Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)"

Transcrição

1 Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

2 Caraterização Conclusões Não olha nos olhos, balança o corpo num movimento repetitivo, comunica pouco ou repete insistentemente o que o outro fala, numa ecolália.

3 Caraterização Critérios Classificativos DSM 5 Perturbação do Espetro do Autismo Conclusões Comunicação e Interação Social Padrões restritos e repetitivos de comportamentos

4 Caraterização DSM 5 Níveis de gravidade Níveis de Gravidade Nível 1- acompanhamento ligeiro Nível 2- acompanhamento moderado Nível 3- acompanhamento intensivo Comunicação Social Défices na comunicação social, causando disfunções detetáveis e dificultando a iniciação da interação social. Défices marcados na comunicação verbal e não verbal, com resposta reduzida ou atípica à abertura aos outros. Défices graves e limitações nas competências de comunicação verbal e não verbal e de interação social. Interesses restritos e comportamentos repetitivos Rituais/rotinas e comportamentos repetitivos interferem significativamente no funcionamento em alguns contextos. Rotinas fixas e comportamentos repetitivos, interferindo com o funcionamento normal. Rotinas fixas e comportamentos repetitivos, interferindo significativamente no funcionamento quotidiano.

5 Caraterização Sinais de alerta Ignora a presença dos outros, centrando-se sobretudo nos seus interesses. Não responde quando chamam pelo seu nome. Não aponta para pessoas/objetos do seu interesse. Não imita. Não realiza jogo funcional ou simbólico com objetos.

6 Caraterização Sinais de alerta Não apresenta atenção conjunta/partilhada. Evita o contacto ocular. Apresenta movimentos estereotipados. Tem interesses obsessivos por temas específicos ou interessa-se apenas por partes de objetos.

7 Caraterização Sinais de alerta Repete palavras e frases (ecolália). Revela muita resistência à alteração de rotinas. Tem reações inesperadas a sons, cheiros, sabores, luz ou a diferentes texturas. Tem dificuldades em perceber os sentimentos dos outros e em falar acerca dos seus próprios sentimentos.

8 Caraterização - Comorbilidades Perturbação da Linguagem Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção Perturbação do Desenvolvimento Intelectual Perturbações associadas Dificuldades de Aprendizagem Perturbações Psiquiátricas/Neurológicas: Depressão; Perturbações do Humor; Epilepsia. Alterações comportamentais não sindromáticas Desatenção; irritabilidade; agressividade.

9 Caracterização Perfil Funcional nas PEA sem comorbilidades Áreas Com alterações Sem alterações Áreas Com alterações Sem alterações Conclusões Motricidade (fina e grosseira) Cognição (verbal e não-verbal) Funções executivas? Comunicação não-verbal Interação social Padrões restritos e repetitivos de comportamentos, interesses e atividades Comportamento adaptativo Comunicação verbal (pragmática) Jogo simbólico? Competências académicas (leitura, escrita e cálculo) (DSM 5, 2014)

10 Intervenção A American Academy of Pediatrics (AAP) recomenda: Treino e gestão comportamental; Terapias específicas/especializadas; Terapia farmacológica; Treino parental e rede de suportes na comunidade.

11 Intervenção Alguns modelos TEACCH ABA Early Start Denver Model Floor Time SonRise Intervenções alimentares e nutricionais

12 Intervenção As crianças com PEA apresentam grande Criança Família variabilidade, não existindo um programa ou método específico para todas as crianças e suas famílias. Contextos PROGRAMAS COMBINADOS

13 Avaliação e Intervenção Metodologias e Currículo ESCOLA Perfil funcional da CRIANÇA Perfil da FAMÍLIA Avaliação com referência a critério PERFIL FUNCIONAL

14 Intervenção O papel da família Ninguém conhece melhor a criança que os pais; são eles que passam a maior parte do tempo com as crianças e podem usar esse tempo para generalizar os diversos objetivos de intervenção, através das várias situações do dia a dia.

15 Áreas de Intervenção Intervenção Precoce Intervenção Educativa Comunicação e Interação Social Auto Controlo Comportamento adaptativo Transição para a Vida Ativa

16 Áreas de Intervenção Comunicação e Interação Social Padrões restritos e repetitivos de comportamentos Atenção (conjunta) Jogo Imitação Funções Executivas

17 Intervenção Comunicação e Interação Social INDIVIDUAL GRUPO CENTRO CASA ESCOLA EXTERIOR

18 Intervenção Padrões restritos e repetitivos de comportamentos Comportamentos típicos nas PEA Apego a objetos estranhos e bizarros; Movimentos estereotipados e repetitivos; Forte resistência à mudança e insistência nas mesmas rotinas; Interesses específicos ou preocupações com temas pouco comuns.

19 Intervenção nas PEA COMPORTAMENTO ADAPTATIVO Pessoal e Social Domínio Conceptual Domínio Social Domínio Prático Comunicação Lazer Autonomia Auto-orientação Gestão de Expetativas Competências Interpessoais Contexto Académico e /ou Gestão comportamental nos diferentes contextos Resolução de Problemas Profissional

20 Intervenção Nas PEA e as suas Comorbilidades Definição de prioridades Adaptar os conteúdos às competências e interesses de cada criança

21 Conclusão A intervenção deverá ser traçada de acordo com as especificidades de cada indivíduo, focando-se não só nas manifestações sindromáticas, como também nas manifestações não sindromáticas a fim de estabelecer objetivos segundo as necessidades dos indivíduos nos seus diversos contextos. Intervenção Eclética

22 Referências American Psychiatric Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-5). DSM-5 Collection Baker, B. and Brightman, A. (1995) Steps to Independence: A Skills Training Guide for Parents and Teachers of Children With Special Needs.Baltimore:Paul H. Brookes Publishing Faherty, C (2006). Asperger O que significa para mim? Verbo Fuentes, J., Bakare, M., Munir, K., Aguayo, P., Gaddour, N., Öner, O., et al. (2012). DEVELOPMENTAL DISORDERS - C.2 Autism spectrum disorders. In I. A. Professions, IACAPAP e- Textbook of Child and Adolescent Mental Health. Geneva: Rey JM. Hesita, S. (2006) "Compreender o Autismo - Estratégias para alunos com Autismo nas Escolas Regulares". Porto: Porto Editor Ingersoll, B. and Dvortcsak, A. (2010). Teaching Social Communication to Children with Autism: A Practitioner's Guide to Parent Training / A Manual for Parents. New York: The Guilford Press. Linder, T. (2008) " Transdisciplinary Play-Based Intervention: Guidelines for Developing a Meaningful Curriculum for Young Children. Baltimore:Paul H. Brookes Publishing

23 Referências Matos, A. et al (2009). Quais as causas para o autismo?. Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto. Acedido em outubro de 2013 em: quais-as-causas-para-o-autismo.html Palha, M. (2012). Perturbações do Espetro do Autismo. Comunicação Centro de Desenvolvimento Infantil Diferenças Patrick, N. (2008). Social Skills for Teenagers and Adults with Asperger Syndrome. Prior, M. et al. (2011) A Review of the Research to Identify the Most Effective Models of Practice in Early Intervention for Children with Autism Spectrum Disorders. The Australian Society for Autism Research. Rogers S. and Dawson, G. (2010) Early Start Denver Model for Young Children with Autism: Promoting Language, Learning, and Engagement. New York: The Guilford Press. Winner, M. (2012). You are a social detective.

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E :

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E : Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento SÍNDROME DE WILLIAMS A P R E S E N T A Ç Ã O D E : L I S A N D R A D O M I N G U E S I N Ê S L O P E S V E R A B R A N D Ã O Introdução Físico e

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Pense Autismo A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Declaração de Responsabilidade e Conflito de Interesse O autor

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Introdução A maioria das crianças, desde os primeiros tempos de vida, é sociável e procura ativamente

Leia mais

DO PROJETO À REALIDADE. Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA)

DO PROJETO À REALIDADE. Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA) DO PROJETO À REALIDADE Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA) Ano Letivo 2011/2012 Perturbações do Espetro do Autismo (PEA) As PEA consistem numa perturbação

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Dr Judith Gould Director The NAS Lorna Wing Centre for Autism Porquê o interesse O número crescente de raparigas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

TÍTULO: A Comunicação de Crianças com Perturbação do Espectro do

TÍTULO: A Comunicação de Crianças com Perturbação do Espectro do Autismo TÍTULO: A Comunicação de Crianças com Perturbação do Espectro do Autoria: Lisa João Viana Teixeira Palavras-chave: Autismo, Comunicação, Linguagem, Estratégias. Resumo As perturbações do espectro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA.

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. Conceito É uma patologia vasto quadro clínico com déficits neurocomportamentais e cognitivos e padrões repetitivos de comportamentos

Leia mais

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Löhr, Thaise ROGERS, S. J.; DAWSON, G. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção

Leia mais

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA)

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) Sub-departamento de Educação Especial PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) O autismo é uma das mais graves perturbações de desenvolvimento da criança, que resulta numa incapacidade que se prolonga

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DE COMPORTAMENTOS ATÍPICOS EM HABILIDADES DE ADAPTAÇÃO SOCIAL NAS CRIANÇAS DO ESPECTRO AUTÍSTICO

A INTERFERÊNCIA DE COMPORTAMENTOS ATÍPICOS EM HABILIDADES DE ADAPTAÇÃO SOCIAL NAS CRIANÇAS DO ESPECTRO AUTÍSTICO A INTERFERÊNCIA DE COMPORTAMENTOS ATÍPICOS EM HABILIDADES DE ADAPTAÇÃO SOCIAL NAS CRIANÇAS DO ESPECTRO AUTÍSTICO Márcia Regina Fumagalli Marteleto, Ana Carina Tamanaha, Jacy Perissinoto Departamento de

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS

A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS Ana Carina Tamanaha, Márcia Regina Fumagalli Marteleto, Jacy Perissinoto Departamento

Leia mais

Workshops e Produtos

Workshops e Produtos Workshops e Produtos Serviços e produtos concebidos para melhorar a qualidade de vida das pessoas com Autismo e outras perturbações do desenvolvimento. A P yramid já treinou mais de 215.000 pais e profissionais

Leia mais

Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas

Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas Carolina Salviano de Figueiredo Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

Sessão Televoter Pediatria. Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar

Sessão Televoter Pediatria. Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar 2014 3 de Maio Sábado Sessão Televoter Pediatria Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar Francisco Abecasis Recém nascido Tracção pelas mãos Suspensão ventral Reflexo de Moro 1 Mês Deitado

Leia mais

Mestre em Neurociência, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas. (In memoriam). Orientador da parte clínica.

Mestre em Neurociência, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pelotas. (In memoriam). Orientador da parte clínica. WOLFF, Silvia Susana; ARRIECHE, Luana; SOUZA, Ana Teresa Garcia de. AULAS DE DANÇA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES AUTISTAS SOB 0 OLHAR DOS PAIS Pelotas Universidade Federal de Pelotas(UFPEL). Professora

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Serviço para a Educação Contínua Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Formadoras: Doutora Ana Aguiar

Leia mais

O CONTRIBUTO DO TERAPEUTA DA FALA:

O CONTRIBUTO DO TERAPEUTA DA FALA: O CONTRIBUTO DO TERAPEUTA DA FALA: XI Congresso Nacional de Intervenção Precoce Intervenção Precoce nos Problemas da Comunicação: perturbações da linguagem e espectro do autismo Reflexões da prática em

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NEE NAS ATIVIDADES COLETIVAS DA ESCOLA DE ENSINO REGULAR

PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NEE NAS ATIVIDADES COLETIVAS DA ESCOLA DE ENSINO REGULAR PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS COM NEE NAS ATIVIDADES COLETIVAS DA ESCOLA DE ENSINO REGULAR INÊS FILIPA MIRANDA ALMEIDA, Nº 19775 Orientador de Dissertação: PROF. DOUTOR JOSÉ MORGADO Coordenador de Seminário de

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

CRITÉRIOS CLASSIFICATIVOS DAS PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) SEGUNDO O DSM-5

CRITÉRIOS CLASSIFICATIVOS DAS PERTURBAÇÕES DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) SEGUNDO O DSM-5 O Fábio foi sempre uma criança muito estranha. Tolinho, no dizer da gente simples lá da aldeia. Segundo os pais, não olhava as pessoas olhos nos olhos. Ficava fascinado com o movimento circular da máquina

Leia mais

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette TEA Módulo 4 Aula 5 Tics e Síndrome de Tourette Os tics são um distúrbio de movimento que ocorrem no início da infância e no período escolar. É definido pela presença crônica de múltiplos tics motores,

Leia mais

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Psicologia, 4º Período Componente Curricular: Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem III Professora:

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Análise Aplicada do Comportamento (ABA) Modelo de intervenção embasado no Behaviorismo Radical, de Skinner (O comportamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

Essências florais de Bach e as crianças com perturbações do desenvolvimento 2014

Essências florais de Bach e as crianças com perturbações do desenvolvimento 2014 As Essências Florais de Bach e as crianças com Perturbações do Desenvolvimento A utilização das essências florais nas crianças tem se mostrado uma ferramenta indispensável no apoio à intervenção psicopedagógica.

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

transtorno global do desenvolvimento (TGD)

transtorno global do desenvolvimento (TGD) Autismo A G R U PA M E N T O D E E S C O L A S D E M É R T O L A E S C O L A EB 2, 3 / ES D E S Ã O S E B A S T I Ã O D E M É R T O L A C U R S O P R O F I S S I O N A L D E T É C N I C O D E A P O I O

Leia mais

transtorno global do desenvolvimento (TGD)

transtorno global do desenvolvimento (TGD) Autismo A G R U PA M E N T O D E E S C O L A S D E M É R T O L A E S C O L A EB 2, 3 / ES D E S Ã O S E B A S T I Ã O D E M É R T O L A C U R S O P R O F I S S I O N A L D E T É C N I C O D E A P O I O

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir

SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir SÍNDROME DE ASPERGER Pontos importantes para compreender eintervir Texto organizado pela psicóloga Ingrid Ausec (Núcleo de Acessibilidade da UEL) para subsidiar o acompanhamento de estudantes com Síndrome

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE VIANA DO CASTELO

INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE VIANA DO CASTELO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CENTRO REGIONAL DE BRAGA INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM AUTISMO PERTENCENTE À COMUNIDADE CIGANA NO ENSINO REGULAR ESTUDO DE CASO NUMA ESCOLA DE

Leia mais

A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento.

A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. Dayse Serra Junia de Vilhena Introdução: cada termo em seu lugar. A proposta de escrever sobre a inclusão educacional dos

Leia mais

CIPAL GAB MESES DE 29 D E JANEI

CIPAL GAB MESES DE 29 D E JANEI C ÂMARAA MUNI CIPAL DE EST ARREJJ A GAB INETEE DE PS ICOLOO GIA RELATÓRIO DE ATIVIDADES MESES DE JANEIRO DEZEMBRO DE 0 9 D E JANEI RO 0 Relatórioo de Atividades Janeiro - Dezembro APRESENTAÇÃO DO GABINETE

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO AUTISMO NA ESCOLA Letícia Soares da Silva Tati Ana Soares Costa Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO Este trabalho apresenta as principais dificuldades de aprendizagem em crianças portadoras

Leia mais

AUTISMO: 2 MILHÕES DE BRASILEIROS

AUTISMO: 2 MILHÕES DE BRASILEIROS AUTISMO: 2 MILHÕES DE BRASILEIROS ÍNDICE O que é o autismo? Qual o papel da família? Quais os sinais de alerta? Diagnóstico: quem procurar? Tratamentos: quais são? Multidisciplinar: o que é isso? O que

Leia mais

Deficiência Mental. Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais:

Deficiência Mental. Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais: Deficiência Mental Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Deficiência Mental - definição Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais: - A corrente psicológica ou psicométrica:

Leia mais

Avaliação e Tratamento das Perturbações Psicológicas de acordo com as. Terapias Comportamentais e Cognitivas. Mestre Marina Carvalho

Avaliação e Tratamento das Perturbações Psicológicas de acordo com as. Terapias Comportamentais e Cognitivas. Mestre Marina Carvalho Avaliação e Tratamento das Perturbações Psicológicas de acordo com as Terapias Comportamentais e Cognitivas Mestre Marina Carvalho Departamento de Psicologia da Universidade Lusófona Os trabalhos de Pavlov,

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

ABORDAGEM DE APRENDIZAGEM AUTISM IN PINK RACIONAL

ABORDAGEM DE APRENDIZAGEM AUTISM IN PINK RACIONAL ABORDAGEM DE APRENDIZAGEM AUTISM IN PINK RACIONAL Data: Janeiro 2014 Autor: Isabel Cottinelli Telmo Revisão: 1.0 Este projeto foi financiado com o apoio do Programa Lifelong Learning da União Europeia.

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2008/2009 1. Identificação do Aluno 2.1. Nome: 2.2. Data de Nascimento: 2.3. Morada: 2.4. Concelho: 2.5. Código Postal: 2.6. Telefone: 2.7. Email: 2.8. Situação

Leia mais

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2 Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Atípico Presença de atrasos de desenvolvimento ou anormalidades no comportamento da criança quando comparado

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Junho de 2010 Dificuldades de Aprendizagem (CORREIA;MARTINS, 2010, p.06) Desordens neurológicas que interferem na recepção, integração ou expressão de informação,

Leia mais

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Seção Livre Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Desordens alimentares no desporto: situação atual e perspectivas futuras no estudo dos fatores

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE INTERAÇÕES SOCIAIS DE UMA CRIANÇA COM TEA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS DE INTERAÇÕES SOCIAIS DE UMA CRIANÇA COM TEA NA EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS DE INTERAÇÕES SOCIAIS DE UMA CRIANÇA COM TEA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Gisele de Lima Vieira 1 - UFAM Grupo de Trabalho Diversidade e inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Geralmente começam por volta dos 6 anos de idade, muitas vezes de forma súbita e têm tendência a melhorar até ao final da adolescência.

Geralmente começam por volta dos 6 anos de idade, muitas vezes de forma súbita e têm tendência a melhorar até ao final da adolescência. TIQUES NA CRIANÇA INFORMAÇÃO AOS PAIS O que são tiques? Tiques são movimentos (chamados tiques motores) e/ou sons (tiques fónicos ou vocais) breves, repetidos, sem objectivo nem propósito claro, por vezes

Leia mais

Exmo. Sr. Prof. Dr. Ademar Arthur Chioro dos Reis D.D. Ministro da Saúde. Ministério da Saúde Brasília DF

Exmo. Sr. Prof. Dr. Ademar Arthur Chioro dos Reis D.D. Ministro da Saúde. Ministério da Saúde Brasília DF 1/12 Exmo. Sr. Prof. Dr. Ademar Arthur Chioro dos Reis D.D. Ministro da Saúde. Ministério da Saúde Brasília DF Posicionamento da Associação Brasileira de Análise do Comportamento (ACBr) com relação ao

Leia mais

10 anos no papel de mãe

10 anos no papel de mãe 10 anos no papel de mãe autodeterminação proteção legal ativação de direitos aceitação respeito inclusão Qualidade de vida 1 o estudo ( ) também não é de somenos traçar um diagnóstico que permita a uma

Leia mais

TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO DO ESPECTRO AUTISTA: A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NA REDE REGULAR DE ENSINO E A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO

TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO DO ESPECTRO AUTISTA: A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NA REDE REGULAR DE ENSINO E A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO DO ESPECTRO AUTISTA: A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NA REDE REGULAR DE ENSINO E A ATUAÇÃO DO PROFESSOR DE APOIO Resumo Alice de Araújo Silva Mota 1 Clério Cezar Batista

Leia mais

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DIONISIO, Amanda Luziêk Alves¹ FRANCA, Annyelle Santos² CAVALCANTE, Cindy Bianca Soares² ARAÚJO, Clarice Ribeiro Soares³

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Programa de Estudo / Currículo

Programa de Estudo / Currículo Programa de Estudo / Currículo 1 Componentes Curriculares Baseado na linguagem Sistema de Calendário Todo aluno tem que ter um Estratégias apropriadas de ensino Nível apropriado de currículo Considerar

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES OBJETIVOS DA UFCD Reconhecer a importância dos vários fatores que condicionam o desenvolvimento da criança; Identificar teorias do desenvolvimento infantil

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional de Braga Faculdade de Ciências Sociais CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de Especialização: Educação Especial A INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM PERTURBAÇÕES

Leia mais

Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica

Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica "Intervention in adults on a mental health care center A clinical education project" Health Interventions in the

Leia mais

APLICAÇÃO DO PERFIL PSICOEDUCACIONAL REVISADO - PEP-R EM CRIANÇAS COM AUTISMO

APLICAÇÃO DO PERFIL PSICOEDUCACIONAL REVISADO - PEP-R EM CRIANÇAS COM AUTISMO APLICAÇÃO DO PERFIL PSICOEDUCACIONAL REVISADO - PEP-R EM CRIANÇAS COM AUTISMO ELAINE DE OLIVEIRA SANTOS, VIVIANE POIATO MACEDO, LOIANE MARIA ZENGO, MANOEL OSMAR SEABRA JUNIOR Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA Dr. Márcio Borges Moreira Instituto de Educação Superior de Brasília Instituto Walden4 Conceitos Básicos Reforço Comportamento Consequência Punição

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista CONHECENDO O AUTISMO História Definição Etiologia Diagnóstico Descrição Clínica Comportamento Tratamento Página 1 História do autismo O termo autismo vem do grego autós que significa de si mesmo. Em 1906,

Leia mais

AUTISM IN PINK. Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme

AUTISM IN PINK. Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme AUTISM IN PINK Reconhecer as necessidades de mulheres com Autismo 1 Necessidades e recomendações Lifelong Learning Programme 1 O termo autismo está a ser usado neste documento para incluir todas as perturbações

Leia mais

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância INVESTIGAÇÃO A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância O trabalho agora apresentado faz parte da metodologia seguida na realização

Leia mais

ANÁLISE DAS MEDIAÇÕES OCORRIDAS A PARTIR DA APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ATIVIDADES PSICOMOTORAS DE CARÁTER LÚDICO RECREATIVO EM CRIANÇAS AUTISTAS

ANÁLISE DAS MEDIAÇÕES OCORRIDAS A PARTIR DA APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ATIVIDADES PSICOMOTORAS DE CARÁTER LÚDICO RECREATIVO EM CRIANÇAS AUTISTAS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 641 ANÁLISE DAS MEDIAÇÕES OCORRIDAS A PARTIR DA APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ATIVIDADES PSICOMOTORAS DE CARÁTER LÚDICO

Leia mais

APRENDER A OLHAR PARA O OUTRO: Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico

APRENDER A OLHAR PARA O OUTRO: Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico Ana Cristina F. T. Carvalho Catarina Teixeira Soares Onofre Introdução Ao longo dos últimos anos, no âmbito

Leia mais

Vinhetas Clínicas. Casos clínicos de Pediatria Perspetiva Ética. Adolescentes e menores casos Curso Medicina Geral e Familiar

Vinhetas Clínicas. Casos clínicos de Pediatria Perspetiva Ética. Adolescentes e menores casos Curso Medicina Geral e Familiar Vinhetas Clínicas Apresentação do caso clínico; Discussão dos aspetos medicos; Identificação dos problemas morais; Identificação do problema moral/ético em discussão; Identificação dos cursos de ação possíveis;

Leia mais

Índice. Parte I Vamos Começar

Índice. Parte I Vamos Começar Índice Autoras... XIII Nota das autoras... XIV Agradecimentos... XV Introdução... XIX Parte I Vamos Começar Capítulo 1 Definir o programa de intervenção precoce para o seu filho... 3 Começar: Saber é poder...

Leia mais

Célia Cristina Fernandes Costa Gouveia

Célia Cristina Fernandes Costa Gouveia Célia Cristina Fernandes Costa Gouveia As Crianças com Perturbações do Espectro do Autismo (Síndrome de Asperger), em Contexto Pré- Escolar. Perceção dos Educadores do Ensino Regular e da Educação Especial

Leia mais