As máscaras festivas de Qhapaq qulla e Qhapap chunchu em Paucartambu (Peru): primeiras experimentações cênicas em Uberlândia (MG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As máscaras festivas de Qhapaq qulla e Qhapap chunchu em Paucartambu (Peru): primeiras experimentações cênicas em Uberlândia (MG)"

Transcrição

1 As máscaras festivas de Qhapaq qulla e Qhapap chunchu em Paucartambu (Peru): primeiras experimentações cênicas em Uberlândia (MG) Vilma Campos dos Santos LEITE 1 RESUMO Em Paucartambu na província de Cusco no Peru acontece anualmente entre 15 a 18 de julho a Festa de Nossa Senhora do Carmo, chamada como "Mamita" e padroeira dos mestiços. O cortejo é formado por peregrinos, dançantes e músicos que percorrem as ruas, a praça, a prisão e o cemitério da pequena cidade com instrumentos tocados ao vivo e utilizando junto com o espanhol, o quéchua uma das importantes línguas indígenas faladas na região andina. A partir dos estudos da antropóloga Gisela Cánepa Koch sobre a construção e a identidade dessa festa em Paucartambo, tenho procurado refletir sobre as potencialidades das máscaras. Realizei um estudo exploratório nos meses de janeiro e fevereiro de 2015 com o intuito de delimitar um projeto de pesquisa de pós-doutorado a ser realizado em Nas máscaras das festas da cultura popular vejo similaridades e potencialidades para o trabalho de criação e formação teatral.. PALAVRAS-CHAVE: máscaras andinas; Paucartambu; cultura popular. Contexto que dá origem ao desejo de uma investigação A história da máscara se confunde com a história da humanidade. Como afirma Edward Gordon Craig ( ) na revista Masks em 1908, a máscara é um artefato utilizado nos contextos mais diversos de cerimônias religiosas à própria utilização artística. 1 Professora do curso de graduação em Teatro e Mestrado em Artes Cêncas e ProfArtes do IARTES/UFU, doutora em História, 1

2 Socialmente, muitas vezes associada à ideia de "disfarce" para "ocultar uma identidade". Vem sendo utilizado no âmbito teatral não só como uma possibilidade estética, mas também como uma ferramenta importante para o trabalho do ator, uma vez que elementos técnicos como precisão e limpeza de movimentos são requeridas de quem utiliza uma máscara em cena. No século XX, vários homens de teatro se detiveram sobre as possibilidades pedagógicas da máscara para o trabalho de ator, sendo a máscara neutra trabalhada por Jacques Lecoq na segunda metade desse século o nome mais emblemático. Segundo a classificação que Susan Harris Smith traz das máscaras, o gênero da Commedia dell'arte estaria inserido nas de cunho satírico e grotesco (Smith, 1984) 2. O gestual exagerado e específico que máscaras como a de Pantalone, Arlequino ou Dottore exige, de acordo com a linguagem cômica, possibilita o refinamento da percepção e das habilidades corporais em cena. Por isso, para além do gênero em que esse naipe de máscara se insere, tem sido possível chegar ao que Felisberto Sabino da Costa tem chamado de "pedagogia para a (trans)formação do ator, propiciando-lhe referências para a composição de um corpo cênico" (Costa, 2006, p. 156). Mas para além das máscaras que vêm de tradições estéticas ou teatrais, ou ainda de experimentos de diretores e outros pedagogos da cena, haveria possibilidades de utilização de máscaras que estão presentes em outros contextos sociais para uma apropriação em cena? Há, por exemplo, nas mais diferenciadas culturas, muita festas que trazem a máscara como um elemento fundamental. Seria possível levar essas máscaras provenientes de culturas populares para o âmbito de uma criação cênica e estética? Como utilizar máscaras da tradições da cultura popular como ponto de partida para o trabalho de formação e criação teatral? É esse o meu interesse atual e várias manifestações poderiam ser o foco dessa experimentação da festa do cavalo marinho em Recife à mascarada de Pirinópolis em Goiás. No entanto, faço o recorte pela festa de Nossa Senhora Del Carmen em Paucartambo no Peru. Meu primeiro contato com objetos (livros, DVDs e algumas máscaras) e informações dessa festa foi a partir de uma viagem que realizei em Em fevereiro daquele ano participei, durante dez dias, do Laboratório aberto do grupo Yuyachkani em Lima, Peru. Pude constatar que esse grupo tem trabalhado com a 2 Os outros três tipos de máscara trazidos por Smith são: ritual, mito, espetáculo; imagens do sonho ou conflitos metais e as máscaras sociais. 2

3 cultura andina e que as máscaras são fonte e estímulo para a composição da criação cênica. Fiquei bastante intrigada com a apropriação dos Yuyachkani da cultura tradicional de seu país, uma vez que no Brasil temos nos utilizado cenicamente de máscaras que vem de tradições distantes (como Máscaras Balinesas e a Commedia Dell'Arte), mas dificilmente a teatralização a partir de festas do nosso país ou de nosso continente. O Yuyachkani, surgido no contexto de teatro de grupos na América Latina há cinquenta anos alterou o meu olhar para essas outras tradições que muitas vezes são consideradas por nós como liminares, alternativas ou periféricas Muitas das obras desse grupo continuam ativas em seu repertório como processo de aprendizado e de questionamento e algumas delas tem sido realizadas em espaços alternativos. Em consonância com nossa época que demanda encontros fora do edifício teatral, o grupo tem se esmerado em buscar habilidades cada vez mais híbridas e não representacionais. Isso contudo não exime o grupo de estar conectado com a origem do teatro e consequentemente ao mundo da máscara. No site do grupo é possível encontrar o significado dessa linguagem em seu trabalho: La máscara para Yuyachkani es parte de su reflexión y proceso de creación, pues encuentra viva en ella la noción ancestral de identidad, que es uno de los elementos a partir de los cuales elabora su propuesta, dirigiendo sus aportes hacia una dramaturgia nacional. Apesar do trabalho coletivo, cada ator tem suas pesquisas específicas. Debora Correa, por exemplo tem,uma demonstração pedagógica chamada "Atrás da máscara" (DVD) onde traz à tona personagens mascarados que estão presentes na cultura do seu país, fazendo uma demonstração do treinamento corporal e vocal prévio para o uso da máscara e as habilidades que cada uma delas requer como (precisão, movimentos, canto, dança, etc.) O que máscaras de uma festa como a de Paucartambo pode comunicar e favorecer no processo de criação e de formação de um artista cênico? Como utilizá-las a partir das referências e contextos próprios como os do Brasil? Como não descaracterizar a máscara ao trazer para um outro contexto? Minha hipótese é que, independentemente de sua origem e localização geográfica, a máscara traz características humanas, são potentes; afinal, são pertencentes a uma festa com sincretismo entre práticas précolombianas e as do mundo cristão. Aspectos rituais desses exemplares de máscaras 3

4 parecem-me evidentes para a criação e formação do artista, vinculados a aspectos de narrativas e memórias do homem, enquanto espécie biológica. Alguns aportes teórico-metodológicos Vejo, assim, que a manifestação dessas máscaras em uma cultura diferente da de origem pode ser relevante se evidenciar os aspectos arquetípicos. Inicialmente comecei a pesquisa por uma abordagem bibliográfica e compreendo a partir de Joseph L Henderson (apud JUNG, 1977, p. 112) que dentro da tribo dos Winnebagos (tribo de índios norte-americanos estudada pelo Dr. Paul Radin em 1948) há quatro ciclos de heróis: o Trickster, Hare, Red Horn e Twins 3. Compreendo o ciclo do Trickster como aquele que corresponde a muitas das máscaras presentes nas festas da cultura popular, como por exemplo a de Paucartambo. Essas máscaras são dominadas por suas necessidades mais elementares, seja de fome, sexo ou outras. Podem ser nomeadas como brincantes e como tal subvertem a ordem trazendo, através do riso, uma nova configuração do mundo, como há muito já nos ensinou Bakhtin (1987). O Trickster, no contexto dos Winniagos, foi associado à figura do coelho ou raposa e a própria criança em seus primeiros anos. No Brasil, na cultura popular podemos associar essa figura ao João Grilo, às máscaras de Mateus e, na literatura, a figura emblemática é Macunaíma. Tenho procurado partir desses arquétipos para compreender esses brincantes na festa de Paucartambo e considero que outros dois fundamentos relevantes sejam a "pulsão ficção", conforme os estudos de Suzi Frankl Sperber e também a busca de "outras poéticas" conforme as indagações do dramaturgo Luís Alberto de Abreu (apud Nicolete, 2011, p. 620). Pretendo trilhar com tais máscaras trajetórias que ainda carecem de narrativas, não só para comunicar com o aqui e agora, mas também "na necessidade de a razão humana dar alguma geometria aos escombros que a intuição indica" (Nicolete, 2011, p.620). No momento principal da festa, a imagem da virgem é conduzida em procissão para abençoar a todos e assustar os demônios que realizam acrobacias no alto de muros, telhados e sacadas da pequena cidade. São os Sarjas que assim como os Dotorcitos, Waca Waca, Imilla e outros personagens estão todos mascarados. Entre eles, Qhapap 3 Hare mais civilizado que o Trickster, embora inicialmente esteja associado também ao coiote inaugura o homem da cultura; O Had Horn é o terceiro herói típico pela força ou astúcia que vence batalhas e gigantes. Os Twins são os gêmeos que se completam finalizam o ciclo desses heróis. Maiores informações in Henderson, apud Jung, p. 112 a 114) 4

5 qulla, uma máscara de lã, que representa os comerciantes que chegavam a essa pequena cidade para a troca de produtos (imagem 1) imagem 2 imagem 1 Destaca-se também os Qhapaq ch'unchu, uma máscara de tela vazada que representa habitantes do Antisuyu, região da selva andina (imagem 2). Acontecem duelos e disputa entre os grupos durante a narrativa festiva. Segundo a antropóloga Gisela Cánepa Koch, a festa de Nossa Senhora Del Carmen traz à tona conflitos históricos, como a relação entre trabalho e migração. De certa forma, a dança funciona como "intermediária em uma relação de intercâmbio entre os paucartambinos mestiços e a virgem, se configura como uma unidade ritual que simboliza o mundo de dentro, delimitando-o e reforçando a identidade coletiva" (KOCH, 1993, p. 254) 4. A presente comunicação tem como intuito compartilhar os primeiros experimentos que realizei com duas máscaras dessa festa para uma composição cênica. Nos meses de janeiro e fevereiro de 2015 fiz uma experimentação da máscara de Qhapap qulla com oito pessoas, entre estudantes da graduação e pós graduação (seis deles em teatro, uma em música e outra em Design) da Universidade Federal de Uberlândia. Nesse período para uma primeira abordagem prática de condução de procedimentos com essa máscara busquei aproximar os atores do universo da máscara andina com músicas, imagens e objetos desse contexto. 4 "intermediaria en una relación de intercambio entre los paucartambinos mestizos y la virgen, se configura como una unidad ritual que simboliza al mundo de adentro, delimitandolo y reforçandolo como una identidad coletiva". 5

6 Já havia experimentado Qhapaq chunchu na peça "Sobre o murmúrio do rio" (direção de Antônio Correa Neto, dramaturgia de Luiz Carlos Leite) em que atuei como atriz no ano de Essa máscara mostrou-se bastante teatral permitindo-nos a utilização sobre o rosto e mesmo como possibilidade no teatro de sombras. O personagem era um barqueiro que fazia travessia das pessoas e essa função dentro do enredo veio a calhar com a origem imigrante dessa máscara. Mas como colocar essa mesma máscara no rosto de outros atores e sem ter um texto dramatúrgico prévio? Os cinco encontros que realizei como período exploratório dessa pesquisa contribuíram para que eu possa mergulhar no universo dessas duas primeiras máscaras e a possibilidade de colocar em prática as informações com as quais tenho tido contato a partir de vídeos sobre Paucartambo e a leitura dos estudos da antropóloga Gilela Canepa Koch (1993). Como mencionado anteriormente tenho identificado essas máscaras como Qhapaq chúnchu (fig. 1) da figura n. 2 como Qhapaq qulla (figu. 2). Qhapaq Chúnchu representa habitantes da selva de Antisuyu que são os dançarinos prediletos na festa da Virgem do Carmen. Já Qhapac qulla representa comerciantes do altiplano (Qullasuyo) que chegavam a Pautarcambo para negociar seus produtos. Embora as máscaras façam menção a uma história local e nacional, há sem dúvidas também transformações que se constituem em uma memória viva. Como diz Gisela com relação aos participantes de Paucartambo está "en juego la autencidad de la una expresión específica, sino más bien la proyección utópica de un grupo" (Koch, 2008, p. 66). Há para além dos tipos e regiões que essas máscaras representam, aspectos simbólicos que estão para além de sua geografia e seu contexto mais específico. O processo de trabalho Quando trabalho com a formação de atores tendo como base a máscara neutra e a máscara expressiva da Commedia dell'arte parto de conhecimentos de outros artistas que vieram antes de mim. As leituras a partir de Philippe Gaulier, Jacques Lecoq, Peter Brook e também de cursos que fiz no decorrer da minha trajetória profissional e também em minha formação teatral são meu ponto de partida. Muitas vezes o compartilhamento de saberes nas artes cênicas acontece como no âmbito da tradição oral. Partir de exercícios clássicos nesse âmbito como "nascimento da máscara", realizar triangulações, além de uma pauta em elementos da natureza e animais não pareciam me servir para o trabalho com as máscaras provenientes da festa de Pautarcambo. 6

7 O próprio material com que as máscaras são feitas já trouxeram os primeiros estranhamentos tanto aos atores quanto para mim. Na primeira delas, o material "lã" completamente oposto ao clima quente da região em que vivemos já trouxe um incômodo. Como vestir algo que tão quente? E a própria iconografia que trouxe junto informava a necessidade de cobrir o corpo todo (inclusive mãos com luvas). A segunda máscara, apesar de ser uma tela vazada também trouxe questionamentos, uma vez que esses estudantes conheciam as máscaras da Commedia dell'arte que na verdade são máscaras pela metade, ao deixarem a parte inferior do rosto (boca e maxilar ao menos descobertos). Seria possível expressar sons e falar com essa máscara? Sabia que a resposta poderia ser sim, uma vez que, como mencionado acima, já havia utilizado essa máscara em um espetáculo. Mas como levar os atores a experimentar essas possibilidades. A seguir, trago algumas imagens do processo e alguns comentários como um primeiro olhar sobre essa experimentação. Imagem 3 - Laboratório de Máscaras - Dia 05 de fevereiro de 2015 Na figura 3, vemos um dos atores utilizando a máscara de Qhapap qulla no momento em que dentro dos laboratórios buscávamos que os atores tentassem encontrar um ritmo que parecesse o mais natural possível para a máscara escolhida. Vinculado a esse trabalho esteve um plano de Iniciação Científica com a percepção desses pulsos 7

8 vindos com o ator e com a máscara. Houve muita dificuldade, não só pelo material concreto da máscara, mas porque pareceu-nos que um imaginário anterior precisava ser alimentado num processo mais contínuo. Imagem 4 - Laboratório de Máscaras - Dia 12 de fevereiro de 2015 Na imagem, vemos uma atriz utilizando a mesma máscara de Qhapaq ch'unchu e um ator a máscara de Qhapap qulla.o ritmo que os atores trouxeram ao espaço de experimentação foi relacionado com imagens e sons que remetiam ao mundo andino, por meio de projeções em data show (ver imagem 5) 8

9 Imagem 5 - Laboratório de máscaras - Dia 12 de fevereiro de Os atores junto com o vestir da máscara no camarim anexo à sala buscavam cobrir todo o corpo com vários adereços que foram disponibilizados e a partir do que achavam mais condizente com aquela máscara. Logo em seguida entravam em contato com os estímulos visuais e auditivos, mas ainda assim a máscara continuou parecendo extremamente estrangeira a eles. Após essa experiência conversamos bastante sobre a ausência de um imaginário mais constituído e chegamos à conclusão que para o próximo experimento, dois meses depois, procuraríamos a figura do brincante em festas populares brasileiras com o intuito de trazer às máscaras para a cultura dos atores, principalmente levando em conta a necessidade de buscar referências similares em cada contexto e trazendo à tona "a pulsão de ficção" presente em cada máscara. Temos considerado ainda a importância do trabalho corporal desse ator e da musicalidade, já que a presença de instrumentos musicais parece bastante oportuna nessas figuras. Investir na figura do brincante na cultura das festas brasileiras parece ser o passo mais importante para aproximar os atores dessa máscara. 9

10 Work in process Qhapaq ch'unchu e Qhapap qulla são apenas duas de muitas outras máscaras como diabos, escravos negros, peões da selva, funcionários corruptos da justiça, comerciante de licor, jovens guerreiros, personagens da elite espanhola da colônia, casais de agricultores, soldados chilenos, padeiros e a "imilla", personagem feminina dos Qhapaq Qulla que comparece na festa anual que acontece de 15 a 18 de julho. Talvez elas não sejam exatamente as máscaras mais cômicas do processo da festa e será a imersão em campo e o plano de trabalho de pós doutorado numa perspectiva etnográfica que me permitirá mergulhar nesse universo para compreender as figuras que posso trazer à tona para a continuidade da pesquisa dentro da Universidade em Uberlândia. Por enquanto é possível afirmar a percepção real de que essas máscaras parecem ser muito potentes para a criação e formação teatral, por mais que elas possam ainda parecer estrangeiras. São provenientes de uma determinada cultura, mas impactam aqueles que as utilizam e os que a vêem. Ao término desses primeiros cinco encontros fizemos um compartilhamento com professores e estudantes e foi possível concluir que há a necessidade de continuidade do trabalho e de colocar os participantes em situação com "brincantes" e fazer relação com suas culturas de origem. Considero ainda a necessidade de ter exemplares de outras máscaras das mesmas festas que possam ajudar nesse diálogo, mas tal ação só será possível em É na relação entre as diferentes máscaras que se manifesta o caráter de cada uma delas. Assim, por mais que a minha análise vá se debruçar sobre determinada máscara colocála em contato com outras de sua mesma natureza parece necessário para o aprofundamento da investigação. REFERÊNCIA: BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Guanabara,

11 BRONDANI, Joice Aglae. Scambio dell Arte Commedia dell'arte e cavalo marinho. Teatro-Máscara-Ritual Interculturalidades, BRONDANI, Joice Aglae, LEITE, Vilma Campos e TELLES, Narciso. Teatromáscara-ritual. Campinas: Alínea, BROOK, Peter. Entrando A máscara - saindo de nossas conchas in O ponto de mudança quarenta anos de experiências teatrais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 287 a 305. CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo: Cultrix, As transformações do mito através do tempo. São Paulo: Cultrix, COBURN, Veronica e Morrison, Sue. Clown Through Mask: The Pioneering Work of Richard Pochinko as Practised by Sue Morrison. Chicago: Intellect Ltda, DUVIGNAUD, J. Lieux et non lieux. Paris : Galilée, EDSON, Gary. Masks and Masking. Faces of tradition and belief worldwide. Jefferson, NC: McFarland & Co., FEINUP-RIORDAN, Anne. The Living Tradition of Yup'ik Masks. Seattle: University of Washington Press, 1996; ISBN FO, Dario. Manual Mínimo do ator. São Paulo: Ed. Senac GAULIER, Philippe. La torturadora. Paris: Éditions Filmiko, s/d. KOCH, Gisela Cánepa. Identidad y Memória in Fiesta en los Andes ritos, musica y danza del Peru. Lima: Pontificia Universidad del Peru, JUNG, C.G. Sincronicidade. Petrópolis: Vozes, O homem e seus síbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LECOQ, Jacques. O corpo poético. Uma pedagogia da criação teatral. São Paulo: Editora Senac, LULÚ, Maria e FRANCO, Monique. Palhaços do nosso povo. Prêmio Funarte de estímulo ao circo, MASETTI, Morgana. Soluções de palhaços Transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena, NICOLETE, Adélia (org.). Luís Alberto de Abreu Um teatro de pesquisa. São Paulo: NUNLEY, J.W. Masks: Faces of Culture. New York: Harry N. Abrams Inc.,

12 OCAMPO, Estela. Apolo y la máscara: la estética occidental frente a las prácticas artísticas de otras culturas. Barcelona: Icaria, https://books.google.com.br/books?id=jfr2mg57sa0c&pg=pa140&lpg=pa140&dq=d uvignaud+m%c3%a1scara&source=bl&ots=t2ukz0sl9f&sig=rtuklgozqcjb8ce5lh RRdDqdYEE&hl=pt- BR&sa=X&ei=k6pDVce4GsXegwSIsYHYBA&ved=0CCMQ6AEwAQ#v=onepage&q =Duvignaud%20m%C3%A1scara&f=false OLIVEIRA, Érico José Souza de. A roda do mundo gira: um olhar sobre o Cavalo Marinho Estrela de Ouro (Condado - Pe). Recife, SESC, PERNET, Henry. Ritual Masks: Deceptions and revelations. Columbia: University of South Carolina Press, 1992.ROMERO, Raul. Musica, Danzas y mascaras en los andes. Lima: Universidad Catolica del Peru, SANTOS, Ivanildo Lubarino Piccoli. Os palhaços nas manifestações populares brasileiras: Bumba-meu-boi, Cavalo Marinho, Folia de Reis e Pastoril Profano. Universidade Estadual de São Paulo (UNESP). Dissertação (Mestrado em Artes), SARTORI, Donato e PIIZZI, Paola. A máscara teatral na arte dos Sartori Da Commedia dell'arte ao Mascaramento Urbano. Rio de Janeiro: Moitará, SCALA, Flaminio. A loucura de Isabella e outras comédias da Commedia dell'arte. São Paulo: Iluminuras, SMITH, Susan Harris. Masks in Modern Drama. Berkeley: University of California Press, SPERBER, Suzi Frankl. Ficção e Razão. Uma retomada das formas simples. São Paulo: Hucitec, ZAPATA, Miguel Rubio. Notas sobre teatro. Lima-Minneapolis: University of Minnesota, WUO, Ana Elvira. O clown visitador: comicidade, arte e lazer para crianças hospitalizadas. Uberlândia: EDUFU, Repertorio y teatro de grupo https://www.facebook.com/notes/los-yuyas-la-p%c3%a1gina-deyuyachkani/repertorio-y-teatro-de-grupo/ J.W. Nunley, Masks: Faces of Culture. New York: Harry N. Abrams Inc., 1999, p de fevereiro de 2013 às 14:27 12

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

O uso de máscaras frente às necessidades

O uso de máscaras frente às necessidades Máscaras Os textos apresentados falam sobre a presença das máscaras em diversos contextos e épocas, seja para assumir um caráter religioso, artístico ou social. Tendo como base tais textos e seus conhecimentos

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LAC1821T1 - Corpo, Expressão e Criatividade II Docente(s) José Manuel Lázaro de Ortecho Ramirez Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação.

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação. A PRESENÇA DO NEGRO NA ESCOLA ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA O RACISMO ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA LEI 10.639/03 NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRATO-CE Dayze Carla Vidal da Silva (Universidade Regional do Cariri)

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

A dimensão sensível da voz e o saber do corpo

A dimensão sensível da voz e o saber do corpo A dimensão sensível da voz e o saber do corpo Resumo Autor: Fernando Aleixo publicado em Cadernos da Pós-Graduação. Instituto de Arte/ UNICAMP, Campinas, SP - Brasil, 2005. (ISSN1516-0793) Este artigo

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 DIRETORA NATÁLIA GIRO EGOS AUXILIARES MAHER HASSAN MUSLEH E WENDY PRADO Introdução: Relacionar-se com o outro é uma condição essencial para

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

A OUTRA COMPANHIA DE TEATRO REDUZINDO DISTÂNCIAS TEATRO BA ACERVO AUDIOVISUAL MESTRE LAURENTINO 80 ANOS DE VIDA ARTE POPULAR PA

A OUTRA COMPANHIA DE TEATRO REDUZINDO DISTÂNCIAS TEATRO BA ACERVO AUDIOVISUAL MESTRE LAURENTINO 80 ANOS DE VIDA ARTE POPULAR PA RESULTADO DA SELEÇÃO DO PROGRAMA OI DE PATROCÍNIOS CULTURAIS INCENTIVADOS DO ANO DE 2007 / 2008 "7" TEATRO RJ A BRUXINHA LILI CINEMA BA A OUTRA COMPANHIA DE TEATRO REDUZINDO DISTÂNCIAS TEATRO BA A PAIXÃO

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa Congada e ucáçá~o I fa til Justificativa PROJETOS CULTURAIS O Brasil é um país com grande diversidade étnica e cultural. É preciso dar importância e valorizar a cultura dentro e fora da escola, criando

Leia mais

PET CULTURAL PET - ENGENHARIA DE ALIMENTOS - UFG

PET CULTURAL PET - ENGENHARIA DE ALIMENTOS - UFG PET CULTURAL PET - ENGENHARIA DE ALIMENTOS - UFG Gustavo Henrique Fernandes FARIA; Lorrayne Bezerra BORGES; Aline Cristina Milhomem VAZ; Mariana Zanatta BRUNO; Celso José de MOURA. Palavras-chave: cultura,

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS 1. APRESENTAÇÃO PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS O Canto Cidadão, por meio deste Edital de Contratação de Grupos Teatrais, oferece à sociedade brasileira

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR CURRICULAR EM CONTRATURNO. MACROCAMPO: Cultura e Artes. ATIVIDADE: Música e Teatro

PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR CURRICULAR EM CONTRATURNO. MACROCAMPO: Cultura e Artes. ATIVIDADE: Música e Teatro COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO SÃO ROQUE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Rua Érico Veríssimo s/n Cep: 85.892-000 Fone/fax: (45) 3276-1195 E Mail: shasantahelena@seed.pr.gov.br e colestsantahelena@yahoo.com.br Site:

Leia mais

PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ.

PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ. PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ. Francisco Orismidio Duarte da Silva Graduando Orientador Prof. Dr. Fabio José Rodrigues

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES 700 LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES Fabiana Raphaelli Dias Michels 1 RESUMO: Este artigo descreve uma cena recorrente no centro de Porto Alegre. Trata-se de um evento de

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O piado da coruja 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O piado da Coruja

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014 EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014 O Prefeito em Exercício do Município de Lucas do Rio Verde e a Presidente da Comissão Examinadora do Processo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Avaliação de Prática Pedagógica

Avaliação de Prática Pedagógica Avaliação de Prática Pedagógica Curso: Educação para as Relações Étnicos-Raciais. Unidade Educacional: EMEF Raimundo Correia. DRE Jaçanã-Tremembé 1. Objetivos: Os projetos selecionados foram organizado

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

GRUPOS DE TEATRO DE CAXIAS DO SUL. Unidade de Teatro da Secretaria da Cultura (54) 3901.1316 unidadedeteatro@caxias.rs.gov.br

GRUPOS DE TEATRO DE CAXIAS DO SUL. Unidade de Teatro da Secretaria da Cultura (54) 3901.1316 unidadedeteatro@caxias.rs.gov.br GRUPOS DE TEATRO DE CAXIAS DO SUL Unidade de Teatro da Secretaria da Cultura (54) 3901.1316 unidadedeteatro@caxias.rs.gov.br A Gangorra Foto: Antonio Lorenzett Foi criado em 2010, tem por finalidade montagens

Leia mais

Dez EXPOSIÇÃO. 13 de novembro a 27 de janeiro. Belo Horizonte 2013. Divulgação

Dez EXPOSIÇÃO. 13 de novembro a 27 de janeiro. Belo Horizonte 2013. Divulgação Dez Belo Horizonte 2013 Divulgação Amilcar de Castro 13 de novembro a 27 de janeiro Foto: Jomar Bragança S T Q Q S S D Pátio e 3º pavimento AMILCAR DE CASTRO: REPETIÇÃO E SÍNTESE 13 de novembro a 27 de

Leia mais