Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino"

Transcrição

1 Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

2 África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano, que chegou ao Brasil na condição de escravos dos portugueses ainda no período colonial. Se adaptaram a nova realidade, muito diferente da sua. Herdamos sua cultura, que se transformou e se adaptou a outras esferas culturais, como a indígena e a européia.

3 A cultura africana é milenar e sua existência é comprovada por vestígios encontrados na sua região. Nessas regiões de extensas florestas tropicais, havia abundância de materiais que eram utilizados para a produção de objetos de arte: madeira, marfim, metais...

4 Alguns objetos artesanais das tribos africanas, como cestos, cadeiras, redes, bandejas, destacam-se pela utilidade e, principalmente pela forma como foram produzidos e adornados com pinturas meticulosas. Dentre esses objetos estão as Máscaras que continuam a chamar muita atenção dos estudiosos utilizadas em rituais e cerimônias.

5 Essencialmente uma terra de extremos Berço da humanidade, onde surgiu o homem e se espalhou pelo mundo. A busca de escravos, ouro, diamante, marfim e animais exóticos. A África se vê diante de guerras tribais, miséria, analfabetismo, epidemia e corrupção.

6

7

8

9

10 A minoria reina privilegiada e corrompida pelos padrões culturais do ocidente. As manifestações populares resistem à globalização capitalista Objetivo: anular as manifestações nacionais e regionais dos diferentes povos. A arte africana resistem à cristianização e à islamização duas das maiores religiões universais. No outro extremo está o Brasil um dos maiores receptadores de mão de obra escrava. Rebaixados a condição de coisa.

11 A música e a dança são atividades de celebração e lazer. Ocorrem em momentos específicos, com acompanhamento de instrumentos como tambores, flautas e alguns instrumentos de cordas. O povo africano nos trouxe uma rica e milenar cultura, que até os dias de hoje se reflete na nossa sociedade.

12 Aleijadinho Símbolo da arte brasileira Tido como o Michelangelo brasileiro O maior artista plástico negro filho de português com uma escrava. O único respeitado artisticamente e que podia entrar nas igrejas.

13 Arte Africana Envolve um arranjo diferenciado pinturas, esculturas, Objetos ornamentais de uso permanente Cotidiano para comemorar os ancestrais Cultuar forças naturais Invocar forças vitais Propiciar boas colheitas Objetos que acompanham os ritos, as danças e as cerimônias religiosas Seu objeto é funcional, criado para ser utilizado Ligado ao culto aos antepassados, espirito religioso característica marcante dos povos africanos. É uma arte extremamente representativa

14 Máscaras É um dos segmentos mais importantes da arte africana. Representa um disfarce que permitia a incorporação de espíritos. Possibilidades de absorver forças mágicas e místicas. Usadas em funerais, rituais mágicos Tanto para curar doentes como para comemorar algo. Confeccionadas em marfim, metais, barro e o mais utilizado : a madeira. Modeladas em segredo na selva para estabelecer a purificação e a ligação com a entidade sagrada.

15

16 Artesanato Africano Às vezes usava de completa liberdade criando formas inverossímeis abstração e domínio do imaginário. Madeira modelada com uma faca afiada. Não se sabe os significados dessas máscaras, nem a finalidade e o ritual. Os artistas e os artesões utilizavam da escultura que podia representar pessoas importantes reis rainhas ou até substituir a pessoa morta. Alguns entalhadores preferiam as formas verticais, tubulares, membros alongados, derivados da forma cilíndrica das árvores. Como abrigavam espíritos poderosos mal ou bem.

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27 Máscaras Teatrais

28

29

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão.

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Os palhaços apaixonados, afresco, Giovanni Domenico Tiepolo, 1793, Camera dei Pulcinella Villa Tiepolo, Zianigo. O carnaval nasceu na Antiguidade,

Leia mais

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo CONTEÚDOS Candomblé Umbanda Xamanismo HABILIDADES Conhecer as religiões afrodescendentes e anímicas PAUTA DO DIA Acolhida Problematização Entrevista Exibição do Vídeo Leitura de Imagem Aprofundando o tema-

Leia mais

O uso de máscaras frente às necessidades

O uso de máscaras frente às necessidades Máscaras Os textos apresentados falam sobre a presença das máscaras em diversos contextos e épocas, seja para assumir um caráter religioso, artístico ou social. Tendo como base tais textos e seus conhecimentos

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Descrição da exposição A cooperação com os países do continente africano trouxe um efeito positivo inesperado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além

Leia mais

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º

Disciplina ENSINO RELIGIOSO Ano Letivo 2015 Carga Horária 2 Turma 6º B Regime Anual Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Curso Ensino Fundamental Anos Finais Bimestre 1º * Respeito à diversidade religiosa * Declaração universal dos direitos Humanos e Constituição brasileira: respeito à liberdade

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias Arte africana & Arte indígena Histórias, mitos, crenças e filosofias ARTE AFRICANA Asartes das sociedades da África foram, antes, rotuladas no singular,porterem sido chamadas de "arte primitiva" ou "selvagem

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e

Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e Os principais produtos artísticos da África tropical são máscaras e esculturas em madeira. Esses objetos têm forma angulosa, assimétrica e distorcida. Para os membros da sociedade africana, eram objetos

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras

As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras A origem do Homem Várias teorias científicas e religiosas Charles Darwin (1809/1882) Evolução das espécies As espécies originaram-se umas

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

África. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 30. www1.folha.uol.com.br

África. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 30. www1.folha.uol.com.br África Acredita-se que a situação atual da África seja resultado da maneira em que foi colonizado pelos Europeus. Por meio de colônia de exploração de recursos mineiras, separação dos territórios tribais

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA A JORNADA DA ABUNDÂNCIA O xamanismo é uma filosofia de vida muito antiga e ancestral, que visa o reencontro do homem com os ensinamentos e fluxo da natureza, com seu próprio mundo interior, com sua sabedoria

Leia mais

CORREÇÃO DO QUESTIONÁRIO PARA REVISÃO DE PROVA DO 2º BIMESTRE ARTES 6º ANO Respostas:

CORREÇÃO DO QUESTIONÁRIO PARA REVISÃO DE PROVA DO 2º BIMESTRE ARTES 6º ANO Respostas: BIMESTRE ARTES 6º ANO 01- A palavra espaço pode ter vários sentidos. Podemos entendê-la como sinônimo de lugar. No sentido matemático quando consideramos as três dimensões e na astronomia, espaço é a porção

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2 Atividade extra Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil Questão 1 É comum ouvirmos que a formação da sociedade brasileira foi o resultado da mistura de três etnias (indígenas,

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 Secundário 10ºAno Unidade Letiva: 1 Política, Ética e Religião Período: 1º Metas Objetivos Conteúdos Avaliação O. Amadurecer a sua responsabilidade perante a pessoa, a comunidade e o mundo. I. Conhecer o percurso da Igreja

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para contato: 55 3354-1138 ou 9999-9459.

3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para contato: 55 3354-1138 ou 9999-9459. 3 Missões: Recursos de Interesse Patrimonial ARTESANATO Porto Xavier 3.1 Aspectos Gerais 3.1.1 Identificação: Cirlei Ledur Minosso 3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para

Leia mais

Lindo e Triste Brasil

Lindo e Triste Brasil SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 07 / / 0 II AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA:

Leia mais

7- Missões: Recursos de Interesse Patrimonial. FESTAS e CELEBRAÇÕES. SÃO PAULO das MISSÕES

7- Missões: Recursos de Interesse Patrimonial. FESTAS e CELEBRAÇÕES. SÃO PAULO das MISSÕES 7- Missões: Recursos de Interesse Patrimonial FESTAS e CELEBRAÇÕES SÃO PAULO das MISSÕES 7.1 Aspectos Gerais: 7.1.1 Identificação: KERBFEST MISSÕES 7.1.2 Denominação mais freqüente: Kerbfest 7.1.3 Localização:

Leia mais

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva 1 SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva Mulheres, crianças, jovens e homens xukurus, muitas pessoas curiosas se concentram por volta da três horas da tarde do dia

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

RENASCIMENTO ITALIANO

RENASCIMENTO ITALIANO ARTES / 2º ANO PROF.MÍLTON COELHO RENASCIMENTO ITALIANO Contexto histórico O termo significa reviver os ideais greco-romanos; na verdade o Renascimento foi mais amplo, pois aumentou a herança recebida

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica e Gótica 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica O estilo românico germinou, desde o final do século X até XIII. Sua denominação foi dada por arqueólogos do século XIX, quando

Leia mais

DANÇA FOLCLÓRICA NA ESCOLA: CULTURA, IDENTIDADE, PERTENCIMENTO E INCLUSÃO

DANÇA FOLCLÓRICA NA ESCOLA: CULTURA, IDENTIDADE, PERTENCIMENTO E INCLUSÃO DANÇA FOLCLÓRICA NA ESCOLA: CULTURA, IDENTIDADE, PERTENCIMENTO E INCLUSÃO Rita F. Alves Professor I da Rede Municipal de Ensino E.M. Pará Integrante da Companhia Folclórica do Rio-UFRJ Introdução Ficaram

Leia mais

Ewé! A Força que vem das Folhas! (Publicado na revista Candomblés, ano de 2011, editora Minuano)

Ewé! A Força que vem das Folhas! (Publicado na revista Candomblés, ano de 2011, editora Minuano) Ewé! A Força que vem das Folhas! Por Ulisses Manaia (Bàbá Olúmolà) (Publicado na revista Candomblés, ano de 2011, editora Minuano) KÒ SÍ EWÉ, KÒ SÍ ÒRÌSÀ! Expressão no idioma Yorùbá que quer dizer: Se

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

A volta ao lar dos adornos sagrados

A volta ao lar dos adornos sagrados A volta ao lar dos adornos sagrados Passo inédito no País, uma grande coleção de basá busá - enfeites usados nas danças rituais dos indígenas do Alto Rio Negro - foi devolvida aos povos que produziram

Leia mais

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015 Arte Romana 1º Ano Artes Professor Juventino 2015 Arte Romana A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN Alinne Anne Ana Amélia Ataína Tajra Elsomaria Oliveira Flaviana Vilar Floriana Santos Germano Costa Letícia Sales NEOPENTECOSTALISMO

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Patrimônio da Humanidade BRASIL

Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Um local denominado patrimônio mundial é reconhecido pela UNESCO (Organização das Nações Unidas ara a Educação, a Ciência e a Cultura) como

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos?

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? Guião de Entrevista 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? 2- Consideras os Descobrimentos portugueses um assunto importante? Porquê? 3- Na tua opinião, por

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

Grupos e Coletivos Culturais 2014 Fundação Cultural

Grupos e Coletivos Culturais 2014 Fundação Cultural Grupos e Coletivos Culturais 2014 Fundação Cultural Nome da Proposta: No Âmago da Escultura Proponente: Origem Proponente: Valor Solicitado: R$ 76.320,00 Resumo: Deseja-se dar continuidade a um nobre projeto

Leia mais

EVENTO COMERATIVO AOS 120 ANOS DE AMIZADE BRASIL E JAPÃO. Estando firme no chão ao nascer do sol, clamo de longe que minha pátria se levante

EVENTO COMERATIVO AOS 120 ANOS DE AMIZADE BRASIL E JAPÃO. Estando firme no chão ao nascer do sol, clamo de longe que minha pátria se levante EVENTO COMERATIVO AOS 120 ANOS DE AMIZADE BRASIL E JAPÃO Estando firme no chão ao nascer do sol, clamo de longe que minha pátria se levante Apresentação Neste ano de 2015, o Brasil e o Japão completam

Leia mais

A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA

A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA Astronomia Fundamental Caroline F. Dorneles Abril, 2011 Civilizações pré-colombianas MAIAS ASTECAS INCAS Civilizações pré-colombianas Estas civilizações

Leia mais

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 O mito de origem diz que os primeiros desta etnia sairam do chão, por isso tem a cor da terra. Chefiados por

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano

Evolução humana. NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Evolução humana NEANDERTHAL Parente próximo do Pedro Vitória 1 ser humano Árvore evolutiva Há cerca de 5 milhões de anos, o grupo de primatas que habitava a selva africana subdividiu-se, o que originou

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

E-MAIL: alexandre@medfibicuitinga.com.br

E-MAIL: alexandre@medfibicuitinga.com.br Escola de Ensino Médio Professora Maria Edilce Dias Fernandes Rua Capitão Manuel Antônio 1044 Centro - C.E.P.: 62.955-000 - Ibicuitinga Ceará Telefone: (88) 3425-1000 BANCO DE QUESTÕES - ARTE PROF.: ALEXANDRE

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

IGUALDADE NÃO TEM COR

IGUALDADE NÃO TEM COR IGUALDADE NÃO TEM COR Janaína Hahn Ramos 1 Patrícia Fernanda Carmem Kebach 2 RESUMO O artigo a ser apresentado procura relatar as ações do projeto Igualdade não tem cor, aplicado por duas acadêmicas bolsistas

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FURB CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E FILOSOFIA ELENITA RAMOS GRAF

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FURB CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E FILOSOFIA ELENITA RAMOS GRAF UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FURB CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DA COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E FILOSOFIA ELENITA RAMOS GRAF MÁSCARAS Blumenau 2009 2 ELENITA RAMOS GRAF PROJETO SOBRE

Leia mais

O Objecto Etnográfico e a Medicina Tradicional em África. Manuela Cantinho

O Objecto Etnográfico e a Medicina Tradicional em África. Manuela Cantinho O Objecto Etnográfico e a Medicina Tradicional em África Manuela Cantinho Medicina Tradicional na África Subsaariana Grande diversidade cultural Sistemas muito antigos transmitidos oralmente As práticas

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

ESCADARIA FLORIDA. 22 Lavagem da escadaria da Catedral Metropolitana de Campinas

ESCADARIA FLORIDA. 22 Lavagem da escadaria da Catedral Metropolitana de Campinas Revista de Antropología Experimental nº 7, 2007. Texto 13: 161-167. Universidad de Jaén (España) ISSN: 1578-4282 ISSN (cd-rom): 1695-9884 Deposito legal: J-154-2003 www.ujaen.es/huesped/rae ESCADARIA FLORIDA.

Leia mais

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com ESTÉTICA TICA E HISTÓRIA DAS ARTES 1º semestre / 2012 Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão masiscao@hotmail.com 1 Pré História PRÉ-HIST HISTÓRIA 2 Pré História PALEOLÍTICO (35mil anos atrás) Datam

Leia mais

Barroco Local / Espaço, Versalhes

Barroco Local / Espaço, Versalhes Barroco Local / Espaço, Versalhes O local Os palcos: a corte, a igreja, a academia O palco no reinado de Luís XIV Os palcos : a Corte, a Igreja e a Academia. A morada do rei - A Corte - tornou-se por isso

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3)

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) PÁU DA BANDEIRA Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE, Rua Monsenhor Salazar, 1004,

Leia mais

Congado de Uberlândia ] livro 01/02

Congado de Uberlândia ] livro 01/02 Congado de Uberlândia ] livro 01/02 1 2 Trocar foto >> sumário 3 livro 01/02 1. Introdução 1.1 Apresentação 1.2. Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos 1.2.1. Metodologia Geral 1.2.2. Metodologia dos Inventários

Leia mais

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T EGITO PASSADO E PRESENTE VOCÊ SABE ONDE ESTÁ O EGITO? ÁFRICA O EGITO É UM PAÍS DO CONTINENTE AFRICANO NO PASSADO O EGITO ERA ASSIM... ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008

PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 3.260, DE 2008 Institui o Dia Nacional do Reggae. Autor:Deputado RODRIGO ROLLEMBERG Relator:Deputado PINTO ITAMARATY I RELATÓRIO O Projeto de Lei em tela

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE ENSINO RELIGIOSO ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE BARROSO ENSINO FUNDAMENTAL Rua Londres, 769 CEP: 87.800-000 Fone/Fax: (44) 3672.1664 Página na web (site): http:// www.rdnbarroso.seed.pr.gov.br E-mail: rdnbarroso@seed.pr.gov.br

Leia mais

Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é...

Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é... Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é... Os números romanos são fáceis de compreender mas Qual é a lógica que há por detrás dos números arábicos ou fenícios? Muito simples: Trata-se

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL PAPA JOÃO XXIII ENSINO FUNDAMENTAL. ENSINO RELIGIOSO Professora Sileane Ribeiro FOGO

ESCOLA MUNICIPAL PAPA JOÃO XXIII ENSINO FUNDAMENTAL. ENSINO RELIGIOSO Professora Sileane Ribeiro FOGO ENSINO RELIGIOSO FOGO O fogo é um elemento que parece ter vida, consome e ilumina, aquece e também causa dor e morte. Muitas vezes, é tido como sagrado, simbolizando, por exemplo, no cristianismo, o Espírito

Leia mais

ARTE EGÍPCIA. c) ( ) Ao observar uma obra já se define o autor, pois suas características estão expressas na obra.

ARTE EGÍPCIA. c) ( ) Ao observar uma obra já se define o autor, pois suas características estão expressas na obra. ARTE EGÍPCIA Questão 01 A Religião é fator predominante na cultura egípcia, o que é óbvio, reflete imediatamente na produção artística deste povo. Assinale a alternativa que indica uma característica dessa

Leia mais

1 O problema 1.1 Contextualização do problema

1 O problema 1.1 Contextualização do problema 1 O problema 1.1 Contextualização do problema A arte africana é concebida por Blier (2001) como a totalidade das artes visuais do continente africano, e deveria englobar os povos ao norte do Saara, por

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera Fauvismo 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino Fauve = Fera Fauves (feras) foi a palavra utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles para caracterizar um grupo de jovens pintores que expuseram em

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais