Geralmente começam por volta dos 6 anos de idade, muitas vezes de forma súbita e têm tendência a melhorar até ao final da adolescência.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geralmente começam por volta dos 6 anos de idade, muitas vezes de forma súbita e têm tendência a melhorar até ao final da adolescência."

Transcrição

1 TIQUES NA CRIANÇA INFORMAÇÃO AOS PAIS O que são tiques? Tiques são movimentos (chamados tiques motores) e/ou sons (tiques fónicos ou vocais) breves, repetidos, sem objectivo nem propósito claro, por vezes socialmente desadequados e embaraçosos. Variam em gravidade de criança para criança e também ao longo do tempo, sendo intensificados nas situações de ansiedade e nervosismo. São relativamente frequentes (cerca de 1 em cada 10 crianças em idade escolar), mas igualmente mal interpretados e até ridicularizados, quer por adultos, quer por outras crianças. Exemplos de tiques motores: torcer ou coçar o nariz, piscar os olhos, fazer caretas, tocar repetidamente em partes do corpo, objectos ou noutras pessoas, saltar. Exemplos de tiques vocais: limpar a garganta, dar estalinhos com a língua, fungar, grunhir, ou em situações mais raras palavras e/ou frases fora de contexto (incluindo obscenidades). Associam-se a ansiedade e desconforto interior, que aliviam após a concretização do tique. Por este motivo, quando são impedidos deixam a criança inquieta, tensa e nervosa. São involuntários, ou seja, a criança não os realiza deliberadamente nem tem controlo sobre o momento em que ocorrem ou a sua intensidade, surgindo também durante o sono. Podem, contudo, ser suprimidos por breves períodos, à custa de um importante e progressivo aumento da ansiedade, até que sejam de novo realizados. Geralmente começam por volta dos 6 anos de idade, muitas vezes de forma súbita e têm tendência a melhorar até ao final da adolescência. O que causa os tiques? Ainda não está perfeitamente esclarecida a causa desta perturbação, porém envolve alterações em determinados circuitos cerebrais e neurotransmissores (substâncias que fazem circular a informação no cérebro). Parece existir uma componente genética, com uma maior tendência de filhos de pais com tiques, também os terem na actualidade ou terem tido durante a infância. Como é feito o diagnóstico? O diagnóstico é clínico, significando isto que é através da história que contam os pais, professores e a própria criança, bem como da observação da criança pelo médico, que se conclui pela existência de tiques. Não existem análises nem exames de imagem

2 cerebral (TAC ou Ressonância Magnética) que façam o diagnóstico. Pode ser útil os pais filmarem os movimentos para depois serem mostrados na consulta. Ter tiques é grave? Os tiques são bastante frequentes nas crianças e muitas delas podem manifestá-los apenas durante alguns meses. Sendo este o caso, não há necessidade de mais investigação nem tal é sinónimo da existência de outros problemas de saúde física ou mental. Nalgumas situações, as crianças com tiques graves e múltiplos podem ter também perturbação da atenção, hiperactividade, dificuldades de aprendizagem. Outro tipo de situações como depressão, ansiedade, pensamentos e comportamentos obsessivos e/ou compulsões, podem também ocorrer. Que impacto têm os tiques na criança? Embora em si mesmos os tiques maioritariamente não sejam um problema grave de saúde, parecem por vezes simular comportamentos de desobediência e rebeldia, sendo alvo de crítica e desdém. Por este motivo têm um impacto potencialmente negativo na vida da criança, sobretudo quando ocorrem na escola, em casa de amigos, etc., locais em que a compreensão é menor, ao contrário do que acontece em casa, na presença da família mais próxima. Desta forma, a criança sente-se embaraçada, pode desenvolver uma baixa auto-estima e ficar até deprimida. O que fazer então enquanto pais? 1) Não repreender a criança por fazer os tiques. 2) Assegurar à criança que não deve sentir-se inferior aos companheiros, evitando os próprios pais fazê-la sentir dessa forma. 3) Igualmente importante é reconhecer e dar a entender às pessoas que convivem com a criança, que os tiques não são voluntários nem contagiosos. Podem ser suprimidos, porém apenas por instantes e à custa de níveis altos de ansiedade, o que não é benéfico para a criança. Conversar com o médico assistente/pediatra quando: os tiques se tornam gradualmente mais frequentes e complexos, ou são acompanhados por dificuldades de concentração, comportamentos de auto-agressão ou impulsivos e/ou obsessivos, ou surgem sinais depressivos, medo ou recusa de ir à escola e de estar em público

3 Nestas situações é necessário referenciar a criança a especialistas nestas perturbações. Existe tratamento? A maioria das situações não requer tratamento, uma vez que corresponde a uma perturbação transitória, com impacto reduzido no dia-a-dia da criança a partir do momento em que tanto ela como as pessoas que com ela convivem são educadas quanto à benignidade da situação. Noutros casos, a intensidade, tipo e frequência dos tiques, bem como a existência de perturbações associadas (sintomas depressivos, dificuldade de concentração, comportamentos de auto-agressão, impulsivos e/ou obsessivos), podem necessitar de tratamento. Este pode ser simplesmente através de terapia, se se concluir que a criança e a família necessitam sobretudo de aprender a lidar com uma situação transitória. Contudo, nalgumas situações menos frequentes e quando a interferência no quotidiano é significativa, pode ser necessário recorrer a medicamentos. Nestes casos a criança é geralmente encaminhada para um especialista (Neuropediatra). Sites a consultar: Movement Disorder Society on Tics Planet Tic, National Institute of Mental Health CDCs on Tourette Syndrome National Tourette Syndrome Association Sociedade Portuguesa de Neuropediatria (brevemente informação online) Sociedade Portuguesa de Neuropediatria, 2011 Profª. Dra. Teresa Temudo, Neuropediatra, CHP Dra. Maria José Silva, Médica Interna de Neurologia, HPH

SAÚDE MENTAL INFANTIL E JUVENIL NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

SAÚDE MENTAL INFANTIL E JUVENIL NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS RECOMENDAÇÕES PARA A PRÁTICA CLÍNICA DA SAÚDE MENTAL INFANTIL E JUVENIL NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS COORDENAÇÃO NACIONAL PARA A SAÚDE MENTAL RECOMENDAÇÕES PARA A PRÁTICA CLÍNICA DA SAÚDE MENTAL INFANTIL

Leia mais

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS

O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O CÉREBRO, O OLHO, O OUVIDO E AS SEQUELAS O cérebro do bebé prematuro é particularmente frágil. Uma das complicações que pode ocorrer é a hemorragia. Felizmente esta hemorragia ocorre, não no tecido nervoso

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Transtorno Obsessivo-Compulsivo 1 Transtorno Obsessivo-Compulsivo Ana Gabriela Hounie* Antonio Carlos Lopes** Cecília Labate*** Cristina Belotto*** Maria Eugênia de Mathis*** Sonia Borcato*** * Psiquiatra. Vice-coordenadora do PROTOC-Projeto

Leia mais

ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO RADIOLOGIA COM UM ESTUDO DO CURSO DE

ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO RADIOLOGIA COM UM ESTUDO DO CURSO DE ANÁLISE DE DEPRESSÃO E ANSIEDADE NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: COMPARAÇÃO COM UM ESTUDO DO CURSO DE RADIOLOGIA Ana Catarina Martins Pereira Docente Curso Radiologia Escola Superior de Saúde Dr. Lopes

Leia mais

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: UM MANUAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: UM MANUAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE EM ATENÇÃO PRIMÁRIA PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: UM MANUAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Este documento pertence a uma série de recursos destinados a grupos sociais e profissionais específicos, especialmente relevantes

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TRANSTORNO OPOSITOR DESAFIADOR REFLEXÕES A RESPEITO DESTE DESAFIO.

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TRANSTORNO OPOSITOR DESAFIADOR REFLEXÕES A RESPEITO DESTE DESAFIO. UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA TRANSTORNO OPOSITOR DESAFIADOR REFLEXÕES A RESPEITO DESTE DESAFIO. Por: Neiva Veiga Souza Orientador Prof. Dayse Carla Genero

Leia mais

separação do casal Guia para enfrentá-la sem prejudicar os filhos

separação do casal Guia para enfrentá-la sem prejudicar os filhos separação do casal Guia para enfrentá-la sem prejudicar os filhos José Manuel Aguilar Cuenca Psicólogo As famílias estão a passar por mudanças significativas na sociedade portuguesa, acabando as nossas

Leia mais

O STRESS ESTÁ DENTRO DE VOCÊ

O STRESS ESTÁ DENTRO DE VOCÊ O STRESS ESTÁ DENTRO DE VOCÊ O STRESS ESTÁ DENTRO DE VOCÊ Dra. Marilda Lipp (Org.) Copyright 1999 Marilda Emmanuel Novaes Lipp Coordenação editorial: Daisy Barretta Revisão: Isabel Menezes Ana Luiza França

Leia mais

O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE

O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Campus de Bauru VIVIANE CINTRA FELICIO O AUTISMO E O PROFESSOR: UM SABER QUE PODE AJUDAR BAURU 2007 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Acompanhamento social a pessoas que viveram em situação de sem-abrigo com doença mental

Acompanhamento social a pessoas que viveram em situação de sem-abrigo com doença mental Ana Rita Ferreira Tavares Acompanhamento social a pessoas que viveram em situação de sem-abrigo com doença mental Universidade Fernando Pessoa Porto, 2010 Ana Rita Ferreira Tavares Acompanhamento social

Leia mais

Cap. 3. A errar também se aprende

Cap. 3. A errar também se aprende Cap. 3. A errar também se aprende O erro cometido pelo aluno constitui um fenómeno familiar ao professor. Está presente no quotidiano da sala de aula e surge através de produções orais ou escritas dos

Leia mais

O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES

O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES pag. 42 a 54 O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES Edilaine Cristina Hudzinski Aluna do curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco Josiane Schmidt Gonçalves Aluna do curso

Leia mais

ZUMBIDO. Sinónimos de Zumbido Acufenos, Tinnitus. O que é o Zumbido?

ZUMBIDO. Sinónimos de Zumbido Acufenos, Tinnitus. O que é o Zumbido? ZUMBIDO Vários estudos comprovaram a grande frequência dos zumbidos. Alguns estudos referem que entre 5% a 20% dos adultos já tiveram zumbidos; 1% consideram que este está presente e perturba o seu dia

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana Introdução ao Desenvolvimento na Primeira Infância Duzentas milhões de crianças em todo o mundo não estão a alcançar o seu potencial de desenvolvimento. Garantir um início de vida sólido para as crianças

Leia mais

Onde habitar é possível

Onde habitar é possível Onde habitar é possível Rafaela Arrigoni O habitar não se limita a uma habitação, no sentido de uma casa ou de um abrigo, mas estende-se na medida em que o espaço construído é palco para a vida. Habitamos

Leia mais

BIOÉTICA CLÍNICA. Reflexões e Discussões sobre Casos Selecionados

BIOÉTICA CLÍNICA. Reflexões e Discussões sobre Casos Selecionados BIOÉTICA CLÍNICA Reflexões e Discussões sobre Casos Selecionados C R E M E S P Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo 2008 Reflexões e Discussões sobre Casos Selecionados BIOÉTICA CLÍNICA

Leia mais

Mestrado em. o Especial tica como

Mestrado em. o Especial tica como Escola Superior de Educação Joãoo de Deus Mestrado em Ciências da Educação na Especialidade em Domínio Cognitivo-Motor A Perspetiva dos professoress de Educação o Especial sobre a importância da Expressão

Leia mais

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Quando um Ente Querido Está Morrendo O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Introdução à versão brasileira O texto aqui apresentado nasceu no Canadá e nós o traduzimos e adaptamos para a realidade

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTUDO A Educação das Crianças dos 0 aos 12 Anos

RELATÓRIO DO ESTUDO A Educação das Crianças dos 0 aos 12 Anos RELATÓRIO DO ESTUDO A Educação das Crianças dos 0 aos 12 Anos ESTUDO Introdução Isabel Alarcão RELATÓRIO DO ESTUDO A Educação das Crianças dos 0 aos 12 Anos Parte I Caracterização da situação. Desenvolvimento

Leia mais

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER LUZ, Marina Cabreira da UP rmarinacabreiral@hotmail.com OLIVEIRA, Maria Cristina Alves Ribeiro de UP cristina.educar@hotmail.com SOUZA, Gelsenmeia

Leia mais

Deixe o bebê também brincar por si mesmo

Deixe o bebê também brincar por si mesmo 1 Deixe o bebê também brincar por si mesmo Traduzido por Patrícia Gimael Anna Tardos Ele também precisa de tranquilidade Um bebê é sem dúvida uma grande alegria na família. Os pais, ambos a mãe e o pai,

Leia mais

ASSERTIVIDADE: O QUE É, POR QUE É ÚTIL E COMO SE APRENDE?

ASSERTIVIDADE: O QUE É, POR QUE É ÚTIL E COMO SE APRENDE? ASSERTIVIDADE: O QUE É, POR QUE É ÚTIL E COMO SE APRENDE? O que é o Comportamento Assertivo? Comportamento Assertivo O comportamento assertivo pode ser definido como aquele que envolve a expressão directa,

Leia mais

Boas Práticas na Intervenção Precoce. Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência

Boas Práticas na Intervenção Precoce. Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência Boas Práticas na Intervenção Precoce Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência Nota introdutória As problemáticas ligadas às crianças e aos jovens têm vindo, cada vez mais, a assumir um

Leia mais

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde Classificação Detalhada com definições Todas as categorias com as suas definições, inclusões e exclusões Organização Mundial da Saúde

Leia mais

UM ROTEIRO PARA O DIAGNÓSTICO COMPORTAMENTAL 1, 2. I. Análise Inicial da Situação-Problema

UM ROTEIRO PARA O DIAGNÓSTICO COMPORTAMENTAL 1, 2. I. Análise Inicial da Situação-Problema 1 UM ROTEIRO PARA O DIAGNÓSTICO COMPORTAMENTAL 1, 2 FREDERICK H. KANFER GEORGE SASLOW A análise proposta aqui não tem a intenção de levar à escolha de uma classe de diagnóstico para o paciente. Deveria

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS VISEU. O impacto do diagnóstico de autismo nos Pais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS VISEU. O impacto do diagnóstico de autismo nos Pais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS VISEU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Domínio Cognitivo e Motor O impacto do diagnóstico de autismo nos

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE

EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE Inês Maria Pereira Capinha MESTRADO INTEGRADO EM PSICOLOGIA (Secção de Psicologia Clínica e

Leia mais