Grupo de Pesquisa: Economia e Gestão no Agronegócio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo de Pesquisa: Economia e Gestão no Agronegócio"

Transcrição

1 1 ESTABELECIMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO ATRAVÉS DA ANÁLISE E PREVISÃO DE DEMANDA PARA RACIONALIZAÇÃO DOS ESTOQUES UM ESTUDO DE CASO PARA COMPENSADO NAVAL Apresentação Oral-Economia e Gestão no Agronegócio FABIANO SILVA PEREIRA; ALEXANDRE BANDEIRA MONTEIRO E SILVA; MADALENA MARIA SCHLINDWEIN. UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, DOURADOS - MS - BRASIL. ESTABELECIMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO ATRAVÉS DA ANÁLISE E PREVISÃO DE DEMANDA PARA RACIONALIZAÇÃO DOS ESTOQUES UM ESTUDO DE CASO PARA COMPENSADO NAVAL Grupo de Pesquisa: Economia e Gestão no Agronegócio RESUMO Este artigo tem o objetivo de demonstrar a importância dos modelos de Análise e Previsão de Demanda como ferramenta para diminuir a distância entre a necessidade e a disponibilidade do produto no estoque. A metodologia adotada envolveu o estudo de séries temporais, a aplicação de modelos de previsão de demanda e análise da acuracidade das mesmas. Os principais resultados demonstraram, que o comportamento de demanda do produto analisado, possui como característica predominante o comportamento sazonal e dentre as modelagens de previsão aplicadas, a que possuiu maior acuracidade na previsão é o Modelo com Suavização Exponencial Corrigida dos Efeitos da Sazonalidade. Palavras-chave: Análise e Previsão de Demanda; Controle de estoques, Otimização de compra; Curva ABC. ABSTRACT This article has the objective to demonstrate the importance of the models of Analysis and Forecast of Demand as a tool to reduce the distance between the necessity and the availability of the product in the stock. The adopted methodology involved the study of time series, the application of models of demand forecast and analyzes of the precision of the same ones. The main results showed that the behavior of the product demand analysed, has a predominant feature a seasonal behavior. The greater accuracy in forecasting for that was the Exponential Smoothing Model with Effects corrected of the seasonal. Key words: Demand forecasting; Stock control; Purchase optimization; Curve ABC.

2 2 1. INTRODUÇÃO No processo de gestão da empresa, o uso de estratégias, fórmulas e desenvolvimento de procedimentos para compra de material para estoque, ganham importância cada vez maior. De uma forma geral, administrar uma empresa envolve inúmeras dificuldades. Os administradores, em sua grande maioria, atentam para a qualidade de atendimento como um ponto importante a ser atingido, porém, devem levar em conta que, em um mercado cada vez mais globalizado e competitivo, simplesmente oferecer um produto com um atendimento diferenciado, não é privilégio de poucas empresas, principalmente em cidades de médio e grande porte. O preço de venda e a disponibilidade do produto, atualmente, podem ser o diferencial entre comercializar ou não um produto. O preço final de um produto depende da combinação de uma série de eventos, os quais, uma vez bem sucedidos, contribuem, de forma positiva, para que o preço final do produto tornese competitivo no mercado e atinja o objetivo principal da organização empresarial, o lucro. A disponibilidade do produto afeta diretamente no suprimento da demanda, onde não vender um produto devido à ruptura no estoque gera além do não faturamento, a disposição do consumidor em buscar outros fornecedores e comprometer negociações futuras. A falta do produto nos estoques abre espaço para que em futuras negociações haja a preferência do consumidor em voltar a última empresa que lhe atendeu a contento com o produto disponível nos estoques. Encontrar a melhor forma de estabelecer o processo de compras de compensado naval, com base no comportamento do estoque nos períodos mensais anteriores, através da análise da previsão da demanda, proporciona um maior controle dos estoques, minimizando a ruptura 1 e o excesso dos produtos. Tais informações permitem também subsidiar o processo de tomada de decisão e conhecimento acerca da demanda dos estoques permitindo a formulação de estratégias de compras. Dentre as dificuldades encontradas na comercialização de produtos, observa-se que gerir estoques é uma tarefa que requer cuidados, tais como: 1) administrar as informações referentes à compra e venda de compensados naval; 2) obter a melhor condição de compra com o menor estoque ocioso; 3) comprar compensados naval na quantidade mais adequada ao estoque ideal - levando em consideração o valor da compra e os benefícios oferecidos pela indústria; 4) ter um produto com a quantidade necessária a um custo menor que demonstrem a importância em se aprofundar o tema. Manter um nível de estoques de compensados naval proporcional ao volume de vendas mensal trará para a empresa avaliada maior fluidez no capital investido. Este trabalho possui como objetivo geral racionalizar pedidos de reposição de compensados naval baseados na previsão de demanda através da aplicação de fórmulas de modelagem de série temporal a serem implantadas no sistema de Banco de Dados da empresa avaliada em Dourados. 1 Ruptura do estoque: é caracterizada quando o estoque chega a zero e não se pode atender a uma necessidade de consumo, uma requisição ou mesmo uma venda.

3 3 Como objetivos específicos, tem-se: 1) Demonstrar o comparativo dos diferentes modelos de previsões aplicadas. 2) Determinar o melhor modelo de previsão de demanda através da aplicação da Média Absoluta Percentual dos Erros (MAPE). A metodologia utilizada baseia-se na identificação do tipo de demanda que o produto analisado possui, através da aplicação de modelos de previsão de demanda e seleção de qual modelo possui maior acuracidade, oferecendo ao tomador de decisões informações que lhe auxiliarão na elaboração de pedidos de reposição dos estoques. Além desta introdução, o presente trabalho divide-se em 4 partes. No segundo tópico há uma sucinta caracterização do mercado de compensados. No tópico 3 é apresentada a metodologia que serviu de alicerce para este trabalho. Em seguida, tem-se a análise e discussão dos dados. Por fim, a conclusão deste trabalho é apresentada no tópico CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DE COMPENSADOS 2.1. O Mercado de Compensados Nos últimos anos, devido à forte demanda externa, as pouco mais de 200 fábricas instaladas no Brasil, possuem capacidade de produção em conjunto de aproximadamente 4 milhões de m 3 anuais. A indústria do compensado tem investido em modernização de forma a aumentar os níveis de produção e garantir a competitividade no mercado internacional. Atualmente dois terços da área do Brasil são formados por florestas naturais e florestas plantadas. Os 544 milhões de hectares são formados principalmente por florestas naturais e estão localizadas na região amazônica ocupando uma área de quase 539 milhões de hectares. As florestas plantadas por sua vez ocupam aproximadamente 5,5 milhões de hectares (FAO 2000, 2001). Há um aumento crescente no plantio de florestas de Pinus e Eucalipto, porém quase a totalidade da produção de madeira tropical consumida pela indústria de madeira processada mecanicamente no Brasil é proveniente de florestais naturais de produção privadas. As maiores áreas plantadas com Pinus estão nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Mato Grosso do Sul e Amapá. (ANUÁRIO-ABRAF 2006); enquanto as maiores áreas plantadas com eucalipto estão situadas nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Pará, Santa Catarina, Maranhão, Amapá, Goiás e Mato Grosso. Cabe ressaltar que há outros estados não citados devido a pouca área plantada. (ANUÁRIO-ABRAF 2006) Em 2004, o Brasil retomou o crescimento e melhorou no ranking das maiores economias mundiais. Tal fato não era observado desde 1994 e deve-se ao reaquecimento do mercado doméstico e do excelente desempenho das exportações. O setor terciário (serviços), que possui uma representação média de 54% do PIB nacional (2004), é seguido pelo setor secundário (indústria) que responde por 37% e, finalmente, pelo primário (agropecuária) que representa apenas 9% do PIB brasileiro (ABIMCI, 2005). A Indústria da Madeira demonstra que possui grande importância no PIB, geração de empregos, investimentos esperados, nas exportações para a economia nacional (Tabela 1). A madeira está entre os principais produtos que contribuíram com o excelente desempenho das exportações brasileiras em 2004, alcançando em 2006 o total de 4,6 bilhões de dólares ou uma participação de 3,3% do total da exportação. O setor de base florestal tem a indústria de madeira processada mecanicamente como maior fonte de geração de empregos além da posição de destaque como gerador de postos de trabalho na indústria de transformação em geral. Estima-se que em 2004, a indústria de madeira processada mecanicamente tenha gerado 2,5 milhões de postos de trabalho diretos e indiretos. (ABIMCI, 2005). Em 2006, este percentual foi de aproximadamente 2,1 milhões de postos de trabalho.

4 4 O volume de postos de trabalho gerados pela indústria da madeira processada mecanicamente no Brasil possui uma capacidade de geração de emprego maior do que outras indústrias, como o caso da automobilística. A cada R$ 1 milhão investido pela indústria de madeira processada mecanicamente no Brasil são gerados entre 10 e 20 postos de trabalho, enquanto que a indústria automobilística, por exemplo, para cada R$ 1 milhão investido gera menos de um posto de trabalho (ABIMCI, 2005). Tabela 1- Indicadores Sócio-Econômicos da Indústria de Base Florestal e da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (2006) Indicador Indústria de Base Florestal Indústria de Madeira Processada Mecanicamente PIB US$ 37,3 bilhões US$ 12,8 bilhões (3,5% do PIB nacional) (1,2% do PIB nacional) PEA (empregos) 8,5 milhões 2,1 milhões (8,7% da PEA nacional) (2,2% da PEA Nacional) Capacidade de Geração de Empregos (a cada R$ 10 milhões investidos) 352 empregos diretos; 374 indiretos e; 565 efeito-renda. Total = empregos diretos; 219 indiretos e; 294 efeito-renda. Total = 806 Consumo de Energia Elétrica GW.h (3,5% da energia elétrica consumida pelo país) GW.h (menos de 1% da energia elétrica consumida pelo país) Arrecadação Tributária US$ 5,2 bilhões (1,4% do total da arrecadação nacional) US$ 2,2 bilhões (0,6% do total da arrecadação nacional) Exportação US$ 8,5 bilhões US$ 4,6 bilhões (6,2% do total da exportação) (3,3% do total da exportação) Superávit US$ 6,8 bilhões US$ 3,9 bilhões (14,6% do superávit nacional) (8,5% do superávit nacional) Investimentos Esperados US$ 18 bilhões US$ 5 bilhões (perspectiva até 2014) (perspectiva até 2014) Fonte: STCP - (ABIMCI. <http://www.abimci.com.br/importancia_setor.html>, 2006) A predominância da exportação de celulose e papel que ocorria durante a década de 1990 teve sua tendência invertida em 2004 frente aos produtos de madeira sólida e com isso os produtos de madeira sólida passaram a contribuir com 57% (US$ 3,9 bilhões) das exportações brasileiras de produtos florestais, enquanto que celulose e papel responderam por apenas 43% (US$ 2,9 bilhões). As exportações brasileiras de produtos florestais atingiram o montante recorde de US$ 6,8 bilhões em Em 2006, o total foi de 4,6 bilhões de dólares (ABIMCI, 2006). As exportações foram o principal fator de mudança dessa tendência e em 2004 a produção de compensado tropical atingiu 3,8 milhões de m 3. A taxa média de crescimento das exportações brasileiras de compensado foi de 14,5% ao ano. durante os últimos 10 anos. Em 2004, o Brasil exportou 2,9 milhões de m 3. Esse excelente desempenho deve-se em parte ao agronegócio. A indústria florestal, em especial a indústria de madeira processada mecanicamente, exerce atualmente forte influência na balança comercial do agronegócio do Brasil. Em 2004, 17% do montante total exportado de agronegócios resultou dos produtos florestais. Os produtos florestais, no comercio internacional, perdem somente para o complexo soja. Somente os produtos de madeira sólida representaram 10% das exportações brasileiras de agronegócios (US$ 3,9 bilhões). (ABIMCI, 2004).

5 Perfil da Empresa A Empresa avaliada é uma empresa familiar que atua em Dourados no sul do Estado do Mato Grosso do Sul há 23 anos e conta hoje com um portfólio constituído desde portas e compensados de madeiras a fechaduras, forros de PVC, coberturas ecológicas e tubos metálicos, vernizes e produtos para acabamento em construção civil. Recentemente a empresa montou uma pequena linha de produção em novo endereço, na mesma cidade, com o objetivo de fabricar batentes, guarnições e portas para residências complementando seu portfólio. No segundo semestre de 2009, a Empresa avaliada inaugurará uma filial. Esta segunda empresa também possuirá prédio próprio, ao lado das instalações onde atualmente são produzidas portas, batentes e guarnições. A filial possuirá outra razão social, porém o sistema de Banco de Dados será parcialmente interligado, permitindo que ambas as empresas possam vender produtos uma da outra. As compras serão efetuadas considerando-se o somatório dos estoques da previsão das empresas. Os produtos oferecidos pela empresa encontram-se divididos em categorias como: portas, compensados, forros de madeira, forros de PVC, guarnições e batentes, assoalhos e rodapés, divisórias, piso de madeira e estruturas metálicas. Além dos produtos, a empresa também presta serviços de mão-de-obra e conta com profissionais treinados para atender aos clientes na instalação de pisos de madeira, divisórias e forros de PVC. 3. METODOLOGIA 3.1. Fundamentação Teórica Administração de materiais A preocupação empresarial antes da década de 1980 era vender, produzir e faturar. Porém surgiram dois grandes problemas: O trabalhista e as despesas financeiras elevadas. Enfrentá-los era um problema que poucas empresas estavam preparadas, principalmente as familiares (DIAS, 1995). Para sobreviverem no mercado, os estoques elevados tiveram que ser esquecidos devido a sua não eficácia demonstrada pelos elevados custos e conseqüentemente os enormes riscos de usá-los como fator especulativo. Em economias estáveis, estoques elevados perdem como fator especulativo e passam a figurar como custo, seja pelo excesso ou pela falta do produto na empresa. Cabe ao setor de compras a responsabilidade em administrar os estoques, evitando a escassez do produto na empresa, fazendo com que os estoques sejam os amortecedores entre a oferta e a demanda. Nas empresas, aplicações em ambientes de sistemas de produção/estoques podem envolver de poucas centenas a vários milhares de itens. (MONTGOMERY et al., 1990, p. 289) apud (TEIXEIRA, 2004, p. 59). A análise ABC é uma das formas mais utilizadas para se examinar a qualidade dos estoques, pois permitem filtrar apenas a parcela que merece atenção e controle mais rígido do gerente. Consiste na verificação, em certo espaço de tempo (normalmente 6 meses ou 1 ano), do consumo, dos itens de estoque, dividindo-os em três classes, de acordo com o volume monetário envolvido em cada item. Na classe A são incluídos cerca de 20% dos itens, que contabilizam 80% do volume monetário anual total; na classe B, composta de 20% a 30% dos itens, são contabilizados 15% do volume monetário anual total e a classe C, integrada por 30% a 60% dos itens, é responsável por 5% do volume monetário anual total (ELSAYED; BOUCHER, 1994) apud (TEIXEIRA, 2004). Na curva ABC, os itens do grupo A são os que merecem maior atenção, os itens do grupo B recomenda-se atenção intermediaria e, quanto aos itens pertencentes ao grupo C, requerem um acompanhamento mínimo na maioria dos casos (ELSAYED; BOUCHER, 1994) apud (TEIXEIRA, 2004).

6 3.2. Fundamentação Empírica Séries Temporais Durante processos de tomada de decisão os dados históricos, como por exemplo: as informações sobre o comportamento passado dos clientes são importantes para fornecer informações relacionadas à demanda e permitem traçar um horizonte específico. Esse horizonte é composto de dados históricos da demanda a partir de uma série de tempo ou série temporal. Baseiam-se na suposição de que o histórico da antiga demanda é um bom indicador da demanda futura (CHOPRA, 2004, p.71). Uma série temporal é um conjunto de observações de uma variável de interesse, tomadas seqüencialmente no tempo. Em geral, a variável é observada em pontos discretos (momentos) no tempo. Tipicamente, observações temporalmente adjacentes são dependentes entre si. A análise da série temporal consiste em descrever o processo ou os fenômenos que dão origem a essa seqüência, bem como estudar a dependência existente entre as observações. (BOX e MONTGOMERY) apud (TEIXEIRA, 2004). Uma série temporal pode atender diferentes objetivos específicos como: fazer previsões de valores futuros da série temporal como: vendas, produção, estoques; descrever o comportamento da série ou ainda procurar periodicidade relevante nos dados dentre outros objetivos (MORETTIN; TOLOI, 2006). A análise da série temporal tem por objetivo determinar se as séries apresentam algum padrão não-aleatório e também se esses padrões podem ser usados para predições quanto ao futuro (STEVENSON, 1981). Uma série temporal possui comportamentos distintos entre si. Em uma mesma organização podem existir diversos produtos com comportamentos de demanda diferentes. Por exemplo, a demanda de portas de madeira para residências e compensados de madeira destinados a fabricação de carrocerias de caminhões e carretas podem fazer parte do estoque de uma mesma empresa e possuírem comportamentos de demanda distintos. Sendo assim, o padrão de comportamento descreve a forma que a série temporal oscila dentro de determinado período de tempo. É de vital importância identificar qual é o padrão da série analisada. São quatro os tipos de padrões de séries temporais a saber: horizontal, inclinado (tendência), cíclico e sazonal (MAKRIDAKIS et al.) apud (TEIXEIRA 2004, p.23). As estimativas dos produtos a serem comercializados pela empresa são obtidas pela previsão de consumo ou da demanda. A flutuação dos dados do padrão horizontal será instrumento para a previsão do consumo para o período seguinte. A previsão do consumo do material é a base para toda teoria dos estoques. Um padrão horizontal existe quando os valores dos dados flutuam ao redor de uma média constante (MADRIDAKIS et al.) apud (TEIXEIRA, 2004, p. 22). Quando há variações que diferem do modelo de evolução de consumo constante, onde estas evoluções passam por oscilações regulares no decorrer de certos períodos denominam-se, variações sazonais. Estas possuem como características variações cíclicas com prazo relativamente curto (um ano ou menos), e estão, em geral, relacionadas com variações da época (tempo), ou feriados (STEVENSON, 1981) e que para (POZO, 2001), fatores culturais ou mesmo ambientais podem estar influenciado tais desvios, sempre superiores a 30% dos valores médios, o que o caracteriza como um modelo de Evolução de Consumo Sazonal (ECS). Algumas séries temporais possuem evolução de consumo de crescimento gradativo, por exemplo, em virtude do lançamento de algum produto novo ou queda gradativa em função, de perca de mercado. Ambos exemplos, caracterizam séries com Evolução de Consumo de Tendência (ECT), (POZO, 2001), uma vez que o volume de consumo aumenta ou diminui drasticamente no decorrer de um período ou do ano, e é influenciado por fatores 6

7 7 culturais, ambientais, conjunturais e econômicos que acabam por ocasionar desvios de demanda de forma positiva ou negativa. Durante a existência de um produto na organização, diversos modelos de evolução de demanda podem ocorrer cada qual há seu tempo, o que torna importante que o administrador ou comprador perceba qual comportamento é o predominante na série temporal daquele produto naquele momento, garantindo assim a previsão dos produtos seja realista e não otimista ou pessimista Modelos e Procedimentos de Previsão A previsão da demanda é a tentativa de acertar o comportamento do mercado num futuro bem próximo. Os gráficos de demanda ajudam a visualizar as tendências. Vários fatores influenciam as variações aferidas, essas variações possuem características que as tornam distintas entre si e devem ser levadas em consideração para encontrar a melhor forma de prever o consumo. O modelo de previsão é uma descrição probabilística de uma série temporal e cabe ao usuário decidir como utilizar este modelo tendo em vista seus objetivos (MORETTIN; TOLOI, 2006, p. 6). Realizar previsões de demanda é importante para auxiliar na determinação dos recursos necessários para a empresa (MAKRIDAKIS et al., 1998) apud (WERNER e RIBEIRO, 2003). Dessa forma, prever a demanda de compensados está intimamente ligado a disponibilização do produto para um atendimento eficaz aos clientes. Através de cálculos, (DIAS, 1995), afirma que se pode trazer para Compras a quantidade estimada para Vendas no próximo mês, seguindo a tendência do comportamento dos meses anteriores. Para decidir quais serão as dimensões e a distribuição no tempo da demanda dos produtos, duas categorias podem classificar e servir para fornecer informações básicas. São elas: quantitativas e qualitativas. Os métodos quantitativos, também denominados métodos de forecasting 2, baseiamse na análise de séries temporais. Métodos qualitativos baseiam-se em opiniões de especialistas, são vulneráveis a tendências que podem comprometer a confiabilidade de seus resultados (PELLEGRINI e FOGLIATO, 2007). Através das técnicas de forecasting é possível extrair, dos dados que compõem a série temporal informações que permitam a modelagem matemática de seu comportamento. Supor a continuidade nesse comportamento de demanda é realizar previsões onde estas possuem maior qualidade e precisão mais aproximadas da realidade do que previsões feitas intuitivamente, baseadas unicamente na experiência dos gestores. (PELLEGRINI & FOGLIATO, 2007). Vale lembrar que em situações reais não se conhece a forma exata do modelo da série temporal, com isso, faz-se necessário escolher um modelo aproximado. O uso da Econometria e de séries temporais são predominantes em Economia. O procedimento econométrico é fortemente baseado na teoria econômica para a construção do modelo de previsão e o de séries temporais permite que os dados estatísticos falem por si e permitam a construção de seu modelo de previsão (MORETTIN; TOLOI, 2006). Cada empresa trabalha com uma realidade distinta, da mesma forma, dentro da empresa, determinados tipos de produtos tem a necessidade de terem suas previsões de consumo calculadas baseados em outros modelos. O que pode ser uma boa estimativa para um determinado produto, para outro pode não ser um bom parâmetro de aferição. Algumas vezes, para se captar uma característica no comportamento de uma série temporal, faz-se necessário uma agregação de seus elementos temporais, ou seja, a Definição dos Níveis de Agregação (PELLEGRINI e FOGLIATTO, 2007). Por exemplo: Se os dados analisados forem diários, pode não ser possível visualizar com facilidade o padrão da série 2 Forecasting: previsão

8 temporal; porém, se demonstrado em uma base mensal, o comportamento da série poderá ser visualizado. Dessa forma, a agregação dos dados em períodos semanais e mensais pode gerar algum padrão que possa ser identificado na série de maneira distinta. Para elaborar a previsão futura de demanda, é importante conhecer qual tipo é a evolução de demanda da empresa e escolher o método que trás à empresa previsões mais próximas da quantidade que o mercado necessitará para o período que virá. A elaboração e escolha do modelo de previsão dependem do comportamento da série, do objetivo da análise, métodos apropriados de estimação e da disponibilidade de softwares adequados para a previsão (MORETTIN; TOLOI, 2006). Há diversos modelos de previsão de demanda, dos quais, os mais justificáveis na atualidade empresarial são: Método da Média Aritmética (MMA) ou Média Móvel, Método da Média Ponderada (MMP), Modelo de Suavização Exponencial ou Método da Média com Suavização Exponencial (MMSE) ou Suavização Exponencial Simples (SES), Método de Previsão para Séries Temporais Sujeitas a Fenômenos Sazonais. O Método da Média Aritmética ou Média Móvel, (STEVENSON, 1981, 420p.), consiste na previsão do próximo período através do cálculo da média aritmética dos períodos anteriores. Este modelo possui como principal desvantagem atribuir o mesmo peso para as informações mais antigas e informações mais recentes. O Método da Média Ponderada (DIAS, 1995), resulta a previsão para o próximo período através do cálculo da média dos valores de consumo dos períodos anteriores, no qual os períodos mais próximos recebem um peso maior que os valores correspondentes aos períodos anteriores cuja soma das ponderações sejam 100%. Os valores das ponderações como regra geral devem ter um peso de 40 a 60% para o período mais recente e para o último período, 5% (POZO, 2001). A alocação será sempre função da sensibilidade do administrador em relação às variáveis e mudanças de mercado, este método é bastante indicado em séries temporais com padrões constantes e padrões irregulares. Estes métodos usam uma ponderação distinta para cada valor observado na série temporal, de modo que valores mais recentes recebam pesos maiores. Assim, os pesos formam um conjunto que decai exponencialmente a partir de valores mais recentes (PELLEGRINI e FOGLIATTO, 2007). Os modelos de Suavização Exponencial são amplamente utilizados para previsão de demanda devido a sua simplicidade, facilidade de ajuste e boa precisão (MORETTIN; TOLOI, 2006). A ponderação utilizada é denominada constante de suavização exponencial, que tem o símbolo ou α e pode variar de 0 (POZO, 2001). A expressão acima deixa claro que se trata de uma relação recursiva e que atribui peso maior para D t decrescendo o peso para as observações anteriores. Simplificando, é a diferença entre o que foi demandando no primeiro período anterior e a previsão daquele período, multiplicado pela constante de suavização; onde o resultado deverá ser somado à previsão do primeiro período anterior. Este resultado é a previsão para o próximo período conforme demonstra a tabela abaixo. A estabilidade das previsões das séries temporais está diretamente ligada ao valor de α de modo que quanto menor for seu valor, mais estável será a previsão, pois (α) estará exercendo um peso menor no cálculo da previsão. Quanto mais aleatórias forem as séries temporais, em geral, menores são os valores da constante de suavização (α). Este modelo de previsão possui como vantagens o fácil entendimento; aplicação não dispendiosa; grande flexibilidade devido à variação da constante α; necessidade de armazenar somente M t-1, D t-1 e α. Como desvantagem para este modelo percebe-se a dificuldade em determinar o valor mais apropriado da constante de suavização. Dificuldade esta que pode ser superada com a aplicação da suavização exponencial adaptativa de Trigg e Leach (MORETTIN; TOLOI, 2006). 8

9 9 O Método de Previsão para Séries Temporais Sujeitas a Fenômenos Sazonais é utilizado em séries temporais com padrões sazonais, como no caso dos compensados navais, que apresentam maior demanda em determinados meses do ano (tempo), e menor demanda em outros. O comportamento do compensado naval possui características de sazonalidade. Tal produto é largamente empregado na fabricação e reforma de carrocerias de caminhões e carretas, e possui variação de demanda relacionada com o período de entressafra. Nestas épocas, o volume de fretes para escoamento da produção de grãos no Mato Grosso do Sul diminui. Essa ociosidade permite aos proprietários desses veículos efetuarem reparos e reformas sem grandes perdas com fretes (MORETTIN; TOLOI, 2006). Uma grande variedade de modelos de previsão podem ser utilizadas em séries temporais que possuem sazonalidade. As previsões podem ser ainda mais precisas se removido o componente sazonal (MAKRIDAKIS e HIBON, 1997) apud (PELLEGRINI e FOGLIATTO, 2007). O Método de Previsão para Séries Temporais Sujeitas a Fenômenos Sazonais corrige a série temporal do efeito da sazonalidade através da divisão dos valores da série temporal pelos respectivos valores sazonais; realiza a previsão através do Métodos de Previsão, e por fim multiplica a previsão pelos fatores sazonais incorporados a sazonalidade (NOGUEIRA 3, 2008) Escolha do Modelo de Previsão A escolha do modelo de previsão apropriado a uma série de dados temporais deve estar baseada na precisão do modelo e em fatores que influenciam a demanda a ser analisada. Atualmente, os modelos de previsão, estão situados em algum ponto entre os extremos formados por modelos teóricos exatos e modelos exclusivamente empíricos (BOX et al.,1994) apud (TEIXEIRA, 2004). No ajuste de modelos, uma análise teórica pode, algumas vezes, indicar não somente a forma apropriada para o modelo, mas também prover boas estimativas para o valor numérico de seus parâmetros. Esses valores podem, então, ser conferidos pela análise dos dados (TEIXEIRA, 2004). Vários modelos de previsão de demanda podem ser empregados dependendo do comportamento da série temporal que se deseja analisar. Para decidir sobre qual modelo de previsão utilizar é de fundamental importância avaliar a acuracidade ou precisão das previsões a fim de saber qual modelo de previsão será capaz de reproduzir os dados conhecidos de antemão. Para o usuário de previsão, o mais importante é a precisão das futuras previsões (MAKRIDAKIS et al., 1998, p. 41) apud (TEIXEIRA, 2004, p. 28). A medida do erro da previsão é importante porque estima o componente aleatório da demanda e também ajuda a identificar os casos em que o modelo de previsão adotado não é adequado (CHOPRA, 2004, p. 86). Dentre as diferentes formas de cálculo constituem-se em critérios para escolha de modelos mais apropriados as séries temporais. Os critérios mais utilizados são: a) Erro Quadrático Médio - (EQM), esta medida estima a variação do erro de previsão; b) Desvio Absoluto Médio (DAM), que é a média do desvio absoluto em todos os períodos e c) Erro Absoluto Médio Percentual (EAMP), este sendo o erro absoluto médio como porcentagem de demanda, também chamado de Média Absoluta Percentual dos Erros (MAPE), (CHOPRA, 2004). 3 NOGUEIRA, Fernando Modelagem e Simulação: Modelos de Previsão. Disponível em <http://www.engprod.ufjf.br/fernando/epd042/previs%e3o.pdf> Acesso em 13 de janeiro de 2008.

10 10 1 n n t= 1 t O MAPE é considerado a mais popular medida de erro e é calculada pela fórmula y t y y t, onde y t é o valor previsto pelo modelo especificado e n é o período de previsão, (KAHN, 1988) apud (PELLEGRINI e FOGLIATTO, 2007). Assim, usando um dos critérios de cálculo, o modelo adequado será aquele que tiver o menor erro associado Aplicação Empírica Conforme a natureza, abordagem e objetivos, o presente trabalho pretende ser classificado respectivamente, como uma pesquisa aplicada, quantitativa e como uma pesquisa do tipo estudo de caso. É uma pesquisa aplicada por ser orientada ao desenvolvimento de uma metodologia com vistas à solução de um problema específico. É uma pesquisa quantitativa por sua ênfase em análises numéricas, por envolver o uso de técnicas estatísticas. O trabalho enquadra-se no tipo estudo de caso por envolver o estudo de previsão de demanda e gestão de estoques em uma empresa específica, de maneira a conhecê-la ampla e detalhadamente. A delimitação deste estudo envolve compensados tipo naval, e sua relação com o estoque e proporção a serem compradas foi o objeto de estudo. A forma com que os dados foram coletados ocorreu através da coleta de dados secundários em loco utilizando o banco de dados da empresa. O banco de dados sofreu alterações para permitir a disponibilização, de forma mais precisa das informações relacionadas com o produto, a venda e a compra. Os dados da Empresa avaliada foram consolidados, em uma base de dados relacional. Tal base possui uma estrutura típica que inclui: tabelas de fornecedores, de produtos, de notas fiscais/faturas e de clientes; e permitem a classificação, a pesquisa, a recombinação e aplicação de outras funções às informações nelas contidas. Assim, houve a inserção de novas fórmulas nas tabelas e consultas para cálculo e cruzamentos de dados. O Banco de Dados chamado CORES (Controle e Organização de Estoques), foi desenvolvido em linguagem SQL e roda dentro da plataforma do Access em uma rede formada por 5 computadores, sendo 4 terminais e 1 servidor. No final de cada período mensal, houve a geração de relatórios, incorporando, portanto, as informações mais recentes oriundas da atividade comercial da empresa. Tais informações serviram de base para se tomar decisões que, combinadas, embasaram a aplicação do estudo. O contato com os fornecedores ocorreu através de , telefone, MSN, além de visitas na própria empresa. Outras informações foram obtidas através dos catálogos. A coleta dos dados, referentes à movimentação dos produtos na empresa, deu-se através dos relatórios gerados pelo banco de dados, e pela consulta de índices. Para técnica de análise, o Banco de dados, durante as vendas, registrou a movimentação de saída das mercadorias incluindo a data em que ocorrem, ao passo que, as informações de compras foram registradas conforme a chegada do produto (chegada na empresa e não data da compra). Para previsão foram aplicados, para comparação e análise, os métodos da Média Móvel, da Média Móvel Ponderada, da Suavização Exponencial e o Método da Suavização Exponencial Corrigida dos Efeitos da Sazonalidade. 4. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS A empresa avaliada possui em seu estoque produtos que vão desde fechaduras e portas até assoalhos para carretas e forros de PVC. Essa grande variedade de produtos, o que é bastante comum para grande parte das empresas, atende os mais diversos tipos de consumidores. Entretanto, pessoas que estão construindo ou reformando imóveis e

11 11 proprietários de carretas compõem a maior parte do público alvo da empresa. Os produtos da empresa encontram-se distribuídos nas categorias de: portas, batentes, forro PVC, puxadores, fechaduras, dobradiças, divisórias, compensados resinado, compensados plastificado, compensados moveleiro, compensado naval, guarnições, madeira serrada, forro de madeira, assoalhos de madeira. Essas categorias permitem, além de uma melhor organização dos produtos, uma análise mais elaborada, por grupo de itens, obtendo suas respectivas representatividades no estoque da empresa e no volume médio de vendas. Quantificar o estoque da empresa e o volume médio de vendas permite ao setor compras analisar a qualidade dos estoques daquela categoria em relação às demais. Através da Curva ABC, observou-se que a categoria Compensados, alvo deste artigo, possui boa representatividade nos estoques e nas vendas da empresa, situado entre os itens de classe A e B. Isto indica que a categoria Compensado Naval deve possuir melhor acompanhamento na demanda, evitando estoques excessivos ou rupturas pela falta do produto na empresa. Para identificar o comportamento do Compensado Naval, fez-se uma série histórica dos últimos 36 períodos (Gráfico 1). A série histórica foi composta das quantidades vendidas do compensado naval de 3,15 metros de comprimento por 1,60 metros de largura por 15 milímetros de espessura. Este tipo de compensado foi escolhido por ser o mais empregado na fabricação de carretas. Com base no gráfico 1, observa-se um padrão de sazonalidade na grande maioria dos produtos desta categoria. Gráfico 1 Série histórica do consumo do compensado naval de janeiro de 2005 a dezembro de Fonte: Dados primários da empresa De maneira geral, percebe-se que os produtos do Compensado Naval apresentaram comportamentos muito próximos ao comparar os mesmos meses em anos distintos, salvo algumas variações de ordem econômica de fatores diretamente relacionados com o compensado naval, tais como a diminuição do transporte de grãos por conta de quebra de safra 4 Há também um aumento no consumo desse produto nas entressafras pois nesse período 4 A quebra de safra tem como conseqüência a redução no volume de fretes e menor lucro para os motoristas e transportadoras que por sua vez fazem menor manutenção das carrocerias dos caminhões responsáveis pelo escoamento da safra.

12 12 os veículos responsáveis pelo escoamento de grãos costumam ser reformados de forma a estarem prontos para trabalhar durante a safra. Após a identificação do comportamento sazonal que melhor caracteriza o gráfico iniciou-se então a aplicação de modelos ou métodos de previsão de demanda. Para definir modelos a serem pesquisados, levou-se em consideração, além de sua acuracidade, a possibilidade de implantação de suas fórmulas no banco de dados da empresa. Alguns modelos, como ARMA (autoregressive moving average), devido a sua complexidade, não puderam ser implementados no banco de dados, uma vez que tornam o cálculo das previsões de demanda extremamente lentos, comprometendo assim o desempenho do sistema em gerar tais cálculos em tempo real. Os modelos escolhidos para pesquisa foram: Método de Suavização Exponencial, Método da Média Móvel, Método da Média Móvel Ponderada, e Método de Previsão para Séries Temporais Sujeitas a Fenômenos Sazonais (Gráfico 2). Gráfico 2 Comparativo entre a demanda original e a previsão pelos métodos 1 a 4 de séries temporais do compensado naval entre janeiro de 2005 e dezembro de Fonte: Dados primários da empresa O Método de Suavização Exponencial (método 1), utilizou apenas a demanda do período imediatamente anterior ao que se desejava prever. Neste caso, a primeira previsão (somente a primeira), foi obtida sugerindo para o primeiro período futuro exatamente o que foi demandado no período anterior. Observada a diferença entre o que foi previsto e o que foi demandando fez-se um ajuste para a próxima previsão de 30% da diferença. Esse ajuste de 30% foi adicionado ou subtraído, dependendo se o erro entre o que foi previsto e o que foi demandado foi acima ou abaixo do consumido. Após obter o valor que representava 30% do erro da previsão realizada, somou-se (ou subtraiu-se), esse valor a quantidade demandada naquele período. O resultado foi a previsão para o próximo período.

13 13 É importante considerar que no Método 1 foi utilizado como período anterior o mesmo mês do ano anterior, a fim de absorver melhor a sazonalidade que ocorre durante determinados meses do ano. A suavização exponencial permitiu trabalhar com um volume menor de informações a serem analisadas e possibilitou uma previsão mais próxima da demanda real, exceto para Junho de 2005, Junho de 2006 e Outubro de 2006, que possuem alta variação de demanda se comparada com os meses anteriores onde a previsão, por influência desses meses (anteriores), se distancia da demanda real para o período. Cabe ressaltar também que as previsões para o ano de 2005 foram obtidas apenas repetindo a demanda de 2004 devido a falta de informações históricas precisas da demanda ocorrida em Para os anos de 2006 e 2007 foi aplicado o método de suavização exponencial. O Método da Média Móvel (método 2), foi obtido pela previsão do período futuro através da média da demanda ocorrida nos quatro períodos imediatamente anteriores. Foi considerado período o intervalo de um mês. À medida que a linha de tempo avança em um período a média dos quatro períodos anteriores move-se para prever o período futuro seguinte. As previsões por essa metodologia permitiram observar que a aderência da previsão em relação ao consumo real ocorrido no período, mostra-se distante em alguns meses. Isso ocorre devido a oscilações de demanda do compensado naval. Estas oscilações estão relacionadas aos períodos de pré-colheita de grãos que no ano de 2006 superou 7 milhões de toneladas de grãos que renderam quase R$ 2,1 bilhões aos produtores do estado 5 e, em 2007, 8,6 milhões de toneladas. Grande parte da produção é escoada por rodovias através do emprego de caminhões e carretas graneleiros. A semeadura da soja, no Mato Grosso do Sul, ocorre entre 20 Outubro e 31 de Dezembro 6 e sua colheita entre os dias 15 de Janeiro e 30 de fevereiro. Já o Milho safrinha é semeado imediatamente após a colheita da soja 7. Para estarem preparados para a colheita dos grãos, os caminhoneiros e transportadoras investem na manutenção de sua ferramenta de trabalho, o caminhão. A carroceria é a parte do veículo responsável pelo escoamento da produção e precisa estar preparada para realizar fretes. A época de maior volume de manutenção de carrocerias de carretas coincidem com o intervalo entre o plantio da soja e sua previsão de colheita. Na safrinha de milho, o mesmo ocorre, porém em menor intensidade. Essas irregularidades na demanda do compensado fazem com que as previsões pelo Método da Média Móvel sofram distorções em determinados períodos devido à influência que os períodos anteriores (meses anteriores), têm sobre o período seguinte. O Método da Média Móvel Ponderada (método 3), da mesma forma que o método da média móvel, utilizou os quatro períodos anteriores ao período que se pretendia prever, porém, atribuiu-se pesos maiores para as informações mais recentes na seguinte seqüencia de pesos: 40%, 30%, 20% e 10%. Com a aplicação deste método percebeu-se que as previsões são influenciadas mais fortemente pelas informações de demanda mais recentes. Esse eco na demanda demonstra uma resposta tardia em relação à real necessidade do produto naquele determinado período. Como, por exemplo, em Janeiro de 2005, Janeiro de 2006 e Janeiro de 2007 cujas demandas foram influenciadas pelos meses de Outubro, Novembro e Dezembro dos respectivos anos. O último, método aplicado neste estudo foi o Método de Previsão para Séries Temporais Sujeitas a Fenômenos Sazonais (método 4). É comum existirem séries temporais com padrões sazonais, como no caso dos compensados naval, que apresentam maior demanda 5 Fonte: <<<http://www.datacoper.com.br/news.php?news=937>>>, acesso em 12 de Janeiro de Fonte: <<<http://www.ms.gov.br/noticias/index.php?templat=vis&site=136&id_comp=1068&id_reg= 11561&voltar=home&site_reg=136&id_comp_orig=1068>>>, acesso em 12 de Janeiro de Fonte: <<http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/sissafrinha/index.htm>>>, acesso em 12 de Janeiro de 2009.

14 14 em determinados meses do ano. Mas, para a correta aplicação do modelo de previsão, fez-se primeiramente a identificação do período de sazonalidade, ou melhor, dos meses em que a demanda apresentava comportamento similar. Para aplicação deste método fez-se a correção da sazonalidade através da divisão dos valores da série temporal. Os dados utilizados são correspondentes aos anos de 2005, 2006 e 2007, de Janeiro a Dezembro (Gráfico 2). A sazonalidade identificada se repete no período de 12 meses. Para calcular o µ i que é a média dos valores da série temporal, somou-se as demandas dos meses de Janeiro de 2005, 2006 e 2007 e depois dividiu-as por 3; fez-se o mesmo com todos os meses seguintes obtendo 12 resultados. Esses resultados foram divididos pela média geral de consumo dos 36 períodos analisados, apresentados na Tabela 2: Para corrigir os valores sazonais do Compensado Naval, aplicou-se o cálculo X t X tc =, onde X tc é o valor da série corrigida dos efeitos da sazonalidade, Xt é o valor da FSt série temporal FSt é o fator sazonal para o período. Os valores de demanda dos 36 períodos analisados foram divididos pelo respectivo fator sazonal e resultou nas demandas corrigidas dos efeitos sazonais, conforme demonstra a Tabela 2: O Gráfico 3 mostra a série temporal original e a série temporal corrigida dos efeitos sazonais. Tabela 2 Demanda da série temporal e os Fatores Sazonais (FS) 8. Fonte: Dados primários da empresa Gráfico 3 Série temporal do consumo de compensado naval, e série corrigida da sazonalidade. Fonte: Dados primários da empresa 8 FS: Fator Sazonal; µi: média dos valores da série temporal para os períodos i; µt é a média dos valores da série temporal; X tc : Valor da série corrigido dos efeitos da sazonalidade; X t : Valor da série temporal; FS t : Fator sazonal para o período; Extraído em: <<www.engprod.ufjf.br/fernando/epd042/previs%e3o.pdf>>. Acesso em 10 de dezembro de 2008.

15 15 Uma vez extraído os valores da série temporal corrigida das sazonalidades, aplicouse o Método da Média com Suavização Exponencial para alfa = a 30% de suavização. Após aplicação do modelo de previsão obteve uma estimativa do que será consumido no período, porém corrigida as sazonalidades. Para obter os efeitos da sazonalidade multiplicou-se o valor obtido pelo fator sazonal tendo como resultante a previsão para o período (Gráfico 1). Uma vez aplicado os modelos de previsão, fez-se um comparativo quanto a sua acuracidade através da aplicação da fórmula do erro relativo na série temporal e suas previsões, a fim de se observar qual modelo de previsão possui maior precisão quanto às previsões apresentadas. Deve-se entender que a sazonalidade sempre existirá e saber enfrentála é trabalho para o bom administrador 9. Assim como o Dia das Mães ou Dia dos Namorados influenciam a demanda de determinados produtos, o compensado naval também sofre influências de fatores sazonais. Alguns meses do ano, como entre maio e julho e o mês de setembro, possuem comportamento muito parecido de um ano para outro, fazendo com que as previsões sejam muito próximas do consumo real. O oposto ocorre em meses como janeiro, que possuem grande volatilidade de demanda e pouca relação com os meses de janeiro dos outros anos, o que prejudica a precisão das previsões, ocorrendo um distanciamento entre o que fora previsto e o que realmente foi consumido naquele período como no mês de janeiro de 2006 e Tal fator ocorre por baixa influência das colheitas de soja que costumam iniciar com maior intensidade na terceira semana de fevereiro e mantém forte intensidade até o fim de março. Na previsão de séries temporais, a medida de desempenho mais intuitiva é o próprio erro de previsão: o valor atual da série (target) menos a resposta do modelo (output). e t =(target-output) A Tabela 3 demonstra que dos 4 métodos analisados, o Método 4 (Método de Suavização Exponencial Corrigido os Efeitos da Sazonalidade) possui maior Correlação, ou seja similaridade entre o consumo ocorrido no período e o que fora previsto pela aplicação do Método 4. Como pode ser visto, à luz dos resultados observados na Tabela 3, com a aplicação do MAPE nos 4 métodos analisados, o Método 4 - (Método de Suavização Exponencial Corrigido os Efeitos da Sazonalidade) apresenta um menor erro médio percentual, demonstrando que, dentre os métodos de previsão de demanda estudados, o Método 4, é seguramente o que oferece maior proximidade entre o consumo real e o que foi previsto para o mesmo período. Os Métodos 1, 2 e 3 apresentaram maior Erro Médio Percentual Absoluto, demonstrando assim pouca similaridade entre o que foi previsto e o que realmente se consumiu no período estimado. Dessa forma, fica claro que o Método 4 - Método de Suavização Exponencial Corrigido os Efeitos da Sazonalidade FSi * α = 0.3 é o que mais se aproxima da demanda real do compensado naval, devido a aplicação da dessazonalização, minimizando as influências dos fatores sazonais, para em seguida prever a demanda, utilizando do Método da Suavização Exponencial, e por fim devolvendo os efeitos da sazonalidade nas previsões. 9 Extraído em: Acesso em 9 de março de 2009.

16 Tabela 3 Comparativo dos erros de previsão dos modelos de séries temporais aplicados a o consumo de compensado naval entre janeiro de 2005 e dezembro de

17 5. CONCLUSÕES Se por um lado o mundo atravessa uma redução do consumo devido a uma desaceleração da economia, de outro lado tem-se, a falta de matéria prima (madeira), em outros países e a valorização do Dólar frente ao Real, o que contribui para o escoamento da produção de grãos. O cenário brasileiro demonstra que a construção civil continua aquecida e que, conseqüentemente, o escoamento da produção brasileira ocorre na grande maioria pelas 17

18 18 rodovias, 64% de acordo com a Conab 10, através dos caminhões e carretas responsáveis pelo transporte de cargas no país. Mesmo considerando o crescente aumento de áreas plantadas com cana-de-açúcar, que demandam veículos (caminhões), cujas carrocerias não utilizam compensado naval, os demais produtos escoados no Mato Grosso do Sul contribuem em manter a demanda pelo compensado naval estável. O objetivo deste trabalho foi demonstrar a importância do compensado, analisar o comportamento da demanda e propor formas de antever seu consumo. A metodologia utilizada neste artigo baseou-se na análise de séries temporais. Os modelos utilizados foram: o Método da Suavização Exponencial com base sazonal α=0.3; Método da Média Móvel Ponderada (40%, 30%, 20% e 10%); Método da Média Móvel e Método de Suavização Exponencial Corrigido os Efeitos da Sazonalidade com FSi * α = 0.3. Os modelos de séries temporais auxiliam o setor de compras no processo de tomada de decisão. Para tal, é importante identificar o tipo de demanda predominante que ocorre com o produto e, posteriormente aplicar modelos de previsão que forneçam informações que auxiliem o tomador de decisões no processo de compra. O método utilizado permitiu comparar resultados da aplicação de diferentes modelos para previsão de demanda em séries temporais, de forma a identificar o modelo que possuía maior acuracidade através dos resultados da correlação e da média absoluta percentual dos erros. Para estruturação e interpretação dos dados, trabalhou-se com o aplicativo computacional CORES (Controle e Organização de Estoques), que, através de uma base de dados relacional, permitiu o processamento dos dados históricos que compuseram a série temporal do compensado naval. Ao realizar um pedido de compras, o comprador analisa informações qualitativas que podem ser obtidas pela experiência pessoal de mercado, informações com os vendedores e veículos de comunicação, bem como informações quantitativas. Para as informações quantitativas, o Banco de Dados da empresa estudada disponibilizou dados históricos da demanda do compensado naval. Dessa forma, apresentaram-se as especificidades referentes à tendência e sazonalidade do compensado naval, que são individuais e não servem para outros produtos da empresa que possuam comportamentos de demanda diferente. O número de observações do compensado também varia de acordo com o tipo da série. Séries simples podem ser modeladas com um número pequeno de observações e séries mais complexas, como no caso do compensado naval, contendo termos de sazonalidade, com múltiplos períodos, exigem mais observações para obter boa modelagem. No caso em estudo, foram utilizadas 36 observações. A principal contribuição deste estudo foi permitir informações de caráter quantitativo, considerando o comportamento de séries temporais distintas do compensado naval e identificando modelos que oferecessem melhores resultados. Ademais, escolhendo os modelos de previsão, baseado nas características das séries temporais, daquele segmento de produto, pode-se promover previsões mais acuradas. É importante ressaltar que o trabalho realizado foi de grande importância para a empresa, pois proporcionou uma racionalização dos estoques diminuindo possibilidades de ruptura nos mesmos em épocas de maior demanda e evitando estoques excessivos em épocas com menor volume de vendas, levando em consideração o tempo de entrega e grau de atendimento. Essas informações constituem-se de fonte de informação no suporte às decisões referentes as compras. 10 Companhia Nacional de Abastecimento (2006), extraído do site: <<http://www1.dnit.gov.br/imprensa/ resultinfo.asp?id=1172>>. Acesso em 18 de outubro de 2007.

19 19 As previsões de demanda contribuem não somente para a racionalização dos estoques, mas também para o planejamento estratégico da organização, otimizando a qualidade do capital investido nestes estoques. Os principais resultados demonstraram um maior nível de correlação (82%), e um menor erro de previsão (36%), para o Modelo ou Método de Suavização Exponencial Corrigido os Efeitos da Sazonalidade, em comparação aos demais métodos aplicados no estudo. Tal método obteve melhor resultado por considerar a sazonalidade que ocorre durante o ano, bem como a margem de erro da previsão do mês anterior em relação a sua respectiva demanda. Como limitação deste estudo observou-se a dificuldade de modelagem do algoritmo do Banco de Dados para aplicação de modelos mais sofisticados de previsão, o que demandaria grande recurso do sistema no processamento de fórmulas mais complexas e conseqüentemente lentidão ou não processamento desses dados. Outra limitação é o tamanho da amostragem, que contém apenas 36 observações devido ao arquivo histórico de vendas que a empresa analisada possuía em seu Banco de Dados. Por fim, o MAPE de 36% demonstra a necessidade de aprofundar estudos futuros que busquem uma maior acuracidade no processo de ajuste de dados e previsão. Vale lembrar que de um ano para outro, embora possa-se identificar sazonalidade do compensado naval nas entressafras, há outros fatores que impedem um comportamento sazonal mais homogêneo de um ano para outro, pois houveram distorções no agronegócio nos últimos anos em virtude de problemas como: a gripe aviária, aftosa no rebanho bovino e quebras de safra de soja, fatores estes que influenciaram o transporte de carga rodoviário, comprometendo assim a maior exatidão das previsões. Apesar da importância prática dos métodos de previsão de demanda, essas técnicas são desconhecidas em grande parte das empresas no Brasil, o que não ocorre em outros países, onde os modelos de previsão são bastante difundidos. Para estudos futuros, considerando que a sazonalidade ocorre geralmente em conjunto com outras características das séries temporais, com maior ou menor intensidade, sugere-se o estudo de modelos como o ARMA que contemplam dados de variáveis autoregressivas (AR) da série temporal e de média móvel. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABIMCI. Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente. Estudo Setorial Disponível em << > acesso no dia 18 out ABIMCI. Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente. Estudo Setorial Disponível em << > acesso no dia 18 out ABIMCI. Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente. Estudo Setorial Disponível em << > acesso no dia 18 out

20 20 ABRAF Associação Brasileira dos Produtores de Florestas Plantadas. Anuário Estatístico da ABRAF : Ano Base 2006 / ABRAF. Brasília, Disponível em <http://www.abraflor.org.br/estatisticas.asp> Acesso em 28 nov CHOPRA, Sunil; MEINDL, Peter. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. Traduzido por Claudia Freire. São Paulo: Pearson Education Brasil, CONAB, Companhia Nacional de Abastecimento (2006), disponível em: <http://www1.dnit.gov.br/ imprensa/resultinfo.asp?id=1172> Acesso em 28 nov DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. 5 ed. São Paulo: Atlas, FAO Food And Agriculture Organization of The United Nations. FRA 2000 Main Report: The Global Forest Resources Assessment Disponível em <http://www.fao.org/forestry/site/fra2000report/en/> Acesso em 28 nov MARTINS, Petrônio Garcia; ALT, Paulo Renato Campos. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2003 MORETTIN, Pedro Alberto e TOLOI, Clélia Maria de C. Análise de séries temporais. São Paulo: Edgard Blucher, 2006 NOGUEIRA, Fernando Modelagem e Simulação: Modelos de Previsão. Disponível em <http://www.engprod.ufjf.br/fernando/epd042/previs%e3o.pdf> Acesso em 13 Jan 2008 PELLEGRINI, Fernando R., FOGLIATTO, Flávio S. Passos para implantação de sistemas de previsão de demanda: Técnicas e estudo de caso. Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre. Disponível em <http://www.inf.unisinos.br/~sellitto/logdem.pdf>. Acesso em 2 Nov POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, STEVENSON, Willian J. Estatística Aplicada à Administração. Tradução: Alfredo Alves de Farias. São Paulo: Harper & Row do Brasil, TEIXEIRA, João Antonio Metodologia para Implementação de um Sistema de Gestão de Estoques Baseado em Previsão de Demanda. Disponível em <www.biblioteca.ufrgs.br/bibliotecadigital/2004-1/tese-eng pdf> Acesso em 06 Nov WERNER, Liane; RIBEIRO, José Luis Duarte. Previsão de demanda: uma aplicação dos modelos Box-Jenkins na área de assistência técnica de computadores pessoais. Gest. Prod., São Carlos, v. 10, n. 1, Disponível em:

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Dimensionamento dos Estoques

Dimensionamento dos Estoques Administração Dimensionamento, Planejamento e Controle de Profª. Patricia Brecht Dimensionamento dos s Cada área possui interesse em aumentar os níveis de estoque para garantir a segurança e reduzir o

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS CONTEÚDO DO CURSO DE PREVISÃO DE DEMANDA PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS - HORIZONTE

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Prof. Dr. Koiti Egoshi

Prof. Dr. Koiti Egoshi 1 PREVISÃO DE DEMANDA DE PRODUTOS FINAIS PARA PREVISÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIAS-PRIMAS E INSUMOS BÁSICOS Prof. Dr. Koiti Egoshi Para se estabelecer efetivamente Níveis de Estoque de Matérias-Primas e Insumos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS MERCADO BRASILEIRO 2000 A 2011 2 Sumário 1 METODOLOGIA... 3 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE EXEMPLARES DE 2000 A 2011... 4 3 RECEITAS ANUAIS POR PERIODICIDADE... 5 3.1 PREÇO

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 -

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 - NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_ CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE - Jaraguá do Sul (SC), Março de. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável,

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10 RELATÓRIO Outubro 2015 Ano 03-10 APOIO: - CENTRO DE INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS FACISA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL (ICE) ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE SINOP

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA Aracruz Celulose e a Estrada de Ferro Vitória Minas Esse estudo tem como objeto de análise uma região caracterizada pela influência de dois sistemas de infra-estrutura:

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO

LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO LIDANDO COM SAZONALIDADES NO PROCESSO LOGÍSTICO Praticamente todos os processos logísticos estão sujeitos a algum tipo de sazonalidade. A humanidade e seus grupos sociais, desde tempos remotos, sempre

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANO DE VENDAS É o alicerce do planejamento periódico numa empresa, pois praticamente todo o restante do planejamento da empresa baseia-se nas estimativas de vendas,

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012 Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Unidade 1 Previsão de Demanda Revisão 0, de 07/08/2012 Prof. João Paulo Seno jpseno.pitagoras@gmail.com O que

Leia mais