CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE TREINAMENTO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE TREINAMENTO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100"

Transcrição

1 SUMÁRIO CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE TREINAMENTO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR NORMA Nº NIT-DICOR-061 APROVADA EM ABR/07 Nº 01/12 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico 5 Documentos Complementares 6 Siglas 7 Definições 8 Critérios para Cursos de Treinamento de Auditores de Sistemas de Gestão da Qualidade NBR Alterações 10 Reciclagem 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece os critérios para a avaliação de cursos de treinamento de auditores de sistemas de gestão da qualidade NBR oferecidos por provedores de treinamento e por organismos de certificação de sistemas de gestão da qualidade NBR acreditados ou em fase de acreditação. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma aplica-se à Dicor. 3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão desta norma é da Dicor. 4 HISTÓRICO Nesta revisão 4 foram alterados os seguintes itens: 5.3, 6, 7.2, 7.5, 7.8, 7.10, 7.14, 8.4.1, 8.4.5, 8.6.1, visando atender à AS 9014: DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5.1 Documentos Cgcre/Inmetro NIT-DICOR-060 NIT-DICOR-062 Critérios Adicionais para a Acreditação de Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade NBR 15100; Requisitos para Qualificação de Auditor de Sistema de Gestão da Qualidade NBR MOD-SEGEQ Rev.00 - Apr.JUL/06 - Pg.01/02

2 02/ Documentos ABNT/ISO ABNT NBR ISO/IEC Avaliação de conformidade Vocabulário e princípios gerais NBR Sistema da qualidade - Aeroespacial - Modelo para garantia da qualidade em projeto, desenvolvimento, produção, instalação e serviços associados NBR ISO 9000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário NBR ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos NBR ISO Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental 5.3 Documentos SAE - Normas de Aviação, Espaço e Defesa AS 9014 AAQG Requirements for Aerospace Quality Management System Certification/Registration Programs SAE AIR 5493 Requirements for Development, Implementation and Control of Aerospace Auditor Training AS 9100 Quality Systems Aerospace Model for Quality Assurance in Design, Development, Production, Installation and Servicing AS 9101 Quality Management Systems Assessment AS 9102 Aerospace First Article Inspection Requirement AS 9103 Variation Management of Key Characteristics Nota: As normas referenciadas são utilizadas nas suas últimas revisões, conforme disponíveis no site do Inmetro (www.inmetro.gov.br), ABNT (www.abnt.org.br) e na SAE, 400 Commonwealth Drive, Warrendale, PA ou 6 SIGLAS AAQG Americas Aerospace Quality Group ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas AEA Aerospace Experienced Auditor (Auditor NBR com experiência em aviação, espaço e/ou defesa) AEB Agência Espacial Brasileira AIR Aerospace Information Report AQMS Aerospace Quality Management System AS Aerospace Standard (Norma de Aviação, Espaço e Defesa) Cgcre Coordenação Geral de Acreditação ANAC Agência Nacional de Aviação Civil Dicor Divisão de Credenciamento de Organismos IAQG International Aerospace Quality Group IEC International Electrotechnical Commission (Comissão Eletrotécnica Internacional) Inmetro Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial ISO International Organization for Standardization NBR Norma Brasileira OCE Organismo de Certificação Acreditado em Sistemas de Gestão da Qualidade NBR OEM Original Equipment Manufacturer RMC Registration Management Committee SAE Engineering Society for Advancing Mobility Land Sea Air and Space SGQ Sistema de Gestão da Qualidade

3 03/12 7 DEFINIÇÕES Para os fins desta norma, são utilizadas as definições da ABNT NBR ISO/IEC e da ABNT NBR ISO 9000, além das discriminadas de 7.1 a 7.16, a seguir. 7.1 Aviação e espaço Negócio ou segmento de mercado que abrange projeto, fabricação, inspeção, distribuição e apoio de veículos aeronáuticos e espaciais e motores, acessórios, partes componentes e todos os serviços auxiliares e de apoio associados, incluindo operações de veículos aeronáuticos e espaciais. Nota: O setor espacial, no Brasil, não abrange a etapa de fabricação. 7.2 Produtos relacionados com as atividades de aviação e espaço Aeronave, nave-rotor, arma guiada, astronave ou outro produto projetado para viajar no ar, dentro ou fora do efeito terrestre, ou viajar fora da influência da atmosfera da Terra ou componentes principais destes produtos, tais como motores ou sub-sistemas. 7.3 Organismo de certificação acreditado em sistemas de gestão da qualidade NBR Entidade de 3ª parte que executa auditorias e certifica sistemas de gestão da qualidade de organizações conforme normas publicadas (NBR 15100) e documentos adicionais requeridos pelo sistema. 7.4 IAQG Assembléia internacional das principais companhias nos segmentos de aviação, espaço e defesa composta por 3 setores representando companhias das Américas, Europa e Ásia-Pacífico para harmonizar requisitos da qualidade e processos em escala global. 7.5 AAQG Setor Américas do IAQG constituído por fabricantes de equipamentos de primeira linha (OEM) que formam o comitê (G-14) do conselho da SAE nos segmentos de aviação, espaço e defesa. Nota: Este grupo, em cooperação com muitas companhias nos segmentos de aviação, espaço e defesa, desenvolveu requisitos específicos para os sistemas de gestão da qualidade implementados e mantidos pela cadeia completa de produção e suprimento de itens usados nas aplicações em aviação, espaço e defesa nas Américas do Norte, Central e do Sul. 7.6 RMC É um subgrupo permanente da AAQG encarregado de prover o controle pela indústria da aprovação dos fornecedores dos segmentos de aviação, espaço e defesa pelos organismos de certificação NBR 15100/AS 9100, tomando esta norma como referência. Nota: Este comitê é constituído por membros do AAQG, representantes de cada organismo de acreditação reconhecido e associações representativas de organismos de certificação de sistemas de gestão da qualidade nos segmentos de aviação, espaço e defesa reconhecidos pelo AAQG-RMC. 7.7 Fabricantes de equipamentos de primeira linha (OEM) Fabricantes de aviões, helicópteros, lançadores, satélites, mísseis, astronaves ou outros produtos projetados para missões de aviação, espaço e defesa e componentes principais destes produtos.

4 / Normas do Sistema de Gestão da Qualidade em Aviação, Espaço e Defesa (AQMS) Normas desenvolvidas pelo setor de aviação, espaço e defesa para definir os requisitos mínimos de sistemas da qualidade para a cadeia de suprimento dos segmentos mencionados. Estas normas são tipicamente documentos baseados na NBR ISO 9001:2000. Por exemplo, AS 9100B e sua equivalente NBR 15100:20 e outras normas similares. 7.9 Autoridade Civil Aeroespacial Autoridade nacional responsável pela regulamentação nos segmentos de aviação, espaço e defesa com jurisdição no seu país de origem. Nota: No Brasil, a autoridade responsável pela área de aviação é a ANAC, pela área espacial, é a AEB, e pela área de defesa, é o Ministério da Defesa Organismo de Acreditação Organismo reconhecido por um setor do IAQG, com responsabilidade pela acreditação de organismos de certificação de sistemas com base nas normas do Sistema de Gestão da Qualidade NBR (AS 9100). Os organismos de acreditação também avaliam os cursos de treinamento conforme descrito neste documento para posterior reconhecimento junto ao RMC Auditor NBR 15100/AS 9100 Auditor que atende aos requisitos estabelecidos no item 8.1 da NIT-DICOR Auditor NBR 15100/AS 9100 com Experiência em Aviação, Espaço e Defesa (AEA) Auditor que atende aos requisitos estabelecidos no item 8.2 da NIT-DICOR Curso Avaliado pela Cgcre/Inmetro Curso avaliado pela Cgcre/Inmetro e desenvolvido, implementado e controlado por provedor de treinamento ou por organismo de certificação acreditado Curso Avançado de Competência em Aviação, Espaço e Defesa Curso definido para auditores candidatos à qualificação como auditores NBR com experiência em aviação, espaço e defesa (AEA) com, pelo menos, 2 anos de experiência no segmento mencionado nos últimos 15 anos, mas que não alcançaram o requisito de 4 anos de experiência aprovada nos segmentos de aviação, espaço e defesa nos últimos dez anos (ou afastados do setor há mais de 6 anos consecutivos desde a última experiência de trabalho nos segmentos mencionados). O conteúdo deste treinamento está descrito no item 8.6 do presente documento Curso Formação de Auditores Líderes de Sistemas de Gestão da Qualidade NBR (AS9100) (curso padrão) Curso definido para atender plenamente aos requisitos deste documento. O curso padrão deve incluir uma carga horária mínima de 40 horas de instrução direta e atividades individuais e em grupo Curso Requisitos da norma NBR (AS9100) Curso definido para auditores que tenham concluído satisfatoriamente um curso para formação de auditores líderes em ABNT NBR ISO Este curso deve possuir uma carga horária mínima de 14 horas de instrução direta e atividades individuais e em grupo.

5 05/12 8 CRITÉRIOS PARA CURSOS DE TREINAMENTO DE AUDITORES DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR Para estabelecer um programa de treinamento aceitável para consideração sob este sistema, o seguinte conjunto de critérios mínimos deve ser atendido: 8.1 Pré-requisitos: Antes de qualquer qualificação como auditor aeroespacial, o candidato já deve ter recebido treinamento em uma das possibilidades de cursos descritas em 8.2, dependendo: a) do motivo para participação do candidato no treinamento; b) de como o treinamento será aplicado após a sua conclusão Se o candidato pretende realizar auditorias de sistemas de gestão da qualidade NBR com o objetivo de certificação destes sistemas conforme o conjunto de critérios estabelecidos na NIT-DICOR-060, então o candidato deve ter completado com sucesso um curso de auditor líder NBR ISO Se o candidato pretende realizar auditorias internas (ou de segunda parte ou combinadas) sem a classificação de auditoria acreditada, o candidato deve ter participado de um curso de treinamento interno ou externo desenvolvido de acordo com os requisitos da NBR ISO Se o candidato pretende somente obter informações sobre a NBR e NIT-DICOR 060, e não desejar a certificação como auditor, o exame final não precisa ser realizado. 8.2 Modalidades de Cursos para os segmentos de aviação, espaço e defesa Estes cursos podem ser ministrados sob dois tipos de circunstâncias: Cursos oferecidos comercialmente a) Cursos abertos - Cursos abertos ao público, onde o candidato paga uma taxa. Estes cursos são anunciados na mídia e devem ocorrer numa base não discriminatória. b) Cursos fechados Cursos desenvolvidos e ministrados por um provedor de cursos para candidatos ou os próprios empregados de uma organização. Estes cursos não são abertos para o público em geral, e não são anunciados. A organização privada e o provedor de treinamento estabelecem um contrato cobrindo custo, freqüência, localização, datas, etc., mas o curso deve atender igualmente aos requisitos de cursos oferecidos comercialmente. Estes cursos podem conter informações de propriedade da organização, estudo de casos, etc. que devem ser protegidos adequadamente Cursos internos desenvolvidos para as organizações Cursos providos internamente para os próprios empregados da organização e conduzidos pela própria organização, que controla a freqüência. Podem ser feitos arranjos específicos para incluir outros treinandos (por exemplo, compradores, subcontratados, etc.). Estes cursos não são anunciados ou publicamente oferecidos. É possível obter a avaliação pela Cgcre/Inmetro do curso oferecido pelos OEM aeroespaciais, no entanto, tal avaliação não é uma exigência, se o curso for utilizado somente com o propósito de qualificar os auditores internos da organização.

6 06/ Avaliação de curso A avaliação de um curso de treinamento de auditores depende de evidência objetiva dos seguintes aspectos do curso: a) conteúdo que incorpore, por explicação e exemplos, todos os tópicos requeridos do curso avaliado (vide deste documento); b) objetivos detalhados de aprendizado para os participantes que especifiquem o desempenho requerido dos mesmos e as condições sob as quais este desempenho será verificado; c) os métodos que serão usados para a avaliação/exame dos participantes, do desempenho do instrutor e do curso em geral; d) administração das ofertas de cursos, resultados, e metodologias de melhoria contínua usadas nos escritórios da organização incluindo criação e manutenção de um programa de treinamento que possa ser avaliado pela Cgcre/Inmetro; e e) os critérios de seleção dos instrutores do treinamento, os procedimentos usados para avaliar a sistemática de ensino aos participantes, não só inicialmente como de forma contínua, e uma lista dos instrutores. 8.4 Programas de treinamento Os organismos de certificação e os OEM devem usar um programa de treinamento de auditores que cumpra com os requisitos detalhados na AIR 5493 (descritos neste documento) e manter os respectivos registros. O conteúdo mínimo do programa de treinamento, conforme definido pela AAQG/RMC, deve ser: a) NBR 15100/ AS 9100; b) AS 9101(a lista de verificação) ou equivalente; c) Sistemática de atribuição de pontos em auditorias (vide item ) e o uso de relatórios de não-conformidade; d) NIT-DICOR-060; e) NIT-DICOR-062; f) Requisitos do ANAC Agência Nacional de Aviação Civil; e g) Requisitos regulamentares brasileiros da área de aeronáutica (Min. Defesa) e espaço (AEB) Os organismos de certificação devem documentar os seus programas de treinamento de auditores que devem ser analisados criticamente pela Cgcre/Inmetro durante a qualificação dos auditores AEA e na manutenção da respectiva qualificação A sistemática de atribuição de pontos em auditorias está definida no documento AS 9101C disponibilizado pelo AAQG/RMC e os organismos de certificação devem utilizá-lo como base para o treinamento interno de seus auditores Os provedores de cursos de treinamento (os OEM ou organismos de certificação não estão inclusos), que oferecem cursos de treinamento comerciais, devem documentar o programa de treinamento de auditores. Este programa será avaliado pela Cgcre/Inmetro durante a qualificação dos auditores AEA e na manutenção da respectiva qualificação.

7 07/ A documentação do programa de treinamento deve incluir o item e os discriminados abaixo : a) cópias efetivas de materiais utilizados em treinamento nos seguintes assuntos: NBR 15100, NIT-DICOR-060, e as normas do sistema de gestão da qualidade NBR além dos requisitos da ANAC (CBAer - Código Brasileiro de Aeronáutica - Lei no. 7565, de 19 de dezembro de 1986), AEB e Ministério da Defesa; b) resumo dos currículos do pessoal que está ministrando e gerenciando o treinamento. Este pessoal deve ter experiência em treinamento ou ensino, curso de auditor líder do Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001, e o mínimo de 4 anos de experiência na área de aviação, espaço e defesa nos últimos 10 anos, conforme a NIT-DICOR Conteúdo dos cursos para auditores líderes de sistemas de gestão da qualidade NBR O curso padrão deve prover treinamento nos princípios e práticas de auditoria de sistemas de gestão da qualidade relacionadas às normas NBR e NBR ISO Deve-se fornecer treinamento na metodologia para assegurar a conformidade da documentação do sistema de gestão da qualidade da organização aos requisitos da NBR Este treinamento também deve incluir métodos para assegurar a conformidade da organização às provisões da documentação (Manual da Qualidade, Procedimentos do Sistema, Instruções de Trabalho, etc.) A formatação do curso, os requisitos para os treinandos e como eles serão avaliados devem ser incluídos nos materiais do curso Um treinando que completar o curso com sucesso deve estar apto para: a) Explicar o objetivo e o requisito de cada elemento do AQMS aplicável; b) Identificar a evidência de auditoria necessária para demonstrar a conformidade dos requisitos às normas do sistema de gestão da qualidade NBR 15100; c) Explicar os requisitos da revisão atual da NBR ISO aplicáveis ao processo de auditoria; d) Descrever a função dos tipos de auditorias de 1ª, 2ª e 3ª partes, as similaridades e diferenças e as várias funções e responsabilidades do auditor, do auditado e do cliente da auditoria em cada uma dessas atividades; e) Explicar a importância das auditorias relacionadas ao SGQ; f) Executar todas as fases de uma auditoria de processo de gestão da qualidade de acordo com a NBR ISO incluindo planejamento da auditoria, análise crítica de documentos, uso de listas de verificação, amostragem, relatório de não-conformidades, evidência objetiva, comunicação e registros de não-conformidades, observações e pontes fortes, reuniões da equipe auditora, reuniões de abertura e encerramento, classificação de não-conformidades, anotações de auditoria, condução de reuniões e guarda de registros; g) Descrever as qualificações pessoais e a conduta dos auditores NBR 15100, incluindo atributos pessoais, capacidade de gestão de auditorias e técnicas de entrevista; h) Descrever as funções e responsabilidades do auditor e do auditado em todos os estágios do processo de ação corretiva; i) Explicar a terminologia da NBR ISO 9000:2005 como empregada pela norma ABNT NBR ISO 9001 e AQMS aplicável; j) Descrever os requisitos da NIT-DICOR-060 para certificação de Sistemas da Qualidade em conformidade com as normas do sistema de gestão da qualidade NBR 15100; k) Descrever como estabelecer um roteiro de auditoria, e quando desviar; l) Determinar um plano de auditoria baseado na experiência de auditorias passadas e no grau de importância referente ao tipo de negócio;

8 08/12 m) Entender os benefícios potenciais de incluir o acompanhamento de ações corretivas em um programa de auditoria interna; n) Explicar o objetivo da auditoria, acentuando a necessidade da independência do auditor em relação à função que está sendo auditada; o) Descrever a documentação requerida pelas normas do sistema de gestão da qualidade NBR e as inter-relações entre o manual da qualidade, procedimentos, planejamento da qualidade, política e objetivos; p) Demonstrar o uso apropriado das listas de verificação aplicáveis e os métodos de atribuição de pontos O curso Requisitos da norma NBR (ou AS 9100) deve incluir os itens a, b, g, i, j, o, p, identificados no item anterior. 8.6 Conteúdo do Curso Avançado de Competência Aeroespacial O curso definido no item 7.14 deve incluir, no mínimo, os seguintes tópicos: - Perspectiva da Qualidade nos setores de Aviação, Espaço e Defesa; - Análise das Funções/Responsabilidades/Regulamentos da Autoridade Civil Aeronáutica; - Segurança em operações aéreas e requisitos de segurança em aviação; - Projeto, desenvolvimento e processos de verificação e validação; - Inspeção de 1º artigo (AS 9102); - Requisitos de rastreabilidade de materiais aeroespaciais; - Requisitos e regulamentos aeroespaciais militares; - Requisitos para aprovação e controle de fornecedores aeroespaciais; - Classificação de características chave/críticas (AS 9103); - Desdobramento de requisitos da qualidade; - Requisitos do programa de prevenção contra danos causados por objetos estranhos (FOD); - Utilização de produtos fornecidos pelo cliente; - Controle de calibração e sistema de recall positivo; - Órgão responsável pela homologação; - Processos especiais; - Material não-conforme: requisitos de sistema e operação; - Requisitos e limitações da inspeção por amostragem; - Organização espacial governamental funções, responsabilidades, regulamentos de supervisão; - Regulamentos da área de Defesa; - Gestão da configuração e requisitos de controle. Nota: Este curso pode ser ministrado por um OCE ou por uma 3ª parte avaliada pela Cgcre/Inmetro ou outro organismo de acreditação reconhecido pelo setor AAQG/RMC. Esta avaliação deve ser submetida ao RMC. 8.7 Estrutura do curso e instalações Duração e Organização No caso do curso completo (vide definição 7.15), o tempo total de curso dedicado à instrução direta e atividades individuais e em grupo deve ser, no mínimo, 40 horas mais um adicional de 2 horas para o exame escrito.

9 09/ No caso de um curso reduzido (definição 7.16), onde os auditores já tenham completado, com sucesso, um curso de auditor na ABNT NBR ISO 9001, o tempo total do curso deve ser de, pelo menos, 14 horas mais o mínimo de 1 hora para a conclusão de um exame escrito que cubra as diferenças entre a ABNT NBR ISO 9001 e a norma NBR No caso do Curso Avançado de Competência em Aviação, Espaço e Defesa (definição 7.14), o tempo total do curso deve ser de, no mínimo, 24 horas, mais um adicional de 1 hora para o exame escrito Se o curso for ministrado com auxílio de intérpretes, este tempo deve ser aumentado como requerido para permitir compreensão completa e adequada O tempo dedicado às refeições, paradas, ou outro tempo livre não deve ser incluído no cálculo da duração total do curso Cada treinando deve participar ativamente em workshops, seminários, estudos de caso, simulações de auditoria, e/ou de uma auditoria real de uma organização como parte das atividades estruturadas de classe. Pelo menos 50% do total do tempo de curso deve ser usado para tais atividades Qualquer estudo de caso deve ser concebido para cobrir os aspectos importantes da norma e deve ser relacionado aos segmentos de aviação, espaço e defesa O curso deve ser estruturado e conduzido de forma que cada treinando seja submetido a práticas e condições de uma auditoria real. Isto pode incluir auditorias reais. Quando os treinandos participarem de situações de auditoria reais, o tempo de trânsito durante a auditoria e atrasos não são considerados como parte do tempo do curso Materiais de apoio para treinamentos, tais como vídeos, vídeos produzidos durante o curso para registrar e analisar o desempenho dos treinandos, CDs ou ferramentas de treinamento interativas que são diretamente pertinentes, podem ser usados pelos instrutores para complementar o treinamento Os instrutores líderes devem demonstrar controle efetivo do curso, incluindo atenção ao tempo programado, conteúdo do curso, requisitos das normas, conduta dos demais instrutores (e intérpretes, se for o caso) e outros requisitos do curso Tamanho da turma e freqüência O número recomendável de treinandos em uma turma não deve ser maior que 20 nem menor que quatro. Sob circunstâncias excepcionais, um provedor poderá ministrar um curso para menos de quatro ou mais de 20 treinandos, devendo observar o item 9 da presente norma Os treinandos devem participar de todo o curso. Falhas no cumprimento desta exigência devem ser consideradas nas avaliações contínua e final do treinando.

10 10/ Número de Instrutores Cada curso oferecido deve ser apresentado por, pelo menos, um instrutor, que deve estar envolvido ativamente com a instrução e avaliação durante todo o curso. Pessoal adicional ou instrutores em treinamento podem ser usados para assuntos ou atividades específicas; porém o instrutor líder permanece responsável pelo curso inteiro oferecido Mesmo durante atividades (como, por exemplo, testes escritos ou preparação de listas de verificação) que não envolvam instrução ou avaliação e não requeiram disponibilidade de instrutores para explanações, esclarecimentos ou orientação, pelo menos um dos instrutores deve estar presente. Um instrutor deve estar presente durante todo o exame para assegurar uma boa prática de avaliação Instalações O provedor de treinamento deve verificar se foram providenciadas instalações adequadas para um treinamento, incluindo sala de aula, equipamentos áudio visuais e outras instalações para as atividades da equipe Arranjos satisfatórios para refeições e paradas devem ser planejados com antecedência e devem ser comunicados aos treinandos. 8.8 Avaliação dos treinandos Cada aluno deve ser avaliado utilizando-se dois elementos independentes, que devem ser ambos atendidos para que o aluno complete o curso satisfatoriamente: a) exame escrito que cubra a aplicação dos princípios e práticas de auditoria para as normas do sistema de gestão da qualidade NBR 15100, e; b) avaliação contínua de cada aluno, feita independentemente pelos instrutores, abrangendo sua atitude, capacidade de auditar, habilidades de comunicação oral e escrita, desempenho como membro de equipe e no papel de auditor. Cada treinando deve ser informado durante o curso sobre a conduta ou comportamento não compatível com os esperados de um auditor e estar ciente das ações necessárias para corrigir esta conduta Exame escrito O exame escrito deve demonstrar a compreensão do treinando sobre o processo de auditoria, a aplicação das normas do sistema de gestão da qualidade NBR e a sua habilidade para prover justificativas escritas das suas avaliações. O exame deve ser elaborado de tal forma que um treinando competente (isto é, aquele com compreensão adequada do conteúdo do curso e que demonstre ter atingido os objetivos didáticos do curso) o complete no máximo em duas horas para atingir o resultado mínimo de 70% de aproveitamento Para cursos resumidos, o exame deve ser elaborado de forma que um treinando competente possa atingir o resultado mínimo de 70% no tempo máximo de uma hora. O exame para um curso resumido deve cobrir as diferenças entre a norma ABNT NBR ISO 9001 e as normas aplicáveis ao sistema de gestão da qualidade NBR 15100/ AS Para o curso avançado de competência aeroespacial, o aluno deve atingir 70% de aproveitamento e o tempo dedicado ao ensino deve prever um mínimo de 30% de participação em workshops, estudos de caso, papel do auditor e auditoria de uma organização. Pelo menos 1 instrutor deve conduzir o curso.

11 - MINUTA 11/ O limite de tempo para os exames escritos deve ser rigorosamente respeitado Para um treinando cujo idioma primário não é aquele no qual o curso é ministrado, o provedor do curso pode, por sua conta, permitir um tempo adicional para efetuar o exame escrito. O treinando pode usar um dicionário apropriado. Qualquer permissão para tempo adicional deve ser registrada, com as razões que a sustentam, no registro geral do curso ou nos do próprio exame No mínimo 75% da nota do exame deve ser baseada em questões que requeiram um breve relato que avaliarão a compreensão do treinando sobre o processo de auditoria e a aplicação das normas do sistema de gestão da qualidade NBR 15100, e sua habilidade para prover justificativas das observações de auditoria. O exame deve incluir o relato de uma não-conformidade O restante da nota do exame deve ser baseado em questões de múltipla escolha, verdadeiro/falso ou questões de resposta curta A nota mínima para aprovação deverá ser de 70% Os únicos materiais de referência permitidos durante o exame são cópias da NBR 15100, as notas de curso fornecidas pelo provedor do curso e quaisquer notas pessoais feitas pelo treinando durante o curso Os instrutores podem permitir que um treinando que tenha uma deficiência física que afete a sua capacidade de completar o exame no tempo prescrito, disponha de tempo adicional para concluí-lo. A exemplo do determinado no item , qualquer permissão concedida e as razões para sua concessão devem ser registradas onde for conveniente Avaliação contínua O processo de avaliação contínua deve verificar, em cada treinando: a) a contribuição em discussões, questionamento de instrutores, comunicação com a turma e relato preciso de situações e participação eficaz em atividades de equipe e simulações; b) a clareza e objetividade técnica das tarefas escritas; c) os atributos pessoais, habilidades e capacidade de gerenciamento de auditorias; d) a atitude, maneiras e adequação como futuro auditor e líder da equipe de auditoria; e e) a freqüência, pontualidade e participação em todas as atividades de classe Adicionalmente, as diretrizes para avaliação contínua são as seguintes: a) cada treinando deve ser continuamente avaliado conforme descrito no item em pontos apropriados durante a instrução do curso; b) a nota parcial ou avaliação deve ser discutida imediatamente com aqueles treinandos em dificuldades com o curso ou com os materiais, de modo a haver tempo para a aplicação de correções; c) a avaliação contínua deve ser utilizada para identificar treinandos que demonstrem não estar participando das atividades de classe para, em particular, serem informados das observações do instrutor; d) incluir material escrito preparado por cada treinando como testes, lições de casa, relatórios de auditoria, e outras tarefas de classe; e e) simples, contudo eficazes, em alcançar as avaliações desejadas dos treinandos.

12 - MINUTA 12/ Pontuação/Decisão de Aprovação/Reprovação O instrutor deve analisar criticamente os exames escritos e as avaliações contínuas, emitir a avaliação final, junto com decisões de aprovação/reprovação baseadas nos testes e avaliações. Se o curso for ministrado com ajuda de intérpretes, o tradutor/intérprete que traduzir os exames escritos dos treinandos deve ser selecionado pelo provedor de curso de tal modo que o provedor do curso esteja convicto de que as traduções sejam imparciais, inteligíveis e precisas Re-exame Qualquer treinando que seja reprovado no exame escrito do curso deve ter a oportunidade de repetir o exame escrito dentro de 60 dias. A conclusão bem sucedida do exame na segunda tentativa deve ser a base para sua aprovação no curso. Deve ser usado um exame diferente para o re-exame. Qualquer treinando que seja reprovado na avaliação contínua deve fazer o curso novamente. 9. ALTERAÇÕES Devem ser mantidos registros de quaisquer alterações destes critérios, para eventual análise pela Cgcre/Inmetro para fins de manutenção da avaliação do curso, levando-se em conta com relação aos provedores de curso: a) motivos para a alteração solicitada; b) base racional da alteração solicitada; c) plano de modificação do treinamento e/ou revisão do curso em questão; d) avaliação do impacto no processo de aprendizagem. 10 RECICLAGEM 10.1 O organismo de certificação deve fornecer programas para garantir que seus auditores sejam regularmente reciclados de forma que continuem a atender aos requisitos da NIT-DICOR Cada auditor deve aperfeiçoar o nível de conhecimento que foi inicialmente evidenciado após o atendimento dos requisitos da NIT-DICOR 062 e deste documento. Este aperfeiçoamento é obtido pelo desenvolvimento profissional contínuo nas atividades de reciclagem profissional relacionadas com os segmentos de aviação, espaço e defesa Horas de desenvolvimento profissional contínuo são computadas pela participação em atividades profissionais que ampliem o conhecimento, habilidades de auditoria ou sejam ligadas ao emprego. Na seleção do desenvolvimento apropriado, os auditores deveriam considerar pontos pessoais fortes e fracos e identificar áreas para melhoria pessoal, nas habilidades e metodologias de auditoria Não mais do que 10 horas podem ser reivindicadas para uma ocorrência de qualquer atividade. Categorias de atividades incluem: conclusão de cursos específicos nos segmentos de aviação, espaço e defesa, participação em reuniões de associações de aviação, espaço e defesa ou atuação em comitês; participação em conferências sobre a norma ABNT NBR ISO 9001 e/ou temas de aviação, espaço e defesa, seminários ou workshops; e obtendo certificações específicas nos segmentos de aviação, espaço e defesa. Os auditores também podem obter horas de atividade ensinando em cursos específicos nos segmentos de aviação, espaço e defesa; entretanto, o mesmo curso é considerado somente uma vez num período de 3 anos, com um máximo de 10 horas.

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM FEV/08 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM ABR/07 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM AGO/2011 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 15100. 1. O que é a NBR 15100? A NBR 15100, equivalente à norma

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS Sumário NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3. Definições...2 3.1.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas

ISO IEC. Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT. Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE. Normas internas das empresas Aula 03 : Norma NBR ISO 9001 Ghislaine Miranda Bonduelle NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Regional Normas Nacionais ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Nacional

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro. Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde

Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro. Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Coordenação Geral de Acreditação Cgcre/Inmetro Acreditação de Organismos de Certificação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Marcos Aurélio Lima de Oliveira Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO

UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO UM ORGANISMO ACREDITADO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRIBUINDO PARA GARANTIR A SEGURANÇA DE VÔO Luciane de Oliveira Cunha (ITA) lucianeoc@yahoo.com.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br

Leia mais

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES Material Complementar de Estudos O que é a Organização ISO A ISO - Internacional Organization for Stardardization - é maior organização para Desenvolvimento e publicação

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 521 Edição 1.0, 2015-02 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM MAI/2013 REV Nº 01/13

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 15 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Definições...2 2.1. conclusão de auditoria...2 2.2. critérios de auditoria...2

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental

Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental NOV 2002 NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec

Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec KEYASSOCIADOS 1 PROGRAMAÇÃO Abertura do Evento Sr. Wanderley Sigali - Diretor Executivo Gristec Apresentação Institucional KEYASSOCIADOS Sr. Francisco R. Ramires Gerente Comercial - KEY Apresentação NBR

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 14 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITOR LÍDER NBR ISO 14001:2004 GESTÃO AMBIENTAL

FORMAÇÃO DE AUDITOR LÍDER NBR ISO 14001:2004 GESTÃO AMBIENTAL FORMAÇÃO DE AUDITOR LÍDER NBR ISO 14001:2004 GESTÃO AMBIENTAL Este curso é certificado pelo IRCA Conselho Diretivo ref. Certificação - A17061 e atende o requisito de treinamento formal para os indivíduos

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais