RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890."

Transcrição

1 RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, Pedro Affonso Oliveira Filho - UFU Raphaela Aleixo Barbosa - UFU RESUMO: Objetiva-se neste trabalho analisar os papéis desempenhados pelos agentes históricos envolvidos no processo de povoamento e consolidação da freguesia de são José do Tijuco (atual cidade de ituiutaba), no período de 1832 a 1890, com ênfase nos escravos, libertos, pardos e índios, segundo a documentação eclesiástica, cartorial e relatos de memorialistas da região. Este trabalho é fruto das pesquisas do Núcleo de Estudos Sobre escravidão em Minas Gerais NEEMG e do Programa de Educação Tutorial, PET (RE) Conectando Saberes Fazeres e Práticas: rumo à cidadania consciente. Objetivamos ressaltar a imprescindível contribuição destes sujeitos sociais, sujeitos estes renegados ao esquecimento pela história oficial do município narrada por membros da elite local. Olhando para o silencio desta História oficial nos indagamos, como era composto os outros segmentos da população que não eram ricos? Quem eram? Quais seus nomes? Que profissão tinham? Como era a relação senhor escravo? Que papel desempenhou a Igreja? Introdução Quando olhamos para a História oficial dos municípios, de uma forma geral, nos deparamos com narrativas que esboçam grandes feitos, grandes personalidades, famílias ilustres, estes por sua vez nos são apresentados pelos memorialistas locais como grandes bem feitores, aqueles que sem ajuda realizaram grandes prodígios. A História do município de Ituiutaba, apresentada por memorialistas nas décadas de 40, 50 e 70 do século XX, e depois por ocasião do centenário da cidade em 2001, é um exemplo claro de que a hegemonia e a dominação das classes sociais mais abastardas acontece com a negação do papel das outras classes sociais na trajetória do processo Histórico de surgimento, consolidação e emancipação da cidade. Esta visão elitista do passado escritas por memorialistas no século XX e durante as comemorações do centenário da cidade ainda hoje são reproduzidas em grande parte das escolas de Ituiutaba, principalmente nas Municipais, onde os alunos são levados pelos professores a ler estas obras sem ao menos se posicionarem criticamente sobre o seu conteúdo. Nosso objetivo nesta pesquisa portanto é contribuir com a discussão a cerca da escravidão negra no Triangulo Minero no século XIX, uma vez que as pesquisas a respeito das práticas escravistas na região são poucas, sendo que as primeiras que começam a serem divulgadas então vinculadas as recentes pesquisas do NEEMG pesquisadores que trabalham no arquivo público da cidade de Uberaba bem como ao pesquisador Luís Augusto Bustamante Lourenço Pesquisas estas que têm revelado muito sobre a escravidão na região. 1

2 Este trabalho é, portanto, resultado de pesquisas em registros eclesiásticos e cartoriais da região do Triangulo Mineiro - MG, pesquisa que venho realizando desde 2008 junto ao Núcleo de Estudos Sobre escravidão em Minas Gerais - NEEMG. Apesar da importância daquelas pesquisas, o Triangulo Mineiro e Alto Paranaíba, possui pouco ou nenhum conhecimento a cerca de seu passado escravista. Passado este muitas vezes negado e renegado na História instituída dos municípios mineiros e povoados constituídos nesta região desde a primeira metade do século XVIII e todo o século XIX. Desde nossa colonização, escolhemos a escravidão, pior tipo de pobreza, para produzir nossos produtos, no lugar de escolhermos trabalhadores livres, produzindo para eles próprios. A escravidão cria riquezas, mas não reduz a pobreza dos escravos. Libertamos os escravos, mas mantivemos a fábrica de pobreza chamada latifúndio exportador. A riqueza crescia e o número de pobres também. Breve Histórico O povoamento do território onde hoje atualmente se encontram as cidades de Uberaba, Prata, Monte Alegre de Minas e Ituiutaba remontam à primeira metade do século XIX. A povoação que veio a se tornar a cidade de Uberaba teve inicio em 1809, desmembrada do julgado de Desemboque. O julgado de Desemboque, atual cidade de..., por sua vez foi a povoação mais antiga do Triangulo Mineiro. Segundo documentário histórico/cultural realizado pela Fundação Cultural de Uberaba, Academia de Letras do Triangulo Mineiro, e Arquivo Publico de Uberaba, esta povoação teve inicio no ano de 1736, mas foi totalmente destruída pelos índios nos anos de 1737 a Foi tomado o processo de reconstrução em 1742, sendo concluída a Igreja matriz em 1754, sob os esforços do Guarda Mor Feliciano Cardoso de Carvalho (NABUT 1986). Este povoado se mantinha graças à mineração do ouro e diamantes, até então encontrados em abundancia nas margens dos rios Grande e Parnaíba. Mas foi com a escassez do ouro e pedras preciosas, que começaram a desaparecer por volta do ano de 1790, que partiram entre os fins do século XVIII e inicio do XIX, rumo às terras ainda pouco conhecidas do restante do Triangulo Mineiro. Os primeiros povoadores da região onde hoje se encontram as cidades descritas acima chegaram à região por volta do ano de 1793, ao chegarem fundaram algumas fazendas, em geral propriedades isoladas entre si, muito distantes umas das outras, e de uma forma geral a posse da terra não era legal, uma vez que não haviam sido concedidas pelo rei cartas de sesmarias para posseiros nesta região. Os registros da igreja Matriz de São José do Tijuco A região do Triângulo, Estado de Minas Gerais, possui um expressivo acervo documental histórico referente à atuação da Igreja Católica e de seus membros, presente na região desde os primórdios da ocupação deste território. Esses acervos podem ser encontrados, em grande parte, nas cúrias diocesanas nas cidades de Uberaba, Uberlândia, Patos de Minas e Ituiutaba bem como nos cartórios destas 2

3 cidades, sendo que muitos documentos ainda se encontram dispersos em paróquias pertencentes às mesmas dioceses. Trata-se de acervos importantíssimos para a recuperação da memória desta região e que, geralmente, não são acessíveis para os pesquisadores, seja devido à sua dispersão ou por resistência de alguns dirigentes da igreja que proíbem o acesso aos mesmos em algumas localidades. Estes documentos revelam muitas das ações do clero durante todo o período do século XIX, revelando aspectos da vida cotidiana destes e dos ligados a estes, (quase toda a população uma vez que a religião oficial do império foi a católica) durante esta pesquisa, no que se refere a documentação eclesiástica privilegiamos os assentos de batismo, casamento, óbito e livros tombo da paróquia catedral São José de Ituiutaba por serem os registros paroquiais mais antigos do arquivo diocesano e por estarem em estado de parcial degradação, devido ao manuseio e à ação do tempo. Todas as ações da Igreja sejam elas religiosas, sociais, burocráticas, administrativas, eram registradas, uma vez que os clérigos deveriam prestar contas a seus superiores, tanto ao estado quando a igreja caso fossem solicitados. Primeiramente se faz necessário citar e descrever um pouco sobre os documentos referenciados. O documento de 1872 é um recenseamento da província de Minas Gerais, mais especificamente da paróquia de São José do rio Tijuco. Onde fizemos um recorte regional trabalhando somente com dados do município de São José do Tijuco. Que se transformou hoje na atual cidade de Ituiutaba. Com base nos dados deste recenseamento antes de tudo, o que mais impressiona é o número escasso de caboclos presentes na região na data deste levantamento. Pois enquanto o número de homens e mulheres brancos(as) chega a 1602 residentes no munícipio. A quantidade de pardos chega a 622 pessoas, a de pretos a 192 e a de caboclos é de 15 pessoas apenas. Esses dados demonstram o quanto os índios que antes aqui habitavam foram massacrados pelos desbravadores brancos. E hoje suas famílias, as destes senhores brancos, se caracterizam como grandes proprietários de terras em Ituiutaba. Enquanto os negros que somam mestiços e pardos se encontram em sua grande parte nas periferias de Ituiutaba. Morando em barracos uns até feitos de madeira. Algumas ruas até sem o serviço de tratamento da água como podemos constatar em um trabalho de pesquisa feito em uma disciplina da faculdade de Ciências Integradas do Pontal- UFU. Este bairro é o Novo Tempo II demasiadamente distante do centro e de bairros ditos de classe média da cidade de Ituiutaba. Dos caboclos então poucos descentes restam muito poucos. Dentre outros dados estão os números de pessoas alfabetizadas e analfabetas, que somam respectivamente a primeira em 343 pessoas e a segunda em 2088 pessoas. Sendo que destes alfabetizados 269 são homens brancos e 74 são mulheres brancas. E inevitavelmente percebe-se que não existe nenhum preto, pardo, mestiço ou caboclo alfabetizado. Esses dados criam maior sentido quando passamos a ter o esclarecimento da lei que impedia os negros de estudar elaborada em 1854 segundo dados do NEAB. É perceptível também a duração dos escravos em sua idade cronológica. Sendo até 3

4 os 41 anos de idade em grande número no município de Ituiutaba. Porém a partir desta idade vão decaíndo bruscamente em sua existência vital. Desta forma dos 51 anos de idade até os 61 anos observa-se essa queda em aproximadamente metade da população negra. Muito pouco menos da metade, bem menos alcançava com muita sorte os 61 anos de idade, no mais tardar uns 70 anos.recenseamento do Brazil de 1872 da Província de Minas Geraes (cópia parcial da imagem digitalizada do documento de fato). PROVINCIA DE MINAS GERAES QUADRO GERAL DA POPULAÇÃO DA PAROCHIA DE S. JOSÉ DO TIJUCO EM 1872 RAÇAS CONDIÇÕES SEXO ALMAS BRANCOS PARDOS PRETOS CABOCLOS LIVRES HOMENS LIVRES MULHERES LIVRES SOMA ESCRAVOS HOMENS ESCRAVOS MULHERES ESCRAVOS SOMA LIVRES E SOMA ESCRAVOS GERAL Além do recenseamento da província de Minas Geraes de 1872 anexaremos aqui para o fim da análise como documentos que podem ser usados como exemplo em sala de aula. Duas fotos sendo uma de 1880 onde retrata o comércio Bazar do Arlindo e Francisco Alves Vilela. Esta foto está composta por sujeitos que são proprietários de terras, donos comércio local, transeuntes brancos que compunham a sociedade naquele tempo e exclusivamente nos traz a imagem de um escravo na porta daquele estabelecimento. Pelo o que se sabe este é o único registro imagético de 1880 que resguarda a imagem de um escravo. Como se identifica este escravo? Pelos seus pés descalços. (Ver anexo I) Entretanto, já passando para a segunda imagem, esta de 1890 retrata uma família de um senhor de terras e sua família, mais duas escravas que certamente possuíam a esta família. (Ver anexo II) Outros documentos de igual importância, são os acentos de batismo e casamento, compondo uma série que vai de 1947 a 1888, os batismos compõe se de 150 registros de negros e pardos escravos eis um exemplo: Aos dois de novembro de mil oitocentos e cinqüenta e um baptizei solenemente a inocente Tereza com 32 dias de idade filha legitima de Manoel e Lesenina, todos escravos do Padre Fortunato Alves Pedrosa de Resende, sendo padrinhos Manoel Alves e sua esposa. Vigário Lima. (1851, Livro de registro de batismos p.19) 4

5 Neste caso é interessante notar que Tereza era recém nascida, filha do casal de Manoel e Lesenina, escravos pertencentes ao padre Fortunato. Tereza foi assentada como filha legítima, o que significa que seus pais eram casados na Igreja, o que deduz que o padre Fortunato, entre outros, incentivava os seus escravos a contraírem matrimônio no seio da Igreja, estabelecendo assim famílias estáveis, seja por dever do ofício (afinal era padre) ou como forma de reprodução natural de seus escravos. Neste caso os padrinhos Manoel Alves e sua esposa eram livres pois tinham nomes e sobrenomes. Nos livros encontramos ainda registros de mais de 200 de negros e pardos libertos, a documentação cartorial, ainda parcialmente analisada, compõe cerca de 97 registros de negros e pardos escravos, cerca de 78 de negros e pardos livres e libertos. Considerações finais A documentação pesquisada permite cotejar, mesmo que indiretamente, alguns problemas da historiografia tradicional no tocante á província de Minas gerais. Questionamentos já feitos por LIBBY, (LIBBY, 1988), entre outros, no tocante ás representações de opulência e pobreza em torno da Capitania de Minas Gerais entre os séculos XVIII e XIX. A documentação eclesiástica existente no Triângulo Mineiro corrobora também, além destas, com outra conclusão do autor, ou seja, o crescimento demográfico da província de Minas Gerais no século XIX, embora nada espetacular foi constante. Incluía, pelo menos desde a década de 1810, o firme aumento do contingente mancípio, tendência esta que parece ter continuado por duas décadas após o término do tráfico negreiro internacional, afirma o autor. Realidade que vislumbramos também para o Pontal do Triângulo Mineiro... Apesar do consenso há muito estabelecido pela historiografia sobre a Igreja, que trouxe à tona as contradições e as ambigüidades nos diferentes ramos da vida cotidiana, consideramos que muito ainda precisa ser investigado, indo além das afirmações simplistas e muitas vezes apologéticas que caracterizam muitos dos casos aqui citados. Mesmo que pertençam a grupos, a coletividades, eles existem primeiro por si mesmos como indivíduos. Esse fenômeno da individualidade está no cerne do trabalho dos pesquisadores, pois, embora trabalhem com fontes primárias, devem atingir os indivíduos que os compõem, pois são os indivíduos que menos aparecem. 5

6 Anexo Bazar do Povo de Arlindo e Francisco Alves Vilela, na primitiva Rua do Comércio, destacamos o escravo Inácio Criolo, o segundo a esquerda da imagem. Acervo da Fundação cultural de Ituiutaba. Anexo , Família Gouvêa e duas ex escravas. Acervo da Fundação cultural de Ituiutaba. Bibliografia: CARRARA, Ângelo Alves. Minas e Currais. Produção rural e mercado interno de Minas Gerais , Juiz de Fora, Editora UFJF,

7 LOURENÇO, Luis Augusto Bustamante. A Oeste de Minas. Escravos, índios e homens livres numa fronteira oitocentista. Triângulo Mineiro Uberlândia, Edufu, CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Tradução Maria de Lourdes Menezes. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, Chaves, Petrônio R. A loja do Osório. Ituiutaba: Côrtes, Carmen D. Cunha. Ituiutaba conta a sua história. 2. ed. Ituiutaba: Egil, 2001 Ituiutaba. Fundação Cultural de Ituiutaba. Revista Centenário de Ituiutaba. Edição especial. N. 1, Ituiutaba: Egil, Fontes: - Revista Acaiaca, Camilo Chaves, 1953, compreendendo as páginas, - Livro 1 de atas (Livro Tombo) da igreja matriz de São José do Tijuco, 1884 e Livro 1 de registros de batismos da igreja matriz de São José do Tijuco, 1884 e Livro 1 de Registros de Casamento da paróquia de São José do Tijuco, 1884 e 1912., Desemboque Documentário Histórico e Cultural. Fundação Cultural de Uberaba. Arquivo Público de Uberaba. Academia de Letras do Triangulo Mineiro. Coordenação Jorge Alberto Nabut,

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

OS RELEGADOS: A HISTÓRIA OCULTA DOS PRIMEIROS POVOS DO PONTAL DO TRIÂNGULO.

OS RELEGADOS: A HISTÓRIA OCULTA DOS PRIMEIROS POVOS DO PONTAL DO TRIÂNGULO. OS RELEGADOS: A HISTÓRIA OCULTA DOS PRIMEIROS POVOS DO PONTAL DO TRIÂNGULO. Autor: Pedro Affonso Oliveira Filho. Graduando do curso de História da Universidade Federal de Uberlândia UFU/Campus Pontal Bolsista

Leia mais

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 Aurelino José Ferreira Filho 1 Túlio Andrade dos Santos 2 A

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 1 GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 Alex Rolim Graduando em História Bacharelado Bolsista PIBIP-AÇÃO UFAL Universidade Federal de Alagoas Orientador: Prof. Dr. Antonio F.

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo (1871-1888). Desafios e possibilidades

Leia mais

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1

Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto Processo Seletivo 2013/1 Número de Inscrição Título do Projeto Nota Situação 1 Escritas Confessionais nos Compêndios Didáticos

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: História. Documentação eclesiástica. Escravidão. Igreja. Poder. Documentação, escravidão e perspectivas de pesquisas

PALAVRAS-CHAVE: História. Documentação eclesiástica. Escravidão. Igreja. Poder. Documentação, escravidão e perspectivas de pesquisas ESCRAVIDÃO, IGREJA, DOCUMENTAÇÃO ECLESIÁSTICA E PODER: PARÓQUIAS DE SÃO JOSÉ DO TIJUCO, NOSSA SENHORA DO CARMO DO PRATA E NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS DO CAMPO BELO. TRIÂNGULO MINEIRO (MG) Aurelino José

Leia mais

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014 Padre Simão Rodrigues de Sá, um patriarca de batina José Rodrigues da Silva Filho Graduado em História, UFRN Orientadora: Carmen Margarida Oliveira Alveal rodrigues.omagno@gmail.com Quando se trata de

Leia mais

MEMORIAL DE IMIGRAÇÃO E CULTURA JAPONESA DO RIO GRANDE DO SUL: TECNOLOGIA SOCIAL A SERVIÇO DO CONHECIMENTO HISTÓRICO

MEMORIAL DE IMIGRAÇÃO E CULTURA JAPONESA DO RIO GRANDE DO SUL: TECNOLOGIA SOCIAL A SERVIÇO DO CONHECIMENTO HISTÓRICO 1 MEMORIAL DE IMIGRAÇÃO E CULTURA JAPONESA DO RIO GRANDE DO SUL: TECNOLOGIA SOCIAL A SERVIÇO DO CONHECIMENTO HISTÓRICO Anita Estephane Vargas de Lima 1 ; Natacha Klein Käfer 2 ; André Luis Ramos Soares

Leia mais

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego SÍTIO NATURAL 01. Município Ituiutaba MG 02. Distrito Sede 03. Designação Córrego da Piriquita 03.1. Motivação do Inventário 04. Localização Coordenadas Geográficas S 19 00 892 WO 49 23 784 05. Carta Topográfica

Leia mais

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE Candomblé: Fé e Cultura 1 Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE RESUMO O presente trabalho apresenta, por meio de um ensaio fotográfico, a cultura do

Leia mais

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE III SEMANA DO MEIO AMBIENTE Durante a Semana do Meio Ambiente de 2008, o CMJF procurou envolver todos os alunos na discussão e reflexão sobre questões relativas ao ambiente. Através dos coordenadores de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA Fixação 1) (UNESP) Se bem que a base da economia mineira também seja o trabalho escravo, por sua organização geral ela se diferencia amplamente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE MUSEUS ESPECIALIZADOS EM DESIGN GRÁFICO E DESIGN DIGITAL NO BRASIL RESUMO

A IMPORTÂNCIA DE MUSEUS ESPECIALIZADOS EM DESIGN GRÁFICO E DESIGN DIGITAL NO BRASIL RESUMO A IMPORTÂNCIA DE MUSEUS ESPECIALIZADOS EM DESIGN GRÁFICO E DESIGN DIGITAL NO BRASIL Pablo Fabião Lisboa Professor UFPEL 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade iniciar uma reflexão sobre a importância

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis Nacionais

Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis Nacionais Instrumento de Consulta Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Setor Juventude Pastoral da Juventude do Brasil Relatório da Pastoral da Juventude do Brasil 13 o Encontro Latino Americano de Responsáveis

Leia mais

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO

IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO IDENTIDADE DE POLÍTICOS E DESENVOLVIMENTO DE LONGO- PRAZO Aluno: Isabela Salgado Silva Pereira Orientador: Claudio Ferraz Introdução É de consentimento geral que o nível de desenvolvimento econômico de

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Heloísa Helena Silva 1 Wilma Fernandes Rocha 2 RESUMO No presente artigo apresentamos o exame do Decreto

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5

TRÁFICO DE PESSOAS. Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 TRÁFICO DE PESSOAS Ana Paula BREDA 1 Monique Barbosa MATHIUZZI 2 Poliana de Jesus PRADO 3 Tiago Grazziotti da SILVA 4 Vinicius Manara SILVA 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o tráfico

Leia mais

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX.

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX. ENTRE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES: O DIOCESANO PIO X E A EMERGÊNCIA DE ESCOLAS CONFESSIONAIS ENTRE OS SECULOS XIX E XX. Orientador¹ JOSÉ EUDES FERREIRA DA SILVA, UEPB, eudes.story@hotmail.com² ANA PAULA

Leia mais

Paula Roberta Chagas. *Prof Ms. do curso de história da Universidade Estadual de Goiás - UEG

Paula Roberta Chagas. *Prof Ms. do curso de história da Universidade Estadual de Goiás - UEG Levantamento e catalogação de documentos históricos do sul goiano: a produção de material para o ensino de história da população na Universidade Estadual de Goiás (UEG - Brasil) Paula Roberta Chagas *Prof

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Guimaraes, Carlos Gabriel Angelo Alves Carrara

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de Estudos Africanos (USP), (4): 105-109, 1981. VILA RICA:

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar através de empréstimo, a instituições, nomeadamente, de

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA Suele França Costa, Nara Rubia Martins, Carlos Eduardo de Quadro, Juliana Eliza Viana, Douglas Almeida Silva, Rafael de Paula

Leia mais

Para todos vocês, formandos, hoje é um dia de comemoração...

Para todos vocês, formandos, hoje é um dia de comemoração... 1 Discurso da Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tereza Campello na Cerimônia de repactuação do Plano Brasil Sem Miséria com RS Mais Igual e de formatura dos alunos do PRONATEC, realizada

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 ppunk_alan@hotmail.com A proposta desse texto é analisar

Leia mais

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial 1537 REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial SOUZA JÚNIOR, Tadeu Baliza de 1 ; NEVES, Erivaldo Fagundes 2 1. Bolsista PROBIC,

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA.

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. SILVA, Washington Maciel. 1 E-mail: washingtonmacieldasilva@gmail.com Resumo: apresentamos um estudo sobre a história de Goiás e a

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 Jéssica Lino Borges 1 geminhas_lin@hotmail.com Ana Lúcia Cardoso 2 anc@unesc.net

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO

SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO GRUPO DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CONSULTA PÚBLICA: Apresentação do Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda Aos doze dias de novembro de

Leia mais

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Arquiteta e designer criam mini esculturas de prédios históricos da capital. Arena da Amazônia e Ponte Rio Negro estão entre miniaturas

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE FORMADORES DO CURSO DE HISTÓRIA DA UFU: ALGUMAS REFLEXÕES

A FORMAÇÃO DE FORMADORES DO CURSO DE HISTÓRIA DA UFU: ALGUMAS REFLEXÕES A FORMAÇÃO DE FORMADORES DO CURSO DE HISTÓRIA DA UFU: ALGUMAS REFLEXÕES Adair Fernandes David Júnior; FACIP/UFU e-mail: adair.tuiu@hotmail.com Astrogildo Fernandes da Silva Júnior; FACIP/UFU; e-mail: silvajunior_af@yahoo.com.br

Leia mais

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA Camila Damasceno de Paula Larissa Pamplona de Oliveira Ana Carolina de Almeida Bergamaschi Fabrício Roberto Costa

Leia mais

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES.

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. Tema 1: Histórias de vida, diversidade populacional (étnica, cultural, regional e social) e migrações locais, regionais e intercontinentais

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA ÉPOCA DE UM PAÍS DO IMPROVÁVEL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL PRESIDENTE CASTELO BRANCO FACULDADE CASTELO BRANCO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO - CURSO DE HISTÓRIA 1822: MAIK CESAR HELL COLATINA 2012 MAIK CESAR HELL 1822: Resenha elaborada em cumprimento

Leia mais

O USO DE MAPAS MENTAIS NO ENSINO DE GEOGRAFIA PARA A UNIVERSIDADE ABERTA A TERCEIRA IDADE UFTM.

O USO DE MAPAS MENTAIS NO ENSINO DE GEOGRAFIA PARA A UNIVERSIDADE ABERTA A TERCEIRA IDADE UFTM. O USO DE MAPAS MENTAIS NO ENSINO DE GEOGRAFIA PARA A UNIVERSIDADE ABERTA A TERCEIRA IDADE UFTM. Marllon Henrique Leandro 1 Universidade Federal de Uberlândia (UFU) INTRODUÇÃO O presente trabalho trata-se

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII BRASIL COLÔNIA Expansão Territorial séc. XVII-XVIII No período da União Ibérica, a Linha de Tordesilhas ficou sem efeito, permitindo um avanço do território brasileiro rumo ao interior. Duas formas básicas

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 RESUMO A mineração marcou a história de Minas Gerais e até hoje se apresenta

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 ( ) ENSINO ( ) PESQUISA ( X ) EXTENSÃO 1. Título: Cidades Históricas de Minas Gerais Angra e Paraty/RJ Área temática: Patrimônio Artístico, Histórico e Cultural 2. Responsável

Leia mais

Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da. Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e

Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da. Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da Paraíba. Rosilene Dias Montenegro * - UFCG Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e Preservação

Leia mais

Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais

Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais Aspectos Demográficos: Conceitos Fundamentais Diversos fatores impedem ou favorecem que pessoas se fixem em um lugar: Fatores Naturais. Fatores Econômicos. Fatores Históricos. Clima, topografia, solo entre

Leia mais

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970)

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Prof. Me. Roger Marcelo Martins Gomes Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: roger.gomes@usc.br Comunicação Oral Eixo 6 - Memória,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Lagoa/Humaitá. Nome: F1 Idade: 78 Estado Civil: viúva Escolaridade: 2º grau completo Sexo: F Profissão: aposentada

Lagoa/Humaitá. Nome: F1 Idade: 78 Estado Civil: viúva Escolaridade: 2º grau completo Sexo: F Profissão: aposentada Lagoa/Humaitá Nome: F1 Idade: 78 Estado Civil: viúva Escolaridade: 2º grau completo Sexo: F Profissão: aposentada Vazamento causado pelo apartamento em cima do seu. Pelo neto que é advogado. Solução do

Leia mais

O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Resumo

O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Resumo 1 O DISTRITO COMO UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DO TERRITÓRIO RURAL E URBANO: o exemplo de Tapuirama (Uberlândia MG) Silma Rabelo Montes¹ Beatriz Ribeiro Soares² Resumo Neste texto, discutimos a importância do

Leia mais

UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC

UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC KARINA VIEIRA SOUZA ALVES SANT ANA REPORTAGEM: A VIDA NAS RUAS DE BOTUCATU BAURU 2012 A vida nas ruas de Botucatu A Praça da Igreja Sagrado Coração de Jesus, na Rua Major

Leia mais

ENCONTRO COM O SENHOR BISPO, SUA EXCELÊNCIA REVERENDÍSSIMA D. JOÃO LAVRADOR

ENCONTRO COM O SENHOR BISPO, SUA EXCELÊNCIA REVERENDÍSSIMA D. JOÃO LAVRADOR ENCONTRO COM O SENHOR BISPO, SUA EXCELÊNCIA REVERENDÍSSIMA D. JOÃO LAVRADOR Da visita de cortesia que o Senhor D. João Lavrador efectuou à nossa Paróquia, teve lugar um encontro com os vários Grupos Paroquiais,

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: PAIVA, Angela Randolfho. Católico, Protestante, Cidadão: uma comparação entre Brasil e Estados Unidos. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. 286 p. por Cézar Alencar Arnaud de Toledo

Leia mais

ABSTRACT. Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai

ABSTRACT. Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai ABSTRACT Diagnóstico e situação das cooperativas de produção no Paraguai No Paraguai, o associativismo se origina de práticas seculares de sua população original: os guaranis. Para eles, a organização

Leia mais

XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ

XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ XIIIº PLANO DIOCESANO DE PASTORAL Diocese de Inhambane 2012 2015 TEMA: JUNTOS CRESCENDO FIRMES NA FÉ INTRODUÇÃO GERAL A Assembleia Diocesana de Pastoral, realizada no Centro do Guiúa de 6 a 8 de Dezembro

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

A PRODUÇÃO DE NARRATIVAS HISTÓRICAS DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

A PRODUÇÃO DE NARRATIVAS HISTÓRICAS DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO A PRODUÇÃO DE NARRATIVAS HISTÓRICAS DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Resumo RODRIGUES, Osvaldo Júnior PPGE UFPR osvaldo.rjunior@gmail.com Área Temática: Educação: Práticas e Estágios

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais