ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da Obra Formação do Brasil Contemporâneo (Caio Prado Jr.) 1- Referência Bibliográfica PRADO Jr., C. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, Apresentação do/a autor/a da obra Caio da Silva Prado Jr. nasceu em São Paulo no dia 11 de fevereiro de 1907, filho de Caio da Silva Prado e Antonieta Penteado da Silva Prado. A família do autor em questão pertencia a mais alta aristocracia cafeeira local, sendo seu avô, Martinho da Silva Prado Jr. o maior produtor mundial de café. Iniciou seus estudos fundamentais em casa com professores particulares, partindo para sua formação científica no colégio jesuítico São Luís, também em São Paulo. Estudou durante um ano na Inglaterra e ao retornar ao Brasil iniciou seus estudos de nível superior na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, local onde iniciou uma parcela importante de sua vida, sua atuação política. Em 1931, Caio Prado Jr. (CPJ) se filiou ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), dedicando-se ao trabalho de organização do proletariado enquanto militante de esquerda. Ainda nos anos de 1930 participou do movimento que culminaria na criação da Aliança Nacional Libertadora (ANL), presidida por Luís Carlos Prestes, e estudou história e geografia na USP. Em 1935 foi preso no Brasil por sua militância, e solto dois anos depois se exilou na Europa. Em 1939 retorna ao Brasil e lança em 1942, pela livraria Martins Editora, Formação do Brasil Contemporâneo. 3 Breve síntese da obra Em Formação do Brasil contemporâneo, Caio Prado Jr. volta ao passado colonial da sociedade brasileira, para através de um método dialético buscar o entendimento

2 de empasses presentes na sociedade brasileira atual, concluindo então que passado e presente são organismos vivos e mutuamente dependentes, sendo que este marca aquele. A formação da nação é interpretada como parte do sistema colonial, modo de pertencimento ao mercantilismo que teria nos conferido uma relativa unidade à vida social. Assim, segundo Caio Prado Jr., foi através do processo de colonização que se formou no Brasil uma determinada unidade cultural e social diferente, ainda que não livre do padrão europeu. O autor determina então que a colonização brasileira teve certo sentido, servir para produção de determinados bens totalmente voltados para o mercado externo, ao sabor dos interesses da coroa portuguesa. 4- Perspectiva teórica do autor Caio Prado Jr. era militante do Partido Comunista Brasileiro e a partir de então imprimia em suas obras uma visão marxista e dialética, aplicando essa perspectiva teórica. Segundo Fernando Novais, em entrevista dada ao fundo do livro (na edição da Companhia das Letras) existe três momentos diferentes na produção do marxismo brasileiro. Segundo Novais, a terceira fase do marxismo no Brasil irá florescer apenas a partir dos anos de 1960, o que torna CPJ um inovador no sentido em que desde os anos de 1940, o mesmo já é um pensador com características dessa dita terceira fase, realizando uma análise sofisticada que escapa de conceitos prontos. 5- Procedimentos Metodológicos Caio Prado Jr. irá traçar um caminho interessante para tentar explicar um fenômeno tão complexo e longo do ponto de vista cronológico. Através de uma historiografia que busca evitar ao máximo o chamado pecado mortal das ciências sociais que é o anacronismo. Assim, a obra de Caio Prado Jr., constitui na opinião de Fernando Novais o primeiro corte epistemológico na historiografia brasileira, pois se utiliza de conceitos e métodos da história, da economia, sociologia, antropologia, ciência política, sem contar com o cuidado no detalhamento geográfico e locacional, podendo tais elementos serem encontrados em toda a obra. O autor dividirá o livro então em quatro grandes áreas: 1) O sentido da colonização (capítulo único); 2) Povoamento (quatro capítulos); 3) Vida material (nove capítulos); e 4) Vida social (três capítulos).

3 6 Conteúdo 6.1- Sentido da Colonização Para o autor todo povo tem uma evolução, ou seja, um certo sentido, sendo percebido no conjunto dos fatos e acontecimentos essenciais que a constituem num longo período de tempo. A história das colônias americanas, seu sentido, tem origem nas navegações realizadas pelos europeus a partir do século XV, e que se origina de simples empresas comerciais levadas a efeito pelos navegadores daqueles países. Em suma, todos os grandes acontecimentos desta era, que se convencionou chamar de descobrimentos articulam-se num conjunto que não é senão um capítulo da história do comércio europeu. Em suas colônias, portugueses e espanhóis, encontraram autóctones que serão aproveitados como trabalhadores, porém, no caso do Brasil, Portugal irá inovar nessa nova feição do mundo: a utilização da mão-de-obra escrava africana negra. Caio Prado Jr. chegará a conclusão de que as colônias tropicais da América tomaram um rumo completamente diferente daquelas colônias do norte temperado. Enquanto nestas se constituirão colônias de povoamento, ou seja, uma espécie de local para escoar excessos demográficos da Europa organizando, portanto, uma sociedade que se assemelhava aos moldes europeus, já nos trópicos a situação será completamente distinta. O autor apontará que... a colonização dos trópicos toma o aspecto de uma casta empresa comercial, mais completa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter que ela, destinada a explorar os recursos naturais de um território virgem em proveito do comércio europeu. Esse sentido da colonização do Brasil é o ponto inicial de que o autor parte, pois em sua visão, o mesmo explicará elementos fundamentais, tanto no plano econômico como no social, da formação e evolução históricas dos trópicos americanos. 6.2 Povoamento A parte reservada ao povoamento colonial se inicia com a explicação em que o autor refere-se à ausência de dados demográficos seguros sobre as populações daquele momento, sendo encontrados basicamente através de listas militares e eclesiásticas que não eram de grande confiança. CPJ afirmará que apesar dessas dificuldades a maior parte da população colonial se encontrará no litoral brasileiro durante todos os

4 trezentos anos de colônia, pois era nessa região em que iria se desenvolver a maior atividade produtiva da época, a plantação de cana de açúcar. A colonização do interior do país deu-se apenas com o desenvolvimento de atividades extrativas, no caso do Norte, mas principalmente da pecuária, tanto no Nordeste, como na capitania de Minas Gerais e no Sul da colônia. Um segundo momento que também gerou forte corrente imigratória em direção ao continente foi a atividade aurífera e de diamantes, principalmente na capitania de MG e onde atualmente são os estados de Mato Grosso e Goiás. 6.3 Vida Material No primeiro capítulo do livro, o autor já nos trás o essencial para que se compreenda e se possa explicar a economia da colônia brasileira, ou seja, uma colônia destinada a fornecer ao comércio europeu alguns gêneros tropicais ou minerais de grande importância, como o açúcar, o algodão e o ouro. Portanto, para Caio Prado Jr. toda a economia do Brasil naquele período histórico se subordina a esse fim, isto é, se organiza e funciona para produzir e exportar tais produtos. No setor primário, aquele de maior, se não única monta, o elemento fundamental será a grande propriedade monocultural (plantation) que se utiliza da mão-de-obra do negro africano na condição de escravo. Assim os três caracteres apontados: a grande propriedade, monocultura, trabalho escravo, são formas que se combinam e se completam; e derivam diretamente e com consequência necessária desses fatores. Após tal explicação sobre as bases constitutivas de nossa economia, o autor irá tratar da base da nossa agricultura, a grande lavoura. Segundo o autor, a agricultura é o nervo econômico da colonização. Sendo assim, é propriamente na agricultura que se assentou a ocupação e exploração da maior e melhor parte do território brasileiro, sendo a mineração apenas um parêntese na visão de CPJ. Plantávamos aqui principalmente a cana-de-açúcar, porém havia outras culturas importantes que exportávamos, como o algodão e o cacau. Além disso, existe um capítulo em que trabalhou-se a mineração na colônia, que pertence na visão de CPJ à mesma categoria da agricultura, pois ambas se destinam à exploração de produtos que têm por objeto unicamente a exportação, em função da qual se organiza e a mantém a exploração. No capítulo sobre a pecuária, o ponto de maior importância é a responsabilidade que o autor atribui nessa atividade, além da utilização do indígena

5 como mão-de-obra, e dessa atividade como catalizador da exploração do interior do continente. 6.4 Vida Social Caio Prado Jr. irá iniciar trabalhando com a sociedade brasileira no início do século XIX para explicar sua constitutibilidade social, sendo a escravidão o elemento que caracteriza a mesma. Segundo o autor, a organização social, os padrões materiais e morais, nada há que a presença do trabalho servil, nas proporções alcançadas no Brasil deixe de atingir. A partir de então, divagará sobre o aristocrático senhor de engenho e de escravos, e de como o mesmo constitui o centro das atenções da época, uma vez que era a partir de sua figura que se produzia, se trabalhava e se fazia política na colônia. Trabalhando especificamente sobre esse tema, CPJ irá trabalhar com questões relacionadas a mal distribuída e péssima administração pública do Brasil daquela época, que nada mais era do que uma adaptação grotesca dos moldes administrativos de Portugal, e que no nosso caso, servia apenas para garantir que o pacto colonial e que nossa posição enquanto produtores monocultores e escravistas voltados para o preenchimento de seu comércio não se rompesse. 7 Considerações Pessoais Desde o princípio da obra de Caio Prado Jr. podemos entender os acontecimentos do período colonial (300 anos) com o olhar dialético-histórico, uma vez que, no primeiro capítulo o autor já nos dá uma explicação sobre o sentido de nossa colonização, ou seja, a posição que a então colônia ocupava na geopolítica da época, sendo tal obra fundamental para qualquer cientista social. Especialmente para aqueles que se dedicam às Ciências Econômicas a obra continua mostrando seu grande valor, principalmente na segunda parte em que Caio Prado Jr. intitula de Vida material. Essa parcela inicia dando um panorama geral da Economia da colônia, cuja produção variou pouco no tempo e no espaço, no sentido em que sempre produziu poucos produtos como cana, algodão, fumo, ou produtos minerais, tendo-se voltado essencialmente para o mercado externo. Após essa introdução existe um capítulo que trata da grande lavoura canavieira da colônia, discorre sobre a agricultura de subsistência, responsável pela alimentação, sobre os

6 mercados da mineração e da pecuária, sobre as produções extrativas, artes e indústria, sobre o comércio e sobre as vias de comunicação. O autor faz um verdadeiro corte epistemológico de cada um dos setores da economia da colônia de maneira genial. A denúncia do autor ao trabalho servil escravo no Brasil é outro ponto que chama atenção, pois apesar de o mesmo considerar o fenômeno da submissão do negro e do autóctone um elemento de coesão da sociedade da época, exprime nesse fator a culpa pela falta de nexo moral que tanto nos incomoda até hoje no Brasil. Em suma, a obra de Caio Prado Jr. é um clássico das Ciências Sociais e deve ser lido por qualquer cientista interessado em conhecer a história da constituição da sociedade colonial brasileira, e seguindo a linha dialética do próprio Caio Prado explica muito da realidade e das contradições da sociedade contemporânea.

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

Formação do Brasil Contemporâneo

Formação do Brasil Contemporâneo Gestão de Políticas Públicas Disciplina: Formação Econômica e Social do Brasil Prof. Dr. José Renato Formação do Brasil Contemporâneo Autor: Caio Prado Junior São Paulo SP - 1996 Editora Brasiliense Aluno:

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII BRASIL COLÔNIA Expansão Territorial séc. XVII-XVIII No período da União Ibérica, a Linha de Tordesilhas ficou sem efeito, permitindo um avanço do território brasileiro rumo ao interior. Duas formas básicas

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL

A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL A Expansão do território brasileiro deu-se com a ocupação decorrente da prática de várias atividades econômicas. Nordeste: pau-brasil e a cultivo de cana-de-açúcar; Norte:

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL cana-de-açucar pecuária mineração drogas do sertão pau-brasil portos: importação e exportação Como pode cair no enem (PUC) As Bandeiras utilizaram

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 Sobre as rochas que compõem

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX *

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * Leonel de Oliveira Soares Mestre em História Social FFLCH/USP O arrefecimento do bandeirismo de apresamento, por volta da metade do século XVIII,

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO

EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO EXERCÍCIOS ON LINE 2014/ GEOGRAFIA/ PROF.IRINO /7º ANO 1- Assinale a alternativa correta. A linha imaginária considerada o marco 0 dos fusos horários é: a) Linha do Equador b) Trópico de Capricórnio c)

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO Analisar a atuação das Entradas e Bandeiras entre os séculos XVI e XVIII na expansão do território da América Portuguesa, concluindo

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2012 Turma: 1º FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

A organização do espaço na América Latina

A organização do espaço na América Latina Tifonimages/ Dreamstime.com Joetex1/ Dreamstime.com A organização do espaço na América Latina Vista da cidade de Santiago, capital e maior cidade do Chile. Monocultura de milho na Argentina. Andresr/ Shutterstock

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

Brasil: Formação Territorial E Regionalização:

Brasil: Formação Territorial E Regionalização: Brasil: Formação Territorial E Regionalização: Localização Geográfica Localizado A Oeste De Greenwich; Portanto É um País Ocidental; Localizado Ao Sul da Linha do Equador; Portanto No Hemisfério Sul; Possui

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO Autor: Lucas André Penha dos Santos Universidade Federal de Pernambuco Email: llucas.94@hotmail.com Coautor(a): Kétcia Ferreira de Santana Universidade Federal de Pernambuco Email: ketciaferrira@hotmail.com

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

NOVOS ESTUDOS SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA EXPLORAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS BRASILEIROS: aspectos produtivos, ambientais e sociais

NOVOS ESTUDOS SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA EXPLORAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS BRASILEIROS: aspectos produtivos, ambientais e sociais Novos estudos sobre a sustentabilidade da exploração de recursos... 395 NOVOS ESTUDOS SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA EXPLORAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS BRASILEIROS: aspectos produtivos, ambientais e sociais

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. Feitoria Igaraçu Fundada pela expedição guarda-costas de Cristóvão Jaques, entre 1516 e 1519. Parece

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Colônias espanholas na América Contexto Século XVIII: mudanças importantes iniciadas e ganhando força: Europa: Espanha e Portugal não dominavam mais o comércio colonial;

Leia mais

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA RESENHAS UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA Por Diogo Roiz 1 FRAGINALS, Manuel Moreno. Cuba/Espanha, Espanha/Cuba. Uma história comum. Tradução de Ilka Stern Cohen. Bauru/SP: Edusc, 2005, 374p.

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Geografia e História Nome: Conteúdo de Geografia Material Didático Páginas: de 19 a 59 Conteúdo de História Material Didático Páginas: de 7 a 51 1) A formação

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República.

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República. 1) Leia a afirmativa abaixo que relaciona as conquistas territoriais às profundas alterações políticas, sociais e econômicas ocorridas entre os séculos II e I a.c. A República conquistara para Roma o seu

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Verdadeiro ( V ) ou falso ( F )? Responda considerando a localização do território brasileiro no planeta. a) o oceano que banha

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI NOTA DE AULA¹

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI NOTA DE AULA¹ UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI NOTA DE AULA¹ Origem e importância econômica das oleaginosas: algodão, mamona, girassol e amendoim 1. ALGODÃO 1.1 Origem Há inúmeras espécies de

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.)

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.) PROCESSO SELETIVO/2006 1 O DIA GAB. 1 25 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 41. Leia o trecho abaixo: Considera-se, em economia, o desenvolvimento sustentável como a capacidade de as sociedades sustentarem-se

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Profª: Sabrine V. Welzel

Profª: Sabrine V. Welzel História 8 ano Independência da América Espanhola 1- Quais as principais estratégias para a utilização da mão-de-obra indígena na América Espanhola? Como elas contribuíam para a dizimação dos grupos indígenas

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA PRONAF BIODIESEL E O PROCESSO DE PERDA DE CREDIBILIDADE JUNTO AOS PEQUENOS PRODUTORES DE MUNICÍPIOS

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA A AMÉRICA PORTUGUESA Pelo Tratado de Tordesilhas, assinado a 7 de junho de 1494, por Portugal e Espanha, os domínios dessas

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MARCOS GUEDES VAZ SAMPAIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MARCOS GUEDES VAZ SAMPAIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MARCOS GUEDES VAZ SAMPAIO A ABOLIÇÃO DO TRÁFICO DE ESCRAVOS E OS IMPACTOS NO COMÉRCIO DA CIDADE

Leia mais

DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO

DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO RESUMO Silvana Luna de Andrade 1 Vivianne da Silva Mendonça 2 Maria de Fátima Massena de Melo 3 Maria

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES HISTÓRIA Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS As fontes históricas Patrimônios históricos Da extração à plantação do pau-brasil

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo?

2- (0,5) O acúmulo de lixo é um grave problema dos ambientes urbanos. Sobre o lixo responda: a) Quais são os principais destino do lixo? Data: /11/2014 Bimestre: 4 Nome: 7 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 9 1- (0,5) Sobre o ecossistema da caatinga do sertão do Nordeste, responda.

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil

Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil Fundamentos Históricos de Enfermagem Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil A Enfermagem no Brasil A enfermagem na sociedade brasileira é dividida em três fases: A organização da enfermagem na sociedade

Leia mais

Nota informativa sobre a conferência Saberes e Arquivos de S. Tomé e Príncipe II

Nota informativa sobre a conferência Saberes e Arquivos de S. Tomé e Príncipe II Nota informativa sobre a conferência Saberes e Arquivos de S. Tomé e Príncipe II AHU, 22 de Setembro de 2011 Carlos Almeida Arquivo Histórico Ultramarino (IICT) O Presidente do IICT, Professor Jorge Braga

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO REGIÃO NORDESTE AS SUB-REGIÕES DO NORDESTE ZONA DA MATA AGRESTE SERTÃO MEIO-NORTE MEIO NORTE SERTÃO ZONA DA MATA

Leia mais

PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX *

PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX * PROCESSOS ESCOLARES NO IMAGINÁRIO DOS VIAJANTES EUROPEUS EM MINAS GERAIS NO SÉCULO XIX * Cláudia Fernanda de Oliveira/FAE-UFMG 2 Darlen Nogueira da Costa/FAE-UFMG 3 Pensar na existência de um projeto de

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA A proposta A proposta do material didático para a área de História privilegia as novas tendências do estudo da História dando mais

Leia mais

José Medeiros Ferreira. os açores. na política. internacional. Elementos. l i s b o a : tinta da china M M X I

José Medeiros Ferreira. os açores. na política. internacional. Elementos. l i s b o a : tinta da china M M X I os açores na política internacional José Medeiros Ferreira os açores na política internacional Elementos l i s b o a : tinta da china M M X I Índice uma explicação 9 capítulo i A emergência da importância

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO

RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO RESPOSTAS DAS SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO GEOGRAFIA 9 o ANO Unidade 7 1. (V) a maior parte do relevo africano é formada de planaltos elevados, sem variações significativas em seu modelado. (F) por ter formações

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA Fixação 1) (UNESP) Se bem que a base da economia mineira também seja o trabalho escravo, por sua organização geral ela se diferencia amplamente

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais