ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS"

Transcrição

1 ESTUDO DO EFEITO DAS AÇÕES DE MARKETING SOBRE O FATURAMENTO DE UMA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE DO SUL DE MINAS GERAIS UTLIZANDO TÉCNICAS DE SÉRIES TEMPORAIS Maria de Lourdes Lima Bragion 1, Nivaldo Bragion 2, Thelma Sáfadi 3 INTRODUÇÃO Para aumentar seu faturamento, as empresas procuram realizar ações na área de Marketing. Entre estas ações está a propaganda que tem como objetivo fazer com que a empresa ou produto ocupe um espaço na mente do consumidor, pois este somente irá decidir adquirir tal produto se este for de seu conhecimento. Sendo assim, todo aumento nos gastos com propaganda tem como objetivo aumentar seu faturamento. Em séries temporais, segundo Morettin e Toloi (26), esse tipo de evento é entendido como uma intervenção, pois interfere em seu comportamento. Neste trabalho, foi feita a análise de uma série gerada pelas receitas operacionais de uma instituição de saúde do sul de Minas, a qual fez uso dessa ferramenta de marketing, a propaganda, objetivando avaliar o impacto que tal intervenção ocasionou no comportamento desta série, ou seja, se o aumento com gastos em propaganda realmente gerou um aumento em suas receitas. Através do estudo desta série, teve-se como objetivo, também, ajustar um modelo que a explicasse e fornecesse as melhores previsões. MATERIAL E MÉTODOS A série utilizada para o desenvolvimento deste trabalho foi o das receitas operacionais, em reais, de uma instituição de saúde do sul de Minas Gerais, no período de janeiro de 2 a julho de 27, num total de 91 observações. O grande desafio para a instituição de saúde em questão é manter o seu faturamento igual ou superior ao ponto 1 Doutoranda-Dex/UFLA, 2 Aluno especial de mestrado-dae/ufla, 3 Prof a Dr a -Dex/UFLA,

2 de equilíbrio. O ponto de equilíbrio é o nível de faturamento em que uma empresa, ao atingi-lo, consegue pagar as suas despesas fixas e variáveis, ou seja, é o ponto onde não há superávit nem déficit. No caso desta instituição de saúde o seu custo fixo é alto e, portanto, qualquer queda de faturamento compromete diretamente a sua capacidade de pagamento. Segundo Baker (25), o Marketing de uma empresa depende de ações que são realizadas nos "4 ps"ou mix de marketing. Os "4 ps"são: Produto, Preço, Ponto de venda e Promoção. Para definir uma estratégia de competitividade, as empresas podem planejar ações nesses "4 ps". Visando manter seu faturamento num nível acima do ponto de equilíbrio, tal instituição, contando com uma visão voltada para os recursos de marketing de sua administração, realizou gastos com propaganda que se enquadra no quarto item do mix, que é a promoção, a fim de que o objetivo acima fosse atingido. As receitas operacionais constituem uma série temporal. Os modelos Autoregressivo Integrado Médias Móveis (ARIMA), introduzidos por Box e Jenkins (1976), são utilizados para ajustar tais séries, sendo que a condição para que se possa ajustá-los é de que estas sejam estacionárias, ou seja, se desenvolvam aleatoriamente ao redor de uma média constante. Obteve-se esta estacionaridade por meio de uma diferença na série original, sendo essa diferença dada por Z t = Z t Z t 1, em que Z t, t = 1, 2,..., n, representa as observações da série em estudo. A identificação do modelo foi feita através da função de autocorrelação e da função de autocorrelação parcial (facp), proposto por Box et al. (1994), da série diferenciada. Um modelo está bem ajustado quando o resíduo deste modelo é um ruído branco, isto é, quando os resíduos de um modelo formam uma seqüência de variáveis aleatórias identicamente e independentemente distribuídas (i.i.d.), com média zero e variância constante. Para a verificação desta condição utilizou-se o teste de Box-Pierce, sugerido por Box e Jenkins (1976), cuja estatística é dada por: Q(k) = N(N + 2) k j=1 r 2 j (N j) em que k é o número de "lags", N é o tamanho da série e r 2 j são as estimativas das autocorrelações dos resíduos. Se Q(k) < χ 2 (k p q), o resíduo é um ruído branco, sendo que p é ordem da parte autoregressiva (AR) e q a ordem da parte médias móveis (MA). Em geral, uma classe de modelos que leva em conta a ocorrência de múltiplas

3 intervenções é dada por: Z t = k ν j (B)X j,t + N t j=1 em que: X j,t, j = 1, 2,..., k, são variáveis binárias de intervenção; ν j (B), j = 1, 2,..., k, são funções racionais da forma ω j(b)b b j δ j (B) em que ω j (B) = ω j, ω j,1 B... ω j,s B s e δ(b) = 1 δ j,1 B... δ j,r B r são polinômios em B, b j é a defasagem no tempo para o início do efeito da j-ésima intervenção; N t é a série temporal livre do efeito das intervenções e é denominada série residual cuja representação geral é: ϕ(b)n t = θ(b)a t. Uma vez que se conhece, a priori, que houve um aumento significativo com gastos em propagandas pela instituição em estudo e que este fato caracteriza uma intervenção, objetivou-se, neste trabalho, estudar o comportamento desta série, ajustando um modelo que a explicasse e que fornecesse as melhores previsões. Desejou-se, também, avaliar o impacto de tal intervenção quanto às suas receitas. Vários modelos foram identificados. Dentre eles, para selecionar o melhor, aplicou-se o critério de Akaike (AIC) (Akaike, 1973), citado em Morettin e Toloi (26). Para avaliar as previsões, calculou-se o erro quadrático médio (EQMP). Escolheu-se o modelo que apresentou os menores valores em ambos. RESULTADOS E DISCUSSÃO O gráfico da série original das receitas operacionais está representado na Figura 1(a). Observa-se que a série apresenta tendência, mas não sazonalidade. Essa componente foi retirada através da aplicação de uma diferença, a fim de que esta se tornasse estacionária. Na Figura 1(b) encontra-se o gráfico desta série diferenciada. Pode-se notar indícios de uma intervenção nos meses finais da mesma. Através da fac e da facp, os modelos propostos foram: ARIMA (2,1,), ARIMA (3,1,) com intervenção na observação 8, referente ao mês de agosto de 26 e ARIMA (,1,1) com intervenção na mesma observação. Na tabela 1 encontram-se os resultados do teste de Box-Pierce. Pode-se notar que o resíduo dos três modelos são ruído branco, pois Q 24 < χ 2 em todos eles.

4 ,2E6 1,2E6 Receitas Operacionais 1E6 8E5 1E6 8E5 Receitas Operacionais diferenciada (a) Observações Observações (b) FIGURA 1: (a) Representação gráfica da série original das receitas operacionais mensais, em reais, no período de janeiro de 2 a julho de 27; (b) Representação gráfica da série diferenciada das receitas operacionais mensais, no período de janeiro de 2 a julho de 27. TABELA 1: Estatísticas do teste de Box-Pierce dos modelos ARIMA com e sem intervenção. Modelo GL Q 24 χ 2 ARIMA(2,1,) 22 32,51 33,92 ARIMA (3,1,)-CI 19 29,58 3,14 ARIMA (,1,1)-CI 21 3,95 32,67 Com base no critério de informação de Akaike (AIC) e EQMP, dentre estes três modelos, escolheu-se o modelo ARIMA (,1,1) com intervenção na observação 8 (gradual permanente), referente ao mês de agosto de 26 por ser aquele que apresentou menores valores para ambos. Os resultados dessas estatísticas encontram-se na Tabela 2. TABELA 2: Estimativas dos critérios de AIC e EQMP dos modelos ARIMA com e sem intervenção. Modelo AIC EQMP ARIMA(2,1,) 13, ,3823 x 1 1 ARIMA (3,1,)-CI 13, ,3819 x 1 1 ARIMA (,1,1)-CI 13, ,5765 x 1 1 A intervenção detectada no dado 8 (agosto de 26) pode ser explicado pelo aumento significativo nos gastos com propagandas na Instituição, ocorrida em junho do mesmo ano. Como se trata de propaganda para uma instituição de saúde, o efeito positivo nas receitas operacionais refletiu-se dois meses após. Isto está em harmonia com o

5 conceito de que investindo-se em propagandas, há um aumento nas receitas. O modelo ajustado, pois, com suas respectivas estimativas foi: Z t = 7491, 79 1, 59317B X 1,t + (1, 8683B) a t 1 B em que a variável dummy X 1,t é: {, t < 8 1, t 8 e B é um operador de retardo. CONCLUSÕES Pode-se concluir que a série apresenta tendência crescente, mas não apresenta sazonalidade e que houve uma diferença na série entre o período anterior e posterior ao aumento de gastos com propagandas, indicando que o efeito desta é positivo no sentido de que a intervenção ocasionou um aumento de R$ 74.91,79 na receita da instituição. O modelo autoregressivo integrado médias móveis de ordem q=1, com uma diferença e uma intervenção foi o modelo que melhor se ajustou aos dados e que apresentou melhores previsões. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] BAKER, M. J. Administração de marketing. Rio de Janeiro, Elsevier,5 ed, p. [2] BOX, G. E. P.; JENKINS, G. M. Time Series Analysis: forecasting and control. San Francisco: Holden Day, [3] BOX, G. E. P.; JENKINS, G. M.; REINSEL, G. C. Time Series Analysis: forecasting and control. New Jesey: Prentice Hall, 3 ed, p. [4] MORETTIN, P. A.; TOLOI, C. M. Análise de Séries Temporais. São Paulo: Edgard Blucher,, 2 ed, 26.

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA?

É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? É POSSÍVEL ATINGIR A META DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA A DOAÇÃO ESPONTÂNEA? Rejane Corrêa da Rocha 1, Thelma Sáfadi 2, Luciane Texeira Passos Giarola 3 INTRODUÇÃO É considerado doador todo o cidadão que

Leia mais

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina

Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Modelo SARIMA: um estudo de caso sobre venda mensal de gasolina Ana Julia Righetto 1 Luiz Ricardo Nakamura 1 Pedro Henrique Ramos Cerqueira 1 Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 2 Taciana Villela Savian

Leia mais

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil

Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Análise de séries temporais aplicada aos valores do salário mínimo necessário do Brasil Talita Tanaka Fernandes Jacqueline Meneguim Manoel Ivanildo Silvestre Bezerra 3 Luiz Ricardo Nakamura Introdução

Leia mais

Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico

Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico Previsão de vendas de materiais de construção civil na elaboração de planejamento estratégico Natália da Silva Martins 1 2 Paulo Justiniano Ribeiro Junior 3 1 Introdução Atualmente, com a estabilização

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar

Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Modelagem do total de passageiros transportados no aeroporto internacional de Belém: Um estudo preliminar Núbia da Silva Batista ¹ Cássio Pinho dos Reis ² Flávia Ferreira Batista ² 3 Introdução Inaugurado

Leia mais

Modelo de séries temporais aplicado à série de preços de etanol hidratado no estado de São Paulo

Modelo de séries temporais aplicado à série de preços de etanol hidratado no estado de São Paulo Modelo de séries temporais aplicado à série de preços de etanol hidratado no estado de São Paulo Adriele Aparecida Pereira 12 Tales Jesus Fernandes 2 Thelma Sáfadi 2 1 Introdução O etanol (álcool etílico),

Leia mais

ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS DAS INTERNAÇÕES POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA, RS, NO PERÍODO DE 2006 A 2009.

ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS DAS INTERNAÇÕES POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA, RS, NO PERÍODO DE 2006 A 2009. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ANÁLISE DOS PREÇOS DA MAÇÃ NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ARIMA COM INTERVENÇÃO

ANÁLISE DOS PREÇOS DA MAÇÃ NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ARIMA COM INTERVENÇÃO 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 ANÁLISE DOS PREÇOS DA MAÇÃ NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS ARIMA COM INTERVENÇÃO Walter Priesnitz Filho (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins

Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins Previsão de vendas para um modelo de automóvel popular com a metodologia Box e Jenkins Olga Maria Formigoni Carvalho Walter (PPGEP/UFSC) Elisa Henning (UDESC) Rodrigo Gabriel de Miranda (PPGEP/UFSC) Robert

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Vanderlei Santos de Souza 1 Blas Henrique Cabalero Nuñes 2 Alexandre Nascimento

Leia mais

Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores

Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores MODELAGEM DAS DESPESAS TOTAIS DO GOVERNO CENTRAL COM OS BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS (LOAS E RMV) RESUMO Viviane de Senna e Adriano Mendonça

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ESTUDO DA EVOLUÇÃO DA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O EXTERIOR PELO CENTRO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq) STUDY

Leia mais

Estimando modelo ARIMA no Software R

Estimando modelo ARIMA no Software R SÉRIE DE NOTAS TÉCNICAS EM ECONOMIA DA UFG NT N. 02 NOTA TÉCNICA EM ECONOMIA n. 02 Publicação cujo objetivo é auxiliar na elaboração de aulas e de pesquisas do Curso de Ciências Econômicas da UFG, divulgando

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

UM ESTUDO DA VARIAÇÃO DE PREÇOS NA ÁREA DE SAÚDE E CUIDADOS PESSOAIS

UM ESTUDO DA VARIAÇÃO DE PREÇOS NA ÁREA DE SAÚDE E CUIDADOS PESSOAIS UM ESTUDO DA VARIAÇÃO DE PREÇOS NA ÁREA DE SAÚDE E CUIDADOS PESSOAIS Tania Miranda Nepomucena ; Ana Paula Coelho Madeira 2 ; Thelma Sáfadi 3 INTRODUÇÃO Atualmente, diversas áreas do conhecimento utilizam-se

Leia mais

Reavaliação dos custos e do resultado operacional do Sistema de Transferência de Reservas desde 2002

Reavaliação dos custos e do resultado operacional do Sistema de Transferência de Reservas desde 2002 Nota Técnica 65/2015 BCB/Deban/Conep- Gemon Brasília, 24 de fevereiro de 2015 Reavaliação dos custos e do resultado operacional do Sistema de Transferência de Reservas desde 2002 1. Introdução A política

Leia mais

Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins

Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins Bruno de Paula Baltar Análise Temporal dos Preços da Commodity Cobre Usando o Modelo Box & Jenkins Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul

Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul Ciência Rural, Santa Maria, Previsão Online do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul. ISSN 003-8478 Previsão do preço dos principais grãos produzidos no Rio Grande do Sul Forcasting

Leia mais

JAIR ROCHA DO PRADO MODELOS PARA DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO SÉRIES TEMPORAIS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

JAIR ROCHA DO PRADO MODELOS PARA DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO SÉRIES TEMPORAIS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS JAIR ROCHA DO PRADO MODELOS PARA DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO SÉRIES TEMPORAIS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS LAVRAS - MG 2011 JAIR ROCHA DO PRADO MODELOS PARA DEMANDA E CONSUMO

Leia mais

Ajuste de Modelo de Previsão Para Dados de Séries Temporais de Abate Suino no Brasil

Ajuste de Modelo de Previsão Para Dados de Séries Temporais de Abate Suino no Brasil Ajuste de Modelo de Previsão Para Dados de Séries Temporais de Abate Suino no Brasil Marcus Vinicius Silva Gurgel do Amaral 1 Taciana Villela Savian 2 Djair Durand Ramalho Frade 3 Simone Silmara Werner

Leia mais

ANAIS PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA

ANAIS PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA PREVISÃO DE VENDAS ATRAVÉS DE MODELOS INTEGRADOS: O CASO DO SETOR TÊXTIL DE UMA EMPRESA GERALDO GIRARDI ( girardi@cpovo.net ) UNIVERSIDADE DE CAXIAS DOS UL MARIA EMILIA CAMARGO ( kamargo@terra.com.br,

Leia mais

Análise de previsão da inflação no período pós-plano Real

Análise de previsão da inflação no período pós-plano Real Análise de previsão da inflação no período pós-plano Real Marina Rodrigues Maestre 1 Jayane Pereira de Oliveira 2 Raquel Castellucci Caruso Sachs 3 Vitor Augusto Ozaki 4 1 Introdução Durante a década de

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas THAÍS DE FRANÇA WATANABE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas THAÍS DE FRANÇA WATANABE UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas THAÍS DE FRANÇA WATANABE ANÁLISE DA SÉRIE TEMPORAL DO RENDIMENTO MENSAL DA CADERNETA DE POUPANÇA NO PERÍODO DE AGOSTO DE 1994 A ABRIL

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Faturamento de Restaurantes

Faturamento de Restaurantes Faturamento de Restaurantes Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Faturamento de Restaurantes 2 o Semestre 2015 1 / 28

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Moreira Batista Higor Fernando Manginelli PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho apresentado para a disciplina Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal

Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal 1 Introdução Antonio Sergio Ferraudo 1 Guilherme Moraes Ferraudo 2 Este trabalho apresenta estudos de série de precipitação

Leia mais

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007

Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 Evolução numérica do seguro de transportes Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Maio/2007 1) Tendência e Participação O ramo de seguro de transportes é um dos mais tradicionais no mercado brasileiro.

Leia mais

ANÁLISE LONGITUDINAL DOS PREÇOS DO CARVÃO VEGETAL, NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

ANÁLISE LONGITUDINAL DOS PREÇOS DO CARVÃO VEGETAL, NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 429 ANÁLISE LONGITUDINAL DOS PREÇOS DO CARVÃO VEGETAL, NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 Luiz Moreira Coelho Junior 2, José Luiz Pereira de Rezende 2, Natalino Calegario 2 e Márcio Lopes da Silva 3 RESUMO O

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS

AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA CASTANHA DE CAJU NO CEARÁ UTILIZANDO OS MODELOS ARIMA E DE REDES NEURAIS Naisy Silva Soares Doutoranda em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES

ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES ESTUDO DE MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DADOS DE AÇÕES Nathalia Virginia Masi; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbiteriana Mackenzie nathalia.masi@gmail.com;

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

das estratégias de fusão e aquisição na rentabilidade dos bancos adquirentes: uma aplicação dos modelos de intervenção no setor bancário brasileiro

das estratégias de fusão e aquisição na rentabilidade dos bancos adquirentes: uma aplicação dos modelos de intervenção no setor bancário brasileiro SÃO PAULO, SP SET./OUT. 2012 ISSN 1518-6776 (impresso) ISSN 1678-6971 (on-line) Submissão: 19 jul. 2010. Aceitação: 1º ago. 2012. Sistema de avaliação: às cegas dupla (double blind review). UNIVERSIDADE

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Administração 7ª Série Administração Mercadológica

Administração 7ª Série Administração Mercadológica Administração 7ª Série Administração Mercadológica A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo professor,

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO Econometria Semestre 2010.01 121 121 CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO 12.1. A NATUREZA DO PROBLEMA O objetivo deste capítulo é examinar as conseqüências da violação de uma das hipóteses fundamentais do modelo

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS

AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS AVALIAÇÃO DO MODELO DE ONDAS O modelo de onda WAVEWATCH implementado operacionalmente no CP- TEC/INPE global é validado diariamente com os dados do satélite JASON-2. Este novo produto tem como finalidade

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO)

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO) SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS (SUSEP) DIRETORIA DE AUTORIZAÇÕES (DIRAT) COORDENAÇÃO-GERAL DE PRODUTOS (CGPRO) COORDENAÇÃO DE ESTUDOS, PROJETOS E ESTATÍSTICA (COEST) 1º RELATÓRIO DE ANÁLISE E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Luiz Armando dos Santos Aleixo - estudante do curso de Estatística - 3 o ano - Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL ANÁLISE DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO MSA SISTEMA DE MEDIÇÃO NÃO REPLICÁVEL Vinicius Fechio Técnico de Metrologia Brasmetal Waelzholz S. A. Ind. e Com. Julho/ 2009 E-mail: vfechio@brasmetal.com.br / Site: www.brasmetal.com.br

Leia mais

Análise temporal do preço do carvão vegetal oriundo de floresta nativa e de floresta plantada

Análise temporal do preço do carvão vegetal oriundo de floresta nativa e de floresta plantada SCIENTIA FORESTALIS n. 70, p. 39-48, abril 2006 Análise temporal do preço do carvão vegetal oriundo de floresta nativa e de floresta plantada Native forest and plantation forest charcoal price analyses

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6

ÍNDICE SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS...3 ESTUDOS DOS INSUMOS PASSADOS...4 HORIZONTE DO PLANEJAMENTO...5 CUSTO PRESENTE LÍQUIDO...6 COMO DEFINIR A SUBSTITUIÇÃO DE UM A substituição de um equipamento por outro selecionado entre dois outros com vidas úteis iguais! Devemos considerar os insumos passados na substituição de um equipamento?!

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas TAMARA SILVA GODINHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas TAMARA SILVA GODINHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Instituto de Ciências Sociais Aplicadas TAMARA SILVA GODINHO ANÁLISE DO MODELO SARIMA DA SÉRIE DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA DA REGIÃO SUDESTE NO BRASIL NO PERÍODO DE JANEIRO

Leia mais

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa

Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Custos de Telecomunicações - Uma Gestão Administrativa Este tutorial se propõe a mostrar a importância de uma gestão administrativa acoplada a área de telecomunicações para uma gestão de custos eficiente.

Leia mais

Modelagem e Previsão de Vazões Médias Mensais do Rio Potiribu Utilizando Modelos de Séries Temporais

Modelagem e Previsão de Vazões Médias Mensais do Rio Potiribu Utilizando Modelos de Séries Temporais Modelagem e Previsão de Vazões Médias Mensais do Rio Potiribu Utilizando Modelos de Séries Temporais Débora Missio Bayer; Nilza Maria dos Reis Castro Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS deborabayer@gmail.com;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO, MODELAÇÃO E PREVISÃO DE UTILIZAÇÕES DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS

CARACTERIZAÇÃO, MODELAÇÃO E PREVISÃO DE UTILIZAÇÕES DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS CARACTERIZAÇÃO, MODELAÇÃO E PREVISÃO DE UTILIZAÇÕES DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS Júlio F. FERREIRA da SILVA Doutor em Engenharia Civil Hidráulica Professor Auxiliar do Departamento de Engª

Leia mais

PREVISÃO DO PREÇO DA GASOLINA PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL GASOLINE PRICE FORECASTING TO SOUTHERN REGION OF THE BRAZILIAN

PREVISÃO DO PREÇO DA GASOLINA PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL GASOLINE PRICE FORECASTING TO SOUTHERN REGION OF THE BRAZILIAN IJIE Iberoamerican Journal of Industrial Engineering Periódico da área de Engenharia Industrial e áreas correlatas Editor responsável: Nelson Casarotto Filho, Prof. Dr. Organização responsável: Universidade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - X GRUPO DE ESTUDOS DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÈTRICOS - GDS ESTUDO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

Modelos de previsão aplicados à optimização da gestão das actividades de um Call Center

Modelos de previsão aplicados à optimização da gestão das actividades de um Call Center Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Estatística e Investigação Operacional Modelos de previsão aplicados à optimização da gestão das actividades de um Call Center Marta Alexandra

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

Análise de previsões do preço da borracha natural no Brasil. Analysis of forecasting the price of natural rubber in Brazil

Análise de previsões do preço da borracha natural no Brasil. Analysis of forecasting the price of natural rubber in Brazil Scientia Forestalis Análise de previsões do preço da borracha natural no Brasil Analysis of forecasting the price of natural rubber in Brazil Naisy Silva Soares¹, Márcio Lopes da Silva², João Eustáquio

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA ÉRICA VIEIRA NOGUEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA ÉRICA VIEIRA NOGUEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA ÉRICA VIEIRA NOGUEIRA AJUSTE DE UM MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS UTILIZANDO A METODOLOGIA DE BOX E JENKINS PARA

Leia mais

Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1

Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1 Técnicas de Previsão de Box-Jenkins ARIMA 1 Introdução Metodologia Box-Jenkins Ou Método de Previsão ARIMA: Os modelos de previsão Box-Jenkins são baseados em conceitos e princípios estatísticos e são

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Qual a diferença entre Orçamento e Projeção?

Qual a diferença entre Orçamento e Projeção? Tipos de Orçamentos Qual a diferença entre Orçamento e Projeção? Orçamento expressão formal de planos de curto prazo (1 ano), baseado nas estruturas empresariais existentes e/ou já programadas. Projeções

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

IMPACTO DA FEBRE AFTOSA NO PREÇO DA ARROBA DO BOI GORDO, RECEBIDO PELO PRODUTOR NO BRASIL 1

IMPACTO DA FEBRE AFTOSA NO PREÇO DA ARROBA DO BOI GORDO, RECEBIDO PELO PRODUTOR NO BRASIL 1 Gibran da Silva Teixeira & Sinézio Fernandes MaiaISSN 1679-1614 IMPACTO DA FEBRE AFTOSA NO PREÇO DA ARROBA DO BOI GORDO, RECEBIDO PELO PRODUTOR NO BRASIL 1 Gibran da Silva Teixeira 2 Sinézio Fernandes

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS AMANDA CAROLINE MARTIN ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DA EVOLUÇÃO DO

Leia mais

COMO SALVAR UM PRODUTO DE UMA BAIXA IRREVERSÍVEL (?) NO PREÇO DE VENDA (investindo em diferenciais competitivos)

COMO SALVAR UM PRODUTO DE UMA BAIXA IRREVERSÍVEL (?) NO PREÇO DE VENDA (investindo em diferenciais competitivos) COMO SALVAR UM PRODUTO DE UMA BAIXA IRREVERSÍVEL (?) NO PREÇO DE VENDA (investindo em diferenciais competitivos) O mercado está forçando para baixo o preço de venda do produto mais importante!!! Para romper

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

( ) Prova ( ) Prova Semestral

( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Prova ( ) Prova Semestral (x) Exercícios ( ) Segunda Chamada ( ) Prova Modular ( ) Prova de Recuperação ( ) Prática de Laboratório ( ) Exame Final/Exame de Certificação ( ) Aproveitamento Extraordinário

Leia mais

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Olá, amigos! AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Ainda não é chegada nossa aula derradeira! Sei que muitos estão chateados e com toda a razão do mundo pelo atraso destas últimas aulas. Noutra ocasião

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA

PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA PLANEJAMENTO DE CAIXA: ORÇAMENTO DE CAIXA O orçamento de caixa, ou projeção de caixa, é uma demonstração das entradas e saídas de caixa previstas da empresa. Serve para estimar as necessidades de caixa

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara

Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Análise do Laudo de Avaliação do Ed. Santa Clara Objeto da análise: Laudo de Avaliação n 0 7128.7128.632314/2012.01.01.01 SEQ.002 Autor do laudo: Eng. Denis Francisco Lunardi. Solicitante do laudo: Caixa

Leia mais

MAE0325 - Séries Temporais

MAE0325 - Séries Temporais MAE0325 - Séries Temporais Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa Vagner Aparecido Pedro Junior 26 de setembro de 2004 E7p80. Considere a série A (M-ICV): Lista 1 1 (a) teste a existência de tendência,

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 O Conceito de Provisão... 1 3 Exemplos de Provisão... 2 3.1 Provisão para garantias... 2 3.2 Provisão para riscos fiscais, trabalhistas e cíveis... 3 3.3 Provisão para reestruturação...

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais