Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais"

Transcrição

1 Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina é a Minas do ciclo do Ouro, a Minas que nasceu sob o signo do urbano, a Minas colonial suntuosa, exuberante e rebuscada. Os estilos barroco e rococó marcaram Minas a ouro, madeira, taipa e pedra. As raízes da nossa cultura mineira se encontram nesses estilos cheios voltas e contra voltas. A arte colonial mineira e a organização sócio-econômica da capitania se confundem. O nascimento das Minas se deve entre vários fatores à construção de templos religiosos que serviram como elemento de urbanização e de fixação do homem a terra. No final do século 17 as bandeiras começavam a cortar o sertão mineiro, movidas pela cobiça e pelo sonho de enriquecer da noite para o dia. Centenas de homens se lançaram à penosa aventura da busca do ouro, enfrentando fome, doenças, matas selvagens, índios e animais. O resultado da aventura foi positivo, o ouro foi encontrado e a região começou a ser povoada. As notícias de espalhou pela colônia e homens de todas as partes chegaram à região. A atividade mineradora que então se iniciou propiciou a formação urbana em Minas Gerais rara até então na colônia porque o minerador não era autossuficiente como o senhor de engenho.

2 Sérgio Freitas Sérgio Freitas Ele precisava comprar seus suprimentos. Daí o surgimento do comércio na região. A entrada da máquina burocrática estatal, a vinda de funcionários militares e de padres seculares completa a formação do quadro urbano. Esses povoadores foram responsáveis pela introdução da arte e da arquitetura na capitania que se formava - a Capitania das Minas. As artes se desenvolveram facilmente na região. Pequenos núcleos iam se formando próximos aos locais de mineração. Imediatamente eram erguidas pequenas capelas, casas iam sendo construídas ao redor das mesmas e assim iam se formando os arraiais. Decoração interna Ig. N. Sra. do Pilar O.Preto Decoração interna Ig. N. Sra. do Pilar O.Preto O templo religioso com decoração barroca no seu interior torna-se fundamental na estrutura social da região das minas como meio de urbanização. Por sua causa, terras eram valorizadas, novos setores surgiam e novas ruas. O templo funcionava como grande ponto de encontro do povo, pois sediavam as solenidades religiosas, como missas, casamentos, batizados, procissões, novenas e outras práticas. Pode-se até dizer que o lazer do homem mineiro setecentista estava no templo religioso. Não se pode esquecer de que os sepultamentos eram realizados no interior da igreja, reforçando, assim, sua função social.

3 A coordenação da vida religiosa da capitania foi feita via Irmandades, Confrarias - associações religiosas leigas - e Ordens Terceiras. Aí entramos em um ponto muito importante para se compreender melhor a arte colonial mineira. A Coroa Portuguesa proibiu a entrada das grandes congregações religiosas regulares, como beneditinas, carmelitas, dominicanas, na região das Minas, sob alegação de que eram prejudiciais à ordem pública. Na realidade, esta proibição encobria o temor de que as Congregações regulares comunicassem ao Vaticano a respeito da grande quantidade de ouro na região e este reivindicasse parte da riqueza aqui encontrada. Assim, apenas os padres seculares tiveram a permissão para entrar na Capitania das Minas. Igreja de Santa Ifigênia Ouro Preto Os templos religiosos mineiros foram erguidos com recursos do próprio povo. As pessoas tinham a liberdade de fundar associações religiosas. A fundação dessas associações se deu pela diferenciação e a rivalidade entre os grupos sociais Na primeira metade do século 18, a elite composta de mineradores abastados e de administradores da Coroa Portuguesa se reunia na Irmandade do Santíssimo Sacramento, geralmente responsável pela construção da matriz - a matriz com raras exceções, homenageava Nossa Senhora). Mulatos, pardos e brancos sem poder aquisitivo se reuniam nas Irmandades de Nossa Senhora das Mercês, São José, São José, Cordão de São Francisco, São Francisco de Paula e outras. Já os escravos se organizavam nas Irmandades de Nossa Senhora do Rosário, Santa Ifigênia, Nossa Senhora das Mercês e redenção dos cativos.

4 Sérgio Freitas Igreja Nossa Senhora do Rosário Ouro Preto Na segunda metade do século 18 as elites se reuniam nas ordens terceiras do Carmo e São Francisco de Assis. Devido a essa diferenciação social, surge, entre as irmandades, uma forte rivalidade, rivalidade esta que colaborou para o desenvolvimento e aprimoramento da arte mineira, já que através de templos ricamente ornados é que a irmandade mostrava à população seu poder econômico, o seu status. As irmandades procuravam decorar seus templos de forma mais ostensiva possível. Enquanto no litoral as construções eram orientadas pelos padrões rígidos das congregações regulares, em Minas a liberdade que o povo teve de organizar associações leigas religiosas causou essa propagação de templos religiosos. Esta liberdade não se expressou apenas no número de construções, mas também e principalmente na livre criação. Novas soluções foram criadas, as construções se adaptaram à realidade da região. A construção, a ornamentação da igreja, a contratação de artistas eram discutidas pelos membros da Irmandade. Um fato que não pode ser esquecido é que, devido ao caráter urbano da região das minas e da falta de mulheres brancas, aconteceu uma grande miscigenação, resultando, resultando em um grande número de mulatos. Esses mulatos desempenharam um papel de destaque dentro da arte mineira, já que não se enquadravam no trabalho nas lavras destinado aos negros nem no trabalho burocrático, destinado aos brancos. Muitos mulatos buscaram trabalho na construção das igrejas, revelando grande

5 aptidão para o trabalho artístico e se transformando em excelentes artistas, o que lhes serviu como meio de afirmação social. Para poder compreender melhor as raízes da cultura mineira, é necessário termos uma visão dessa estrutura templo religioso urbanização irmandades, porque estes foram os principais sustentáculos da formação da terra mineira. Capela de Santa Quitéria Catas Altas

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO

ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO Natalia Casagrande Salvador* Resumo: As igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX

Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX CASSIA FARNEZI PEREIRA * A vida religiosa da Capitania de Minas Gerais no século XVIII foi marcada pela presença das irmandades

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA.

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. SILVA, Washington Maciel. 1 E-mail: washingtonmacieldasilva@gmail.com Resumo: apresentamos um estudo sobre a história de Goiás e a

Leia mais

RENASCIMENTO ITALIANO

RENASCIMENTO ITALIANO ARTES / 2º ANO PROF.MÍLTON COELHO RENASCIMENTO ITALIANO Contexto histórico O termo significa reviver os ideais greco-romanos; na verdade o Renascimento foi mais amplo, pois aumentou a herança recebida

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional Nações Africanas nas Irmandades Negras Mineiras do Século XVIII Juliana Aparecida Lemos Lacet * Introdução Os projetos de conquista da África e do

Leia mais

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS A. LIVRO Anotar número do livro. B. FOLHAS Anotar número inicial e final de cada testamento. C. DATA Anotar a data do documento (dia/mês/ano4dígitos).

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA?

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? Paróquia - Missão da Igreja na vida das pessoas - Libertar a pessoa da enfermidade - Ser presença solidária e cristã junto aos doentes Papel PS contribuir

Leia mais

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas América Espanhola O que os Espanhóis encontraram aqui na América... Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões

Leia mais

Arquitetura Colonial

Arquitetura Colonial Arquitetura Colonial Introdução l Arquitetura colonial corresponde ao período de 1500 até 1822 l os colonizadores adaptaram as correntes estilísticas da Europa ao Brasil: l condições materiais e sócio-econômicas

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX de comércio. 1 A partir de 1850, a cidade passa por um lento e gradual crescimento que vai ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO URBANO DE CUIABÁ NA SEGUNDA

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2012 Turma: 1º FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve

Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve Belo Horizonte (MG) - Capela do Colégio Sagrado Coração de Jesus ganha reforma e será reaberta em breve Escola é considerada um marco da história educacional de Belo Horizonte. Adriana Vilaça tinha 11

Leia mais

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835)

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) Joceneide Cunha (UFBA/UNEB) jocunha@infonet.com.br Nos Setecentos, nasceu na vila sertaneja do Lagarto,em tão remotas distâncias

Leia mais

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou...

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou... Léolo, o personagem do belíssimo filme de Jean-Claude Lauzon, cercado pela loucura e pelo horror, repetia: Porque eu sonho, não estou louco, porque eu sonho, eu não sou... Galeano compartilha conosco um

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890.

RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890. RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890. Pedro Affonso Oliveira Filho - UFU Raphaela Aleixo Barbosa - UFU RESUMO: Objetiva-se neste trabalho analisar os papéis desempenhados

Leia mais

PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO

PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO PINTURAS DE TREZENTOS ANOS DESCOBERTAS NAS PARIETAIS DA CAPELA-MOR DA IGREJA MATRIZ DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO SENRA, Dulce Azeredo (1); DIAS, Tereza (2); GODOY, Sandra (3) 1 - dulce.azeredo@gmail.com

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA Fixação 1) (UNESP) Se bem que a base da economia mineira também seja o trabalho escravo, por sua organização geral ela se diferencia amplamente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 RESUMO A mineração marcou a história de Minas Gerais e até hoje se apresenta

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

JOSÉ DA CONCEIÇÃO E SILVA

JOSÉ DA CONCEIÇÃO E SILVA ENTALHADORES E SANTEIROS ENTALHADORES E SANTEIROS DO BARROCO 1 A. FASE FREI DOMINGOS DA CONCEIÇÃO Escultor, entalhador e santeiro, nasceu em Matosinhos, Portugal, em c. 1643. Aprendeu o ofício de escultor

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA A proposta A proposta do material didático para a área de História privilegia as novas tendências do estudo da História dando mais

Leia mais

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna 8º Ano 4º Bimestre 2015 Professor Juventino Introdução Ano foi marcado de 1922 por grandes mudanças na política e na cultura. Transformações no mundo. 1º centenário da independência.

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES HISTÓRIA Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS As fontes históricas Patrimônios históricos Da extração à plantação do pau-brasil

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses...

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses... TUDO COMEÇOU... Muitas pessoas participaram pra que a igreja São José Operário existisse, no início a irmã Catarina saiu de casa em casa convidando os moradores do bairro pra participar de um culto dominical,

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

Semana Santa. Mariana - Minas Gerais. Observações. Agradecimentos. Apoio Secretaria Municipal de Cultura e Turismo

Semana Santa. Mariana - Minas Gerais. Observações. Agradecimentos. Apoio Secretaria Municipal de Cultura e Turismo Observações - As celebrações serão organizadas pelas equipes de liturgia, tendo como animadores os grupos de canto das paróquias e os corais da cidade. - Convidamos as irmandades do Santíssimo Sacramento,

Leia mais

Sociabilidades e estrategias educativas numa sociedade mestiça (Minas Gerais, Brasil, século XVIII) *

Sociabilidades e estrategias educativas numa sociedade mestiça (Minas Gerais, Brasil, século XVIII) * Sociabilidades e estrategias educativas numa sociedade mestiça (Minas Gerais, Brasil, século XVIII) * Thais Nivia de Lima e Fonseca Universidade Federal de Minas Gerais Brasil ** A entrada das primeiras

Leia mais

Recuperação Final História 7º ano do EF

Recuperação Final História 7º ano do EF COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final História 7º ano do EF Aluno: Série: 7º ano Turma: Data: 08 de dezembro de 2015. LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO JOSÉ SANTANA DE VASCONCELLOS SOBRE BARÃO DE COCAIS

PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO JOSÉ SANTANA DE VASCONCELLOS SOBRE BARÃO DE COCAIS PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO JOSÉ SANTANA DE VASCONCELLOS SOBRE BARÃO DE COCAIS Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados ao longo de nossa vida parlamentar há mais de quarenta anos vimos trabalhando

Leia mais

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII BRASIL COLÔNIA Expansão Territorial séc. XVII-XVIII No período da União Ibérica, a Linha de Tordesilhas ficou sem efeito, permitindo um avanço do território brasileiro rumo ao interior. Duas formas básicas

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva 1 SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva Mulheres, crianças, jovens e homens xukurus, muitas pessoas curiosas se concentram por volta da três horas da tarde do dia

Leia mais

Nela foi erguido o Cemitério dos Ingleses, um dos mais antigos cemitérios do

Nela foi erguido o Cemitério dos Ingleses, um dos mais antigos cemitérios do ALGUMAS NOTAS SOBRE O CENTRO HISTÓRICO DO RIO DE JANEIRO: A PEQUENA ÁFRICA (*) BAIRRO DA GAMBOA Luiz Antônio da Costa Chaves Bairro localizado na Zona Portuária do Rio de Janeiro, habitado principalmente

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS

PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS Introdução Até meados do século XVII os portugueses estabeleceram-se apenas do litoral; Com o avanço pelo interior

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

Gravataí - 2025 Desafios e possibilidades para uma vida melhor. CENTRO

Gravataí - 2025 Desafios e possibilidades para uma vida melhor. CENTRO CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE COLEGIO CENECISTA NOSSA SENHORA DOS ANJOS GRAVATAÍ - RS Gravataí - 2025 Desafios e possibilidades para uma vida melhor. CENTRO Gravataí, Abril de 2015. CAROLINA

Leia mais

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO Analisar a atuação das Entradas e Bandeiras entre os séculos XVI e XVIII na expansão do território da América Portuguesa, concluindo

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO Nota: 1) A arte barroca ganhou espaço e passou a inaugurar um novo período na arte européia, que já havia experimentado

Leia mais

A região é riquíssima em bons atrativos. Existem opções para todos os gostos turismo cultural, rural e ecoturismo.

A região é riquíssima em bons atrativos. Existem opções para todos os gostos turismo cultural, rural e ecoturismo. Roteiros Turísticos Região de Ouro Preto e Mariana A região é riquíssima em bons atrativos. Existem opções para todos os gostos turismo cultural, rural e ecoturismo. O que conhecer na região: Ouro Preto

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza aaa Barroco Origem em Roma no final do século XVI; Disseminado por toda a Europa e, através dos colonizadores espanhóis e portugueses, pelas Américas; Pouco influente nos países protestantes. Suas características

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9, 10-17)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9, 10-17) SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE DE CRISTO (ANO C) 2 de Junho de 2013 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9, 10-17) 10 Ao regressarem, os Apóstolos contaram-lhe tudo o que tinham feito.

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

As Irmandades mineiras de Nossa Senhora da Boa Morte: assistencialismo, devoção e festejos (1721-1822)

As Irmandades mineiras de Nossa Senhora da Boa Morte: assistencialismo, devoção e festejos (1721-1822) As Irmandades mineiras de Nossa Senhora da Boa Morte: assistencialismo, devoção e festejos (1721-1822) Ms. Sabrina Mara Sant Anna C/Arte Projetos Culturais. Pesquisadora As irmandades mineiras de Nossa

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira Pe. José Humberto Motta / Pe. Antonio Élcio De Souza Faculdade Católica de Filosofia

Leia mais

ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: As diversas atividades desempenhadas pela Santa Casa de Misericórdia na Parahyba imperial Naiara Ferraz B. ALVES Ms.Profª. Ensino Fundamental II Município de

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1

A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1 A CONSTITUIÇÃO DA RIQUEZA DE SÃO SIMÃO: 1865-1895 Fernanda de Cássia Alves PIALARICI 1 ORIGEM DO MUNICÍPIO Durante os séculos XVI e XVII, São Paulo viveu extremamente dependente da mão-de-obra indígena,

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

CAPÍTULO 5 A ambição do ouro

CAPÍTULO 5 A ambição do ouro CAPÍTULO 5 A ambição do ouro Em busca do enriquecimento através do ouro, chegamos à miséria d' alma. Você já deve ter ouvido falar do Eldorado, um mito muito antigo segundo o qual existe, em algum lugar,

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

A mobilidade dos artistas e artífices e o desenvolvimento do fazer e do gosto no Brasil Colonial

A mobilidade dos artistas e artífices e o desenvolvimento do fazer e do gosto no Brasil Colonial A mobilidade dos artistas e artífices e o desenvolvimento do fazer e do gosto no Brasil Colonial Dra. Cybele Vidal Neto Fernandes Universidade Federal do Rio de Janeiro O tema desta comunicação refere-se

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS NO SÉCULO XVIII AS ASSOCIAÇÕES RELIGIOSAS LEIGAS DOS HOMENS PARDOS RESUMO

PRÁTICAS EDUCATIVAS NO SÉCULO XVIII AS ASSOCIAÇÕES RELIGIOSAS LEIGAS DOS HOMENS PARDOS RESUMO 1266 PRÁTICAS EDUCATIVAS NO SÉCULO XVIII AS ASSOCIAÇÕES RELIGIOSAS LEIGAS DOS HOMENS PARDOS Paola Andrezza Bessa Cunha Universidade Federal de Minas Gerais RESUMO As associações leigas religiosas cumpriram

Leia mais

Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA.

Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA. [ Caderno 07 ] Prefeitura Municipal de Catas Altas - MG Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA Nossa História Escrito

Leia mais

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015 Arte Romana 1º Ano Artes Professor Juventino 2015 Arte Romana A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais