REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO"

Transcrição

1 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da Revisão 5 Documentos Complementares 6 Siglas 7 Definições 8 Requisitos para Qualificação de Avaliadores, Avaliadores-Líderes e Especialistas 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece os requisitos para qualificação dos avaliadores, avaliadores-líderes e especialistas que atuam nas atividades de acreditação de organismos de certificação e de inspeção. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se à Dicor, à Diois e à Dicap. 3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Dicap. 4 HISTÓRICO DA REVISÃO 4.1 Alteração no item (inclui o sub-item c; estabelece o número de treinamentos práticos). 4.2 Alteração no item b (reduz do número de treinamentos). 4.3 Inclusão do item (estabelece critérios para qualificação de líder de testemunha para um segundo tipo de norma de acreditação). 4.4 Inclusão do item (estabelece que um especialista devidamente designado pode participar sozinho de avaliações extraordinárias de organismos de inspeção). 4.5 Alteração do item (prevê a possibilidade de reduzir o número de treinamentos para qualificar especialistas em ensaios não-destrutivos). 4.6 Correção da terminologia no item b ( ensaios não-destrutivos ). 4.7 Substituição do acrônimo Cgcre/Inmetro por Cgcre. 5 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES ABNT NBR 15100:2004 ABNT NBR 16001:2004 ABNT NBR 16002:2005 ABNT NBR 160:2009 ABNT NBR ISO 9000:2005 Sistemas da qualidade Aeroespacial - Modelo para Garantia da Qualidade em Projeto, Desenvolvimento, Produção, Instalação e Serviços associados; Responsabilidade Social Sistema de Gestão Requisitos Responsabilidade Social Sistema de Gestão Qualificação de Auditores Responsabilidade Social Sistema de Gestão Auditorias Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário

2 02/10 ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 10012:2004 ABNT NBR ISO 14001:2004 ABNT NBR ISO 14050:2004 ABNT NBR ISO 19011:2002 ABNT NBR ISO 22000:2006 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Sistemas de gestão de medição - Requisitos para os processos de medição e equipamentos de medição Sistemas de Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso Gestão Ambiental Vocabulário Guia para Auditoria de Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou Ambiental Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Requisitos para Qualquer Organização na Cadeia Produtiva de Alimentos ABNT NBR ISO/IEC 17000:2005 Avaliação de Conformidade Vocabulário e Princípios e Gerais ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 Avaliação de Conformidade Critérios Gerais para o Funcionamento de Diferentes Tipos de Organismos que Executam Inspeção :2007 Avaliação de Conformidade Requisitos para Organismos que Fornecem Auditoria e Certificação de Sistemas de Gestão ABNT NBR ISO/IEC 17024:2004 Avaliação de conformidade Requisitos Gerais para Organismos que Realizam Certificação de Pessoas ABNT ISO/IEC Guia 65:1997 ABNT ISO/TS 220:2007 Requisitos Gerais para Organismos que Operam Sistemas de Certificação de Produtos Sistemas de gestão da segurança de alimentos - Requisitos para organismos de auditoria e certificação de sistemas de gestão da segurança de alimentos NBR 14789:2007 Manejo Florestal Princípios, Critérios e Indicadores para Florestais Plantações NBR 15331:2005 Turismo de Aventura Sistema de Gestão de Segurança Requisitos NBR 15789:2004 Manejo Florestal Princípios, Critérios e Indicadores para Florestas Nativas DOQ-Cgcre-015 Orientação para Participação de Especialistas em Auditorias- Testemunha da Cgcre FOR-Cgcre-310 Relatório de Treinamento/Monitoramento de Avaliador-Líder RML FOR-Cgcre-311 Relatório de Treinamento/Monitoramento de Avaliador RMA FOR-Cgcre-312 Relatório de Treinamento/Monitoramento de Especialista RME FOR-Cgcre-355 Registro de Qualificação de Avaliador, Especialista, GA e Administrativo Uso da marca, do Símbolo e de Referências à Acreditação Regulamento para a Acreditação de Organismos de Certificação e Inpeção NIT-Dicor-004 Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Pessoas Critérios de Acreditação para Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão NIT-Dicor-024 Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto NIT-Dicor-053 Critérios Adicionais para Acreditação de Organismo de Certificação do Manejo Florestal Documentos mandatórios do IAF para aplicação da ABNT NBR ISO/IEC 17021:2007, 1ª edição NIT-Dicor-057 Diretriz do IAF para Aplicação do ISO/IEC Guia 65:1996, 2ª Edição

3 /10 NIT-Dicor-060 Critérios Adicionais para Acreditação de Organismos de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade NBR NIT-Dicor-061 Critérios para Avaliação de Cursos de Treinamento de Auditores de Sistema de Gestão da Qualidade NBR NIT-Dicor-062 Requisitos Para Qualificação de Auditor de Sistema de Gestão da Qualidade NBR NIT-Dicor-073 Diretriz IAF para aplicação da norma ISO/IEC 17024:20 NIT-Diois-002 Critério específico para acreditação de organismo de inspeção na área de segurança veicular NIT-Diois-0 Critério específico para a acreditação de organismo de inspeção de ensaios não destrutivos NIT-Diois-004 Critérios específicos para a acreditação de organismos de inspeção na área de equipamentos para transporte rodoviário de produtos perigosos NIT-Diois-005 Critérios específicos para a acreditação de organismos de inspeção na área de veículos que transportam produtos perigosos NIT-Diois-008 Diretriz do IAF para aplicação da ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 NIT-Diois-009 Critério específico para a acreditação de organismos de inspeção de produtos NIT-Diois-011 Critério específico para a acreditação de organismo de inspeção na área de instalações elétricas Portaria Inmetro nº 347/2009 Regulamento Administrativo para Credenciamento de Avaliadores e Especialistas 6 SIGLAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Cgcre Coordenação-Geral de Acreditação Dicap Divisão de Qualificação e Capacitação em Acreditação Dicor Divisão de Acreditação de Organismos de Certificação Diois Divisão de Acreditação de Organismos de Inspeção IAF International Accreditation Forum MLA Multilateral Recognition Arrangement Nace Nomenclatura Estatística para Atividades Econômicas OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão Ambiental OCE Organismo de Certificação de Sistema da Qualidade NBR OCF Organismo de Certificação do Manejo de Florestas OCM Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão da Medição OCO Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade de Empresas de Serviços e Obras na Construção Civil OCP Organismo de Certificação de Produtos OCR Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Responsabilidade Social OCS Organismo de Certificação de Sistema da Qualidade OHC Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Segurança de Alimentos OIA Organismo de Inspeção OPC Organismo de Certificação de Pessoas OTA Organismo de Certificação de Sistemas de Gestão na Área de Turismo OVD Organismo de Verificação de Desempenho de Produto

4 04/10 7 DEFINIÇÕES Para fins desta norma, são adotadas as definições 7.1 e 7.2, além das definições contidas na ABNT NBR ISO 19011, na ABNT NBR ISO/IEC 17000, na ABNT NBR ISO 9000, na ABNT NBR ISO e na ABNT NBR Área afim Formação acadêmica relativa ao escopo (código Nace), produto ou área de certificação de pessoas no qual o candidato à especialista é qualificado. Nota: Por exemplo, no código Nace Serviços gerais de construção de edifícios, a área afim é a engenharia civil, portanto, um engenheiro químico, por exemplo, só pontuaria no quesito ensino superior e não no quesito ensino superior afim. 7.2 Experiência profissional Efetivo exercício de atividades de trabalho, vivência acadêmica, experiência em pesquisa e desenvolvimento, consultoria e experiência decorrente da realização de avaliações. 8 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES, AVALIADORES-LÍDERES E ESPECIALISTAS 8.1 Atributos pessoais O candidato deve possuir atributos pessoais em conformidade com a ABNT NBR ISO 19011, item Educação O candidato deve ter, pelo menos, formação de nível médio ou equivalente. 8.3 Experiência profissional O avaliador ou a avaliador-líder deve ter pelo menos 2 anos de experiência profissional, sendo desejável possuir 1 ano de experiência na área de gestão da qualidade, ou totalizando pelo menos 20 dias de experiência em atividades de auditoria e/ou avaliação. No entanto, caso o candidato esteja atuando em tempo integral em atividades de acreditação e/ou de gestão de avaliação da conformidade, a experiência total requerida deve ser de pelo menos 1 ano. 8.4 Conhecimento e habilidades Conhecimento da norma de referência da certificação O candidato deve adquirir conhecimento da norma de referência da certificação para as modalidades de acreditação conforme Tabela 1 (Curso A). Este conhecimento refere-se, por exemplo, às normas ABNT NBR ISO 9001 ou ABNT NBR ISO 14001, nos casos de certificação de sistemas de gestão da qualidade ou de sistemas de gestão ambiental e deve ter sido adquirido em curso formal Conhecimento da norma de referência de acreditação O candidato deve adquirir conhecimento sobre a norma de referência da acreditação em curso formal, interno ou externo à Cgcre, conforme estabelecido na Tabela 1 (curso B) para cada tipo de acreditação.

5 05/ Conhecimento dos procedimentos relevantes de acreditação O candidato deve adquirir conhecimento sobre procedimentos, critérios e outros requisitos do Inmetro aplicáveis às atividades de acreditação, de acordo com a Tabela 1 (Curso C). É adquirido por meio de curso, instrução ou por leitura, com registro pertinente O avaliador que participar na elaboração ou no fornecimento de treinamento nas normas relativas aos critérios adicionais fica automaticamente qualificado como avaliador-líder para escritório e testemunhas, desde que já seja avaliador-líder em algum tipo de acreditação Conhecimento e habilidades genéricas de avaliadores e avaliadores-líderes Conhecimento de princípios, normas e critérios de avaliação, procedimentos e técnicas de auditoria; métodos de avaliação; sistemas de gestão e documentos de referência; situações organizacionais; leis, regulamentos. Esse conhecimento será avaliado pela verificação da participação do candidato em avaliações É recomendável também o conhecimento dos documentos orientativos disponíveis no sítio do CB-25 da ABNT ( O conhecimento requerido para qualificação de avaliadores está discriminado na Tabela 1. TABELA 1 Conhecimento requerido para qualificação de avaliadores de acreditação TIPO DE ACREDITAÇÃO NORMA DE REF. DE CERTIFICAÇÃO (Curso A) NORMA DE REF. DE ACREDITAÇÃO (Curso B) PROCEDIMENTOS RELEVANTES DE ACREDITAÇÃO (Curso C) OCS NBR ISO Curso de, no mínimo, 24h na NBR ISO 9001, OCA NBR ISO Curso de, no mínimo, 24 h na NBR ISO 14001, OCE OCF NBR ISO Curso de, no mínimo, 24 h na NBR (AS 9100), NBR ISO Curso de, no mínimo, 16 h na NBR e na NBR 15789, NIT-Dicor-060 NIT-Dicor-061 NIT-Dicor-062 NIT-Dicor-053 OHC NBR ISO Curso de, no mínimo, 16h na NBR ISO 22000, ABNT ISO/TS 220 OCO NBR ISO Curso de, no mínimo, 16h na NBR ISO 9001, OCR NBR ISO Curso de, no mínimo, 16h na NBR 16001, Continua na página 06/10

6 06/10 Continuação da página 05/10 TIPO DE ACREDITAÇÃ O NORMA DE REF. DE CERTIFICAÇÃO (Curso A) NORMA DE REF. DE ACREDITAÇÃO (Curso B) PROCEDIMENTOS RELEVANTES DE ACREDITAÇÃO (Curso C) OTA NBR ISO Curso de, no mínimo, 16h na NBR 15331, OPC NBR ISO de 40h ABNT NBR ISO/IEC NIT-Dicor-073 NIT-Dicor-004 NIT-Dicor-062 OCP e OVD NBR ISO de 40h ABNT ISO/IEC Guia 65 NIT-Dicor-057 NIT-Dicor-024 OIA NBR ISO de 40h ABNT NBR ISO/IEC NIT-Diois-008 NIT-Diois-002 NIT-Diois-0 NIT-Diois-004 NIT-Diois-005 NIT-Diois-009 NIT-Diois-011 OCM NBR ISO Curso de, no mínimo, 16h na ABNT NBR ISO 10012, 8.5 Experiência e qualificação em avaliações para acreditação de organismo de certificação e verificação de desempenho Para qualificação como avaliador de acreditação de organismos de certificação e verificação de desempenho para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, o candidato deve: a) atender aos requisitos do item 8.1 a 8.4 e; b) participar como avaliador em treinamento de pelo menos duas avaliações de concessão, supervisão e/ou reacreditação, com preenchimento do FOR-Cgcre-310 pelo avaliador-líder Para qualificação como avaliador de acreditação de organismos de certificação e verificação de desempenho para outro tipo de norma de referência de acreditação, o candidato deve atender aos requisitos do item 8.5.1, e participar de, pelo menos, uma avaliação em treinamento nesta norma Para qualificação como avaliador-líder de acreditação de organismos de certificação e verificação de desempenho para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, o candidato deve: a) ser qualificado como avaliador para o respectivo tipo de acreditação e; b) participar como avaliador em treinamento de pelo menos três avaliações de concessão, supervisão e/ou reacreditação, com preenchimento do FOR-Cgcre-311 pelo avaliador-líder Para qualificação como avaliador-líder de acreditação de organismos de certificação e verificação de desempenho para o segundo tipo de norma de referência de acreditação, o candidato deve: a) ser qualificado como avaliador-líder para outro tipo de acreditação; b) deve atender aos requisitos do item 8.4.4; e c) deve participar de ao menos uma avaliação em treinamento no segundo tipo de norma de referência de acreditação

7 07/ Para qualificação como avaliador-líder de testemunha de organismo de certificação, o candidato deve: a) ser qualificado como avaliador-líder de escritório para algum tipo de acreditação; e b) participar de pelo menos duas avaliações testemunhas como avaliador-líder treinando Para qualificação como avaliador-líder de testemunha de organismos de certificação e verificação de desempenho para o segundo tipo de norma de referência de acreditação, o candidato deve: a) ser qualificado como avaliador-líder de testemunha para outra modalidade de acreditação; e b) deve participar de ao menos uma avaliação em treinamento no segundo tipo de norma de referência de acreditação. 8.6 Experiência e qualificação em avaliações para acreditação de organismo de inspeção Para qualificação como avaliador-líder de acreditação de organismos de inspeção para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, o candidato que não possui experiência em auditorias e/ou avaliações deve: a) atender aos requisitos do itens 8.1 a 8.4; e b) participar de pelo menos cinco avaliações como avaliador-líder em treinamento, sendo desejável que 1 avaliação seja completa (concessão ou reacreditação), e na última avaliação atue como avaliador-líder monitorado, sendo supervisionado por um avaliador-líder qualificado para o tipo de acreditação e realizando todas as etapas da avaliação, desde a preparação até a elaboração do relatório da avaliação Para qualificação como avaliador-líder de acreditação de organismos de inspeção para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, o candidato que possui experiência mínima de quinze dias atuando em auditorias e/ou avaliações deve: a) atender aos requisitos dos itens 8.1 a 8.4; e b) participar de pelo menos três avaliações como avaliador-líder em treinamento, sendo desejável que uma avaliação seja completa (concessão ou reacreditação), e na última avaliação atue como avaliador-líder monitorado, sendo supervisionado por um avaliador-líder qualificado para o tipo de acreditação e realizando todas as etapas da avaliação, desde a preparação até a elaboração do relatório da avaliação O avaliador-líder de acreditação de organismos de inspeção, já qualificado para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, deverá realizar, no mínimo, um treinamento/monitoramento prático para obter a qualificação em um segundo tipo de inspeção A chefia da Diois poderá designar um especialista para participar sozinho de avaliações extraordinárias, atuando como avaliador, desde que cumpra os seguintes requisitos: a) participar de um curso com técnicas de avaliação com carga horária de ao menos dezesseis horas b) ter experiência como especialista ao menos em quinze avaliações de acreditação de organismos de inspeção. 8.7 Requisitos para qualificação de especialistas de escritório e testemunha em avaliações de organismo de certificação Qualificação de especialistas Os avaliadores e avaliadores-líderes também podem ser qualificados como especialistas, desde que atendam aos mesmos critérios utilizados para qualificar especialistas.

8 08/ O candidato a especialista deve ter formação profissional de nível superior ou técnico de nível médio, além de atender, nos últimos cinco anos, a pelo menos quatro dos itens abaixo: a) participação na elaboração de documentos normativos pertinentes ao escopo a ser avaliado; b) participação em comitês ou subcomissões técnicas relativas ao escopo a ser avaliado; c) acompanhamento e/ou conhecimento dos ensaios, ao escopo a ser avaliado; d) participação em auditorias e/ou avaliações ao escopo a ser avaliado; e) conhecer normas de especificação, lei e/ou regulamentos de avaliação da conformidade referente ao escopo a ser avaliado; f) possuir experiência profissional de dois anos no processo produtivo a ser avaliado, seja na linha de produção ou na área de gerenciamento da produção, englobando pontos críticos de controle do ao escopo a ser avaliado; g) participação em eventos relacionados ao escopo, tais como cursos e Workshop; h) possuir cursos de especialização, mestrado, doutorado ou pós-doutorado na área de conhecimento do escopo a ser avaliado; e i) possuir experiência profissional de dois anos em atividades de consultoria na área de conhecimento do escopo a ser avaliado Orientação para participação de especialistas em auditorias-testemunha Este conhecimento é adquirido através de leitura do documento DOQ-Cgcre-015, o qual fornece orientações gerais para o especialista que irá participar em uma auditoria-testemunha designado pela Cgcre. Este conhecimento refere-se aos procedimentos, critérios e outros requisitos da Cgcre aplicáveis às atividades de acreditação. A verificação é feita na avaliação inicial e nos monitoramentos Requisitos adicionais Para OCP, os especialistas devem ser qualificados por área de atuação constante na NIT-Dicor Para OCS e OCA os especialistas são qualificados segundo os 39 escopos definidos pelo IAF e o código NACE específico ( Para OCE os especialistas deve ter 4 anos de experiência na industria aeroespacial. São qualificados conforme formação específica e experiência profissional, contabilizada somente a partir dos últimos dez anos, por área de atuação, segundo os 39 escopos definidos pelo IAF e o código NACE específico Para OHC, os especialistas devem ter experiência profissional de no mínimo dois anos no setor da cadeia produtiva de alimentos do escopo a ser auditado, conforme a. Além disto, deve possuir conhecimento em Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) Para OCF, os especialistas devem estar qualificados para o código Nace (02.01P para florestas plantadas e 02.01N para nativas). Além disso, devem possuir conhecimento em um ou mais dos seguintes tópicos: a) ciência e tecnologia florestais; b) aspectos técnicos, ambientais, sociais e econômicos do manejo florestal; e c) requisitos aplicáveis de leis, regulamentos e documentos relacionados ao manejo florestal Para OCR os especialistas devem atender os requisitos para especialistas apresentados na ABNT NBR Para OCO, os especialistas devem possuir conhecimento para atuar nos seguintes escopos: execução de obras, serviços especializados de execução de obras, gerenciamento de obras e de empreendimentos e/ou elaboração de projetos.

9 09/ Requisitos para qualificação de especialistas técnicos para acreditação de organismos de inspeção (OIA) Os especialistas que atuam na área de OIA têm a característica particular de poder atuar isoladamente nas suas avaliações de teor técnico O candidato à especialista deve participar de pelo menos três avaliações como especialista em treinamento, sendo desejável que uma avaliação seja completa (concessão ou reacreditação). Após o treinamento, o candidato deve participar de um monitoramento, sendo supervisionado por um especialista qualificado para o tipo de acreditação e realizando todas as etapas da avaliação, desde a preparação até a elaboração do relatório da avaliação. Apenas no caso de especialistas na área de ensaios não-destrutivos, os três treinamentos podem ser dispensados, a critério da Dicap O especialista que atua na área de acreditação de organismos de inspeção, já qualificado para o primeiro tipo de norma de referência de acreditação, deverá realizar, no mínimo, um treinamento prático, seguido de um monitoramento, para obter a qualificação em um segundo tipo de inspeção O candidato a especialista deve: a) demonstrar capacidade de realizar avaliação de maneira consistente e sistemática através de conhecimento e habilidades para a aplicação correta de princípios, procedimentos, técnicas de auditoria, leis, regulamentos técnicos e de avaliação da conformidade, requisitos estabelecidos na ABNT NBR ISO item 7.3, normas de referência de certificação e de acreditação pertinentes ao tipo de acreditação a ser avaliado; b) adquirir conhecimento da norma de referência da acreditação (Tabela 1-curso B) através de curso interno ou externo ministrado por um organismo de acreditação signatário do MLA do IAF; c) adquirir conhecimento dos procedimentos, critérios e outros requisitos do Inmetro aplicáveis às atividades de acreditação (Tabela 1-curso C), através de curso interno ministrado pelo Inmetro ou instrução com registro; e d) possuir experiência profissional na área de atividade referente a área de inspeção pertinente onde irá atuar, adquirida nos últimos dez anos Para atuar como especialista na acreditação de organismos de inspeção na área de ensaios não destrutivos, o candidato deve: a) ser certificado em nível 2 ou 3 pelo Sistema Nacional de Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos(SNQC-END) ou por outro sistema equivalente ou ter concluído pós-graduação na área pertinente ao escopo e possuir experiência profissional de dois anos, nos últimos 5 anos; ou b) possuir experiência profissional mínima de três anos na área de ensaios não destrutivos para o escopo a ser avaliado, nos últimos 5 anos Para atuar como especialista na acreditação de organismos de inspeção de equipamentos e veículos utilizados para o transporte de produtos perigosos a granel o candidato deve: a) ter realizado curso de inspeção referente ao transporte de produtos perigosos fornecido pela Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção (ABENDI) e possuir experiência profissional de dois anos na área de transporte de produtos perigosos, nos últimos 10 anos; ou b) possuir experiência de dois anos em inspeção relacionada ao transporte de produtos perigosos, nos últimos cinco anos Para atuar como especialista na acreditação de organismo de inspeção na área de segurança veicular, o candidato deve possuir experiência profissional de dois anos na área automotiva em atividades de inspeção de segurança veicular, nos últimos cinco anos.

10 10/ O especialista não é considerado avaliador de sistemas e, portanto, não pode atuar como tal em qualquer modalidade de acreditação. Seu conhecimento de técnicas de avaliação lhe dá, entretanto, a competência necessária para realizar, sem a supervisão direta do avaliador-líder (avaliador de sistemas), as verificações de teor técnico na sua área de especialidade. 8.9 Requisitos para qualificação de especialistas em acreditação de organismos de certificação de pessoas (OPC) Os especialistas devem ser qualificados por área de certificação de pessoas constante da NIT-Dicor-004, conforme a Tabela 2. TABELA 2 Requisitos para qualificação de especialistas em acreditação de OPC EDUCAÇÃO Ensino Médio completo Formação técnica na área afim Superior na área não afim Superior na área afim EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL No mesmo grupo de produtos ou pessoas no mínimo 5 anos 3 anos 4 anos 2 anos A metade do tempo de experiência requerida no quadro de especialistas pode ser substituída por, pelo menos, três dos seguintes itens: a) treinamentos específicos em curso ou no trabalho; b) participação em comitês, comissões ou subcomissões técnicas relativas ao produto; c) acompanhamento de ensaios, no escopo; d) participação em avaliação/auditorias, no escopo; e e) elaboração de documentos de normalização Formalização da qualificação f) O Chefe da Dicap deve decidir pela qualificação do candidato a especialista, avaliador e/ou avaliador-líder de escritório e/ou testemunha para acreditação de organismo de certificação e de inspeção, assim como pela necessidade de avaliações adicionais em treinamento, com base na análise do FOR-Cgcre-310, FOR-Cgcre-311 e/ou FOR-Cgcre-312 ou outros registros que forem necessários, tais como relatórios de avaliação. A formalização da qualificação é registrada no FOR-Cgcre-355.

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM MAI/2013 REV Nº 01/13

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM ABR/07 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1

Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Tabela 1 - Tempo total em número de dias de uma auditoria (mínimo) Tr a b a l h a d o r e s Nível A Nível B 100% IAF AI AS AR 60% IAF AI AS AR Fase 1 Fase 2 Fase 1 Fase 2 De 1 a 5 1,5 1,0 1,0 1,0 1,0 1,0

Leia mais

Certificação de Pessoas

Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas O que é? Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes e competências do trabalhador, requeridos pelo sistema produtivo e definidos em termos

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012 Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-012 Revisão 02 Fev/2010 DOQ-CGCRE-012 Rev. 02 Fev/2010 Página: 02/12

Leia mais

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A importância do conhecimento da legislação ambiental para auditores profissionais Marcello Guimarães Couto, Esp. Gerente da Divisão

Leia mais

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade João Carlos Antunes de Souza Chefe da Divisão de Credenciamento de Laboratórios dicla@inmetro.gov.br Acreditação Atestação realizada por terceira

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS NORMA Nº: NIT-DICOR-004 APROVADA EM JUN/2011 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico 5 Documentos

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS PROCEDIMENTO INDUSTRIAL OI-L3-704-SAM-BR(IND)-1764 Revisão: 10 Data de publicação: 17/09/2014 Data

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Norma CNEN NN 1.17 Resolução CNEN 118/11 Setembro / 2011 QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN 02/96 Publicação: DOU 19.04.1996

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS 1 Objetivos O presente documento estabelece as competências que um organismo de certificação da Gestão da Segurança de Alimentos, conforme a norma ABNT NBR ISO 22000:2006, deve atender para obter e manter

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA NORMA No NIT-DICLA-026 APROVADA EM MAI/08 Nº 01/06 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021

Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO. Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021 Coordenação Geral de Acreditação INTRODUÇÃO ÀS PRÁTICAS DE AUDITORIA DE ACREDITAÇÃO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-021 Revisão 01 FEV/2010 DOQ-CGCRE-021 Revisão 01 Fev/2010 Página: 02/28 Introdução

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas.

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Renata Martins Horta Borges Divisão de Acreditação de Laboratórios Coordenação

Leia mais

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS

NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS Sumário NBR ISO 14012 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL- CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO PARA AUDITORES AMBIENTAIS 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3. Definições...2 3.1.

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

ANPAD; Um representante da comunidade científica indicado pela Diretoria Artigo 5º ANDIFES. - São atribuições do Comitê Gestor: da

ANPAD; Um representante da comunidade científica indicado pela Diretoria Artigo 5º ANDIFES. - São atribuições do Comitê Gestor: da Regulamento do Curso de Mestrado Profissional Nacional em Administração Pública em Rede (PROFIAP) Artigo Capítulo 1º I - Objetivos administrativa produtividade tem O Mestrado avançada como objetivo Profissional

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS NORMA Nº: NIT-DICOR-004 APROVADA EM MAI/2013 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da Revisão

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços por Empresas Credenciadas para Vistoria - ECV, para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 18/2014/CONEPE Aprova criação do Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Gráfica e Editora Posigraf S/A. à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

NORMA TÉCNICA 39/2014

NORMA TÉCNICA 39/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 39/2014 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE VENDA/REVENDA, MANUTENÇÃO E/OU RECARGA DE EXTINTORES DE INCÊNDIO, DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO E/OU DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Política Gestão de Configuração e Mudança

Política Gestão de Configuração e Mudança Política Gestão de Configuração Histórico de Alteração Data Versão Descrição Autor 20/08/2011 1 Versão Inicial Danilo Costa Versão 1 Pág. 2 de 7 Índice 1. POLÍTICA 4 1.1 Aplicabilidade 4 2. CONCEITUAÇÃO

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AUDITOR DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR 15100 NORMA Nº NIT-DICOR-062 APROVADA EM FEV/08 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13

PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008. MOD01 rev13 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DA INTERCOMPARAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA.

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. OBJETIVOS DO PROGRAMA A VALEC, como concessionária da Ferrovia Norte Sul será a responsável pela operação

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas

Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas Competências Pessoais em Atmosferas Explosivas - Unidade de Competência EX 001 Aplicação dos princípios básicos de proteção em atmosferas explosivas Esquema de Certificação Julho de 2015 Página 1 de 10

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO Em virtude da intelectualidade manifesta dos serviços a serem licitados será adotado o tipo de licitação

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1 Qualidade e Teste de Software 2010 1 ISO A ISO ( International Organization for Standardization) nasceu de uma conferência em Londres, em Outubro de 1946. O evento contou com a Participação de 65 delegados

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas. Certificação de Pessoas na Área de Turismo

Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas. Certificação de Pessoas na Área de Turismo Curso Avaliação da Conformidade: Contextos, Fundamentos e Práticas Certificação de Pessoas na Área de Turismo Maria Regina Alves de Souza Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade Inmetro 15.05.2009

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013

PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013 PORTARIA Nº 554, DE 20 DE JUNHO DE 2013 Estabelece as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção dos servidores pertencentes ao Plano de Carreiras

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação?

1. Porque a RAS e a Rainforest Alliance estão adotando esta nova certificação? MAIO 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Certificação de Cadeia de Custódia* Empresas alimentícias, varejistas, governos, ONGs e consumidores estão cada vez mais interessados em conhecer as origens dos produtos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

Leia mais

O seu parceiro para a qualidade

O seu parceiro para a qualidade Página 1 de 5 1. OBJECTIVO Este procedimento geral estabelece as regras para a gestão da transição para a nova norma NM ISO 9001: 2015. 2. ÂMBITO Este procedimento aplica-se a transição normativa da NM

Leia mais

Ensaio e Certificação

Ensaio e Certificação Seminário sobre as experiências basileiras na implementação das Diretivas WEEE e RoHS Ensaio e Certificação 08/02/2011 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Cgcre/Inmetro O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE/COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE/COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/SGT N.º 3/CAC/ATA Nº 04/08 XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE/COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro,

Leia mais

Apresentação na Câmara de Mel. Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011.

Apresentação na Câmara de Mel. Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011. Apresentação na Câmara de Mel Fernando Goulart Diretoria da Qualidade Brasília, 24 de fevereiro de 2011. Missão do Inmetro Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-025 Revisão 01 DEZ/2012

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 NORMA Nº: NIT-DIOIS-008 APROVADA EM MAI/2012 Nº 01/18 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas 5 Histórico da Revisão

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes 1/26 Palavras-chave: Certificação, reatores. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS

ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS (Aprovado em RCA de 03.11.2010) Página 1 de 5 ÍNDICE 1. REGIMENTO 2. OBJETIVOS 3. COMPOSIÇÃO 4. FUNCIONAMENTO 5.

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais