IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / IC Inteligência Computacional Redes Neurais Antonio G. Thomé Redes Neurais São modelos computacionais que, através de um conjunto de elementos de processamento muito simples (atuando como neurônios), altamente conectados e processando em paralelo, são capazes de: gerar seu próprio conhecimento (aprender); reconhecer e classificar padrões (formas); generalizar o conhecimento adquirido. Redes Neurais não são programadas para solucionar um problema elas aprendem sozinhas a solucionar um tipo de problema. 2 1

2 Capacidade de Aprendizado autônomo Inteligência São inspiradas no modelo biológico do cérebro humano 3 Redes Neurais serão autônomas? O.k., and now you ll do exactly what I m telling you! 4 2

3 O Que é Inteligência? É a faculdade de aprender, compreender e adaptarse. É agudeza de raciocínio e perspicácia Aurélio Buarque de Holanda Componentes dod processo ypercepção yreconhecimento de Padrões yaprendizagem yraciocínio yconhecimento 5 Inteligência Inteligência Artificial Sistemas Especialistas Agentes Inteligentes Lógica Nebulosa Algoritmos Genéticos Redes Neurais Inteligência Computacional 6 3

4 John MacCarthy Standford, 1956 Década 60 Tradicional Novas Abordagens Entendimento e Compreensão Percepção James Bezdek 1981 Raciocínio Simbólico Lógica Tradicional Processamento Numérico Comparação de Padrões 7 Conhecimento Explícito Aprendizado Inteligência Artificial Atua nos níveis mais elevados de inteligência. Inteligência Computacional: Atua nos níveis mais básicos de inteligência. ypercepção yreconhecimento de Padrões yaprendizagem yraciocínio yconhecimento 8 4

5 Inteligência Computacional ypercepção yreconhecimento de Padrões yaprendizagem Lógica não tradicional Conceitos de Seleção das Espécies Conceitos Imunológicos Redes Neurais (Neuronais) Sistemas Nebulosos Algoritmos e Programação Genética Sistemas Imunológicos 9 Inteligência Conhecimento adquirido formalizado armazenado + formalizado Raciocínio induzido formal intuitivo espontâneo percepção Aprendizagem voluntária formal informal involuntária adestramento generalização 10 5

6 Conhecimento Conhecimento se refere a informação armazenada ou a modelos utilizados por uma pessoa ou máquina para interpretar, prever e responder apropriadamente a estímulos do mundo exterior. 11 Como pode ser representado? Conhecimento Nos primórdios da computação? integrado ao hardware - fixo Nas primeiras máquinas programáveis? agregado ao hardware genérico integrado ao software - implícito 12 6

7 Como pode ser representado? Nos modelos de IA - Sistemas Especialista agregado ao software explícito bases de conhecimento Conhecimento Nos modelos de IC Redes Neurais agregado ao hardware e ao software aprendido pelo próprio modelo 13 Redes Neurais São modelos computacionais que, através de um conjunto de elementos de processamento muito simples (atuando como neurônios), altamente conectados e processando em paralelo, são capazes de: gerar seu próprio conhecimento - aprendizado; reconhecer e classificar padrões - percepção; generalizar o conhecimento adquirido - conhecimento. Redes Neurais não são programadas para solucionar um problema elas aprendem sozinhas a solucionar um tipo de problema. 14 7

8 Redes Neurais Breve História X Y 15 Breve Histórico McCulloch e Pits Rosemblat Bernard Widrow Minsky e Papert John Hopfield Rumelhart ????? Estudo do Neurônio O Perceptron Filtros Adaptativos Crítica aos Perceptrons Resgata Interesse em RNs Alg. Backpropagation 16 8

9 1943: trabalho pioneiro de McCulloch e Pitts McCulloch: psiquiatra e neuroanatomista Pitts: matemático descrição do modelo formal de um neurônio acreditavam que um número suficiente de neurônios atuando de forma adequada poderiam, a princípio, computar qualquer função computável 1949: Hebb publica o livro The Organization of Behavior formulação da primeira regra de aprendizagem Histórico 1958: Rosemblat propõe o Perceptron como um método inovador de aprendizagem supervisionada demonstração do teorema da convergência : Widrow e Hoff descrevem o ADALINE (ADAptative LINear Element ) formulação da regra delta Histórico 1969: Minsky e Papert demonstram as limitações do Perceptron aplicável apenas a problemas linearmente separáveis Década de 1970: adormecimento das pesquisas em redes neurais livro de Minsky e Papert 18 9

10 Histórico 1982: Hopfield publicou um estudo sobre as propriedades associativas das redes neurais relação entre redes recorrentes e sistemas físicos 1986: Rumelhart, Hinton e Williams desenvolvem o algoritmo backpropagation formulação da regra delta generalizada 1988: Broomhead e Lowe descrevem um procedimento para o projeto de redes utilizando funções de base radial 19 O PARADIGMA DAS REDES NEURAIS 20 10

11 O que são Redes Neurais? São modelos computacionais que emulam a estrutura e o funcionamento do cérebro humano. Características mais relevantes Aprendizagem Reconhecimento de Padrões Representação do Conhecimento Generalização Paralelismo 21 Características dos Modelos Neurais São construídos, não programados. Geram seu próprio conhecimento aprendem. Oferecem soluções aproximadas, não exatas. Oferecem soluções que podem ou não estar corretas. Não são aplicáveis a qualquer problema. Generalizam o conhecimento apreendido

12 Conhecimento Problema Banco de Dados Modelos Procedimentos 23 Dados Históricos Aprende Sistemas Convencionais Identificar o Problema; Entender o Problema; Formular um Procedimento Lógico de Solução; Implementar o Procedimento de Solução; Testar e Corrigir o Modelo; Coletar / Organizar / Formatar Dados; Executar o Modelo. Conhecer e ser capaz de conceber a solução 24 12

13 Como proceder quando? não se conhece um procedimento de solução, ou a solução é muito complexa, ou os critérios de decisão são imprecisos, ou os dados são incompletos, ou são afetados por perturbações aleatórias, ou não possuem uma forma (padrão) definido. 25 Mapeamento desconhecido inconsistência ambigüidade idade invariância ruído ruído Percevejo Abelha Marimbondo CLASSIFICAÇÃO 26 13

14 Tendências das Aplicações Complexas Sistemas Inteligentes com capacidade de processamento Convencional e Adaptativo 27 Classes de Problemas Para Redes Neurais 28 14

15 Classificação Busca por uma função que consiga classificar automaticamente objetos em uma dentre um conjunto finito e pré-definido de classes. A construção do modelo segundo esta estratégia, pressupõe o conhecimento prévio das possíveis classes e a correta classificação dos exemplos usados na modelagem. 29 Exemplo: em análise de risco - classificar um potencial cliente entre as categorias de excelente, bom ou mau pagador. Categorização (Clustering) Consiste na busca de similaridades entre os dados tal que permita definir um conjunto finito de classes ou categorias que os contenha e os descreva. A principal diferença entre esta abordagem e classificação é que em agregação não se tem conhecimento prévio sobre o número de classes possíveis nem a possível pertinência dos exemplos usados na modelagem. Descobrir grupos homogêneos de clientes é uma das possíveis aplicações e pode ser usada para ajudar na definição da estratégia de marketing a ser adotada

16 Reconhecimento Consiste na associação do padrão corrente ao padrão representativo de uma e somente uma entidade previamente armazenada em memória. Uma das formas mais conhecida de reconhecimento é, por exemplo, o reconhecimento de locutor. 31 Previsão Envolve uma componente temporal, isto é, representa aquela classe de problemas nos quais estamos interessados em prever o comportamento ou valor futuro de uma determinada variável com base em valores anteriores desta mesma variável (mono-variável) ou em valores anteriores da variável de interesse e de outras variáveis (multivariável)

17 Previsão e realização nem sempre saem como planejado. Come Vamos on! It lá, can t não go podemos wrong every errar time... todas Etapas de um Projeto com aplicação de Redes Neurais 34 17

18 Pre Dados Históricos Descritores análise seleção preparação Construção da rede Treinamento Teste e Validação erro professor par Fixa Arquitetura For mat Saída açã o açã o Produção Dados Correntes 35 A Escolha dos Descritores A escolha dos atributos é fundamental Qual é o meu? 36 18

19 Representação e Interpretação das Saídas da Rede Neural 37 19

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO TÉCNICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FAETERJ Petrópolis Área de Extensão PLANO DE CURSO

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO TÉCNICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FAETERJ Petrópolis Área de Extensão PLANO DE CURSO FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENINO TÉCNICO DO ETADO DO RIO DE JANEIRO PLANO DE CURO 1. Identificação Curso de Extensão: INTRODUÇÃO AO ITEMA INTELIGENTE Professor Regente: José Carlos Tavares da ilva Carga Horária:

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL Capítulo 10 GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 10.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento?

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento? 2. Quais são as aplicações

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Redes Neuronais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais

Redes Neuronais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais. Redes neuronais artificiais Redes neuronais artificiais Surgiram nos anos 40 com o objectivo de conhecer melhor o cérebro humano e emular o seu comportamento. Departamento de Matemática Universidade dos Açores Redes Neuronais Introdução

Leia mais

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Revisão Inteligência Artificial ENADE Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Representação conhecimento É uma forma sistemática de estruturar e codificar o que se sabe sobre uma determinada aplicação (Rezende,

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Curso: Informática Disciplina: Redes Neurais Prof. Fernando Osório E-mail: osorio@exatas.unisinos.br EXEMPLO DE QUESTÕES DE PROVAS ANTIGAS 1. Supondo que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO MÁQUINAS DE COMITÊ APLICADAS À FILTRAGEM DE SPAM Monografia submetida à UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA para a obtenção do grau de BACHAREL

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Redes Neurais Artificiais

Redes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Inteligência Artificial Prof. Cedric Luiz de Carvalho Instituto de Informática UFG 2006 2/164 Tópicos Introdução Redes Neurais Humanas O que são Redes Neurais Artificiais Características

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 12 Aprendizado de Máquina Agentes Vistos Anteriormente Agentes baseados em busca: Busca cega Busca heurística Busca local

Leia mais

Inteligência Computacional [2COP229]

Inteligência Computacional [2COP229] Inteligência Computacional [2COP229] Mestrado em Ciência da Computação Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br (2/24) Tema Aula 1 Introdução ao Reconhecimento de Padrões 1 Introdução 2 Componentes clássicos da

Leia mais

Inteligência Computacional Redes Neurais 2003/2

Inteligência Computacional Redes Neurais 2003/2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Ciência da Computação Inteligência Computacional Redes Neurais 2003/2 Antonio Carlos Gay Thomé - 3268 thome@nce.ufrj.br www.equipe.nce.ufrj.br/thome

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças)

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças) Paradigmas da IA Paradigmas da IA Simbólico: metáfora lingüística/lógica Sistemas de produção Conexionista: metáfora cérebro Redes neurais Evolucionista: metáfora teoria da evolução natural Algoritmos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Redes Neurais Artificiais

Redes Neurais Artificiais Indrodução às Redes Neurais Artificiais Jorge M. Barreto Laboratório de Conexionismo e Ciências Cognitivas UFSC -Departamento de Informática e de Estatística 88040-900 - Florianópolis - SC e-mail: barreto@inf.ufsc.br

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005 Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 1 - Apresentação do Professor: dados, lista de E-mail s, etc. - Apresentação da Turma: Estatística sobre origem dos alunos para adaptação do curso - Apresentação

Leia mais

Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s.

Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s. Análise do Perceptron Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s. O neurônio de saída tem limiar b, de maneira

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

REDES NEURAIS - UMA FERRAMENTA PARA KDD E DATA MINING

REDES NEURAIS - UMA FERRAMENTA PARA KDD E DATA MINING REDES NEURAIS - UMA FERRAMENTA PARA KDD E DATA MINING Antonio Carlos Gay Thomé SUMÁRIO Introdução 4 Data Warehouse 6 Data Mart 9 KDD Knowledge Discovery 11 Data Mining 13 Principais Objetivos de um Data

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc. Saulo Popov Zambiasi (saulopz@gmail.com) 11/07/08 10:25 Informação - ICPG - Criciuma - SC 1 Informação - ICPG - Criciuma -

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java com em Java Luiz D Amore e Mauro Schneider JustJava 2009 17 de Setembro de 2009 Palestrantes Luiz Angelo D Amore luiz.damore@metodista.br Mauro Ulisses Schneider mauro.schneider@metodista.br http://blog.mauros.org

Leia mais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais Curso de Especialização em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Aulas Práticas no Matlab João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Matlab Objetivos:

Leia mais

Curso Intensivo. Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias

Curso Intensivo. Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias Curso Intensivo Merchandising - Formação Avançada e Gerenciamento de Produtos por Categoria em Farmácias O EaDPLUS é um dos melhores portais de cursos à distância do Brasil e conta com um ambiente virtual

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia Engenharia de Software I Prof. André Castro Garcia 1. Introdução 1.1 A IMPORTÂNCIA DO SOFTWARE Nas primeiras décadas da era do computador, o principal desafio era desenvolver um hardware que reduzisse

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estudos Comparativos Recentes - Behavior Scoring Roteiro Objetivo Critérios de Avaliação

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

3. REDES DE CAMADA ÚNICA

3. REDES DE CAMADA ÚNICA 3. REDES DE CAMADA ÚNICA Perceptron Forma mais simples de RN Utilizado para classificação de padrões (linearmente separáveis) Consiste em um único neurônio, com pesos sinápticos ajustáveis e bias 3.1 Funções

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. As origens da RNA... 3. 3. O nosso cérebro... 5. 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5

1. Introdução... 2. 2. As origens da RNA... 3. 3. O nosso cérebro... 5. 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5 Sumário 1. Introdução... 2 2. As origens da RNA... 3 3. O nosso cérebro... 5 3.1. Plasticidade e modulação sináptica... 5 4. As redes neurais artificiais... 7 4.1. Estrutura da RNA... 7 4.3. Modelos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Fabrício Enembreck PPGIA Programa de Pós-Graduação em Informática Aplicada 1 Definições de Inteligência Artificial estudo de como fazer os computadores realizarem coisas que, atualmente,

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema Sistema: Conceito primitivo (intuitivo) Tentativas de definição: Agregação ou montagem de coisas, combinadas pelo homem ou pela natureza de modo a formar um todo unificado. Grupo de itens interdependente

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining

Gestão da Informação. Gestão da Informação. AULA 3 Data Mining Gestão da Informação AULA 3 Data Mining Prof. Edilberto M. Silva Gestão da Informação Agenda Unidade I - DM (Data Mining) Definição Objetivos Exemplos de Uso Técnicas Tarefas Unidade II DM Prático Exemplo

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é?

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é? KDD Conceitos o que é? Fases limpeza etc Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS TAREFAS PRIMÁRIAS Classificação Regressão Clusterização OBJETIVOS PRIMÁRIOS NA PRÁTICA SÃO DESCRIÇÃO E PREDIÇÃO Descrição Wizrule

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.5 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA - FALS JEAN MAMEDE DE OLIVEIRA

FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA - FALS JEAN MAMEDE DE OLIVEIRA FACULDADE DO LITORAL SUL PAULISTA - FALS JEAN MAMEDE DE OLIVEIRA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL REDES NEURAIS ARTIFÍCIAIS PRAIA GRANDE 2010 JEAN MAMEDE DE OLIVEIRA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL REDES NEURAIS ARTIFÍCIAIS

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Redes Neurais Artificiais

Redes Neurais Artificiais Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Redes Neurais Artificiais Inteligência Artificial

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

Sistemas Inteligentes

Sistemas Inteligentes Sistemas Inteligentes Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 1 By Patricia Tedesco e Teresa Ludermir Mas... Esta disciplina serve para quê mesmo? Ao

Leia mais

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller

Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial. André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Reconhecimento de marcas de carros utilizando Inteligência Artificial André Bonna Claudio Marcelo Basckeira Felipe Villela Lourenço Richard Keller Motivação Análise estatística das marcas de carros em

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Formação & Desenvolvimento. A Evolução do seu Marketing Slide 1

Formação & Desenvolvimento. A Evolução do seu Marketing Slide 1 Formação & Desenvolvimento A Evolução do seu Marketing Slide 1 Formação e Desenvolvimento em em Vendas Consultivas no SMG Obrigado por seu interesse na área de Formação e Desenvolvimento do SMG! Este material

Leia mais