Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé"

Transcrição

1 Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em fins do século XIX, na Bahia. Depois dele veio Arthur Ramos, no começo do século XX. Foram esses os dois grandes autores que escreveram sobre os africanos em nosso país. Seus estudos foram incorporados por grandes historiadores que trataram do período colonial, como Gilberto Freyre e Caio Prado Júnior. Ambos os autores foram pela linha do cruzamento de raças, pela miscigenação, para entenderem a formação da nacionalidade brasileira. Segundo estes dois autores, essa mistura aconteceria por causa da capacidade do português de se misturar com outras raças, como diz Caio Prado Júnior: a mestiçagem, signo sob o qual se formou a etnia brasileira, resulta da excepcional capacidade do português em se cruzar com outras raças 1. Mas esta mistura não é apenas étnica, é também cultural. Porém não existe uma cultura africana única e nem uma cultura indígena única, essa era uma visão que os europeus tinham desses povos. O mesmo Caio Prado nos informa isso: os povos que os colonizadores aqui encontraram, e mais ainda os que foram buscar na África, apresentam entre si tamanha diversidade que exigem discriminação 2. É preciso entender que não foi uma cultura africana que atravessou o Atlântico, mas várias. Foram diversos grupos étnicos, misturados pelos portugueses, diversas nações de africanos que vieram traficados para o Brasil Colônia. Com isso em mente vamos tentar entender os meios pelos quais essas culturas sobreviveram e moldaram a sociedade colonial conseqüentemente a nossa também. O aspecto cultural que mais me chama a atenção, e no qual me deterei, é o candomblé. Essa prática religiosa existe até hoje, principalmente na Bahia. É fácil pensar que os africanos se adaptaram para sobreviverem no Brasil Colônia e que para isso modelaram sua cultura, mas não podemos nos esquecer que não havia apenas uma cultura africana no Brasil Colônia. Além disso, temos que prestar atenção na relação das diversas culturas africanas entre si e com as culturas indígenas e portuguesas. Assim, vamos buscar a origem do candomblé em meio a essa pluralidade de fragmentos culturais 3. Mintz e Price escreveram O nascimento da cultura afro-americana, livro no qual buscam entender, entre outras coisas, como se deu o contato entre uma cultura africana e outra européia. Eles defendem que não há uma cultura africana homogênea, como é possível dizer com relação à portuguesa ou à espanhola, mas dizem que deve haver algum traço que seja comum a todas as culturas africanas. Seria uma herança cultural africana, largamente compartilhada pelas pessoas importadas por uma nova colônia 4 ; em seguida a esta passagem os autores dão um exemplo interessante, o qual reproduzirei conforme descrevem: 1 Caio Prado Jr. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. São Paulo, editora Brasiliense, p Idem. p Luis Nicolau Parés. A Formação do Candomblé História e Ritual da Nação Jeje na Bahia. Campinas, editora Unicamp. p Sidney Mintz e Richard Price. O Nascimento da Cultura Afro-Americana: uma Perspectiva Antropológica. Rio de Janeiro, editora Pallas e Universidade Candido Mendes, p.27.

2 (...)os iorubanos 'deificam' seus gêmeos, envolvendo a vida e morte deles num ritual complexo, enquanto seus vizinhos ibos destroem sumariamente os gêmeos no nascimento e seguem afirmando que ambos os povos parecem reagir a um mesmo conjunto de princípios subjacentes, muito difundidos, que dizem respeito à significação sobrenatural dos nascimentos incomuns 5. Levando em consideração que os escravos importados, ou traficados, não vinham de uma mesma região da África e nem tinham a mesma cultura, então como explicar traços predominantes de determinadas culturas nas colônias americanas? É uma questão complexa, mas que pode ser respondida da seguinte maneira: supondo que nasçam gêmeos (para usar o mesmo exemplo) na senzala de um senhor de açúcar da Bahia, um acontecimento que requer um ritual, e só há um sacerdote iorubá naquela senzala capaz de fazer o rito. Então esse ritual será feito conforme os seus costumes, mesmo que a maioria dos africanos de lá não sejam iorubanos. A necessidade de fazer o rito é mais importante do que a maneira como ele é feito, pois há uma herança cultural comum. Essa idéia será desenvolvida por Luis Nicolau Parés, em seu livro intitulado A formação do candomblé história e ritual jeje na Bahia. Um tema que o autor desenvolve muito bem e que acho ser de extrema relevância é a passagem do que ele chama nação étnica para nação de candomblé. O tema trata justamente dessa questão de múltiplas nacionalidades que têm uma herança em comum e, no caso, um presente também comum que é a escravidão. O termo nação foi utilizado pelos portugueses para diferenciarem os grupos étnicos de escravos, que acabaram por incorporar essa distinção européia nas suas relações. Na segunda metade do século XIX o tráfico de escravos é proibido e há um decréscimo de africanos no Brasil. Dessa forma as distinções étnicas (de nações) que os senhores faziam deixaram de ser operacionais para a classe senhorial, mas elas persistiram entre os africanos e seus descendentes crioulos no âmbito de suas redes de solidariedade familiar e, sobretudo, de práticas religiosas 6. Dentro dos rituais do candomblé é possível distinguir algumas nações, como aponta José da Cunha Grã Ataíde e Mello, o Conde de Povolide, em carta de 10 de junho de 1780 ao rei de Portugal, na qual fala sobre algumas danças de negros. O Conde faz a seguinte observação: (...) os Pretos divididos em Nações e com instrumentos próprios de cada huma danção(...) 7. Parés aponta que essa divisão acontece no candomblé por meio da língua, dos cantos, das danças e dos instrumentos. Com o tempo o termo nação vai mudando de significado e deixa de designar indivíduos compartilhando uma mesma terra de origem, ou seja, o 5 Sidney Mintz e Richard Price. O Nascimento da Cultura Afro-Americana: uma Perspectiva Antropológica. Rio de Janeiro, editora Pallas e Universidade Candido Mendes, p Luis Nicolau Parés, A Formação do Candomblé História e Ritual da Nação Jeje na Bahia. Campinas, editora Unicamp. p Carta manuscrita arquivada na Biblioteca do Estado de Pernambuco, transcrita em nota de rodapé, por Robert C. Smith, Décadas do Rosário dos Pretos. Documentos da Irmandade, Arquivos, Prefeitura Municipal de Recife 1º e 2º números Diretoria de Documentação e Cultura.

3 parentesco biológico foi substituído pelo parentesco do santo 8. Então o termo passou a designar uma forma de organização com bases religiosas. Luis Nicolau Parés nos informa que entre os anos estudiosos da África propuseram um modelo teórico conhecido como complexo fortunainfortúnio 9, que nos ajuda a destacar um tipo de religiosidade preocupada com a sustentabilidade da vida neste mundo. Desse modo podemos entender o candomblé como uma forma de ajudar a enfrentar o infortúnio, no caso a escravidão. Porém o candomblé não é uma religião africana, mas ele se formou com base na memória trazida por esses africanos traficados, através dos fragmentos de culturas, que juntamente com outros fragmentos criou o candomblé, fruto dessa pluralidade cultural no Brasil Colônia. Para entender um pouco melhor dou voz, novamente, à Mintz e Price, que escrevem o seguinte: os africanos que chegaram ao Novo Mundo não compuseram grupos logo de saída. Na verdade, na maioria dos casos, talvez fosse até mais vê-los como multidões, aliás multidões muito heterogêneas(...). O que os escravos compartilhavam no começo, inegavelmente, era sua escravização; todo ou quase todo o resto teve que ser criado por eles 10. Então, no caso do Brasil Colônia, vinham multidões heterogêneas de escravos que compartilhavam apenas a escravidão como traço comum. Talvez por isso houve uma grande necessidade deles criarem instituições receptivas às necessidades cotidianas. O candomblé foi uma dessas instituições. Organizado hierarquicamente e com base religiosa, a fim de enfrentar o infortúnio, o candomblé se tornou uma instituição à qual o negro escravizado, fugido ou liberto, se dirigia para garantir algumas de suas necessidades. Os grupos de candomblé se reuniam em casas ou sítios, em geral, e eram espaços de sociabilidade dos negros, um lugar onde podiam fazer seus cultos, enterrar seus mortos costume muito importante para as religiões africanas, trazidas na bagagem da memória e onde davam ajuda aos que necessitavam dela; muitos escravos fugidos buscavam ajuda do candomblé do qual fazia parte. Por ter essa característica de ajudar os fugidos e por suas práticas religiosas serem estranhas aos olhos cristãos, os candomblés são intensamente perseguidos durante o período colonial. Essa instituição religiosa era marginalizada, ao contrário das irmandades, que eram legalizadas. Estudar o candomblé e a escravidão não é fácil. São diversos conceitos que temos de dominar para tentarmos entender como aconteceu essa travessia dos negros da África para as colônias americanas. São estudos ainda recentes que nos guiam e abrem caminho para entendermos essa mistura de culturas num determinado tempo e lugar. No caso que refletimos aqui, o candomblé, mostrei que é preciso ter noção de que não há uma cultura africana homogênea, mas que existe uma herança cultural que é comum às culturas africanas. Por isso temos que entender que os africanos não estavam em grupos formados logo de saída 8 Luis Nicolau Parés, A Formação do Candomblé História e Ritual da Nação Jeje na Bahia. Campinas, editora Unicamp. p Luis Nicolau Parés, A Formação do Candomblé História e Ritual da Nação Jeje na Bahia. Campinas, editora Unicamp. p Sidney Mintz e Richard Price. O Nascimento da Cultura Afro-Americana: uma Perspectiva Antropológica. Rio de Janeiro, editora Pallas e Universidade Candido Mendes, p

4 quando foram traficados, mas que encontraram um aspecto em comum, a escravidão. Foi a partir daí que eles sentiram a necessidade de criarem algumas instituições, uma delas foi o candomblé, que suprissem as necessidades cotidianas. BIBLIOGRAFIA: FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. São Paulo, Global Editora, MINTZ e PRICE, Sidney e Richard. O Nascimento da Cultura Afro-Americana: uma Perspectiva Antropológica. Rio de Janeiro, Pallas Editora e Universidade Candido Mendes, 2003 PARÉS, Luis Nicolau. A Formação do Candomblé História e Ritual da Nação Jeje na Bahia. Campinhas, Editora Unicamp. PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. São Paulo, Editora Brasiliense, Carta manuscrita arquivada na Biblioteca do Estado de Pernambuco, transcrita em nota de rodapé, por Robert C. Smith, Décadas do Rosário dos Pretos. Documentos da Irmandade, Arquivos, Prefeitura Municipal de Recife 1º e 2º números Diretoria de Documentação e Cultura. André Sekkel Cerqueira Graduando em História pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais da Universidade de São Paulo - FFLCH USP. Número USP:

5 Noite da macumba Festival Folclórico em homenagem ao 13 de maio e ao IV Centenário maio (ICO UH 1773)

6 Imagem da linha de Umbanda. À esquerda, montado em um cavalo branco, OGUN das Selvas (ICO UH 1773)

SISTEMA DE PODER NO CANDOMBLÉ

SISTEMA DE PODER NO CANDOMBLÉ 1 SISTEMA DE PODER NO CANDOMBLÉ Diego Miranda do E. Santo 1 Priscila Lima de Castro 2 Resumo: Essa pesquisa, que iniciou em uma Feira do Livro realizada no Hangar - Centro de Convenções Amazônia em Belém

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO

MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO MISTIFICAÇÃO CARICATA DAS RELIGIÕES DE RAIZ AFRICANA NO QUADRO A GALINHA PRETA PINTADINHA DO PROGRAMA TÁ NO AR: A TV NA TV DA REDE GLOBO José Wanderley Pereira Segundo UERN (wanderley.segundo@hotmail.com)

Leia mais

Religiosidade Africana

Religiosidade Africana UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRPPG MECM CONHECIMENTO E DIVERSIDADE CULTURAL Religiosidade Africana Douglas Aires GOIÂNIA, 2012 Religião Africana O africano tem a religião como um modo de vida que é caracterizada,

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a A religião popular na formação da identidade do brasileiro MARIO DE SOUZA MARTINS - UNICENTRO Introdução A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a Igreja Católica

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Candomblé: miscigenação genuinamente brasileira uma visão sobre as influências e comportamentos religiosos na cidade de Jataí 2008

Candomblé: miscigenação genuinamente brasileira uma visão sobre as influências e comportamentos religiosos na cidade de Jataí 2008 Candomblé: miscigenação genuinamente brasileira uma visão sobre as influências e comportamentos religiosos na cidade de Jataí 2008 THIAGO LEANDRO DA SILVA* DANIELLE SOUSA MARQUES** Este trabalho é resultado

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

LYGIA VIÉGAS COTIDIANO CULINÁRIA VIRTUAL DÉBORA LANDIM VINHOS « Passado PRESENTE

LYGIA VIÉGAS COTIDIANO CULINÁRIA VIRTUAL DÉBORA LANDIM VINHOS « Passado PRESENTE 33 #368 / DOMINGO, 5 DE JULHO DE 2015 REVISTA SEMANAL DO GRUPO A TARDE LYGIA VIÉGAS COTIDIANO CULINÁRIA VIRTUAL DÉBORA LANDIM VINHOS «Passado PRESENTE O acervo do linguista afro-americano Lorenzo Turner

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE TÍTULO DO TRABALHO Por: Ines Maria Azevedo do Nascimento Orientador Prof. Maria poppe Rio de Janeiro 2004 UNIVERSIDADE CANDIDO

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

UMA BREVE SOBRE A PINCESA EMÍLIA DE OYA LAJA E A FORMAÇÃO DA NAÇÃO OYO-JEJE NO RIO GRANDE DO SUL

UMA BREVE SOBRE A PINCESA EMÍLIA DE OYA LAJA E A FORMAÇÃO DA NAÇÃO OYO-JEJE NO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE PÓS-RS SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA Polo de Santo Antônio da Padrulha Disciplina: História e gênero ALEXANDRE SILVEIRA DOS REIS RONIE ANDERSON PEREIRA UMA BREVE SOBRE A PINCESA

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Religiões Afro-Brasileiras

Religiões Afro-Brasileiras Religiões Afro-Brasileiras Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil Cultura Materiale Imaterial; patrimônio e diversidade cultural no Brasil A diversidade cultural engloba as diferenças culturais que existem entre as pessoas, como a linguagem, danças, vestimenta, tradições

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais

Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais Entrevista: o papel da escola na discussão sobre as relações étnicoraciais A Lei 11.645/08, que inclui no currículo oficial de todas as escolas públicas e particulares a obrigatoriedade do ensino da História

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA SANTARÉM 2010 I- IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO SANTA CLARA DIRETORA: Irmã Gizele Maria Pereira Marinho

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco

Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco Alabê Ketujazz: espiritualidade, jazz e referências africanas sobre o palco por Por Dentro da África - terça-feira, novembro 24, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/alabe-ketujazz-espiritualidade-jazz-e-referencias-africanassobre-o-palco

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

36a43-134-pesquisa-perfilgen 30/3/07 7:58 PM Page 36 > CAPA

36a43-134-pesquisa-perfilgen 30/3/07 7:58 PM Page 36 > CAPA > CAPA GENÉTICA A Africa nos genes do povo brasileiro Análise de DNA revela regiões que mais alimentaram o tráfico de escravos para o país RICARDO ZORZETTO * Durante pouco mais de três séculos de tráfico

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2

Atividade extra. Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil. Questão 1. Questão 2 Atividade extra Fascículo 1 História Unidade 2 A diversidade cultural na História do Brasil Questão 1 É comum ouvirmos que a formação da sociedade brasileira foi o resultado da mistura de três etnias (indígenas,

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA Como instituição social, a família é definida pelas funções sociais

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

Outros Tempos Volume 7, número 10, dezembro de 2010 - Dossiê História e Educação 287

Outros Tempos Volume 7, número 10, dezembro de 2010 - Dossiê História e Educação 287 Outros Tempos Volume 7, número 10, dezembro de 2010 - Dossiê História e Educação 287 REIS, João José. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa

Estudo Dirigido História -6 o ano Luciana Corrêa Conteúdos do 3º bimestre No 3º bimestre de 2015 estudaremos alguns povos que viveram na Ásia, na África e na Europa entre os séculos VII e XVI. Vamos conhecer um pouco como era a vida dos árabes, malinquês

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos MANUSCRITOS AFRODESCENDENTES AUTÓGRAFOS DA CHAPADA DIAMANTINA Elias de Souza Santos (UNEB) elias40_d@hotmail.com Pascásia Coelho da Costa Reis (UFBA/UNEB)

Leia mais

A INFLUÊNCIA AFRICANA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA

A INFLUÊNCIA AFRICANA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA A INFLUÊNCIA AFRICANA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA Márcio Carvalho C. Ferreira Este artigo tem como intenção analisar a influência cultural dos africanos no Brasil. Por meio da revisão

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870.

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. ESCOLA DO RECIFE Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. OS PRIMEIROS CURSOS SUPERIORES As Faculdades de Direito surgiram no Brasil no início do século XIX, ligadas

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO.

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. Resumo Francy Eide Nunes Leal Esse trabalho tem como objetivo apresentar a discussão sobre catolicismo popular no Brasil e promover

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

RAÇA E ETNICIDADE BREVE HISTÓRICO DAS IDEIAS RACIAIS.

RAÇA E ETNICIDADE BREVE HISTÓRICO DAS IDEIAS RACIAIS. ! RAÇA E ETNICIDADE Atualmente é importante a discussão entre os aspectos relacionados à raça e etnicidade. Considerando o Brasil enquanto um dos países mais misturados em termos raciais no mundo. Podemos

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES A Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes A Habilidades: Compreender a organização política e administrativa da sociedade fenícia Identificar alguns elementos próprios da cultura fenícia

Leia mais

SEMANA TEMÁTICA TEMA: Brasil culturas indígenas e afro-brasileiras Data: 7 a 12 de maio de 2012. Orientações para os Professores

SEMANA TEMÁTICA TEMA: Brasil culturas indígenas e afro-brasileiras Data: 7 a 12 de maio de 2012. Orientações para os Professores Pró-Reitoria de Extensão - Proex Diretoria de Programas de Pastoral Dipas Programa de Formação Humanística - PFH Centro de Reflexão sobre Ética e Antropologia da Religião (CREAR) SEMANA TEMÁTICA TEMA:

Leia mais

TRABALHO DOMÉSTICO: UM DEBATE SOBRE A HISTÓRIA MATERIAL DE SUA EXISTÊNCIA

TRABALHO DOMÉSTICO: UM DEBATE SOBRE A HISTÓRIA MATERIAL DE SUA EXISTÊNCIA TRABALHO DOMÉSTICO: UM DEBATE SOBRE A HISTÓRIA MATERIAL DE SUA EXISTÊNCIA Bergman de Paula Pereira 1 Resumo: O presente artigo discutirá, a precariedade social do trabalho doméstico a partir de sua divisão

Leia mais

A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU. Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail.

A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU. Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail. A RESISTÊNCIA DA CULTURA AFRICANA NOS RITUAIS DE CANDOMBLÉ KETU Watusi Virgínia Santiago Soares* Faculdade Alfredo Nasser watusisantiago@gmail.com Palavras-Chave resistência Candomblé - Iorubá INTRODUÇÃO

Leia mais

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2! NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2 Nina Rodrigues O intuito central de

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

A diáspora africana na América do Sul por imagens

A diáspora africana na América do Sul por imagens A diáspora africana na América do Sul por imagens Marcos Rodrigues 1 jmbr@bol.com.br TAVARES. Julio Cesar de. Diásporas Africanas na América do Sul: uma ponte sobre o Atlântico. GARCIA, Januário (fotografia

Leia mais

Jornalismo Cultural: A Abordagem Dada a Reportagens Especializadas no Culto aos Orixás 1

Jornalismo Cultural: A Abordagem Dada a Reportagens Especializadas no Culto aos Orixás 1 Jornalismo Cultural: A Abordagem Dada a Reportagens Especializadas no Culto aos Orixás 1 Agnes Maria Araújo ANJOS 2 Natália Alberto de MELO 3 Cintia Cerqueira CUNHA 4 Universidade de Uberaba, Uberaba,

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM PROF.: ILANA MÍRIAN Alinne Anne Ana Amélia Ataína Tajra Elsomaria Oliveira Flaviana Vilar Floriana Santos Germano Costa Letícia Sales NEOPENTECOSTALISMO

Leia mais

A HISTÓRIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA

A HISTÓRIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA A HISTÓRIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA 1. Introdução Thiago Lima dos Santos * thiagolima.santos@yahoo.com.br Ao se pensar a contribuição do conhecimento histórico para os estudos

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. Leandro Farias VAZ Mestrando em Geografia - UFG-IESA leandrofvaz@hotmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva discutir

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais