II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional"

Transcrição

1 II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional Nações Africanas nas Irmandades Negras Mineiras do Século XVIII Juliana Aparecida Lemos Lacet * Introdução Os projetos de conquista da África e do Novo Mundo, arquitetados pelos portugueses a partir do século XV, estavam estreitamente ligados à formulação de uma cultura moderna que incluía um conjunto de situações ligadas ao tráfico de escravos, ao comércio de mercadorias e à colonização. O tráfico de escravos entre a África e a América foi, sem dúvida, um dos circuitos comerciais mais importantes da história da humanidade. As estimativas em torno dos escravos traficados para o Brasil giraram em torno de três milhões e meio de africanos. Desses, a metade foi traficada ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII, cabendo ao século XVIII um total aproximado de um milhão e setecentos mil escravos 1. Estudos recentes dão conta de que algo em torno de doze milhões de africanos foram negociados entre os séculos XVI e XIX. Desse total, cerca de quatro milhões apenas para o Brasil 2. Em fins do século XVIII a descoberta da região mineradora impulsionou ainda mais a procura por escravos. Nos primeiros vinte anos da mineração entraram em Minas algo em torno de 50 mil escravos. Em 1717 a população escrava na região girava em torno de almas e em 1738 atingiu sua maior cifra, escravos, ao lado de forros 3. Pesquisas desenvolvidas por David Eltis, Stephen Behrendt e David Richardson têm permitido estabelecer as flutuações da economia escravista, reafirmando que a mineração, e não a plantation, constituiu-se como o grande eixo * Mestranda em História na Universidade Federal da Bahia. 1 Maurício Goulart, A escravidão africana no Brasil: das origens à extinção do tráfico, São Paulo, Editora Alfa-Omega, 1975, p David Eltis; Stephen Behrendt e David Richardson, A participação dos países da Europa e das Américas no tráfico transatlântico de escravos: novas evidências, Afro-Ásia, 24 (2000). p Manolo Florentino, Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África (especialmente Angola) e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX), Rio de Janeiro, Arquivo Nacional,

2 consumidor de escravos. Daí a importância da economia mineradora para o tráfico de escravos 4. A atividade mineradora e as circunstâncias por ela geradas contribuíram imensamente para a ordenação da sociedade mineira. A realidade das Minas do século XVIII era notadamente urbana, sua população era composta pelos ameríndios que ali já estavam, pelos que compunham as bandeiras paulistas, por africanos das mais diversas nações, por brancos; pessoas vindas de outras regiões da colônia, mineradores, comerciantes e religiosos, que faziam daquela região uma área essencialmente marcada pela diversidade. Dentre os critérios de diferenciação social era preponderante o da cor da pele. O grupo dominante, as chamadas "elites" eram representadas pelos "brancos". Os "pretos" eram escravos e libertos, e entre estes existiam também os "pardos" que ficavam entre os "pretos" e os "brancos" 5. Estas designações seguiam o padrão do contexto colonial brasileiro, no qual a cor era entendida como elemento de construção de uma identidade social que engendrava uma hierarquização refletida no cotidiano, nas várias instituições, na coletividade em geral. A diferenciação social, ou seja, a diferença de status entre escravo e senhor, livre ou cativo, preto ou branco, esteve presente nas mais diversas esferas do cotidiano, inclusive no âmbito religioso; as irmandades religiosas, por exemplo, foram locais onde se encontravam marcadas essas distinções. As irmandades foram uma das principais instituições presentes na colônia, principalmente nas Minas Gerais, onde em razão da proibição da fixação de ordens religiosas, a assistência social e o culto católico foram de responsabilidade dos leigos. Surgidas na Europa medieval, as irmandades difundiram-se no contexto da reforma tridentina. De feição predominantemente leiga, essas associações tinham como fim o culto a um santo de devoção e se dedicavam a obras de caridade voltadas para seus próprios membros ou para pessoas carentes não associadas. Foram importantes também na construção das igrejas e na realização das festas 6. Seus associados, os irmãos, contribuíam com jóias e taxas anuais, o que lhes garantia assistência quando doentes ou a realização de seus funerais. Estes sodalícios erguiam-se sob o consentimento do Estado e detinham todo um aparato legal, compromissos e 4 Manolo Florentino, Redescobertas da Escravidão, Jornal Folha de São Paulo, São Paulo, 05 de dezembro de 2004, Caderno Mais!. 5 Hebe Mattos de Castro, Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista- Brasil, século XIX, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, p Ronaldo Vainfas, Dicionário do Brasil colonial ( ), Rio de Janeiro, Objetiva, 2000, p

3 hierarquia. Na construção das igrejas e na realização das festas as irmandades também tiveram papel muito importante. No contexto das Minas Gerais do século XVIII as irmandades leigas alcançaram grande importância, por isso, a compreensão de suas funções nas Minas, não pode prescindir do estudo dos aspectos da vida cotidiana daquele período histórico. É inevitável que o estudo das irmandades leigas esteja inserido nas condições do poder político, social e econômico vigentes na época, uma vez que, uma análise desconexa faria com que perdêssemos suas dimensões religioso-culturais. O papel das duas mais importantes instituições da cultura portuguesa, que se instalaram em Minas, Igreja e Estado parecem não ter se cumprido efetivamente. O Estado Absolutista português impôs à capitania mineira uma política religiosa que não permitia a presença e fixação de ordens religiosas, sob alegação de que os religiosos eram os responsáveis pelo extravio do ouro e por insuflar o não pagamento de impostos. O governo metropolitano, apesar da maciça cobrança tributária, deixava de cumprir necessidades básicas da população, ficava então a cargo dos leigos o preenchimento de diversas lacunas da vida social e espiritual. Neste sentido, como destaca Caio Boschi, eram as irmandades que se propunham a facilitar a vida social, desenvolvendo inúmeras tarefas que, pelo menos em princípio, seriam da alçada do poder público. Assim as irmandades se afirmavam como uma das principais forças sociais presentes em Minas colonial 7. Como já dissemos, o principal critério de identidade na sociedade colonial era a classificação social decorrente da cor da pele, em combinação com a "nacionalidade", e isto se deu também nas irmandades. Existiam irmandades de brancos, de mulatos e pretos. As de brancos podiam ser de portugueses ou de brasileiros, as de pretos se subdividiam nas de mulatos e africanos, cativos ou não. As irmandades de escravos, chamadas irmandades de cor, erguidas por escravos e forros, homens e mulheres, obtiveram grande representatividade na sociedade de colonial visto que foram um dos únicos ou talvez o único meio de associação legal permitido aos escravos. Analisando as irmandades negras baianas João José Reis afirma que elas eram uma espécie de família ritual, em que africanos desenraizados de suas terras viviam e morriam solidariamente 8 7 Caio César Boschi, Os Leigos e o Poder: irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais, São Paulo, Ática, 1986, p João José Reis, A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX, São Paulo, Companhia das Letras, 1995, p

4 Em torno dessas associações escravos e forros constituiriam formas de reorganização social no Novo Mundo através de mecanismos de solidariedade e formação de novas identidades. 1. As Nações Africanas e as Irmandades Com a quebra das relações familiares provocada pelo tráfico, os africanos buscaram reconstruir em novas bases, inclusive nas irmandades, os laços fundamentais que os uniam. Desembarcados no Brasil os escravos iriam, além de trabalhar, construir relações de amizade, de família, laços religiosos, entre outros. Muitas vezes estas alianças tinham como referencial os critérios de nação presentes em seus nomes. Estas nações ou etnias, tais como Angola, Benguela, Mina, Courana, Nagô, entre outras, presentes nos nomes dos escravos traficados para o Brasil, aparecem nas observações dos viajantes, nos documentos administrativos e da igreja e, geralmente correspondem a um sistema que compreende territórios, povos, principais mercados onde os escravos eram comercializados, ou portos de embarque no território africano. Estas formas de identificação atribuídas pelo colonizador aos escravos traficados eram muitas vezes incorporadas pelos africanos e em torno delas eram criadas novas identidades no cativeiro. Nas confrarias negras, a reunião de escravos e libertos de mesmas nações foi uma das formas encontradas para se recriar afinidades, já que aqui no Novo Mundo, os parâmetros atribuidores de identidades não eram os mesmos que vigoravam quando estes estavam em suas terras natais. Através das irmandades e baseados em critérios de grupo de procedência ou laços de nação 9 seus membros estabeleciam alianças e regras de convivência, formas de solidariedade e resistência. E, em muitas irmandades a designação nação constituía princípio básico para a organização e ingresso de novos irmãos. Foram várias as irmandades erguidas sob a égide das distinções étnicas na colônia. Em seus compromissos estas associações abriam suas portas para certas etnias 9 O conceito de grupo de procedência foi proposto por Soares para a análise dos grupos étnicos africanos na diáspora: Mariza de Carvalho Soares, Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000, especialmente capítulo 3. Quanto ao termo laços de nação, refere-se aos trabalhos de Maria Inês Côrtes de Oliveira, Viver e morrer no meio dos seus, Revista USP, 28 ( ), pp e, The Reconstruction of Ethnicity in Bahia: The Case of the Nago in the Nineteenth Century, In: Paul Lovejoy e David Trotman (Eds.), Trans-Atlantic Dimention of Ethnicity in the African Diaspora, Black Atlantic Series, Continuum Press, London, U.K., 2002, pp

5 e barravam outras. Em alguns casos, as irmandades permitiam a entrada de pessoas de qualquer origem, mas restringiam os cargos da mesa a uma origem específica. Em Salvador, por exemplo, na Irmandade do Rosário dos Pretos da Igreja da Conceição da Praia, permitia-se a entrada de pessoas de todas as origens até mesmo brancos e mulatos, mas somente os crioulos e os angolas poderiam ocupar os cargos da mesa. 10. No Rio de Janeiro as irmandades negras também estavam divididas por nações. Na Irmandade do Rosário se reuniam os angolas e os congos, na Irmandade da Lampadosa estavam os africanos do Gentio da Guiné, enquanto os minas se reuniam na irmandade de Santo Antônio da Mouraria e na de Santo Elesbão e Santa Efigênia. Nos compromissos das irmandades da região mineradora se não observa a idéia de separação por etnias, mas o que nos chama atenção é que encontramos situações tensas na região entre os grupos étnicos de escravos. Como relata Boxer, o conde de Assumar notificou a Coroa, em 1719, de uma conspiração particularmente ampla, que pretendia massacre geral de todos os brancos, numa Sexta-feira Santa, quando estariam eles assistindo à missa e desprevenidos. A conspiração malogrou no último momento porque os minas (sudaneses ocidentais) e angolas (bantos) não chegaram a um acordo quanto a qual das duas raças iria fornecer o rei que pretendiam proclamar, depois do extermínio dos senhores. Esta rivalidade entre sudaneses e bantos constitui, igualmente, a razão principal do malogro de conspirações similares de escravos, em anos posteriores, das quais as de 1724 e 1756 foram potencialmente, as mais perigosas 11. A hipótese com a qual estamos trabalhando é de que, se os conflitos étnicos entre escravos existiam no interior daquela sociedade, não teriam desaparecido por completo nas irmandades. Apesar de conviverem numa mesma confraria os diferentes grupos étnicos estariam em processos contínuos de negociação de conflitos. Na tabela 1 podemos observar as várias nações africanas em Vila Rica no século XVIII. Considerando que as irmandades representavam lugares onde se exercia uma série de políticas de distribuição de poder e de participação na sociedade, políticas estas concebidas por diversos grupos étnicos, cada qual portador de uma lógica distinta de interpretação da realidade, estamos analisando a Irmandade do Rosário do Alto da Cruz, a partir dessa ótica, a de que os grupos étnicos são constituídos pela contradição, pela 10 João José Reis, Identidade e diversidade étnicas nas irmandades negras no tempo da escravidão, Revista do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense. vol.2. 3, (1997), pp Charles Boxer, A idade do ouro do Brasil: dores de crescimento de uma sociedade colonial, 2ª edição revista, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1969,p.197 5

6 diferença entre o Eles e o Nós. Como destaca Fredrik Barth, a etnicidade, não pode ser concebida senão na fronteira do Nós, em contato ou confrontação, ou por contraste com Eles Vila Rica e a Irmandade Rosário dos Pretos do Alto da Cruz No primeiro quartel do setecentos o arraial de Vila Rica dividia-se em duas paróquias, a de Nossa Senhora do Pilar e a de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, cada qual dotada de vasta jurisdição, com inúmeras capelas na sede e na freguesia. (ver mapa) A irmandade que estudamos, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário do Alto Cruz, pertencia à paróquia de Antônio Dias que tinha como matriz a igreja de Nossa Senhora da Conceição. Dentro desta matriz, surgiram várias irmandades: Nossa Senhora da Conceição, Santíssimo Sacramento, Nossa Senhora da Boa Morte, de São Miguel e Almas, São José dos Bem Casados, Nossa Senhora do Terço, São Sebastião, São Gonçalo Garcia, Nossa Senhora das Dores, Mercês e a Ordem Terceira de São Francisco. Algumas delas construíram capelas próprias, dentre elas, o Rosário, objeto de nossa análise 13. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário foi constituída legalmente em 1719, na matriz, mas logo se dirigiu para a Capela do Padre Faria. Inicialmente na Capela de Padre Faria, a irmandade congregava brancos e negros, mas em virtude de desentendimentos, os negros, em 1733 construíram a capela de Nossa Senhora do Rosário do Alto da Cruz, depois intitulada Santa Efigênia. 15. O nosso trabalho com esta irmandade teve início com em estudo monográfico no qual analisamos os rituais de morte no século XVIII, em Vila Rica, especialmente entre escravos e forros. A pesquisa até o momento, chama a atenção para a predominância de irmãos e irmãs de etnia mina, escravos e forros, sepultados pela irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos do Alto da Cruz, em relação às outras etnias, tais como angola e benguela. 12 Philippe Poutignat e Jocelyne Streiff-Fenart, Teorias da Etnicidade seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. Trad. Elcio Fernandes, São Paulo, Editora Unesp, 1997, p Adalgisa Arantes Campos, Roteiro Sagrado: monumentos religiosos de Ouro Preto, Editora Francisco Inácio Peixoto. Belo Horizonte, p Adalgisa Arantes Campos. Roteiro Sagrado. p

7 Considerando todos os enterramentos de escravos da paróquia (tabela 2), observamos que a maioria dos escravos e escravas era, de fato, sepultada no adro/cemitério das capelas, havendo uma predominância do adro/cemitério da Matriz. A capela do Rosário, na qual estava instalada a irmandade por nós analisada, foi a que mais enterrou escravos em seu interior. Naquele período, havia a preocupação de não ser enterrado nos cemitérios, uma vez que este tipo de sepultamento significava perder as indulgências da sepultura na capela e as rezas dos irmãos que, cotidianamente, lá realizavam seus exercícios religiosos. No caso dos escravos e libertos, outra possibilidade pode ser acrescentada, a de ficar entre "parentes" depois da morte. A pesquisa encontra-se em fase inicial e a partir dos dados encontrados ainda não podemos tirar conclusões sobre as etnias escravas naquela irmandade. O que pretendemos agora é mapear os grupos étnicos dos irmãos e irmãs, escravos e exescravos, presentes na Irmandade no intuito de perceber as formas de comunicação, conflito, negociação cultural e, as alianças intra e interétnicas que se estabeleceram naquela confraria. Partindo de fontes como as Deliberações da Mesa Administrativa e as correspondências, examinaremos as etnias dos irmãos que compunham a mesa, os critérios para a eleição dos mesmos, se existiam conflitos étnicos entre os irmãos juízes e juizas, reis e rainhas, bem como se a etinicidade tinha implicações nos processos eleitorais e nos processos pleiteados junto às autoridades civis e eclesiásticas. Através das atas de óbito de escravos analisaremos a procedência étnica do enterrado, as formas de enterramento, o local de sepultamento e os sacramentos recebidos, levando-se em conta a etnia do escravo ou escrava enterrado. Os testamentos de forros e forras, por conterem maior número de informações, nos possibilitarão observar a etnia do testador, dos testamenteiros, de seus cônjuges, a quem o testador deixa seus bens, quanto deixa de esmolas à irmandade e aos santos, e a forma com que pede que a dita associação proceda nos seus rituais fúnebres. Enfim, toda a relação que o testador estabelece com a confraria, com a religião e os laços intra e interétnicos que estabelece com seus confrades. 7

8 3. Anexos Tabela 1 Vila Rica/População Sudaneses Mina Courana Cobu Nagô Sabaru Fom São Tomé Cabo Verde Bantos Angola Benguela Congo Cambinda Cassange Monjolo Rebolo Moçambique Iraci del Nero Costa, Vila Rica: População ( ), São Paulo, Instituto de Pesquisas Econômicas,

9 Tabela 2 Distribuição dos sepultamentos de escravos, por ano e por local TOTAL Cem. Matriz Capela Matriz Da da nº nº nº nº nº nº nº nº nº nº % , ,1 Cap. de N S. do Rosário dos Pretos Cem. de N S. do Rosário dos Pretos Cem. De Santana Cem. De Padre Faria Cem. do Taquaral Cem. de São João do Ouro Fino Cem. Senhor dos Perdões , , , , , ,6 TOTAL Fonte: Livro de óbitos. Paróquia de Nossa Senhora da Conceição do Antônio Dias,

10 Mapa extraído de Boschi, Caio César. Os Leigos e o Poder, p

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS A. LIVRO Anotar número do livro. B. FOLHAS Anotar número inicial e final de cada testamento. C. DATA Anotar a data do documento (dia/mês/ano4dígitos).

Leia mais

Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX

Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX CASSIA FARNEZI PEREIRA * A vida religiosa da Capitania de Minas Gerais no século XVIII foi marcada pela presença das irmandades

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835)

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) Joceneide Cunha (UFBA/UNEB) jocunha@infonet.com.br Nos Setecentos, nasceu na vila sertaneja do Lagarto,em tão remotas distâncias

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ)

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Em 1774, o Vice-Rei Marquês do Lavradio determinou que passasse a ficar fora dos limites da cidade do Rio de Janeiro o comércio de africanos. O novo local escolhido

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Declara a SAARA, área de comércio popular localizada na Rua da Alfândega e adjacências, na cidade do Rio de Janeiro, Patrimônio Cultural Imaterial

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino

Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino Álvaro Galdino 1 2 Projeto integrado 7º ciclo GDG 2012 Álvaro Galdino O Congado Uberlândia Projeto Objetivos Conceiito Análise de similares Elementos Visuais Cores Tipografia Mídias de divulgação Aplicativo

Leia mais

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito PEREIRA, Edimilson de Almeida Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora Belo Horizonte: Funalfa Edições Mazza Edições, 2005, ISBN 85-7160- 323-5. por Brígida

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

Congado de Uberlândia ] livro 01/02

Congado de Uberlândia ] livro 01/02 Congado de Uberlândia ] livro 01/02 1 2 Trocar foto >> sumário 3 livro 01/02 1. Introdução 1.1 Apresentação 1.2. Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos 1.2.1. Metodologia Geral 1.2.2. Metodologia dos Inventários

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

ÁFRICA SUBSAARIANA: Características Básicas, Partilha Europeia e Alguns Conflitos. Rui Ribeiro de Campos

ÁFRICA SUBSAARIANA: Características Básicas, Partilha Europeia e Alguns Conflitos. Rui Ribeiro de Campos ÁFRICA SUBSAARIANA: Características Básicas, Partilha Europeia e Alguns Conflitos Rui Ribeiro de Campos ÁFRICA SUBSAARIANA: Características Básicas, Partilha Europeia e Alguns Conflitos Esta obra aborda

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA.

O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. O POVOAMENTO DE GOIÁS E O CATOLICISMO MILAGREIRO NA SOCIEDADE MESTIÇA. SILVA, Washington Maciel. 1 E-mail: washingtonmacieldasilva@gmail.com Resumo: apresentamos um estudo sobre a história de Goiás e a

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 16 A MINERAÇÃO: SOCIEDADE E CULTURA Fixação 1) (UNESP) Se bem que a base da economia mineira também seja o trabalho escravo, por sua organização geral ela se diferencia amplamente

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços Rituais de festa em uma morte anunciada Profª Drª Temis Gomes Parente Universidade Federal do Tocantins Campus de Porto Nacional - TO. Email: temis.parente@uol.com.br No dia 29 de maio de 2004, em Natividade-

Leia mais

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de

LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de LUNA, Francisco Vidal & COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: Nota sobre casamentos de escravos (1727-1826), Revista África, São Paulo, Centro de Estudos Africanos (USP), (4): 105-109, 1981. VILA RICA:

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Ana Cistina de Souza Pires Grasiela Sirtoli

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

MECA a cidade Santa é um centro religioso, onde os árabes fazem a peregrinação ( visita a um lugar sagrado) para orar ao Deus Alá

MECA a cidade Santa é um centro religioso, onde os árabes fazem a peregrinação ( visita a um lugar sagrado) para orar ao Deus Alá No centro de Meca está a Caaba, ou Cubo, onde estavam os 370 ídolos de pedras e mais a PEDRA NEGRA, que segundo a tradição, Alá ( Deus) teria dado a Ismael, filho de Abraão. CAABA CAABA MECA a cidade Santa

Leia mais

Missão Arronches 2012 Artigo Cluny

Missão Arronches 2012 Artigo Cluny Na semana de 10 a 17 de Julho, cinco jovens acompanhadas pela Irmã Olinda Neves, desenvolveram uma semana missionária em Arronches. Esta foi a segunda vez, que a Vila Alentejana foi palco de uma Missão

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 13 ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Anna Inez Alexandre Reis (PIBIC/UFT) annaimezalexandre@hotmail.com Karylleila

Leia mais

Os Pretos novos que não chegaram a velhos: morte e sepultamento de escravos. recém-chegados de África, no Rio de Janeiro do século XIX.

Os Pretos novos que não chegaram a velhos: morte e sepultamento de escravos. recém-chegados de África, no Rio de Janeiro do século XIX. Os Pretos novos que não chegaram a velhos: morte e sepultamento de escravos recém-chegados de África, no Rio de Janeiro do século XIX. Júlio César Medeiros da S. Pereira. - PPG-UFRJ A proposta inicial

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

Nela foi erguido o Cemitério dos Ingleses, um dos mais antigos cemitérios do

Nela foi erguido o Cemitério dos Ingleses, um dos mais antigos cemitérios do ALGUMAS NOTAS SOBRE O CENTRO HISTÓRICO DO RIO DE JANEIRO: A PEQUENA ÁFRICA (*) BAIRRO DA GAMBOA Luiz Antônio da Costa Chaves Bairro localizado na Zona Portuária do Rio de Janeiro, habitado principalmente

Leia mais

ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO

ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO ARQUITETURA E ORDENS TERCEIRAS UMA ANÁLISE DAS IGREJAS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS E DE NOSSA SENHORA DO CARMO Natalia Casagrande Salvador* Resumo: As igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos.

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Ementa da Disciplina. Teleaula 1. Conceitos Básicos. Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 1 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Grupo Uninter Ementa da Disciplina Contextos e conceitos históricos sobre

Leia mais

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 HISTÓRIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 27.09.06 HISTÓRIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: HISTÓRIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1

CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 CRIOULOS E AFRICANOS LIBERTOS EM PORTO ALEGRE: PADRÕES DE ALFORRIA E ATIVIDADES ECONÔMICAS (1800-1835) 1 Gabriel Aladrén O objetivo desta comunicação é apresentar alguns resultados de uma pesquisa sobre

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Fundamental I Ano: 5º ano Componente Curricular: História Professor (a): Cristiane

Leia mais

A educação no Rio de Janeiro

A educação no Rio de Janeiro A educação no Rio de Janeiro Simon Schwartzman Na década de 90, em todo o Brasil, o acesso à educação melhorou, e o Rio de Janeiro não ficou atrás. Antes, não havia escolas suficientes para todas as crianças.

Leia mais

Fábia Barbosa Ribeiro 1

Fábia Barbosa Ribeiro 1 VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem. Campinas: Editora Unicamp, 2007 Fábia Barbosa Ribeiro 1 Doutoranda em História Social - FFLCH/USP Já dizia João Antonil que o Brasil era o purgatório dos brancos,

Leia mais

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA A AMÉRICA PORTUGUESA Pelo Tratado de Tordesilhas, assinado a 7 de junho de 1494, por Portugal e Espanha, os domínios dessas

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO João 6 Nesta Lição Estudará... Jesus Alimenta a Multidão Jesus Anda em Cima das Águas O Povo Procura Jesus Jesus, o Pão da Vida As Palavras de Vida Eterna JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO: Leia João 6:1-15. Mateus,

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

RESUMO: A QUESTÃO DA SECULARIZAÇÃO DOS CEMITÉRIOS PÚBLICOS DA CIDADE DE CUIABÁ 1864 a 1901

RESUMO: A QUESTÃO DA SECULARIZAÇÃO DOS CEMITÉRIOS PÚBLICOS DA CIDADE DE CUIABÁ 1864 a 1901 RESUMO: A QUESTÃO DA SECULARIZAÇÃO DOS CEMITÉRIOS PÚBLICOS DA CIDADE DE CUIABÁ 1864 a 1901 Maria Aparecida Borges de Barros ROCHA; Maria Elízia BORGES- UFG - mabbrocha@yahoo.com.br PALAVRAS CHAVES: Cemitérios,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742

INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742 INSTRUÍDO NA FÉ, BATIZADO EM PÉ : BATISMO DE AFRICANOS NA SÉ DA BAHIA NA 1ª METADE DO SÉCULO XVIII, 1734-1742 Carlos Eugenio Líbano Soares * No dia 3 de maio de 1739, foi registrado no livro da Igreja

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 RESUMO A mineração marcou a história de Minas Gerais e até hoje se apresenta

Leia mais

DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA

DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA GRUPO DE TRABALHO: CULTURA E TRADIÇAO DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA Palavras-chave: samba paulista, samba de bumbo, samba rural, cultura popular, tradição popular. Resumo:

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990

A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990 A GUERRA SANTA ENTRE A IRMANDADE DA BOA MORTE E A IGREJA CATÓLICA. BAHIA - 1989/1990 1. APRESENTAÇÃO Wiltércia Silva de SOUZA wiltercia@gmail.com UNEB Em novembro de 1989, a imprensa escrita baiana noticiava

Leia mais

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas América Espanhola O que os Espanhóis encontraram aqui na América... Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 Dispõe sobre a outorga de Salva de Prata em homenagem aos Salesianos pelo extraordinário trabalho social desenvolvido na área da educação. A CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FRADELOS MU ICÍPIO DE VILA OVA DE FAMALICÃO REGULAME TO E TABELA DAS TAXAS E LICE ÇAS DA JU TA DE FREGUESIA DE FRADELOS

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FRADELOS MU ICÍPIO DE VILA OVA DE FAMALICÃO REGULAME TO E TABELA DAS TAXAS E LICE ÇAS DA JU TA DE FREGUESIA DE FRADELOS ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FRADELOS MU ICÍPIO DE VILA OVA DE FAMALICÃO REGULAME TO E TABELA DAS TAXAS E LICE ÇAS DA JU TA DE FREGUESIA DE FRADELOS REGULAMENTO E TABELA DAS TAXAS E LICENÇAS DA JUNTA DE

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

Conflitos de Jurisdição: as esferas de poder na América Portuguesa

Conflitos de Jurisdição: as esferas de poder na América Portuguesa Conflitos de Jurisdição: as esferas de poder na América Portuguesa Felipe de Moraes Ferreira* Com os estudos sobre conflitos de jurisdição podemos compreender como se deu a construção do espaço da América

Leia mais

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA Gisela Cavalcanti João Maciel UMA TEORIA PÓS-COLONIALISTA DO CURRÍCULO O objetivo dessa teoria é analisar as relações de poder entre as nações que compõem

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

Gabarito 7º Simulado Humanas

Gabarito 7º Simulado Humanas GEOGRAFIA QUESTÃO 01 a) Alguns fatores físico-naturais são: relevo, área de encosta de forte declividade; clima, elevada precipitação pluviométrica e infiltrações em áreas desflorestadas, levando a deslizamentos

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

DA COSTA DA MINA PARA A BAHIA: ESCRAVOS E LIBERTOS AFRICANOS NO TRÁFICO DE TRANSATLÂNTICO c. 1750- c.1770 Daniele Santos de Souza 1

DA COSTA DA MINA PARA A BAHIA: ESCRAVOS E LIBERTOS AFRICANOS NO TRÁFICO DE TRANSATLÂNTICO c. 1750- c.1770 Daniele Santos de Souza 1 DA COSTA DA MINA PARA A BAHIA: ESCRAVOS E LIBERTOS AFRICANOS NO TRÁFICO DE TRANSATLÂNTICO c. 1750- c.1770 Daniele Santos de Souza 1 Em março de 1750, chegava ao fim a longa e penosa viagem dos 269 africanos

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 José Antônio de Ávila Sacramento (membro do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de São João del-rei - MG) No ano de 1810,

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: ENTRE A CARIDADE E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: As diversas atividades desempenhadas pela Santa Casa de Misericórdia na Parahyba imperial Naiara Ferraz B. ALVES Ms.Profª. Ensino Fundamental II Município de

Leia mais

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial 7. Patrimônio Imaterial A presença dos africanos no Brasil contemporâneo pode ser identificada na vivência de um patrimônio cultural, expresso em memórias, músicas, versos, cantos, danças e perfomances,

Leia mais