História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL"

Transcrição

1 História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração do crescimento tecnológico. A partir dela, assistimos uma aceleração no crescimento econômico em virtude da transformação econômica e social (alargamento da rede do comércio internacional; êxodo rural contribuindo para a criação da nova mão de obra industrial; substituição da manufatura pela fábrica; transferência de capitais do campo para as cidades, etc.), modificações nas relações sociais, pois instaurou novas relações de produção, como o trabalho assalariado, característico do sistema capitalista. Para entendermos tais transformações elaboramos esse material que tratará, sobretudo, das alterações da matéria-prima em mercadoria, as razões do pioneirismo inglês, a reação operária e, por fim, o papel desempenhado pelas mulheres na produção de carvão. Desejamos que os educandos leiam e apreendam mais sobre esse importante período da História. CAPÍTULO 4 A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL O mundo repleto de máquinas e tecnologias, tal como o conhecemos, começou a ganhar forma com a Revolução Industrial, que teve início em meados do século XVII e estendeu-se para outros países a partir do século XIX. Revolução Industrial: conjunto de transformações ocorridas na Europa Ocidental (séculos XVIII XIX) diretamente relacionadas à substituição do trabalho artesanal, que utilizava ferramentas, pelo trabalho assalariado, em que predominava o uso das máquinas. Até fins do século XVIII, a maioria da população vivia no campo. Ali produzia o alimento para seu sustento e organizava grande parte da vida social em função das atividades agrícolas e pastoris; A transformação de matérias-primas em mercadorias tinha características diferentes das de hoje; O processo de transformação da matéria-prima em mercadoria pode ser dividido em três diferentes fases: Sistema doméstico; Sistema manufatureiro; Sistema de maquinofatura. A seguir, iremos tratar em particular de cada uma dessas fases: 1

2 FASES DE PRODUÇÃO a) Sistema doméstico: Produção artesanal Artesão controlava as diversas fases da produção; Artesão era o dono das matérias-primas e dos instrumentos de produção (a oficina e as ferramentas); As tarefas eram executadas em casa com ajuda dos filhos, da esposa e de outros empregados; A produção era feita sob encomenda. COTRIM, G. História Global: Brasil e Geral. vol. único. São Paulo: Saraiva, Um artesão que fizesse alfinetes precisaria conhecer e executar diversas tarefas dessa atividade: endireitar um arame, cortá-lo, afiar a ponta, colocar a cabeça na outra extremidade e dar o polimento final Adam Smith b) Sistema manufatureiro: Desenvolvido a partir do século XVI A produção era realizada em grandes oficinas; Os artesão não eram mais donos dos instrumentos de produção Eram agora, trabalhadores assalariados Executavam tarefas específicas a mando de um patrão: o A produção era dividida em etapas; o Cada trabalhador era responsável por uma fase do processo. COTRIM, G. História Global: Brasil e Geral. vol. único. São Paulo: Saraiva,

3 Não se esqueça: Tanto no sistema doméstico quanto no manufatureiro: Os trabalhadores só utilizavam ferramentas simples; Apesar da rapidez, os limites do corpo humano não permitiam ampliar a produção; A produção dependia da habilidade e da perícia do trabalhador. LUÍZA, N.; BAEZ, E.; DELFINI, L. História: uma nova abordagem integrada. vol. único. São Paulo: Moderna, c) Sistema de maquinofatura: na segunda metade do século XVIII, a produtividade aumentou vertiginosamente graças à introdução das MÁQUINAS. A partir disso: Reduziu o tempo de trabalho necessário pra produzir mercadorias; Custos foram reduzidos; Lucro do empresário aumentou. Repare a diferença entre a produção caseira e a produção fabril. ALVES, A.; FAGUNDES, L. Conexões com a História: da Colonização da América ao século XIX. São Paulo: Moderna,

4 O PIONEIRISMO INGLÊS A Inglaterra foi o primeiro país a reunir condições necessárias para dar início ao processo de industrialização. Vamos pontuar a seguir quais fatores favoreceram o desenvolvimento industrial inglês: 1) A Revolução Industrial é o complemento da Revolução Inglesa. a) Com as restrições à atuação do rei e o aumento do poder do Parlamento, os representantes da burguesia puderam aprovar medidas que lhes interessavam. Ex: priorizavam a construção naval, garantiam a propriedade privada, proibiam as organizações de trabalhadores; b) Oferta abundante de mão de obra: Os cercamentos expropriaram grande quantidade de trabalhadores livres das terras que ocupavam. Para sobreviverem, muitas famílias migraram para as cidades e passaram a trabalhar como assalariados nas fábricas. 2) Disponibilidade de matéria-prima como o algodão proveniente das ex-colônias inglesas na América (sul dos EUA) e mesmo do Brasil (Nordeste).. Esse fator é importante, uma vez que a indústria de fiação e a indústria têxtil foram o carro-chefe nas primeiras décadas da Revolução Industrial 3) Desenvolvimento de recursos técnicos, o que possibilitou a mecanização da produção de tecidos de algodão. a) Tear mecânico: aumento da produção têxtil; Disponível em: <http://histoblogsu.blogspot.com.br/2009/06/as-maquinas-simplificando-otrabalho.html>. Acesso em 14 abr b) Máquina a vapor: revolucionou os recursos energéticos; Disponível em: <http://4.bp.blogspot.com/_j_soncporxy/rtioxihndui/s1600/idademoderna_industrial1.gif>. Acesso em 14 abr

5 c) Desenvolvimento dos meios de transporte: aparecimento das ferrovias; ALVES, A.; FAGUNDES, L. Conexões com a História: da Colonização da América ao século XIX. São Paulo: Moderna, d) Máquina Newcomen: utilizada para bombear a água das minas, uma vez que a extração era realizada em grandes profundidades. Disponível em:<http://en.wikipedia.org/wiki/history_of_the_steam_engine>. Acesso em 14 abr

6 4) Possuía grandes reservas de carvão mineral, o mais importante combustível dos primeiros tempos da industrialização CAMPOS, F. de; MIRANDA, R. G. A escrita da História. São Paulo: Escala, Repare como a quantidade de ferrovias aumentou no continente europeu num período tão pequeno. 5) A expansão dos mercados consumidores: Plano interno (a Inglaterra, ao longo do século XVIII, passou de uma população de cerca de 5 milhões de habitantes para mais de 14 milhões), quanto no plano externo; Plano externo: seu próprio império colonial, como também países recém-emancipados na América no início do século XIX e que haviam feito parte dos impérios coloniais de Portugal e Espanha. 6) A maior acumulação de capital: tráfico de escravos, a pirataria, e a exploração de suas colônias da América e da Índia, onde, no final do século XVII, os britânicos fundaram várias feitorias PEDRO, A.; LIMA, L. S. História sempre presente Ensino Médio. São Paulo: FTD,

7 A REAÇÃO OPERÁRIA Durante a Revolução Industrial, a luta dos trabalhadores ingleses contra a exploração capitalista e por melhores condições de vida e de trabalho foi travada em diversas frentes e de várias formas: Ludismo Inconformados com as injustiças a que estavam submetidos, muitos operários manifestaram seu descontentamento por meio de greves e motins. No início do século XIX, por exemplo, aconteceu o Movimento Ludista, que era formado por grupos de operários que invadiam oficinas têxteis e quebravam todo o maquinário como forma de protesto. Outras vezes a revolta era provocada pela fome: por não ter condições financeiras para comprar os alimentos, os operários organizavam motins e saqueavam mercearias e armazéns. Os operários ingleses organizavam greves e passeatas, para exigir, por exemplo, o pagamento de melhores salários e a diminuição de jornada de trabalho. Disponível em: <http://fabiopestanaramos.blogspot.com.br/2012/01/o-movimento-luddista-eoposicao.html>. Acesso em 16 abr Cartismo Outro movimento popular de grande influência na Inglaterra entre os anos 1830 e 1840 foi o cartismo. Nesse movimento, os operários procuraram, por meio da participação política, constituir uma sociedade democrática mais igualitária. Seu objetivo era a aprovação da Carta do Povo, de onde provinha seu nome, e que consistia em um programa de seis itens: 1) Sufrágio (direito de voto) universal masculino; 2) Abolição do voto censitário para o Parlamento (até então só podiam fazer parte os ricos proprietários de terras); 3) Voto secreto; 4) Representação equitativa nos distritos eleitorais; 5) Reeleição anual do Parlamento; 6) Remuneração aos deputados mediantes salários, de tal forma que os trabalhadores também pudessem se candidatar. 7

8 O livro: História: das cavernas ao terceiro milênio, escrito por Patrícia Ramos Braick e Myriam Becho Mota, encontramos um texto interessante que trata do trabalho feminino nas minas de carvão. Confira-o abaixo: MOTA, M. B.; BRAICK, P. R. Das cavernas ao terceiro milênio. Séculos XVIII e XIX: as fundações do mundo contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Moderna,

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

Revolução Industrial

Revolução Industrial Revolução Industrial Reflita sobre o que foi a Revolução Industrial do ponto de vista tecnológico? O que foi a Revolução Industrial do ponto de vista dos operários? O jovem operário entra então de vez

Leia mais

DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL DA REVOLUÇÃO AGRÍCOLA À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Inovações agrícolas Quando? Onde? O processo iniciou-se no século XVIII, primeiro na Inglaterra e na Holanda (Províncias Unidas), países com uma intensa atividade

Leia mais

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

Revolução Industrial

Revolução Industrial Revolução Industrial O aparecimento da revolução industrial se deve a três fatores: a revolução comercial, ao acúmulo de capitais que se deu na livre circulação das mercadorias e as descobertas de novos

Leia mais

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO TRABALHO INDIVIDUAL FERRAMENTAS MECÂNICAS Definição: conjunto de transformações tecnológicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

O QUE É UMA REVOLUÇÃO?

O QUE É UMA REVOLUÇÃO? Industr ial O QUE É UMA REVOLUÇÃO? - é uma mudança rápida e profunda que afeta as estruturas de uma sociedade determinando a essa uma nova realidade. - Pode ser cultural, política, social, etc. A Revolução

Leia mais

Segurança no Trabalho

Segurança no Trabalho O conjunto das profundas transformações econômicas, tecnológicas e sociais ocorridas na Europa a partir da segunda metade do século XVIII recebe o nome de Revolução Industrial. Fenômeno tipicamente inglês,

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

História. Aluno. Disciplina Curso Bimestre Série. Habilidades Associadas. História Ensino Médio 2 2ª

História. Aluno. Disciplina Curso Bimestre Série. Habilidades Associadas. História Ensino Médio 2 2ª História Aluno Caderno de Atividades Pedagógicas de Aprendizagem Autorregulada - 02 2ª Série 2 Bimestre Disciplina Curso Bimestre Série História Ensino Médio 2 2ª Habilidades Associadas 1. Comparar as

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 2º Encontro - 17/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA Vinda da Família Real esteve ligada à conjuntura européia do início do século XIX Napoleão X Inglaterra X Portugal Bloqueio Continental Convenção

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL: IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS, CULTURAIS E POLÍTICOS

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL: IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS, CULTURAIS E POLÍTICOS Aula 05 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL: IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS, CULTURAIS E POLÍTICOS Problematização: O que foi a Revolução Industrial? Onde e quando ocorreu? Que mudanças ela provocou no modo de vida das

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - Eram aprendizes órfãos? Todos aprendizes órfãos. - E com que idade eram admitidos? Os que vinham de Londres tinham entre 7 e 11 anos. - (...) Qual o horário de trabalho? De 5 da

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO O que é trabalho? A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado na agricultura e também como instrumento de tortura. O trabalho está associado

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck

PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck RESUMO: No Século XIX na Europa, diante da precariedade das condições e relações de trabalho estabelecidas, foram suscitados pela classe trabalhadora movimentos

Leia mais

UFPI- Colégio Técnico de Teresina. Curso: Ensino Médio. Disciplina: História - Série: 2º ano. Profª Msc. Julinete Vieira Castelo Branco

UFPI- Colégio Técnico de Teresina. Curso: Ensino Médio. Disciplina: História - Série: 2º ano. Profª Msc. Julinete Vieira Castelo Branco UFPI- Colégio Técnico de Teresina Curso: Ensino Médio Disciplina: História - Série: 2º ano Profª Msc. Julinete Vieira Castelo Branco PLANEJAMENTO/2015 Apresentação: A história, enquanto ciência, corresponde

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

O imperialismo. Prof Ferrari

O imperialismo. Prof Ferrari O imperialismo Prof Ferrari Imperialismo ou neocolonialismo do séc. XIX Conceitos e definições sobre o imperialismo O imperialismo dos séculos XIX e XX resultou da expansão capitalista e atendia aos interesses

Leia mais

Edital nº 01/2016 II Olímpiada de História História do Brasil Império

Edital nº 01/2016 II Olímpiada de História História do Brasil Império Edital nº 01/2016 II Olímpiada de História História do Brasil Império 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Este documento contém as regras estabelecidas pela Comissão Organizadora da II Olimpíada Interna de

Leia mais

Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia

Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia 1) Ásia: as potências exerceram controles efetivos na Índia e na China. O Japão, apesar de originalmente dominado, inverteu essa situação. Esses países,

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I REV. INDUSTRIAL II REV. INDUSTRIAL 1760-1860 1860 1914 ING, FRA e BEL ALE, ITA, RUS, EUA, JAP FERRO CARVÃO - VAPOR CAPITALISMO LIBERAL E INDUSTRIAL AÇO PETRÓLEO

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal Como originaram as primeiras cidades? O que veio antes? campo ou cidade? 1.1 Urbanização e Classes Sociais HISTÓRIA DA CIDADE UNIDADE I 1.1 Urbanização e Classes Sociais 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Lineamentos históricos Acerca do Trabalho Infantil no Brasil e no Mundo. Antônio Carlos Acioly Filho* 1.1 No mundo A história nos conta que desde épocas mais remotas já havia a utilização

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

Orientação Geral. Expansão Marítima e Comercial: a crise do feudalismo a partir do século XIII

Orientação Geral. Expansão Marítima e Comercial: a crise do feudalismo a partir do século XIII Orientação Geral Objetivos Este programa enfatiza a articulação do evento histórico com o processo geral de desenvolvimento das sociedades. O candidato deve saber: Analisar as instâncias econômicas, políticas

Leia mais

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República.

Analise duas transformações ocorridas nesse contexto histórico que colaboraram para a crise da República. 1) Leia a afirmativa abaixo que relaciona as conquistas territoriais às profundas alterações políticas, sociais e econômicas ocorridas entre os séculos II e I a.c. A República conquistara para Roma o seu

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

XIII. A República dos Marechais

XIII. A República dos Marechais XIII. A República dos Marechais Governo (Provisório) de Deodoro Primeiras medidas: - Federalismo - Separação entre Igreja e Estado (registro civil de nascimento e casamento civil) - Novos símbolos nacionais

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE IV PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (Valor 1,0) Qual era a função do aviador no contexto da extração da borracha, na Amazônia, durante o ciclo da borracha? a) contratar o serviço dos seringueiros

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP.

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. ESCRAVIDÃO MODERNA Marina Paula Zampieri BRAIANI 1 Mayara Maria Colaço TROMBETA 2 Rafaela Trevisan AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. Dirección:

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Analise a gravura e explique qual crítica ela revela. Gravura anônima do século XVIII. Biblioteca Nacional da França, Paris

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo)

A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) QUESTIONÁRIO PARA LIDERANÇAS

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar:

03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: 03. (PUCCAMP) Dentre as consequências sociais forjadas pela Revolução Industrial pode-se mencionar: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ HISTÓRIA GERAL II PROFESSORA: FÁTIMA GEISLA 01. (FEI) Podem ser apontadas

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Aula A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS. Discutir aspectos constituintes da Revolução Industrial.

Aula A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS. Discutir aspectos constituintes da Revolução Industrial. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Aula 8 META Discutir aspectos constituintes da Revolução Industrial. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: conceituar revolução industrial; reconhecer os fatores que proporcionaram

Leia mais

Gabarito 7º Simulado Humanas

Gabarito 7º Simulado Humanas GEOGRAFIA QUESTÃO 01 a) Alguns fatores físico-naturais são: relevo, área de encosta de forte declividade; clima, elevada precipitação pluviométrica e infiltrações em áreas desflorestadas, levando a deslizamentos

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Professora: Marcela Szymanski Disciplina: História Série: 7º B, E 1º Trimestre. Conteúdo Estruturante

Leia mais

NOME: nº 8ºano O Iluminismo na América A Independência das Treze Colônias da América do Norte - 1776 Colonização dos Estados Unidos

NOME: nº 8ºano O Iluminismo na América A Independência das Treze Colônias da América do Norte - 1776 Colonização dos Estados Unidos NOME: nº 8ºano O Iluminismo na América A Independência das Treze Colônias da América do Norte - 1776 Antes da Independência, os EUA era formado por treze colônias controladas pela metrópole: a Inglaterra.

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial. Expansão do modelo industrial Era do aço, petróleo e Eletricidade

Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial. Expansão do modelo industrial Era do aço, petróleo e Eletricidade Marcos Machry Capitalismo Comercial (século XV XVIII) Expansão Marítima e Comercial I Revolução Industrial (1760 1860) - Capitalismo Industrial - O pioneirismo da INGLATERRA Era do carvão, ferro e vapor

Leia mais

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA A AMÉRICA PORTUGUESA Pelo Tratado de Tordesilhas, assinado a 7 de junho de 1494, por Portugal e Espanha, os domínios dessas

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil BRASIL COLÔNIA Independência do Brasil Enquanto o governo absolutista português reprimia com vigor os movimentos republicanos no Brasil, o absolutismo na Europa era contestado pela Revolução Francesa,

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

Relações Econômicas Internacionais

Relações Econômicas Internacionais Relações Econômicas Internacionais Baseado no cap. 4 do livro Introdução à Economia: uma abordagem crítica, de Wilson Cano, 1998. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Nas aulas anteriores fizemos algumas

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais