DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE"

Transcrição

1 DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril

2 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente do Serviço de Garantia Governamental da Qualidade quanto às atividades de Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade e de Verificação da Qualidade. 2 - Esclarecimento O IFI para assegurar a conformidade e confiabilidade dos produtos aos requisitos dos contratos de fornecimentos do COMAER, submete-os aos processos de Certificação de Produtos (projetos) e de Garantia Governamental da Qualidade. A Certificação do Produto (projeto) é o reconhecimento oficial de que o projeto do produto atende aos requisitos da sua especificação técnica. Para maiores informações sobre a certificação de Produto (projeto), acessar O processo de Garantia Governamental da Qualidade assegura ao governo que os produtos fabricados em série estão em conformidade com as especificações técnicas dos contratos ou estão conformes aos produtos certificados pelo COMAER. Contrato entre Governo e Fornecedor Cláusulas contratuais que solicitam os serviços do CTA/IFI Certificação de Projeto Garantia da Qualidade Governamental Certificação da Organ. Fornecedora Verificação da Qualidade Figura 1 Conformidade do produto 2

3 Por definição extraída do AQAP 2070, Garantia Governamental da Qualidade é o processo pelo qual uma organização certificadora do COMAER se assegura de que os requisitos contratuais relativos à qualidade são atendidos. O IFI, por meio da Divisão de Certificação de Sistemas de Gestão (CSG) é a organização certificadora do COMAER. O IFI/CSG é responsável pela atividade de Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade, em conformidade com os AQAP Allied Quality Assurance Publications, da NATO, e pela Verificação da Qualidade Governamental no âmbito do COMAER. A atividade de Verificação da Qualidade é executada pelos Representantes de Garantia da Qualidade (RGQ), durante a vigência do contrato, nas organizações fornecedoras de Produto Aeronáutico (PA) adquiridos pelo COMAER. Pelo processo de Garantia Governamental da Qualidade os Sistemas de Gestão da Qualidade das empresas fornecedoras do governo são avaliados periodicamente tendo em vista a sua Certificação e as atividades de desenvolvimento e produção dos produtos são submetidos ao processo de Verificação da Qualidade, durante a vigência dos contratos. GQG NOP/ROB/RTLI SELEÇÃO DO FORNECEDOR PROJ/DESENV. DO PRODUTO PROJ/DESENV PROC PRODUÇÃO PRODUÇ ÃO DE FERRAMENTAL FABRICAÇÃO DO PRODUTO UTILIZAÇÃO MODERNIZAÇÃO/REVITALIZA ÃO/REVITALIZAÇÃO DESATIVAÇ ÃO Certif. do Projeto Figura 2 - Certificação do Produto e GQG aplicados no Ciclo de Vida de um Produto Aeronáutico 3

4 GARANTIA DA QUALIDADE GOVERNAMENTAL ICA 80 2 Referências: NBR ISO 9000 ISO/IEC NBR ISO 1000:2000 ISO/IEC NBR ISO RBQA 2050 RBQA 2000 Política sobre Abordagem de Sistemas Integrados d a Qualidade no Ciclo de Vida RBQA 2070 Processo de Garantia da Qualidade Governamental RBQA 2131 Inspeção Final RBQA 2130 Inspeção e Ensaios RBQA 2120 Produção RBQA 2110 Projeto Desenvolvimento Produção RBQA 2105 Planos da Qualidade RBQA 150 Desenvolvimento de Software RBQA 160 Software no Ciclo de Vida RBQA 2009 Diretrizes Governamentais para o Emprego da Série RBQA 2000 RBQA 159 Diretrizes Governamentais p/ o emprego do RBQA 150 RBQA 169 Diretrizes Governamentais p/ o emprego do RBQA 160 Figura 3 Garantia Governamental da Qualidade 3 Informações para requerer a Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, em conformidade com os RBQA 2110, RBQA 2120, RBQA 2130 e RBQA 2131, agora substituídos pelos AQAP 2110, AQAP 2120, AQAP 2130 e AQAP Procedimentos para obtenção Solicitação A Organização que deseja obter a Certificação deve, antes de efetuar a sua solicitação formal, entrar em contato com o IF/CSG, para esclarecimentos de assuntos relacionados com o escopo da Certificação requerida, sobre os documentos aplicáveis, custos e outras questões administrativas inerentes ao processo. A formalização do processo inicia-se após o preenchimento e envio ao IFI/CSG do Requerimento para Serviço de Certificação - RSC (FORM PI ), disponível no site O requerente também deve encaminhar ao IFI/CSG, por meio de mídia eletrônica ou cópia dos seguintes documentos: a) Contrato social, Estatuto ou Regimento da Organização. b) Certificado(s) ou Atestado(s) de Certificação do Produto ou documento comprobatório de 4

5 que o(s) produto(s) está(ão) certificados ou em processo de Certificação pelo IFI; c) Manual da Qualidade (1 cópia controlada) contendo informações em atendimento aos requisitos aplicáveis; d) Lista de procedimentos e Instruções de Trabalho aplicáveis ao Sistema de Gestão da Qualidade; e) Plano(s) da Qualidade específico(s) do(s) produto(s); e f) Contrato com o COMAER. Com base nos documentos recebidos junto ao requerimento, será designado um Coordenador do Processo (CP), o qual será o contato com o RD da organização requerente. Após a aceitação do requerimento (RSC) com todos os anexos, o IFI/CSG enviará à Organização uma Proposta Técnico-Administrativa - PTA, onde serão detalhados os custos referentes à análise de adequação da documentação, à auditoria preliminar (opcional), à auditoria de certificação, à emissão do certificado e também à descrição do sistema de cobrança para avaliação inicial. O IFI tem um prazo mínimo de 60 dias para as análises e adequações das documentações e para o agendamento da auditoria de certificação. Após o envio da PTA pelo IFI/CSG, o prazo de validade para devolução, pelo requerente, desse documento ao IFI/CSG é de 120 dias, findo os quais o processo será encerrado por falta de continuidade. Para todo tipo de auditoria e nas reavaliações do sistema de gestão da qualidade, a Organização deve: tomar as providências necessárias para a realização dessas auditorias, facilitar ao grupo auditor no exame da documentação, providenciar o livre acesso a todas as áreas pertinentes com análise dos registros (incluindo relatórios das auditorias internas e de terceira parte), pessoal para os fins da auditoria, realizar o acompanhamento, a reavaliação e as soluções de reclamações. As auditorias são efetuadas por auditores e especialistas com grande experiência no escopo aeronáutico. O número de auditores é dimensionado de acordo com a necessidade do processo, sendo no mínimo de dois auditores. O processo de certificação e sua reavaliação constam das seguintes etapas: 1. análise de adequação da documentação; 2. auditoria preliminar (opcional e efetuada por solicitação pela Organização requerente); 3. auditoria de certificação do Sistema de Gestão da Qualidade; 5

6 4. auditoria de reavaliação anual do Sistema de Gestão da Qualidade. A Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade segue o seguinte fluxograma: Entrada dos Processos Requerente Contato Inicial Organização/IFI - análise da proposta da organização - entrega do requerimento (RSC) - esclarecimento e definição do serviço de certificação - informação administrativa (orçamento e custo) - Requerimento - Documentação - Abertura do Processo - designar Coordenador do Processo (CP) - número do processo codificado - / YY Ano e data de processo nº seqüencial ( ) entrada de processo Tipo de certificação (AQAP) Preparação Preliminar de Auditoria Analisar - requerimento - requisitos aplicáveis - contrato - documentação (inclusive análise da documentação do cliente) Preparar - Programa de Auditoria - designar equipe da auditoria - Aprovação do programa e da equipe Auditoria - realização da visita in loco para auditoria inicial de certificação Plano de Ação Corretiva Resultados da auditoria - registro de não-conformidade (RNC) - resultado da auditoria (RA) - relatório final de auditória N Requerente atende Requisito? S - relatório de não-conformidade - resultado da auditoria - reunião da Comissão de Certificação Decisão sobre certificação Emissão do Certificado N É concedida certificação? S Reavaliação Figura 4 - Atividade de Certificação de Sistema Gestão da Qualidade Governamental 6

7 Análise de adequação da documentação Com base nos documentos recebidos junto ao requerimento, o Coordenador do Processo (CP) realiza a análise de adequação do sistema descrito, com base nas normas aplicáveis e a documentação da qualidade enviada pela Organização requerente. Nesta fase é analisado também o Plano da Qualidade do Fornecedor para verificar a conformidade com o AQAP Após o término da análise da documentação o CP elabora um Relatório de Adequação da Documentação e o encaminha à Organização, para providências cabíveis Auditoria Preliminar A auditoria preliminar do SGQ da Organização é realizada pelo IFI/CSG, como parte do processo de Certificação. A auditoria preliminar é opcional e efetuada por solicitação da Organização requerente. É realizada verificando-se 5 (cinco) requisitos do RBQA. Outros requisitos podem ser acrescentados, se solicitado pelo requerente Auditoria de Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade Essa auditoria realizada na Organização considera todos os elementos dos regulamentos aplicáveis (AQAP 2110, AQAP 2120, AQAP 2130 ou AQAP 2131). Depois de sanadas todas as não-conformidades, se houver é emitido um Certificado com validade de 12 meses. A auditoria de certificação é realizada, quando: 1. O processo de Certificação do produto ou serviço já estiver iniciado ou concluído; 2. O Manual da Qualidade, com os correspondentes procedimentos/instruções forem considerados, na fase preliminar de análise de adequação, satisfatórios e em conformidade com o nível da qualidade requerido e estabelecido pelos Requisitos de Certificação (AQAP) aplicáveis e 3. O(s) Plano(s) da Qualidade específico(s) do(s) produto(s) considerado(s) adequado(s) para controle de produção ou prestação de serviço Auditoria de Reavaliação do sistema de gestão da qualidade A reavaliação do sistema da qualidade é realizada quando a Organização solicita a renovação do certificado, em decorrência do vencimento do prazo de validade, ou ter alterado o escopo de certificação ou por ter sido suspenso ou cancelado. Esse serviço é realizado, também, quando houver grande reestruturação da Organização, por exemplo: troca de instalações, modificações de requisitos / regulamentos / normas, alteração dos responsáveis pelo sistema da qualidade, mudança de proprietários ou se a análise de uma 7

8 reclamação ou outra qualquer informação indicar que o fornecedor certificado não mais atende aos requisitos do IFI/CSG. A auditoria de reavaliação é realizada após uma análise crítica do desempenho do sistema, em relação ao período de Certificação. Essa auditoria realizada na Organização é semelhante à auditoria de certificação. Depois de sanadas todas as não-conformidades, se houverem, é emitido outro Certificado por um período de até 12 meses Certificação de Filiais ou multisite Para a Certificação de organizações que possuam filiais ou outros locais, utilizados como uma extensão de sua produção, os produtos e serviços que farão parte do escopo de Certificação, fornecidos pela organização e suas extensões, devem ser do mesmo tipo e tem que ser produzidos de acordo com os mesmos métodos e procedimentos. O sistema de gestão da qualidade da organização deve ser administrado sob um plano central controlado e deve ser objeto de análise crítica pela gerência central. Todos os locais pertinentes e filiais (inclusive a função administrativa central) devem ser sujeitos ao programa de auditoria interna da organização e serem auditados de acordo ao programa inicialmente avaliado pelo IFI/CSG. 4 - Informações sobre a atividade de Verificação da Qualidade exercida pelo RGQ Quando requerido contratualmente, os Fornecedores elaboram os documentos relacionados aos seus SGQ. Estes documentos devem incluir o manual da qualidade, plano da qualidade, plano de gestão da configuração, plano da qualidade do software, ou outros tipos de documentos ou especificações requeridas contratualmente e elaborados pelo Fornecedor, e serem encaminhados ao IFI/CSG para análise de adequação dessa documentação. A análise deve fornecer ao RGQ garantia de que o SGQ, sob o ponto de vista da documentação, atende aos requisitos contratuais e se efetivamente implementado pelo Fornecedor atinge os resultados planejados. Quando a análise indicar que a documentação não atende aos requisitos do contrato, as nãoconformidades encontradas pelos RGQ são levadas ao conhecimento do Fornecedor para correção. A análise é normalmente realizada logo no início das atividades de VQ e deve continuar durante a vigência do contrato e também quando o Fornecedor realizar as revisões na documentação. 8

9 A análise deve principalmente focar os riscos identificados e também estar baseada no planejamento definido no Plano de VQ Verificação da Qualidade Verificação de Processos Em muitos casos é mais prático e apropriado aos RGQ executarem as análises e/ou verificações dos processos que constituem o sistema da qualidade, como parte das atividades diárias. Este método é eficiente na determinação da eficácia dos processos do Fornecedor. A técnica fornece uma visão clara aos RGQ, das entradas, controles e saídas de informações dos processos do Fornecedor. A análise ou verificação incluirá: a) Coordenar com o Fornecedor antes de iniciar as atividades da VQ; b) Verificar se os requisitos técnicos contratuais ou os requisitos definidos pelo Fornecedor são adequadamente transmitidos aos níveis apropriados, assim como para as áreas de engenharia, fabricação, inspeção ou ensaios; c) Verificar se as entradas dos processos e os controles associados, com relação aos requisitos contratuais ou definidos pelo Fornecedor, garantem que os processos atingem os resultados definidos; As entradas de processos normalmente incluem, conforme aplicável, equipamentos, materiais, capacitação de pessoal, controles de ambiente e procedimentos; d) Verificar se o produto ou os resultados dos processos satisfazem ou não os critérios de aceitação estabelecidos e se os controles dos processos se mostram adequados para produzirem consistentemente resultados ou produtos conformes; e e) Registrar os resultados e observações feitas nos formulários utilizados pelos RGQ. Dependendo dos processos, a análise pode não verificar necessariamente todos os elementos dos processos de maneira continua de uma única vez. Mas os RGQ podem considerar mais eficaz a divisão do processo em segmentos que serão analisados individualmente, de modo que todo o processo seja visto em certo período de tempo. Exemplos de processos do Fornecedor que podem estar sujeitos às Análises e ou Verificações, se aplicáveis, são os seguintes: a) Processos de produção ou fabricação; 9

10 b) Processos de não-conformidades (Processamento de não-conformidades e classificação); c) Processos relacionados com a análise de requisitos contratuais; d) Processos relacionados com auditorias física e funcional de configuração; e) Processos relacionados com inspeção/ensaio final e controle de documentação; f) Processos relacionados com a análise de inspeções de primeiro artigo; g) Processos relacionados com ensaios específicos e seus registros (ensaios ambientais, ensaio de vôo, etc.). Técnicas e MétodosM PLANEJAME NTO E EECUÇÃO DA GQG VERIFICAÇÃO DA Q UALIDADE AUDITO RIA DA QUALID. VERIF. DO PROD. VERIF DOS PRO C CERTIF DE ORG FORNEC Verificar evidência da conform idade do prod Verificar Inspeções e ensaios do Fornecedor Análise de documentação Anál. de entr. de processos Anál. de saídas de proces. Anál. dos proces. e proc. Verif. Conform. dos proc. Análise de documentação Preparação e planejamento Reunião de abertura Execução da Auditoria Reunião de encerramento Relatório da Auditoria Entr. de proces.: Proc., equipame ntos, mate riais, habilidade pessoal, controle ambiental, etc Figura 5 Técnicas e Métodos Verificação do Produto As verificações do produto são realizadas e também tem aplicação aos constituintes do produto final: Para fornecer garantia e confiança de que o produto cumpre consistentemente os requisitos especificados; Para verificar a capacidade do Fornecedor de medir, inspecionar ou ensaiar o produto e/ou os resultados dos processos; e Para confirmar se o Fornecedor está adequadamente detectando e rejeitando produtos não conformes. 10

11 As verificações do produto são normalmente executadas após as atividades de ensaio ou inspeção e registro do Fornecedor (evidência de conformidade). As verificações do produto podem incluir ensaios, inspeções, evidências ou outras maneiras de verificação e validação de que o produto satisfaz os requisitos contratuais. As verificações do produto podem ser usadas pelos RGQ em qualquer ponto ou área durante o processo de fabricação para garantir a conformidade com os requisitos contratuais relativos a qualidade. As verificações do produto são executadas independentemente ou simultaneamente com as inspeções e ensaios do Fornecedor. Pode ser mais vantajoso ou prático para os RGQ testemunharem as inspeções e/ou ensaios do Fornecedor. Onde forem usados os dados (registros) do Fornecedor como a técnica principal de verificação, os RGQ devem ocasionalmente verificar os dados do trabalho efetuado. Técnicas e Métodos da GQG RISCOS IDENTIFICADOS Áreas de Verificação da GQG SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PROCESSOS PRODUTO Métodos e Técnicas de Verificação da GQG AUDITORIA FORMAL DO SIST DA QUALID VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE PROCESSOS VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE PRODUTO Figura 6 Técnicas e Métodos da GQG Embora não totalmente abrangente, a verificação do produto pode ser aplicada em: a) Ensaios executados pelo Fornecedor, incluindo os registros; b) Inspeções das características e desempenho do produto, incluindo os registros, realizadas pelo Fornecedor; c) Processos de fabricação do Fornecedor; d) Ensaios independentes de laboratório de terceira parte; e) Dados de saída de processos do Fornecedor, incluindo os registros; 11

12 f) Classificação/disposição de produtos não conformes do Fornecedor (concessões e desvios); g) Mudanças na especificação do produto feitas pelo Fornecedor; h) Execução pelo Fornecedor de auditorias de configuração físico-funcional e seus resultados; i) Atividades de inspeção de recebimento do Fornecedor e de sua documentação; j) Atividades de inspeção de 1º Artigo do Fornecedor se for uma exigência; e k) Ensaios específicos do contrato e respectivos registros/documentação. Durante a execução das verificações de desempenho do produto, os RGQ devem procurar por coerência e rastreabilidade entre a documentação e/ou registros e os dados encontrados na verificação de desempenho do produto. É da responsabilidade do Fornecedor demonstrar que as características e os requisitos do produto estão dentro dos critérios de aceitação estabelecidos na Especificação Técnica do Produto ou no Contrato de Fornecimento. Uma técnica comum é aquela em que o Fornecedor executa os ensaios, inspeções, validações, etc., e os RGQ testemunham. Esta abordagem assegura que o Fornecedor utiliza o pessoal e equipamentos de medição adequados e registros dos resultados precisos, e verifica se eles estão dentro dos parâmetros e requisitos do contrato. As entradas dos processos tais como os requisitos funcionais, desenhos, especificações, etc., devem ser totalmente analisados pelos RGQ. Os dados de saída dos processos, por exemplo, registros, relatórios, não-conformidades, etc., devem ser analisados pelos RGQ quanto ao conteúdo e aos resultados. Os dados de saída devem fornecer evidências objetivas de que as características do produto e as tolerâncias estabelecidas estão sendo cumpridas. Normalmente, as verificações do produto feitas pelo Fornecedor devem ser executadas utilizando-se equipamentos de medição calibrados, ferramentas, equipamentos de ensaios, documentação e procedimentos aprovados, operadores qualificados, etc., conforme estabelecido. 12

13 5 - Acesso ao fornecedor e subfornecedores e apoio às atividades de GGQ O fornecedor e/ou subfornecedor devem proporcionar ao RGQ: O direito de acesso nas instalações onde as atividades contratadas estão sendo executadas; Informações relativas ao atendimento de requisitos do contrato; Acesso irrestrito para avaliar o fornecedor no cumprimento ao AQAP aplicável; Acesso irrestrito para a realização da verificação da conformidade do produto com os requisitos do contrato; Assistência necessária para a avaliação, verificação, validação, ensaios, inspeção ou liberação do produto para a realização da GGQ relativa aos requisitos do contrato; Acomodações e recursos para a realização das ações pertinentes ao contrato; Disponibilidade de equipamentos necessários na realização da GGQ, para uso moderado; Pessoal do fornecedor e subfornecedores para a operação destes equipamentos quando necessário; Acesso irrestrito aos recursos de informação e comunicação relativos ao contrato; A documentação do fornecedor necessária, para confirmação da conformidade do produto com a especificação; e Cópias dos documentos necessários, incluindo aqueles em mídias eletrônicas. 6 Contato Instituto de Fomento e Coordenação Industrial IFI Divisão de Certificação de Sistemas de Gestão CSG Praça Marechal do Ar Eduardo Gomes, Vila das Acácias São José dos Campos SP Tel.: Fax.: ou ou 13

14 7 - Relação de RBQA utilizados Os Regulamentos Brasileiros da Qualidade Aeroespacial, RBQA, são constituídos das seguintes publicações: Obs.: A série RBQA foi substituída pelos AQAP de números equivalentes. 1 RBQA 2000 ICA 78-1 Política sobre Abordagem de Sistemas Integrados da Qualidade no Ciclo de Vida ; 2 RBQA 2009 ICA 78-2 Diretrizes Governamentais para o Emprego da série RBQA 2000 ; 3 RBQA 2050 ICA 78-3 Modelo de Avaliação Governamental de Projeto ; 4 RBQA 2070 ICA 78-4 Processo de Garantia da Qualidade Governamental ; 5 RBQA 2105 ICA 78-6 Requisitos Governamentais para Planos da Qualidade ; 6 RBQA 2110 ICA 78-7 Requisitos de Garantia da Qualidade Governamental, para Projeto, Desenvolvimento e Produção ; 7 RBQA 2120 ICA 78-8 Requisitos de Garantia da Qualidade Governamental para Produção ; 8 RBQA 2130 ICA 78-9 Requisitos de Garantia da Qualidade Governamental para Inspeção e Ensaio ; 9 RBQA 2131 ICA Requisitos de Garantia da Qualidade Governamental para Inspeção Final ; 10 RBQA 2210 ICA Requisitos para Software suplementares ao RBQA 2110 ; 11 RBQA 160 ICA Requisitos da Qualidade Governamental Integrada para Software no Ciclo de Vida ; 12 RBQA 169 ICA Diretrizes Governamentais para o emprego da RBQA 160. NOTA - Os RBQA são tecnicamente equivalentes às AQAP da OTAN. As publicações das AQAP e RBQA apresentam os mesmos códigos numéricos. 8 Fundamento Legal ICA 80-1 Procedimentos para Certificação e Gestão de Dificuldades em Serviço de Produto Aeronáutico, no âmbito do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. ICA 80-2 Certificação de Produto e Garantia da Qualidade Governamental 14

15 9 Siglas utilizadas AQAP Allied Quality Assurance Publications COMAER Comando da Aeronáutica CP Coordenador de Processo CSG Divisão de Certificação de Sistemas de Gestão GGQ Garantia Governamental da Qualidade ICA Instrução do Comando da Aeronáutica IFI Instituto de Fomento e Coordenação Industrial PA Produto Aeronáutico PTA Proposta Técnico-Administrativa RBQA Regulamentos Brasileiros da Qualidade Aeroespacial RGQ Representante de Garantia da Qualidade RSC Requerimento de Serviço de Certificação SGQ Sistema de Gestão da Qualidade VQ Verificação da Qualidade 15

16 16

CRITÉRIOS DE CERTIFICAÇÃO GOVERNAMENTAL EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo... 2. 2 Referências normativas...

CRITÉRIOS DE CERTIFICAÇÃO GOVERNAMENTAL EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo... 2. 2 Referências normativas... CRITÉRIOS DE CERTIFICAÇÃO GOVERNAMENTAL EM SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PROCEDIMENTO N PI 500 REV. N PÁGINA 07 01/14 SUMÁRIO ÍNDICE 1 Objetivo... 2 2 Referências normativas... 2 3 Base legal... 2 4

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL

CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL PROCEDIMENTO N CRITÉRIOS PARA CERTIFICAÇÃO AEROESPACIAL REV. N 59 PI 200 PÁGINA 1/20 O IFI entende a importância da imparcialidade na realização de suas atividades de certificação de sistemas de gestão,

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020?

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? O que buscar quando há uma necessidade 3 Como ter confiança em um Organismo 4 Como a acreditação do organismo de inspeção

Leia mais

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES Março de 2014 www.aqua-hqe.com.br SUMÁRIO 1. Objetivos da auditoria 2. Definições e abreviações 2.1 Mandatário da auditoria 2.2 Auditado 2.3 Equipe de auditoria

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos

Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos Sistema de Gestão da Qualidade e Biossegurança em Laboratórios de Analises Clínicas Pontos Críticos Maria Emilia Aracema maria.aracema@saude.gov.br CGLAB/SVS/MS 24 Abril 2013 Conceito: Década de 50 Japão

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais