CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo"

Transcrição

1 CONTEÚDOS Candomblé Umbanda Xamanismo

2 HABILIDADES Conhecer as religiões afrodescendentes e anímicas

3 PAUTA DO DIA Acolhida Problematização Entrevista Exibição do Vídeo Leitura de Imagem Aprofundando o tema- texto

4 PAUTA DO DIA Atividades com o texto Atividades complementares Interatividades Síntese refletiva do conteúdo Mensagem final

5 PROBLEMATIZAÇÃO

6 PROBLEMATIZAÇÃO Na localidade onde você mora, existem religiões com esses rituais? Quais?

7 LEITURA DE IMAGEM 1. Que conhecimento apresentado no vídeo você já conhecia?

8 LEITURA DE IMAGEM 2. Você encontrou na religião apresentada alguma semelhança com a sua? E diferenças?

9 LEITURA DE IMAGEM 3. Que valores foram apresentados no vídeo de hoje?

10 RELIGIÕES AFRODESCENDENTES E ANÍMICAS UMBANDA - religião brasileira formada de elementos de outras religiões como o Catolicismo ou Espiritismo, juntando ainda elementos da cultura africana e indígena.

11 A palavra é derivada de u mbana - significa curandeiro na língua banta falada em angola, o quimbundo

12 Umbanda - origem nas senzalas em reuniões, onde os escravos vindos da África louvavam os seus deuses, através de danças e cânticos e incorporavam espíritos.

13 O culto umbandista: _templos, terreiros ou centros apropriados para o encontro dos praticantes, onde entoam cânticos e fazem uso de instrumentos musicais como o atabaque. é presidido por um chefe masculino ou feminino.

14 Culto- durante as sessões são realizadas consultas de apoio e orientação a quem recorre ao terreiro e práticas mediúnicas com incorporações de entidades espirituais.

15 Culto - se assemelha ao Candomblé, no entanto, são religiões que possuem práticas diferenciadas.

16 CANDOMBLÉ - religião africana, que existiu naquela região desde a antiguidade, _chegou ao Brasil trazida pelos escravos de diversas tribos que continuaram a cultuar no Brasil os orixás negros, suas divindades, e estiveram na origem da criação das chamadas Casas de Santo (Ilê).

17 Orixás - são os deuses supremos, possuem personalidade e habilidades distintas e preferências de rituais. Escolhem também as pessoas que utilizam para incorporar no ato do nascimento, podendo compartilhá-lo com outro orixá

18 Os rituais do Candomblé são realizados em templos chamados casas, roças ou terreiros que podem ser de linhagem: _ matriarcal (quando somente as mulheres podem assumir a liderança)

19 _ patriarcal (quando somente homens podem assumir a liderança) _ mista (quando homens e mulheres podem assumir a liderança do terreiro).

20 Celebração do ritual - feita pelo pai de santo ou mãe de santo, que inicia o despacho do Exu. Em ritmo de dança, o tambor é tocado e os filhos de santo começam a invocar seus orixás para que os incorporem. O ritual tem no mínimo duas horas de duração.

21 DIFERENÇAS ENTRE CAMDOMBLÉ E UMBANDA O Candomblé não pode ser igualado à umbanda. Nele, não há incorporação de espíritos e o culto é voltado unicamente para os orixás, já que os mesmos são divindades da natureza, considerados deuses e não espíritos e fazem parte do culto.

22 Enquanto na Umbanda, as incorporações são feitas em médiuns de incorporação, através de espíritos encarnados ou desencarnados, que são espíritos como caboclos, pretos-velhos e ciganos.

23 No Candomblé, os cânticos são em línguas africanas (ioruba ou banto), dependendo da nação de origem daquele grupo. Os cânticos da Umbanda são todos em português

24 No Candomblé, só os orixás podem provocar a possessão. Nenhum outro espírito que tenha vivido na terra, é permitido repetir este fenômeno. Na Umbanda, pelo contrário, é permitida a incorporação de qualquer tipo de entidade.

25 XAMANISMO ou Pajelança é a comunicação com os encantados e entidades ancestrais através de cânticos, danças, praticados pelos indígenas brasileiros e do mundo todo.

26 Com a utilização de instrumentos musicais (maracá, zunidores) para captura e afastamento de espíritos malignos e também rezas e benzeduras para a cura de doenças

27 Cura de doenças: _há a utilização do jejum _ restrições dietéticas _ reclusão do doente _ série de práticas terapêuticas que incluem: o uso do tabaco (o pajé fuma grandes cachimbos)

28 _ princípio ativo das plantas _ aplicação de calor e defumação, _massagens, fricções _extração da doença por sucção, etc

29 sacerdote do Xamanismo- Xamã _que entra em transe durante os rituais.

30 No Brasil rural e urbano, apesar da tradição multiétnica dos ameríndios, observa-se a presença dessas práticas médicas-religiosas em comunhão com rituais católicos e espiritualistas de origem africana. Esse xamanismo é conhecido em algumas regiões como pajelança cabocla.

31 ATIVIDADE COM O TEXTO GRUPO 1- XAMANISMO Expresse através de um texto as principais características do Xamanismo.

32 ATIVIDADE COM O TEXTO GRUPO 2- UMBANDA Expresse num poema a origem da Umbanda

33 ATIVIDADE COM O TEXTO GRUPO 3- CANDOMBLÉ Em um painel, expresse o que mais chamou sua atenção no Candomblé, ilustrando-o.

34 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Grupo 1 Dramatize uma pajelança, utilizando o princípio ativo das plantas, como é praticado no norte do Brasil

35 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Grupo 3- Umbanda Em um varal, coloque as principais características da Umbanda.

Preto-Velho, Caboclo, Orixás, Exus e Pomba-Giras

Preto-Velho, Caboclo, Orixás, Exus e Pomba-Giras Preto-Velho, Caboclo, Orixás, Exus e Pomba-Giras Preto-velho é o espírito de um escravo de origem africana, que procura repartir com as pessoas encarnadas na Terra a sua sabedoria, a sua experiência de

Leia mais

Estudo Continuado Título: Parte 1- Mediunidade e Reforma Íntima. Parte 2 Diferenças entre Candonblé, Umbanda e Kardecismo.

Estudo Continuado Título: Parte 1- Mediunidade e Reforma Íntima. Parte 2 Diferenças entre Candonblé, Umbanda e Kardecismo. Associação Afro-Cultural Pai João de Angola. Estudo Continuado Título: Parte 1- Mediunidade e Reforma Íntima. Parte 2 Diferenças entre Candonblé, Umbanda e Kardecismo. Pelo tempo que praticamos nossa mediunidade,

Leia mais

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL HISTÓRIA 8 ANO PROF.ª ISABEL SARAIVA SILVA ENSINO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Produção, Circulação e Trabalho 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdo

Leia mais

DEUSES, RITUAIS E OFERENDAS - estudo léxico-semântico do vocabulário umbandístico - Alexandre Melo 1

DEUSES, RITUAIS E OFERENDAS - estudo léxico-semântico do vocabulário umbandístico - Alexandre Melo 1 DEUSES, RITUAIS E OFERENDAS - estudo léxico-semântico do vocabulário umbandístico - Alexandre Melo 1 RESUMO: Neste artigo apresentamos um estudo léxico-semântico dos termos da Umbanda. Pretendemos, a partir

Leia mais

ESPIRITISMO E UMBANDA

ESPIRITISMO E UMBANDA ESPIRITISMO E UMBANDA 1 O Espiritismo e a Umbanda são doutrinas espiritualistas, como também o judaísmo, o catolicismo, o protestantismo, a teosofia, o rosa-cruz, o esoterismo, etc., o que não impede de

Leia mais

OUTRAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS

OUTRAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS OUTRAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS TORÉ O Toré é uma dança que inclui também práticas religiosas secretas, às quais só os índios têm acesso. O objetivo ritual do toré é a comunicação com os encantos ou

Leia mais

PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA

PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA Celio Silva Meira (Aluno do Mestrado em Ciências Ambientais da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/

Leia mais

Perfil dos terreiros

Perfil dos terreiros O perfil dos terreiros de joão pessoa Ivana Silva Bastos Universidade Federal da Paraíba Graduanda em Ciências Sociais ivanna_bastos@yahoo.com.br Religiões Afro-brasileiras e Kardecismo O universo religioso

Leia mais

CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU

CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar Universidade Federal da Bahia janainacouvo@gmail.com GT 04 - O Alimento como

Leia mais

Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi

Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi Templo de Umbanda Pai Oxalá e Mamãe Iansã ESPERANÇA Todos os anos, por esta altura, começamos a fazer um balanço do ano que finda,

Leia mais

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA.

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. Pedro Henrique Mendes Ribeiro Departamento de História UFRN Resumo: O trabalho trata de uma análise dos elementos

Leia mais

ANO 1, REVISTA Nº 9, NOVEMBRO/2015 EDITORIAL

ANO 1, REVISTA Nº 9, NOVEMBRO/2015 EDITORIAL ANO 1, REVISTA Nº 9, NOVEMBRO/2015 EDITORIAL Nosso convidado deste mês é exímio conhecedor da Umbanda no Brasil e aceitou debater questões polêmicas que envolvem as relações entre ela e a doutrina espírita,

Leia mais

Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil

Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil Resumo Avance de investigación en curso GT 21- Sociología de la religión

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE MÉDIUNS ESPÍRITAS E DE UMBANDA

DIFERENÇA ENTRE MÉDIUNS ESPÍRITAS E DE UMBANDA DIFERENÇA ENTRE MÉDIUNS ESPÍRITAS E DE UMBANDA 132 DIFERENÇA ENTRE MÉDIUNS ESPÍRITAS E DE UMBANDA NÃO HÁ SEPARATIVIDADE Evidentemente, sabeis que não há separatividade nem competição entre os espíritos

Leia mais

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito PEREIRA, Edimilson de Almeida Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora Belo Horizonte: Funalfa Edições Mazza Edições, 2005, ISBN 85-7160- 323-5. por Brígida

Leia mais

Candomblés: A representação de um Brasil Sincrético. Camila de Melo Santos

Candomblés: A representação de um Brasil Sincrético. Camila de Melo Santos Candomblés: A representação de um Brasil Sincrético Camila de Melo Santos Mestranda da Pontifícia Universidade Católica de Goiás Orientadora: Maria do Espírito Santo Rosa Cavalcante Camilademelo86@gmail.com

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil

Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil Blucher Social Sciences Proceedings Dezembro de 2014, Volume 1, Número 1 Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil Luna Borges Berruezo 1 Resumo Este trabalho pretende

Leia mais

UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES.

UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES. 1 UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES. Gláucia Domingues Silvério 1 Amanda Lourenço Silva 2 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula)

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) Componente Curricular: Ensino Religioso / 7º ano Ano Letivo: 2014 Professor Ministrante: Lúcia Clemeci Carga Horária: 5 horas/ aula Data: 02/ 07/2014 Aula: 03 Título: Crescimento

Leia mais

A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1. Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão

A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1. Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1 Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão Introdução: a religião afro-brasileira no Maranhão O

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS.

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 01- Os escravos utilizavam dos ritmos e dos movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Como forma de resistência e de

Leia mais

Orientações Básicas para o Trabalho de Fiscalização da Mensageiros da Luz

Orientações Básicas para o Trabalho de Fiscalização da Mensageiros da Luz Orientações Básicas para o Trabalho de Fiscalização da Mensageiros da Luz Baseado no texto de Alex Polari para orientação da fiscalização do Reino do Sol adaptado pelo corpo de fardados da Mensageiros

Leia mais

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES Caio

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE. Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula

NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE. Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula VENDAS ATÉ DIA 14/05/2014 Doutrina dos Sete Reinos Sagrados A doutrina dos sete reinos, seguida pelo Núcleo Mata Verde,

Leia mais

GIRA DE ESCRAVOS NA UMBANDA DE SALVADOR- BA

GIRA DE ESCRAVOS NA UMBANDA DE SALVADOR- BA GIRA DE ESCRAVOS NA UMBANDA DE SALVADOR- BA Mackely Ribeiro Borges mackely@ig.com.br Universidade Federal da Bahia Resumo A umbanda é uma religião brasileira formada no Rio de Janeiro nas primeiras décadas

Leia mais

RELIGIÕES DA HUMANIDADE

RELIGIÕES DA HUMANIDADE RELIGIÕES DA HUMANIDADE Não se sabe com exatidão quando o pensamento religioso surgiu na espécie humana. Funerais em que os mortos eram sepultados com flores ou amuletos são indícios claros de manifestações

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA.

MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA. MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA. Daniel Marinho Drummond Faculdade Juvêncio Terra (orientador) dmd1234@gmail.com Geralda Alves Faria

Leia mais

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS LEI 10.639/03

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS LEI 10.639/03 RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS LEI 10.639/03 Os principais dois grandes grupos que definem as Religiões Afro-brasileiras são o Candomblé e a Umbanda. No entanto esses dois grandes grupos abrigam religiosidades

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

A UMBANDA E OS MARGINALIZADOS: NA TRILHA DAS REINVENÇÕES

A UMBANDA E OS MARGINALIZADOS: NA TRILHA DAS REINVENÇÕES A UMBANDA E OS MARGINALIZADOS: NA TRILHA DAS REINVENÇÕES Adilson Meneses da Paz 1 O presente texto propõe-se a refletir 1 sobre a Umbanda como um espaço religioso que assegura tipos sociais marginalizados

Leia mais

Religiões Afro-Brasileiras

Religiões Afro-Brasileiras Religiões Afro-Brasileiras Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento

Leia mais

Inicialmente esta pesquisa tinha como objetivo averiguar as vicissitudes da esfera

Inicialmente esta pesquisa tinha como objetivo averiguar as vicissitudes da esfera 15 1 INTRODUÇÃO 1.1 Objetivos Inicialmente esta pesquisa tinha como objetivo averiguar as vicissitudes da esfera corporal que surgiam na relação entre médiuns e entidades nas suas experiências de transe

Leia mais

SEMINÁRIO Tema: Apresentador: Recursos Integrantes: ORIGEM: SINCRETISMO:

SEMINÁRIO Tema: Apresentador: Recursos Integrantes: ORIGEM: SINCRETISMO: SEMINÁRIO Tema: Religiosidade com base na cultura africana/umbanda Apresentador: Luis Fernando Veríssimo Recursos: Apostila, cartazes, data show. Integrantes: Ana Flávia Kaminski da Silva, Ana Maria Lemos

Leia mais

O RACISMO RELIGIOSO NA PARAÍBA

O RACISMO RELIGIOSO NA PARAÍBA 7 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE PEDAGOGIA CLAUDIENE DOS SANTOS LIMA O RACISMO RELIGIOSO NA PARAÍBA GUARABIRA/PB 2012 8 CLAUDIENE DOS SANTOS LIMA O RACISMO RELIGIOSO NA PARAÍBA Artigo apresentado

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

TENDA DE UMBANDA CABOCLO UBIRAJARA E VOVÓ TEREZA REGIMENTO INTERNO SUZANO 2016

TENDA DE UMBANDA CABOCLO UBIRAJARA E VOVÓ TEREZA REGIMENTO INTERNO SUZANO 2016 1 TENDA DE UMBANDA CABOCLO UBIRAJARA E VOVÓ TEREZA REGIMENTO INTERNO SUZANO 2016 2 Tenda de Umbanda Caboclo Ubirajara e Vovó Tereza Rua Antônio Rachid, 364 Jardim Carlos Cooper Suzano SP. Fundada em 02

Leia mais

Revista Transdisciplinar Vol. 3 - Ano 2 - Nº 3 - Janeiro / 2014 - ISSN 2317-8612

Revista Transdisciplinar Vol. 3 - Ano 2 - Nº 3 - Janeiro / 2014 - ISSN 2317-8612 30 Uma oportunidade para o Livre Pensar Vol. 3 - Ano 2 - Nº 3 - Janeiro / 2014 ISSN 2317-8612 6 Entrevista com o Dr. Shintaro Umehara Foi Presidente do Centro de Pesquisas Espirituais do Japão e professor

Leia mais

Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1.

Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1. Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1. Bianca Ferreira Oliveira Bacharel em Ciências Sociais RESUMO: Esta investigação busca relacionar as dimensões

Leia mais

Curso de Umbanda OS CABOCLOS

Curso de Umbanda OS CABOCLOS Curso de Umbanda OS CABOCLOS São os nossos amados Caboclos os legítimos representantes da Umbanda, eles se dividem em diversas tribos, de diversos lugares formando aldeias, eles vem de todos os lugares

Leia mais

Sejam muito bem vindos.

Sejam muito bem vindos. Sejam muito bem vindos. Como estamos em nossa jornada de autoconhecimento? Será que estamos preparados para enfrentar o fluxo da evolução? O ritmo que temos hoje e suficiente para isso? E nossos desafios,

Leia mais

Daniela dos Santos Barbosa 1 danibarbosa75@yahoo.com.br

Daniela dos Santos Barbosa 1 danibarbosa75@yahoo.com.br O conceito de orixá no candomblé: a busca do equilíbrio entre os dois universos segundo a tradição iorubana The concept of orixá in candomblé: the search for balance between the two universes according

Leia mais

Dicionário Umbandista

Dicionário Umbandista Dicionário Umbandista ABRIR A GIRA: abertura dos trabalhos nos terreiros. ADJÁ: Sineta ritual, de alumínio ou cobre, constituído de uma, duas, três ou mais campânulas. ALDEIA: morada dos Caboclos na Aruanda.

Leia mais

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Cultura Afro-Indígena Brasileira Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Religiões Afro-Brasileiras Introdução - Escravidão miscigenação e sincretismo (Angola, Moçambique, Congo) - 3 a 5 milhões de africanos

Leia mais

Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1

Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1 Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1 Larissa Fontes 2 Marcelo Góes Tavares 3 Faculdade Integrada Tiradentes, Maceió, AL RESUMO

Leia mais

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS Muito pouco foi escrito com referência a instruções doutrinárias na Corrente do Amanhecer. O que se tem, fora o Livro de Leis e Chaves Ritualísticas, são trabalhos isolados, como

Leia mais

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO PROJETO AXÉ-MIRIM Chegou a hora de fazermos a diferença. É momento de se criar uma nova consciência sobre o que é a religião de Umbanda. Assim sendo, o Projeto Axé -Mirim

Leia mais

Versão Online ISBN 978-85-8015-053-7 Cadernos PDE VOLUME I I. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica

Versão Online ISBN 978-85-8015-053-7 Cadernos PDE VOLUME I I. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica Versão Online ISBN 978-85-8015-053-7 Cadernos PDE VOLUME I I O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica 2009 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS

AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS LUCIVAL FRAGA DOS SANTOS RESUMO O presente texto tem como problemática a discussão das religiões de matriz africana para além dos cultos e

Leia mais

As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas

As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas PNV 329 As mulheres e o patriarcado nas comunidades paulinas Sandra Regina Pereira São Leopoldo/RS 2015 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN

VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN Rosângela Santos Silva (UEFS) 1 1 Mestranda do Curso em Estudos Literários na Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS BA Pesquisadora no Grupo de Estudos

Leia mais

O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ

O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E EDUCAÇÃO-FACES CURSO DE PSICOLOGIA O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ PATRÍCIA PESSOA BORGES BRASÍLIA-DF DEZEMBRO/2008 PATRÍCIA PESSOA

Leia mais

A Umbanda nos romances espíritas kardecistas

A Umbanda nos romances espíritas kardecistas [www.reciis.cict.fiocruz.br] e-issn 1981-6278 Artigos originais A Umbanda nos romances espíritas kardecistas DOI: 10.3395/reciis.v4i3.385pt Maria Helena Villas Boas Concone Professora Titular do Departamento

Leia mais

O útero pulsante no candomblé: a construção da afroreligiosidade

O útero pulsante no candomblé: a construção da afroreligiosidade O útero pulsante no candomblé: a construção da afroreligiosidade Resumo brasileira The pulsate ulterous in Candomblé: the construction of the Brazilian afroreligiosity Maria Luiza Igino Evaristo 1 mlieteja@yahoo.com.br

Leia mais

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO 39 Sexta Lição PAPAI E MAMÃE NA CRIAÇÃO DOS FILHOS O relacionamento do papai e da mamãe como casal é de fundamental importância para uma formação adequada dos filhos. Esse relacionamento influenciará decisivamente

Leia mais

Breves considerações sobre os caminhos da umbanda

Breves considerações sobre os caminhos da umbanda Breves considerações sobre os caminhos da umbanda Bruno Rodrigues Pimentel Graduando em História - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, bruno_lpn@hotmail.com Fillipe dos Santos Portugal Graduando

Leia mais

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII

Caminhos da Espiritualidade. Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Caminhos da Espiritualidade Pr. Weber Chagas ICNV - Vila MMXIII Espiritualidade O termo não está na Bíblia. Embora a palavra espiritualidade não esteja presente nas Escrituras, o conceito está. Obras da

Leia mais

OS LIMITES ESPIRITUAIS

OS LIMITES ESPIRITUAIS EGRÉGORA OS LIMITES ESPIRITUAIS É um campo de força criado no Plano Espiritual a partir da energia emitida por um grupo de pessoas através dos seus padrões mentais e emocionais. É gerado pelo somatório

Leia mais

Nos caminhos. Revelações inéditas

Nos caminhos. Revelações inéditas Nos caminhos da Umbanda Revelações inéditas CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ S718n Souza, Ronaldo Figueira de Nos caminhos da umbanda : revelações inéditas

Leia mais

A água poderá concentrar uma vibração positiva ou negativa, dependendo do seu emprego.

A água poderá concentrar uma vibração positiva ou negativa, dependendo do seu emprego. Sua utilidade é variada. Serve para os banhos de amacis, para cozinhar, para lavar as guias, para descarregar os maus fluídos, para o batismo. Dependendo de sua procedência (mares, rios, chuvas e poços),

Leia mais

Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios

Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios José Marmo da Silva Ogan, dentista e Coordenador da RENAFRO/Rede Nacional de Religiões Afro- Brasileiras e Saúde Rede Nacional de

Leia mais

Sociedade Espiritualista Mata Virgem. Curso de Umbanda O QUE É A UMBANDA

Sociedade Espiritualista Mata Virgem. Curso de Umbanda O QUE É A UMBANDA Vejamos o que nos diz o Aurélio: Sociedade Espiritualista Mata Virgem Curso de Umbanda O QUE É A UMBANDA Verbete: umbanda [Do quimb. umbanda, 'magia'.] S. m. 1. Bras. Forma cultual originada da assimilação

Leia mais

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES A Conteúdo: Navegadores e comerciantes Sociedade e costumes A Habilidades: Compreender a organização política e administrativa da sociedade fenícia Identificar alguns elementos próprios da cultura fenícia

Leia mais

O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO.

O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO. O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO. Nadijja Carmo Domingos da Silva 1 Profª Drª Zuleica Dantas Pereira Campos 2 RESUMO A organização básica de um terreiro de Xangô se estrutura em torno

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA TRILHANDO OS CAMINHOS DAS RELIGIÕES AFRO - BRASILEIRAS EM CAMPINA

Leia mais

Religiosidade: entre negociação e conflito Pentecostais, católicos e adeptos de religiões afro-brasileiras em Ilhabela e Ubatuba.

Religiosidade: entre negociação e conflito Pentecostais, católicos e adeptos de religiões afro-brasileiras em Ilhabela e Ubatuba. Religiosidade: entre negociação e conflito Pentecostais, católicos e adeptos de religiões afro-brasileiras em Ilhabela e Ubatuba. Márcia Merlo Doutora em Ciências Sociais PUC-SP Resumo Este artigo aborda

Leia mais

AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ

AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ Maria Aparecida S. de Aguiar Universidade Estadual de Santa Cruz aaguiar56@yahoo.es

Leia mais

A TERAPIA E A CURA NA UMBANDA (RESULTADOS PARCIAIS)

A TERAPIA E A CURA NA UMBANDA (RESULTADOS PARCIAIS) A TERAPIA E A CURA NA UMBANDA (RESULTADOS PARCIAIS) FIORI, T.A; ALVES, A.L.P.P. RESUMO O presente trabalho pretende traçar as características do que consideramos doença e seu processo de cura através de

Leia mais

Observação e experiência de aprendizagem musical com os ogãs de um centro umbandista de Campinas-SP

Observação e experiência de aprendizagem musical com os ogãs de um centro umbandista de Campinas-SP Observação e experiência de aprendizagem musical com os ogãs de um centro umbandista de Campinas-SP Nathan Tejada de Podestá 1 RESUMO: Este artigo consiste em um relato crítico, sob a luz de Ortiz (1999),

Leia mais

Rita Amaral - Vagner Gonçalves da Silva

Rita Amaral - Vagner Gonçalves da Silva Rita Amaral - Vagner Gonçalves da Silva O candomblé, enquanto culto organizado. não remonta, em São Paulo, há mais de três ou quatro décadas. Marcado por um desenvolvimento particular, a partir dos processos

Leia mais

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa Congada e ucáçá~o I fa til Justificativa PROJETOS CULTURAIS O Brasil é um país com grande diversidade étnica e cultural. É preciso dar importância e valorizar a cultura dentro e fora da escola, criando

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS Jörg Garbers GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS ORIGEM CARACTERÍSTICAS CONCEITOS RELIGIOSOS 1 FARISEUS 1.1 O NOME O nome fariseu provavelmente significa, os que se separam, os separados. O nome já expressa

Leia mais

MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1

MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1 1 MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1 Mundicarmo Ferretti 2 RESUMO O trabalho versa sobre as relações entre gênero, religião e poder nas religiões afro-brasileiras, tomando

Leia mais

INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM

INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM INFLUÊNCIA CULTURAL AFRICANA: DANÇAS, JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PARINTINS/AM Lenomar Nogueira Batalha Instituto de Ciências Sociais Educação e Zootecnia, ICSEZ/UFAM. Email: lenomano@yahoo.com.br

Leia mais

FESTA NO QUILOMBO: MESTRES E CANTADORES DE COCOS NA JUREMA PARTY IN QUILOMBO: MASTERS AND COCO SINGERS AT JUREMA

FESTA NO QUILOMBO: MESTRES E CANTADORES DE COCOS NA JUREMA PARTY IN QUILOMBO: MASTERS AND COCO SINGERS AT JUREMA FESTA NO QUILOMBO: MESTRES E CANTADORES DE COCOS NA JUREMA PARTY IN QUILOMBO: MASTERS AND COCO SINGERS AT JUREMA Marinaldo José da Silva 1 Resumo: A proposta é mostrar uma experiência de pesquisa de campo

Leia mais

EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO

EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO EJA 4ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II As tradições religiosas e os textos sagrados. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6.2 Conteúdo: Religiões de matriz Orientais Hinduísmo Índia;

Leia mais

15 a. Aula. Pontos riscados. Definição

15 a. Aula. Pontos riscados. Definição 1 o. Curso de Dirigentes da Fraternidade do Grande Coração Proposta: preparar umbandistas para a organização e direção espiritual de casa de umbanda, através de um conhecimento aprofundado da umbanda ancestral

Leia mais

A CROMOTERAPIA NA UMBANDA

A CROMOTERAPIA NA UMBANDA A CROMOTERAPIA NA UMBANDA I. INTRODUÇÃO A utilização da cor em qualquer religião, ou melhor, em qualquer processo mágico remonta aos tempos mais antigos. A luz é uma vibração energética, da mesma forma

Leia mais

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE Candomblé: Fé e Cultura 1 Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE RESUMO O presente trabalho apresenta, por meio de um ensaio fotográfico, a cultura do

Leia mais

10a edição CAMPINAS SP 2013

10a edição CAMPINAS SP 2013 10 a edição CAMPINAS SP 2013 SUMÁRIO Apresentação... IX PRIMEIRA UNIDADE CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 1. Mediunidade e doutrina espírita...3 2. Importância do método e do estudo prévio...9 3. Reuniões doutrinárias

Leia mais

As principais características de cultura como visão de mundo. Herança cultural e formas de compreender o mundo. Unidade 2: A Cultura

As principais características de cultura como visão de mundo. Herança cultural e formas de compreender o mundo. Unidade 2: A Cultura As principais características de cultura como visão de mundo Herança cultural e formas de compreender o mundo Cultura como visão de mundo: [...] a cultura é como uma lente através da qual o homem vê o

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

Doutoranda em Sociologia pela Universidade de São Paulo. E-mail:celiarribas@yahoo.com.br

Doutoranda em Sociologia pela Universidade de São Paulo. E-mail:celiarribas@yahoo.com.br PRANDI, REGINALDO. OS MORTOS E OS VIVOS: UMA INTRODUÇÃO AO ESPIRITISMO. SÃO PAULO: TRÊS ESTRELAS, 2012, 116 P. Célia da Graça Arribas 1 Quando Reginaldo Prandi, um dos principais estudiosos das religiões

Leia mais

WALDEHIR BEZERRA DE ALMEIDA A COMPLEXIDADE DA PRÁTICA MEDIÚNICA 2ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA

WALDEHIR BEZERRA DE ALMEIDA A COMPLEXIDADE DA PRÁTICA MEDIÚNICA 2ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA WALDEHIR BEZERRA DE ALMEIDA A COMPLEXIDADE DA PRÁTICA MEDIÚNICA 2ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE DAS CAVERNAS À SOCIEDADE PARISIENSE DE ESTUDOS ESPÍRITAS SPEE CAPÍTULO

Leia mais

Grupo Samba de Roda SUSPIRO DO IGUAPE

Grupo Samba de Roda SUSPIRO DO IGUAPE Santiago do Iguape fica localizado no distrito rural do Município de Cachoeira. No entorno desse povoado fica concentrado o maior numero de ruínas de engenhos e Comunidades quilombolas do Recôncavo Baiano

Leia mais

Do azeite à água. por Sônia Chada. Azeite e água são aqui metáforas. O foco deste ensaio gira em torno de uma

Do azeite à água. por Sônia Chada. Azeite e água são aqui metáforas. O foco deste ensaio gira em torno de uma Do azeite à água por Sônia Chada Azeite e água são aqui metáforas. O foco deste ensaio gira em torno de uma cerimônia de Caboclo, Solene 1 de Boiadeiro, na qual transformações históricas que, a despeito

Leia mais

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO.

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. Resumo Francy Eide Nunes Leal Esse trabalho tem como objetivo apresentar a discussão sobre catolicismo popular no Brasil e promover

Leia mais

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA

A JORNADA DA ABUNDÂNCIA A JORNADA DA ABUNDÂNCIA O xamanismo é uma filosofia de vida muito antiga e ancestral, que visa o reencontro do homem com os ensinamentos e fluxo da natureza, com seu próprio mundo interior, com sua sabedoria

Leia mais

FOLHAS HISTÓRIA - PDE O LEGADO RELIGIOSO DOS AFRO-DESCENDENTES

FOLHAS HISTÓRIA - PDE O LEGADO RELIGIOSO DOS AFRO-DESCENDENTES FOLHAS HISTÓRIA - PDE Autor: Valmir Biaca NRE: Curitiba Escola: Colégio Estadual do Paraná Disciplina: História ( x ) Ensino Fundamental ( ) Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar 1: Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA Agentes sociais e práticas de cura: estudo sobre concepções de doença e itinerários terapêuticos em

Leia mais

8 Nubor Orlando Facure

8 Nubor Orlando Facure SUMÁRIO 1. Introdução...7 2. O estudo antropológico...9 3. Mediunidade e sua neurofisiologia Uma interpretação biológica, psicológica e sua transcendência espiritual...17 4. Mediunidade em quatro abordagens...19

Leia mais

Uma corrente é uma cadeia de

Uma corrente é uma cadeia de DIVERSAS CORRENTES Uma corrente é uma cadeia de elos unidos e destes depende sua capacidade de resistência à ruptura e a confiança em sua finalidade. Quando falamos corrente mediúnica designamos a que

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 123, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 123, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 123, DE 2015 Dispõe sobre a atividade de Ministro de Confissão Religiosa e carreiras afins. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função

Leia mais

Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil

Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil Fundamentos Históricos de Enfermagem Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil A Enfermagem no Brasil A enfermagem na sociedade brasileira é dividida em três fases: A organização da enfermagem na sociedade

Leia mais

8 Nubor Orlando Facure

8 Nubor Orlando Facure SUMÁRIO 1. Introdução...7 2. O estudo antropológico...9 3. Mediunidade e sua neurofisiologia Uma interpretação biológica, psicológica e sua transcendência espiritual...17 4. Mediunidade em quatro abordagens...19

Leia mais