Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luísa Cabral 17 de Junho de 2008"

Transcrição

1 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO do FUNCHAL

2 Alguns Direitos O DIREITO de as pessoas com autismo terem um diagnóstico e uma avaliação clínica precisos, acessíveis e livres de preconceitos. O DIREITO de as pessoas com autismo receberem uma educação acessível e apropriada. O DIREITO de as pessoas com autismo terem igual acesso a todos os equipamentos, serviços e actividades da comunidade e poderem utilizá-los. Carta dos Direitos das Pessoas com Autismo, 1992

3 À semelhança da sociedade, os sistemas educativos devem ser inclusivos. Na medida em que as Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) requerem respostas individualizadas abrangentes e diversificadas, considera-se que estas devem ocorrer nas escolas regulares, com adaptações apropriadas para garantir um melhor acesso, participação sustentada e benefícios para as pessoas com PEA (Educação de Pessoas com PEA, Recomendações de Autism-Europe1, 1998)

4 O QUE É O AUTISMO? Ao dizermos que um indivíduo tem autismo ou uma perturbação no espectro do autismo (PEA), estamos simultaneamente a afirmar que ele tem um conjunto de disfunções características nas áreas da interacção social, da comunicação (verbal e não verbal), bem como alterações no comportamento visíveis a todos os que contactam com esse indivíduo (ex: resistência à mudança; maneirismos motores; respostas atípicas às experiências sensoriais).

5 Quais as causas do autismo? As evoluções na pesquisa científica têm vindo a apontar para o facto de poderem existir diversas causas, algumas presentes, outras não, em determinada pessoa: Parece existir uma pré disposição genética que pode dar origem ao aparecimento de autismo. Alguns factores pré e peri natais podem igualmente jogar um papel determinante. Pode ter de haver uma conjunção entre o potencial genético e o meio ambiente (ex: infecções virais; exposição a determinados componentes do ambiente; desequilíbrios metabólicos). Uma causa conhecida reúne o consenso: o autismo é causado por anomalias nas estruturas e funções cerebrais.

6 DSM IV - TR (2001) Critérios para a definição de Perturbação Autística Redução na interacção social (pelo menos 2) Redução nos comportamentos não verbais (contacto do olhar, expressão facial, postura corporal) Insucesso na relação com os pares adequada ao nível de desenvolvimento Falta de procura espontânea de partilha de interesses, divertimentos ou actividades com outras pessoas Falta de reciprocidade social ou emocional

7 DSM IV - TR (2001) Critérios para a definição de Perturbação Autística Redução qualitativa na comunicação (pelo menos 1) Atraso ou ausência no desenvolvimento da linguagem falada Uso estereotipado ou repetitivo da linguagem Quando falam, redução na capacidade de iniciar ou sustentar uma conversa com os outros Falta de jogo simbólico variado e espontâneo ou jogo social imitativo adequado ao nível do desenvolvimento

8 DSM IV - TR (2001) Critérios para a definição de Perturbação Autística Padrões repetitivos e estereotipados de comportamento, interesses, actividades (pelo menos 1) Preocupação cingida a um ou mais padrões de interesse estereotipados ou restritos não normais Adesão a rotinas ou rituais específicos não funcionais Maneirismos motores estereotipados e repetitivos Preocupação persistente com partes de objectos

9 INTERVENÇÃO A intervenção deve ser iniciada precocemente A intervenção deve ser intensiva e individualizada A intervenção deve ser realizada por uma equipa interdisciplinar Conteúdos Curriculares (capacidade para prestar atenção a elementos do ambiente; para imitar os outros; para usar e compreender a linguagem; para usar apropriadamente os brinquedos; para interagir socialmente com os outros) Ambientes de ensino altamente estruturados e de estratégias de generalização Previsibilidade e Rotina Abordagem funcional dos Problemas de Comportamento Envolvimento Familiar (Dawson & Osterling, 1997)

10 FACTORES QUE INTERAGEM DE MODO FAVORÁVEL protegendo e diminuindo o risco: QI elevado Desenvolvimento de linguagem e fala Temperamento afável Intervenções de desenvolvimento bem sucedidas Bom ambiente social de suporte

11 FACTORES QUE INTERAGEM DE MODO DESFAVORÁVEL aumentando o risco: QI baixo Ausência de linguagem ou fala Alterações neurológicas Doenças psiquiátricas concomitantes Falta de programas educativos precoces e adequados Ambiente social incapaz de lidar com a criança autista

12 Actividade Modalidades de Comunicação Processos Cognitivos Contexto Intervenção

13 TEACCH Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handicapped Children (Tratamento e Educação de Crianças Autistas e com Perturbações da Comunicação)

14 Princípios e conceitos orientadores: Melhoria das capacidades adaptativas da criança Colaboração pais/profissionais Avaliação individualizada para a intervenção Reforço das capacidades Teoria cognitiva e comportamental Técnico Generalista Ensino estruturado

15 DÉFICES INTERVENÇÃO COM O MODELO TEACCH Cognitivos Atenção Sequencialização Memória Generalização Ensino individualizado 1:1 Estruturação física Clarificação do objectivo da tarefa Sequência de actividades Facilita a generalização Áreas fortes e interesses Sensoriais Inconsistência Hiper/Hipo-sensibilidade Ensino individualizado 1:1 Suporte visual Redução de estímulos distractores

16 Alterações da Comunicação Compreensão/Expr. Pragmática DÉFICES INTERVENÇÃO COM O MODELO TEACCH Informação visual Estimula a generalização Sistema de comunicação próprio Trabalha conceitos em contextos naturais Sociais Empatia Reciprocidade Promove a ligação com a comunidade Adequa os requisitos sociais a cada criança Estimula actividades da vida diária

17 DÉFICES Comportamentais Aderência a rituais não funcionais INTERVENÇÃO COM O MODELO TEACCH Estruturação física Informação visual Rotinas e regras explicitas Redução de estímulos distractores

18 As quatro componentes principais do ensino estruturado 1. Estruturação Física 2. Informação Visual 3. Plano de Trabalho 4. Pistas Facilitadoras do Desempenho

19 Áreas de Trabalho 1. Reunião Zona para a exploração de objectos, imagens, sons e gestos Desenvolver competências ao nível das noções espaciotemporais, autonomia, compreensão verbal Desenvolver a comunicação Desenvolver a interacção social

20 Áreas de Trabalho 2. Aprender Privilegia o desenvolvimento de novas aprendizagens e a sua consolidação Desenvolve a atenção e concentração Facilita a interacção e a focalização do olhar

21 Áreas de Trabalho 3. Trabalhar Área de trabalho individual e autónomo O gabinete de trabalho permite: Redução de estímulos distractores Focalizar a atenção nos aspectos importantes da tarefa

22 Áreas de Trabalho 4. Trabalho de grupo Zona para a promoção da interacção social Estimula a partilha e o trabalho com os pares Fomenta a diversificação de actividades

23 Áreas de Trabalho 5. Brincar Local para brincar e, principalmente, para aprender a brincar Relaxamento, lazer Momentos de Espera Local de estereotipia

24 Áreas de Trabalho 6. Computador Espaço para o trabalho com o computador Facilita a atenção e a concentração Consolidar aprendizagens Minimizar dificuldades na escrita

25 Áreas de Trabalho 7. Área de transição Local onde se encontram os horários individuais O aluno dirige-se a esta zona sempre que termine as tarefas de cada área.

26 2. Informação Visual Informação visual da própria sala: Áreas de trabalho identificadas Perceber em que espaço vão ser realizadas as tarefas Informação visual do próprio aluno

27 2. Informação Visual Horários visuais claros auxiliam os alunos com autismo: Mostram as actividades a realizar e em que sequência Minimizam os problemas de memória e atenção Reduzem problemas relacionados com a noção de tempo e organização Compensam as dificuldades ao nível da linguagem receptiva Motivam o aluno a realizar as actividades Previnem a desorganização interior e as crises de angústia Possibilitam a independência e autonomia

28 3. Plano de Trabalho Fornece informações tão importantes como: Que tarefas realizar Quantidade de tarefas a elaborar Noção de sequência temporal Composto por imagens, palavras, objectos reais

29 É importante não esquecer que quanto mais estruturado e organizado for o ambiente de um aluno com autismo, maior a previsibilidade quanto maior a previsibilidade, menor a ansiedade, maior a motivação, maior o sucesso

30 Pistas para a Intervenção Informação Visual (Horários) Chegada Jogo Livre Lanche Actividades ao ar livre Momento de grande grupo Actividade estruturada Higiene Almoço Sesta Areas ou Centros de aprendizagem

31 Pistas para a Intervenção Atenção Mútua / Envolvimento Mútuo Seguir e entrar na actividade da criança Persistir Tratar o que a criança faz como intencional Colocar-se à frente da criança Entrar nas actividades perseverativas Não tatar o não ou o evitamento como uma rejeição Expandir, expandir, expandir - continuar, fazer-se desentendido, fazer coisas erradas, cumprir as ordens, interferir, Nunca interromper ou mudar de assunto enquanto houver interacção. Insistir numa resposta

32 Pistas para a Intervenção Simbolização Responder a desejos reais através do fazde-conta Substituir objectos por outros dar; significado simbólico a objectos e gestos Desenvolver as ideias da criança Falar com os bonecos

33 Pistas para a Intervenção Linguagem Minimizar questões directas Esperar a vez Criar situações de comunicação Usar gestos e expressões faciais Modelar Reduzir a extensão das afirmações Manter o contacto ocular Reforçar

34 Pistas para a Intervenção Linguagem Ecolália 8/9 meses até 3 anos Crianças com autismo maior desenvolvimento da memória auditiva Funcional/Disfuncional

35 Pistas para a Intervenção Linguagem Pausa para que a criança possa processar a informação Informação visual para ilustrar o significado das questões ou ordens Responder a expressões ecolálicas literalmente para modelar a resposta correcta

36 Pistas para a Intervenção Alterações de Comportamento Actividades ou contextos nos quais o K ocorre? O que acontece depois do K? O que a criança parece querer comunicar com o seu K desajustado? O K tem alguma relação com a alimentação, padrão de sono, crises epilépticas, períodos de doença ou de dor? O K parece ser influenciado por factores ambientais? O K parece ser influenciado por acontecimentos noutros contextos?

DO PROJETO À REALIDADE. Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA)

DO PROJETO À REALIDADE. Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA) DO PROJETO À REALIDADE Unidade de Ensino Estruturado para Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo (UEEA) Ano Letivo 2011/2012 Perturbações do Espetro do Autismo (PEA) As PEA consistem numa perturbação

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Análise Aplicada do Comportamento (ABA) Modelo de intervenção embasado no Behaviorismo Radical, de Skinner (O comportamento

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO para Alunos com Perturbação do Espetro do Autismo. EBI de Santo Onofre

UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO para Alunos com Perturbação do Espetro do Autismo. EBI de Santo Onofre UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO para Alunos com Perturbação do Espetro do Autismo EBI de Santo Onofre Ano Letivo 2015/2016 UNIDADE DE ENSINO ESTRUTURADO para Alunos com Perturbação do Espetro do Autismo

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Caraterização Conclusões Não olha nos olhos, balança o corpo num movimento repetitivo, comunica pouco ou

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Pense Autismo A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Declaração de Responsabilidade e Conflito de Interesse O autor

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Serviço para a Educação Contínua Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Formadoras: Doutora Ana Aguiar

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

A MEMÓRIA VISUAL COMO FOCO DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO COM BASE NO MÉTODO TEACCH

A MEMÓRIA VISUAL COMO FOCO DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO COM BASE NO MÉTODO TEACCH A MEMÓRIA VISUAL COMO FOCO DA ADAPTAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO COM BASE NO MÉTODO TEACCH Resumo Cínthia Janaína da Silva Prociv 1 - BAGOZZI Jessica Maria Torres 2 BAGOZZI Grupo de Trabalho Diversidade e

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO. à vossa maneira

PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO. à vossa maneira PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO à vossa maneira # MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Eu consigo, 2 # MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM importância de diferentes estilos de motivação intrínseca extrínseca 3 #

Leia mais

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA.

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. Conceito É uma patologia vasto quadro clínico com déficits neurocomportamentais e cognitivos e padrões repetitivos de comportamentos

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO AUTISMO NA ESCOLA Letícia Soares da Silva Tati Ana Soares Costa Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO Este trabalho apresenta as principais dificuldades de aprendizagem em crianças portadoras

Leia mais

AUTISMO/SÍNDROME DE ASPERGER 2 Abril, Dia Mundial do Autismo DEFINIÇÃO

AUTISMO/SÍNDROME DE ASPERGER 2 Abril, Dia Mundial do Autismo DEFINIÇÃO AUTISMO/SÍNDROME DE ASPERGER 2 Abril, Dia Mundial do Autismo DEFINIÇÃO O que é? Autismo: O autismo é uma deficiência e não uma doença mental. "É hoje geralmente aceite que as perturbações incluídas no

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO Nos últimos anos, numerosas equipas multidisciplinares têm dedicado esforços ao desenvolvimento de métodos e estratégias para:. aumentar a comunicação

Leia mais

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E :

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E : Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento SÍNDROME DE WILLIAMS A P R E S E N T A Ç Ã O D E : L I S A N D R A D O M I N G U E S I N Ê S L O P E S V E R A B R A N D Ã O Introdução Físico e

Leia mais

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA)

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) Sub-departamento de Educação Especial PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) O autismo é uma das mais graves perturbações de desenvolvimento da criança, que resulta numa incapacidade que se prolonga

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Educar em Revista ISSN: 0104-4060 educar@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Löhr, Thaise ROGERS, S. J.; DAWSON, G. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir Lisboa 2012 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir O conceito de Dificuldades de Aprendizagem tem sofrido nos últimos anos grandes

Leia mais

APRENDER A OLHAR PARA O OUTRO: Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico

APRENDER A OLHAR PARA O OUTRO: Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico Inclusão da Criança com Perturbação do Espectro Autista na Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico Ana Cristina F. T. Carvalho Catarina Teixeira Soares Onofre Introdução Ao longo dos últimos anos, no âmbito

Leia mais

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI N DE 2009 (Do Sr. Marcondes Gadelha) Dispões sobre o reconhecimento e definição da dislexia e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Artigo 1º - Esta lei reconhece a dislexia

Leia mais

Boletim do Gabinete de Psicologia

Boletim do Gabinete de Psicologia Edição 2 Outubro de 2006 E x t e r n a t o d e P e n a f i r m e Boletim do Gabinete de Psicologia Síndrome de Asperger No dia 18 de Fevereiro deste ano comemorou-se Pontos de interesse especiais: Características

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador

Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho EB1/JI do Lidador UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM) A UEAM do Lidador constitui uma resposta educativa especializada para alunos

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar Versão 2.0 Fevereiro 2010 Índice 2 Índice... 2 Nota Introdutória... 6 I. PROMOVER AS COMPETÊNCIAS COMUNICATIVAS E A LEITURA EM IDADE PRECOCE... 7 1.1 Introdução... 7 1.2. Actividades importantes na promoção

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo

ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo ABA: uma intervenção comportamental eficaz em casos de autismo Por Sabrina Ribeiro O autismo é uma condição crônica, caracterizado pela presença de importantes prejuízos em áreas do desenvolvimento, por

Leia mais

Deficiência Mental. Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais:

Deficiência Mental. Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais: Deficiência Mental Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Deficiência Mental - definição Na base da definição de Deficiência Mental estão três correntes fundamentais: - A corrente psicológica ou psicométrica:

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA Dr. Márcio Borges Moreira Instituto de Educação Superior de Brasília Instituto Walden4 Conceitos Básicos Reforço Comportamento Consequência Punição

Leia mais

Justin A. Haegele. Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015

Justin A. Haegele. Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015 Justin A. Haegele Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015 1 Para Pensar Ao preparar uma atividade para as crianças com autismo, um "professor deve planejar utilizar

Leia mais

2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas Escultor António Fernandes de Sá 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS A avaliação na Educação Pré-escolar assenta nos seguintes princípios: Coerência

Leia mais

The Incredible Years INVENTÁRIO DE BOAS PRÁTICAS (Best Pratices Inventory-R)

The Incredible Years INVENTÁRIO DE BOAS PRÁTICAS (Best Pratices Inventory-R) The Incredible Years INVENTÁRIO DE BOAS PRÁTICAS (Best Pratices Inventory-R) (Versão portuguesa de Gaspar, Vale & Oliveira) Nome Data Opções de resposta: 1-Nunca; 2-Raramente; 3-Ocasionalmente; 4-Frequentemente;

Leia mais

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO O nosso Projeto de classes de Ensino Especial com Educadoras, Professores e Técnicos especializados para crianças com NEES, é um projecto de integração dessas crianças no dia-a-dia da comunidade

Leia mais

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. VII Seminário de Educação Inclusiva: direito à diversidade SHIRLEY RODRIGUES MAIA Florianópolis 2011 Surdocegueira

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE TÍTULO: UM ESTUDO DA INCLUSÃO DE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE VOLTA REDONDA MEDIANTE A UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura

Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Diagnóstico das Mulheres & Raparigas no Espetro do Autismo e Implicações na Vida Futura Dr Judith Gould Director The NAS Lorna Wing Centre for Autism Porquê o interesse O número crescente de raparigas

Leia mais

Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes

Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes Sala: 3 meses aos 12 meses (Berçário 1 e 2) Educadora: Rita Gomes SETEMBRO Adaptação A escola e o grupo Outono Observar o meio envolvente Adaptar-se ao espaço e ao grupo Explorar o meio envolvente Criar

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Inclusão. Oportunidades de Prática Desportiva para Todos. António Rosado

Inclusão. Oportunidades de Prática Desportiva para Todos. António Rosado Inclusão Oportunidades de Prática Desportiva para Todos António Rosado Técnicas Básicas de Inclusão Processo de desenvolvimento de um ambiente de aprendizagem efectivo e aberto a todos os praticantes cujas

Leia mais

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto. Laboratório de Psicologia Experimental Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Laboratório de Psicologia Experimental O primeiro Laboratório de Psicologia Experimental foi fundado por Wundt, em Leipzig, na Alemanha,

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DIONISIO, Amanda Luziêk Alves¹ FRANCA, Annyelle Santos² CAVALCANTE, Cindy Bianca Soares² ARAÚJO, Clarice Ribeiro Soares³

Leia mais

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO?

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO? i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS É importante perceber que à medida que as crianças crescem e se desenvolvem, a sua rotina do sono também muda. Assim, será possível que um recém-nascido possa dormir cerca

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA Prejuízo qualitativo na interação social Prejuízos qualitativos na comunicação www.ijobasd.org Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais