24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração"

Transcrição

1 Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser observados diretamente? Como garantir confiabilidade e consistência a estes dados? Quetipodeescalautilizar? Conceitos Básicos em Mensuração Mensuração: determinar o quanto uma propriedade é observada; números são atribuídos para refletir esta medida. Atribuir números ou outros símbolos a características de objetos com certas regras predefinidas. Propriedade: características específicas de objetos, pessoas ou eventos que podem ser utilizados para distinguir estes de outros. Propriedades Objetivas: são fisicamente observáveis e verificáveis Propriedades Subjetivas: são constructos mentais. 1

2 Escalas de Medida Escala: criação de um continuum em que os objetos estão localizados. Exemplo: atitude em relação a um produto (desfavorável = 1; neutro = 2; favorável = 3) Objetivo: dar condições de caracterizar os entrevistados com a maior precisão e confiabilidade possíveis. Escalonamento: procedimento para tentar determinar medidas quantitativas para conceitos subjetivos ou abstratos. O Problema da Mensuração Conceitos Básicos de Mensuração Quando coletamos uma informação o dado obtido é sempre um escore de mensuração, ouseja,nãoé uma avaliação real do constructo. Escore verdadeiro = escore medido + erro Erro: qualquer tipo de variação no escore medido que não pode ser atribuída ao escore verdadeiro. A melhor técnica de mensuração é aquela que satisfaz às questões de pesquisa de forma a ter o máximo de aproximação ao escore verdadeiro. 2

3 Conceitos Básicos de Mensuração Fontes externas de variação são referidas como viés. Para reduzir o viés, é importante saber: Definir claramente o que se quer mensurar. Os pesquisados devem ter habilidades para responder as questões propostas. Os pesquisados devem entender o instrumento de coleta de dados de forma adequada. Os pesquisados devem estar motivados para oferecer um escore medido de forma a este ser semelhante ao seu escore verdadeiro. As categorias de respostas devem ser o mais próximas do escore real de cada indivíduo. Quantos Itens Utilizar para Medir Algo? Isto é importante para redução de viés. Lembrar da questão da parcimônia. Medida de 1 item Medida de múltiplos itens REAL MEDIDO MEDIDO MEDIDO MEDIDO Propriedades de uma Escala A primeira questão importante diz respeito ao tipo de escala que será aplicada. Ela determina diretamente o tipo de análise que poderá ser operacionalizada. Escalas Qualitativas Quantitativas Nominal Ordinal Intervalar Razão 3

4 Propriedades de uma Escala Nominal: escala que divide os dados em categorias mutuamente exclusivas, tendo por objetivo rotular o indivíduo, objeto ou fenômeno em investigação. Ordinal: categorias estão em um certo tipo de ordem, mas a distância entre os pontos não é conhecida. Propriedades de uma Escala Intervalar (comparação entre intervalos): escala ordinal com intervalos iguais entre os pontos para mostrar quantidades relativas que podem incluir um zero arbitrário. As categorias não estão apenas em ordem, mas a distância é conhecida e tem indicação numérica. Razão (magnitudes absolutas): categorias estão em ordem, distância entre itens é conhecida e o zero absoluto existe. Possibilidades de Análises Escala Nominal Ordinal Intervalar Razão Teste qui-quadrado Estatística Inferencial Coeficiente de correlação Tau-b, Tau-c, Spearman, ANOVA de Friedman. Teste t, ANOVA, regressão linear, regressão logística, análise discriminante, análise fatorial, correlação canônica, etc. Teste t, ANOVA, regressão linear, regressão logística, análise discriminante, análise fatorial, correlação canônica, etc. A medida que desce, aumentam as possibilidades de análise. 4

5 Tipos de Técnicas de Escala Comparativas Objetos são comparados diretamente Comparação por pares Ordem de classificação Soma constante Outros procedimentos Não Comparativas Cada objeto é avaliado separadamente Escala de classificação contínua Escala de classificação por itens Likert Diferencial semântico Stapel Classificação Técnicas de Escalonamento Escalas Comparativa Escalas Não Comparativas Comparaçã o por pares Ordem Soma de Posto Constant e Escala Q e outros Processos Escalas de Classificação Contínua Escalas de Classificação Itemizada Likert Diferencial Semântico Stapel Técnicas de Escalonamento Comparativo Escalonamento por Comparação por Pares: uma técnica de escalonamento comparativo, em que se apresentam ao respondente dois objetos de uma vez, pedindo-lhe que escolha um objeto no par, de acordo com algum critério. Os dados obtidos são ordinais por sua própria natureza. 5

6 Comparação por Pares Uma série de ordem de classificação usada para avaliar Sombras para Olhos Por favor, classifique as seguintes sombras para olhos com 1 sendo a marca que mais atende as características sob avaliação e, 3 sendo a marca que pior atende a essas características. Vamos começar com a ideia de embalagem de alta qualidade. Quais marcas seriam classificadas com tendo a mais alta 1ualidade em embalagem? E a 2ª? Tem a embalagem de melhor qualidade Tem o aplicador de melhor qualidade Tem a melhor sobra para os olhos Avon Natura Estee Lauder 1 2 Revlon Maybelline Phytoervas 3 Técnicas de Escalonamento Comparativo Escalonamento por Ordem de Posto: técnica comparativa em que são apresentados simultaneamente vários objetos aos entrevistados, que devem ordená-los ou atribuir-lhes postos de acordo com algum critério 6

7 Ordem de Posto Exemplo: Preferências por marcas de pastas de dentes com o uso de ordem de classificação Instruções: Classifique as várias marcas de pastas de dentes por ordem de preferência. Comece escolhendo a marcaquevocêmaisprefiraeatribuaanota 1.Depois, com a segunda marca mais preferida, atribua a nota 2. Continue com este processo até que você tenha classificado todas as marcas por ordem de preferência. A marca menos preferida deve ter a nota 10. Duas marcas não devem receber o mesmo número de ordem de classificação. O critério de preferência é somente SEU. Não há respostas certas nem erradas; apenas tente ser consistente. Marca Preferência 1. Sorriso 3 2. Colgate 3. Close-up 1 4. Xavier 5. Ultra Brite 2 6. Kolynos 7. Dentyne 4 8. Crest 9. Philips 10. Aim Técnicas de Escalonamento Comparativo Escalonamento de soma constante: Técnica comparativa de escalonamento em que os entrevistados devem atribuir uma soma constante de unidades como pontos, reais, etiquetas adesivas ou batatas fritas dentre um conjunto de objetos de estímulo, com base em algum critério. 7

8 Soma Constante Exemplo: Soma constante com o uso de escala de comparação por pares Gostaríamos que você dividisse 11 pontos, ou moedas, entre cada um dos pares de loção para mãos listados abaixo. Você pode dividir as 11 moedas, ou pontos, da maneira que você quiser, dependendo de quanto mais você gosta de produto frente a outro. Algumas possíveis combinaçõessão:11e0,1e10,9e2,3e8,7e4.osdois números que você atribuir a cada par TEM que somar 11. Sempre atribua mais pontos ao produto que você mais gostar do par em questão. O número de pontos que você decidir atribuir a cada produto deve estar marcado na caixa ao lado dele. Escalonamento Q-Sort 8

9 Escalonamento Não Comparativo Escala de Classificação Contínua: Pede aos entrevistados que classifiquem os objetos colocando uma marca na posição apropriada em uma linha que vai de um extremo ao outro da variável critério. A forma pode variar consideravelmente Classificação Contínua Como classificaria o Pão de Açúcar como supermercado? Versão 1 Provavelmente Provavelmente o pior o melhor Versão 2 Provavelmente Provavelmente o pior o melhor Escalonamento Não Comparativo Escala do tipo Likert: Pede-se ao respondente que concorde ou discorde de cada afirmação. Cada resposta recebe uma classificação numérica para refletir seu grau de favorecimento de atitude, e esses números podem ser somados para mensurar as atitudes do respondente 9

10 Escala do tipo Likert Escalonamento Não Comparativo Escala de Diferencial Semântico: Mensura os significados psicológicos de uma atitude ou objeto. Ela é baseada na proposição de que um objeto pode ter diversas dimensões de significado conotativo. Os significados estão localizados em um espaço de propriedade multidimensional, chamado espaço semântico. Diferencial Semântico 10

11 Diferencial Semântico Escalonamento Não Comparativo Escala do tipo Stapel: É usada como uma alternativa para a diferencial semântica, especialmente quando é difícil encontrar adjetivos bipolares que se ajustem à questão investigativa Escala do Tipo Stapel 11

12 Validade e Confiabilidade Validade e Confiabilidade Validade e Confiabilidade 12

13 Validade e Confiabilidade Validade e Confiabilidade Validade e Confiabilidade Avaliação Confiabilidade Validade Generabilidade Teste / Reteste Formas Alternativas Consistência Interna 13

14 Avaliação Confiabilidade: Semelhança de resultados proveniente de medidas independentes, mas comparáveis, do mesmo objeto ou construto. Estabilidade (Teste-Reteste): Evidência de confiabilidade da medida; determinada pela avaliação dos mesmos objetos, indivíduos em dois momentos no tempo e depois correlacionados os escores Avaliação Equivalência: Evidência de confiabilidade de uma medida, determinada em instrumentos individuais e situações de aplicação. Quando aplicado a instrumentos, a medida de confiabilidade é a consistência interna ou homogeneidade interna de um grupo de itens que formam uma escala. Quando aplicada a situações de medida, a confiabilidade foca na perspectiva de que diferentes observadores ou diferentes instrumentos utilizados para avaliar os mesmos indivíduos ou objetos no mesmo momento indicam resultados consistentes. Classificação dos Erros Erro Sistemático: também conhecido como erro constante, já que afeta a medida de forma sistemática. Erro Aleatório: relativo a aspectos transitórios de uma pessoa ou situação medida, e que a afeta de forma irregular. 14

15 Fatores Potenciais de Erros Diferenças verdadeiras na característica medida Diferenças verdadeiras em outras características (estáveis) de pessoas ou objetos que afeta seus escores Diferenças relativas a fatores pessoais transitórios Diferenças relativas a fatores situacionais Diferenças relativas e variações na administração Diferenças relativas a amostra de itens Diferenças relativas a falta de clareza no instrumento de medida Diferenças relativas a fatores mecânicos Dimensionabilidade Refere-se a homogeneidade dos itens Uma medida considerada unidimensional possui propriedades estatísticas indicando que seus itens relacionam-se a um único construto ou fator. Cada construto deve ter sua estrutura definida a priori (referência na teoria) Estrutura Unidimensional Estrutura Multidimensional Estrutura em níveis de abstração mais elevados Confiabilidade Se as medidas forem feitas várias vezes, produzirão os mesmos resultados? O erro aleatório não influencia a confiabilidade, pois ele afeta a escala de maneira constante. o erro sistemático produz inconsistência, baixando a confiabilidade. 15

16 Confiabilidade da Escala Como avaliar? Teste-Reteste: os respondentes recebem o mesmo conjunto de itens em dois momentos diferentes, sob as mesmas condições. Mede-se a correlação entre as respostas nos dois momentos. Split-half: os itens da escala são divididos em dois grupos, e os escores resultantes de cada metade devem ser correlacionados. Formas alternativas: duas formas equivalentes de escala são apresentadas aos respondentes em dois momentos diferentes Alpha de Cronbach: verifica a consistência interna dos itens que formam determinados constructos. Avaliação Validade: A Extensão na qual as diferenças nos escores de um instrumento de medida refletem as diferenças verdadeiras entre indivíduos, grupos ou situações nas características busca avaliar, ou diferenças verdadeiras no mesmo indivíduo, grupo ou situação, de uma ocasião a outra, que não sejam os erros sistemático ou aleatório. Tipologia Avaliação Confiabilidade Validade Generabilidade Conteúdo Criterium Constructo Convergente Discriminante Nomológica 16

17 Validade da Escala 1) Validade de Conteúdo (Content): é uma medida subjetiva todas as dimensões para medir o objeto estão sendo consideradas? Exemplo: a imagem de uma loja deve considerar: qualidade dos produtos, variedade, atendimento, etc. 2) Criterion validity: mede o comportamento da escala em relação a outras variáveis (por exemplo demográficas, atitudinais ou comportamentais) Exemplo: pergunta-se sobre a possibilidade de compra de um produto e depois é feito um rastreamento para verificar se a compra foi feita Validade da Escala 3) Validade de Constructo (Construct) : a escala realmente mede o que se propõe? Validade convergente: mede se a escala está positivamente correlacionada com outras medidas do mesmo construto; Validade discriminante: mede se a escala está pouco correlacionada com outros construto que deve diferir; Validade nomológica: a escala possui correlação alta com outros construtos teoricamente relacionados? Generalidade Se a escala foi utilizada para entrevistas pessoais, pode também ser utilizada em entrevistas por telefone? A Generalidade de uma escala é obtida por meio da realização de diversos levantamentos de formas distintas utilizando a mesma escala. 17

18 Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO 18

Amostragem Formas de Mensuração Tipos de Escala

Amostragem Formas de Mensuração Tipos de Escala gem Escala Guilherme Mirage Umeda José Roberto Moraes Antiqueira Kavita Miadaira Hamza Venâncio Cavallero Características de uma mensuração Exemplo: Qual é a sua opinião sobre a dificuldade de utilização

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. Leonardo Tonon Prof. Thiago C. Nascimento 1 Agenda de Trabalho Aula 01 Apresentação Geral Abordagem Quantitativa Levantamento (Survey) Delineamento Amostral Escalas Instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Sociais e Humanas Programa de Pós-Graduação em Administração GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação

AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação 1 AULAS 08, 09 E 10 Metodologia da avaliação Ernesto F. L. Amaral 06, 08 e 13 de setembro de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING

A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING A ANÁLISE FATORIAL AUXILIANDO A RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA REAL DE PESQUISA DE MARKETING Sumaia Abdei Latif Aluna Especial do PPGA/FEA/USP INTRODUÇÃO A teoria diz que determinadas técnicas de análise de

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO Visando subsidiar a formulação de políticas e estratégias de ação que promovam, a médio e longo prazos, a redução das desigualdades

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES.

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES. 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Métodos de Pesquisa Quantitativa TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E

Leia mais

Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou. landeira@puc-rio.br

Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou. landeira@puc-rio.br Prof. Landeira-Fernandez Bioestatística Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou Rio de Janeiro, 23 de junho de 2015. landeira@puc-rio.br AULA

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Definição Um questionário é um formulário impreso ou on-line com perguntas que os usuários e demais participantes devem responder, a fim de

Leia mais

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA NOMINAL ORDINAL QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA CONTÍNUA - Variável qualitativa nominal = valores que expressam atributos, sem nenhum tipo de ordem. Ex: cor dos olhos, sexo, estado civil, presença

Leia mais

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Capítulo 4 Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Os temas deste capítulo são: Teste Estatístico Hipótese estatística Pressuposições no teste de hipótese Regras de decisão Erros tipo I e tipo

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

3 Análises de propriedades psicométricas

3 Análises de propriedades psicométricas 25 3 Análises de propriedades psicométricas A Psicometria é o campo da Psicologia que busca analisar as características matemáticas constantes dos dados empíricos. A intersecção com as Ciências Estatísticas

Leia mais

Pesquisa experimental

Pesquisa experimental 1 Aula 7 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Pesquisa experimental Wilhelm Wundt (1832-1920), Pai da Psicologia Experimental. Leituras obrigatórias:

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA

SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA SIMULADO SOBRE METODOLOGIA CIENTÍFICA Aluno A prova contém 42 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta folha.

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90

A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90 A Pesquisa Survey em Artigos de Marketing nos ENANPADs da Década de 90 Marcelo Gatterman Perin Mestre em Sistemas de Informações e Doutorando em Administração pela UFRGS, e Professor da UNISINOS E-mail:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Pesquisa de Mercado. 1. Introdução. 2. Fontes de Dados em Pesquisa de Mercado. 3. Tipos de Dados

Pesquisa de Mercado. 1. Introdução. 2. Fontes de Dados em Pesquisa de Mercado. 3. Tipos de Dados Pesquisa de Mercado Fabiano Rodrigues Dias Cheque 1 and Lúcia Pereira Barroso 2 1 Universidade de São Paulo (USP), Brasil fabiano_imeusp@hotmail.com 2 Universidade de São Paulo (USP), Brasil lbarroso@ime.usp.br

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME FINAL NACIONAL MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Janeiro de 2015

INFORMAÇÃO-EXAME FINAL NACIONAL MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Janeiro de 2015 INFORMAÇÃO-EXAME FINAL NACIONAL MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Janeiro de 2015 Prova 835 2015 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

EC330 Tratamento da Informação

EC330 Tratamento da Informação EC330 Tratamento da Informação Prof. Dr. Maurício U. Kleinke PECIM PPG em Ensino de Ciências e Matemática Grupo de Ensino e Avaliação DFA/IFGW/Unicamp Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Prefácio 3. 3. As secções do questionário 11 3.1. Como fazer um plano das secções 12

Prefácio 3. 3. As secções do questionário 11 3.1. Como fazer um plano das secções 12 DINÂMIA CENTRO DE ESTUDOS SOBRE A MUDANÇA SOCIOECONÓMICA A CONSTRUÇÃO DE UM QUESTIONÁRIO WP 98/ Outubro de 998 Índice Prefácio 3. As bases de construção de um questionário 4.. Os Objectivos da investigação

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ESTATÍSTICA Prof. Dr. Ivan Bezerra Allaman Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC Cronograma Introdução 1 Introdução 2 3 Você associa a estatística ao que? Qual a importância

Leia mais

IV - Critérios para Avaliação dos Testes Psicológicos

IV - Critérios para Avaliação dos Testes Psicológicos Ricardo Primi, Regina Sonia Gattas F. do Nascimento e Audrey Setton de Souza Para a realização do processo de avaliação dos Testes Psicológicos, foram utilizados os principais fundamentos psicométricos,

Leia mais

Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise

Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise Métodos de Síntese e Evidência: Revisão Sistemática e Metanálise Mirian Carvalho de Souza Divisão de Epidemiologia Coordenação de Pesquisa Populacional Coordenação Geral Técnico-Científica Estudos Revisão

Leia mais

APOSTILA SOBRE VARIÁVEIS E NÍVEIS DE MENSURAÇÃO

APOSTILA SOBRE VARIÁVEIS E NÍVEIS DE MENSURAÇÃO CARLOS JOSÉ GIUDICE DOS SANTOS APOSTILA SOBRE VARIÁVEIS E NÍVEIS DE MENSURAÇÃO BELO HORIZONTE 2005B 2 SUMÁRIO PÁG. I - Conceitos - Definições Características - Níveis de Mensuração... 3 Nominal... 4 Ordinal...

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Luciene Bianca Alves ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias

Leia mais

SÉRIE: Estatística Multivariada Texto i: INTRODUÇÃO SUMÁRIO

SÉRIE: Estatística Multivariada Texto i: INTRODUÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. O QUE É A ANÁLISE MULTIVARIADA?... 1 1.2. FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS... 1 1.3. DEFINIÇÃO DE ANÁLISE MULTIVARIADA... 1 2. CONCEITOS BÁSICOS... 2 2.1. COMBINAÇÃO LINEAR DE

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS Escola de Enfermagem UFRGS Julho/2007 Juscelino Zemiacki Estatístico Programa Básico: AULA 1 Noções Básicas de Estatística AULA

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey

AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey 1 AULAS 22, 23 E 24 A lógica da amostragem do survey Ernesto F. L. Amaral 03, 09 e 10 de junho de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Babbie, Earl. 1999. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: Editora

Leia mais

Aula 8 Planejamento e Análise de Experimentos

Aula 8 Planejamento e Análise de Experimentos Aula 8 Planejamento e Análise de Experimentos Professores Miguel Antonio Sovierzoski, Dr. miguelaso@utfpr.edu.br; Vicente Machado Neto, Dr. vmachado@utfpr.edu.br; A maioria das medições industriais usam

Leia mais

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Marketing Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Identificar os componentes principais do sistema de informação de marketing. Discutir a forma com as empresas

Leia mais

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I

PROPOSTA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO NÍVEL I PROPOSTA DE FORMAÇÃO INTRODUÇÃO As probabilidades e estatística funcionam hoje em dia como uma ferramenta não só de apoio, mas sim de iluminação para as diferentes ciências. Qualquer profissional não poderá

Leia mais

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher.

Proposições. Gluckman(1990) Muitas pessoas deixam de tomar vinho em restaurantes por não saber escolher. 3 Metodologia 3.1 Elaboração da Pesquisa A pesquisa de campo dividiu-se em três fases distintas, porém complementares. 1 Passo - Pesquisa Bibliográfica Primeiramente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica,

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa Tópicos Abordados Pesquisa de Mercado Aula 2 Prof. Me. Ricieri Garbelini 1. Diferença entre qualitativa e quantitativa 2. Dados X informação 3. Tipos de coleta 4. Classificação dos dados 5. Amostragem

Leia mais

Autoria: Andréia Maura Frey de Lira, Renato Marchetti

Autoria: Andréia Maura Frey de Lira, Renato Marchetti Análise e Segmentação do Mercado Consumidor de Farmácias e Drogarias Autoria: Andréia Maura Frey de Lira, Renato Marchetti Resumo: Este artigo teve como objetivo principal descrever o comportamento do

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Sharlene Neuma Henrique da Silva 1 Isys Pryscilla de Albuquerque Lima 2 Moacyr Cunha Filho 2 Maria Cristina Falcão Raposo 3 1

Leia mais

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa

RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa RADIO 2011 Contribuição dos domínios do WHOQOL-Bref na qualidade de vida de trabalhadores de uma instalação radiativa Ivani M. Fernandes, Amanda J. da Silva, Maria da Penha A. Potiens e Janete C. G. G.

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR 1 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Resultados COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Superintendência de Regulação da Comercialização da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP PESQUISA NACIONAL DIVERSIDADE NA ESCOLA SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso CAPÍTULO 4 A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso 77 4. Um Estudo Preliminar Na primeira fase de elaboração das atividades do estudo de caso, tentamos reunir alguns elementos

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE MENSURAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DE ATRIBUTOS EM PRODUTOS E SERVIÇOS ANDRÉ LUIZ SILVA SAMARTINI Relatório de

Leia mais

Critérios de Validade em Pesquisas em Estratégia: uma Análise em Artigos publicados no EnANPAD de 1997 a 2010

Critérios de Validade em Pesquisas em Estratégia: uma Análise em Artigos publicados no EnANPAD de 1997 a 2010 Critérios de Validade em Pesquisas em Estratégia: uma Análise em Artigos publicados no EnANPAD de 1997 a 2010 Autoria: Denise de Oliveira, Silvana Anita Walter, Tatiana Marceda Bach Resumo: Os critérios

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO 1. DO OBJETO Aquisição de licenças de uso perpétuo do software SPSS for Windows v. 17.0 (módulos base e table) 2. DA JUSTIFICATIVA Trata-se

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 LISTA DE EERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade ) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 5 de um dado ser transmitido erroneamente.

Leia mais

Relacionando o negócio com o mercado

Relacionando o negócio com o mercado NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Relacionando o negócio com o mercado Manual Etapa 5/Parte 3 Boas-vindas e boas vendas! Olá, caro empreendedor! Neste mês vamos dar continuidade à

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010 Assunto : Análise quantitativa referente à Pesquisa de Satisfação com os Sistemas de Tecnologia da Informação - TRT10-2010. 1. Introdução 1.1. O objetivo deste trabalho é documentar a análise quantitativa

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas 1-1 Sumário 1) Visão Geral; 2) Medidas e Escalas; 3) Principais ; i. Escala Nominal ii. Escala Ordinal iii. Escala Intervalar iv. Escala de Razão 1-2

Leia mais

SisDEA Home Windows Versão 1

SisDEA Home Windows Versão 1 ROTEIRO PARA CRIAÇÃO E ANÁLISE MODELO REGRESSÃO 1. COMO CRIAR UM MODELO NO SISDEA Ao iniciar o SisDEA Home, será apresentada a tela inicial de Bem Vindo ao SisDEA Windows. Selecione a opção Criar Novo

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 04 ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS 2 Dificuldades das avaliações imobiliárias características especiais dos imóveis, que

Leia mais

Coordenadora Profª. Drª. Kelmara Mendes Vieira. Ani Caroline G. Potrich

Coordenadora Profª. Drª. Kelmara Mendes Vieira. Ani Caroline G. Potrich UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO GERENCIAMENTO FINANCEIRO DOS BENEFÍCIOS ADVINDOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: UMA ANÁLISE

Leia mais

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta

ESTATÍSTICA. Professor: Ricardo Vojta ESTATÍSTICA Ciências Contábeis Professor: Ricardo Vojta RAMOS DA ESTATÍSTICA A estatística dedutiva (também conhecida como Estatística Descritiva) se encarrega de descrever o conjunto de dado desde a elaboração

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração. Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes 1º trimestre de 2015

Mestrado Profissional em Administração. Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes 1º trimestre de 2015 Mestrado Profissional em Administração Disciplina: Análise Multivariada Professor: Hedibert Freitas Lopes 1º trimestre de 2015 Análise Fatorial MANLY, Cap. 7 HAIR et al., Cap. 3 2 Objetivos: Análise Fatorial!

Leia mais

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 4 Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação UAB - UNEMAT Prof. Dr. Marcos Luís Procópio

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura. Outubro 2013

Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura. Outubro 2013 Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura Outubro 2013 O IPO Instituto de Psico-Orientação é uma empresa de consultoria formada por psicólogos, fundada em 1979 no Rio de Janeiro, tendo

Leia mais

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1

Dr. Ronaldo Pilati - Psicologia Social - Universidade de Brasília 1 Métodos de Pesquisa em Psicologia Social Psicologia Social como Ciência Empírica Universidade de Brasília 1 Método Científico O que é o método científico? A produção do conhecimento em ciência está associada

Leia mais