testados. 3. Resultados e discussão 2

3 Dentre os modelos SARIMA ajustados, o modelo (1,0,1)(0,1,1) 12 foi o que proporcionou melhores previsões para o ano de Os gráficos (a) e (b) contidos na Figura 1 mostram a independência entre os resíduos caracterizados pelas funções de autocorrelação e autocorrelação parcial. Os parâmetros do modelo p(1) = 0,94172, q(1) = 0,98934 e Qs(1) = 0,64772 foram todos estatisticamente significativos (p < 0,05). 0,50 0,25 0,00-0,25-0,50 (a) Figura 1. Funções de autocorrelação e autocorrelação parcial dos resíduos do modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1)12. A topologia da rede RNMLP com melhor ajuste ficou composta de uma camada de entrada, duas camadas escondidas com seis neurônios cada uma e uma camada de saída. Observa-se na Figura 2 uma estreita diferença entre as curvas que representam as previsões obtidas com as redes perceptron de múltiplas camadas RNMLP e o modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12. O erro quadrático médio, na fase de treinamento, calculado com os resíduos do modelo SARIMA foi 5338,79 muito superior ao valor 218,33 calculado com os resíduos da rede RNMLP porém, o erro quadrático médio calculado com os resíduos das previsões do modelo SARIMA foi 1629,99 inferior ao valor 2094,13 obtido com os resíduos do modelo Função Autocorrelação Parcial dos resíduos 0,50 0,25 0,00-0,25-0,50 (b) neural RNMP. Assim, entre as duas abordagens aplicadas, o modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12 apresentou melhores previsões quando consideramos o erro quadrático médio como critério de decisão. 350 precipitação mensal acumulada (mm) ARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12 RNMLP valores observados -50 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Figura 2. Valores observados e as previsões obtidas com os modelos ARIMA (Box & Jenkins) e a rede neural de múltiplas camadas. 3

4 Os resultados com o modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12 foi o que apresentou melhores resultados entre os modelos testados e pode servir de referência para estudos de modelagem envolvendo séries de precipitação acumulada mensal. Em [10] os autores utilizaram uma série de precipitação acumulada mensal cujos registros se referem a região central do Rio Grande do Sul e compreendem o período de 1970 a 2006 sendo escolhido como melhor o modelo SARIMA (0,0,0)(0,1,1) 12. Relatam que os modelos propostos foram capazes de refletir a realidade e serão úteis para futuras tomadas de decisões. Em [4] os autores aplicaram os modelos SARIMA de Box e Jenkins a séries de precipitação diárias acumuladas trimestralmente de 160 estações meteorológicas, espacialmente distribuídas no território brasileiro, pertencentes ao Instituto Nacional de Meteorologia (INEMET). Selecionaram como melhores os modelos SARIMA(1,0,0)(0,1,1) 12 e SARIMA(1,0,0)(0,1,0) 12. Em [9] foram aplicadas redes neurais perceptron de múltiplas camadas em estudos envolvendo evapotranspiração de referência e obtiveram bom desempenho. Comentam que as RNA s podem ser incorporadas como integrante do conjunto de métodos indiretos para estimativa da evapotranspiração de referência, além de representar uma diminuição dos custos de aquisição de dados para estimativa desta variável. Em [2] os autores testaram o comportamento de redes neurais de mútiplas camadas na previsão da precipitação quinzenal utilizando um conjunto multivariado de dados climáticos com médias quinzenais de insolação, temperatura mínima, umidade relativa, radiação solar global, velocidade do vento, temperatura máxima e pressão atmosférica referente ao período de 1998 a Comentam, ser muito importante para a agricultura, ter previsões da precipitação para intervalos menores do que os mensais e mostraram o bom desempenho das redes neurais de múltipla camadas em que obtiveram uma correlação de 0,8337 entre valores estimados e valores observados na fase de treinamento e 0,7755 na fase de validação com erros quadráticos médios de 0,1342 e 0,0501 respectivamente. A rede neural perceptron de múltiplas camadas mostrou ser excelente ferramenta no mapeamento de entradas e saídas de séries mensais de precipitação. Os melhores resultados foram obtidos com duas camadas escondidas contendo 6 neurônios em cada uma. Foi possível verificar o bom desempenho e capacidade de generalização para modelos de previsão de séries de precipitação acumulada mensal. As previsões ficaram muito próximas das previsões obtidas com o modelo SARIMA (1,0,1)(0,1,1) 12. 4

5 O sucesso da aplicação das redes neurais perceptron de múltiplas camadas na modelagem de dados se destacam sob dois aspectos: essa abordagem vem complementar as já existentes permitindo novas possibilidades na criação de modelos combinados e ser uma modelagem bem mais simples do que os sofisticados modelos de Box e Jenkins. Conclusões O modelo SARIMA, considerando as estimativas de precipitação acumulada mensal, apresentou resultados mais satisfatórios do que aqueles calculados com a rede neural perceptron de múltiplas camadas, porém, em relação às previsões, o modelo SARIMA apresentou resultados mais satisfatórios. Foi possível verificar o bom desempenho e capacidade de generalização para modelos de previsão de séries de precipitação acumulada mensal da rede neural perceptron de múltiplas camadas com retroprogação do erro. Referências [1] CYBENKO, G. Approximation by superposition of a sigmoidal function. Math. Control Systems Signals, v.2,p , [2] FERRAUDO.A.S., VASCO, L.F.G.; FERRAUDO, G.M.; CORTEZ, G.E.P.; CERÓN, M.F. Utilização de modelos de redes neurais para predição da precipitação pluvial para períodos quinzenais. Maringá, 56ª RBRAS e 14 SEAGRO, [3] HAYKIN, S. Redes Neurais, Princípios e Prática. 2 a. ed., Porto Alegre: Ed. Bookman, 900 p, [4] LÚCIO, P.S., SILVA, F.D.S, FORTES, L.T.G., SANTOS, L.A.R., FERREIRA, D.B., SALVADOR M.A., BALBINO, H.T., SARMANHO, G.F., SANTOS, L.S.F.C., LUCAS E.W.M., BARBOSA, T.F., DIAS, P.L.S. Um modelo estocástico combinado de previsão sazonal para a precipitação no Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia, v.25, n.1, p.70-87, [5] McCULLOCH, W.S., PITTS, W. Pitts. A logical calculus of the ideas immanent in nervours activity. Bullettin of Mathematical Biophysics. v.5, p , [6] MORETTIN, P. Econometria financeira. 1ª. Ed., São Paulo: Ed. Blucher,,v1,319p, [7] RUMELHART, D.E., HINTON, G.E., WILLIAMS, R.J. Learning internal representations by error propagation. In D.E. Rumelhart, J.L. McClelland (Eds.), Parallel Distributed Processing, v1. Cambridge, MA: MIT Press., 1986 [8] RUMELHART, D. E. and J. L. McClelland. Parallel Distributed Processing. v.1, The MIT Press, [9] SOBRINHO, T.A., RODRIGUES, D.B.B, OLIVEIRA, P.T.S., REBUCCI, L.C.S., PERTUSSATTI, C.A. Estimativa da evapotranspiração de referência através de redes neurais artificiais. São Paulo, Rev. Bras. Meteorol.,v.26, n.2, p , 2011 [10] SOUZA, A.M., GEORGEN, FERRAZ, S.E.T. FERRAZ. Previsão de precipitação e temperatura em Santa Maria por meio de um modelo estatístico. Ciência e Natura, UFSM, 31(1), p 49-64,

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Núbia da Silva Batista ¹ Cássio Pinho dos Reis ² Flávia Ferreira Batista ² 3 Introdução Inaugurado

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E MODELO DE MARKOWITZ: COMPARANDO TÉCNICAS QUE APÓIAM A TOMADA DE DECISÃO NOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES.

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E MODELO DE MARKOWITZ: COMPARANDO TÉCNICAS QUE APÓIAM A TOMADA DE DECISÃO NOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES. REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E MODELO DE MARKOWITZ: COMPARANDO TÉCNICAS QUE APÓIAM A TOMADA DE DECISÃO NOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES. Paulo Henrique Kaupa (Uninove) paulo.kaupa@gmail.com Renato Jose Sassi (Uninove)

Leia mais

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1 ISSN 1413-6244 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rua XV de Novembro,

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS Mecánica Computacional Vol XXIX, págs 9169-9175 (artículo completo) Eduardo Dvorkin, Marcela Goldschmit, Mario Storti (Eds) Buenos Aires, Argentina, 15-18 Noviembre 2010 RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

E-mail: rbrunow@uss.br

E-mail: rbrunow@uss.br ! " # $! &%'! ()*) ( +!, -,./!, ' *3.45 6 3 7 3 8 3 *3.49: 3 8 *- ; ,?3. @*

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Moreira Batista Higor Fernando Manginelli PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho apresentado para a disciplina Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da

Leia mais

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Ana Julia Righetto 1 Luiz Ricardo Nakamura 1 Pedro Henrique Ramos Cerqueira 1 Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 2 Taciana Villela Savian

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA?

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? Rejane Corrêa da Rocha 1, Thelma Sáfadi 2, Luciane Texeira Passos Giarola 3 INTRODUÇÃO É considerado doador todo o cidadão que

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Alexandre Pinhel Soares 1 André Pinhel Soares 2 Abstract : The temperature monitoring is a quasi-continuous and judicious task that gives a

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Talita Tanaka Fernandes Jacqueline Meneguim Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 3 Luiz Ricardo Nakamura Introdução

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL RADIAÇÃO SOLAR: CONSTRUÇÃO DO ANO DE REFERÊNCIA PARA ALGUMAS CIDADES NO BRASIL Mario. Macagnan - mhmac@euler.unisinos.br

Leia mais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Elisângela Lopes de Faria (a) Marcelo Portes Albuquerque (a) Jorge Luis González Alfonso (b) Márcio Portes Albuquerque (a) José

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações.

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 20 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE REDES

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE ANÁLISE DOS DADOS DE TEMPERATURA PARA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DO METODO DE THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE Ana Lígia Chaves Silva José Roberto Gonçalves

Leia mais

A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO

A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO Ref: CLME 211_75A A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO João Paulo Teixeira* 1, Paula Odete Fernandes 2 1 Escola Superior

Leia mais

Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal

Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal Juliana Aparecida Anochi Instituto Nacional

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Curso: Informática Disciplina: Redes Neurais Prof. Fernando Osório E-mail: osorio@exatas.unisinos.br EXEMPLO DE QUESTÕES DE PROVAS ANTIGAS 1. Supondo que

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS

ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS Maria de Lourdes Lima Bragion 1, Nivaldo Bragion 2,

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos

de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos Descrição da precipitação pluviométrica no munícipio de Piracicaba-SP: uma abordagem comparativa por meio de modelos probabilísticos Idemauro Antonio Rodrigues de Lara 1 Renata Alcarde 2 Sônia Maria De

Leia mais

ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS DAS INTERNAÇÕES POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA, RS, NO PERÍODO DE 2006 A 2009.

ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS DAS INTERNAÇÕES POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA, RS, NO PERÍODO DE 2006 A 2009. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO HÉLITON PANDORFI 1 IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA 2 JEFFERSON

Leia mais

Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins

Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins Olga Maria Formigoni Carvalho Walter (PPGEP/UFSC) Elisa Henning (UDESC) Rodrigo Gabriel de Miranda (PPGEP/UFSC) Robert

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB

Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB Victoria Yukie Matsunaga Belém-Pará-Brasil 2012 Esta apostila tem como principal objetivo fornecer um material de auxílio ao Curso de Redes Neurais utilizando

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Previsão de Falhas em Manutenção Industrial Usando Redes Neurais

Previsão de Falhas em Manutenção Industrial Usando Redes Neurais 1 Previsão de Falhas em Manutenção Industrial Usando Redes Neurais 2 Rubião Gomes Torres Júnior 1 Maria Augusta Soares Machado, Dsc,1 Jorge Muniz Barreto rubtor@attglobal.net mmachado@ibmecrj.br barreto@inf.ufsc.br

Leia mais

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi Estado da Arte da Modelagem Climática no Brasil COPPE/UFRJ- RJ Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros Marcio Cataldi Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Universidade Federal

Leia mais

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais.

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais. 80,7(0$'(9, 23$5$5(&21+(&,0(172'(3(d$(080 7$%8/(,52'(;$'5(= Sérgio Faustino Ribeiro Juracy Emanuel M. da França Marcelo Alves de Barros José Homero Feitosa Cavalcanti Universidade Federal da Paraíba CCT/COPIN/NEUROLAB-CT/DTM

Leia mais

Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais. Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais

Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais. Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais IAG MASTER EM DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2006 Fundamentos de Economia de Energia Mônica Barros, D.Sc. Aula 3 10/06/2006 Uma visão gerencial da Estatística e Séries Temporais Séries Temporais Interpretação

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Elaborado pelo Departamento de Pesquisa - AABIC CONSIDERAÇÕES JUNHO DE 2015 No mês de junho, o IPEVECON registrou variação positiva de 0,72%,

Leia mais

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Vanderlei Santos de Souza 1 Blas Henrique Cabalero Nuñes 2 Alexandre Nascimento

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul

Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul Ciência Rural, Santa Maria, Previsão Online do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul. ISSN 003-8478 Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul Forcasting

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco

Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco 23 Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco Maria Cristina Canavarro Teixeira Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal ccanavarro@ipcb.pt Sumário

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO)

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO) SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃOGERAL DE PRODUTOS (CGPRO) COORDENAÇÃO DE ESTUDOS, PROJETOS E ESTATÍSTICA (COEST) 2º RELATÓRIO DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

Modelos Sazonais. Aula 06. Bueno (2011) Seção 3.11 Enders, 2004 Capítulo 2 Morettin (2011) Seção 3.6 Morettin e Toloi, 2006 Capítulo 10

Modelos Sazonais. Aula 06. Bueno (2011) Seção 3.11 Enders, 2004 Capítulo 2 Morettin (2011) Seção 3.6 Morettin e Toloi, 2006 Capítulo 10 Modelos Sazonais Aula 06 Bueno (2011) Seção 3.11 Enders, 2004 Capítulo 2 Morettin (2011) Seção 3.6 Morettin e Toloi, 2006 Capítulo 10 Introdução Muitas séries econômicas podem apresentar uma componente

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Uso de séries temporais na análise da temperatura média mensal da cidade de Mossoró, RN

Uso de séries temporais na análise da temperatura média mensal da cidade de Mossoró, RN Uso de séries temporais na análise da temperatura média mensal da cidade de Mossoró, RN Ben Dêivide de Oliveira Batista 1 2 Tales Jesus Fernandes 2 Thelma Sáfadi 2 Wesley de Oliveira Santos 3 1 Introdução

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. Deydila Michele Bonfim SANTOS 1 Thalyta Soares dos SANTOS 2, Allan Rodrigues SILVA 3, José Clênio Ferreira de OLIVEIRA

Leia mais

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br A geração eólica depende diretamente da velocidade do vento. A velocidade do vento

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO)

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO) SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO) COORDENAÇÃO DE ESTUDOS, PROJETOS E ESTATÍSTICA (COEST) 1º RELATÓRIO DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial André Ricardo Gonçalves; Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Laboratório Protem Departamento

Leia mais

Um Estudo da Série de Vendas de Automóveis no Brasil através de Métodos Clássicos de Previsão de Demanda

Um Estudo da Série de Vendas de Automóveis no Brasil através de Métodos Clássicos de Previsão de Demanda Um Estudo da Série de Vendas de Automóveis no Brasil através de Métodos Clássicos de Previsão de Demanda Autoria: André Assis de Salles, Paula Evaristo Arantes, Carolina Campos Tavares A necessidade de

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTACAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DISCIPLINA: REDES NEURAIS PROFESSOR: MARCOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS

AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS Naisy Silva Soares Doutoranda em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

DETECÇÃO DE INTRUSÕES BASEADA EM USER PROFILING E REDES NEURAIS

DETECÇÃO DE INTRUSÕES BASEADA EM USER PROFILING E REDES NEURAIS DETECÇÃO DE INTRUSÕES BASEADA EM USER PROFILING E REDES NEURAIS Paulo Henrique Pisani 1, Silvio do Lago Pereira 2 1 Aluno do curso de Especialização em Análise e Projetos de Sistemas da FATEC-SP 2 Prof.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES ESTATÍSTICOS DAS EQUAÇÕES DE REGRESSÃO PARA ESTIMATIVA DOS VALORES NORMAIS MÉDIOS, MENSAIS E ANUAL, DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS, MÍNIMAS E MÉDIAS, NOS ESTADOS DE GOIÁS, MATO

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS

PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS 1 William Hajime Yonenaga e 2 Reginaldo Santana Figueiredo 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2 Departamento de Engenharia de Produção

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GIRO DE ESTOQUE GIRO DE ESTOQUE Indica quantas vezes o estoque é utilizado em determinado período. ROTATIVIDADE/GIRO = ((CONSUMO) / (ESTOQUE MÉDIO)) Ex01 - Um pequeno especialista

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO ERLAN SILVA DE SOUSA 1, ROBERTA ARAÚJO E SILVA 2, GIRLENE FIGUEIREDO MACIEL 3, RONES GOMES NUNES 4, FRANK WYLHA LIMA

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estudos Comparativos Recentes - Behavior Scoring Roteiro Objetivo Critérios de Avaliação

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

EXERCÍCIO: R: 12.000 / 12,00 = 1.000 quotas

EXERCÍCIO: R: 12.000 / 12,00 = 1.000 quotas 1- Um senhor resolveu investir num Fundo de investimento, informou-se sobre o valor da ação e entregou seu dinheiro sob responsabilidade da administração do fundo. Ele tinha R$ 12.000,00 e o valor da ação

Leia mais