Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)"

Transcrição

1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

2 Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças naturais, humanas e no desenvolvimento de tecnologia. Complementação de produção. A economia de escala (retornos crescentes) se tornam vantajosas.

3 Teoria Mercantilista Século XV ao Século XVII Fase entre Feudalismo Capitalismo. Nascimento do Capitalismo (troca de moedas) Transição Mercantilismo/Capitalismo Fim da produção Feudal, inicio da Agricultura moderna.

4 Teoria Mercantilista A riqueza dos países era medida por estoque de metais preciosos. Para Ampliar riquezas: - Aumento de produção interna (produtividade/novas fontes) - Novas Minas em novos países (expansão territorial) - Saque e pirataria Recebimento de exportações feito através do ouro. Quanto mais se exportava mais ouro se recebia. Recomendação mercantilista era a manutenção constante de superávit.

5 Teoria Mercantilista Superávits Aumento do poderio Militar Novas conquistas territoriais Defícits Ex.: Grandes Navegações Importações eram vistas como suspeitas, pois geravam a evasão de metais, como forma de pagamento.

6 Teoria do Equilíbrio Automático da Balança Comercial Filósofo Inglês David Hume (Séc. XVIII) Comércio tendo com pagamento metais preciosos. Estoques Altos: Superávit Estoques Baixos: Déficit O poder de compra da moeda é inversamente proporcional a sua quantidade. Pressuposto simplificador: somente circula no mercado, moedas de ouro, papel dos bancos é desprezível.

7 Teoria do Equilíbrio Automático Portanto: da Balança Comercial Excesso de moeda significa excesso de liquidez; gastasse mais moeda para comprar, INFLAÇÃO. Falta de moeda significa falta de liquidez; gastasse menos moeda para comprar, DEFLAÇÃO.

8 Teoria do Equilíbrio Automático da Balança Comercial Aumento de preços domésticos Exportação diminui Importação Aumenta Redução de Preços Domésticos - Exportação Aumenta - Importação Diminui - A Balança Comercial se equilibra automaticamente, dadas as variações de Exportação / Importação.

9 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas Adam Smith ( ) Filósofo Escocês, intitulado o pai da Economia. Autor do clássico, A Riqueza das Nações. Baseada na renda per capta (PIB/Nro de habitantes) Quanto maior a renda mais rico é o país. A renda Per Capta depende da divisão do trabalho.

10 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas Divisão do trabalho Expansão do mercado Aumento da produtividade Aumento da renda per capta Aumento da riqueza

11 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas Para Smith a divisão do trabalho é a grande causa do aumento da riqueza nacional. A Divisão depende da amplitude, mas consequentemente aumenta a amplitude. Não adianta aumentar produção sem compradores. A Divisão aumenta a amplitude. Imaginemos: uma sociedade onde não haja divisão do trabalho, haveria pouquíssimas ou nenhuma troca. Imaginemos uma sociedade onde cada um produza 1 produto, haveriam várias trocas uma vez que todos deveriam produzir e consumir os outros produtos que necessitasse.

12 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas O mercado atingirá a maior amplitude quando o mundo não tiver mais fronteiras. Mesmo inconscientemente Smith foi um dos primeiros Ideólogos da Globalização. O mundo ideal para Smith seria máxima amplitude e máxima produção. Portanto é necessário que se especialize no que tenha maior vantagem comparativa.

13 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas Vantagem comparativa: Produzir certa mercadoria com um custo em trabalho menor do que os seus concorrentes no comércio Mundial Divisão internacional do trabalho. O Raciocínio de Smith trazia implícita a idéia de custo de oportunidade. Melhor alocação de recursos. Vantagem Natural França produzindo vinhos, clima / solo. Vantagem Adquirida EUA produzindo carros, especialização de processos.

14 Teoria das Vantagens Comparativas Absolutas Bem A Bem B País I País II Unidades de trabalho Neste caso o país I teria uma vantagem absoluta na produção do bem A enquanto o país II teria uma vantagem absoluta na produção do Bem B. Consequentemente ambos os países poderiam ter mais de ambos os bens após o comércio gastando menos trabalho.

15 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas Para Smith caso um país produza tudo o que necessita a um preço menor que mercadorias importadas, esse país não precisaria participar do comércio internacional. Considerando esta lógica caso um país não produza nada a um preço menor, ele importaria tudo e não produziria nada.

16 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas A teoria de Ricardo queria mostrar que mesmo que um país produza tudo o que necessite seria vantajoso para o país participar do comércio internacional, especializando na produção da mercadoria que ele possui maior vantagem comparativa.

17 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas Pressupostos Custo de transporte nulo. Todos os países praticam uma política de livre comércio. Retorno de escala constante. Cada país deve se especializar na produção da mercadoria em que tenha maior Vantagem Comparativa Relativa. Nem que para tanto precise importar mercadorias por um preço maior do que o produto se produzido internamente.

18 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas País Portugal Vinho (1 bilhão de litros) 80 h / ano Tecido (1 bilhão de metros) 90 h / ano Inglaterra 120 h / ano 100 h / ano Portugal produz vinho com (80/120) 67% do esforço inglês e (90/100) 90% para tecido. Inglaterra produz vinho com (120/80) 150% do esforço português e (100/90)111% para tecido

19 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas Portugal tem vantagem absoluta nos dois produtos. Considerando trabalhadores distribuídos igualmente (500 em cada país). Vinho: 500 / 80 = 6,25 bilhão litros ano Tecido: 500 / 90 = 5,55 bilhão de metros ano Segundo a teoria Ricardiana: 1000 / 80 = 12,5 bilhão litros ano; metade consumo interno, outra metade exporta a $120 (preço Inglês) = 6,25 bil = $750 Importaria 7,5 bilhões de unidades de tecido.

20 Teoria das Vantagens Comparativas Relativas Portugal trocou a produção de 500 homens = 5,5 por 7,5 bilhões de metros com a riqueza gerada pela produção de vinho Ou seja com o mesmo esforço de produção ganhou-se 2,0 bilhões de metros. Representativo ganho de produtividade.

21 O modelo Heckscher - Ohlin Apresenta uma explicação econômica para o modelo apresentado anteriormente (Ricardiano). Mercadorias são produzidas por dois fatores, (CAPITAL E TRABALHO), sendo que a intensidade de utilização destes fatores são consideradas fundamentais. Um país tende a se especializar e exportar mercadorias que requeiram a utilização intensiva de fatores de produção abundantes nesse país.

22 O modelo Heckscher - Ohlin Em um modelo idealizado do comércio internacional, no qual o trabalho pudesse migrar em busca de melhores salários e o capital se deslocar para onde seu retorno fosse maior, a remuneração dos fatores tenderia para a equalização. No mundo real, essa equalização nunca ocorre 100%, devido às grandes diferenças de dotação de fatores, às restrições ao fluxo de mercadorias e fatores, bem como a diferença tecnológica entre países.

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Relações Econômicas Internacionais

Relações Econômicas Internacionais Relações Econômicas Internacionais Baseado no cap. 4 do livro Introdução à Economia: uma abordagem crítica, de Wilson Cano, 1998. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Nas aulas anteriores fizemos algumas

Leia mais

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações?

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações? Capitulo 2 Vantagem Absoluta e Comparativa Autarcia ou Comércio entre as Nações? A visão mercantilista: Comércio como um jogo com resultado zero-sum Adam Smith: vantagens absolutas e especialização. Um

Leia mais

Teoria e Prática do. Professora: Ludmila Macedo Corrêa. Pós Graduação em Comércio Exterior Universidade Católica de Petrópolis 2009

Teoria e Prática do. Professora: Ludmila Macedo Corrêa. Pós Graduação em Comércio Exterior Universidade Católica de Petrópolis 2009 Teoria e Prática do Comércio Internacional Professora: Ludmila Macedo Corrêa Pós Graduação em Comércio Exterior Universidade Católica de Petrópolis 2009 Economia Internacional Maria Auxiliadora de Carvalho

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte)

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas.

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Módulo 14 O Mercado Monetário 14.1. A Moeda A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Moeda é um ativo com o qual as pessoas compram e vendem

Leia mais

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-2 Aspectos principais Os ganhos do comércio resultam

Leia mais

Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA

Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA Bruno Miller Theodosio 1 Questão Uma preocupação comum em países desenvolvidos é que o comércio com nações mais

Leia mais

ADERBAL OLIVEIRA DAMASCENO O PLANO REAL E O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: CONDICIONANTES DO COMPORTAMENTO DEFICITÁRIO DA BALANÇA COMERCIAL (1994-2000)

ADERBAL OLIVEIRA DAMASCENO O PLANO REAL E O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: CONDICIONANTES DO COMPORTAMENTO DEFICITÁRIO DA BALANÇA COMERCIAL (1994-2000) ADERBAL OLIVEIRA DAMASCENO O PLANO REAL E O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO: CONDICIONANTES DO COMPORTAMENTO DEFICITÁRIO DA BALANÇA COMERCIAL (1994-2000) SALVADOR 2002 2 ADERBAL OLIVEIRA DAMASCENO O PLANO

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAKENZIE entro de iências Sociais e Aplicadas urso de Economia Economia Internacional I Prof. Vladimir ernandes Maciel 1ª Lista Questões para Estudo 1. Qual a diferença entre

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Comércio Mundial: histórico, transformações e conceituação. Leidiane Santos

COMÉRCIO EXTERIOR. Comércio Mundial: histórico, transformações e conceituação. Leidiane Santos COMÉRCIO EXTERIOR Comércio Mundial: histórico, transformações e conceituação Leidiane Santos COMÉRCIO MUNDIAL: HISTÓRICO, TRANSFORMAÇÕES E CONCEITUAÇÃO Questões iniciais Conceito e evolução do comércio;

Leia mais

Registo Contabilístico - Exemplos -

Registo Contabilístico - Exemplos - Registo Contabilístico - Exemplos - Exportação a pronto no valor de K1 u.m. DÉBITO CRÉDITO SALDO (1) BALANÇA DE BENS E SERVIÇOS MERCADORIAS (BALANÇA COMERCIAL) K1 K1 SERVIÇOS Transportes, viagens e turismo,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL Luiz Carlos Bresser-Pereira Verbete para o livro Temas clássicos (e não tanto) do Pensamento Social no Brasil, organizado por André Bueno e Lilia Moritz Schwarcz.

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

TEORIAS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. De entre as primeiras teorias do Comércio Internacional figura a:

TEORIAS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. De entre as primeiras teorias do Comércio Internacional figura a: TEORIS DO COMÉRCIO INTERNCIONL De entre as primeiras teorias do Comércio Internacional figura a: teoria Mercantilista (economia política da construção dos estados), a qual é uma série de princípios defendidos

Leia mais

Exercícios selecionados

Exercícios selecionados 1 Exercícios selecionados Exercício 3 a. Construa, a partir dos dados acima, uma tabela semelhante à tabea 3.1. b. Represente graficamente a fronteira de possibilidades de produção das economias americana

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Brasil: Formação Territorial E Regionalização:

Brasil: Formação Territorial E Regionalização: Brasil: Formação Territorial E Regionalização: Localização Geográfica Localizado A Oeste De Greenwich; Portanto É um País Ocidental; Localizado Ao Sul da Linha do Equador; Portanto No Hemisfério Sul; Possui

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS HPE I A. Os Fundadores da Economia Política: Petty, Law, Hume, Cantillon

CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS HPE I A. Os Fundadores da Economia Política: Petty, Law, Hume, Cantillon CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS HPE I A Prof. Maria Heloisa Lenz Os Fundadores da Economia Política: Petty, Law, Hume, Cantillon Período de transição o desenvolvimento do capitalismo industrial NA METADE

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel Geografia 9 ano Japão 1- A importância de não nascer importante. Porque, essa frase de Eduardo Galeano, pode ser relacionada ao Japão? 2 A indústria japonesa desenvolveu-se aceleradamente no Pós-Segunda

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL

A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL A FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL A Expansão do território brasileiro deu-se com a ocupação decorrente da prática de várias atividades econômicas. Nordeste: pau-brasil e a cultivo de cana-de-açúcar; Norte:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Análise Segurança / Economia e Comércio / Desenvolvimento Bárbara Gomes Lamas 22 de setembro de 2005 Aumenta a desigualdade mundial, apesar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me.

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me. Economia e Mercado Aula 5 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Do escambo ao mercado monetário atual Importância de conhecer o funcionamento do mercado monetário Instrumentalização Taxa de juros e inflação

Leia mais

Introdução ao Comércio Internacional

Introdução ao Comércio Internacional Comércio Exterior Introdução ao Comércio Internacional Comércio internacional Comércio exterior é o conjunto das compras e vendas de bens e serviços feitos entre países. Quando um país vende um bem ou

Leia mais

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA

Crise de 1929 IDADE CONTEMPORÂNEA IDADE CONTEMPORÂNEA Crise de 1929 Nos anos 1920, os Estados Unidos viveram uma prosperidade nunca antes vivenciada. Ao longo da Primeira Guerra Mundial haviam se tornado a maior economia do mundo e depois

Leia mais

27 O Sistema Monetário

27 O Sistema Monetário 27 O Sistema Monetário Imaginem que não existe um item na economia que seja amplamente aceite na troca de bens e serviços. As pessoas dependeriam da troca directa, mas uma economia que dependesse da troca

Leia mais

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Conhecer o funcionamento do sistema monetário; Compreender a importância

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte

Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Resumo do Curso: CST Física Geral / Primeira parte Notas: Rodrigo Ramos 1 o. sem. 2015 Versão 1.0 Em nossa introdução à Física falamos brevemente da história dessa ciência e sua relevância no desenvolvimento

Leia mais

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Sugerida:

Leia mais

Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010

Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010 Artigo do Mês - Ano IX Nº 103 Outubro de 2010 HAYEK, O EFEITO RICARDO E O EFEITO CONCERTINA Ubiratan J. Iorio I. Introdução No debate travado entre ambos, nos anos trinta do século passado, Keynes afirmava

Leia mais

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD 1 2 Conhecer os princípios de produção em massa preconizados por Henry Ford Estabelecer correlações entre o Taylorismo e o Fordismo 3 Henry Ford e o modelo T Henry Ford (1863-1947) também é um dos precursores

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho O conjunto das profundas transformações econômicas, tecnológicas e sociais ocorridas na Europa a partir da segunda metade do século XVIII recebe o nome de Revolução Industrial. Fenômeno tipicamente inglês,

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

Diogo Carneiro O Paradoxo Ricardiano. Um Equívoco Acerca da Riqueza das Nações

Diogo Carneiro O Paradoxo Ricardiano. Um Equívoco Acerca da Riqueza das Nações Diogo Carneiro O Paradoxo Ricardiano Um Equívoco Acerca da Riqueza das Nações Working Paper 14/32 Março 2014 O Paradoxo Ricardiano Um Equívoco Acerca da Riqueza das Nações Diogo Carneiro Working Paper

Leia mais

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2

4.1 I tr t o r dução M ed e as a s e ban a co c s C p a í p tul u o o I V 4.1 I tr t o r dução 4.2 4.1 Introdução Moedas e bancos Capítulo IV Estudar a moeda é uma atividade que tem fascinado os homens desde a Antigüidade. Nossa sociedade é inconcebível sem a moeda, pois seu papel informacional e eliminador

Leia mais

www.ricardoalmeida.adm.br Os Precursores da Teoria Administrativa

www.ricardoalmeida.adm.br Os Precursores da Teoria Administrativa Introdução à Administração www.ricardoalmeida.adm.br Os Primórdios da Administração Revolução Industrial Os Precursores da Teoria Administrativa Conceitos de Administração: Escola Funcional ADM é um processo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Reforma Agrária: mercado versus desapropriação ou mercado e desapropriação? Antônio Márcio Buainain e José Maria da Silveira Poucas questões suscitam tanta polêmica e paixão como

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas. André Luiz Brandão

Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas. André Luiz Brandão Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas André Luiz Brandão CopyMarket.com Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Título:

Leia mais

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO Analisar a atuação das Entradas e Bandeiras entre os séculos XVI e XVIII na expansão do território da América Portuguesa, concluindo

Leia mais

Economia. Prof. Esp. Lucas Cruz

Economia. Prof. Esp. Lucas Cruz Economia Prof. Esp. Lucas Cruz Composição da nota Serão 3 notas. Trabalho apresentado. Prova conteúdo Prova livros e atividades Livro Bitcoin - A Moeda na Era Digital Livro Economia Empresarial Temas para

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI

CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI CONSUMO ALIENADO Desafios para os Profissionais do Século XXI RESUMO Consumo é o ato de a sociedade adquirir algo para atender as suas necessidades e seus desejos. Quando a pessoa compra de uma forma para

Leia mais

Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento'

Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento' Na contramão de medidas anticrise, movimento ambientalista prega 'decrescimento' Paula Adamo Idoeta Da BBC Brasil em Londres Atualizado em 12 de abril, 2012-05:41 (Brasília) 08:41 GMT Enquanto países afetados

Leia mais

Definição de moeda : haveres amplamente aceitos na economia como meio de pagamento por bens e serviços e para a quitação de dívidas.

Definição de moeda : haveres amplamente aceitos na economia como meio de pagamento por bens e serviços e para a quitação de dívidas. Moeda Capítulo 3 Definição de moeda : haveres amplamente aceitos na economia como meio de pagamento por bens e serviços e para a quitação de dívidas. Moeda e Riqueza Riqueza: soma de todos os ativos reais

Leia mais

Bandeirismo(séc XVII):

Bandeirismo(séc XVII): 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Bandeirismo(séc XVII): percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Paulo Tipos apresamento sertanismo de contrato busca de metais preciosos.

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.1 Definições de Contabilidade 1. Noções Introdutórias Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 8º 2º TRI. Assinale a única alternativa que não indica uma característica do sistema capitalista.

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 8º 2º TRI. Assinale a única alternativa que não indica uma característica do sistema capitalista. EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 8º 2º TRI Questão 1 Assinale a única alternativa que não indica uma característica do sistema capitalista. a) Os preços das mercadorias variam de acordo com a procura por

Leia mais

A TECNOLOGIA NO BRASIL : ACUCAR E ETANOL EM UM MUNDO DE VANTAGENS COMPARATIVAS XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009

A TECNOLOGIA NO BRASIL : ACUCAR E ETANOL EM UM MUNDO DE VANTAGENS COMPARATIVAS XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 A TECNOLOGIA NO BRASIL : ACUCAR E ETANOL EM UM MUNDO DE VANTAGENS COMPARATIVAS XIII INIC / IX EPG - UNIVAP 2009 Paula Meyer Soares Passanezi 1, Celso Malaxoski 2, Carolina Cioci dos Santos 3 UNINOVE/Gerenciais,

Leia mais

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica

2 Mercado Futuro. 2.1 Conceituação Básica 13 2 Mercado Futuro Este capítulo tem como objetivo fazer um breve resumo sobre o Mercado Futuro, mostrando sua origem e evolução, importância e seus principais contratos. 2.1 Conceituação Básica Um contrato

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 1 Fonte: Elaboração Própria, com base em dados de WTO (2014) International Trade Statistics, disponível em www.wto.org 2 Fonte: Elaboração Própria,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005

ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005 ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC N ٥ EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARA ALUNOS INGRESSOS A PARTIR DE 2005 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1 - CONTABILIDADE Fatos contábeis e econômicos. Aspectos

Leia mais

Fundamentos de Comércio Exterior - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Fundamentos de Comércio Exterior - Prof. Ms. Marco A. Arbex Comércio Internacional: Introdução Prof. Marco Arbex marco.arbex@live.estacio.br Introdução O que é comércio? É a compra e venda de mercadorias entre pessoas, isto é, o vendedor entrega a mercadoria ao

Leia mais

NOVAS REGRAS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO NO BRASIL

NOVAS REGRAS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO NO BRASIL NOVAS REGRAS DE COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO NO BRASIL Adriana Maria Gödel Stuber A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou recentemente a Instrução CVM nº 463, de 8 de janeiro de 2008, que altera

Leia mais

Impostos Sobre os Produtos Agrícolas

Impostos Sobre os Produtos Agrícolas CAPÍTULO VIII Sobre os Impostos Os impostos são a parte do produto da terra e do trabalho de um país colocada à disposição do Governo e, em última análise, sempre pagos pelo capital ou pelo rendimento

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 01 O PROBLEMA ECONÔMICO Recursos Limitados versus Necessidades Ilimitadas A Economia é a área

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Introdução à Geografia Econômica

Introdução à Geografia Econômica Introdução à Geografia Econômica Aula A NOVA GEOGRAFIA ECONÔMICA META Analisar a abordagem da geografia econômica dentro de uma perspectiva contemporânea, tomando como parâmetro analítico os estudos de

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 No grupo I, em cada um dos itens, seleccione a alternativa correcta. I 1. A Distribuição situa-se entre a Produção e o Consumo. a) A distribuição

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais